SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO À
CRIANÇA
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA:
APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
“Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma
de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e
opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou
omissão, aos seus direitos fundamentais”.
Brasil, Casa Civil, Art. 5º Estatuto da Criança e do Adolescente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Objetivos dessa apresentação:
• Apresentar a definição de anafilaxia na infância;
• Discutir aspectos relevantes na apresentação clínica e manejo da
anafilaxia na infância.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Introdução
Definição de Anafilaxia
• É definida como uma reação multissistêmica
grave de início agudo e potencialmente fatal.
• Os seguintes sinais/sintomas podem estar
presentes: urticária, angioedema,
comprometimento respiratório e gastrintestinal
e/ou hipotensão arterial.
• Pode levar a morte se não for devidamente
tratada.
Principais causas de anafilaxia em crianças
SBP, 2021
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Introdução
Definição de Anafilaxia
• Dois ou mais desses sintomas apresentados anteriormente, imediatamente após a
exposição ao alérgeno suspeito, deve ser um alerta para o diagnóstico e tratamento
imediato.
• O termo ANAFILAXIA deve ser utilizado na descrição tanto de casos mais graves
acompanhados de choque (colapso cardiovascular), quanto dos casos mais leves.
• Alimentos (ex.: leite, ovo, crustáceos) e medicamentos (ex.: antibióticos beta-lactâmicos
e AINES) são os principais fatores desencadeantes em crianças e adolescentes.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
• Reação que tem início em minutos a horas
• Envolvimento de pele e mucosas (urticária, vermelhidão, coceira, inchaços em lábio, língua e úvula)
E pelo menos uma das seguintes manifestações:
• Manifestações respiratórias
(falta de ar, chiado, tosse, dispneia, broncoespasmo, estridor, hipoxemia)
• Queda da pressão arterial
(ou sintomas como desmaio e falta de controle de urina)
• Sintomas gastrointestinais graves
(cólicas abdominais intensas, vômitos repetidos)
Critério Diagnóstico
Situação 1
SBP, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
• Reação que se inicia em minutos a horas (após a exposição à um alérgeno provável),
pelo menos uma das seguintes manifestações:
- Queda da pressão OU
- Broncoespasmo (falta de ar/chiado no peito) OU
- Edema da laringe (glote)
• Após exposição à um alérgeno provável para esse paciente, mesmo na ausência de
sintomas na pele.
Critério Diagnóstico
Situação 2
SBP, 2021
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Principais
sinais/sintomas
SBP, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Critério Diagnóstico
ATENÇÃO
• O espectro das reações compreende reações leves, grave e fatais.
• Início súbito podendo atingir vários órgãos.
• Os sintomas podem ser iniciados em segundo, minutos ou até horas após
exposição ao agente causador da alergia.
• Reações bifásicas podem ocorrer em 10% dos casos, de 8 a 12 horas após início do
evento.
SBP, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Diagnóstico Diferencial
• O diagnóstico diferencial de anafilaxia deve ser feito com a reação vasovagal.
• A reação vasovagal é a causa mais frequente de confusão e caracteriza-se por:
- Sudorese;
- Náusea;
- Hipotensão
- Bradicardia ( na anafilaxia temos taquicardia, a bradicardia ocorre em situação de
pré-falência cardio-respiratória).
- Ausência de sintomas cutâneos como urticária/angioedema.
SBP, 2021.
Outras doenças menos frequentes que merecem atenção quanto ao diagnóstico
diferencial são: mastocitose sistêmica, angioedema hereditário; feocromocitoma,
síndrome carcinoide, disfunção de cordas vocais e escromboidismo.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Tratamento
Emergência em saúde que requer pronto reconhecimento do quadro clínico a fim de
preservar: permeabilidade das vias aéreas, manutenção da pressão arterial e oxigenação.
o Administração rápida da ADRENALINA
o Decúbito dorsal com membros inferiores elevados
o Suplementação de oxigênio se saturação menor ou igual a 95%
o Manutenção adequada de volemia
SBP, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Agentes
Terapêuticos
SBP, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
SBP, 2021.
Agentes
Terapêuticos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
ATENÇÃO
• ADRENALINA: é droga de primeira linha para tratamento da anafilaxia.
• A prescrição precoce da ADRENALINA é essencial para reversão do
quadro e retirar o paciente do risco de morte.
• Observação clínica de casos leves deve ser de 6 – 8 horas e de casos
graves de 24 – 48 horas.
• Reações bifásicas podem ocorrer de 8 – 12 horas após o evento agudo.
• Corticoides por via oral ou parenteral, tradicionalmente utilizados, tem
pouca ou nenhuma ação no tratamento agudo da anafilaxia.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Alta Após Evento e Observação Clínica
• Família deve ser orientada sobre a recorrência dos sintomas em até 12 horas após o
episódio.
• Corticoides e anti-histamínicos podem ser prescritos para a manutenção do tratamento
após reação aguda.
• Paciente com reações anafiláticas devem ser encaminhados ao especialista para
investigação do agente causador.
• Familiares devem ser orientados sobre o reconhecimento de sinais/sintomas.
• Fornecer plano de ação para execução em momento de reação anafilática.
• Criança deve conter identificação com diagnóstico, telefone de contato e plano de ação.
• Escola deve ser informada sobre o risco de anafilaxia.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
PLANO DE AÇÃO PARA PACIENTES COM HISTÓRIA DE ANAFILAXIA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Plano de Ação
• Paciente e familiares devem ter prescrição de adrenalina para uso imediato.
• Deitar o paciente com as pernas elevadas e manter a calma.
• Como complementação são utilizados corticosteroides e anti-histamínicos, mas não substituem a
adrenalina.
• Procurar o serviço de emergência mais próximo ou solicitar ambulância ou acionar o SAMU - 192.
• Acompanhamento médico com alergista e imunologista.
• Orientar os pacientes sobre as medidas profiláticas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
MITO: a anafilaxia sempre mata.
VERDADE: pode ser revertida quando reconhecida e rapidamente tratada com adrenalina
(epinefrina).
MITO: a anafilaxia sempre aparece na pele.
VERDADE: cerca de 10% das reações anafiláticas podem ocorrer sem alteração na pele.
MITO: o tratamento da anafilaxia é com anti-histamínicos e corticosteroides, sendo
adrenalina só quando estes não resolvem.
VERDADE: a adrenalina é o primeiro tratamento; anti-histamínicos são complementos no
tratamento.
MITOS X VERDADES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
MITO: Os corticoides são capazes de prevenir a “segunda onda” (reações bifásicas) da
anafilaxia.
VERDADE: Não existem evidências de que os corticoides sejam capazes de prevenir 100%
as reações bifásicas, mas podem ser importantes para diminuir a gravidade dessa “segunda
onda”.
MITO: a aplicação da adrenalina é perigosa para o coração.
VERDADE: adrenalina é o tratamento mais seguro e essencial para a anafilaxia.
MITOS X VERDADES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
A identificação precoce dos sinais/sintomas de uma reação
anafilática e o tratamento adequado são fundamentais
para um bom desfecho desse evento agudo.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO
Referências
• Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Departamento Científico de Alergia. Guia Prático de Atualização 2021.
• Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Anafilaxia: o que você precisa saber. 2021. Recife – PE.
• Cardona V, Ansotegui IJ, Ebisawa M, El-Gamal Y, Fernandez Rivas M, Fineman S, Geller M, Gonzalez-Estrada A, Greenberger PA, Sanchez Borges M,
Senna G, Sheikh A, Tanno LK, Thong BY, Turner PJ, Worm M. World allergy organization anaphylaxis guidance 2020. World Allergy Organ J. 2020 Oct
30;13(10):100472. doi: 10.1016/j.waojou.2020.100472. PMID: 33204386; PMCID: PMC7607509.
ATENÇÃO À
CRIANÇA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 21 de dezembro de 2022
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção à Criança
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.Andréa Ribeiro
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoLaped Ufrn
 
O teste do Olhinho
O teste do OlhinhoO teste do Olhinho
O teste do OlhinhoCarla Macedo
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensivaresenfe2013
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaRúben Freitas
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rnMickael Gomes
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoCaroline Reis Gonçalves
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 

Mais procurados (20)

Manejo Clínico da Gastrosquise
Manejo Clínico da GastrosquiseManejo Clínico da Gastrosquise
Manejo Clínico da Gastrosquise
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
 
Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - SobrediagnósticoPrevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
O teste do Olhinho
O teste do OlhinhoO teste do Olhinho
O teste do Olhinho
 
Calendário de Consultas da Criança: Acompanhando o Crescimento e o Desenvolvi...
Calendário de Consultas da Criança: Acompanhando o Crescimento e o Desenvolvi...Calendário de Consultas da Criança: Acompanhando o Crescimento e o Desenvolvi...
Calendário de Consultas da Criança: Acompanhando o Crescimento e o Desenvolvi...
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
PNAISC - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: implementa...
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Exame Físico do RN
Exame Físico do RNExame Físico do RN
Exame Físico do RN
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 

Semelhante a Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo

QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdfQUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdflohanaVidaurres
 
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmáticaDistúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmáticaLaped Ufrn
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Eduardo Gomes da Silva
 
Abordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no psAbordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no psDaniel Valente
 
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICAO PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICACaio Rafael Correa
 
009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014
009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014
009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014italofg
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxRaqueli Viecili
 
Amigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmanda Thomé
 
protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfAguiarneto3
 
.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx
.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx
.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptxBasilio4
 
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Cristhiane Amaral
 

Semelhante a Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo (20)

Alfa 1
Alfa 1Alfa 1
Alfa 1
 
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdfQUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
 
ASFIXIA PERINATAL
ASFIXIA PERINATALASFIXIA PERINATAL
ASFIXIA PERINATAL
 
Semana da enfermagem unimed
Semana da enfermagem unimedSemana da enfermagem unimed
Semana da enfermagem unimed
 
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmáticaDistúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Abordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no psAbordagem da cefaléia no ps
Abordagem da cefaléia no ps
 
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICAO PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
 
009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014
009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014
009 intubacao em_sequencia_rapida_na_pediatria_17092014
 
Deficiencia de ig a 1894
Deficiencia de ig a 1894Deficiencia de ig a 1894
Deficiencia de ig a 1894
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
 
H1n1 celem
 H1n1  celem H1n1  celem
H1n1 celem
 
Amigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatriaAmigdalites e otites na pediatria
Amigdalites e otites na pediatria
 
protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdf
 
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de SífilisVigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
 
.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx
.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx
.ECLAMPSIA E SINDROME HELLP BASILIO_1677524952000.pptx
 
Sessão clinica broncodisplasia
Sessão clinica broncodisplasiaSessão clinica broncodisplasia
Sessão clinica broncodisplasia
 
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
 
Gripe A Influenza H1 N1
Gripe A Influenza H1 N1Gripe A Influenza H1 N1
Gripe A Influenza H1 N1
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 

Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO “Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais”. Brasil, Casa Civil, Art. 5º Estatuto da Criança e do Adolescente.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Objetivos dessa apresentação: • Apresentar a definição de anafilaxia na infância; • Discutir aspectos relevantes na apresentação clínica e manejo da anafilaxia na infância.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Introdução Definição de Anafilaxia • É definida como uma reação multissistêmica grave de início agudo e potencialmente fatal. • Os seguintes sinais/sintomas podem estar presentes: urticária, angioedema, comprometimento respiratório e gastrintestinal e/ou hipotensão arterial. • Pode levar a morte se não for devidamente tratada. Principais causas de anafilaxia em crianças SBP, 2021
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Introdução Definição de Anafilaxia • Dois ou mais desses sintomas apresentados anteriormente, imediatamente após a exposição ao alérgeno suspeito, deve ser um alerta para o diagnóstico e tratamento imediato. • O termo ANAFILAXIA deve ser utilizado na descrição tanto de casos mais graves acompanhados de choque (colapso cardiovascular), quanto dos casos mais leves. • Alimentos (ex.: leite, ovo, crustáceos) e medicamentos (ex.: antibióticos beta-lactâmicos e AINES) são os principais fatores desencadeantes em crianças e adolescentes.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO • Reação que tem início em minutos a horas • Envolvimento de pele e mucosas (urticária, vermelhidão, coceira, inchaços em lábio, língua e úvula) E pelo menos uma das seguintes manifestações: • Manifestações respiratórias (falta de ar, chiado, tosse, dispneia, broncoespasmo, estridor, hipoxemia) • Queda da pressão arterial (ou sintomas como desmaio e falta de controle de urina) • Sintomas gastrointestinais graves (cólicas abdominais intensas, vômitos repetidos) Critério Diagnóstico Situação 1 SBP, 2021.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO • Reação que se inicia em minutos a horas (após a exposição à um alérgeno provável), pelo menos uma das seguintes manifestações: - Queda da pressão OU - Broncoespasmo (falta de ar/chiado no peito) OU - Edema da laringe (glote) • Após exposição à um alérgeno provável para esse paciente, mesmo na ausência de sintomas na pele. Critério Diagnóstico Situação 2 SBP, 2021
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Principais sinais/sintomas SBP, 2021.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Critério Diagnóstico ATENÇÃO • O espectro das reações compreende reações leves, grave e fatais. • Início súbito podendo atingir vários órgãos. • Os sintomas podem ser iniciados em segundo, minutos ou até horas após exposição ao agente causador da alergia. • Reações bifásicas podem ocorrer em 10% dos casos, de 8 a 12 horas após início do evento. SBP, 2021.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Diagnóstico Diferencial • O diagnóstico diferencial de anafilaxia deve ser feito com a reação vasovagal. • A reação vasovagal é a causa mais frequente de confusão e caracteriza-se por: - Sudorese; - Náusea; - Hipotensão - Bradicardia ( na anafilaxia temos taquicardia, a bradicardia ocorre em situação de pré-falência cardio-respiratória). - Ausência de sintomas cutâneos como urticária/angioedema. SBP, 2021. Outras doenças menos frequentes que merecem atenção quanto ao diagnóstico diferencial são: mastocitose sistêmica, angioedema hereditário; feocromocitoma, síndrome carcinoide, disfunção de cordas vocais e escromboidismo.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Tratamento Emergência em saúde que requer pronto reconhecimento do quadro clínico a fim de preservar: permeabilidade das vias aéreas, manutenção da pressão arterial e oxigenação. o Administração rápida da ADRENALINA o Decúbito dorsal com membros inferiores elevados o Suplementação de oxigênio se saturação menor ou igual a 95% o Manutenção adequada de volemia SBP, 2021.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Agentes Terapêuticos SBP, 2021.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO SBP, 2021. Agentes Terapêuticos
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO ATENÇÃO • ADRENALINA: é droga de primeira linha para tratamento da anafilaxia. • A prescrição precoce da ADRENALINA é essencial para reversão do quadro e retirar o paciente do risco de morte. • Observação clínica de casos leves deve ser de 6 – 8 horas e de casos graves de 24 – 48 horas. • Reações bifásicas podem ocorrer de 8 – 12 horas após o evento agudo. • Corticoides por via oral ou parenteral, tradicionalmente utilizados, tem pouca ou nenhuma ação no tratamento agudo da anafilaxia.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Alta Após Evento e Observação Clínica • Família deve ser orientada sobre a recorrência dos sintomas em até 12 horas após o episódio. • Corticoides e anti-histamínicos podem ser prescritos para a manutenção do tratamento após reação aguda. • Paciente com reações anafiláticas devem ser encaminhados ao especialista para investigação do agente causador. • Familiares devem ser orientados sobre o reconhecimento de sinais/sintomas. • Fornecer plano de ação para execução em momento de reação anafilática. • Criança deve conter identificação com diagnóstico, telefone de contato e plano de ação. • Escola deve ser informada sobre o risco de anafilaxia.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO PLANO DE AÇÃO PARA PACIENTES COM HISTÓRIA DE ANAFILAXIA
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Plano de Ação • Paciente e familiares devem ter prescrição de adrenalina para uso imediato. • Deitar o paciente com as pernas elevadas e manter a calma. • Como complementação são utilizados corticosteroides e anti-histamínicos, mas não substituem a adrenalina. • Procurar o serviço de emergência mais próximo ou solicitar ambulância ou acionar o SAMU - 192. • Acompanhamento médico com alergista e imunologista. • Orientar os pacientes sobre as medidas profiláticas.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO MITO: a anafilaxia sempre mata. VERDADE: pode ser revertida quando reconhecida e rapidamente tratada com adrenalina (epinefrina). MITO: a anafilaxia sempre aparece na pele. VERDADE: cerca de 10% das reações anafiláticas podem ocorrer sem alteração na pele. MITO: o tratamento da anafilaxia é com anti-histamínicos e corticosteroides, sendo adrenalina só quando estes não resolvem. VERDADE: a adrenalina é o primeiro tratamento; anti-histamínicos são complementos no tratamento. MITOS X VERDADES
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO MITO: Os corticoides são capazes de prevenir a “segunda onda” (reações bifásicas) da anafilaxia. VERDADE: Não existem evidências de que os corticoides sejam capazes de prevenir 100% as reações bifásicas, mas podem ser importantes para diminuir a gravidade dessa “segunda onda”. MITO: a aplicação da adrenalina é perigosa para o coração. VERDADE: adrenalina é o tratamento mais seguro e essencial para a anafilaxia. MITOS X VERDADES
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO A identificação precoce dos sinais/sintomas de uma reação anafilática e o tratamento adequado são fundamentais para um bom desfecho desse evento agudo.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO Referências • Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Departamento Científico de Alergia. Guia Prático de Atualização 2021. • Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Anafilaxia: o que você precisa saber. 2021. Recife – PE. • Cardona V, Ansotegui IJ, Ebisawa M, El-Gamal Y, Fernandez Rivas M, Fineman S, Geller M, Gonzalez-Estrada A, Greenberger PA, Sanchez Borges M, Senna G, Sheikh A, Tanno LK, Thong BY, Turner PJ, Worm M. World allergy organization anaphylaxis guidance 2020. World Allergy Organ J. 2020 Oct 30;13(10):100472. doi: 10.1016/j.waojou.2020.100472. PMID: 33204386; PMCID: PMC7607509.
  • 23. ATENÇÃO À CRIANÇA portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 21 de dezembro de 2022 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção à Criança Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ANAFILAXIA NA INFÂNCIA: APRESENTAÇÃO CLÍNICA E MANEJO