SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
O diagnóstico correto dos sangramentos no primeiro
trimestre diminui a morbidade e a mortalidade materna por
hemorragia.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Objetivo dessa apresentação:
• Apresentar o diagnóstico e o tratamento das doenças causadoras de
sangramento no primeiro trimestre da gravidez:
• Abortamento
• Gravidez ectópica
• Mola hidatiforme
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Sangramentos no Primeiro Trimestre
Toda mulher na menacme,
que sangra, independente
de ter ou não atraso
menstrual, deve fazer um
teste de gravidez qualitativo.
Teste Negativo = sangramento de
causa ginecológica
Teste Positivo = sangramento de
causa obstétrica
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Sangramentos no Primeiro Trimestre
Ministério da Saúde, 2022.
O exame físico e os exames laboratoriais são especialmente importantes para diferenciar
os casos que necessitam de atendimento de urgência.
O exame especular permite a avaliação do sangramento, de sua origem e quantidade, e
de sinais de infecção.
O toque vaginal bimanual permite a determinação da dilatação cervical e pode auxiliar na
estimativa da idade gestacional.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Sangramentos no Primeiro Trimestre
ABORTO ESPONTÂNEO:
• gestação intrauterina não viável abaixo de 20-22 semanas ou peso fetal≤ 500 g
• ocorre em 12 a 24% das gestações
AMEAÇA DE ABORTO = Aborto evitável
Colo FECHADO.
US = saco gestacional regular, BCF +
ABORTO INCOMPLETO
Colo ABERTO. US = eco endometrial 5 a 25 mm
heterogêneo
ABORTO COMPLETO
Colo FECHADO. US = ausência de conteúdo
ABORTO RETIDO
Colo FECHADO. US = gestação não evolutiva
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Localização mais comum:
• tubária, (90 a 95% dos casos)
• ovariana
• abdominal
Localização atípica:
• ístmica
• cicatriz de cesárea
• cervical
Sangramentos no Primeiro Trimestre
GRAVIDEZ ECTÓPICA
• ausência de saco gestacional em cavidade uterina
• hCG > 3500 mUI/mL
• 1% das gestações
Antecedentes:
• Gravidez ectópica anterior
• Doença inflamatória pélvica
• Endometriose
• Uso de DIU
• Uso de pílula do dia seguinte
Involução espontânea: queda do hCG
Progressão: ascensão do hCG
Íntegra
Rota
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Características:
• até 10 semanas parece ameaça de aborto e US
aborto retido
No segundo trimestre:
• hemorragia, pré-eclâmpsia, hipertiroidismo,
cistos teca-luteinico, embolização trofoblástica
• US cachos de uva, flocos de neve
Sangramentos no Primeiro Trimestre
MOLA HIDATIFORME
• excesso de informação genética paterna
• proliferação exagerada do trofoblasto pré-maligno = hCG elevado
• 1 mola/200-1000 gestações
Mola Hidatiforme COMPLETA
• Sem feto
• 20% maligniza
Mola Hidatiforme PARCIAL
• Feto tiplóide
• 0,5 a 5% maligniza
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Sangramento
Transvaginal
cavidade uterina
com material
cavidade uterina
vazia
sim
não
gravidez ectópica
ou gravidez de
localização
desconhecida
**hCG sobe mas não
dobra sugere ectópica
US =
ausência SG
Exame especular: excluir pólipos
endocervicais e lesões de colo
saco gestacional
regular, BCF
presente
ameaça de
aborto
aborto retido,
aborto incompleto,
mola hidatiforme
eco endometrial
homogêneo <20mm
aborto
completo
queda hCG =
Ectópica em
involução
Diagnóstico Etiológico do
Sangramento no Primeiro Trimestre
US pelve
transvaginal
cavidade uterina
com material amorfo
saco gestacional
irregular sem ou
com embrião BCF
ausente
aumento do
sangramento e
perda de material
hCG > 3500 mUI/mL
repetir hCG a
cada 48
horas**
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Diagnóstico Ultrassonográfico do Sangramento no Primeiro Trimestre
Aborto Retido
gestação não evolutiva
SG > 25 mm sem embrião
embrião > 7mm sem BCF
Aborto
Incompleto
Gravidez
Ectópica
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Diagnóstico Ultrassonográfico do Sangramento no Primeiro Trimestre
Mola
Hidatiforme
Mola Hidatiforme no
início (aspecto amorfo)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Tratamento do Aborto Espontâneo
Solicitar:
• Tipagem ABO-Rh
• Sorologias para sífilis e HIV
Ameaça de Aborto
• Suporte emocional
• Sem repouso ou
medicamentos –
práticas sem evidência
Aborto Incompleto
• Curetagem uterina ou
AMIU
Aborto Retido
• expectante (máximo 4
semanas)
• cirúrgico (curetagem
uterina ou AMIU)
• preparo de colo:
misoprostol 400 mcg via
vaginal 3 horas antes do
procedimento
• Exame histopatológico, sempre que possível
• hCG 30 dias após aborto deve ser negativo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
• A dose deve ser
calculada com base
na idade gestacional.
• Considerar as
semanas de
gestação (idade
gestacional) de
acordo com o
tamanho uterino.
Figo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Esquemas Antibióticos Intravenosos:
• Gentamicina (5 mg/kg/dia) + ampicilina (2 g de
4 em 4h) + metronidazol (500 mg de 8 em 8h)
• Gentamicina (5 mg/kg/dia) + ampicilina (2 g de
4 em 4 h) + clindamicina (900 mg de 8 em 8h)
• Levofloxacina (500 mg/dia) + metronidazol
(500 mg de 8 em 8h)
• Imipenem (500 mg de 6 em 6h)
• Piperacilina-tazobactam (4,5 g de 8 em 8h)
Tratamento do Aborto Espontâneo Infectado
• Manter antibiótico EV até a mulher
fique afebril por 48h com redução da
sensibilidade pélvica.
• Recomenda-se uma transição para
antibióticos orais, completando um
ciclo de 10 a 14 dias (doxiciclina 100
mg, de 12 em 12h + metronidazol
500 mg de 12 em 12h).
Curetagem Uterina preferencialmente por AMIU
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Tratamento da Gravidez Ectópica Íntegra
Tratamento
Cirúrgico
• Laparoscopia
• Salpingostomia ou
salpingectomia
Tratamento Expectante
• Estabilidade hemodinâmica
• Declínio dos títulos de hCG
no intervalo de 24 a 48
horas.
• hCG <2.000 mUI/mL
• US transvaginal com
ausência de embrião vivo,
massa tubária inferior a 5
cm e desejo de gravidez
futura.
Tratamento Medicamentoso
Metotrexate
• Estabilidade hemodinâmica
• diâmetro da massa anexial
<3,5 cm.
• hCG inicial <5.000 mUI/mL
• Ausência de dor abdominal
• Desejo de gravidez futura
• Termo de consentimento
assinado
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Tratamento da Mola Hidatiforme
Exames pré-operatórios:
• hemograma
• hCG quantitativo
• tipagem sanguínea
• se tamanho uterino maior que
16 cm incluir TSH/T4 livre
• Se hipertensão arterial, incluir:
pesquisa de proteinúria (urina I
ou fita), AST/ALT, creatinina.
Se sinais de hipertireoidismo:
frequência cardíaca >90 bpm, olhar vivo, tremor
de extremidades, pele quente e úmida.
• propranolol 40 mg a cada 12h
antes do procedimento e mantido até
estabilização do quadro clínico.
• avaliar uso de antitiroidianos
(propiltiouracil 300 mg dose de ataque e 100 mg
de 8 em 8h ou metimazol 5 mg a 20 mg de 8 em
8h).
Ministério da Saúde, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Cuidados No Esvaziamento Da Mola Hidatiforme
• Iniciar ocitocina no momento da introdução da cânula de aspiração
• Histerometria indireta com as cânulas sem uso do histerômetro
• A cânula número 8 da aspiração manual intrauterina (AMIU) é suficiente para o esvaziamento, e o
uso de duas seringas agiliza o procedimento.
O esvaziamento uterino da mola hidatiforme
é feito, preferencialmente, por AMIU.
Na Alta Hospitalar, deve-se garantir seguimento
pós-molar:
• Consulta na semana seguinte ao
esvaziamento
• hCG seriado semanal ou quinzenal
• Introdução de contracepção imediata
FOTOS: Sue Yazaki Sun – UNIFESP e Antonio Braga - UFRJ
• A ultrassonografia para guiar o procedimento é
desejável para úteros com medida acima de 20 cm.
• Histerectomia total abdominal com a mola in situ
pode ser uma alternativa em mulheres acima de 40
anos, com maior risco de doença invasora, e prole
constituída mas não dispensa a paciente do
seguimento pós-molar
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Mola Hidatiforme Parcial
• 70% dos casos de MOLA PARCIAL
não foram suspeitados antes do
esvaziamento
• Foram confundidos com
abortamento retido
Sun et. al., 2016.
O diagnóstico de Mola Parcial é
retrospectivo (anatomia patológica).
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Referência e Contra Referência da Mola Hidatiforme
Lista de Centros de Referência em
Doença Trofoblástica Gestacional
no Brasil:
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
Mola Hidatiforme Completa Mola Hidatiforme Parcial
Ministério da Saúde, 2021.
Contracepção Hormonal e Início do Seguimento Imediato ao Esvaziamento Molar
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
• Neoplasia Trofoblástica Gestacional (NTG) ocorreu em 21,8% dos casos
• Cura: 96,4%
• 7,4% abandonaram o seguimento pós molar antes de obter o primeiro hCG normal
• 26 mortes
• 4 NTG baixo risco
• 19 NTG alto risco
• 3 TTSP (tumor trofoblástico do sítio placentário)
Neoplasia Trofoblástica Gestacional
Relatório epidemiológico sobre o tratamento de
pacientes com doença trofoblástica gestacional em 10
centros de referência brasileiros: resultados após 12 anos
desde o Consenso Internacional FIGO 2000.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
• A ultrassonografia de pelve transvaginal deve ser realizada em
gestantes com sangramento no primeiro trimestre.
• hCG acima de 3500 mUI/mL e cavidade uterina sem saco
gestacional à ultrassonografia = gravidez ectópica ou localização
desconhecida.
• Mola hidatiforme até 10 semanas confunde-se com abortamento.
• Útero com tamanho compatível com 12 ou mais semanas,
sangramento e mantendo sintomas de gravidez, na ausência de
batimento cardíaco fetal: "pensar em mola para diagnosticar mola”.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Linha de cuidados para
doença trofoblástica gestacional [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde; Associação Brasileira de Doença Trofoblastica Gestacional. – Brasília :
Ministério da Saúde, 2021.
• Braga A, Lin LH, Maestá I, et al. Gestational Trophoblastic Disease in Brazil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2019;41(4):211-212. doi:10.1055/s-0039-
1688566
• Lourenço CS, Sun Sy, Assis RT, Malinverni ACM. Mola Hidatiforme: Aprendendo Seus Cuidados.
• Braga A, Burlá M, Freitas F, et al. Centralized Coordination of Decentralized Assistance for Patients with Gestational Trophoblastic Disease in Brazil:
A Viable Strategy for Developing Countries. J Reprod Med. 2016;61(5-6):224-229.
• Padrón L, Rezende Filho J, Amim Junior J, et al. Manual Compared With Electric Vacuum Aspiration for Treatment of Molar Pregnancy [published
correction appears in Obstet Gynecol. 2019 Apr;133(4):830-834]. Obstet Gynecol. 2018;131(4):652-659. doi:10.1097/AOG.0000000000002522
• Sun SY, Melamed A, Joseph NT, et al. Clinical Presentation of Complete Hydatidiform Mole and Partial Hydatidiform Mole at a Regional
Trophoblastic Disease Center in the United States Over the Past 2 Decades. Int J Gynecol Cancer. 2016;26(2):367-370.
doi:10.1097/IGC.0000000000000608
• Braga A, Uberti EM, Fajardo Mdo C, et al. Epidemiological report on the treatment of patients with gestational trophoblastic disease in 10 Brazilian
referral centers: results after 12 years since International FIGO 2000 Consensus. J Reprod Med. 2014;59(5-6):241-247.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Gestação de
Alto Risco [recurso eletrônico] / High-risk pregnancy manual. Brasília: Ministério da Saúde, 2022.
Referências
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
Material de 04 de maio de 2022
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
SMS - Petrópolis
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
tvf
 

Mais procurados (20)

AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Distocias e partograma
Distocias e partograma Distocias e partograma
Distocias e partograma
 
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
 
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da GravidezDoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
 
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de PartoReanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervirDiagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
 
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e PuerpérioAtenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodosCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Síndromes Hipertensivas da Gestação.pptx
Síndromes Hipertensivas da Gestação.pptxSíndromes Hipertensivas da Gestação.pptx
Síndromes Hipertensivas da Gestação.pptx
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 

Semelhante a Sangramento no Primeiro Trimestre

Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
tvf
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
yasminroriz3
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
Josiana E Rafael
 
Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2
tvf
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
tvf
 
Tv do hiv
Tv do hivTv do hiv
Tv do hiv
tvf
 

Semelhante a Sangramento no Primeiro Trimestre (20)

Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 
Mola Hidatiforme
Mola HidatiformeMola Hidatiforme
Mola Hidatiforme
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicialDiagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
 
DDP
DDP DDP
DDP
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Tv do hiv
Tv do hivTv do hiv
Tv do hiv
 
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de CesáreaIndução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (10)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Sangramento no Primeiro Trimestre

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE O diagnóstico correto dos sangramentos no primeiro trimestre diminui a morbidade e a mortalidade materna por hemorragia.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Objetivo dessa apresentação: • Apresentar o diagnóstico e o tratamento das doenças causadoras de sangramento no primeiro trimestre da gravidez: • Abortamento • Gravidez ectópica • Mola hidatiforme
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Sangramentos no Primeiro Trimestre Toda mulher na menacme, que sangra, independente de ter ou não atraso menstrual, deve fazer um teste de gravidez qualitativo. Teste Negativo = sangramento de causa ginecológica Teste Positivo = sangramento de causa obstétrica
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Sangramentos no Primeiro Trimestre Ministério da Saúde, 2022. O exame físico e os exames laboratoriais são especialmente importantes para diferenciar os casos que necessitam de atendimento de urgência. O exame especular permite a avaliação do sangramento, de sua origem e quantidade, e de sinais de infecção. O toque vaginal bimanual permite a determinação da dilatação cervical e pode auxiliar na estimativa da idade gestacional.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Sangramentos no Primeiro Trimestre ABORTO ESPONTÂNEO: • gestação intrauterina não viável abaixo de 20-22 semanas ou peso fetal≤ 500 g • ocorre em 12 a 24% das gestações AMEAÇA DE ABORTO = Aborto evitável Colo FECHADO. US = saco gestacional regular, BCF + ABORTO INCOMPLETO Colo ABERTO. US = eco endometrial 5 a 25 mm heterogêneo ABORTO COMPLETO Colo FECHADO. US = ausência de conteúdo ABORTO RETIDO Colo FECHADO. US = gestação não evolutiva
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Localização mais comum: • tubária, (90 a 95% dos casos) • ovariana • abdominal Localização atípica: • ístmica • cicatriz de cesárea • cervical Sangramentos no Primeiro Trimestre GRAVIDEZ ECTÓPICA • ausência de saco gestacional em cavidade uterina • hCG > 3500 mUI/mL • 1% das gestações Antecedentes: • Gravidez ectópica anterior • Doença inflamatória pélvica • Endometriose • Uso de DIU • Uso de pílula do dia seguinte Involução espontânea: queda do hCG Progressão: ascensão do hCG Íntegra Rota
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Características: • até 10 semanas parece ameaça de aborto e US aborto retido No segundo trimestre: • hemorragia, pré-eclâmpsia, hipertiroidismo, cistos teca-luteinico, embolização trofoblástica • US cachos de uva, flocos de neve Sangramentos no Primeiro Trimestre MOLA HIDATIFORME • excesso de informação genética paterna • proliferação exagerada do trofoblasto pré-maligno = hCG elevado • 1 mola/200-1000 gestações Mola Hidatiforme COMPLETA • Sem feto • 20% maligniza Mola Hidatiforme PARCIAL • Feto tiplóide • 0,5 a 5% maligniza
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Sangramento Transvaginal cavidade uterina com material cavidade uterina vazia sim não gravidez ectópica ou gravidez de localização desconhecida **hCG sobe mas não dobra sugere ectópica US = ausência SG Exame especular: excluir pólipos endocervicais e lesões de colo saco gestacional regular, BCF presente ameaça de aborto aborto retido, aborto incompleto, mola hidatiforme eco endometrial homogêneo <20mm aborto completo queda hCG = Ectópica em involução Diagnóstico Etiológico do Sangramento no Primeiro Trimestre US pelve transvaginal cavidade uterina com material amorfo saco gestacional irregular sem ou com embrião BCF ausente aumento do sangramento e perda de material hCG > 3500 mUI/mL repetir hCG a cada 48 horas**
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Diagnóstico Ultrassonográfico do Sangramento no Primeiro Trimestre Aborto Retido gestação não evolutiva SG > 25 mm sem embrião embrião > 7mm sem BCF Aborto Incompleto Gravidez Ectópica
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Diagnóstico Ultrassonográfico do Sangramento no Primeiro Trimestre Mola Hidatiforme Mola Hidatiforme no início (aspecto amorfo)
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Tratamento do Aborto Espontâneo Solicitar: • Tipagem ABO-Rh • Sorologias para sífilis e HIV Ameaça de Aborto • Suporte emocional • Sem repouso ou medicamentos – práticas sem evidência Aborto Incompleto • Curetagem uterina ou AMIU Aborto Retido • expectante (máximo 4 semanas) • cirúrgico (curetagem uterina ou AMIU) • preparo de colo: misoprostol 400 mcg via vaginal 3 horas antes do procedimento • Exame histopatológico, sempre que possível • hCG 30 dias após aborto deve ser negativo
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE • A dose deve ser calculada com base na idade gestacional. • Considerar as semanas de gestação (idade gestacional) de acordo com o tamanho uterino. Figo, 2017.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Esquemas Antibióticos Intravenosos: • Gentamicina (5 mg/kg/dia) + ampicilina (2 g de 4 em 4h) + metronidazol (500 mg de 8 em 8h) • Gentamicina (5 mg/kg/dia) + ampicilina (2 g de 4 em 4 h) + clindamicina (900 mg de 8 em 8h) • Levofloxacina (500 mg/dia) + metronidazol (500 mg de 8 em 8h) • Imipenem (500 mg de 6 em 6h) • Piperacilina-tazobactam (4,5 g de 8 em 8h) Tratamento do Aborto Espontâneo Infectado • Manter antibiótico EV até a mulher fique afebril por 48h com redução da sensibilidade pélvica. • Recomenda-se uma transição para antibióticos orais, completando um ciclo de 10 a 14 dias (doxiciclina 100 mg, de 12 em 12h + metronidazol 500 mg de 12 em 12h). Curetagem Uterina preferencialmente por AMIU
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Tratamento da Gravidez Ectópica Íntegra Tratamento Cirúrgico • Laparoscopia • Salpingostomia ou salpingectomia Tratamento Expectante • Estabilidade hemodinâmica • Declínio dos títulos de hCG no intervalo de 24 a 48 horas. • hCG <2.000 mUI/mL • US transvaginal com ausência de embrião vivo, massa tubária inferior a 5 cm e desejo de gravidez futura. Tratamento Medicamentoso Metotrexate • Estabilidade hemodinâmica • diâmetro da massa anexial <3,5 cm. • hCG inicial <5.000 mUI/mL • Ausência de dor abdominal • Desejo de gravidez futura • Termo de consentimento assinado
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Tratamento da Mola Hidatiforme Exames pré-operatórios: • hemograma • hCG quantitativo • tipagem sanguínea • se tamanho uterino maior que 16 cm incluir TSH/T4 livre • Se hipertensão arterial, incluir: pesquisa de proteinúria (urina I ou fita), AST/ALT, creatinina. Se sinais de hipertireoidismo: frequência cardíaca >90 bpm, olhar vivo, tremor de extremidades, pele quente e úmida. • propranolol 40 mg a cada 12h antes do procedimento e mantido até estabilização do quadro clínico. • avaliar uso de antitiroidianos (propiltiouracil 300 mg dose de ataque e 100 mg de 8 em 8h ou metimazol 5 mg a 20 mg de 8 em 8h). Ministério da Saúde, 2021.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Cuidados No Esvaziamento Da Mola Hidatiforme • Iniciar ocitocina no momento da introdução da cânula de aspiração • Histerometria indireta com as cânulas sem uso do histerômetro • A cânula número 8 da aspiração manual intrauterina (AMIU) é suficiente para o esvaziamento, e o uso de duas seringas agiliza o procedimento. O esvaziamento uterino da mola hidatiforme é feito, preferencialmente, por AMIU. Na Alta Hospitalar, deve-se garantir seguimento pós-molar: • Consulta na semana seguinte ao esvaziamento • hCG seriado semanal ou quinzenal • Introdução de contracepção imediata FOTOS: Sue Yazaki Sun – UNIFESP e Antonio Braga - UFRJ • A ultrassonografia para guiar o procedimento é desejável para úteros com medida acima de 20 cm. • Histerectomia total abdominal com a mola in situ pode ser uma alternativa em mulheres acima de 40 anos, com maior risco de doença invasora, e prole constituída mas não dispensa a paciente do seguimento pós-molar
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Mola Hidatiforme Parcial • 70% dos casos de MOLA PARCIAL não foram suspeitados antes do esvaziamento • Foram confundidos com abortamento retido Sun et. al., 2016. O diagnóstico de Mola Parcial é retrospectivo (anatomia patológica).
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Referência e Contra Referência da Mola Hidatiforme Lista de Centros de Referência em Doença Trofoblástica Gestacional no Brasil:
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE Mola Hidatiforme Completa Mola Hidatiforme Parcial Ministério da Saúde, 2021. Contracepção Hormonal e Início do Seguimento Imediato ao Esvaziamento Molar
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE • Neoplasia Trofoblástica Gestacional (NTG) ocorreu em 21,8% dos casos • Cura: 96,4% • 7,4% abandonaram o seguimento pós molar antes de obter o primeiro hCG normal • 26 mortes • 4 NTG baixo risco • 19 NTG alto risco • 3 TTSP (tumor trofoblástico do sítio placentário) Neoplasia Trofoblástica Gestacional Relatório epidemiológico sobre o tratamento de pacientes com doença trofoblástica gestacional em 10 centros de referência brasileiros: resultados após 12 anos desde o Consenso Internacional FIGO 2000.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE • A ultrassonografia de pelve transvaginal deve ser realizada em gestantes com sangramento no primeiro trimestre. • hCG acima de 3500 mUI/mL e cavidade uterina sem saco gestacional à ultrassonografia = gravidez ectópica ou localização desconhecida. • Mola hidatiforme até 10 semanas confunde-se com abortamento. • Útero com tamanho compatível com 12 ou mais semanas, sangramento e mantendo sintomas de gravidez, na ausência de batimento cardíaco fetal: "pensar em mola para diagnosticar mola”.
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Linha de cuidados para doença trofoblástica gestacional [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde; Associação Brasileira de Doença Trofoblastica Gestacional. – Brasília : Ministério da Saúde, 2021. • Braga A, Lin LH, Maestá I, et al. Gestational Trophoblastic Disease in Brazil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2019;41(4):211-212. doi:10.1055/s-0039- 1688566 • Lourenço CS, Sun Sy, Assis RT, Malinverni ACM. Mola Hidatiforme: Aprendendo Seus Cuidados. • Braga A, Burlá M, Freitas F, et al. Centralized Coordination of Decentralized Assistance for Patients with Gestational Trophoblastic Disease in Brazil: A Viable Strategy for Developing Countries. J Reprod Med. 2016;61(5-6):224-229. • Padrón L, Rezende Filho J, Amim Junior J, et al. Manual Compared With Electric Vacuum Aspiration for Treatment of Molar Pregnancy [published correction appears in Obstet Gynecol. 2019 Apr;133(4):830-834]. Obstet Gynecol. 2018;131(4):652-659. doi:10.1097/AOG.0000000000002522 • Sun SY, Melamed A, Joseph NT, et al. Clinical Presentation of Complete Hydatidiform Mole and Partial Hydatidiform Mole at a Regional Trophoblastic Disease Center in the United States Over the Past 2 Decades. Int J Gynecol Cancer. 2016;26(2):367-370. doi:10.1097/IGC.0000000000000608 • Braga A, Uberti EM, Fajardo Mdo C, et al. Epidemiological report on the treatment of patients with gestational trophoblastic disease in 10 Brazilian referral centers: results after 12 years since International FIGO 2000 Consensus. J Reprod Med. 2014;59(5-6):241-247. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Gestação de Alto Risco [recurso eletrônico] / High-risk pregnancy manual. Brasília: Ministério da Saúde, 2022. Referências
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ATENÇÃO ÀS MULHERES Material de 04 de maio de 2022 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres SANGRAMENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE