SlideShare uma empresa Scribd logo
9. Contabilidade Nacional
Contabilidade Nacional- técnicaque apresenta,de formaquantificada,umaperspetivaglobal do
funcionamentodaeconomiade umpaís.
( técnicasde cálculodo valordosprincipaisagregadosmacroeconómicos )
A Contabilidade Nacional,aoquantificaraatividade económicade umpaís, dá orientaçõesparaa definição
das políticase estratégiasaseguirpara o crescimentoe desenvolvimentoeconómicoe social,de modoa
gerircom maiseficiênciaessemesmopaís.
A Contabilidade Nacional será,então,umconjuntode operaçõesque se executamnosentidode apuraro
valorde certasgrandezaseconómicase sociais(Produto,RendimentoDisponível,Despesa,Consumo,
Investimento,Exportações,Importações,etc.),cujoconhecimentoé indispensávelparaavaliara situaçãodo
país e procederà (re)definiçãodaspolíticasde gestãonacionais.
A partirdas informaçõesdadaspelaContabilidade Nacional,serápossível aosgovernantes:
o Definirouredefinirasmelhoresestratégiasde desenvolvimento paraopaís;
o Proporcionarmelhoresníveis de bem-estaràpopulação.
ONU- Organizaçãodas NaçõesUnidas,criada em1948.
OECE- OrganizaçãoEuropeiade CooperaçãoEconómica,criadaem1948, dandoorigemem1961, à atual
OCDE (Organizaçãopara a Cooperação e DesenvolvimentoEconómico).
Territórioeconómico- é umconceitobásicodaContabilidade Nacional,namedidaemque identificao
territórioonde aatividade económicaé medida.
O cálculodo valordas grandezasmacroeconómicasqué necessário efetuarparamediraatividade
económica,objetivodaContabilidadeNacional,implicaorecursoa conceitos-base.
Entre elesdestaca-seoconceitode residente,que se prendecomoconceitosde unidade e setores
intituicionaise oconceitode ramode atividade.
Residente- é todoo agente económicoque temumcentrode interesse económiconumaeconomia,istoé,é
aquele que realizaoperaçõeseconómicasnumdeterminadoterritórioeconómico,oua partirdele,hámais
de um ano.
Unidade institucional- àsemelhançadosagenteseconómicos,umaunidadeinstitucional constitui umcentro
elementarde decisãoeconómicacaraterizadoporumaespecificidade de comportamentoe poruma
autonomiade decisãonoexercíciodasua funçãoprincipal (ex.banco,empresapúblicaé umaunidade
institucional,porque gozade autonomiaparaoexercícioda suafunção principal).
-
Nota:São consideradasunidadesinstitucionaisemtermosdoSEC(SistemaEuropeude Contas):
Unidade com contabilidade completae autonomiade decisão(sociedade de capital;sociedadecooperativas
e de pessoascompersonalidadejurídica;organismosadministrativospúblicos;etc).
Unidadescomcontabilidade completae que,por conveção,têmautonomiade decisão(empresas
individuais;sociedadesde pessoas;quase-sociedades;etc)
Unidadesque nãotêmnecessariamentecontabilidade e que porconvençao,tê autonomiade decisão
(famílias).
Setoresinstitucionais- representamagentescomcomportamentoscaracterísticosde umaeconomia(ex.
produzir,consumir,acumular,redistribuir orendimento).Sãoconjuntosde unidadesinstitucionais(agentes
económicos) comcomportamentoeconómicoanálogo,istoé,têmumafunçãoprincipal semelhante e os
seusrecursosprópriossãoda mesmanatureza.
O critérioutilizadoparaidentificarasemelhançaentre osagenteseconómicosé oda funçãoprincipal e o da
origemdosrecursos.
As ContasNacionaisPortuguesasconsideramosseguintes sectoresinstitucionais:
Residentes:
o Sociedades(e quase sociedades) nãoFinanceiras
o SociedadesFinanceiras
o AdministraçãoPúblicas
o Famílias
o InstituiçõesSemFinsLucrativosaoServiçode Famílias –ISFLSF(têmcomorecurso,contribuições
voluntárias)
Não Residentes:
o Restodo Mundo
Ramo de atividade:conjuntosde unidadesde produçãocomcaracterísticas técnico-económicas
semelhantesque exercem,porconseguinte,amesmaatividadesobre ummesmoproduto.
Unidade de produção homogénea:é caracterizadapor uma atividade única,istoé,porentradasde
produtos,umprocessode produçãoe saídas de produtoshomogéneos.A unidade de produçãohomogénea
pode corresponderauma unidade institucional ouauma parte desta,nunca podendopertenceraduas
unidadesinstitucionaisdiferentes.
Óticas de Cálculo de Valor de Produto
É possível determinarovalordoProdutode um país segundotrêsóticasdiferentes:
 ótica da produção, que informasobre anaturezae a origemdo Produtorealmente efetuado.
ValorAcrescentadoBruto+ ImpostosLíquidossobre osProdutos= PIB
 ótica da despesa,que informasobre oRendimentocriadodurante oprocessoprodutivo.
Despesade consumofinal +Formação Bruta de Capital Fixo(FBCF) + Variaçãode Existências+
Exportações - Importações= PIB
 ótica do rendimento,que informasobre omodocomo o Produtofoi utilizado
Remunerações+impostoslíquidosde subsídiosàproduçãoe importação+ excedentesde
exploração/rendimentomisto,bruto=PIB
Cálculo do Valordo Produto pelaóticadaprodução
Pelaóticada produção,os produtossãocontabilizadossegundooramode atividade económicaque lhesdá
origem.Noentantoexiste umobstáculo - oproblemada múltiplacontagem - em que o valorde um
produtoé registadomaisdoque umavez (comobemde consumointermédioe bemde consumofinal).Para
superarestadificuldade,recorre-se aométododosvalores acrescentados- em que se determinaovalor
acrescentadoporcada unidade produtivae dos inputsutilizadosnessaprodução.Ovalordo Produtoresulta,
entãoda soma dessesvaloresacrescentados.
Ao determinar-mosovalordoProdutopor estaótica,obtemos informaçõescomoaimportânciade cada
ramo de atividade naeconomia,e anaturezae origemdoprodutorealizado.
Algumas noções de Produto
Ao longodoprocessoprodutivo,osbensvão-se depreciando(envelhecem,desatualizamouse deterioram).
Estestêmde sersubstituídos.Para,tal determina-se ovalordadepreciaçãodosbensde equipamento,e
retira-se esse valordototal de riquezacriada pelopaís.A este valor,que é necessárioutilizarparaa
reposiçãodacapacidade produtiva,chama-se amortizaçãoou consumo de capital fixo.
O Produto Bruto é o valordo Produtode um país sem contabilizarovalordas amortizações;o Produto
Líquidoé o valordo Produto,retirando ovalordas amortizações.
Produto Interno - obtidono territórioeconómicoportodasas unidadesprodutivas
Produto Nacional - obtidodentroe fora do territórioeconómico,masapenasporfatoresprodutivos
nacionais,propriedade de residentes
Limitações da Contabilidade Nacional
Os objetivosdaContabilidade Nacional nemsempresãoalcançados,poisexistemalgumaslimitações:
 Não discriminaos bens e serviços- a CN apenasregistao valor,sendoindiferente produzir,por
exemplo,armasoumedicamentos
 Não contabilizatodas as atividadesexistentes- nãocontabilizaotrabalhonãoremunerado,não
importantose é de voluntariadoouparao próprio,nemas atividadesdaeconomiaparalela(ilegais
ou legaisnãodeclaradasparanão pagar impostos)
 Não revelaas externalidadespositivase negativas- nãosão consideradosoe feitosbenéficos(ex.
melhoriadaesperançamédiade vidapeladescobertade novosmedicamentos,costruçãode um
hospital/estrada/escola,etc) e/ouprejudiciais(ex. descargaspoluentes,produçãode armamento,
laçamentode gasespara a atmosfera,etc) sobre terceirosderivadosdaatividade produtiva
 Nemtodos os bens e serviçossão contabilizados- apenasosque entramno PIB(ex.serviços
domésticos,religiosos,bricolage,etc)
 O bem-estarda população- os númerosaté viciama leituradosindicadoresde qualidade de vida
(ex.quantomaisautomóveishouver,maislongaadistânciaforentre olocal de trabalhoe a
residênciae maisgasolinagastaroPIB vai ser maiormas issonãosiginificaumamelhorqualidade de
vida)
 Não referemas condiçõessociaisda produção- não refere comose realizaaprodução,quaisas
condiçõesde segurançapara o trabalhador,qual a satisfaçãopessoal nodesempenhodastarefas
profissionais, etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
David Ribeiro
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
VeraJesus14
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Ilda Bicacro
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
Isabel Moura
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
Lia Treacy
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Ilda Bicacro
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
Idalina Leite
 
8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico
duartealbuquerque
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Catarina Castro
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
valorizacao_da_radiacao_solar[1]
valorizacao_da_radiacao_solar[1]valorizacao_da_radiacao_solar[1]
valorizacao_da_radiacao_solar[1]
Ministério da Educação
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
713773
 
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
Vanessa Raquel
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 

Mais procurados (20)

9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 
8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
valorizacao_da_radiacao_solar[1]
valorizacao_da_radiacao_solar[1]valorizacao_da_radiacao_solar[1]
valorizacao_da_radiacao_solar[1]
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
 
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
O velho que lia romances de amor- resumo (breve)
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 

Semelhante a Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional

Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
duartealbuquerque
 
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Vanessa Alves
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
Roberto Arruda
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
Ewerton Uchôa
 
Indicadores econômicos
Indicadores econômicosIndicadores econômicos
Indicadores econômicos
Suzana Dias
 
Contabilidade nacional 2011
Contabilidade nacional   2011Contabilidade nacional   2011
Contabilidade nacional 2011
Ribeiro Miguel
 
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naciaula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
ericap22092
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
zeramento contabil
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
zeramento contabil
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
simuladocontabil
 
Matéria avi macroeconomia
Matéria avi  macroeconomiaMatéria avi  macroeconomia
Matéria avi macroeconomia
Alexandra Peres
 
Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013
Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013
Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013
Thiago Penedo
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Macro economia
Macro economiaMacro economia
Macro economia
Edgar Miertschink
 
Gestão de negócios
Gestão de negóciosGestão de negócios
Gestão de negócios
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 
Fluxo de Caixa no setor rural
Fluxo de Caixa no setor ruralFluxo de Caixa no setor rural
Fluxo de Caixa no setor rural
Contabilidaderuraluepg01
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
MestredaContabilidade
 

Semelhante a Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional (17)

Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
 
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
 
Indicadores econômicos
Indicadores econômicosIndicadores econômicos
Indicadores econômicos
 
Contabilidade nacional 2011
Contabilidade nacional   2011Contabilidade nacional   2011
Contabilidade nacional 2011
 
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naciaula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
aula1_2016_LES0200.pn contabilidade naci
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
 
Matéria avi macroeconomia
Matéria avi  macroeconomiaMatéria avi  macroeconomia
Matéria avi macroeconomia
 
Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013
Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013
Como se calcula o pib ine 07 novembro 2013
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Macro economia
Macro economiaMacro economia
Macro economia
 
Gestão de negócios
Gestão de negóciosGestão de negócios
Gestão de negócios
 
Fluxo de Caixa no setor rural
Fluxo de Caixa no setor ruralFluxo de Caixa no setor rural
Fluxo de Caixa no setor rural
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
 

Mais de Raffaella Ergün

Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
Raffaella Ergün
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
Raffaella Ergün
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
Raffaella Ergün
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Raffaella Ergün
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Raffaella Ergün
 

Mais de Raffaella Ergün (19)

Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 

Último

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 

Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional

  • 1. 9. Contabilidade Nacional Contabilidade Nacional- técnicaque apresenta,de formaquantificada,umaperspetivaglobal do funcionamentodaeconomiade umpaís. ( técnicasde cálculodo valordosprincipaisagregadosmacroeconómicos ) A Contabilidade Nacional,aoquantificaraatividade económicade umpaís, dá orientaçõesparaa definição das políticase estratégiasaseguirpara o crescimentoe desenvolvimentoeconómicoe social,de modoa gerircom maiseficiênciaessemesmopaís. A Contabilidade Nacional será,então,umconjuntode operaçõesque se executamnosentidode apuraro valorde certasgrandezaseconómicase sociais(Produto,RendimentoDisponível,Despesa,Consumo, Investimento,Exportações,Importações,etc.),cujoconhecimentoé indispensávelparaavaliara situaçãodo país e procederà (re)definiçãodaspolíticasde gestãonacionais. A partirdas informaçõesdadaspelaContabilidade Nacional,serápossível aosgovernantes: o Definirouredefinirasmelhoresestratégiasde desenvolvimento paraopaís; o Proporcionarmelhoresníveis de bem-estaràpopulação. ONU- Organizaçãodas NaçõesUnidas,criada em1948. OECE- OrganizaçãoEuropeiade CooperaçãoEconómica,criadaem1948, dandoorigemem1961, à atual OCDE (Organizaçãopara a Cooperação e DesenvolvimentoEconómico). Territórioeconómico- é umconceitobásicodaContabilidade Nacional,namedidaemque identificao territórioonde aatividade económicaé medida. O cálculodo valordas grandezasmacroeconómicasqué necessário efetuarparamediraatividade económica,objetivodaContabilidadeNacional,implicaorecursoa conceitos-base. Entre elesdestaca-seoconceitode residente,que se prendecomoconceitosde unidade e setores intituicionaise oconceitode ramode atividade. Residente- é todoo agente económicoque temumcentrode interesse económiconumaeconomia,istoé,é aquele que realizaoperaçõeseconómicasnumdeterminadoterritórioeconómico,oua partirdele,hámais de um ano. Unidade institucional- àsemelhançadosagenteseconómicos,umaunidadeinstitucional constitui umcentro elementarde decisãoeconómicacaraterizadoporumaespecificidade de comportamentoe poruma autonomiade decisãonoexercíciodasua funçãoprincipal (ex.banco,empresapúblicaé umaunidade institucional,porque gozade autonomiaparaoexercícioda suafunção principal). -
  • 2. Nota:São consideradasunidadesinstitucionaisemtermosdoSEC(SistemaEuropeude Contas): Unidade com contabilidade completae autonomiade decisão(sociedade de capital;sociedadecooperativas e de pessoascompersonalidadejurídica;organismosadministrativospúblicos;etc). Unidadescomcontabilidade completae que,por conveção,têmautonomiade decisão(empresas individuais;sociedadesde pessoas;quase-sociedades;etc) Unidadesque nãotêmnecessariamentecontabilidade e que porconvençao,tê autonomiade decisão (famílias). Setoresinstitucionais- representamagentescomcomportamentoscaracterísticosde umaeconomia(ex. produzir,consumir,acumular,redistribuir orendimento).Sãoconjuntosde unidadesinstitucionais(agentes económicos) comcomportamentoeconómicoanálogo,istoé,têmumafunçãoprincipal semelhante e os seusrecursosprópriossãoda mesmanatureza. O critérioutilizadoparaidentificarasemelhançaentre osagenteseconómicosé oda funçãoprincipal e o da origemdosrecursos. As ContasNacionaisPortuguesasconsideramosseguintes sectoresinstitucionais: Residentes: o Sociedades(e quase sociedades) nãoFinanceiras o SociedadesFinanceiras o AdministraçãoPúblicas o Famílias o InstituiçõesSemFinsLucrativosaoServiçode Famílias –ISFLSF(têmcomorecurso,contribuições voluntárias) Não Residentes: o Restodo Mundo Ramo de atividade:conjuntosde unidadesde produçãocomcaracterísticas técnico-económicas semelhantesque exercem,porconseguinte,amesmaatividadesobre ummesmoproduto. Unidade de produção homogénea:é caracterizadapor uma atividade única,istoé,porentradasde produtos,umprocessode produçãoe saídas de produtoshomogéneos.A unidade de produçãohomogénea pode corresponderauma unidade institucional ouauma parte desta,nunca podendopertenceraduas unidadesinstitucionaisdiferentes.
  • 3. Óticas de Cálculo de Valor de Produto É possível determinarovalordoProdutode um país segundotrêsóticasdiferentes:  ótica da produção, que informasobre anaturezae a origemdo Produtorealmente efetuado. ValorAcrescentadoBruto+ ImpostosLíquidossobre osProdutos= PIB  ótica da despesa,que informasobre oRendimentocriadodurante oprocessoprodutivo. Despesade consumofinal +Formação Bruta de Capital Fixo(FBCF) + Variaçãode Existências+ Exportações - Importações= PIB  ótica do rendimento,que informasobre omodocomo o Produtofoi utilizado Remunerações+impostoslíquidosde subsídiosàproduçãoe importação+ excedentesde exploração/rendimentomisto,bruto=PIB Cálculo do Valordo Produto pelaóticadaprodução Pelaóticada produção,os produtossãocontabilizadossegundooramode atividade económicaque lhesdá origem.Noentantoexiste umobstáculo - oproblemada múltiplacontagem - em que o valorde um produtoé registadomaisdoque umavez (comobemde consumointermédioe bemde consumofinal).Para superarestadificuldade,recorre-se aométododosvalores acrescentados- em que se determinaovalor acrescentadoporcada unidade produtivae dos inputsutilizadosnessaprodução.Ovalordo Produtoresulta, entãoda soma dessesvaloresacrescentados. Ao determinar-mosovalordoProdutopor estaótica,obtemos informaçõescomoaimportânciade cada ramo de atividade naeconomia,e anaturezae origemdoprodutorealizado. Algumas noções de Produto Ao longodoprocessoprodutivo,osbensvão-se depreciando(envelhecem,desatualizamouse deterioram). Estestêmde sersubstituídos.Para,tal determina-se ovalordadepreciaçãodosbensde equipamento,e retira-se esse valordototal de riquezacriada pelopaís.A este valor,que é necessárioutilizarparaa reposiçãodacapacidade produtiva,chama-se amortizaçãoou consumo de capital fixo. O Produto Bruto é o valordo Produtode um país sem contabilizarovalordas amortizações;o Produto Líquidoé o valordo Produto,retirando ovalordas amortizações. Produto Interno - obtidono territórioeconómicoportodasas unidadesprodutivas Produto Nacional - obtidodentroe fora do territórioeconómico,masapenasporfatoresprodutivos nacionais,propriedade de residentes
  • 4. Limitações da Contabilidade Nacional Os objetivosdaContabilidade Nacional nemsempresãoalcançados,poisexistemalgumaslimitações:  Não discriminaos bens e serviços- a CN apenasregistao valor,sendoindiferente produzir,por exemplo,armasoumedicamentos  Não contabilizatodas as atividadesexistentes- nãocontabilizaotrabalhonãoremunerado,não importantose é de voluntariadoouparao próprio,nemas atividadesdaeconomiaparalela(ilegais ou legaisnãodeclaradasparanão pagar impostos)  Não revelaas externalidadespositivase negativas- nãosão consideradosoe feitosbenéficos(ex. melhoriadaesperançamédiade vidapeladescobertade novosmedicamentos,costruçãode um hospital/estrada/escola,etc) e/ouprejudiciais(ex. descargaspoluentes,produçãode armamento, laçamentode gasespara a atmosfera,etc) sobre terceirosderivadosdaatividade produtiva  Nemtodos os bens e serviçossão contabilizados- apenasosque entramno PIB(ex.serviços domésticos,religiosos,bricolage,etc)  O bem-estarda população- os númerosaté viciama leituradosindicadoresde qualidade de vida (ex.quantomaisautomóveishouver,maislongaadistânciaforentre olocal de trabalhoe a residênciae maisgasolinagastaroPIB vai ser maiormas issonãosiginificaumamelhorqualidade de vida)  Não referemas condiçõessociaisda produção- não refere comose realizaaprodução,quaisas condiçõesde segurançapara o trabalhador,qual a satisfaçãopessoal nodesempenhodastarefas profissionais, etc.