SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
MOLA HIDATIFORME
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
O diagnóstico precoce da Mola Hidatiforme, no primeiro
trimestre, diminui a morbidade e a mortalidade pela doença.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Objetivos dessa apresentação:
• Identificar Mola Hidatiforme entre os sangramentos do primeiro
trimestre da gravidez: abortamento e gravidez ectópica;
• Apresentar o tratamento da Mola Hidatiforme e o seguimento após
esvaziamento molar.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Doença Trofoblástica Gestacional
• A doença trofoblástica gestacional (DTG) é um termo que se refere a um grupo
heterogêneo de afecções originadas da proliferação anormal e aberrante de diferentes
tipos de tecido trofoblástico (sinciciotrofoblasto, citotrofoblasto viloso e trofoblasto
intermediário).
• Ela é tradicionalmente dividida em:
• formas benignas - gestações molares: mola hidatiforme parcial (MHP) e mola
hidatiforme completa (MHC), ambas inviáveis;
• formas malignas - neoplasia trofoblástica gestacional.
Definição
MS, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Fonte: Lourenço e Sun
A mola hidatiforme é uma gravidez anormal com proliferação exagerada da placenta,
havendo no geral, atraso menstrual e exacerbação de todas as manifestações comuns à
gestação.
Mola Hidatiforme Parcial (MHP)
• Há geração do bebê com
malformação, sem chances de
sobreviver
Mola Hidatiforme Completa (MHC)
• Não há a geração do bebê
MS, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Manifestações Clínicas da Mola Hidatiforme
MS, 2021.
• Sangramento transvaginal: manifestação clínica mais comum, embora possa estar
ausente em casos precoces. Habitualmente tem início em pequena quantidade, em
borra de café, podendo progredir para hemorragia. Nos casos de diagnóstico tardio,
pode haver expulsão de vesículas, o que firma o diagnóstico de mola hidatiforme.
• Náuseas e vômitos: são comuns, principalmente em gestações molares com idade
gestacional mais avançada. Quando exacerbados caracterizam a hiperêmese gravídica,
que se associa à desidratação, distúrbios hidroeletrolíticos e perda de peso corporal.
• Útero aumentado para idade gestacional (maior que 4 cm do tamanho esperado): é
um achado de exame físico característico, embora nem sempre presente, sobretudo
em idade gestacional precoce. Representa fator de risco para neoplasia trofoblástica
gestacional (NTG) pós-molar. Essas pacientes apresentam maior risco de embolização
trofoblástica maciça para os pulmões.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Manifestações Clínicas da Mola Hidatiforme
MS, 2021.
• Cistos tecaluteínicos dos ovários: podem estar presentes como resultado da estimulação da
teca dos ovários pelo hCG, que tem estrutura molecular semelhante ao LH e FSH. São
frequentemente bilaterais, multiloculados, volumosos e na imensa maioria das vezes
apresentam remissão em algumas semanas ou meses após o esvaziamento molar.
• Hipertireoidismo: ocorre em cerca de 5% das pacientes com gravidez molar. No geral,
acontece quando o hCG tem valores superiores a 400.000 mUI/mL, o útero mede 16 cm ou
mais e há cistos tecaluteínicos maiores que 6 cm. Comumente, tem remissão espontânea em 2
a 3 semanas após o esvaziamento molar. Os sintomas são taquicardia, tremores finos,
intolerância ao calor, fraqueza muscular, sudorese, reflexos hiperativos, perda de peso e
ansiedade.
• Pré-eclampsia: pode ser observada em 25% dos casos quando o diagnóstico da mola
hidatiforme é tardio (idade média de 16 semanas) e em 1% quando ocorre no primeiro
trimestre.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Diagnóstico da Mola Hidatiforme
MS, 2021.
• A Mola Hidatiforme Completa é caracterizada pela proliferação anormal do tecido trofoblástico
sem evidência de desenvolvimento embrionário, enquanto a Mola Hidatiforme Parcial é gestação
que se apresenta, de forma geral, com espessamento placentário e concepto malformado. Em
ambos os casos, a sensibilidade do exame aumenta com a idade gestacional.
Ultrassonografia Pélvica
Gonadotrofina Coriônica Humana (hCG)
• A característica mais marcante da mola hidatiforme é a de exibir marcador biológico,
representado pela gonadotrofina coriônica humana (hCG), altamente relacionado com a massa de
tecido trofoblástico ativo.
• No Brasil, há disponibilidade de diferentes ensaios para quantificação do hCG. Idealmente, deve-
se manter o mesmo tipo de ensaio durante todo o acompanhamento, para evitar variações
decorrentes do método empregado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Tratamento da Mola Hidatiforme
MS, 2021.
-> Mola Hidatiforme precoce, com
tamanho uterino correspondente ao atraso
menstrual, os exames a serem solicitados
antes do esvaziamento uterino são:
• hCG quantitativo
• hemograma completo
• tipagem sanguínea
• VDRL e anti-HIV (recomendados pela
norma técnica do Ministério da Saúde
para finalização de uma gestação)
Cuidados pré-operatórios
-> Em casos de úteros com altura uterina acima de
16 cm e presença de cistos tecaluteínicos,
acrescentar:
• TSH/T4 livre
• eletrocardiograma e/ou ecocardiograma (quando
disponível)
-> Se houver hipertensão arterial, incluir:
• pesquisa de proteinúria (urina I ou proteinúria em
fita),
• AST/ALT
• creatinina
A reserva de duas unidades de hemácias é recomendada
em casos de úteros acima de 16 cm devido ao risco de
hemorragia intraoperatória. A equipe deve avaliar
conjuntamente a paciente para escolher a técnica
anestésica mais segura.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
As complicações clínicas como anemia, hipertireoidismo, insuficiência
respiratória (embolização trofoblástica, edema agudo de pulmão) além
das obstétricas/ ginecológicas: hemorragia, pré-eclâmpsia precoce,
hiperêmese, cistos tecaluteínicos ovarianos e hiperestimulação,
ovariana estão relacionadas ao diagnóstico tardio da mola hidatiforme.
MS, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Tratamento da Mola Hidatiforme: esvaziamento molar
MS, 2021.
• Após anestesia, e antes do procedimento de esvaziamento uterino, deve-se realizar exame
vaginal bimanual para verificação do tamanho e da posição do útero e das características do colo
uterino e dos ovários.
• O uso de ocitocina é recomendado depois da dilatação do colo uterino.
• A avaliação da histerometria inicial é indireta, sem uso do histerômetro, que por ser fino,
aumenta o risco de perfuração uterina.
• A aspiração a vácuo tem sido o método de escolha para esvaziamento uterino de mola
hidatiforme, podendo ser aspiração a vácuo manual (AVM) ou aspiração a vácuo elétrica (AVE).
• Especialmente em mulheres com diagnóstico de Mola Hidatiforme com útero > 20 cm, útero
retrovertido ou anomalias Mullerianas, é indicado a aspiração guiada por ultrassonografia
transabdominal.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
MS, 2021.
• Depois da aspiração intrauterina, a redução do tamanho do útero é imediata. Isso torna
seguro o subsequente uso de cureta fenestrada (cureta Recamier), para confirmar
esvaziamento uterino completo. Este uso deve ser delicado, para evitar sinéquias.
• O material proveniente da aspiração uterina deve ser examinado macroscopicamente e
sem seguida, incluído em formol tamponado 10% para exame histopatológico.
Tratamento da Mola Hidatiforme: esvaziamento molar
Uma alternativa para a abordagem inicial é a histerectomia, pouco empregada atualmente.
Pode ser oferecida a pacientes com mais de 40 anos, entre as quais o risco para doença
invasora é maior. A histerectomia elimina o risco da doença invasora no útero, mas não o de
doença metastática.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
MS, 2021.
Alta Hospitalar Após Esvaziamento Molar
-> Seguindo o esvaziamento uterino, o critério para alta hospitalar:
• Para pacientes com Mola Hidatiforme sem complicações: deambulação e micção
espontâneas. Isso pode levar de 4 horas a 6 horas depois do procedimento de
esvaziamento uterino.
• Na presença de complicações clínicas: maior tempo de internação, até que a paciente
tenha o controle clínico adequado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
MS, 2021.
Orientações para Pacientes e Familiares
1
• Conscientização sobre a importância do seguimento pós-molar para descartar evolução
maligna da MH;
2
• Agendamento em um programa de monitoramento de hCG sérico com periodicidade
semanal ou, no máximo, a cada duas semanas;
3
• Contracepção imediata depois do esvaziamento uterino, preferencialmente hormonal;
4
• Orientação dos sinais de alerta para retornar antes da data do retorno se febre,
sangramento, dor abdominal, dispneia;
5
• Elucidação de dúvidas da paciente e sua família, que geralmente apresentam questões
sobre o futuro reprodutivo após a MH e sobre a necessidade de quimioterapia, caso não
ocorra a resolução espontânea da MH.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
MS, 2021.
Aspectos Emocionais
• A mola hidatiforme (MH) quando na condição benigna e neoplasia trofoblástica gestacional (NTG)
quando maligna, acarreta para a mulher intenso sofrimento físico e psíquico ao resultar na perda
gestacional e a possibilidade de evolução para um câncer.
• Apesar do prognóstico favorável, o diagnóstico da DTG pressupõe a realização de procedimento
cirúrgico, a possibilidade de tratamento quimioterápico e a contracepção hormonal, impactando
negativamente na expectativa reprodutiva e parental da mulher e seu parceiro(a) por um período
que pode variar de seis a doze meses após a remissão da doença.
• As mulheres podem experimentar sentimento de ambivalência frente à interrupção gestacional,
culpa e vergonha pela suposta incapacidade reprodutiva. A não validação e reconhecimento social
da perda e do luto perinatal podem resultar em retraimento, distanciamento e acabam
influenciando negativamente a qualidade de vida, da mulher e seu parceiro(a), potencializando o
desenvolvimento de sintomas de ansiedade e ou de depressão.
É de suma importância na prevenção, promoção e apoio a saúde mental dos envolvidos, o
acompanhamento multiprofissional, em especial com profissionais de saúde mental.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Seguimento Ambulatorial Pós Esvaziamento Molar
MS, 2021.
Após o esvaziamento molar a paciente deverá ser encaminhada para seguimento
ambulatorial, preferencialmente, em um serviço de referência.
O início do seguimento deve ocorrer na semana posterior ao esvaziamento, mesmo
antes da obtenção do resultado histopatológico, baseado na suspeita diagnóstica
decorrente do quadro clínico, ultrassonográfico e valor de hCG elevado.
Durante todo o seguimento pós-molar as pacientes necessitam fazer anticoncepção
rigorosa, preferentemente hormonal, que deve ser iniciada, imediatamente, após o
esvaziamento uterino. Os dispositivos intrauterinos são contraindicados na contracepção
durante o seguimento pós-molar.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Mola Hidatiforme Completa
MS, 2021.
Mola Hidatiforme Parcial
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
Mola Hidatiforme deve ser referenciada para os centros
especializados.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
MOLA HIDATIFORME
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e
Estratégicas. Linha de cuidados para doença trofoblástica gestacional [recurso eletrônico] / Ministério da
Saúde; Associação Brasileira de Doença Trofoblastica Gestacional. – Brasília : Ministério da Saúde, 2021.
• Braga A, Lin LH, Maestá I, et al. Gestational Trophoblastic Disease in Brazil. Rev Bras Ginecol Obstet.
2019;41(4):211-212. doi:10.1055/s-0039-1688566
• Lourenço CS, Sun Sy, Assis RT, Malinverni ACM. Mola Hidatiforme: Aprendendo Seus Cuidados.
Referências
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
Material de 09 de fevereiro de 2022
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
MOLA HIDATIFORME

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dheg
Dheg Dheg
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
Distocias e partograma
Distocias e partograma Distocias e partograma
Distocias e partograma
Deuza Maquiné
 
Histerectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagemHisterectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagem
Roberto Moreira Silva
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
resenfe2013
 
Sangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro TrimestreSangramento no Primeiro Trimestre
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Endometriose
Endometriose Endometriose
Endometriose
Jéssica Angelo
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Caroline Reis Gonçalves
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Karina Pereira
 
Preenchimento de Partograma
Preenchimento de PartogramaPreenchimento de Partograma
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
Francisca Aguiar
 
Ostomias
OstomiasOstomias
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
Thiago Henrique
 
Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
roberta55dantas
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
Patricia Cardoso
 

Mais procurados (20)

Dheg
Dheg Dheg
Dheg
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Distocias e partograma
Distocias e partograma Distocias e partograma
Distocias e partograma
 
Histerectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagemHisterectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagem
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
 
Sangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro TrimestreSangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro Trimestre
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Endometriose
Endometriose Endometriose
Endometriose
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
 
Preenchimento de Partograma
Preenchimento de PartogramaPreenchimento de Partograma
Preenchimento de Partograma
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Ostomias
OstomiasOstomias
Ostomias
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
 
Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 

Semelhante a Mola Hidatiforme

Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
Raine Danyele Vieira de Sousa
 
histerectomia.pptx
histerectomia.pptxhisterectomia.pptx
histerectomia.pptx
EvelineMachado3
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
Francielttonsantos
 
Histerectomia
HisterectomiaHisterectomia
Histerectomia
Silvia Ferreira
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Gustavo Henrique
 
UFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptx
UFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptxUFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptx
UFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptx
Nome Sobrenome
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
Thiago Henrique
 
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
chirlei ferreira
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Juan Figueiredo
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Anderson Silva
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
Ana Cdergvgbgdd
 
2914516.ppt
2914516.ppt2914516.ppt
2914516.ppt
ngeloDanielMera
 
Mola ntg patologia_ap
Mola ntg patologia_apMola ntg patologia_ap
Mola ntg patologia_ap
UFAL
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
ItauanaAlmeida1
 
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.pptINTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
DokiNorkis
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptxSAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
ItauanaAlmeida1
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Stefanny Corrêa
 
Intercorrencias 2 metade na gestação.pdf
Intercorrencias 2 metade na gestação.pdfIntercorrencias 2 metade na gestação.pdf
Intercorrencias 2 metade na gestação.pdf
MariaRuthBacelar1
 

Semelhante a Mola Hidatiforme (20)

Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
histerectomia.pptx
histerectomia.pptxhisterectomia.pptx
histerectomia.pptx
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
 
Histerectomia
HisterectomiaHisterectomia
Histerectomia
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
 
UFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptx
UFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptxUFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptx
UFCD - 6578 - Complicaçoes no Pos-Parto-Hemorrogias.pptx
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
 
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
 
2914516.ppt
2914516.ppt2914516.ppt
2914516.ppt
 
Mola ntg patologia_ap
Mola ntg patologia_apMola ntg patologia_ap
Mola ntg patologia_ap
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
 
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.pptINTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptxSAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Intercorrencias 2 metade na gestação.pdf
Intercorrencias 2 metade na gestação.pdfIntercorrencias 2 metade na gestação.pdf
Intercorrencias 2 metade na gestação.pdf
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Mola Hidatiforme

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME O diagnóstico precoce da Mola Hidatiforme, no primeiro trimestre, diminui a morbidade e a mortalidade pela doença.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Objetivos dessa apresentação: • Identificar Mola Hidatiforme entre os sangramentos do primeiro trimestre da gravidez: abortamento e gravidez ectópica; • Apresentar o tratamento da Mola Hidatiforme e o seguimento após esvaziamento molar.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Doença Trofoblástica Gestacional • A doença trofoblástica gestacional (DTG) é um termo que se refere a um grupo heterogêneo de afecções originadas da proliferação anormal e aberrante de diferentes tipos de tecido trofoblástico (sinciciotrofoblasto, citotrofoblasto viloso e trofoblasto intermediário). • Ela é tradicionalmente dividida em: • formas benignas - gestações molares: mola hidatiforme parcial (MHP) e mola hidatiforme completa (MHC), ambas inviáveis; • formas malignas - neoplasia trofoblástica gestacional. Definição MS, 2021.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Fonte: Lourenço e Sun A mola hidatiforme é uma gravidez anormal com proliferação exagerada da placenta, havendo no geral, atraso menstrual e exacerbação de todas as manifestações comuns à gestação. Mola Hidatiforme Parcial (MHP) • Há geração do bebê com malformação, sem chances de sobreviver Mola Hidatiforme Completa (MHC) • Não há a geração do bebê MS, 2021.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Manifestações Clínicas da Mola Hidatiforme MS, 2021. • Sangramento transvaginal: manifestação clínica mais comum, embora possa estar ausente em casos precoces. Habitualmente tem início em pequena quantidade, em borra de café, podendo progredir para hemorragia. Nos casos de diagnóstico tardio, pode haver expulsão de vesículas, o que firma o diagnóstico de mola hidatiforme. • Náuseas e vômitos: são comuns, principalmente em gestações molares com idade gestacional mais avançada. Quando exacerbados caracterizam a hiperêmese gravídica, que se associa à desidratação, distúrbios hidroeletrolíticos e perda de peso corporal. • Útero aumentado para idade gestacional (maior que 4 cm do tamanho esperado): é um achado de exame físico característico, embora nem sempre presente, sobretudo em idade gestacional precoce. Representa fator de risco para neoplasia trofoblástica gestacional (NTG) pós-molar. Essas pacientes apresentam maior risco de embolização trofoblástica maciça para os pulmões.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Manifestações Clínicas da Mola Hidatiforme MS, 2021. • Cistos tecaluteínicos dos ovários: podem estar presentes como resultado da estimulação da teca dos ovários pelo hCG, que tem estrutura molecular semelhante ao LH e FSH. São frequentemente bilaterais, multiloculados, volumosos e na imensa maioria das vezes apresentam remissão em algumas semanas ou meses após o esvaziamento molar. • Hipertireoidismo: ocorre em cerca de 5% das pacientes com gravidez molar. No geral, acontece quando o hCG tem valores superiores a 400.000 mUI/mL, o útero mede 16 cm ou mais e há cistos tecaluteínicos maiores que 6 cm. Comumente, tem remissão espontânea em 2 a 3 semanas após o esvaziamento molar. Os sintomas são taquicardia, tremores finos, intolerância ao calor, fraqueza muscular, sudorese, reflexos hiperativos, perda de peso e ansiedade. • Pré-eclampsia: pode ser observada em 25% dos casos quando o diagnóstico da mola hidatiforme é tardio (idade média de 16 semanas) e em 1% quando ocorre no primeiro trimestre.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Diagnóstico da Mola Hidatiforme MS, 2021. • A Mola Hidatiforme Completa é caracterizada pela proliferação anormal do tecido trofoblástico sem evidência de desenvolvimento embrionário, enquanto a Mola Hidatiforme Parcial é gestação que se apresenta, de forma geral, com espessamento placentário e concepto malformado. Em ambos os casos, a sensibilidade do exame aumenta com a idade gestacional. Ultrassonografia Pélvica Gonadotrofina Coriônica Humana (hCG) • A característica mais marcante da mola hidatiforme é a de exibir marcador biológico, representado pela gonadotrofina coriônica humana (hCG), altamente relacionado com a massa de tecido trofoblástico ativo. • No Brasil, há disponibilidade de diferentes ensaios para quantificação do hCG. Idealmente, deve- se manter o mesmo tipo de ensaio durante todo o acompanhamento, para evitar variações decorrentes do método empregado.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Tratamento da Mola Hidatiforme MS, 2021. -> Mola Hidatiforme precoce, com tamanho uterino correspondente ao atraso menstrual, os exames a serem solicitados antes do esvaziamento uterino são: • hCG quantitativo • hemograma completo • tipagem sanguínea • VDRL e anti-HIV (recomendados pela norma técnica do Ministério da Saúde para finalização de uma gestação) Cuidados pré-operatórios -> Em casos de úteros com altura uterina acima de 16 cm e presença de cistos tecaluteínicos, acrescentar: • TSH/T4 livre • eletrocardiograma e/ou ecocardiograma (quando disponível) -> Se houver hipertensão arterial, incluir: • pesquisa de proteinúria (urina I ou proteinúria em fita), • AST/ALT • creatinina A reserva de duas unidades de hemácias é recomendada em casos de úteros acima de 16 cm devido ao risco de hemorragia intraoperatória. A equipe deve avaliar conjuntamente a paciente para escolher a técnica anestésica mais segura.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME As complicações clínicas como anemia, hipertireoidismo, insuficiência respiratória (embolização trofoblástica, edema agudo de pulmão) além das obstétricas/ ginecológicas: hemorragia, pré-eclâmpsia precoce, hiperêmese, cistos tecaluteínicos ovarianos e hiperestimulação, ovariana estão relacionadas ao diagnóstico tardio da mola hidatiforme. MS, 2021.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Tratamento da Mola Hidatiforme: esvaziamento molar MS, 2021. • Após anestesia, e antes do procedimento de esvaziamento uterino, deve-se realizar exame vaginal bimanual para verificação do tamanho e da posição do útero e das características do colo uterino e dos ovários. • O uso de ocitocina é recomendado depois da dilatação do colo uterino. • A avaliação da histerometria inicial é indireta, sem uso do histerômetro, que por ser fino, aumenta o risco de perfuração uterina. • A aspiração a vácuo tem sido o método de escolha para esvaziamento uterino de mola hidatiforme, podendo ser aspiração a vácuo manual (AVM) ou aspiração a vácuo elétrica (AVE). • Especialmente em mulheres com diagnóstico de Mola Hidatiforme com útero > 20 cm, útero retrovertido ou anomalias Mullerianas, é indicado a aspiração guiada por ultrassonografia transabdominal.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME MS, 2021. • Depois da aspiração intrauterina, a redução do tamanho do útero é imediata. Isso torna seguro o subsequente uso de cureta fenestrada (cureta Recamier), para confirmar esvaziamento uterino completo. Este uso deve ser delicado, para evitar sinéquias. • O material proveniente da aspiração uterina deve ser examinado macroscopicamente e sem seguida, incluído em formol tamponado 10% para exame histopatológico. Tratamento da Mola Hidatiforme: esvaziamento molar Uma alternativa para a abordagem inicial é a histerectomia, pouco empregada atualmente. Pode ser oferecida a pacientes com mais de 40 anos, entre as quais o risco para doença invasora é maior. A histerectomia elimina o risco da doença invasora no útero, mas não o de doença metastática.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME MS, 2021. Alta Hospitalar Após Esvaziamento Molar -> Seguindo o esvaziamento uterino, o critério para alta hospitalar: • Para pacientes com Mola Hidatiforme sem complicações: deambulação e micção espontâneas. Isso pode levar de 4 horas a 6 horas depois do procedimento de esvaziamento uterino. • Na presença de complicações clínicas: maior tempo de internação, até que a paciente tenha o controle clínico adequado.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME MS, 2021. Orientações para Pacientes e Familiares 1 • Conscientização sobre a importância do seguimento pós-molar para descartar evolução maligna da MH; 2 • Agendamento em um programa de monitoramento de hCG sérico com periodicidade semanal ou, no máximo, a cada duas semanas; 3 • Contracepção imediata depois do esvaziamento uterino, preferencialmente hormonal; 4 • Orientação dos sinais de alerta para retornar antes da data do retorno se febre, sangramento, dor abdominal, dispneia; 5 • Elucidação de dúvidas da paciente e sua família, que geralmente apresentam questões sobre o futuro reprodutivo após a MH e sobre a necessidade de quimioterapia, caso não ocorra a resolução espontânea da MH.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME MS, 2021. Aspectos Emocionais • A mola hidatiforme (MH) quando na condição benigna e neoplasia trofoblástica gestacional (NTG) quando maligna, acarreta para a mulher intenso sofrimento físico e psíquico ao resultar na perda gestacional e a possibilidade de evolução para um câncer. • Apesar do prognóstico favorável, o diagnóstico da DTG pressupõe a realização de procedimento cirúrgico, a possibilidade de tratamento quimioterápico e a contracepção hormonal, impactando negativamente na expectativa reprodutiva e parental da mulher e seu parceiro(a) por um período que pode variar de seis a doze meses após a remissão da doença. • As mulheres podem experimentar sentimento de ambivalência frente à interrupção gestacional, culpa e vergonha pela suposta incapacidade reprodutiva. A não validação e reconhecimento social da perda e do luto perinatal podem resultar em retraimento, distanciamento e acabam influenciando negativamente a qualidade de vida, da mulher e seu parceiro(a), potencializando o desenvolvimento de sintomas de ansiedade e ou de depressão. É de suma importância na prevenção, promoção e apoio a saúde mental dos envolvidos, o acompanhamento multiprofissional, em especial com profissionais de saúde mental.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Seguimento Ambulatorial Pós Esvaziamento Molar MS, 2021. Após o esvaziamento molar a paciente deverá ser encaminhada para seguimento ambulatorial, preferencialmente, em um serviço de referência. O início do seguimento deve ocorrer na semana posterior ao esvaziamento, mesmo antes da obtenção do resultado histopatológico, baseado na suspeita diagnóstica decorrente do quadro clínico, ultrassonográfico e valor de hCG elevado. Durante todo o seguimento pós-molar as pacientes necessitam fazer anticoncepção rigorosa, preferentemente hormonal, que deve ser iniciada, imediatamente, após o esvaziamento uterino. Os dispositivos intrauterinos são contraindicados na contracepção durante o seguimento pós-molar.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Mola Hidatiforme Completa MS, 2021. Mola Hidatiforme Parcial
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME Mola Hidatiforme deve ser referenciada para os centros especializados.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br MOLA HIDATIFORME • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Linha de cuidados para doença trofoblástica gestacional [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde; Associação Brasileira de Doença Trofoblastica Gestacional. – Brasília : Ministério da Saúde, 2021. • Braga A, Lin LH, Maestá I, et al. Gestational Trophoblastic Disease in Brazil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2019;41(4):211-212. doi:10.1055/s-0039-1688566 • Lourenço CS, Sun Sy, Assis RT, Malinverni ACM. Mola Hidatiforme: Aprendendo Seus Cuidados. Referências
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ATENÇÃO ÀS MULHERES Material de 09 de fevereiro de 2022 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres MOLA HIDATIFORME