SlideShare uma empresa Scribd logo
• Este termo foi aplicado pela primeira vez em 1824, pelo arqueólogo
francês De Caumont, para designar toda arte da Europa Ocidental a
partir da Alta Idade Média.
• Pretendia-se assim exprimir dois conceitos:
• a semelhança com o processo de formação das língua românicas
(francês, italiano, espanhol e português);
• a aproximação, em extensão e grandeza, à arte da Antiga Roma.
Igreja de Santiago das Antas Vila Nova de Famalicão
• A arte românica foi o primeiro estilo
artístico com alguma uniformidade que
surgiu na Idade Média, apesar de
apresentar variedades regionais.
• Existiu entre o séc. IX e o séc. XII por
toda a Europa. Tem como influências:
• A cultura romana,
• o oriente bizantino,
• os povos bárbaros/germânicos.
• O sentimento de fé e de fervor
religioso, marcado pelas
peregrinações e pelas cruzadas,
favoreceu o aparecimento de
construções dentro deste estilo.
• A Igreja foi a grande
impulsionadora da maioria
destas construções, de que o
espaço – igreja – é o mais típico.
• A arte românica serviu o poder
religioso e o político.
Arquitetura religiosa
Tipos de construções fundamentais:
• Capelas rurais,
• Igrejas (nos centros de peregrinação),
• As primeiras catedrais,
• Mosteiros.
Tipos de Plantas:
• planta centrada: em cruz grega, hexagonal, octogonal ou circular, de
influência oriental e pouco usada.
• planta do tipo basilical, em cruz latina.
Capela de Burgos
 As igrejas são maiores, devido a uma evolução dos métodos
construtivos e dos materiais.
 A pedra, natural da região, é o principal material de construção,
reforçando o aspeto pesado dos edifícios.
 O telhado de madeira é substituído por abóbadas de berço e de
aresta, mais de acordo com uma igreja que representa a “fortaleza
de Deus”.
• Abóbadas de berço em pedra;
• Naves laterais com abóbadas de
aresta (cruzamento de duas
abóbadas de berço);
• Utilização dos tramos para aliviar
a carga.
Os principais sistemas de cobertura das igrejas de influência oriental
são as cúpulas, agora em pedra e não em madeira. Estas podiam ser
assentes sobre:
• Trompas – elementos que fazem a transição da forma quadrada da
base para a circular;
• Pendentes - formas triangulares côncavas que transformavam o
quadrado numa circunferência onde a cúpula assentava, graças à
forma de construção a partir dos ângulos do quadrado.
• Os tramos suportam a
descarga de forças. São
formados por:
• Dois arcos formeiros:
separam a nave central
das laterais;
• Dois arcos torais: situam-
se perpendicularmente às
paredes laterais.
• Dois arcos cruzeiros.
• O arco de volta inteira é o elemento estruturante, construído com o
auxílio de cimbres.
• A pressão exercida pelas abóbadas é
descarregada através dos arcos para os
pilares e colunas. Estes estão localizados
na charneira de dois tramos e,
normalmente, possuem um colunelo ou
pilastra adossado, por cada arco definidor
de um tramo.
• Dos pilares, a força é transmitida sobre as
naves laterais e para as paredes do exterior
da igreja;
• As paredes exteriores são grossas,
reforçadas por contrafortes adossados e
chanfrados, situados no alinhamento dos
pilares interiores.
contraforte
Clerestório
Trifório
Tribuna
Arcada
Arco formeiro
Pilar
• Pouca iluminação, por ter paredes
compactas:
• Janelas em seteira,
• frestas;
• clerestório;
• Torre lanterna;
• Janelões das fachadas
(caso italiano);
• Rosáceas…
• Luz focal e rasante, o que origina
fortes contrastes de luz/sombra.
Ábside com seteira
Janela
seteira
Janelão da fachada
fresta
• No exterior do edifício, a decoração escultórica estava limitada ao
portal e à cornija:
• As cornijas (remate logo a seguir ao telhado) eram decoradas
com arcos cegos e cachorradas (conjunto de cachorros, isto é,
peças salientes esculpidas), que podiam ter também uma
função de suporte da cornija.
Cachorradas da
cornija
• A fechar os algeroses (caleiras)
existiam gárgulas, que serviam
para escoar a água da chuva e
podiam ter uma forma simples
ou motivos animalistas e
míticos.
• Na decoração da fachada, as
rosáceas, trabalhadas com
motivos geométricos e florais e
os grandes janelões (que
possuíam as mesmas funções
da rosácea).
• O portal era outro elemento, que tanto podia ser simples como
encaixado num pórtico saliente. O mais vulgar possui:
• uma entrada chanfrada, ou ombreira, ornamentada com
colunelos;
• uma porta simples ou
dupla com mainel, que
sustenta a arquitrave
(lintel ou dintel),
decorada com relevo;
• um tímpano, semi
circular com arcos ou
arquivoltas, sustentado
pelo lintel.
Tímpano
arquivoltas
Arco de volta perfeita
colunel
os
capitel
Unidade e diversidade da
arquitetura românica religiosa
Pág. 145
• Devido às características que apresentam, podemos distinguir cerca
de 17 escolas regionais.
• As mais significativas são:
• as da Normandia, sóbrias e de origem beneditina;
• as da Aquitânia – Notre Dame La Grande; Fontevrault ou Saint-
Front de Périgueux;
• as de Borgonha – Basílica de
Santa Madalena de Vézelay;
• As do Languedoc – Sainte-Foy
de Conques e Saint-Sernin de
Toulouse.
• A que melhor caracteriza o românico é a escola renana.
• Seguindo a regra beneditina, as igrejas românicas alemãs são pobres
na decoração, mas com mais torres e, por vezes, duplo transepto,
influencia de Otão I.
• São exemplos as igrejas de São Miguel de Hildesheim e a de Santa
Maria de Laach.
• As mais famosas construções românicas situam-se na Lombardia
(como a Igreja de Santo Ambrósio, em Milão) e na Toscânia, onde
ficam a Igreja de San Miniato al Monte, em Florença, e a Catedral
de Pisa.
• Aqui, o românico caracteriza-se pela grande sobriedade das
volumetrias, sem qualquer decoração esculpida.
• Exemplo disso, são as catedrais de Ely e Durham.
• O românico sofreu influências francesas e lombardas que foram
combinadas com elementos decorativos visigóticos e árabes, de
influência local.
• O monumento românico mais característico, em Espanha é a
Catedral de Santiago de Compostela, mas destacam-se também as
igrejas de São Pedro de Roda, do Mosteiro de Ripoll, de São
Clemente e de Santa Maria de Tahull, e a Catedral de Jaca, na
Catalunha; e, em Leão, as igrejas de Santo Isidoro de Sevilha
(séculos XI-XII) e de San Martin de Frómista.
Arquitetura militar
• Os castelos surgem em finais do
séc. X.
• Eram erguidos em locais
estratégicos: num ponto alto, junto
às fronteiras ou próximo de rios.
• Existiam os castelos para
residência e os que tinham funções
defensivas.
• Em Portugal, acompanharam o
movimento de reconquista cristã.
Características típicas:
• Terminados em ameias e merlões;
• Possuíam sempre torre;
• Tinham uma ou duas cintas de muralhas;
• Eram formados por blocos de pedra aparelhados sem uso de
argamassa.
Muralha circundada pelo
adarve, caminho estreito
que acompanha o topo das
muralhas dos castelos,
com a função de ronda dos
sentinelas e de distribuição
dos defensores.
Torre de Menagem, Castelo de Melgaço
Castelo rodeado por um fosso
portaria e ponte/porta levadiça
• Por cima das entradas, possuíam
mata-cães, abertura nas muralhas,
passadiços ou varandas dos
castelos por onde se
arremessavam projéteis sobre os
atacantes.
Mísul
a
Castelo de Almourol

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Carlos Vieira
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
cattonia
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
Carlos Vieira
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Carlos Vieira
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Carla Freitas
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico PortugalCultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
Carlos Vieira
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
cattonia
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
torga
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Carlos Vieira
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
TathianaBarbosa
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Carlos Vieira
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico PortugalCultura do Mosteiro - Românico Portugal
Cultura do Mosteiro - Românico Portugal
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
 

Destaque

Rates
RatesRates
Rates
cattonia
 
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de RatesCultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Carlos Vieira
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
Fernando Veloso
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
Escultura e pintura românicas
Escultura e pintura românicasEscultura e pintura românicas
Escultura e pintura românicas
cattonia
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
cattonia
 
A arte gótica I
A arte gótica IA arte gótica I
A arte gótica I
cattonia
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
cattonia
 
A cultura da catedral escultura e pintura
A cultura da catedral   escultura e pinturaA cultura da catedral   escultura e pintura
A cultura da catedral escultura e pintura
cattonia
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
Vítor Santos
 
Igreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de ratesIgreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de rates
Fábio Ferreira
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
cattonia
 
O mundo muçulmano em expansão
O mundo muçulmano em expansãoO mundo muçulmano em expansão
O mundo muçulmano em expansão
cattonia
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Ana Barreiros
 
A arquitectura romnica
A arquitectura romnicaA arquitectura romnica
A arquitectura romnica
gueste0bd5a
 
A cultura da catedral islão
A cultura da catedral  islãoA cultura da catedral  islão
A cultura da catedral islão
cattonia
 
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura RomânicaCultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Carlos Vieira
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
Arteduka Arte E Educação
 
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmicaCultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
Carlos Vieira
 

Destaque (20)

Rates
RatesRates
Rates
 
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de RatesCultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Escultura e pintura românicas
Escultura e pintura românicasEscultura e pintura românicas
Escultura e pintura românicas
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
A arte gótica I
A arte gótica IA arte gótica I
A arte gótica I
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
A cultura da catedral escultura e pintura
A cultura da catedral   escultura e pinturaA cultura da catedral   escultura e pintura
A cultura da catedral escultura e pintura
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 
Igreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de ratesIgreja de s.pedro de rates
Igreja de s.pedro de rates
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
 
O mundo muçulmano em expansão
O mundo muçulmano em expansãoO mundo muçulmano em expansão
O mundo muçulmano em expansão
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
A arquitectura romnica
A arquitectura romnicaA arquitectura romnica
A arquitectura romnica
 
A cultura da catedral islão
A cultura da catedral  islãoA cultura da catedral  islão
A cultura da catedral islão
 
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura RomânicaCultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
 
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmicaCultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
 

Semelhante a Módulo 3 a arte românica

Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
10B
 
Arte românica
Arte românica Arte românica
Arte românica
10B
 
Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
Eduardo Sousa
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Iga Almeida
 
Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame
Victória Lucena
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Angela Santos
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
Fernando Veloso
 
A arte românica (1)
A arte românica (1)A arte românica (1)
A arte românica (1)
giordanireis
 
7o. ano- - Arte Românica
7o. ano-  - Arte Românica7o. ano-  - Arte Românica
7o. ano- - Arte Românica
ArtesElisa
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
Filipa Silva
 
Sant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della ValleSant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della Valle
Lucas Gomes
 
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoHistória de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
Cristiana Marques
 
Arte idade média 8º ano
Arte  idade média 8º anoArte  idade média 8º ano
Arte idade média 8º ano
josivaldopassos
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
Goncaloandre95
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
Goncaloandre95
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
Maiara Giordani
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
Marcio Duarte
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
Bruna Tiago
 
Catedral de notre dame
Catedral de notre dameCatedral de notre dame
Catedral de notre dame
BeatrizCarvalho237
 

Semelhante a Módulo 3 a arte românica (20)

Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
 
Arte românica
Arte românica Arte românica
Arte românica
 
Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 
A arte românica (1)
A arte românica (1)A arte românica (1)
A arte românica (1)
 
7o. ano- - Arte Românica
7o. ano-  - Arte Românica7o. ano-  - Arte Românica
7o. ano- - Arte Românica
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
 
Sant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della ValleSant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della Valle
 
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoHistória de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
 
Arte idade média 8º ano
Arte  idade média 8º anoArte  idade média 8º ano
Arte idade média 8º ano
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
 
Catedral de notre dame
Catedral de notre dameCatedral de notre dame
Catedral de notre dame
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Módulo 3 a arte românica

  • 1.
  • 2. • Este termo foi aplicado pela primeira vez em 1824, pelo arqueólogo francês De Caumont, para designar toda arte da Europa Ocidental a partir da Alta Idade Média. • Pretendia-se assim exprimir dois conceitos: • a semelhança com o processo de formação das língua românicas (francês, italiano, espanhol e português); • a aproximação, em extensão e grandeza, à arte da Antiga Roma. Igreja de Santiago das Antas Vila Nova de Famalicão
  • 3. • A arte românica foi o primeiro estilo artístico com alguma uniformidade que surgiu na Idade Média, apesar de apresentar variedades regionais. • Existiu entre o séc. IX e o séc. XII por toda a Europa. Tem como influências: • A cultura romana, • o oriente bizantino, • os povos bárbaros/germânicos.
  • 4. • O sentimento de fé e de fervor religioso, marcado pelas peregrinações e pelas cruzadas, favoreceu o aparecimento de construções dentro deste estilo. • A Igreja foi a grande impulsionadora da maioria destas construções, de que o espaço – igreja – é o mais típico. • A arte românica serviu o poder religioso e o político.
  • 6. Tipos de construções fundamentais: • Capelas rurais, • Igrejas (nos centros de peregrinação), • As primeiras catedrais, • Mosteiros. Tipos de Plantas: • planta centrada: em cruz grega, hexagonal, octogonal ou circular, de influência oriental e pouco usada. • planta do tipo basilical, em cruz latina. Capela de Burgos
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.  As igrejas são maiores, devido a uma evolução dos métodos construtivos e dos materiais.  A pedra, natural da região, é o principal material de construção, reforçando o aspeto pesado dos edifícios.  O telhado de madeira é substituído por abóbadas de berço e de aresta, mais de acordo com uma igreja que representa a “fortaleza de Deus”.
  • 18. • Abóbadas de berço em pedra; • Naves laterais com abóbadas de aresta (cruzamento de duas abóbadas de berço); • Utilização dos tramos para aliviar a carga.
  • 19. Os principais sistemas de cobertura das igrejas de influência oriental são as cúpulas, agora em pedra e não em madeira. Estas podiam ser assentes sobre: • Trompas – elementos que fazem a transição da forma quadrada da base para a circular; • Pendentes - formas triangulares côncavas que transformavam o quadrado numa circunferência onde a cúpula assentava, graças à forma de construção a partir dos ângulos do quadrado.
  • 20. • Os tramos suportam a descarga de forças. São formados por: • Dois arcos formeiros: separam a nave central das laterais; • Dois arcos torais: situam- se perpendicularmente às paredes laterais. • Dois arcos cruzeiros. • O arco de volta inteira é o elemento estruturante, construído com o auxílio de cimbres.
  • 21. • A pressão exercida pelas abóbadas é descarregada através dos arcos para os pilares e colunas. Estes estão localizados na charneira de dois tramos e, normalmente, possuem um colunelo ou pilastra adossado, por cada arco definidor de um tramo. • Dos pilares, a força é transmitida sobre as naves laterais e para as paredes do exterior da igreja; • As paredes exteriores são grossas, reforçadas por contrafortes adossados e chanfrados, situados no alinhamento dos pilares interiores. contraforte
  • 23. • Pouca iluminação, por ter paredes compactas: • Janelas em seteira, • frestas; • clerestório; • Torre lanterna; • Janelões das fachadas (caso italiano); • Rosáceas… • Luz focal e rasante, o que origina fortes contrastes de luz/sombra. Ábside com seteira
  • 25. • No exterior do edifício, a decoração escultórica estava limitada ao portal e à cornija: • As cornijas (remate logo a seguir ao telhado) eram decoradas com arcos cegos e cachorradas (conjunto de cachorros, isto é, peças salientes esculpidas), que podiam ter também uma função de suporte da cornija. Cachorradas da cornija
  • 26. • A fechar os algeroses (caleiras) existiam gárgulas, que serviam para escoar a água da chuva e podiam ter uma forma simples ou motivos animalistas e míticos. • Na decoração da fachada, as rosáceas, trabalhadas com motivos geométricos e florais e os grandes janelões (que possuíam as mesmas funções da rosácea).
  • 27. • O portal era outro elemento, que tanto podia ser simples como encaixado num pórtico saliente. O mais vulgar possui: • uma entrada chanfrada, ou ombreira, ornamentada com colunelos; • uma porta simples ou dupla com mainel, que sustenta a arquitrave (lintel ou dintel), decorada com relevo; • um tímpano, semi circular com arcos ou arquivoltas, sustentado pelo lintel.
  • 28. Tímpano arquivoltas Arco de volta perfeita colunel os capitel
  • 29. Unidade e diversidade da arquitetura românica religiosa
  • 30. Pág. 145 • Devido às características que apresentam, podemos distinguir cerca de 17 escolas regionais. • As mais significativas são: • as da Normandia, sóbrias e de origem beneditina; • as da Aquitânia – Notre Dame La Grande; Fontevrault ou Saint- Front de Périgueux; • as de Borgonha – Basílica de Santa Madalena de Vézelay; • As do Languedoc – Sainte-Foy de Conques e Saint-Sernin de Toulouse.
  • 31.
  • 32. • A que melhor caracteriza o românico é a escola renana. • Seguindo a regra beneditina, as igrejas românicas alemãs são pobres na decoração, mas com mais torres e, por vezes, duplo transepto, influencia de Otão I. • São exemplos as igrejas de São Miguel de Hildesheim e a de Santa Maria de Laach.
  • 33. • As mais famosas construções românicas situam-se na Lombardia (como a Igreja de Santo Ambrósio, em Milão) e na Toscânia, onde ficam a Igreja de San Miniato al Monte, em Florença, e a Catedral de Pisa.
  • 34. • Aqui, o românico caracteriza-se pela grande sobriedade das volumetrias, sem qualquer decoração esculpida. • Exemplo disso, são as catedrais de Ely e Durham.
  • 35. • O românico sofreu influências francesas e lombardas que foram combinadas com elementos decorativos visigóticos e árabes, de influência local. • O monumento românico mais característico, em Espanha é a Catedral de Santiago de Compostela, mas destacam-se também as igrejas de São Pedro de Roda, do Mosteiro de Ripoll, de São Clemente e de Santa Maria de Tahull, e a Catedral de Jaca, na Catalunha; e, em Leão, as igrejas de Santo Isidoro de Sevilha (séculos XI-XII) e de San Martin de Frómista.
  • 37.
  • 38. • Os castelos surgem em finais do séc. X. • Eram erguidos em locais estratégicos: num ponto alto, junto às fronteiras ou próximo de rios. • Existiam os castelos para residência e os que tinham funções defensivas. • Em Portugal, acompanharam o movimento de reconquista cristã.
  • 39. Características típicas: • Terminados em ameias e merlões; • Possuíam sempre torre; • Tinham uma ou duas cintas de muralhas; • Eram formados por blocos de pedra aparelhados sem uso de argamassa. Muralha circundada pelo adarve, caminho estreito que acompanha o topo das muralhas dos castelos, com a função de ronda dos sentinelas e de distribuição dos defensores.
  • 40. Torre de Menagem, Castelo de Melgaço Castelo rodeado por um fosso portaria e ponte/porta levadiça
  • 41. • Por cima das entradas, possuíam mata-cães, abertura nas muralhas, passadiços ou varandas dos castelos por onde se arremessavam projéteis sobre os atacantes. Mísul a Castelo de Almourol