SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
RECURSOS HIDRÍCOS
Ciclo hidrológico
O clima de Portugal
Pressão atmosférica
Tipos de precipitação (distribuição em Portugal)
Estados de tempo em Portugal
Disponibilidade hídrica
Problemas na distribuição e utilização da água
Potencializar os Recursos Hídricos
A cooperação internacional
Gestão dos Recursos Hídricos
Recursos Hídricos
As alterações físicas da água acontecem por simples alterações da temperatura, desencadeada pela energia
solar - o ciclo hidrológico (ou ciclo da água).
 Evapotranspiração - evaporação das águas, superficiais ou subterrâneas, juntamente com a água
libertada pela respiração e transpiração dos seres vivos.
 Condensação - vapor de água na atmosfera devido
 Precipitação - passagem do vapor de água para o estado líquido devido à diminuição de
temperatura
 Escorrência - água precipitada que escorre superficialmente, voltando aos oceanos
 Infiltração - água proveniente da escorrência que se infiltra nos solos, acabando também por voltar
aos oceanos
 Evaporação - quando a água retorna à atmosfera no estado gasoso
Este ciclo permite transferir água e purificá-la.
A água é um recurso renovável em circulação constante e estabelece a ligação entre a terra, os oceanos
e a atmosfera. O ciclo hidrológico tem a uma escala local uma entrada - a precipitação - e duas saídas - a
evapotranspiração e o escoamento superficial e retenção no solo. A água é utilizada para: agricultura;
indústria (na produção de matérias-primas); abastecimento público e doméstico; produção de energia.
Clima de Portugal
O clima de Portugal é temperado, localizando-se na faixa do clima mediterrâneo. A posição do território
nacional (latitude), à disposição do relevo e a influência do oceano são os fatores que mais interferem nas
características dos estados de tempo. Assim, no verão e no inverno, a influência de massas de ar e de faixas
de pressão vão dar origem a estados de tempo diversos, marcados por um regime pluviométrico irregular.
O clima apresenta caraterísticas dos climas marítimos do Norte Litoral e caraterísticas dos climas
continentais no Interior.
Açores- temperado e chuvoso.
Madeira- temperado apresentando caraterísticas subtropicais na vertente sul.
Pressão atmosférica - força exercida pela atmosfera em cada unidade da superfície terrestre. Varia
com a altitude, temperatura e humidade absoluta.
 Varia na altitude, pois diminui à medida que a altitude aumenta, pois o ar torna-se menos denso
 Varia na temperatura pois à medida que o ar aquece (com o aumento da mesma), dilata-se,
tornando-se mais leve, menos denso e logo a pressão diminui.
 Varia consoante a humidade já que o vapor de água é menos denso que o ar, assim quanto maior o
valor da humidade do ar, menor a pressão atmosférica
A pressão atmosférica representa-se através de isóbaras - linhas que unem pontos com o valor da pressão.
Nos campos de pressão, constituídos pelas isóbaras, é determinado um centro barométrico, que pode ser
de alta pressão (anticiclones) ou de baixa pressão (ciclones ou depressões barométricas).
Anticiclones - ar divergente e descendente Ciclones - ar convergente e ascendente
Centros barométricos origem: Dinâmica ou Térmica
Dinâmica- têm origem na própria dinâmica da atmosfera e existem todo o ano.
 Anticiclones  Devido ao movimento descendente do ar a partir das camadas mais altas.
 Ciclones  Devido à convergência de ventos numa determinada área junto ao solo.
Térmica- dependem da variação da temperatura do ar ao longo do ano e não são permanentes.
 Anticiclones  Resultam do intenso arrefecimento do ar junto ao solo. É frequente formarem-se nos
continentes durante o inverno.
 Ciclones  Resultam do intenso aquecimento do ar. É frequente formarem-se nos continentes
durante o verão.
Altas Pressões - Bom tempo, céu limpo, vento fraco, ar divergente e descendente. Ao descer o ar aquece,
afastando se do ponto de saturação, e da possibilidade de ocorrer condensação, não havendo nuvens e não
havendo portanto, precipitação.
Baixas Pressões - Mau tempo, céu nublado, precipitação, vento, ar convergente e ascendente. Ao subir o ar
expande-se, arrefecendo e aproximando-se do ponto de saturação. Se for atingido, observa-se a
condensação do vapor de água, formando-se nuvens e possível
ocorrência de precipitação.
Os centros de altas pressões alternam com os centros de baixas
pressões, constituindo a base da circulação geral da Terra.
Portugal é afetado por ventos de oeste, que influenciam o clima,
dado a sua trajetória marítima. Apesar de terem origem nas altas
pressões subtropicais, quando se deslocam sobre o mar, ganham
humidade, o que leva a uma elevada precipitação e amenidade das
temperaturas em Portugal.
Durante o Inverno, Portugal é afetado pelos centro de baixas pressões subpolares e por massas de ar frio
polar. Durante o Verão, Portugal é afetado pelos anticiclones subtropicais, como o Anticiclone dos Açores, e
por massas de ar quente tropical.
Massa de ar: Extensa porção da atmosfera que, no plano horizontal, apresenta características físicas
(temperatura, humidade e densidade) muito homogéneas.
Adquirem propriedades das regiões sobre as quais estacionaram durante muito tempo e transportam-nas
para as regiões para onde se deslocam. Podem sofrer alterações durante o trajeto:
 Trajetória marítima - mais húmida
 Trajetória continental - mais seca
As massas de ar que afetam Portugal no verão são as massas de ar tropical, e no inverno são as massas de ar
polar.
 Massas de ar tropical: têm origem nos anticiclones subtropicais. Podem formar-se nos oceanos ou
nos continentes. Se se formarem sobre os oceanos, dão origem a massas de ar tropical marítimo
(TM), e sobre os continentes dão origem a massas de ar tropical continental (TC).
 Massas de ar polar - têm origem nas latitudes elevadas e deslocam-se para sul no inverno e para
norte no verão. Podem ser massas de ar polar continental (PC) ou massas de ar polar marítimo (PM)
Quando duas massas de ar de temperatura e humidades diferentes entram em contacto não se misturam,
encontrando-se separadas por uma superfície, a superfície frontal. Nestas superfícies o ar frio tende a
colocar-se por baixo do ar quente. A interseção da superfície frontal com a superfície da terra designa-se de
sistema frontal.
Quando uma massa de ar frio avança, desalojando o ar quente da superfície e obrigando-o a ascender, dá
origem a uma superfície frontal fria, e a uma frente fria. Quando é o ar quente que avança, ascendendo
sobre o ar frio, dá origem a uma superfície frontal quente, e a uma frente quente. O conjunto de uma
frente fria e uma frente quente, associadas a uma depressão barométrica, designa-se por perturbação
frontal.
Deslocando-se de oeste para este, as frentes quente e fria têm velocidades diferentes. A frente fria desloca-
se mais rapidamente que a frente quente. O ar quente vai assim diminuindo até subir, entrando assim em
oclusão.
Tipos de precipitação - Para que ocorra precipitação, é necessário verificar-se condensação do vapor
de água, o que acontece se o ponto de saturação for atingido. Podem ser 3, os processos de origem de
ascensão do ar que caracterizam a precipitação:
 Precipitações orográficas ou de relevo - subida forçada do
ar. São frequentes em relevo acidentado
 Precipitações convectivas ou de convecção -
sobreaquecimento da superfície terrestre
 Precipitações ciclónicas ou frontais - encontro de duas
massas de ar com diferentes temperaturas e humidade
Distribuição da precipitação 
Afetada pela latitude, relevo e distância ao mar
Estados de tempo em Portugal
Devido à sua localização geográfica, Portugal apresenta uma
grande diversidade de estados de tempo. A primaveira e o outono,
são estações marcadas por forte irregularidade.
Inverno - céu muito nublado, precipitação e vento forte ou
temperaturas muito baixas, ausência de nebulosidade e
precipitação, sendo frequente a formação de geadas
Verão - céu limpo, ausência de precipitação, vento fraco e
temperaturas altas ou nebulosidade e precipitação
Disponibilidade Hídrica- conjunto de recursos hídricos existentes num dado lugar.
Apesar de ser um país pequeno e de ter um clima predominantemente mediterrâneo, que faz com que haja
grande irregularidade na precipitação, Portugal possui uma rede hidrográfica bem desenvolvida e com uma
grande disponibilidade hídrica. Em relação à distribuição da precipitação existe maior desenvolvimento na
região norte e noroeste de Portugal.
As disponibilidades hídricas variam essencialmente devido às quantidades de precipitação, pelo que, em
termos gerais, podemos dizer que existe uma diminuição no sentido norte-sul, com a passagem de rios com
regimes de tipo oceânico (minho ou Douro) para rios de regime irregular ou torrencial (Guadiana), que no
período seco chegam quase a desaparecer, tal é a diminuição do caudal. Variam também consoante a
temperatura, características físicas dos solos, relevo, vegetação e ação humana.
Rede Hidrográfica- conjunto formado por um rio principal e por todos os cursos de água que para ele
afluem.
Bacia Hidrográfica- área constituída por terras cujas águas escorrem para um rio e seus afluentes.
As diferenças entre as bacias hidrográficas resultam, fundamentalmente, da interação dos fatores físicos,
com destaque para o clima e para a geomorfologia. Estes fatores, condicionam as disponibilidades hídricas
das diferentes bacias.
As características hidrográficas das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira são marcadas pela
existência de inúmeras linhas de água (ribeiras) que se apresentam normalmente bem encaixadas. O seu
caudal é, geralmente, muito irregular. A hidrografia das ilhas açorianas é, também, caracterizada pela
existência de inúmeras lagoas instaladas no fundo de caldeiras vulcânicas.
A maioria das lagoas existentes no Continente é artificial e resultam da construção de barragens. As
barragens e albufeiras desempenham um importante papel na manutenção das disponibilidades hídricas
(armazenamento de água, fornecimento de água para consumo, na produção de energia hidrelétrica e no
lazer que proporciona à população).
As zonas húmidas dispersas pelo território (próximas da foz dos principais rios) são sistemas naturais
complexos, que armazenam água em excesso nos períodos húmidos e a fornecem nos períodos secos. Estes
sistemas proporcionam uma gama de valores e de serviços à população local e à humanidade.
A irregularidade dos rios portugueses reflete a existência de contrastes climáticos.
A interferência de fatores físicos e de fatores humanos condiciona a regularidade dos rios e dos seus caudais.
O conhecimento dos principais elementos e fatores climáticos permite caracterizar o clima de qualquer
território, neste caso, o nacional.
A desigual distribuição dos recursos hídricos é uma realidade que marca o território nacional.
A distribuição dos, aquíferos não é homogénea:
 As regiões que apresentam uma maior produtividade aquífera são as de maior permeabilidade das
formações geológicas – Bacias sedimentares onde predominam areias, arenitos e cascalhes, e as
orlas sedimentares com áreas de calcário (formações cársicas), arenitos e grés.
 As águas termais são abundantes, especialmente, no Continente (região a Norte do Tejo, Alto
Alentejo) e na Região Autónoma dos Açores (Ilha de S. Miguel).
 A necessidade crescente de água, para satisfação das diferentes atividades humanas tem
contribuído para uma crescente sobre-exploração dos recursos hídricos subterrâneos.
 A poluição dos aquíferos é outro problema preocupante
Águas superficiais:
 Cursos de água
 Redes hidrográficas
 Bacias hidrográficas
 Lagoas e albufeiras
 As zonas húmidas
 O regime dos rios e os caudais dos rios
Águas subterrâneas:
 Águas cársicas
 Águas termais
Problemas na distribuição e utilização da água
Portugal tem aumentado o consumo de água devido:
 Ao crescimento da população
 Ao crescimento das atividades económicas
 À melhoria no sistema de abastecimento
Principais fontes de poluição das águas:
 Atividades domésticas- forte componente orgânica, com quantidade e variedade elevadas de
bactérias e vírus; grande parte ainda retoma aos meios hídricos sem tratamento; as fossas sem
ligação à rede de esgotos são uma fonte de contaminação de águas subterrâneas
 Esgotos urbanos
 Agricultura e pecuária- consequências semelhantes às das atividades domésticas; utilização de
produtos químicos contamina águas subterrâneas e superficiais
 Indústria- os efluentes podem conter elevadas cargas tóxicas e metais pesados (mercúrio); águas
residuais lançadas nos cursos de água a temperaturas mais elevadas
Águas Subterrâneas
 Principalmente poluídas pela agricultura através da utilização de processos de irrigação inadequados
e excessiva utilização de químicos (fertilizantes e pesticidas)
 Sobre-exploração dos aquíferos leva ao esgotamento das toalhas freáticas ou à sua salinização: por
intrusão marinha ou por dissolução de cloreto de sódio e sulfato de sódio (Algarve)
Rios e Lagos
 Poluídos por todas as fontes e com graves consequências nos ecossistemas
 Eutrofização – processo que resulta do excesso de nutrientes, resultantes da poluição, e que por
sua vez levam a um elevado desenvolvimento de algas, que farão diminuir o oxigénio da água, o
que conduzirá à morte de algumas espécies marinhas
 Todos os principais rios portugueses se encontram poluídos
Albufeiras
 Grande parte das albufeiras está contaminada por várias fontes de poluição
A deficiente proteção e gestão das águas continentais constituem um grave problema de degradação
ambiental, colocando em risco a qualidade e a quantidade dos recursos hídricos.
Os problemas que se podem colocar comprometendo a qualidade e a quantidade de água resultam de um
crescimento económico não planificado e não controlado permitindo que as fontes poluidoras, a
eutrofização, a salinização e a desflorestação proliferem e afetem as reservas hídricas.
Estes problemas requerem uma política de gestão da água eficaz.
Potencializar os Recursos Hídricos
Racionalização dos consumos
 Industrial- Utilização de tecnologias mais modernas e menos exigentes em água; Reciclagem de
águas.
Vantagens: Poupar os recursos; diminuir a poluição
 Agrícola- Vulgarização de modernas técnicas de transporte de água de irrigação (condutas fechadas,
revestimento de cimento nos canais de superfície, rega por aspersão, etc); Regras sobre a utilização
das albufeiras; Culturas adequadas ao clima e recursos hídricos da região; Uso moderado de
químicos.
Vantagens: Poupar os recursos (redução da perda por evaporação e infiltração); evitar os excessos
de utilização; controlo/diminuição da poluição
 Águas residuais- tratamento adequado (ETAR)
Vantagens: águas utilizáveis para rega e lavagens
 Legislação- legislação adequada
Vantagens: evitar desperdícios
 Comunidades- Consciencialização da população para a racionalização do consumo
Vantagens: desperdícios; evitar o esgotamento de recursos
Aumento das disponibilidades hídricas
 Águas superficiais- Armazenamento em barragens
Vantagens: todos os tipos de consumo, mesmo durante a estação seca; abastecimento a áreas
diferentes; produção de eletricidade; regularização dos caudais
 Águas subterrâneas- Pesquisa; Aprofundamento de furos; Recarga artificial de aquíferos
Vantagens: aumento das disponibilidades hídricas
Formas de proteção e controlo da qualidade da água
 Política de ambiente- regulamentação e fiscalização do lançamento de efluentes poluidores nos
cursos de água e solos
 Aplicação do principio do “poluidor-pagador”
 Incentivos às empresas para a reconversão da sua tecnologia
 Desenvolvimento dos sistemas públicos de redes de águas residuais- aumento das ETAR’s
A cooperação internacional
São objetivos da coordenação a nível internacional:
 Promover a gestão integrada dos recursos hídricos internacionais
 Dinamizar a cooperação técnica ao nível da caracterização, da conservação e da proteção dos
recursos hídricos
 Garantir o respeito mútuo entre os países que partilham os mesmos recursos (Portugal partilha
várias bacias hidrográficas com Espanha, nomeadamente as bacias dos rios Minho, Lima, Douro, Tejo
e Guadiana que ocupam 64% do território continental)
 Prevenir e resolver conflitos internacionais relativamente à utilização das águas
A cooperação entre as autoridades portuguesas e espanholas reveste-se de particular importância na
gestão das águas partilhadas uma vez que os interesses ambientais e socioeconómicos são comuns.
Gestão dos Recursos Hídricos
A deficiente proteção e gestão das águas continentais constituem um grave problema da degradação
continental, colocando em risco a qualidade e a quantidade de recursos hídricos. Os problemas que se
podem colocar comprometendo a qualidade e a quantidade de água resultam de um crescimento
económico não planificado e não controlado permitindo que as fontes poluidoras, a eutrofização, a
salinização e a desflorestação proliferem e afetem as reservas hídricas. Estes problemas requerem uma
política de gestão de água eficaz.
Planeamento de Recursos
O planeamento dos recursos hídricos é cada vez mais importante, pois a pressão sobre a água tem
aumentado, devido ao seu maior consumo. Isto explica-se tanto pela melhoria de condições de vida como
também pelo desenvolvimento dos sistemas de captação e distribuição da água.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
Thepatriciamartins12
 
Teste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoTeste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correção
Carlos Ferreira
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
Ana Delgado
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
acbaptista
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
manjosp
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
manjosp
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
rmmpr
 

Mais procurados (20)

Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Teste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoTeste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correção
 
1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Resumo geografia
Resumo geografiaResumo geografia
Resumo geografia
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 

Destaque

Acidentes do litoral português
Acidentes do litoral portuguêsAcidentes do litoral português
Acidentes do litoral português
maria goncalves
 
Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºano
MissManson
 
Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evolução
Idalina Leite
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
Oxana Marian
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 

Destaque (8)

Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Acidentes do litoral português
Acidentes do litoral portuguêsAcidentes do litoral português
Acidentes do litoral português
 
Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºano
 
Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evolução
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Formas De Relevo
Formas De RelevoFormas De Relevo
Formas De Relevo
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 

Semelhante a Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos

Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Carson Souza
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.pptaFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
VictorLuisDaSilva1
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)
flaviocosac
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
Carolina Corrêa
 

Semelhante a Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos (20)

1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
 
recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).doc
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.pptaFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
A dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosferaA dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosfera
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
CLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL II
CLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL IICLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL II
CLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL II
 

Mais de Raffaella Ergün

Mais de Raffaella Ergün (20)

Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 

Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos

  • 1. RECURSOS HIDRÍCOS Ciclo hidrológico O clima de Portugal Pressão atmosférica Tipos de precipitação (distribuição em Portugal) Estados de tempo em Portugal Disponibilidade hídrica Problemas na distribuição e utilização da água Potencializar os Recursos Hídricos A cooperação internacional Gestão dos Recursos Hídricos
  • 2. Recursos Hídricos As alterações físicas da água acontecem por simples alterações da temperatura, desencadeada pela energia solar - o ciclo hidrológico (ou ciclo da água).  Evapotranspiração - evaporação das águas, superficiais ou subterrâneas, juntamente com a água libertada pela respiração e transpiração dos seres vivos.  Condensação - vapor de água na atmosfera devido  Precipitação - passagem do vapor de água para o estado líquido devido à diminuição de temperatura  Escorrência - água precipitada que escorre superficialmente, voltando aos oceanos  Infiltração - água proveniente da escorrência que se infiltra nos solos, acabando também por voltar aos oceanos  Evaporação - quando a água retorna à atmosfera no estado gasoso Este ciclo permite transferir água e purificá-la. A água é um recurso renovável em circulação constante e estabelece a ligação entre a terra, os oceanos e a atmosfera. O ciclo hidrológico tem a uma escala local uma entrada - a precipitação - e duas saídas - a evapotranspiração e o escoamento superficial e retenção no solo. A água é utilizada para: agricultura; indústria (na produção de matérias-primas); abastecimento público e doméstico; produção de energia. Clima de Portugal O clima de Portugal é temperado, localizando-se na faixa do clima mediterrâneo. A posição do território nacional (latitude), à disposição do relevo e a influência do oceano são os fatores que mais interferem nas características dos estados de tempo. Assim, no verão e no inverno, a influência de massas de ar e de faixas de pressão vão dar origem a estados de tempo diversos, marcados por um regime pluviométrico irregular. O clima apresenta caraterísticas dos climas marítimos do Norte Litoral e caraterísticas dos climas continentais no Interior. Açores- temperado e chuvoso. Madeira- temperado apresentando caraterísticas subtropicais na vertente sul.
  • 3. Pressão atmosférica - força exercida pela atmosfera em cada unidade da superfície terrestre. Varia com a altitude, temperatura e humidade absoluta.  Varia na altitude, pois diminui à medida que a altitude aumenta, pois o ar torna-se menos denso  Varia na temperatura pois à medida que o ar aquece (com o aumento da mesma), dilata-se, tornando-se mais leve, menos denso e logo a pressão diminui.  Varia consoante a humidade já que o vapor de água é menos denso que o ar, assim quanto maior o valor da humidade do ar, menor a pressão atmosférica A pressão atmosférica representa-se através de isóbaras - linhas que unem pontos com o valor da pressão. Nos campos de pressão, constituídos pelas isóbaras, é determinado um centro barométrico, que pode ser de alta pressão (anticiclones) ou de baixa pressão (ciclones ou depressões barométricas). Anticiclones - ar divergente e descendente Ciclones - ar convergente e ascendente Centros barométricos origem: Dinâmica ou Térmica Dinâmica- têm origem na própria dinâmica da atmosfera e existem todo o ano.  Anticiclones  Devido ao movimento descendente do ar a partir das camadas mais altas.  Ciclones  Devido à convergência de ventos numa determinada área junto ao solo. Térmica- dependem da variação da temperatura do ar ao longo do ano e não são permanentes.  Anticiclones  Resultam do intenso arrefecimento do ar junto ao solo. É frequente formarem-se nos continentes durante o inverno.  Ciclones  Resultam do intenso aquecimento do ar. É frequente formarem-se nos continentes durante o verão.
  • 4. Altas Pressões - Bom tempo, céu limpo, vento fraco, ar divergente e descendente. Ao descer o ar aquece, afastando se do ponto de saturação, e da possibilidade de ocorrer condensação, não havendo nuvens e não havendo portanto, precipitação. Baixas Pressões - Mau tempo, céu nublado, precipitação, vento, ar convergente e ascendente. Ao subir o ar expande-se, arrefecendo e aproximando-se do ponto de saturação. Se for atingido, observa-se a condensação do vapor de água, formando-se nuvens e possível ocorrência de precipitação. Os centros de altas pressões alternam com os centros de baixas pressões, constituindo a base da circulação geral da Terra. Portugal é afetado por ventos de oeste, que influenciam o clima, dado a sua trajetória marítima. Apesar de terem origem nas altas pressões subtropicais, quando se deslocam sobre o mar, ganham humidade, o que leva a uma elevada precipitação e amenidade das temperaturas em Portugal. Durante o Inverno, Portugal é afetado pelos centro de baixas pressões subpolares e por massas de ar frio polar. Durante o Verão, Portugal é afetado pelos anticiclones subtropicais, como o Anticiclone dos Açores, e por massas de ar quente tropical. Massa de ar: Extensa porção da atmosfera que, no plano horizontal, apresenta características físicas (temperatura, humidade e densidade) muito homogéneas. Adquirem propriedades das regiões sobre as quais estacionaram durante muito tempo e transportam-nas para as regiões para onde se deslocam. Podem sofrer alterações durante o trajeto:  Trajetória marítima - mais húmida  Trajetória continental - mais seca As massas de ar que afetam Portugal no verão são as massas de ar tropical, e no inverno são as massas de ar polar.  Massas de ar tropical: têm origem nos anticiclones subtropicais. Podem formar-se nos oceanos ou nos continentes. Se se formarem sobre os oceanos, dão origem a massas de ar tropical marítimo (TM), e sobre os continentes dão origem a massas de ar tropical continental (TC).  Massas de ar polar - têm origem nas latitudes elevadas e deslocam-se para sul no inverno e para norte no verão. Podem ser massas de ar polar continental (PC) ou massas de ar polar marítimo (PM) Quando duas massas de ar de temperatura e humidades diferentes entram em contacto não se misturam, encontrando-se separadas por uma superfície, a superfície frontal. Nestas superfícies o ar frio tende a colocar-se por baixo do ar quente. A interseção da superfície frontal com a superfície da terra designa-se de sistema frontal. Quando uma massa de ar frio avança, desalojando o ar quente da superfície e obrigando-o a ascender, dá origem a uma superfície frontal fria, e a uma frente fria. Quando é o ar quente que avança, ascendendo sobre o ar frio, dá origem a uma superfície frontal quente, e a uma frente quente. O conjunto de uma frente fria e uma frente quente, associadas a uma depressão barométrica, designa-se por perturbação frontal.
  • 5. Deslocando-se de oeste para este, as frentes quente e fria têm velocidades diferentes. A frente fria desloca- se mais rapidamente que a frente quente. O ar quente vai assim diminuindo até subir, entrando assim em oclusão. Tipos de precipitação - Para que ocorra precipitação, é necessário verificar-se condensação do vapor de água, o que acontece se o ponto de saturação for atingido. Podem ser 3, os processos de origem de ascensão do ar que caracterizam a precipitação:  Precipitações orográficas ou de relevo - subida forçada do ar. São frequentes em relevo acidentado  Precipitações convectivas ou de convecção - sobreaquecimento da superfície terrestre  Precipitações ciclónicas ou frontais - encontro de duas massas de ar com diferentes temperaturas e humidade Distribuição da precipitação  Afetada pela latitude, relevo e distância ao mar Estados de tempo em Portugal Devido à sua localização geográfica, Portugal apresenta uma grande diversidade de estados de tempo. A primaveira e o outono, são estações marcadas por forte irregularidade. Inverno - céu muito nublado, precipitação e vento forte ou temperaturas muito baixas, ausência de nebulosidade e precipitação, sendo frequente a formação de geadas Verão - céu limpo, ausência de precipitação, vento fraco e temperaturas altas ou nebulosidade e precipitação
  • 6. Disponibilidade Hídrica- conjunto de recursos hídricos existentes num dado lugar. Apesar de ser um país pequeno e de ter um clima predominantemente mediterrâneo, que faz com que haja grande irregularidade na precipitação, Portugal possui uma rede hidrográfica bem desenvolvida e com uma grande disponibilidade hídrica. Em relação à distribuição da precipitação existe maior desenvolvimento na região norte e noroeste de Portugal. As disponibilidades hídricas variam essencialmente devido às quantidades de precipitação, pelo que, em termos gerais, podemos dizer que existe uma diminuição no sentido norte-sul, com a passagem de rios com regimes de tipo oceânico (minho ou Douro) para rios de regime irregular ou torrencial (Guadiana), que no período seco chegam quase a desaparecer, tal é a diminuição do caudal. Variam também consoante a temperatura, características físicas dos solos, relevo, vegetação e ação humana. Rede Hidrográfica- conjunto formado por um rio principal e por todos os cursos de água que para ele afluem. Bacia Hidrográfica- área constituída por terras cujas águas escorrem para um rio e seus afluentes. As diferenças entre as bacias hidrográficas resultam, fundamentalmente, da interação dos fatores físicos, com destaque para o clima e para a geomorfologia. Estes fatores, condicionam as disponibilidades hídricas das diferentes bacias. As características hidrográficas das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira são marcadas pela existência de inúmeras linhas de água (ribeiras) que se apresentam normalmente bem encaixadas. O seu caudal é, geralmente, muito irregular. A hidrografia das ilhas açorianas é, também, caracterizada pela existência de inúmeras lagoas instaladas no fundo de caldeiras vulcânicas. A maioria das lagoas existentes no Continente é artificial e resultam da construção de barragens. As barragens e albufeiras desempenham um importante papel na manutenção das disponibilidades hídricas (armazenamento de água, fornecimento de água para consumo, na produção de energia hidrelétrica e no lazer que proporciona à população). As zonas húmidas dispersas pelo território (próximas da foz dos principais rios) são sistemas naturais complexos, que armazenam água em excesso nos períodos húmidos e a fornecem nos períodos secos. Estes sistemas proporcionam uma gama de valores e de serviços à população local e à humanidade. A irregularidade dos rios portugueses reflete a existência de contrastes climáticos. A interferência de fatores físicos e de fatores humanos condiciona a regularidade dos rios e dos seus caudais.
  • 7. O conhecimento dos principais elementos e fatores climáticos permite caracterizar o clima de qualquer território, neste caso, o nacional. A desigual distribuição dos recursos hídricos é uma realidade que marca o território nacional. A distribuição dos, aquíferos não é homogénea:  As regiões que apresentam uma maior produtividade aquífera são as de maior permeabilidade das formações geológicas – Bacias sedimentares onde predominam areias, arenitos e cascalhes, e as orlas sedimentares com áreas de calcário (formações cársicas), arenitos e grés.  As águas termais são abundantes, especialmente, no Continente (região a Norte do Tejo, Alto Alentejo) e na Região Autónoma dos Açores (Ilha de S. Miguel).  A necessidade crescente de água, para satisfação das diferentes atividades humanas tem contribuído para uma crescente sobre-exploração dos recursos hídricos subterrâneos.  A poluição dos aquíferos é outro problema preocupante Águas superficiais:  Cursos de água  Redes hidrográficas  Bacias hidrográficas  Lagoas e albufeiras  As zonas húmidas  O regime dos rios e os caudais dos rios Águas subterrâneas:  Águas cársicas  Águas termais Problemas na distribuição e utilização da água Portugal tem aumentado o consumo de água devido:  Ao crescimento da população  Ao crescimento das atividades económicas  À melhoria no sistema de abastecimento Principais fontes de poluição das águas:  Atividades domésticas- forte componente orgânica, com quantidade e variedade elevadas de bactérias e vírus; grande parte ainda retoma aos meios hídricos sem tratamento; as fossas sem ligação à rede de esgotos são uma fonte de contaminação de águas subterrâneas  Esgotos urbanos  Agricultura e pecuária- consequências semelhantes às das atividades domésticas; utilização de produtos químicos contamina águas subterrâneas e superficiais  Indústria- os efluentes podem conter elevadas cargas tóxicas e metais pesados (mercúrio); águas residuais lançadas nos cursos de água a temperaturas mais elevadas
  • 8. Águas Subterrâneas  Principalmente poluídas pela agricultura através da utilização de processos de irrigação inadequados e excessiva utilização de químicos (fertilizantes e pesticidas)  Sobre-exploração dos aquíferos leva ao esgotamento das toalhas freáticas ou à sua salinização: por intrusão marinha ou por dissolução de cloreto de sódio e sulfato de sódio (Algarve) Rios e Lagos  Poluídos por todas as fontes e com graves consequências nos ecossistemas  Eutrofização – processo que resulta do excesso de nutrientes, resultantes da poluição, e que por sua vez levam a um elevado desenvolvimento de algas, que farão diminuir o oxigénio da água, o que conduzirá à morte de algumas espécies marinhas  Todos os principais rios portugueses se encontram poluídos Albufeiras  Grande parte das albufeiras está contaminada por várias fontes de poluição A deficiente proteção e gestão das águas continentais constituem um grave problema de degradação ambiental, colocando em risco a qualidade e a quantidade dos recursos hídricos. Os problemas que se podem colocar comprometendo a qualidade e a quantidade de água resultam de um crescimento económico não planificado e não controlado permitindo que as fontes poluidoras, a eutrofização, a salinização e a desflorestação proliferem e afetem as reservas hídricas. Estes problemas requerem uma política de gestão da água eficaz. Potencializar os Recursos Hídricos Racionalização dos consumos  Industrial- Utilização de tecnologias mais modernas e menos exigentes em água; Reciclagem de águas. Vantagens: Poupar os recursos; diminuir a poluição  Agrícola- Vulgarização de modernas técnicas de transporte de água de irrigação (condutas fechadas, revestimento de cimento nos canais de superfície, rega por aspersão, etc); Regras sobre a utilização das albufeiras; Culturas adequadas ao clima e recursos hídricos da região; Uso moderado de químicos. Vantagens: Poupar os recursos (redução da perda por evaporação e infiltração); evitar os excessos de utilização; controlo/diminuição da poluição  Águas residuais- tratamento adequado (ETAR) Vantagens: águas utilizáveis para rega e lavagens  Legislação- legislação adequada Vantagens: evitar desperdícios  Comunidades- Consciencialização da população para a racionalização do consumo Vantagens: desperdícios; evitar o esgotamento de recursos
  • 9. Aumento das disponibilidades hídricas  Águas superficiais- Armazenamento em barragens Vantagens: todos os tipos de consumo, mesmo durante a estação seca; abastecimento a áreas diferentes; produção de eletricidade; regularização dos caudais  Águas subterrâneas- Pesquisa; Aprofundamento de furos; Recarga artificial de aquíferos Vantagens: aumento das disponibilidades hídricas Formas de proteção e controlo da qualidade da água  Política de ambiente- regulamentação e fiscalização do lançamento de efluentes poluidores nos cursos de água e solos  Aplicação do principio do “poluidor-pagador”  Incentivos às empresas para a reconversão da sua tecnologia  Desenvolvimento dos sistemas públicos de redes de águas residuais- aumento das ETAR’s A cooperação internacional São objetivos da coordenação a nível internacional:  Promover a gestão integrada dos recursos hídricos internacionais  Dinamizar a cooperação técnica ao nível da caracterização, da conservação e da proteção dos recursos hídricos  Garantir o respeito mútuo entre os países que partilham os mesmos recursos (Portugal partilha várias bacias hidrográficas com Espanha, nomeadamente as bacias dos rios Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana que ocupam 64% do território continental)  Prevenir e resolver conflitos internacionais relativamente à utilização das águas A cooperação entre as autoridades portuguesas e espanholas reveste-se de particular importância na gestão das águas partilhadas uma vez que os interesses ambientais e socioeconómicos são comuns. Gestão dos Recursos Hídricos A deficiente proteção e gestão das águas continentais constituem um grave problema da degradação continental, colocando em risco a qualidade e a quantidade de recursos hídricos. Os problemas que se podem colocar comprometendo a qualidade e a quantidade de água resultam de um crescimento económico não planificado e não controlado permitindo que as fontes poluidoras, a eutrofização, a salinização e a desflorestação proliferem e afetem as reservas hídricas. Estes problemas requerem uma política de gestão de água eficaz. Planeamento de Recursos O planeamento dos recursos hídricos é cada vez mais importante, pois a pressão sobre a água tem aumentado, devido ao seu maior consumo. Isto explica-se tanto pela melhoria de condições de vida como também pelo desenvolvimento dos sistemas de captação e distribuição da água.