1º ano - transição da idade média para a idade moderna

19.284 visualizações

Publicada em

Profº Daniel Bronstrup

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.284
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.995
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
596
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1º ano - transição da idade média para a idade moderna

  1. 1. TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA A IDADE MODERNA.• Baixa Idade Média; 1º ano•Crise do sistema feudal; Ensino Médio• Renascimento Comercial e Urbano.
  2. 2. BAIXA IDADE MÉDIA• Séculos X ao XV;• Aumento da população européia; – Desestruturação do Sistema Feudal com a Primogenitura. • Direito do filho mais velho herdar a terra. – Aumento de uma nobreza sem terra.• Crescimento populacional; – Aumento de bandidos, ladrões e saques.• Para diminuir as guerras fratricidas a Igreja criou a Paz de Deus; – "Que nenhum cristão mate outro cristão“. – Proibindo guerras aos domingos e em feriados.
  3. 3. CRUZADAS: séc. XI ao XIII CRISTÃOS X MUÇULMANOS• OBJETIVO ESPIRUTUAL:• Guerras para libertar Jerusalém dos Muçulmanos; – Expansão do Cristianismo; – Combater a expansão islâmica.• OBJETIVO MATERIAL: – Conquistar terras para expandir o feudalismo e alocar a população excedente. – Dominar cidades estratégicas do Oriente. – Pequenos comerciantes interessados na expansão do comércio.
  4. 4. EFEITO DAS CRUZADAS...• Os exércitos cristãos não conseguiram derrotar os muçulmanos.• Possibilitou intercâmbio: Cultural e Comercial.• A Europa passou a manter contato com outras civilizações: Bizantina e Islâmica. – Passaram a conhecer o requinte e o luxo. • Ex: especiarias, tapetes, jóias, tecidos finos, marfim...• O Mar Mediterrâneo passou as ser controlado pelos comerciantes italianos.
  5. 5. PROGRESSO AGRÍCOLA...• Século X = Últimas invasões bárbaras (os Vikings);• Inovações tecnológicas: Charrua, peitoral, ferradura, moinho d’água e a rotação das culturas.• O Excedente produtivocomeça a incentivar ocomércio, dinamizando aeconomia e promovendo aurbanização.
  6. 6. Renascimento Comercial...• A partir do século XI...• As moedas passaram a ser reutilizadas para facilitar as trocas comerciais.• Principais eixos do comércio: – Mar mediterrâneo, – Mar do Norte, – E as ligações entre estes portos, tanto por via terrestre quanto por via marítima.
  7. 7. Mar do Norte:Comandado pelas cidadesde Bruges, Bremen eLubeck. Rotas terrestes:Núcleos mercantis: Hansas. Feiras Medievais, as maisProdutos: Peles, Madeiras e importantes aconteciam emcereais. Champagne, na França. Mar Mediterrâneo Comandado pelas cidades italianas Gênova e Veneza. Produtos: Seda, perfumes, madeiras e tempeiros.
  8. 8. ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA:• Corporações de ofício ou Guildas: – Associações que reuniam artesões controlando a produção, distribuição, a qualidade e o preço de seus produtos específicos.• Hansas ou Ligas Hanseáticas: – Associações de mercadores. – Monopólio do comercio local, controlando a concorrência estrangeira e regulamentando os preços.
  9. 9. NOVO GRUPO BURGUESIA. SOCIAL:
  10. 10. Renascimento Urbano:• Cidades com governos Próprios: – Chamadas de Comunas... • designação para a cidade que se tornava emancipada pela obtenção de carta de autonomia fornecida pelo rei. – Forais ou cartas de Franquia garantiam este direito pois o senhor feudal que dava ampla autonomia aos núcleos urbanos.
  11. 11. A Crise que abalou a Europa Feudal... • A Fome; • A Peste; • A Guerra.
  12. 12. FOME• Grande fome do século XIV; – Desequilíbrio na produção e no consumo. – Terra perdeu qualidade; – Mudanças climáticas repentinas (1315 e 1317)
  13. 13. PESTE NEGRA• Péssimos hábitos de higiene;• Precárias condições de saneamento;• 1/3 da população européia foi atingida;• Clero/Igreja passaram a ser questionados pois foram falíveis. – População buscou outros caminhos de salvação pessoal.
  14. 14. GUERRA DOS CEM ANOS• Entre ingleses e franceses de 1337 a 1453. – A longa duração desse conflito explica-se pelo grande poderio dos ingleses de um lado e a obstinada resistência francesa do outro.• Alegando ter sido designada por Deus para dar fim ao controle inglês, a camponesa Joana DArc mobilizou as tropas e populações locais. – Nesse instante, temendo o fortalecimento de uma liderança popular, os nobres franceses arquitetam a entrega de Joana DArc para os britânicos.
  15. 15. Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup BLOG: profhistdaniel.blogspot.com @danielbronstrup facebook.com/daniel.alvesbronstrup

×