SlideShare uma empresa Scribd logo
HCA 10º Ano Prof. Carla Freitas
ARQUITETURA GREGA
Módulo 1- Cultura da Ágora
A Arte “à Medida do Homem”
Lê o texto no teu manual, que se encontra nas páginas 43/44
PODEMOS CONCLUIR QUE:
 A arte centra-se no Homem enquanto criador e apreciador
 A disponibilidade de capital possibilitou o seu desenvolvimento
 A importância dada ao lazer e ócio permitiu apreciá-la e pensá-la
 A Filosofia considerou questões como o “belo”, permitindo uma
preocupação com a estética da arte
Destina-se à fruição do Homem
Torna-se autónoma
(não apenas uma necessidade mas um prazer)
Influências
Contributos:
 Civilizações do Mediterrâneo,
anteriores:
• Mesopotâmia
• Egipto
• Creta
• Ilhas Cicládicas
 Povos que ocuparam a Grécia:
 Aqueus (micénicos),
 Dórios…
Características Gerais
 Arte à medida do Homem
• Criador
• Público apreciador
 Racionalismo
 Simplicidade
 Realismo/Idealismo
 Harmonia
Arquitetura
Tipos de Construção
Construções várias:
 Zona habitacional – casas
 Zonas públicas
• Ócio: Teatros, ginásios, palestras, estádios
• Vida cívica: Stoa, ecclesiasteron, bouleuterion,
prytaneion, Helieia
 Zonas religiosas – templos
Modelo para os restantes edifícios
(príncipios, técnicas, estética)
Racionalismo/Idealismo
 Arquitetura intimamente ligada à
matemática e à geometria
• Procura de soluções perfeitas,
universais e únicas (proporção
aúrea)
• Estabelecimento de regras
(cânones) quanto à proporção,
composição e ritmo)
ORDENS ARQUITETÓNICAS
https://www.youtube.com/watch?v=K
RIlQBqr9B0&t=15s
Templos
 Destinavam-se a ser admirados por fora
 Construção em pedra
 Sistema trilítico (simplicidade)
 Modelos de equilíbrio e proporção –
seguiam critérios racionais
 Decoração simples e escultórica
(colunas, capitéis, frontão, friso)
 Rodeado de colunas
 Correções óticas, as entasis.
 Pintados
Templos - Planta
Templos - Fachada
Socalco, plataforma, embasamento ou
ORDEM DÓRICA
ORDEM DÓRICA
 Oriunda do continente grego
 Mais antiga (c. 600 a.C.)
 Aspecto robusto e pesado
• Colunas grossas
• Caneluras largas
• Decoração simples e sobretudo
geométrica
Carácter Masculino (Por vezes
utilização dos Atlantes)
Ilusão de simplicidade contrariada
pelas deformações ópticas que eram
corrigidas de forma a que o templo
parecesse regular
ORDEM DÓRICA
Friso dividido em métopas
e triglífos
Métopas com decoração
em relevo.
Arquitrave simples e lisa
Capitel sem decoração
Sem base na coluna que
assenta directamente no
estilóbato
ORDEM DÓRICA
“A basílica”, Pestos (sul de Itália); c. 530 a.C. – pormenor de um capitel
ORDEM DÓRICA
Templo de Ceres, Paestum (sul de Itália); c. 530 a.C.
ORDEM DÓRICA
Templo de Poseidon, Paestum, Itália; meados séc. V a .C
ORDEM DÓRICA
Templo de Hera ou “Basílica”, Paestum, Itália
ORDEM DÓRICA
Templo de Hera, Olímpia
ORDEM DÓRICA
Templo de Apolo, Corinto, 540 a.C.
ORDEM DÓRICA
Tesouro Ateniense, Delfos,
c. 490
ORDEM DÓRICA
Templo de Zeus Olímpico, Agrigento, Reconstituição
ORDEM DÓRICA - Pártenon
Partenon (arquitectos: Íctino e Calícatres) ; 447 a.C., acrópole de Atenas
ORDEM DÓRICA - Pártenon
Partenon, pormenores
ORDEM DÓRICA - Pártenon
Partenon, reconstituição pintura
ORDEM DÓRICA - Pártenon
Partenon, reconstituição pintura
ORDEM JÓNICA
ORDEM JÓNICA
 Oriunda da Jónia e da Ática
 Meados do século VI a. C.
 Inicialmente aplicada em edifícios mais
pequenos e de estrutura simples
 Sofreu variantes decorativas ao longo do
tempo
 Aspecto mais esbelto
• Colunas mais finas e mais espaçadas
• Caneluras estreitas
• Decoração mais elaborada
 Carácter feminino (utilização das
cariátides)
ORDEM JÓNICA
Cornija mais decorada
Friso contínuo, onde a
decoração escultórica decorre
quase como um filme
Arquitrave tripartida
Coluna com 9 vezes o
tamanho do diâmetro
Capitel com volutas
Fuste mais delgado
A coluna tem base
ORDEM JÓNICA
Templo das Nereides,
Museu Britânico
ORDEM JÓNICA
Templo de Athena Nike,
de Calícrates, Atenas,
Grécia 427a .C
ORDEM JÓNICA
Templo de Athena Nike, de Calícrates, Atenas, Grécia 427a .C
ORDEM JÓNICA
Templo de Athena Nike, Pormenores
ORDEM JÓNICA
Templo de Athena Nike, Pormenores
ORDEM JÓNICA
Erectéion; 420 - 400 a.C.; acrópole de Atenas, Grécia
https://www.youtube.com/watch?v=3ebYvMC12HI
ORDEM JÓNICA
Erectéion, planta; 420 - 400 a.C.; acrópole de Atenas, Grécia
ORDEM JÓNICA
Erectéion, detalhes; 420 - 400 a.C.; acrópole de Atenas, Grécia
ORDEM JÓNICA
Erectéion´, Pórtico das Cariátides
ORDEM JÓNICA
Erectéion, Reconstituição
ORDEM CORÍNTIA
ORDEM CORÍNTIA
 Proveniente de Corinto
 Século IV a. C.
 Pouco utilizada até ao período
helenístico
 Variante decorativa da ordem
jónica
 Decoração mais rica:
• Capitel com folhas de
acanto
• Entablamento e frontão
com mais detalhes
decorativos
ORDEM CORÍNTIA
Capitel com folhas de acanto
viradas para fora e com
volutas menores nos cantos
Fuste mais delgado
Coluna com 11 vezes o
tamanho do seu diâmetro
Entablamentoi e frontão
ricamente decorados
ORDEM CORÍNTIA
Templo de Zeus Olímpico, Atenas,
170 a C (início da construção)
https://www.youtube.com/watch?v=nfKcq9pGJTo
ORDEM CORÍNTIA
Monumento Corágico a Lisícrates, Atenas, 334 a. C.
ORDEM CORÍNTIA
Tholos de Epidauro, ca 380 a.c.
Zona de Habitação
Zona de Habitação
Poucas aberturas para o exterior
Casas irregulares
Aspecto labirintico com ruas estreitas
Adaptavam-se aos acidentes de
terreno e integravam-nos na casa.
Incaracterísticas (podiam ir de casas
mais luxuosas no campo a cavernas
escavadas na rocha)
Sem preocupação de conjunto ou
planeamento
Samos.
Delos
Zona de Habitação
Materiais:
• Madeira
• Tijolo e cascalho com argamassa
Planta:
• Pátio central
• Divisões em redor
• Podiam ter vários andares
• Androceu, por vezes, só
acessível do exterior
Decoração sóbria e austera
Zonas de lazer - Teatros
Zonas de lazer - Teatros
 Termo teatro (theatron), do grego,
significa “local onde se vê” ou
“lugar para olhar
 Eram construções ao ar livre
integradas na paisagem
 Forma de meia lua para
desenvolver melhor acústica.
 Grande Plateia
 Compostos por arquibancada,
orquestra, cena, proscénio
Zonas de lazer - Teatros
Em Atenas as disputas por um lugar nas bancadas obrigou as autoridades a
conceder a cada zona da cidade um número de filas previamente estabelecido.
Teatro de Dionísio, Atenas, século VI a.C.
Zonas de lazer - Teatros
Teatro;
Dodona
(Grécia);
séc. III a.C.
Zonas de lazer - Teatros
Teatro de Priene; Turquia, Séc. 369-371 a.C.
Zonas de lazer - Teatros
Teatro de Epidauro; c.330 a.C.,Epidauro, Grécia
Zonas de lazer - Teatros
Teatro de Epidauro
Urbanismo
Urbanismo (Hipódamo)
 Organização lógica e racional da cidade
 Avenidas cruzadas com ruas transversais
 Quarteirões regulares, de acordo com a
função/profissões
 Malha em retícula ou quadrícula
 Plano aplicado na reconstrução de
• Pireu, em Atenas
• Rodes
• Príenne
 Alexandre espalhou organização por todo o
império
Urbanismo (Hipódamo)
Plano de Mileto,
Reconstrução
após 479 a. C.
Urbanismo (Hipódamo)
Plano porto do Pireu
Cerca de 451 a.C.
Urbanismo
Plano e reconstituição de
Prienne,
Cerca de 359 a.C.
Objetivos
 Descrever as características gerais da arte grega
 Explicar a função dos diferentes tipos de edifícios
 Identificar as diferentes ordens arquitectónicas e os elementos que as
constituem em diferentes documentos
 Caracterizar as diferentes ordens arquitectónicas
 Caracterizar as habitações na Grécia
 Descrever as características dos teatros na Grécia
 Explicar o carácter inovador dos planos urbanísticos de Hipódamo de Mileto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
josepinho
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
Beatriz Mariano
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
Ana Barreiros
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
Carla Freitas
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
Ana Barreiros
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
cattonia
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
Ana Barreiros
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
Duarte Súcia
 
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaCultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Vítor Santos
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
Carlos Vieira
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
Carla Freitas
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
Carla Freitas
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Joaninha Sena
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
Vítor Santos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaCultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 

Destaque

52 portugal do autoritarismo à democracia
52   portugal do autoritarismo à democracia52   portugal do autoritarismo à democracia
52 portugal do autoritarismo à democracia
Carla Freitas
 
Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barroca
Carla Freitas
 
51 - mundo bipolar
51 -  mundo bipolar51 -  mundo bipolar
51 - mundo bipolar
Carla Freitas
 
37 A - o mundo industrializado no século xix
37 A - o mundo industrializado no século xix37 A - o mundo industrializado no século xix
37 A - o mundo industrializado no século xix
Carla Freitas
 
40 - Primeira Guerra Mundial
40 -  Primeira Guerra Mundial40 -  Primeira Guerra Mundial
40 - Primeira Guerra Mundial
Carla Freitas
 
37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.
37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.
37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.
Carla Freitas
 
37 o mundo industrializado no século xix
37   o mundo industrializado no século xix37   o mundo industrializado no século xix
37 o mundo industrializado no século xix
Carla Freitas
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
Carla Freitas
 
Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)
Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)
Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)
Mariajosesantos57
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
Carla Freitas
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
Carla Freitas
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 

Destaque (14)

52 portugal do autoritarismo à democracia
52   portugal do autoritarismo à democracia52   portugal do autoritarismo à democracia
52 portugal do autoritarismo à democracia
 
Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barroca
 
51 - mundo bipolar
51 -  mundo bipolar51 -  mundo bipolar
51 - mundo bipolar
 
37 A - o mundo industrializado no século xix
37 A - o mundo industrializado no século xix37 A - o mundo industrializado no século xix
37 A - o mundo industrializado no século xix
 
40 - Primeira Guerra Mundial
40 -  Primeira Guerra Mundial40 -  Primeira Guerra Mundial
40 - Primeira Guerra Mundial
 
37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.
37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.
37 B - Revolução demográfica e contrastes sociais.
 
37 o mundo industrializado no século xix
37   o mundo industrializado no século xix37   o mundo industrializado no século xix
37 o mundo industrializado no século xix
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
 
Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)
Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)
Exercito romano ricardo_carlos_5_c (1)
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 

Semelhante a Módulo 1 arquitetura grega regular

Trabalho grecia antiga
Trabalho grecia antigaTrabalho grecia antiga
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
NunoOliveira413523
 
Arquitetura Grega
Arquitetura GregaArquitetura Grega
Arquitetura Grega
Isis Magalhães
 
Escultura grega antiga
Escultura grega antigaEscultura grega antiga
Escultura grega antiga
duartcr
 
artgrie
artgrieartgrie
artgrie
iescangas
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Hca10m1opartenon
Hca10m1opartenonHca10m1opartenon
Hca10m1opartenon
nelia saude
 
2.2.o_partenon.pptx
2.2.o_partenon.pptx2.2.o_partenon.pptx
2.2.o_partenon.pptx
bruno735083
 
Arte classica
Arte classicaArte classica
Arte classica
frazao
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
Rita Cavalheiro
 
Gréciapdf
GréciapdfGréciapdf
Gréciapdf
Diana Geraissati
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
António Silva
 
Grécia arquitectura
Grécia arquitecturaGrécia arquitectura
Grécia arquitectura
António Silva
 
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Trabalho De Artes Janssen Adilson
Trabalho De Artes Janssen AdilsonTrabalho De Artes Janssen Adilson
Trabalho De Artes Janssen Adilson
antoniaajala
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
GabrielaSanita
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Adriana Guimarães Manaro
 

Semelhante a Módulo 1 arquitetura grega regular (20)

Trabalho grecia antiga
Trabalho grecia antigaTrabalho grecia antiga
Trabalho grecia antiga
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
 
Arquitetura Grega
Arquitetura GregaArquitetura Grega
Arquitetura Grega
 
Escultura grega antiga
Escultura grega antigaEscultura grega antiga
Escultura grega antiga
 
artgrie
artgrieartgrie
artgrie
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 
Hca10m1opartenon
Hca10m1opartenonHca10m1opartenon
Hca10m1opartenon
 
2.2.o_partenon.pptx
2.2.o_partenon.pptx2.2.o_partenon.pptx
2.2.o_partenon.pptx
 
Arte classica
Arte classicaArte classica
Arte classica
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
 
Gréciapdf
GréciapdfGréciapdf
Gréciapdf
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
 
Grécia arquitectura
Grécia arquitecturaGrécia arquitectura
Grécia arquitectura
 
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas Do Mundo Antigo
 
Trabalho De Artes Janssen Adilson
Trabalho De Artes Janssen AdilsonTrabalho De Artes Janssen Adilson
Trabalho De Artes Janssen Adilson
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 

Mais de Carla Freitas

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

Último

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Módulo 1 arquitetura grega regular

  • 1. HCA 10º Ano Prof. Carla Freitas ARQUITETURA GREGA Módulo 1- Cultura da Ágora
  • 2. A Arte “à Medida do Homem” Lê o texto no teu manual, que se encontra nas páginas 43/44 PODEMOS CONCLUIR QUE:  A arte centra-se no Homem enquanto criador e apreciador  A disponibilidade de capital possibilitou o seu desenvolvimento  A importância dada ao lazer e ócio permitiu apreciá-la e pensá-la  A Filosofia considerou questões como o “belo”, permitindo uma preocupação com a estética da arte Destina-se à fruição do Homem Torna-se autónoma (não apenas uma necessidade mas um prazer)
  • 3. Influências Contributos:  Civilizações do Mediterrâneo, anteriores: • Mesopotâmia • Egipto • Creta • Ilhas Cicládicas  Povos que ocuparam a Grécia:  Aqueus (micénicos),  Dórios…
  • 4. Características Gerais  Arte à medida do Homem • Criador • Público apreciador  Racionalismo  Simplicidade  Realismo/Idealismo  Harmonia
  • 6. Tipos de Construção Construções várias:  Zona habitacional – casas  Zonas públicas • Ócio: Teatros, ginásios, palestras, estádios • Vida cívica: Stoa, ecclesiasteron, bouleuterion, prytaneion, Helieia  Zonas religiosas – templos Modelo para os restantes edifícios (príncipios, técnicas, estética)
  • 7. Racionalismo/Idealismo  Arquitetura intimamente ligada à matemática e à geometria • Procura de soluções perfeitas, universais e únicas (proporção aúrea) • Estabelecimento de regras (cânones) quanto à proporção, composição e ritmo) ORDENS ARQUITETÓNICAS https://www.youtube.com/watch?v=K RIlQBqr9B0&t=15s
  • 8. Templos  Destinavam-se a ser admirados por fora  Construção em pedra  Sistema trilítico (simplicidade)  Modelos de equilíbrio e proporção – seguiam critérios racionais  Decoração simples e escultórica (colunas, capitéis, frontão, friso)  Rodeado de colunas  Correções óticas, as entasis.  Pintados
  • 10. Templos - Fachada Socalco, plataforma, embasamento ou
  • 12. ORDEM DÓRICA  Oriunda do continente grego  Mais antiga (c. 600 a.C.)  Aspecto robusto e pesado • Colunas grossas • Caneluras largas • Decoração simples e sobretudo geométrica Carácter Masculino (Por vezes utilização dos Atlantes) Ilusão de simplicidade contrariada pelas deformações ópticas que eram corrigidas de forma a que o templo parecesse regular
  • 13. ORDEM DÓRICA Friso dividido em métopas e triglífos Métopas com decoração em relevo. Arquitrave simples e lisa Capitel sem decoração Sem base na coluna que assenta directamente no estilóbato
  • 14. ORDEM DÓRICA “A basílica”, Pestos (sul de Itália); c. 530 a.C. – pormenor de um capitel
  • 15. ORDEM DÓRICA Templo de Ceres, Paestum (sul de Itália); c. 530 a.C.
  • 16. ORDEM DÓRICA Templo de Poseidon, Paestum, Itália; meados séc. V a .C
  • 17. ORDEM DÓRICA Templo de Hera ou “Basílica”, Paestum, Itália
  • 18. ORDEM DÓRICA Templo de Hera, Olímpia
  • 19. ORDEM DÓRICA Templo de Apolo, Corinto, 540 a.C.
  • 21. ORDEM DÓRICA Templo de Zeus Olímpico, Agrigento, Reconstituição
  • 22. ORDEM DÓRICA - Pártenon Partenon (arquitectos: Íctino e Calícatres) ; 447 a.C., acrópole de Atenas
  • 23. ORDEM DÓRICA - Pártenon Partenon, pormenores
  • 24. ORDEM DÓRICA - Pártenon Partenon, reconstituição pintura
  • 25. ORDEM DÓRICA - Pártenon Partenon, reconstituição pintura
  • 27. ORDEM JÓNICA  Oriunda da Jónia e da Ática  Meados do século VI a. C.  Inicialmente aplicada em edifícios mais pequenos e de estrutura simples  Sofreu variantes decorativas ao longo do tempo  Aspecto mais esbelto • Colunas mais finas e mais espaçadas • Caneluras estreitas • Decoração mais elaborada  Carácter feminino (utilização das cariátides)
  • 28. ORDEM JÓNICA Cornija mais decorada Friso contínuo, onde a decoração escultórica decorre quase como um filme Arquitrave tripartida Coluna com 9 vezes o tamanho do diâmetro Capitel com volutas Fuste mais delgado A coluna tem base
  • 29. ORDEM JÓNICA Templo das Nereides, Museu Britânico
  • 30. ORDEM JÓNICA Templo de Athena Nike, de Calícrates, Atenas, Grécia 427a .C
  • 31. ORDEM JÓNICA Templo de Athena Nike, de Calícrates, Atenas, Grécia 427a .C
  • 32. ORDEM JÓNICA Templo de Athena Nike, Pormenores
  • 33. ORDEM JÓNICA Templo de Athena Nike, Pormenores
  • 34. ORDEM JÓNICA Erectéion; 420 - 400 a.C.; acrópole de Atenas, Grécia https://www.youtube.com/watch?v=3ebYvMC12HI
  • 35. ORDEM JÓNICA Erectéion, planta; 420 - 400 a.C.; acrópole de Atenas, Grécia
  • 36. ORDEM JÓNICA Erectéion, detalhes; 420 - 400 a.C.; acrópole de Atenas, Grécia
  • 40. ORDEM CORÍNTIA  Proveniente de Corinto  Século IV a. C.  Pouco utilizada até ao período helenístico  Variante decorativa da ordem jónica  Decoração mais rica: • Capitel com folhas de acanto • Entablamento e frontão com mais detalhes decorativos
  • 41. ORDEM CORÍNTIA Capitel com folhas de acanto viradas para fora e com volutas menores nos cantos Fuste mais delgado Coluna com 11 vezes o tamanho do seu diâmetro Entablamentoi e frontão ricamente decorados
  • 42. ORDEM CORÍNTIA Templo de Zeus Olímpico, Atenas, 170 a C (início da construção) https://www.youtube.com/watch?v=nfKcq9pGJTo
  • 43. ORDEM CORÍNTIA Monumento Corágico a Lisícrates, Atenas, 334 a. C.
  • 44. ORDEM CORÍNTIA Tholos de Epidauro, ca 380 a.c.
  • 46. Zona de Habitação Poucas aberturas para o exterior Casas irregulares Aspecto labirintico com ruas estreitas Adaptavam-se aos acidentes de terreno e integravam-nos na casa. Incaracterísticas (podiam ir de casas mais luxuosas no campo a cavernas escavadas na rocha) Sem preocupação de conjunto ou planeamento Samos. Delos
  • 47. Zona de Habitação Materiais: • Madeira • Tijolo e cascalho com argamassa Planta: • Pátio central • Divisões em redor • Podiam ter vários andares • Androceu, por vezes, só acessível do exterior Decoração sóbria e austera
  • 48. Zonas de lazer - Teatros
  • 49. Zonas de lazer - Teatros  Termo teatro (theatron), do grego, significa “local onde se vê” ou “lugar para olhar  Eram construções ao ar livre integradas na paisagem  Forma de meia lua para desenvolver melhor acústica.  Grande Plateia  Compostos por arquibancada, orquestra, cena, proscénio
  • 50. Zonas de lazer - Teatros Em Atenas as disputas por um lugar nas bancadas obrigou as autoridades a conceder a cada zona da cidade um número de filas previamente estabelecido. Teatro de Dionísio, Atenas, século VI a.C.
  • 51. Zonas de lazer - Teatros Teatro; Dodona (Grécia); séc. III a.C.
  • 52. Zonas de lazer - Teatros Teatro de Priene; Turquia, Séc. 369-371 a.C.
  • 53. Zonas de lazer - Teatros Teatro de Epidauro; c.330 a.C.,Epidauro, Grécia
  • 54. Zonas de lazer - Teatros Teatro de Epidauro
  • 55.
  • 56.
  • 58. Urbanismo (Hipódamo)  Organização lógica e racional da cidade  Avenidas cruzadas com ruas transversais  Quarteirões regulares, de acordo com a função/profissões  Malha em retícula ou quadrícula  Plano aplicado na reconstrução de • Pireu, em Atenas • Rodes • Príenne  Alexandre espalhou organização por todo o império
  • 59. Urbanismo (Hipódamo) Plano de Mileto, Reconstrução após 479 a. C.
  • 60. Urbanismo (Hipódamo) Plano porto do Pireu Cerca de 451 a.C.
  • 61. Urbanismo Plano e reconstituição de Prienne, Cerca de 359 a.C.
  • 62. Objetivos  Descrever as características gerais da arte grega  Explicar a função dos diferentes tipos de edifícios  Identificar as diferentes ordens arquitectónicas e os elementos que as constituem em diferentes documentos  Caracterizar as diferentes ordens arquitectónicas  Caracterizar as habitações na Grécia  Descrever as características dos teatros na Grécia  Explicar o carácter inovador dos planos urbanísticos de Hipódamo de Mileto