SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Mulheres grávidas com sintomas de descolamento
prematuro de placenta devem ser prontamente avaliadas
para estabelecer rápido diagnóstico, estado materno e
fetal e início do manejo adequado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Objetivos:
Apresentar as recomendações vigentes para o rápido
diagnóstico e adequada condução dos casos de descolamento
prematuro de placenta.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Introdução
TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9
O DPP ocorre em aproximadamente 0,4-1% das gestações
Dados não publicados
Nascer no Brasil – 1,3%; atingindo 2,1% nas hipertensas
TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9
40-60% dos casos de DPP ocorrem antes de 37 semanas e 14% antes de 32 semanas
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Introdução
TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9
DPP com mais de 50% de descolamento pode levar ao óbito fetal
TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9
A mortalidade perinatal pode chegar a 60%, mas em países desenvolvidos varia de 9 a 12%
CABAR ET AL. REV ASSOC MED BRAS 2008; 54:256-60
23% de óbito fetal na USP entre 2001 e 2005
TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9
Os riscos maternos do DPP incluem necessidade de transfusão, histerectomia, CID,
insuficiência renal e eventual morte materna
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Introdução
O Brasil tem reduzido a RMM (Razão de Mortalidade Materna) desde 1990 mas não atingiu a 5ª meta do
milênio (redução de ¾ das mortes maternas) até 2015 (meta: 35).
2011 a 2015: 8.356 mortes maternas:
• 218 por DPP (2,6%)
• 66 hemorragias não classificadas
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Introdução
Em um grande estudo nacional, O DPP representou 5,4% dos casos de morbidade materna grave, 9,2% dos
de near miss materno e 5% dos de morte materna.
ROCHA FILHO ET AL. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2015; 94: 50-8
13% 1,3%
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
• O papel da avaliação clínica da mulher apresentando hemorragia anteparto é primeiramente estabelecer
se há necessidade de intervenção imediata.
• A avalição inicial inclui a história no intuito de verificar os sintomas presentes, a avaliação da extensão da
hemorragia, da condição cardiovascular materna e do bem-estar fetal.
Avaliação Clínica
RCOG GREEN TOP GUIDELINE: ANTEPARTUM HAEMORRHAGE. 2011
A mãe é a prioridade nessas situações e ela deve ser estabilizada antes de se estabelecer a condição fetal.
Hemorragia maior ou maciça persistente ou caso a mulher não esteja em condições de prover a história
devido ao seu comprometimento clínico, uma avaliação aguda do bem estar materno deve ser realizada
e iniciada ressuscitação imediata.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
RCOG Green top guideline:
Antepartum hemorrhage.
2011
• Pressão arterial
• Frequência cardíaca
• Avaliar montante do sangramento
Checar
Estabilidade
• Avaliar presença de dor e se é contínua ou intermitente
• Avaliar fatores de risco para DPP e placenta prévia
• Questionar se houve perda de líquido
• Questionar sobre movimentação fetal
História
• Palpação abdominal (hipertonia)
• Exame especular (excluir origem cervical, avaliar dilatação)
• Toque (se não houver suspeita de placenta prévia)
Exame Físico
• Ultrassonografia para diagnosticar placenta prévia (não exclui DPP)
• Hemograma
• Grupo sanguíneo, caso desconhecido
• Coagulograma e fibrinogênio
• Cardiotocografia
Exames
Ressuscitação
> 1.000 ml ou sinais de choque
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
• Sangramento de início súbito de volume variável;
• Dor abdominal contínua (melhor preditor de desfecho desfavorável);
• Dor lombar (se placenta posterior);
• Trabalho de parto (contrações frequentes e fugazes);
• Dor à palpação do útero;
• Hipertonia;
• Hipotensão ou hipertensão arterial;
• 20% apresentam-se sem sangramento, em trabalho de parto pré-termo;
• Sofrimento fetal agudo.
Apresentação Clínica
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
RCOG Green top guideline: Antepartum
hemorrhage. 2011
Hemorragia maciça
> 1000 ml e/ou sinais de choque
Hemorragia maior
50 a 1000 ml sem sinais de choque
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
RCOG GREEN TOP GUIDELINE: ANTEPARTUM HAEMORRHAGE. 2011
Conduta na Hemorragia Maciça
A e B – Verificar
via aérea e
respiração
Oxigênio a 10-15
litros/min
C – Circulação
- 2 acessos venosos calibrosos
- Prova cruzada e laboratório
- Estabelecer monitorização
- Reposição volêmica - até 3,5 litros (2l
de cristaloide aquecido e 1,5l de colóide)
- Transfundir o quanto antes
D – Avaliar o feto
e decidir sobre o
parto
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
• Não há critério definido para iniciar transfusão de hemácias. A
decisão da transfusão deve ser baseada tanto na avaliação clínica
como na hematológica.
• Em casos de urgência, iniciar transfusão de sangue O negativo.
• Se os testes de coagulação não estiverem disponíveis, transfusão
de plasma fresco deve ser considerado para condições com
suspeita de coagulopatia, como o DPP, e transfusão de 4
concentrados de hemácias.
• Se há continuidade do quadro de hemorragia maciça, transfundir
até 4 unidades de plasma fresco e 10 unidades de crioprecipitado
empiricamente.
RCOG Green top guideline:
Antepartum haemorrhage. 2011
Transfusão
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Objetivos na Hemorragia Maciça
RCOG Green top guideline:
Antepartum haemorrhage. 2011
Hemoglobina > 8 g/dl
Plaquetas > 75.000
Tempo de protrombina (TAP) < 1,5 x controle
Tempo de tromboplastina parcial ativado (PTTa) < 1,5 x controle
Fibrinogênio > 100 mg/dl
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Gravidade do sangramento
Condição materna e fetal
Idade gestacional
Decisão pela Interrupção
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
• Mais de 50% de área descolada
• 20% evoluem com CID
• Necessidade frequente de hemotransfusão
• Melhor via é a de menor risco materno
OYELESE & ANANTH. PLACENTAL ABRUPTION: MANAGEMENT. UPTODATE. 2017
Óbito Fetal
Mulher Estável
Parto vaginal preferível, fazendo uso
de amniotomia e ocitocina para
acelerar ou induzir o parto.
Mulher Instável
Cesariana, se parto vaginal não
iminente, adotando medidas de
ressuscitação concomitantes.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Feto vivo
Mulher estável?
NãoSim
Cesariana imediataSofrimento fetal Sim
Não
> 34 semanas Programar interrupção
< 34 semanas Avaliar conduta conservadora
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
• Corticóide
• Tocólise se trabalho de parto pré-termo (?)
• Avaliação do bem-estar fetal (ultrassonografia e/ou cardiotocografia)
• Maior risco de CIUR e oligodramnia
• Programar parto com 37/38 semanas
OYELESE & ANANTH. PLACENTAL ABRUPTION: MANAGEMENT. UPTODATE. 2017
Conduta Conservadora
Quando a mulher e o feto estão ambos estáveis e não há evidência de hemorragia
maior ou coagulopatia.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA
Referências
• Tikkanen M. Placental abruption: epidemiology, risk factors and consequences. Acta Obstet Gynecol Scand. 2011
Feb;90(2):140-9. doi: 10.1111/j.1600-0412.2010.01030.x. Epub 2010 Dec 7. Review. PubMed PMID: 21241259.
• CABAR, Fábio Roberto et al . Óbito fetal no descolamento prematuro da placenta: comparação entre dois períodos. Rev.
Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 54, n. 3, p. 256-260, June 2008.
• Rocha Filho EA, Costa ML, Cecatti JG, Parpinelli MA, Haddad SM, et al. Contribution of antepartum and intrapartum
hemorrhage to the burden of maternal near miss and death in a national surveillance study. Acta Obstet Gynecol Scand
2015; 94: 50–58.
• Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. RCOG Green top guideline: Antepartum hemorrhage. 2011.
• Oyelese Y, Ananth CV. Placental abruption. Obstet Gynecol. 2006Oct;108(4):1005-16. Review. PubMed PMID: 17012465.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 22 de março de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA:
OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroProqualis
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaProf Ana Paula Gonçalves
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natalLASM_UIT
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemjusantos_
 
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !Raquel Constantino
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasCaroline Reis Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
 
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervirDiagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de CesáreaIndução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
 
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de PartoReanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 

Semelhante a DPP Diagnóstico e Conduta

Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2tvf
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)SMS - Petrópolis
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesJosiana E Rafael
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProfessor Robson
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoyasminroriz3
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptxNatasha Louise
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxVitriaMaria56
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdfANA FONSECA
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Auro Gonçalves
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaThiago Henrique
 
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfSlide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfarymurilo123
 
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioDiretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioraquelwleal
 

Semelhante a DPP Diagnóstico e Conduta (20)

DDP
DDP DDP
DDP
 
Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Patologia obstetricia 2016
Patologia obstetricia  2016Patologia obstetricia  2016
Patologia obstetricia 2016
 
Sangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro TrimestreSangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro Trimestre
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
Protocolo Obstetricia
Protocolo Obstetricia Protocolo Obstetricia
Protocolo Obstetricia
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfSlide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioDiretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (9)

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

DPP Diagnóstico e Conduta

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Mulheres grávidas com sintomas de descolamento prematuro de placenta devem ser prontamente avaliadas para estabelecer rápido diagnóstico, estado materno e fetal e início do manejo adequado.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Objetivos: Apresentar as recomendações vigentes para o rápido diagnóstico e adequada condução dos casos de descolamento prematuro de placenta.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Introdução TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9 O DPP ocorre em aproximadamente 0,4-1% das gestações Dados não publicados Nascer no Brasil – 1,3%; atingindo 2,1% nas hipertensas TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9 40-60% dos casos de DPP ocorrem antes de 37 semanas e 14% antes de 32 semanas
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Introdução TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9 DPP com mais de 50% de descolamento pode levar ao óbito fetal TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9 A mortalidade perinatal pode chegar a 60%, mas em países desenvolvidos varia de 9 a 12% CABAR ET AL. REV ASSOC MED BRAS 2008; 54:256-60 23% de óbito fetal na USP entre 2001 e 2005 TIKKANEN. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2011; 90:140-9 Os riscos maternos do DPP incluem necessidade de transfusão, histerectomia, CID, insuficiência renal e eventual morte materna
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Introdução O Brasil tem reduzido a RMM (Razão de Mortalidade Materna) desde 1990 mas não atingiu a 5ª meta do milênio (redução de ¾ das mortes maternas) até 2015 (meta: 35). 2011 a 2015: 8.356 mortes maternas: • 218 por DPP (2,6%) • 66 hemorragias não classificadas
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Introdução Em um grande estudo nacional, O DPP representou 5,4% dos casos de morbidade materna grave, 9,2% dos de near miss materno e 5% dos de morte materna. ROCHA FILHO ET AL. ACTA OBSTET GYNECOL SCAND 2015; 94: 50-8 13% 1,3%
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA • O papel da avaliação clínica da mulher apresentando hemorragia anteparto é primeiramente estabelecer se há necessidade de intervenção imediata. • A avalição inicial inclui a história no intuito de verificar os sintomas presentes, a avaliação da extensão da hemorragia, da condição cardiovascular materna e do bem-estar fetal. Avaliação Clínica RCOG GREEN TOP GUIDELINE: ANTEPARTUM HAEMORRHAGE. 2011 A mãe é a prioridade nessas situações e ela deve ser estabilizada antes de se estabelecer a condição fetal. Hemorragia maior ou maciça persistente ou caso a mulher não esteja em condições de prover a história devido ao seu comprometimento clínico, uma avaliação aguda do bem estar materno deve ser realizada e iniciada ressuscitação imediata.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA RCOG Green top guideline: Antepartum hemorrhage. 2011 • Pressão arterial • Frequência cardíaca • Avaliar montante do sangramento Checar Estabilidade • Avaliar presença de dor e se é contínua ou intermitente • Avaliar fatores de risco para DPP e placenta prévia • Questionar se houve perda de líquido • Questionar sobre movimentação fetal História • Palpação abdominal (hipertonia) • Exame especular (excluir origem cervical, avaliar dilatação) • Toque (se não houver suspeita de placenta prévia) Exame Físico • Ultrassonografia para diagnosticar placenta prévia (não exclui DPP) • Hemograma • Grupo sanguíneo, caso desconhecido • Coagulograma e fibrinogênio • Cardiotocografia Exames Ressuscitação > 1.000 ml ou sinais de choque
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA • Sangramento de início súbito de volume variável; • Dor abdominal contínua (melhor preditor de desfecho desfavorável); • Dor lombar (se placenta posterior); • Trabalho de parto (contrações frequentes e fugazes); • Dor à palpação do útero; • Hipertonia; • Hipotensão ou hipertensão arterial; • 20% apresentam-se sem sangramento, em trabalho de parto pré-termo; • Sofrimento fetal agudo. Apresentação Clínica
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA RCOG Green top guideline: Antepartum hemorrhage. 2011 Hemorragia maciça > 1000 ml e/ou sinais de choque Hemorragia maior 50 a 1000 ml sem sinais de choque
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA RCOG GREEN TOP GUIDELINE: ANTEPARTUM HAEMORRHAGE. 2011 Conduta na Hemorragia Maciça A e B – Verificar via aérea e respiração Oxigênio a 10-15 litros/min C – Circulação - 2 acessos venosos calibrosos - Prova cruzada e laboratório - Estabelecer monitorização - Reposição volêmica - até 3,5 litros (2l de cristaloide aquecido e 1,5l de colóide) - Transfundir o quanto antes D – Avaliar o feto e decidir sobre o parto
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA • Não há critério definido para iniciar transfusão de hemácias. A decisão da transfusão deve ser baseada tanto na avaliação clínica como na hematológica. • Em casos de urgência, iniciar transfusão de sangue O negativo. • Se os testes de coagulação não estiverem disponíveis, transfusão de plasma fresco deve ser considerado para condições com suspeita de coagulopatia, como o DPP, e transfusão de 4 concentrados de hemácias. • Se há continuidade do quadro de hemorragia maciça, transfundir até 4 unidades de plasma fresco e 10 unidades de crioprecipitado empiricamente. RCOG Green top guideline: Antepartum haemorrhage. 2011 Transfusão
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Objetivos na Hemorragia Maciça RCOG Green top guideline: Antepartum haemorrhage. 2011 Hemoglobina > 8 g/dl Plaquetas > 75.000 Tempo de protrombina (TAP) < 1,5 x controle Tempo de tromboplastina parcial ativado (PTTa) < 1,5 x controle Fibrinogênio > 100 mg/dl
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Gravidade do sangramento Condição materna e fetal Idade gestacional Decisão pela Interrupção
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA • Mais de 50% de área descolada • 20% evoluem com CID • Necessidade frequente de hemotransfusão • Melhor via é a de menor risco materno OYELESE & ANANTH. PLACENTAL ABRUPTION: MANAGEMENT. UPTODATE. 2017 Óbito Fetal Mulher Estável Parto vaginal preferível, fazendo uso de amniotomia e ocitocina para acelerar ou induzir o parto. Mulher Instável Cesariana, se parto vaginal não iminente, adotando medidas de ressuscitação concomitantes.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Feto vivo Mulher estável? NãoSim Cesariana imediataSofrimento fetal Sim Não > 34 semanas Programar interrupção < 34 semanas Avaliar conduta conservadora
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA • Corticóide • Tocólise se trabalho de parto pré-termo (?) • Avaliação do bem-estar fetal (ultrassonografia e/ou cardiotocografia) • Maior risco de CIUR e oligodramnia • Programar parto com 37/38 semanas OYELESE & ANANTH. PLACENTAL ABRUPTION: MANAGEMENT. UPTODATE. 2017 Conduta Conservadora Quando a mulher e o feto estão ambos estáveis e não há evidência de hemorragia maior ou coagulopatia.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA Referências • Tikkanen M. Placental abruption: epidemiology, risk factors and consequences. Acta Obstet Gynecol Scand. 2011 Feb;90(2):140-9. doi: 10.1111/j.1600-0412.2010.01030.x. Epub 2010 Dec 7. Review. PubMed PMID: 21241259. • CABAR, Fábio Roberto et al . Óbito fetal no descolamento prematuro da placenta: comparação entre dois períodos. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 54, n. 3, p. 256-260, June 2008. • Rocha Filho EA, Costa ML, Cecatti JG, Parpinelli MA, Haddad SM, et al. Contribution of antepartum and intrapartum hemorrhage to the burden of maternal near miss and death in a national surveillance study. Acta Obstet Gynecol Scand 2015; 94: 50–58. • Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. RCOG Green top guideline: Antepartum hemorrhage. 2011. • Oyelese Y, Ananth CV. Placental abruption. Obstet Gynecol. 2006Oct;108(4):1005-16. Review. PubMed PMID: 17012465.
  • 20. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 22 de março de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA: OTIMIZANDO O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA