SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Carl Ransom Rogers - (Psicólogo americano)
                      1902-1987
                    No Brasil suas ideias tiveram difusão na década de
                    70, em confronto direto com as ideias do
                    Comportamentalismo (Behaviorismo), que teve em
                    Skinner um de seus principais representantes.
                         Rogers é considerado um representante da
                     psicologia humanista e da corrente humanista em
                                          educação.
Rogers pressupõe que o professor dirija o estudante às suas próprias
experiências, para que, a partir delas, o aluno se autodirija.

Propõe a sensibilização, a afetividade e a motivação como fatores
atuantes na construção do conhecimento. Uma das ideias mais
importantes na obra de Rogers é a de que a pessoa é capaz de controlar
seu próprio desenvolvimento e isso ninguém pode fazer para ela.
NÃO DIRETIVISMO
Não-diretivismo é uma linha de pensamento pedagógico em
que os próprios alunos escolhem os assuntos a serem
estudados, e estudam se quiserem, diferente de outras linhas
em que esta escolha é feita por professores ou por uma
equipe diretiva.

O não-diretivismo defende que a constante intervenção dos
adultos limita a capacidade de escolha das crianças, atrasa o
amadurecimento, e pode causar outros problemas
psicológicos.
Psicologia humanista
Os psicólogos humanistas estão unidos para proliferar os seus conceitos
no estudo da Psicologia e torná-la, assim, mais voltada para o homem,
objetivando questões a respeito da pessoa integral.

•O homem é autor da sua própria existência, da sua própria
historicidade e também preso a essa historicidade;
•Diferente de outras visões atuais da psicologia, o Humanismo entende
que o homem não deve ser compreendido como um mero estudo dos
comportamentos de ratos, porcos, chimpanzés ou outro animal
qualquer.
•Percebem que a essência do homem não está contida nesses animais e
sim nele mesmo.
 Um dos conceitos elaborado pelos humanistas foi a alteração da
ideia de “paciente” para “cliente”.

 Mudança de denominação: Relação serviçal com o seu
paciente, enriquecendo a vida desse cliente primeiramente e
secundariamente buscando métodos para atingir o seu
autoconhecimento.

 Para os humanistas, o homem não deve ser compreendido,
estudado e reduzido por categorias (ex. percepção, aprendizagem,
personalidade).

 A busca por decifrá-lo está no próprio homem. É necessário
entender que tudo está relacionado com seu “existir”. O “Eu”.

 A escola se posiciona em respeitar a criança tal qual ela é,
possibilitando a autonomia dos aluno
Papel do sujeito como principal elaborador do conhecimento
humano.

 Dá ênfase a relações interpessoais e ao crescimento que delas
resultam, centrado no desenvolvimento da personalidade do
individuo, em seus processos de construção e organização pessoal
da realidade e em sua capacidade de atuar, como pessoa integrada

 Ênfase à vida psicológica e emocional do individuo e a
preocupação com a orientação interna, com o auto conceito, com
o desenvolvimento de uma visão autêntica de si mesmo, orientada
para a realidade individual e grupal.
Segundo Carl Rogers

“Todos os jovens são intrinsecamente motivados. São curiosos,
tem ânsia de conhecer o novo. Mas depois de anos passados na
escola, isso acaba diminuindo, ele acabam acomodando-se e essa
motivação intrínseca acaba amortecendo. E é o papel dos
facilitadores de aprendizagem fazer com que essa motivação volte,
eles precisam descobrir quais os desafios reais para esses jovens,
para transformá-los em algo que os mesmos tenham anseio de
conhecer”. (Rogers, 1972, p.131).
 O ser humano tem a capacidade, latente ou manifesta, de
 compreender-se a si mesmo e de resolver seus problemas de
 modo suficiente para alcançar a satisfação e a eficácia necessária
 ao funcionamento adequado. O exercício desta capacidade
 requer um contexto de relações humanas positivas, favoráveis à
 conservação e à valorização do "eu", isto é, requer relações
 desprovidas de ameaça ou de desafio à concepção que o sujeito
 faz de si mesmo.(ROGERS, Carl, 1975, p. 39-40).
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
        Facilitador da aprendizagem onde ele tem que buscar sempre
ser autentico e congruente, o que facilita muito para a pessoa ou aluno
que recebe esse auxilio.

        Sempre compreender o aluno criando um vínculo que favorece
para o aprendizado de ambos.

        Tem que, acima de tudo, ser autentico, tem que ter
compreensão empática e conduta do outro, não deixando para traz a
confiança e a consideração com o aluno.

         O conhecimento advém das próprias experiências dos alunos e
as atividades são consideradas um processo natural que se realiza
através da interação com o meio
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
        O conteúdo da educação deveria consistir em experiências
que o aluno reconstrói.

        O professor não ensina: apenas cria condições para que os
alunos aprendam.

          O professor é um facilitador da aprendizagem, que auxilia o
desenvolvimento espontâneo da criança. Ele não deve ensinar, mas
criar situações para que os alunos aprendam.

        O Professor é amigo, e não o conhecedor de tudo.O aluno é o
centro do processo de ensino-aprendizagem, um ser ativo.
O método não diretivo consiste em formar pessoas únicas,
na base da confiança e do respeito.

        Podemos citar os conceitos básicos        da   teoria   da
aprendizagem, realizadas por Mahoney (1976):

 Potencialidade para aprender
 Tendência à realização (desta potencialidade)
 Capacidade organísmica de valorização
 Aprendizagem significativa
 Resistência
 Abertura a experiência
 Auto-avaliação
 Criatividade
 Autoconfiança
 Independência.
Não Diretivismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologiaArtur Mamed
 
Construtivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoConstrutivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoMayara Vellardi
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemDébora Silveira
 
Trabalho sobre bruner
Trabalho sobre brunerTrabalho sobre bruner
Trabalho sobre brunerMaísa Allana
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonThiago de Almeida
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposClaudson Cerqueira Santana
 
Tendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileiraTendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileirarichard_romancini
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologiaLaércio Góes
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetManô Araújo
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...Karina Reimberg
 
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaGLEYDSON ROCHA
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piagetpibidsociais
 

Mais procurados (20)

Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
Construtivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoConstrutivismo Apresentação
Construtivismo Apresentação
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Trabalho sobre bruner
Trabalho sobre brunerTrabalho sobre bruner
Trabalho sobre bruner
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
 
Tendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileiraTendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileira
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
teorias da personalidade - Carl Rogers
teorias da personalidade - Carl Rogersteorias da personalidade - Carl Rogers
teorias da personalidade - Carl Rogers
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
 
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piaget
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
CARL ROGERS.pptx
CARL ROGERS.pptxCARL ROGERS.pptx
CARL ROGERS.pptx
 
Piaget construtivismo - silvia
Piaget   construtivismo - silviaPiaget   construtivismo - silvia
Piaget construtivismo - silvia
 
Você faz a diferença!
Você faz a diferença!Você faz a diferença!
Você faz a diferença!
 

Destaque

Concepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretivaConcepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretivaJoemille Leal
 
Aconselhamento baseado em traços e factores
Aconselhamento baseado em traços e factoresAconselhamento baseado em traços e factores
Aconselhamento baseado em traços e factoresLara Moura
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoCarol Messias
 
Informação Ocupacional
Informação OcupacionalInformação Ocupacional
Informação OcupacionalTiago Malta
 
Luckesi tendencias pedagogicas
Luckesi  tendencias pedagogicasLuckesi  tendencias pedagogicas
Luckesi tendencias pedagogicasValeria Lima
 
Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1Ana Pereira
 
Análise transacional pdf
Análise transacional pdfAnálise transacional pdf
Análise transacional pdfAna Paula Peixer
 
Análise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do EgoAnálise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do EgoThiago Guimarães Peixoto
 
A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoJeanne Araujo
 
Guia para conselheiros
Guia para conselheirosGuia para conselheiros
Guia para conselheirosIsmael Rosa
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoSilvia Cintra
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaDeisiane Cazaroto
 
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mentalHenri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mentalHannah Dantas
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosVeronica Gur Be
 

Destaque (20)

Concepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretivaConcepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretiva
 
Pedagogia Diretiva
Pedagogia DiretivaPedagogia Diretiva
Pedagogia Diretiva
 
Aconselhamento baseado em traços e factores
Aconselhamento baseado em traços e factoresAconselhamento baseado em traços e factores
Aconselhamento baseado em traços e factores
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
 
Não Diretivismo
Não DiretivismoNão Diretivismo
Não Diretivismo
 
Informação Ocupacional
Informação OcupacionalInformação Ocupacional
Informação Ocupacional
 
Luckesi tendencias pedagogicas
Luckesi  tendencias pedagogicasLuckesi  tendencias pedagogicas
Luckesi tendencias pedagogicas
 
Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1
 
Análise transacional pdf
Análise transacional pdfAnálise transacional pdf
Análise transacional pdf
 
Análise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do EgoAnálise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do Ego
 
Psi matrizes secxx
Psi matrizes secxxPsi matrizes secxx
Psi matrizes secxx
 
A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológico
 
Guia para conselheiros
Guia para conselheirosGuia para conselheiros
Guia para conselheiros
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
 
Aconselhamento[1]
Aconselhamento[1]Aconselhamento[1]
Aconselhamento[1]
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mentalHenri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicos
 
Tendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicionalTendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicional
 

Semelhante a Não Diretivismo

A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.Gabriel De Oliveira Soares
 
Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...
Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...
Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...leonardosmorais
 
Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01Rakel Praxedes
 
Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01Rakel Praxedes
 
31.resumo para concurso professor carl rogers.docx
31.resumo para concurso professor   carl rogers.docx31.resumo para concurso professor   carl rogers.docx
31.resumo para concurso professor carl rogers.docxAlineMelo123
 
1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupomari2010
 
HUMANISTA ATUALIZADO.pdf
HUMANISTA ATUALIZADO.pdfHUMANISTA ATUALIZADO.pdf
HUMANISTA ATUALIZADO.pdfjoaquimiarley
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemMarcelo Assis
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemQuelen Fogaça
 
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfPsicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfErickFelipe22
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemAlcione Santos
 
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
Contribuição da psicanálise para a educação   cópiaContribuição da psicanálise para a educação   cópia
Contribuição da psicanálise para a educação cópiaamajordao
 
psicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuação
psicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuaçãopsicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuação
psicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuaçãofatima amitaflustosa
 
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introduçãoFundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introduçãoMARACRISTINAFORTUNAD
 

Semelhante a Não Diretivismo (20)

A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
 
Teoria humanista
Teoria humanistaTeoria humanista
Teoria humanista
 
Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...
Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...
Capacitação EAD - Elaboração de material para educação on-line - Teoria Human...
 
carl rogers.pptx
carl rogers.pptxcarl rogers.pptx
carl rogers.pptx
 
Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01
 
Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01Humanista 090908144652-phpapp01
Humanista 090908144652-phpapp01
 
31.resumo para concurso professor carl rogers.docx
31.resumo para concurso professor   carl rogers.docx31.resumo para concurso professor   carl rogers.docx
31.resumo para concurso professor carl rogers.docx
 
Carl Rogers
Carl RogersCarl Rogers
Carl Rogers
 
Humanista
HumanistaHumanista
Humanista
 
Subjetivismo de Rogers
Subjetivismo de RogersSubjetivismo de Rogers
Subjetivismo de Rogers
 
1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo
 
HUMANISTA ATUALIZADO.pdf
HUMANISTA ATUALIZADO.pdfHUMANISTA ATUALIZADO.pdf
HUMANISTA ATUALIZADO.pdf
 
dsm5
dsm5dsm5
dsm5
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdfPsicologia Humanista - Apresentação.pdf
Psicologia Humanista - Apresentação.pdf
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
 
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
Contribuição da psicanálise para a educação   cópiaContribuição da psicanálise para a educação   cópia
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
 
psicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuação
psicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuaçãopsicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuação
psicopedagogia : sua historia, origem e campo de atuação
 
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introduçãoFundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

Não Diretivismo

  • 1. Carl Ransom Rogers - (Psicólogo americano) 1902-1987 No Brasil suas ideias tiveram difusão na década de 70, em confronto direto com as ideias do Comportamentalismo (Behaviorismo), que teve em Skinner um de seus principais representantes. Rogers é considerado um representante da psicologia humanista e da corrente humanista em educação. Rogers pressupõe que o professor dirija o estudante às suas próprias experiências, para que, a partir delas, o aluno se autodirija. Propõe a sensibilização, a afetividade e a motivação como fatores atuantes na construção do conhecimento. Uma das ideias mais importantes na obra de Rogers é a de que a pessoa é capaz de controlar seu próprio desenvolvimento e isso ninguém pode fazer para ela.
  • 2. NÃO DIRETIVISMO Não-diretivismo é uma linha de pensamento pedagógico em que os próprios alunos escolhem os assuntos a serem estudados, e estudam se quiserem, diferente de outras linhas em que esta escolha é feita por professores ou por uma equipe diretiva. O não-diretivismo defende que a constante intervenção dos adultos limita a capacidade de escolha das crianças, atrasa o amadurecimento, e pode causar outros problemas psicológicos.
  • 3.
  • 4. Psicologia humanista Os psicólogos humanistas estão unidos para proliferar os seus conceitos no estudo da Psicologia e torná-la, assim, mais voltada para o homem, objetivando questões a respeito da pessoa integral. •O homem é autor da sua própria existência, da sua própria historicidade e também preso a essa historicidade; •Diferente de outras visões atuais da psicologia, o Humanismo entende que o homem não deve ser compreendido como um mero estudo dos comportamentos de ratos, porcos, chimpanzés ou outro animal qualquer. •Percebem que a essência do homem não está contida nesses animais e sim nele mesmo.
  • 5.  Um dos conceitos elaborado pelos humanistas foi a alteração da ideia de “paciente” para “cliente”.  Mudança de denominação: Relação serviçal com o seu paciente, enriquecendo a vida desse cliente primeiramente e secundariamente buscando métodos para atingir o seu autoconhecimento.  Para os humanistas, o homem não deve ser compreendido, estudado e reduzido por categorias (ex. percepção, aprendizagem, personalidade).  A busca por decifrá-lo está no próprio homem. É necessário entender que tudo está relacionado com seu “existir”. O “Eu”.  A escola se posiciona em respeitar a criança tal qual ela é, possibilitando a autonomia dos aluno
  • 6. Papel do sujeito como principal elaborador do conhecimento humano.  Dá ênfase a relações interpessoais e ao crescimento que delas resultam, centrado no desenvolvimento da personalidade do individuo, em seus processos de construção e organização pessoal da realidade e em sua capacidade de atuar, como pessoa integrada  Ênfase à vida psicológica e emocional do individuo e a preocupação com a orientação interna, com o auto conceito, com o desenvolvimento de uma visão autêntica de si mesmo, orientada para a realidade individual e grupal.
  • 7.
  • 8. Segundo Carl Rogers “Todos os jovens são intrinsecamente motivados. São curiosos, tem ânsia de conhecer o novo. Mas depois de anos passados na escola, isso acaba diminuindo, ele acabam acomodando-se e essa motivação intrínseca acaba amortecendo. E é o papel dos facilitadores de aprendizagem fazer com que essa motivação volte, eles precisam descobrir quais os desafios reais para esses jovens, para transformá-los em algo que os mesmos tenham anseio de conhecer”. (Rogers, 1972, p.131). O ser humano tem a capacidade, latente ou manifesta, de compreender-se a si mesmo e de resolver seus problemas de modo suficiente para alcançar a satisfação e a eficácia necessária ao funcionamento adequado. O exercício desta capacidade requer um contexto de relações humanas positivas, favoráveis à conservação e à valorização do "eu", isto é, requer relações desprovidas de ameaça ou de desafio à concepção que o sujeito faz de si mesmo.(ROGERS, Carl, 1975, p. 39-40).
  • 9.
  • 10. RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO Facilitador da aprendizagem onde ele tem que buscar sempre ser autentico e congruente, o que facilita muito para a pessoa ou aluno que recebe esse auxilio. Sempre compreender o aluno criando um vínculo que favorece para o aprendizado de ambos. Tem que, acima de tudo, ser autentico, tem que ter compreensão empática e conduta do outro, não deixando para traz a confiança e a consideração com o aluno. O conhecimento advém das próprias experiências dos alunos e as atividades são consideradas um processo natural que se realiza através da interação com o meio
  • 11. RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO O conteúdo da educação deveria consistir em experiências que o aluno reconstrói. O professor não ensina: apenas cria condições para que os alunos aprendam. O professor é um facilitador da aprendizagem, que auxilia o desenvolvimento espontâneo da criança. Ele não deve ensinar, mas criar situações para que os alunos aprendam. O Professor é amigo, e não o conhecedor de tudo.O aluno é o centro do processo de ensino-aprendizagem, um ser ativo.
  • 12. O método não diretivo consiste em formar pessoas únicas, na base da confiança e do respeito. Podemos citar os conceitos básicos da teoria da aprendizagem, realizadas por Mahoney (1976):  Potencialidade para aprender  Tendência à realização (desta potencialidade)  Capacidade organísmica de valorização  Aprendizagem significativa  Resistência  Abertura a experiência  Auto-avaliação  Criatividade  Autoconfiança  Independência.