SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Margarida Rodrigues, nº18, 12ºB
“A mentira é simplesmente a linguagem da alma, pois, assim
como nos servimos de palavras, que são sons articulados de
uma maneira absurda, para em linguagem real traduzir os
mais íntimos     e subtis movimentos da emoção e do
pensamento , que as palavras forçosamente não poderão
nunca traduzir, assim nos servimos da mentira e da ficção
para nos entendermos uns aos outros , o que com a verdade
própria e intransmissível, se nunca poderia fazer. ”Fernando
Pessoa
As temáticas de Fernando
                 Pessoa:
 •Fingimento artístico
    •A dor de pensar
 •A nostalgia da infância mítica

•A fragmentação do ‘’eu’’- O tédio existencial


                 Binómios :
      •Consciência/ Inconsciência

   •Pensar/ Sentir

       •Realidade/Sonho
Fingimento Artístico
                      Criação Poética




                        Fingimento




 O poema não traduz aquilo que o poeta sente , mas sim aquilo
 que imagina a partir do que anteriormente sentiu. O poeta é
 pois um fingidor, que escreve uma emoção fingida
 , pensada, por isso fruto da razão e da imaginação, e não a
 emoção sentida pelo coração, que apenas chega ao poema
 transfigurada,      na      tal     emoção       trabalhada
 poeticamente, imaginada.
Fingimento
 Artístico portanto, que
        É
         teoria que diz
                        a

             aquilo que se
             escreve não é o
             que se sente mas o
             que se pensa que
             se sente, logo, não
             se sente, só se
             pensa.
‘Autopsicografia’                    ‘Isto’



  *Explicita  a condição do
  poeta, ‘ o poeta é um          *Clarificação do verdadeiro
  fingidor’;                     sentido do fingimento         :
  *Subordinação            dos   ‘’sinto com a imaginação ‘’ ;
  sentimentos                à   * A criação poética implica
  razão, imprescindível no ato   a conceção de novas
  poético , conduz          ao   relações distanciando-se do
  movimento cíclico da arte :    real, o que se pode entender
  Sentir , Pensar , Criar.
                                 como fingimento artístico
‘’Não: não digas nada!     Começa com um apelo. O
      Ao longo do        Supor o que dirá         silêncio é o nada, mas é também
        poema a          A tua boca velada        - de certa forma - o tudo que
      mensagem                                    não foi ainda dito: é uma forma
       parece ser
                         É ouvi-lo já             de realidade perfeita
     dirigida a um
     interlocutor :     É ouvi-lo melhor             •Fuga da realidade concreta
    Ofélia , a amada    Do que o dirias.             •Dicotomia sentir/pensar
        do poeta                                     •As palavras não exprimem o
                        O que és não vem à flor
                                                     seu verdadeiro interior
                        Das frases e dos dias.
Dicotomia      sentir
/pensar : a pureza
dos      sentimentos
                        És melhor do que tu.
sobrepõem-se       ao   Não digas nada: sê!          O sujeito lírico concebe a
exterior          que   Graça do corpo nu           ideia da sua "amante ideal“
exprime     a   fraca                               que é melhor do que ela
                        Que invisível se vê.’’      alguma vez poderá ser.
intelectualização dos
sentimentos
Dor de Pensar
Dotado de uma lucidez anormal, Pessoa, buscou
avidamente a felicidade contudo nunca a conseguiu
encontrar. ‘’ Porque cedo o torturou a fome
inextinguível de conhecer; a inteligência discursiva só
lhe deu a certeza de que <<tudo é oculto >>’’ – ou seja
ultrapassa os limites inteligíveis do Homem. Esta
consciência perturbava-o .
E ávido por alcançar a felicidade e a leveza de espirito
tentava permanecer ao nível do sensível e encontrar
um         ponto       de        equilíbrio       entre
consciência/inconsciência, uma vez que o próprio
pensamento corrompe a inconsciência, inerente
à felicidade de viver.

                                                 Vive        num         constante
                                                 sofrimento,     causado       pela
 • a racionalização em excesso
                                                 vastidão dos seus pensamentos
 • lucidez
                                                 , e por uma consciência activa
‘’Tenho tanto sentimento            Inicialmente, o sujeito poético apresenta-se
  Que é frequente persuadir-me      como um ser emocional, contudo numa
  De que sou sentimental,           análise mais profunda revela-se um ser
  Mas reconheço, ao medir-me,       racionalista , tendo por vezes a ilusão que é
  Que tudo isso é pensamento,
  Que não senti afinal.             sentimental .

 Temos, todos que vivemos,        A oposição sentir/pensar , opera-se nos pares:
 Uma vida que é vivida            vida vivida/vida pensada ; vida verdadeira/vida
 E outra vida que é pensada,      errada : entre o que ele desejaria que fosse a sua
 E a única vida que temos         vida e o que a sua vida é realmente. Ele chega à
 É essa que é dividida            conclusão que a "vida que temos" está dividida
 Entre a verdadeira e a errada.
                                  entre esses dois polos, sem nunca ser perfeita
 Qual porém é a verdadeira        como desejamos que seja.
 E qual errada, ninguém
 Nos saberá explicar;
 E vivemos de maneira             Impossibilidade de discernir qual a vida certa da
 Que a vida que a gente tem       errada. No ultimo verso esta patente a
 É a que tem que pensar. ’’       subordinação dos sentimentos à razão/pensamento.
Não sei ser triste a valer           •Incapacidade de ‘’ser’’
Nem ser alegre deveras.          •Consciência/ inconsciência dos
Acreditem: não sei ser.          outros , e a falsidade associada a
Serão as almas sinceras                          isso
Assim também, sem saber?
Ah, ante a ficção da alma     SENTIR                     PENSAR
E a mentira da emoção,
Com que prazer me dá calma
Ver uma flor sem razão        •O homem sente e pensa mas nele a razão e a
Florir sem ter coração!       emoção são mentira, pois não se podem conjugar
Mas enfim não há diferença.   •Por seu lado, a flor, nem sente nem pensa e, no
Se a flor flore sem querer,   entanto, desabrocha sem precisar de razão e de
Sem querer a gente pensa.     coração. Para a flor, florescer é um acto
O que nela é florescer        involuntário, tal como é um acto involuntário para o
Em nós é ter consciência.     homem pensar.
Depois, a nós como a ela,
Quando o Fado a faz passar,        Procura sugerir que, enquanto a morte não
Surgem as patas dos deuses         chega, devemos aproveitar cada momento
E ambos nos vêm calcar.            da vida, seja florindo inconscientemente
'Stá bem, enquanto não vêm         como uma flor, seja pensando, como é
Vamos florir ou pensar.            inevitável no homem.
• A ceifeira canta alegre, nas suas lides, e inconsciente da sua dura condição de
                     vida
                   • O sujeito poético anseia pela sua paz, e pede aos elementos impulsionadores da
  ‘’Ela canta        serenidade espiritual : o céu, a canção, e o campo que o ajudem e transportem à
                     paz . Isto durante um processo consciente
pobre ceifeira’’




                    • Frustração    em     relação     ao     passado     (os sonhos  não     se
                      concretizaram), incapacidade de viver de acordo com o momento – só
                      posteriormente se apercebe que esse momento não foi verdadeiramente vivido
                      (não       se       sente        feliz,      realizado    em     nenhum
‘’No entardecer       momento), tristeza, angústia, solidão.
   da Terra’’



                      • A "aldeia" surge como espaço de intimidade, metáfora da interioridade
                        do poeta.
                      • Sino é símbolo da passagem do tempo (doloroso),
                      • Pouca expectativa em relação ao futuro; inconformismo, procura
 ‘’Ó sino da            constante do eu; tempo dividido em fragmentos); solidão
minha aldeia’’          ansiedade, nostalgia da infância.
Bibliografia
   http://pt.scribd.com/doc/849
    78656/Fernando-Pessoa-
    analise-de-poemas
   http://12h-
    stuart.blogspot.pt/2009/10/d
    or-de-pensar-em-fernando-
    pessoa.html

   http://www.fpessoa.com.ar/
   http://www.notapositiva.com/
    trab_estudantes/trab_estuda
    ntes/portugues/portugues_tra
    balhos/fernpessoaorton.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Iga Almeida
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeRaffaella Ergün
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro modernoaramalho340
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando PessoaFilipaFonseca
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)Sara Guerra
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaRaffaella Ergün
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 

Mais procurados (20)

Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 

Destaque

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Ricardo Amaral
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa HeterónimosESVieira do Minho
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosguest40b640
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaMargarida Rodrigues
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoafromgaliza
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoRicardo Santos
 
Nostalgia de infância - Fernando Pessoa
Nostalgia de infância -  Fernando PessoaNostalgia de infância -  Fernando Pessoa
Nostalgia de infância - Fernando PessoaInesa M
 
Violência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito DesportivoViolência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito Desportivo713773
 
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa OrtónimoOxana Marian
 
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"guest5761d7
 
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoSistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoDina Baptista
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaDina Baptista
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativaPaulinho Gonçalves
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaDiogo Tavares
 

Destaque (20)

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Nostalgia de infância - Fernando Pessoa
Nostalgia de infância -  Fernando PessoaNostalgia de infância -  Fernando Pessoa
Nostalgia de infância - Fernando Pessoa
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
 
Violência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito DesportivoViolência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito Desportivo
 
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
"Cansa sentir quando se pensa" - Fernando Pessoa Ortónimo
 
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
 
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoSistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Poesia
PoesiaPoesia
Poesia
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 

Semelhante a Fernando Pessoa-Ortónimo

Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15quintaldasletras
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.docPaula Duarte
 
Fernando_Pessoa_ele-mesmo.ppt
Fernando_Pessoa_ele-mesmo.pptFernando_Pessoa_ele-mesmo.ppt
Fernando_Pessoa_ele-mesmo.pptWilliamVieira65
 
Síntese programa12º
Síntese programa12ºSíntese programa12º
Síntese programa12ºMª Galvão
 
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docx
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docxfernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docx
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docxisabaraujo67
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimosAntónio Fraga
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaestado
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimosMariana338866
 
Osho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdfOsho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdfHubertoRohden2
 
Fernando pessoa conteúdos essenciais
Fernando pessoa conteúdos essenciaisFernando pessoa conteúdos essenciais
Fernando pessoa conteúdos essenciaisbecresforte
 
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca Fernanda Pantoja
 
Características.docx
Características.docxCaracterísticas.docx
Características.docxisabaraujo67
 
O Bandeirante - n.232 - março de 2012
O Bandeirante - n.232 - março de 2012O Bandeirante - n.232 - março de 2012
O Bandeirante - n.232 - março de 2012Marcos Gimenes Salun
 
Ensaio man of the crowd
Ensaio man of the crowdEnsaio man of the crowd
Ensaio man of the crowdRaphael Cruz
 

Semelhante a Fernando Pessoa-Ortónimo (20)

Teste Português.docx
Teste Português.docxTeste Português.docx
Teste Português.docx
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.pdf
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.pdffernandopessoa_ortonimoeheteronimos.pdf
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.pdf
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
 
Fernando_Pessoa_ele-mesmo.ppt
Fernando_Pessoa_ele-mesmo.pptFernando_Pessoa_ele-mesmo.ppt
Fernando_Pessoa_ele-mesmo.ppt
 
Síntese programa12º
Síntese programa12ºSíntese programa12º
Síntese programa12º
 
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docx
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docxfernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docx
fernandopessoa_ortonimoeheteronimos.docx
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
 
Osho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdfOsho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdf
 
Fernando pessoa conteúdos essenciais
Fernando pessoa conteúdos essenciaisFernando pessoa conteúdos essenciais
Fernando pessoa conteúdos essenciais
 
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
 
69
6969
69
 
30
3030
30
 
Características.docx
Características.docxCaracterísticas.docx
Características.docx
 
O Bandeirante - n.232 - março de 2012
O Bandeirante - n.232 - março de 2012O Bandeirante - n.232 - março de 2012
O Bandeirante - n.232 - março de 2012
 
Ensaio man of the crowd
Ensaio man of the crowdEnsaio man of the crowd
Ensaio man of the crowd
 

Mais de Margarida Rodrigues (19)

3D bioprinting
3D bioprinting3D bioprinting
3D bioprinting
 
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-PropanediolMicrobial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-Propanediol
 
Produção microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gordurasProdução microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gorduras
 
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbianaProdução de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbiana
 
Manipulação de DNA
Manipulação de DNAManipulação de DNA
Manipulação de DNA
 
Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
combustíveis fosséis
combustíveis fosséiscombustíveis fosséis
combustíveis fosséis
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
 
Processo de haber
Processo de haberProcesso de haber
Processo de haber
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
Gymmmm
GymmmmGymmmm
Gymmmm
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
.- Racismooo
 .- Racismooo .- Racismooo
.- Racismooo
 

Fernando Pessoa-Ortónimo

  • 2. “A mentira é simplesmente a linguagem da alma, pois, assim como nos servimos de palavras, que são sons articulados de uma maneira absurda, para em linguagem real traduzir os mais íntimos e subtis movimentos da emoção e do pensamento , que as palavras forçosamente não poderão nunca traduzir, assim nos servimos da mentira e da ficção para nos entendermos uns aos outros , o que com a verdade própria e intransmissível, se nunca poderia fazer. ”Fernando Pessoa
  • 3. As temáticas de Fernando Pessoa: •Fingimento artístico •A dor de pensar •A nostalgia da infância mítica •A fragmentação do ‘’eu’’- O tédio existencial Binómios : •Consciência/ Inconsciência •Pensar/ Sentir •Realidade/Sonho
  • 4. Fingimento Artístico Criação Poética Fingimento O poema não traduz aquilo que o poeta sente , mas sim aquilo que imagina a partir do que anteriormente sentiu. O poeta é pois um fingidor, que escreve uma emoção fingida , pensada, por isso fruto da razão e da imaginação, e não a emoção sentida pelo coração, que apenas chega ao poema transfigurada, na tal emoção trabalhada poeticamente, imaginada.
  • 5. Fingimento Artístico portanto, que É teoria que diz a aquilo que se escreve não é o que se sente mas o que se pensa que se sente, logo, não se sente, só se pensa.
  • 6. ‘Autopsicografia’ ‘Isto’ *Explicita a condição do poeta, ‘ o poeta é um *Clarificação do verdadeiro fingidor’; sentido do fingimento : *Subordinação dos ‘’sinto com a imaginação ‘’ ; sentimentos à * A criação poética implica razão, imprescindível no ato a conceção de novas poético , conduz ao relações distanciando-se do movimento cíclico da arte : real, o que se pode entender Sentir , Pensar , Criar. como fingimento artístico
  • 7. ‘’Não: não digas nada! Começa com um apelo. O Ao longo do Supor o que dirá silêncio é o nada, mas é também poema a A tua boca velada - de certa forma - o tudo que mensagem não foi ainda dito: é uma forma parece ser É ouvi-lo já de realidade perfeita dirigida a um interlocutor : É ouvi-lo melhor •Fuga da realidade concreta Ofélia , a amada Do que o dirias. •Dicotomia sentir/pensar do poeta •As palavras não exprimem o O que és não vem à flor seu verdadeiro interior Das frases e dos dias. Dicotomia sentir /pensar : a pureza dos sentimentos És melhor do que tu. sobrepõem-se ao Não digas nada: sê!  O sujeito lírico concebe a exterior que Graça do corpo nu ideia da sua "amante ideal“ exprime a fraca que é melhor do que ela Que invisível se vê.’’ alguma vez poderá ser. intelectualização dos sentimentos
  • 8. Dor de Pensar Dotado de uma lucidez anormal, Pessoa, buscou avidamente a felicidade contudo nunca a conseguiu encontrar. ‘’ Porque cedo o torturou a fome inextinguível de conhecer; a inteligência discursiva só lhe deu a certeza de que <<tudo é oculto >>’’ – ou seja ultrapassa os limites inteligíveis do Homem. Esta consciência perturbava-o . E ávido por alcançar a felicidade e a leveza de espirito tentava permanecer ao nível do sensível e encontrar um ponto de equilíbrio entre consciência/inconsciência, uma vez que o próprio pensamento corrompe a inconsciência, inerente à felicidade de viver. Vive num constante sofrimento, causado pela • a racionalização em excesso vastidão dos seus pensamentos • lucidez , e por uma consciência activa
  • 9. ‘’Tenho tanto sentimento Inicialmente, o sujeito poético apresenta-se Que é frequente persuadir-me como um ser emocional, contudo numa De que sou sentimental, análise mais profunda revela-se um ser Mas reconheço, ao medir-me, racionalista , tendo por vezes a ilusão que é Que tudo isso é pensamento, Que não senti afinal. sentimental . Temos, todos que vivemos, A oposição sentir/pensar , opera-se nos pares: Uma vida que é vivida vida vivida/vida pensada ; vida verdadeira/vida E outra vida que é pensada, errada : entre o que ele desejaria que fosse a sua E a única vida que temos vida e o que a sua vida é realmente. Ele chega à É essa que é dividida conclusão que a "vida que temos" está dividida Entre a verdadeira e a errada. entre esses dois polos, sem nunca ser perfeita Qual porém é a verdadeira como desejamos que seja. E qual errada, ninguém Nos saberá explicar; E vivemos de maneira Impossibilidade de discernir qual a vida certa da Que a vida que a gente tem errada. No ultimo verso esta patente a É a que tem que pensar. ’’ subordinação dos sentimentos à razão/pensamento.
  • 10. Não sei ser triste a valer •Incapacidade de ‘’ser’’ Nem ser alegre deveras. •Consciência/ inconsciência dos Acreditem: não sei ser. outros , e a falsidade associada a Serão as almas sinceras isso Assim também, sem saber? Ah, ante a ficção da alma SENTIR PENSAR E a mentira da emoção, Com que prazer me dá calma Ver uma flor sem razão •O homem sente e pensa mas nele a razão e a Florir sem ter coração! emoção são mentira, pois não se podem conjugar Mas enfim não há diferença. •Por seu lado, a flor, nem sente nem pensa e, no Se a flor flore sem querer, entanto, desabrocha sem precisar de razão e de Sem querer a gente pensa. coração. Para a flor, florescer é um acto O que nela é florescer involuntário, tal como é um acto involuntário para o Em nós é ter consciência. homem pensar. Depois, a nós como a ela, Quando o Fado a faz passar, Procura sugerir que, enquanto a morte não Surgem as patas dos deuses chega, devemos aproveitar cada momento E ambos nos vêm calcar. da vida, seja florindo inconscientemente 'Stá bem, enquanto não vêm como uma flor, seja pensando, como é Vamos florir ou pensar. inevitável no homem.
  • 11. • A ceifeira canta alegre, nas suas lides, e inconsciente da sua dura condição de vida • O sujeito poético anseia pela sua paz, e pede aos elementos impulsionadores da ‘’Ela canta serenidade espiritual : o céu, a canção, e o campo que o ajudem e transportem à paz . Isto durante um processo consciente pobre ceifeira’’ • Frustração em relação ao passado (os sonhos não se concretizaram), incapacidade de viver de acordo com o momento – só posteriormente se apercebe que esse momento não foi verdadeiramente vivido (não se sente feliz, realizado em nenhum ‘’No entardecer momento), tristeza, angústia, solidão. da Terra’’ • A "aldeia" surge como espaço de intimidade, metáfora da interioridade do poeta. • Sino é símbolo da passagem do tempo (doloroso), • Pouca expectativa em relação ao futuro; inconformismo, procura ‘’Ó sino da constante do eu; tempo dividido em fragmentos); solidão minha aldeia’’ ansiedade, nostalgia da infância.
  • 12. Bibliografia  http://pt.scribd.com/doc/849 78656/Fernando-Pessoa- analise-de-poemas  http://12h- stuart.blogspot.pt/2009/10/d or-de-pensar-em-fernando- pessoa.html  http://www.fpessoa.com.ar/  http://www.notapositiva.com/ trab_estudantes/trab_estuda ntes/portugues/portugues_tra balhos/fernpessoaorton.htm