SlideShare uma empresa Scribd logo
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
Por Guilherme Brauner Barcellos
Médico hospitalista do Hospital Divina Providência
Médico executivo do Programa de Gestão da Qualidade e da Informação
em Saúde (Qualis) - Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Consultor em Medicina Hospitalar (implantação e aprimoramento de
serviços com hospitalistas)
I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente –
ISMP Brasil – Abril de 2014
Declaração de Conflitos de Interesse
• Trabalho de variadas maneiras
diretamente envolvido com o
tema.
• Há pelo menos 10 anos, não
possuo nenhum tipo de relação
direta com indústrias de
medicamentos ou tecnologias.
Não recebo sequer visitas de
propagandistas destas
indústrias.
http://www.alertaindependente.blogspot.com.br
Roteiro
• Medicina Hospitalar, história e fundamentos
gerais
• O papel do hospitalista na segurança do
paciente
O conceito é de uma simplicidade incrível,
mas, antes de apresentá-lo, para aguçar interesse...
• Nos EUA, os médicos que passaram a atuar nele
organizaram-se por sociedade de especialidade
(Society of Hospital Medicine) e hoje representam a
que mais rapidamente cresceu na história da
medicina moderna:
2012 AHA Survey
• 38,114
• Estimativas conservadoras
para 2014: 44,456
• Presentes em 66% dos
hospitais norte-
americanos.
• Estimativas conservadoras
para 2014: 72%
AHA 2006 Survey
26,634
22,302
19,271
13,293
11,704
9,791
4,156
0 5,000 10,000 15,000 20,000 25,000 30,000
Emergency Medicine
Cardiology
Hospital Medicine
Neurology
Gastroenterology
Pulmonary
Allergy
# of physicians
Estão em praticamente todos os
melhores hospitais norte-americanos…
E está longe de ser impossível no Brasil…
Caxias D’Or - Hospital Privado - RJ
Hospital Nossa Senhora dos Navegantes - SUS - RS
Hospital Pompéia - Filantrópico - RS
Uma sístese das motivações para o surgimento e o crescimento de
hospitalistas foi feita, indiretamente, por Glouberman e Mintzberg,
Health Care Management Review 2001, quando descreveram “Os
quatro mundos de um hospital geral” e sugeriram que, sem a
integração dos médicos, o sistema entraria em colapso.
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O conceito é de uma
simplicidade incrível...
• Não mais “passar visita” e ir fazer qualquer
outra coisa;
• Dedicação e envolvimento com o hospital;
• Generalismo;
• Coordenação do cuidado hospitalar da
admissão à alta;
• Continuidade das/nas equipes deve importar
tanto quanto continuidade do cuidado
Diabolicamente difícil está sendo convencer algumas instituições a abandonar a maneira
pela qual sempre trabalharam e se engajar na promoção da inovação.
O Modelo com Hospitalistas I
Gerenciamento de Pacientes Clínicos
O Modelo com Hospitalistas II
Comanejo Clínico-Cirurgião/Sub-Especialista
”divisão de responsabilidade e autoridade”
“não é consultoria”
O Modelo com Hospitalistas III
Atividades “Não Clínicas”
• Participação em Comissões
Hospitalares ----------- 92%
• Em projetos de melhoria da
qualidade e segurança do
paciente ----------------- 86%
(SHM 2005-2006 Survey)
• Desenvolvimento, implantação e
aprimoramento de rotinas e
protocolos clínicos
• Ensino / treinamentos
2011-2012 Quality Improvement
Community Engagement Survey
• 54% dos hospitalistas norte-americanos com treinamento formal em
melhoria da qualidade;
• 96% dos respondedores estiveram envolvidos em projetos de melhoria da
qualidade e segurança no ano anterior;
• 42% tem de 0-10% de tempo protegido para dedicação a projetos de
melhoria da qualidade e segurança e 26% tem 11-20%.
• “The top projects” multidisciplinares em que participaram no ano anterior:
– Fluxo de pacientes
– Melhoramentos e inovações em TI
– Readmissiões
– TEV/anticoagulantes
– Controle glicêmico
– Reconciliação medicamentosa
– Sepse
PROVOCAÇÃO:
QUEM SABE OS
MÉDICOS DE
PARCEIROS LOCAIS
AO INVÉS DO
FABRICANTE DA
MEDICAÇÃO OU
TECNOLOGIA
“CHAVE”?
O Modelo com Hospitalistas IV
Add-On Services
• Time de PCR
• Time de Resposta Rápida
• Time de Procedimentos Guiados por Ecografia
• Equipe de Cuidados Paliativos
• Consultorias tradicionais
• …
Hospitalista não é…
• Plantão clínico (por melhor que seja);
• TRR (embora possa compor);
• Auxiliar administrativo (mas por que não se comportar como tal?);
• Assessor ou auditor da gerência de qualidade
Vantagens do hospitalista
• É mais fácil formar um time assistencial de alto engajamento e
alta performance com médicos hospitalistas
• É mais fácil o gerenciamento da rotina do trabalho médico do
dia-a-dia no modelo de MH
• Melhor posicionamento médico para:
– Trabalho em equipe
– Envolvimento em qualidade e segurança
– Educação (dar e receber), disseminação de melhores
práticas
– Medir / avaliar / dar feedback
– Colaboração na construção, implantação e aprimoramento
de rotinas variadas, em parceria com comitês hospitalares
multidisciplinares e subespecialidades médicas
Medicina Hospitalar
Baseada em Evidências:
Alguns Resultados Gerais
• Evidências consistentes de redução de tempo de internação e
custos (15% em média, ~ 30% em hospital brasileiro, Rev Soc Bras
Clin Med. 2013 out-dez);
• Evidências consistentes de redução de custos sem
comprometimento da qualidade (EFICIÊNCIA);
• Evidências consitência de aumento do giro e da eficiência em
pacientes cirúrgicos;
• Evidências de ganho de qualidade com redução de custos;
• Queda no número necessário de profissionais envolvidos e de
consultorias;
• Aumento da satisfação da enfermagem: o médico encontra-se
disponível;
• Pacientes de um modo geral aceitam bem trocar disponibilidade do
médico por máxima familiaridade (ainda existe em nosso meio???).
O papel do hospitalista na segurança do paciente
• Segundo a Joint
Commission, uma das
formas de promover
segurança é através de alta
performance na entrega do
trabalho clínico tradicional,
favorecida pelo modelo
proposto e sua boa gestão.
• Hospitalistas estão ainda
idealmente posicionados
para implantar e coordenar
planos de cuidados
multidisciplinares.
O papel do hospitalista na segurança do paciente
• Novamente segundo a mais importante credencial
internacional da qualidade e segurança do cuidado
prestado em hospitais, hospitalistas têm vantagens e
facilitadores para conhecer profundamente a
organização, o que funciona e o que precisa ser
melhorado: podem ser fundamentais para bom
desempenho nos Joint Commission’s National Patient
Safety Goals.
Hospitalistas, resultados críticos e
avaliação em tempo ótimo
Qual o problema de um outro médico agindo
sobre o resultado recém disponibilizado?
• Em um estudo clássico, descobriram que receber
atendimento por médico estranho foi um maior
preditor de complicações hospitalares do que a
gravidade da doença de base do paciente.
– Petersen LA, Brennan TA, O’Neil AC, et al. Does housestaff
discontinuity of care increase the risk for preventable adverse
events? Ann Intern Med 1994;121:866-872.
• Em artigo recentemente publicado no NEJM,
descrevem situação onde nove diferentes times se
envolvem no cuidado de paciente criticamente
enfermo, resultando em passividade coletiva e caos.
O título escolhido foi “O efeito espectador na
saúde”, em alusão a fenômeno psicológico também
conhecido como Síndrome de Genovese.
– Stavert RR, Lott JP. The Bystander Effect in Medical Care. N Engl
J Med 2013; 368:8-9.
• A atenuação dos problemas decorrentes da
fragmentação do cuidado poderia economizar $240
bilhões por ano nos EUA.
– Lowering Costs and Improving Outcomes: Workshop Series
Summary (2010)
Hospitalistas, erros envolvendo medicamentos e
conciliação medicamentosa
• O simples fato de atuarem como
“coalizão interna” permite que
os médicos possam de fato
representar barreira para erros
de medicacões.
• 60% dos hospitalistas (AHA 2006
Survey) descreveram ter algum
papel na implantação ou
aprimoramento de projetos de
reconciliação medicamentosa.
Hospitalistas e prevenção
de infecções hospitalares
• O Institute of Healthcare Improvement (IHI) recomenda a
implantação de componentes críticos para que um programa de
higiene das mãos seja bem sucedido, entre eles:
– Todos os profissionais da instituição são educados (e devem
demonstrar conhecimento)
– Todos os profissionais da instituição utilizam técnicas apropriadas para
lavagem das mãos (e precisam demonstrar competência)
À essa altura, alguém duvida que o hospitalista fica melhor
posicionado para receber educação, ser avaliado, ganhar
feedback e poder melhorar dentro dos padrões locais
esperados?
• Podemos ainda ter participação em CCHI’s, colaborar em bundle
para prevenção de infecções em cateter venoso central ou em
programa para uso seguro de cateterismo vesical de demora.
Da teoria a prática no Brasil… Hospital Pompéia
Rev Soc Bras Clin Med. 2013 out-dez
Hospitalistas, reconhecimento de risco e capacidade de
resposta a alterações na condição do paciente
Medicina hospitalar versus Times de Resposta Pápida (exclusivamente)
• Até mesmo pessoas como Rinaldo Bellomo, sempre citado para amparar TRR´s, já estão
pensando diferente em relação a tema. Em recente artigo intitulado Clinical deterioration in
hospital inpatients: the need for another paradigm shift? MJA 196 (2) · 6 February 2012,
Bellomo e colaboradores escrevem:
The MET [medical emergency team] model is reactive, as it requires a patient to
deteriorate before it can be activated. We contend that a new paradigm is needed to
promote a more proactive approach to recognising deterioration, and to provide a pre-
emptive, structured, standardised approach to managing patients who are known to be at
risk of deterioration.
E então, como sugestão principal, orientam abordagem ideal dos pacientes antes da
aparição dos warning signs, através de:
Advance care planning
Medical comanagement of some surgical patients
• Se as evidências são questionáveis para TRR’s, Medicina Baseada em Evidências, ao longo de
todo processo de cuidado, está claramente associada com melhores desfechos.
Hospitalistas!!!
Add-On Services: Efeitos Indesejados
• Sempre que a atuação não for “precisa”, risco de:
– Fragmentação exagerada do cuidado
– Erros de comunicação e na troca de informações
– Diminuição do senso de responsabilidade por parte do
time efetivamente cuidador
– Erros e insegurança
Quase terminando, provoco a partir de título de
apresentação de logo mais, neste mesmo evento:
Como efetivamente dar
importância ao
reconhecimento da
linguagem o verbal entre
médico e enfermeiro para
uma assistência segura ao
paciente, com o médico
como “coalização externa”,
do outro lado da linha?
http://www.safetymed2014.com.br
Encontro Nacional de Médicos Hospitalistas
Participação confirmada de Moises Auron,
Cleveland Clinic
Agradecimento especial à Alfredo Guarischi
http://www.slideshare.net/guibb2014/hm2014
http://saudeweb.com.br/blog/medico-hospitalista/
Saiba ainda mais sobre hospitalistas:
www.hospitalmedicine.org
http://www.medicinahospitalar.blogspot.com.br
http://www.hospitalistadefuturo.com.br
Obrigado ! ! !
gbbarcellos@medicinahospitalar.com.br
Hospital Divina Providência

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação de risco
Classificação de riscoClassificação de risco
Classificação de risco
Cristiane Dias
 
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_finalPpt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
Jornal do Commercio
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Proqualis
 
Política mulher_2021.pptx
Política mulher_2021.pptxPolítica mulher_2021.pptx
Política mulher_2021.pptx
AngelinaVictria2
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
HIAGO SANTOS
 
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientesTécnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
jaddy xavier
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
Mariana Freire
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
Erivaldo Rosendo
 
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxAULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
lucas106085
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
Patricia Cardoso
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
CASA
 
Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINAEVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
Rodrigo Abreu
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Leonel Santos
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
Marco Lamim
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Mario Gandra
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Classificação de risco
Classificação de riscoClassificação de risco
Classificação de risco
 
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_finalPpt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
 
Política mulher_2021.pptx
Política mulher_2021.pptxPolítica mulher_2021.pptx
Política mulher_2021.pptx
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientesTécnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
 
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxAULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 
Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
Paciente internado
 
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINAEVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 

Semelhante a O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE

Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Proqualis
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Hospitalistas no Brasil
Hospitalistas no BrasilHospitalistas no Brasil
Hospitalistas no Brasil
Guilherme Barcellos
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
CNseg
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Aroldo Gavioli
 
Anais
AnaisAnais
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
EvertonMonteiro19
 
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnnslide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
pamelacastro71
 
Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar  Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar
Sueli Marques
 
Ewaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. RussoEwaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. Russo
Expansão Eventos
 
Avaliar o impacto
Avaliar o impactoAvaliar o impacto
Avaliar o impacto
Proqualis
 
Gestão populacional
Gestão populacionalGestão populacional
Gestão populacional
VZ Associados Consultoria em Saude
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
Zoraide6
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
Ramos, Luiz Ramos
 
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeAtualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Isabella Oliveira
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Ricardo Alexandre
 
Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida
Guilherme Barcellos
 
Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012
Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012
Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012
Anais III Simpie
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 

Semelhante a O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE (20)

Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
Hospitalistas no Brasil
Hospitalistas no BrasilHospitalistas no Brasil
Hospitalistas no Brasil
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Anais
AnaisAnais
Anais
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
 
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnnslide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
 
Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar  Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar
 
Ewaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. RussoEwaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. Russo
 
Avaliar o impacto
Avaliar o impactoAvaliar o impacto
Avaliar o impacto
 
Gestão populacional
Gestão populacionalGestão populacional
Gestão populacional
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
 
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeAtualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
 
Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida
 
Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012
Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012
Cba e integr familia nancy yamauchi abr2012
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
 

Mais de Guilherme Barcellos

Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeEscolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Guilherme Barcellos
 
Brazilian Hospitalist Medicine
Brazilian Hospitalist MedicineBrazilian Hospitalist Medicine
Brazilian Hospitalist Medicine
Guilherme Barcellos
 
TWDFNR em Perioperatório
TWDFNR em PerioperatórioTWDFNR em Perioperatório
TWDFNR em Perioperatório
Guilherme Barcellos
 
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de EmergênciaChoosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Guilherme Barcellos
 
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Guilherme Barcellos
 
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na SaúdeO Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
Guilherme Barcellos
 
Medicina Hospitalar no Brasil
Medicina Hospitalar no BrasilMedicina Hospitalar no Brasil
Medicina Hospitalar no Brasil
Guilherme Barcellos
 
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
Guilherme Barcellos
 
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Guilherme Barcellos
 
Debunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalistsDebunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalists
Guilherme Barcellos
 
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresDados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Guilherme Barcellos
 
Choosing Wisely HCPA
Choosing Wisely HCPAChoosing Wisely HCPA
Choosing Wisely HCPA
Guilherme Barcellos
 
Gestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta HospitalarGestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta Hospitalar
Guilherme Barcellos
 
Conflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na MedicinaConflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na Medicina
Guilherme Barcellos
 
HM2014
HM2014HM2014

Mais de Guilherme Barcellos (15)

Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeEscolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
 
Brazilian Hospitalist Medicine
Brazilian Hospitalist MedicineBrazilian Hospitalist Medicine
Brazilian Hospitalist Medicine
 
TWDFNR em Perioperatório
TWDFNR em PerioperatórioTWDFNR em Perioperatório
TWDFNR em Perioperatório
 
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de EmergênciaChoosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
 
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
 
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na SaúdeO Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
 
Medicina Hospitalar no Brasil
Medicina Hospitalar no BrasilMedicina Hospitalar no Brasil
Medicina Hospitalar no Brasil
 
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
 
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
 
Debunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalistsDebunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalists
 
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresDados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
 
Choosing Wisely HCPA
Choosing Wisely HCPAChoosing Wisely HCPA
Choosing Wisely HCPA
 
Gestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta HospitalarGestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta Hospitalar
 
Conflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na MedicinaConflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na Medicina
 
HM2014
HM2014HM2014
HM2014
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 

Último (9)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 

O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE

  • 1. O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE Por Guilherme Brauner Barcellos Médico hospitalista do Hospital Divina Providência Médico executivo do Programa de Gestão da Qualidade e da Informação em Saúde (Qualis) - Hospital de Clínicas de Porto Alegre Consultor em Medicina Hospitalar (implantação e aprimoramento de serviços com hospitalistas) I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente – ISMP Brasil – Abril de 2014
  • 2. Declaração de Conflitos de Interesse • Trabalho de variadas maneiras diretamente envolvido com o tema. • Há pelo menos 10 anos, não possuo nenhum tipo de relação direta com indústrias de medicamentos ou tecnologias. Não recebo sequer visitas de propagandistas destas indústrias. http://www.alertaindependente.blogspot.com.br
  • 3. Roteiro • Medicina Hospitalar, história e fundamentos gerais • O papel do hospitalista na segurança do paciente
  • 4. O conceito é de uma simplicidade incrível, mas, antes de apresentá-lo, para aguçar interesse... • Nos EUA, os médicos que passaram a atuar nele organizaram-se por sociedade de especialidade (Society of Hospital Medicine) e hoje representam a que mais rapidamente cresceu na história da medicina moderna: 2012 AHA Survey • 38,114 • Estimativas conservadoras para 2014: 44,456 • Presentes em 66% dos hospitais norte- americanos. • Estimativas conservadoras para 2014: 72%
  • 5. AHA 2006 Survey 26,634 22,302 19,271 13,293 11,704 9,791 4,156 0 5,000 10,000 15,000 20,000 25,000 30,000 Emergency Medicine Cardiology Hospital Medicine Neurology Gastroenterology Pulmonary Allergy # of physicians
  • 6. Estão em praticamente todos os melhores hospitais norte-americanos…
  • 7. E está longe de ser impossível no Brasil… Caxias D’Or - Hospital Privado - RJ Hospital Nossa Senhora dos Navegantes - SUS - RS Hospital Pompéia - Filantrópico - RS
  • 8. Uma sístese das motivações para o surgimento e o crescimento de hospitalistas foi feita, indiretamente, por Glouberman e Mintzberg, Health Care Management Review 2001, quando descreveram “Os quatro mundos de um hospital geral” e sugeriram que, sem a integração dos médicos, o sistema entraria em colapso.
  • 11. O conceito é de uma simplicidade incrível... • Não mais “passar visita” e ir fazer qualquer outra coisa; • Dedicação e envolvimento com o hospital; • Generalismo; • Coordenação do cuidado hospitalar da admissão à alta; • Continuidade das/nas equipes deve importar tanto quanto continuidade do cuidado Diabolicamente difícil está sendo convencer algumas instituições a abandonar a maneira pela qual sempre trabalharam e se engajar na promoção da inovação.
  • 12. O Modelo com Hospitalistas I Gerenciamento de Pacientes Clínicos
  • 13. O Modelo com Hospitalistas II Comanejo Clínico-Cirurgião/Sub-Especialista ”divisão de responsabilidade e autoridade” “não é consultoria”
  • 14. O Modelo com Hospitalistas III Atividades “Não Clínicas” • Participação em Comissões Hospitalares ----------- 92% • Em projetos de melhoria da qualidade e segurança do paciente ----------------- 86% (SHM 2005-2006 Survey) • Desenvolvimento, implantação e aprimoramento de rotinas e protocolos clínicos • Ensino / treinamentos
  • 15. 2011-2012 Quality Improvement Community Engagement Survey • 54% dos hospitalistas norte-americanos com treinamento formal em melhoria da qualidade; • 96% dos respondedores estiveram envolvidos em projetos de melhoria da qualidade e segurança no ano anterior; • 42% tem de 0-10% de tempo protegido para dedicação a projetos de melhoria da qualidade e segurança e 26% tem 11-20%. • “The top projects” multidisciplinares em que participaram no ano anterior: – Fluxo de pacientes – Melhoramentos e inovações em TI – Readmissiões – TEV/anticoagulantes – Controle glicêmico – Reconciliação medicamentosa – Sepse PROVOCAÇÃO: QUEM SABE OS MÉDICOS DE PARCEIROS LOCAIS AO INVÉS DO FABRICANTE DA MEDICAÇÃO OU TECNOLOGIA “CHAVE”?
  • 16. O Modelo com Hospitalistas IV Add-On Services • Time de PCR • Time de Resposta Rápida • Time de Procedimentos Guiados por Ecografia • Equipe de Cuidados Paliativos • Consultorias tradicionais • …
  • 17. Hospitalista não é… • Plantão clínico (por melhor que seja); • TRR (embora possa compor); • Auxiliar administrativo (mas por que não se comportar como tal?); • Assessor ou auditor da gerência de qualidade
  • 18. Vantagens do hospitalista • É mais fácil formar um time assistencial de alto engajamento e alta performance com médicos hospitalistas • É mais fácil o gerenciamento da rotina do trabalho médico do dia-a-dia no modelo de MH • Melhor posicionamento médico para: – Trabalho em equipe – Envolvimento em qualidade e segurança – Educação (dar e receber), disseminação de melhores práticas – Medir / avaliar / dar feedback – Colaboração na construção, implantação e aprimoramento de rotinas variadas, em parceria com comitês hospitalares multidisciplinares e subespecialidades médicas
  • 19. Medicina Hospitalar Baseada em Evidências: Alguns Resultados Gerais • Evidências consistentes de redução de tempo de internação e custos (15% em média, ~ 30% em hospital brasileiro, Rev Soc Bras Clin Med. 2013 out-dez); • Evidências consistentes de redução de custos sem comprometimento da qualidade (EFICIÊNCIA); • Evidências consitência de aumento do giro e da eficiência em pacientes cirúrgicos; • Evidências de ganho de qualidade com redução de custos; • Queda no número necessário de profissionais envolvidos e de consultorias; • Aumento da satisfação da enfermagem: o médico encontra-se disponível; • Pacientes de um modo geral aceitam bem trocar disponibilidade do médico por máxima familiaridade (ainda existe em nosso meio???).
  • 20. O papel do hospitalista na segurança do paciente • Segundo a Joint Commission, uma das formas de promover segurança é através de alta performance na entrega do trabalho clínico tradicional, favorecida pelo modelo proposto e sua boa gestão. • Hospitalistas estão ainda idealmente posicionados para implantar e coordenar planos de cuidados multidisciplinares.
  • 21. O papel do hospitalista na segurança do paciente • Novamente segundo a mais importante credencial internacional da qualidade e segurança do cuidado prestado em hospitais, hospitalistas têm vantagens e facilitadores para conhecer profundamente a organização, o que funciona e o que precisa ser melhorado: podem ser fundamentais para bom desempenho nos Joint Commission’s National Patient Safety Goals.
  • 22. Hospitalistas, resultados críticos e avaliação em tempo ótimo
  • 23. Qual o problema de um outro médico agindo sobre o resultado recém disponibilizado? • Em um estudo clássico, descobriram que receber atendimento por médico estranho foi um maior preditor de complicações hospitalares do que a gravidade da doença de base do paciente. – Petersen LA, Brennan TA, O’Neil AC, et al. Does housestaff discontinuity of care increase the risk for preventable adverse events? Ann Intern Med 1994;121:866-872. • Em artigo recentemente publicado no NEJM, descrevem situação onde nove diferentes times se envolvem no cuidado de paciente criticamente enfermo, resultando em passividade coletiva e caos. O título escolhido foi “O efeito espectador na saúde”, em alusão a fenômeno psicológico também conhecido como Síndrome de Genovese. – Stavert RR, Lott JP. The Bystander Effect in Medical Care. N Engl J Med 2013; 368:8-9. • A atenuação dos problemas decorrentes da fragmentação do cuidado poderia economizar $240 bilhões por ano nos EUA. – Lowering Costs and Improving Outcomes: Workshop Series Summary (2010)
  • 24. Hospitalistas, erros envolvendo medicamentos e conciliação medicamentosa • O simples fato de atuarem como “coalizão interna” permite que os médicos possam de fato representar barreira para erros de medicacões. • 60% dos hospitalistas (AHA 2006 Survey) descreveram ter algum papel na implantação ou aprimoramento de projetos de reconciliação medicamentosa.
  • 25. Hospitalistas e prevenção de infecções hospitalares • O Institute of Healthcare Improvement (IHI) recomenda a implantação de componentes críticos para que um programa de higiene das mãos seja bem sucedido, entre eles: – Todos os profissionais da instituição são educados (e devem demonstrar conhecimento) – Todos os profissionais da instituição utilizam técnicas apropriadas para lavagem das mãos (e precisam demonstrar competência) À essa altura, alguém duvida que o hospitalista fica melhor posicionado para receber educação, ser avaliado, ganhar feedback e poder melhorar dentro dos padrões locais esperados? • Podemos ainda ter participação em CCHI’s, colaborar em bundle para prevenção de infecções em cateter venoso central ou em programa para uso seguro de cateterismo vesical de demora.
  • 26. Da teoria a prática no Brasil… Hospital Pompéia Rev Soc Bras Clin Med. 2013 out-dez
  • 27. Hospitalistas, reconhecimento de risco e capacidade de resposta a alterações na condição do paciente Medicina hospitalar versus Times de Resposta Pápida (exclusivamente) • Até mesmo pessoas como Rinaldo Bellomo, sempre citado para amparar TRR´s, já estão pensando diferente em relação a tema. Em recente artigo intitulado Clinical deterioration in hospital inpatients: the need for another paradigm shift? MJA 196 (2) · 6 February 2012, Bellomo e colaboradores escrevem: The MET [medical emergency team] model is reactive, as it requires a patient to deteriorate before it can be activated. We contend that a new paradigm is needed to promote a more proactive approach to recognising deterioration, and to provide a pre- emptive, structured, standardised approach to managing patients who are known to be at risk of deterioration. E então, como sugestão principal, orientam abordagem ideal dos pacientes antes da aparição dos warning signs, através de: Advance care planning Medical comanagement of some surgical patients • Se as evidências são questionáveis para TRR’s, Medicina Baseada em Evidências, ao longo de todo processo de cuidado, está claramente associada com melhores desfechos. Hospitalistas!!!
  • 28. Add-On Services: Efeitos Indesejados • Sempre que a atuação não for “precisa”, risco de: – Fragmentação exagerada do cuidado – Erros de comunicação e na troca de informações – Diminuição do senso de responsabilidade por parte do time efetivamente cuidador – Erros e insegurança
  • 29. Quase terminando, provoco a partir de título de apresentação de logo mais, neste mesmo evento: Como efetivamente dar importância ao reconhecimento da linguagem o verbal entre médico e enfermeiro para uma assistência segura ao paciente, com o médico como “coalização externa”, do outro lado da linha?
  • 30. http://www.safetymed2014.com.br Encontro Nacional de Médicos Hospitalistas Participação confirmada de Moises Auron, Cleveland Clinic Agradecimento especial à Alfredo Guarischi
  • 33. Saiba ainda mais sobre hospitalistas: www.hospitalmedicine.org http://www.medicinahospitalar.blogspot.com.br http://www.hospitalistadefuturo.com.br Obrigado ! ! ! gbbarcellos@medicinahospitalar.com.br Hospital Divina Providência