SlideShare uma empresa Scribd logo
Nome autores
O imaginário épico em O
sentimento dum
Ocidental
«A estrutura narrativa do poema, perfazendo a epopeia moderna
possível depois de Camões e da entrada na era da suspeição que a
modernidade traz consigo, articula-se com a manifestação de uma
progressiva entrada numa Lisboa noturna […].»
Helena Carvalhão Buescu
O imaginário épico
O imaginário épico – Camões
O poema O sentimento dum Ocidental foi publicado em 1880, por ocasião dos
festejos do tricentenário da morte de Camões, daí que a viagem que o sujeito
poético faz pela cidade de Lisboa passe, propositadamente, pela estátua do poeta
e que este e a sua epopeia sejam evocados:
«Luta Camões no Sul, salvando um livro, a nado!» (Ave-Marias, v. 23)
«Brônzeo, monumental, de proporções guerreiras,/Um épico d’outrora ascende, num
pilar!» (Noite fechada, vv. 23-24)
O imaginário épico
O imaginário épico – Camões
Cesário Verde desenvolve, ao longo das 44 quadras, não a exaltação de uma nação, mas sim uma
crítica social à sociedade moderna, tecnicamente evoluída, no entanto, humanamente
decadente, quando comparada com o passado glorioso, feito de conquistas, facto que a
descrição da estátua de Camões revela.
«Mas num recinto público e vulgar,/Com bancos de namoro e exíguas pimenteiras,/Brônzeo,
monumental, de proporções guerreiras,/Um épico d’outrora ascende, num pilar!» (Noite fechada, vv.
21-24)
O imaginário épico
O imaginário épico – a epopeia
O poema aproxima-se do género épico, ao apresentar algumas marcas
específicas da epopeia:
Estruturação: poema longo com pendor narrativo;
Organização do poema enquanto viagem individual que representa a viagem de
uma entidade coletiva (a nação ou a civilização ocidental);
Reflexão sobre um povo (o seu passado, o presente e o futuro revelados ou
pressentidos na cidade);
Importância das referências temporais (descrição do presente por
contraste com o passado).
O imaginário épico
O imaginário épico – a epopeia
A viagem que o poeta faz pela cidade pode ser lida como atualização da viagem marítima,
narrada na epopeia Os Lusíadas (primeira e última parte).
Ave-Marias
Evocação de referências marítimas:
«E evoco, então, as crónicas navais» (v. 21)
«E algumas, à cabeça, embalam nas canastras/Os filhos que
depois naufragam nas tormentas» (vv. 39-40)
Surgimento de uma nova raça, semelhante à dos heróis dos Descobrimentos:
«Ah! Como a raça ruiva do porvir,/E as frotas dos avós, e os nómadas
ardentes,/Nós vamos explorar todos os continentes» (vv. 21-23)
Horas mortas
O imaginário épico
O imaginário épico – o antiépico
Neste poema, verifica-se, contudo, a subversão da matéria épica na descrição do presente.
«Ou erro pelos cais a que se atracam botes. / E evoco então as crónicas navais: […] / Singram soberba
naus que eu não verei jamais!” (Ave-Marias, vv. 20 e 24)
A composição poética, ao longo das quatro partes que a constituem, denuncia, em tom pessimista e
melancólico, a realidade opressora e decadente do país que outrora fora um império (o épico):
«De um couraçado inglês vogam os escaleres;» (Ave-Marias, v. 26)
«E, enorme, nesta massa irregular/De prédios sepulcrais, com dimensões de montes,/A dor
humana busca os amplos horizontes,/E tem marés, de fel, como um sinistro mar!» (Horas mortas,
vv. 41-44)
O imaginário épico
O imaginário épico
Consolida
1. Assinala como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações.
Solução
O sentimento dum Ocidental convoca algumas marcas do género épico.
A
O facto de o poema ser longo aproxima-o do género épico.
B
A deambulação do sujeito poético pela cidade implica uma reflexão apenas de caráter pessoal.
C
A viagem do eu lírico permite a observação da prosperidade do povo português, que vive numa
sociedade justa.
D
Verdadeira
Verdadeira
Falsa
Falsa
Cesário elogia a civilização ocidental, considerando-a moderna e técnica e humanamente evoluída.
E
Falsa
O imaginário épico
1. Assinala como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações.
Solução
Camões, em O sentimento dum Ocidental, é uma figura de referência, associada ao passado glorioso
da nação.
F
Verdadeira
Neste poema longo, existe uma oposição entre um passado imponente e um presente decaído.
G
Verdadeira
Em O sentimento dum Ocidental, verifica-se predominantemente um tom eufórico, marcado pelo
otimismo e pela esperança.
H
Falsa
A referência à estátua de Camões é simbólica e intencional.
I
Verdadeira
Existe em O sentimento dum Ocidental uma aproximação à epopeia camoniana.
J
Verdadeira
O imaginário épico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Catarina Castro
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
quintaldasletras
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Nun' Alvares Pereira
Nun' Alvares PereiraNun' Alvares Pereira
Nun' Alvares Pereira
pedrocarvalho440
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Marisa Ferreira
 

Mais procurados (20)

Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Nun' Alvares Pereira
Nun' Alvares PereiraNun' Alvares Pereira
Nun' Alvares Pereira
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 

Semelhante a O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx

Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
CiceroMarcosSantos1
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Fernanda Soares
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
PATRICIA VIANA
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
Lurdes Augusto
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Simone Giglio
 
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
DiogoMorais45
 
Ficha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário VerdeFicha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário Verde
complementoindirecto
 
Heroísmo épico
Heroísmo épicoHeroísmo épico
Heroísmo épico
Val Valença
 
Navio Negreiro Castro Alves slidesss.pdf
Navio Negreiro Castro Alves slidesss.pdfNavio Negreiro Castro Alves slidesss.pdf
Navio Negreiro Castro Alves slidesss.pdf
mariaclaraqualhato2
 
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.pptttttttttttttttttttttttttttttttttttttttVisão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
MatildeSilva37
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Carla Ribeiro
 
As naus - Lobo Antunes
As naus  - Lobo AntunesAs naus  - Lobo Antunes
As naus - Lobo Antunes
Mariana Klafke
 
OS Lusíadas
OS LusíadasOS Lusíadas
OS Lusíadas
Samuel Rosa
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
Helena Perdigão
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
isabeldovaletrabucho
 
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxo_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
Maria Cardoso
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciais
MariaGuida
 
Abilio
AbilioAbilio
Abilio
culturaafro
 
Classicismo[1]
Classicismo[1]Classicismo[1]
Classicismo[1]
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Vanguardas(2)
Vanguardas(2)Vanguardas(2)
Vanguardas(2)
Raphael Lanzillotte
 

Semelhante a O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx (20)

Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
 
Ficha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário VerdeFicha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário Verde
 
Heroísmo épico
Heroísmo épicoHeroísmo épico
Heroísmo épico
 
Navio Negreiro Castro Alves slidesss.pdf
Navio Negreiro Castro Alves slidesss.pdfNavio Negreiro Castro Alves slidesss.pdf
Navio Negreiro Castro Alves slidesss.pdf
 
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.pptttttttttttttttttttttttttttttttttttttttVisão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
 
As naus - Lobo Antunes
As naus  - Lobo AntunesAs naus  - Lobo Antunes
As naus - Lobo Antunes
 
OS Lusíadas
OS LusíadasOS Lusíadas
OS Lusíadas
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxo_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciais
 
Abilio
AbilioAbilio
Abilio
 
Classicismo[1]
Classicismo[1]Classicismo[1]
Classicismo[1]
 
Vanguardas(2)
Vanguardas(2)Vanguardas(2)
Vanguardas(2)
 

Mais de CecliaGomes25

Apresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptxApresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptx
CecliaGomes25
 
Ética Kantiana (1).pptx
Ética Kantiana (1).pptxÉtica Kantiana (1).pptx
Ética Kantiana (1).pptx
CecliaGomes25
 
mensagem (1).pptx
mensagem (1).pptxmensagem (1).pptx
mensagem (1).pptx
CecliaGomes25
 
Port.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdf
Port.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdfPort.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdf
Port.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdf
CecliaGomes25
 
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxDeterminismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
CecliaGomes25
 
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxA dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
CecliaGomes25
 
3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf
3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf
3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf
CecliaGomes25
 
nteha12_ppt1.pptx
nteha12_ppt1.pptxnteha12_ppt1.pptx
nteha12_ppt1.pptx
CecliaGomes25
 
Síntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.pptSíntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.ppt
CecliaGomes25
 

Mais de CecliaGomes25 (9)

Apresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptxApresentação 4.pptx
Apresentação 4.pptx
 
Ética Kantiana (1).pptx
Ética Kantiana (1).pptxÉtica Kantiana (1).pptx
Ética Kantiana (1).pptx
 
mensagem (1).pptx
mensagem (1).pptxmensagem (1).pptx
mensagem (1).pptx
 
Port.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdf
Port.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdfPort.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdf
Port.-da-1a-rep.-a-ditadura-militar.pdf
 
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxDeterminismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
 
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxA dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
 
3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf
3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf
3_pp_ruptinovacaoarte_9a.pdf
 
nteha12_ppt1.pptx
nteha12_ppt1.pptxnteha12_ppt1.pptx
nteha12_ppt1.pptx
 
Síntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.pptSíntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.ppt
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx

  • 1. Nome autores O imaginário épico em O sentimento dum Ocidental
  • 2. «A estrutura narrativa do poema, perfazendo a epopeia moderna possível depois de Camões e da entrada na era da suspeição que a modernidade traz consigo, articula-se com a manifestação de uma progressiva entrada numa Lisboa noturna […].» Helena Carvalhão Buescu O imaginário épico
  • 3. O imaginário épico – Camões O poema O sentimento dum Ocidental foi publicado em 1880, por ocasião dos festejos do tricentenário da morte de Camões, daí que a viagem que o sujeito poético faz pela cidade de Lisboa passe, propositadamente, pela estátua do poeta e que este e a sua epopeia sejam evocados: «Luta Camões no Sul, salvando um livro, a nado!» (Ave-Marias, v. 23) «Brônzeo, monumental, de proporções guerreiras,/Um épico d’outrora ascende, num pilar!» (Noite fechada, vv. 23-24) O imaginário épico
  • 4. O imaginário épico – Camões Cesário Verde desenvolve, ao longo das 44 quadras, não a exaltação de uma nação, mas sim uma crítica social à sociedade moderna, tecnicamente evoluída, no entanto, humanamente decadente, quando comparada com o passado glorioso, feito de conquistas, facto que a descrição da estátua de Camões revela. «Mas num recinto público e vulgar,/Com bancos de namoro e exíguas pimenteiras,/Brônzeo, monumental, de proporções guerreiras,/Um épico d’outrora ascende, num pilar!» (Noite fechada, vv. 21-24) O imaginário épico
  • 5. O imaginário épico – a epopeia O poema aproxima-se do género épico, ao apresentar algumas marcas específicas da epopeia: Estruturação: poema longo com pendor narrativo; Organização do poema enquanto viagem individual que representa a viagem de uma entidade coletiva (a nação ou a civilização ocidental); Reflexão sobre um povo (o seu passado, o presente e o futuro revelados ou pressentidos na cidade); Importância das referências temporais (descrição do presente por contraste com o passado). O imaginário épico
  • 6. O imaginário épico – a epopeia A viagem que o poeta faz pela cidade pode ser lida como atualização da viagem marítima, narrada na epopeia Os Lusíadas (primeira e última parte). Ave-Marias Evocação de referências marítimas: «E evoco, então, as crónicas navais» (v. 21) «E algumas, à cabeça, embalam nas canastras/Os filhos que depois naufragam nas tormentas» (vv. 39-40) Surgimento de uma nova raça, semelhante à dos heróis dos Descobrimentos: «Ah! Como a raça ruiva do porvir,/E as frotas dos avós, e os nómadas ardentes,/Nós vamos explorar todos os continentes» (vv. 21-23) Horas mortas O imaginário épico
  • 7. O imaginário épico – o antiépico Neste poema, verifica-se, contudo, a subversão da matéria épica na descrição do presente. «Ou erro pelos cais a que se atracam botes. / E evoco então as crónicas navais: […] / Singram soberba naus que eu não verei jamais!” (Ave-Marias, vv. 20 e 24) A composição poética, ao longo das quatro partes que a constituem, denuncia, em tom pessimista e melancólico, a realidade opressora e decadente do país que outrora fora um império (o épico): «De um couraçado inglês vogam os escaleres;» (Ave-Marias, v. 26) «E, enorme, nesta massa irregular/De prédios sepulcrais, com dimensões de montes,/A dor humana busca os amplos horizontes,/E tem marés, de fel, como um sinistro mar!» (Horas mortas, vv. 41-44) O imaginário épico
  • 9. 1. Assinala como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações. Solução O sentimento dum Ocidental convoca algumas marcas do género épico. A O facto de o poema ser longo aproxima-o do género épico. B A deambulação do sujeito poético pela cidade implica uma reflexão apenas de caráter pessoal. C A viagem do eu lírico permite a observação da prosperidade do povo português, que vive numa sociedade justa. D Verdadeira Verdadeira Falsa Falsa Cesário elogia a civilização ocidental, considerando-a moderna e técnica e humanamente evoluída. E Falsa O imaginário épico
  • 10. 1. Assinala como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações. Solução Camões, em O sentimento dum Ocidental, é uma figura de referência, associada ao passado glorioso da nação. F Verdadeira Neste poema longo, existe uma oposição entre um passado imponente e um presente decaído. G Verdadeira Em O sentimento dum Ocidental, verifica-se predominantemente um tom eufórico, marcado pelo otimismo e pela esperança. H Falsa A referência à estátua de Camões é simbólica e intencional. I Verdadeira Existe em O sentimento dum Ocidental uma aproximação à epopeia camoniana. J Verdadeira O imaginário épico