SlideShare uma empresa Scribd logo
Durante a idade medieval (séculos V-XIV) a arte se caracterizou pela integração da
pintura, escultura e arquitetura. Nesse período, a igreja católica exerceu forte controle sobre a
produção científica e cultural concretizando uma ligação entre a produção artística com o
cristianismo. Isto proporcionou a predominância dos temas religiosos nas artes plásticas, na
literatura, na música, na arquitetura e no teatro. O imaginário dessa época esteve sempre
voltado para o teocentrismo (Deus como centro de tudo).
        As artes que mais se destacaram na Idade Média foram as artes plásticas: arquitetura,
pintura e escultura. Suas principais realizações foram as igrejas, podendo-se distinguir, nelas,
dois estilos básicos: o românico e gótico.

                                ESTILO ROMÂNICO

                                Este estilo prevaleceu na Europa no período da Alta Idade
                                Média (entre os séculos XI e XIII).

                                 Arquitetura
                                       A construção da época foi fundamentalmente religiosa,
                                 pois somente a Igreja cristã e as ordens religiosas possuíam
                                 fundos suficientes ou pelo menos a organização eficiente para
                                 arrecadá-los e financiar o erguimento de capelas, de igrejas e
                                 de mosteiros.
       Na arquitetura, principalmente de mosteiros e basílicas, prevaleceu o uso dos arcos de
volta-perfeita e abóbadas (influências da arte romana). Os castelos seguiram um estilo voltado
para o aspecto de defesa. As paredes eram grossas, quase sem reboco, e existiam poucas e
pequenas janelas deixando seus interiores geralmente sombrios. Tanto as igrejas como os
castelos passavam uma idéia de construções “pesadas”, voltadas para a defesa. Daí serem
chamadas: fortalezas de Deus. As igrejas deveriam ser fortes e resistentes para barrarem a
entrada das “forças do mal”, enquanto os castelos deveriam proteger as pessoas dos ataques
inimigos durante as guerras.

       No final dos séculos XI e XII, na Europa, surge a arte românica cuja estrutura era
semelhante às construções dos antigos romanos.
       As características mais significativas da
arquitetura românica são:
          Abóbadas em substituição ao telhado das
          basílicas;
          Pilares maciços que sustentavam as
          paredes espessas;
          Aberturas raras e estreitas usadas como
          janelas;
          Torres, que aparecem no cruzamento das
          naves ou na fachada; e
          Arcos que são formados por 180 graus.

       A mais famosa é a Catedral de Pisa sendo o edifício mais conhecido do seu conjunto o
campanário que começou a ser construído em 1.174. Trata-se da Torre de Pisa que se inclinou
porque, com o passar do tempo, o terreno cedeu.
Na Itália, diferente do resto da Europa, não apresenta formas pesadas, duras e primitivas.
Pintura e escultura
                                                        Numa época em que poucas pessoas
                                                sabiam ler, a Igreja recorria à pintura e à escultura
                                                para narrar histórias bíblicas ou comunicar valores
                                                religiosos aos fiéis. Não podemos estudá-las
                                                desassociadas da arquitetura. A pintura românica
                                                desenvolveu-se,       sobretudo      nas     grandes
                                                decorações murais, através da técnica do afresco,
                                                que originalmente era uma técnica de pintar sobre
                                                a parede úmida.
  Mosaicos da coroação de Maria, em Santa Maria         Os motivos usados pelos pintores eram de
              Maior - Jacopo Torriti            natureza religiosa. As características essenciais
da pintura românica foram à deformação e o colorismo. A deformação, na verdade, traduz os
sentimentos religiosos e a interpretação mística que os artistas faziam da realidade. A figura de
Cristo, por exemplo, é sempre maior do que as outras que o cercam. O colorismo realizou-se no
emprego de cores chapadas, sem preocupação com meios tons ou jogos de luz e sombra, pois
não havia a menor intenção de imitar a natureza.
       Na porta, a área mais ocupada pelas esculturas era o tímpano, nome que recebe a
parede semicircular que fica logo abaixo dos arcos que arrematam o vão superior da porta.
Imitação de formas rudes, curtas ou alongadas, ausência de movimentos naturais.
        Mosaicos são pequenas pedras coloridas que colocadas lado a lado, vão formando o
desenho. Usado desde a Antiguidade, veio do Oriente a técnica bizantina que utilizava o azul e
dourado, para representar o próprio céu. No Ocidente foi utilizado principalmente nas igrejas.


ESTILO GÓTICO

 O estilo gótico predominou na Europa no período da Baixa Idade Média (final do século XIII ao
XV) e floresceu nos mais diversos países europeus, em inúmeras catedrais, que até hoje
causam admiração pela beleza, elegância, delicadeza e engenharia perfeita. As construções
(igrejas, mosteiros, castelos e catedrais) seguiram, no geral, algumas características em
comum. O formato horizontal foi substituído pelo vertical, opção
que fazia com que a construção estivesse mais próxima do céu.
Os detalhes e elementos decorativos também foram muitos
usados. As paredes passaram a ser mais finas e de aspecto leve.
As janelas apareciam em grande quantidade. As torres eram em
formato de pirâmides. Os arcos de volta-quebrada e ogivas foram
também recursos arquitetônicos utilizados.

Características gerais do estilo gótico

          Verticalismo.
          Arco quebrado ou ogival.
          Abóbada de arcos cruzados.
          O vitral.
                                                                         Vitral - Saint-Chapelle de Paris
      Na arquitetura
      Ao contrário da igreja românica, solidamente plantada na terra, a catedral gótica é um
movimento em direção ao céu. Tanto no exterior como no interior, todas as linhas da construção
apontam para o alto. Essa atração para cima é acentuada pelo uso de arcos pontudos (arcos
ogivais), substituindo os arcos plenos do estilo românico.
                                          As abóbadas tornam-se mais leves que as do românico.
                                          Além disso, parte do seu peso é distribuída
                                          externamente, por meio de
                                                   arcobotantes, apoiados em contrafortes. Com
                                          esta solução de engenharia, foi possível reduzir a
                                          espessura das paredes e colunas, abrir numerosas
                                          janelas e elevar o teto a alturas impressionantes. As
                                          paredes são rasgadas por imensos painéis de vidro
                                          (vitrais), que inundam de luz o interior, aumentando a
                                          sensação de amplidão no espaço interno. As alturas
        Saint-Chapelle de Paris           vertiginosas ressaltam a idéia da pequenez do homem,
diante da grandeza de Deus. No exterior, as fachadas são quase sempre enquadradas por
torres laterais, muito altas e arrematadas por flechas agudas. A tendência para o alto é
reforçada por numerosas torrezinhas (pináculos), que terminam em flechas. Para se fazer uma
idéia da aceitação do gótico, basta dizer que, só na França, entre 1170 e 1270, foram
construídas mais de 400 igrejas e capelas neste estilo. Apesar do desprezo dos artistas do
Renascimento, a arte gótica inventou soluções de arquitetura que só foram superadas no
século XIX, com o uso do aço; e outras, só no século XX, pelo concreto armado. É ignorância
ou preconceito chamar de atrasada uma sociedade capaz de realizar obras tão perfeitas.
       Alguns exemplos da arquitetura gótica
encontram-se na França nas catedrais de Notre-
Dame de Reims, Notre-Dame de Paris, de Chartres,
Saint-Chapelle de Paris, na Inglaterra nas catedrais
de Norwich, Lincoln e Westminster em Londres. São
exemplos significativos também os palácios da
Justiça e do Louvre em Paris e o palácio dos Papas,
de Avinhão na França.
        Na Itália, os edifícios em estilo gótico são de
autoria de artistas que anunciavam o Renascimento.
Como a Igreja de São Francisco de Assis, a catedral
de Santa Maria Del Fiore e o Palazzo Vechi, em
Florença e os palácios comunais de Bolonha,
Pistóia e Perúsia.                                            Catedral de Lincoln - Lincolnshire, Inglaterra


 Na pintura
       A finalidade primordial da pintura gótica era ensinar a criação divina e, num sentido mais
didático, narrar as Escrituras para o maior número de pessoas, quase sempre analfabetas. Os
temas eram religiosos, tirados da tradição bizantina. Além das histórias da Bíblia, representava-
se também a vida dos santos e a iconografia de Cristo, particularmente a crucificação, capítulo
central da teologia da Idade Média.
        Embora as pinturas fossem freqüentemente substituídas pelos vitrais, são comuns as
pinturas em painéis de madeira e sobre relevos. As figuras adquirem mais naturalidade, e o
colorido é mais vivo. Os pintores do gótico elaboraram uma pintura carregada de simbolismo, a
fim de tocar emocionalmente o observador. São, também, notáveis as pinturas em manuscritos
(iluminuras). No final do período, surge a preocupação com a perspectiva, melhorando as
proporções entre figuras próximas e afastadas.

Na escultura
      Em geral, a escultura gótica está integrada na arquitetura. A princípio, as estátuas eram
alongadas e não possuíam qualquer movimento, com um acentuado predomínio da
verticalidade, o que praticamente as fazia desaparecer. Eram
estátuas-colunas. Aos poucos, ela foi-se libertando das rígidas formas
românicas e adquirindo maior expressão,
primeiramente, no rosto e, depois nos movimentos. Além dessa variação no
tempo, há grande diferenciação de um lugar parara outro. Na fase final da
Idade Média, as figuras já apresentam uma grande naturalidade. Os
escultores buscavam dar um aspecto real e humano às figuras retratadas
(anjos, santos e personagens bíblicos).
        A separação em relação à arquitetura torna-se um fato e as
esculturas começam a se destacar como obras independentes. As roupas             Pilar dos Anjos,
ficam mais pesadas e se multiplicam as dobras, que já não são lineares e           Catedral de
rígidas, mas sim onduladas, expressivas e mais naturais.                           Estrasburgo


                               DANÇA E MÚSICA MEDIEVAL

        Durante toda a Idade Média, a música profana fez parte da corte medieval. Servia para
dançar, para animar o jantar, para se ouvir. Era indispensáveis em cerimônias civis, militares,
feriados e outras ocasiões festivas com danças folclóricas, e também para animar os Cruzados
quando partiam para a Terra Santa ou de júbilo, quando regressavam das suas campanhas.
                                               Os jograis pertenciam à outra classe de músicos.
                                        Eles recitavam, cantavam, tocavam, dançavam, faziam
                                        acrobacias e exibiam as habilidades de animais
                                        domesticados. Iam de terra em terra e, com as suas
                                        diversões, entretinham a nobreza e os ajuntamentos de
                                        pessoas nas praças públicas. Eram vistos como
                                        vagabundos e viviam à margem da sociedade, mas
                                        eram muito populares por trazerem as novidades e as
                                        notícias de outras terras.
                                               A dança de roda é seguramente o tipo
                                        coreográfico mais difundido na Europa e em todo o
                                        mundo. A sua simplicidade contribuiu decerto para isso:
os dançadores formam uma roda, intercalando os do sexo masculino com os do feminino. Na
fórmula mais difundida, dão as mãos uns aos outros, virados para o centro do círculo, evoluindo
a roda no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. De vez em quando, nas ocasiões em
que a música o sugere, param e batem palmas, para de seguida retomarem o movimento
circular.
        Além da simplicidade, autores há que atribuem a sua divulgação ao valor mágico do
círculo e da evolução em círculo. Seja como for, a roda é a mais primitiva forma de dança
coletiva. O seu tipo medieval mais conhecido é a carole, que era seguramente cantada pelos
dançadores, primeiro por um solista, a que respondiam depois todos os outros.
        No século XIV aparece entre os nobres, o Momo, um gênero de dança que serviu como
base do futuro ballet-teatro. Era uma espécie de Carolas onde os participantes dançavam
mascarados e disfarçados.
        Nos bailes de Momos dançava-se a Mourisca, uma dança importada dos árabes, em
ritmo binário, marcada por batidas dos pés ou, em caso de cansaço, dos calcanhares. O
movimento da coreografia era o seguinte: bate-se o calcanhar direito (no chão) / bate-se o
calcanhar esquerdo / bate-se os dois calcanhares (um no outro) / suspiro. Na verdade, as
partituras indicam uma pausa no momento do suspiro. O momo tornou-se uma dança
espetáculo quando começou a ser dançado como atração entre os pratos de um banquete.
        Já no final do século XV o momo estava estabelecido com firmeza nas cortes de
príncipes. Apresentava, então diversos elementos dos ballets de corte (antecessores dos ballets
de repertório), como dançarinos, cantores, músicos, carros, efeitos de maquinaria; mas faltava-
lhes a "alma" do espetáculo: uma ação dramática coordenada e a diversidade das danças, pois
apenas dançavam a Carola e a Mourisca.
       No final da Idade Média a dança e a música tornaram-se parte de todos os
acontecimentos festivos.

                                   VESTUÁRIO MEDIEVAL

       As roupas e os sapatos da
época eram bastante volumosos e
escondiam quase inteiramente o
corpo, especialmente o da mulher.
As mais jovens até chegavam a
revelar o colo, mas a Igreja sempre
desaprovou os decotes. Pode-se
dizer também que já existia moda,
naquele tempo, com a introdução de
novidades na forma de vestidos,
chapéus, sapatos, jóias, etc.
       Vestuário básico das mulheres incluía roupa de baixo, saia ou vestido longo, avental e
mantos, além de chapéus com formas as mais variadas (imitando a agulha de uma torre,
borboletas, toucas com longas tiras) e exagerados (em alguns locais foi preciso alterar a
entrada das casas para que as damas e seus chapéus pudessem passar). Na época, cabelos
presos identificavam a mulher casada, enquanto as solteiras usavam cabelos soltos.
       As cores mais usadas pelas mulheres eram o azul real, o bordô e o verde escuro. As
mangas e as saias dos vestidos eram bufantes e compridas. As mais ricas usavam acessórios,
como leques e jóias.
       Para os homens, o vestuário se compunha de meias longas, até a cintura, culotes, gibão
(uma espécie de jaqueta curta), chapéus de diversos tamanhos e sapatos de pontas longas. Os
tecidos variavam de acordo com a condição social dos cavaleiros, o clima, a ocasião e local e,
nos dias de festa, por exemplo, usavam ricas vestimentas, confeccionadas com tecidos
orientais, sedas, lã penteada e veludo. E festa é o que não faltava, o ano inteiro, nas feiras e
nas datas religiosas e profanas da Europa Medieval. Tanto nos castelos quanto nas vilas,
aldeias e cidades, em tempos de fartura, tudo era motivo para comer, beber e dançar, com
fantasias, máscaras, procissões, muita alegria e até certos excessos.
       Os camponeses, apesar do sofrimento e a da penúria, gostavam de festas, danças e
músicas. Várias danças folclóricas européias originam-se de festas e danças populares
medievais.




Algumas das fontes de pesquisas:
http://www.sohistoria.com.br/ef2/medieval/p6.php
http://idademedia.wetpaint.com
http://www.centroartisticodedanca.com
http://artenaidademedia.blogspot.com/2010/06/arte-medieval-e-suas-caracteristicas
http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_da_Idade_M%C3%A9dia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte barroca 3º período
Arte barroca 3º períodoArte barroca 3º período
Arte barroca 3º período
Doug Caesar
 
Mapa mental arte renascentista
Mapa mental   arte renascentistaMapa mental   arte renascentista
Mapa mental arte renascentista
Jorge Alessandro
 
5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva
Luciana Estivalet
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Prova 8º Ano
Prova 8º AnoProva 8º Ano
Prova 8º Ano
Leoneide Carvalho
 
Prova de arte II bimestre
Prova de arte II bimestreProva de arte II bimestre
Prova de arte II bimestre
Mary Alvarenga
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
Maiara Giordani
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Avaliação arte musica
Avaliação arte musicaAvaliação arte musica
Avaliação arte musica
Atividades Diversas Cláudia
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
Francisco Antonio Machado Araujo
 
Exercicios artes lista_01
Exercicios artes lista_01Exercicios artes lista_01
Exercicios artes lista_01
Graça Leal
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
Casiris Crescencio
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
Marcio Duarte
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Andrea Dressler
 
Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)
graduartes
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Andrea Dressler
 
Prova 6º Ano
Prova 6º AnoProva 6º Ano
Prova 6º Ano
Leoneide Carvalho
 

Mais procurados (20)

Arte barroca 3º período
Arte barroca 3º períodoArte barroca 3º período
Arte barroca 3º período
 
Mapa mental arte renascentista
Mapa mental   arte renascentistaMapa mental   arte renascentista
Mapa mental arte renascentista
 
5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - A HISTÓRIA DAS CORES E O TEATRO.
 
Prova 8º Ano
Prova 8º AnoProva 8º Ano
Prova 8º Ano
 
Prova de arte II bimestre
Prova de arte II bimestreProva de arte II bimestre
Prova de arte II bimestre
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
 
Avaliação arte musica
Avaliação arte musicaAvaliação arte musica
Avaliação arte musica
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
 
Exercicios artes lista_01
Exercicios artes lista_01Exercicios artes lista_01
Exercicios artes lista_01
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
Arte 8 ano
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
 
Prova 6º Ano
Prova 6º AnoProva 6º Ano
Prova 6º Ano
 

Semelhante a Arte idade média 8º ano

imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)
professoramariaraquel
 
Idade Média - Gótico (aula integrada)
Idade Média - Gótico (aula integrada)Idade Média - Gótico (aula integrada)
Idade Média - Gótico (aula integrada)
Adriana Guimarães Manaro
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
Filipa Silva
 
Idade mdia-gtico-25805
Idade mdia-gtico-25805Idade mdia-gtico-25805
Idade mdia-gtico-25805
Vanda Embalagens
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
torga
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Angela Santos
 
Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1 Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1
Marcos Vinícius
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Alessandro Deretti
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
becresforte
 
Arte na idade média
Arte na idade média Arte na idade média
Arte na idade média
Meire Falco
 
Arte Românica e Gótica
Arte Românica e GóticaArte Românica e Gótica
Arte Românica e Gótica
Silmara Nogueira
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
Rafael Lucas da Silva
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
Goncaloandre95
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
Goncaloandre95
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Jadisson Vaz
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
kyzinha
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
CLEBER LUIS DAMACENO
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICAARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
LucimeireMellodosRei
 
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
Frantito
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Sofia Yuna
 

Semelhante a Arte idade média 8º ano (20)

imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)
 
Idade Média - Gótico (aula integrada)
Idade Média - Gótico (aula integrada)Idade Média - Gótico (aula integrada)
Idade Média - Gótico (aula integrada)
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
 
Idade mdia-gtico-25805
Idade mdia-gtico-25805Idade mdia-gtico-25805
Idade mdia-gtico-25805
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1 Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
Arte na idade média
Arte na idade média Arte na idade média
Arte na idade média
 
Arte Românica e Gótica
Arte Românica e GóticaArte Românica e Gótica
Arte Românica e Gótica
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
 
O romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiagoO romanico-em-portugal ruben tiago
O romanico-em-portugal ruben tiago
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICAARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
 
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 

Mais de josivaldopassos

Medidas de tendencia central continuação
Medidas de tendencia central continuaçãoMedidas de tendencia central continuação
Medidas de tendencia central continuação
josivaldopassos
 
Juros compostos1
Juros compostos1Juros compostos1
Juros compostos1
josivaldopassos
 
Aula 08 de estatística
Aula 08 de estatísticaAula 08 de estatística
Aula 08 de estatística
josivaldopassos
 
Aula 07 de estatística
Aula 07 de estatísticaAula 07 de estatística
Aula 07 de estatística
josivaldopassos
 
Aula 06 de estatística
Aula 06 de estatísticaAula 06 de estatística
Aula 06 de estatística
josivaldopassos
 
Aula 08 de estatística
Aula 08 de estatísticaAula 08 de estatística
Aula 08 de estatística
josivaldopassos
 
Aula 08 de estatística
Aula 08 de estatísticaAula 08 de estatística
Aula 08 de estatística
josivaldopassos
 
Aula 07 de estatística
Aula 07 de estatísticaAula 07 de estatística
Aula 07 de estatística
josivaldopassos
 
Aula 06 de estatística
Aula 06 de estatísticaAula 06 de estatística
Aula 06 de estatística
josivaldopassos
 
Congruências
CongruênciasCongruências
Congruências
josivaldopassos
 
Sequências
SequênciasSequências
Sequências
josivaldopassos
 
Atividades de funções modulares
Atividades de funções modularesAtividades de funções modulares
Atividades de funções modulares
josivaldopassos
 
Exercícios de geometria espacial
Exercícios de geometria espacialExercícios de geometria espacial
Exercícios de geometria espacial
josivaldopassos
 
Jogo dos palitos
Jogo dos palitosJogo dos palitos
Jogo dos palitos
josivaldopassos
 
Análise combinatória
Análise combinatóriaAnálise combinatória
Análise combinatória
josivaldopassos
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
josivaldopassos
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
josivaldopassos
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
josivaldopassos
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
josivaldopassos
 
Intervalos reais
Intervalos reaisIntervalos reais
Intervalos reais
josivaldopassos
 

Mais de josivaldopassos (20)

Medidas de tendencia central continuação
Medidas de tendencia central continuaçãoMedidas de tendencia central continuação
Medidas de tendencia central continuação
 
Juros compostos1
Juros compostos1Juros compostos1
Juros compostos1
 
Aula 08 de estatística
Aula 08 de estatísticaAula 08 de estatística
Aula 08 de estatística
 
Aula 07 de estatística
Aula 07 de estatísticaAula 07 de estatística
Aula 07 de estatística
 
Aula 06 de estatística
Aula 06 de estatísticaAula 06 de estatística
Aula 06 de estatística
 
Aula 08 de estatística
Aula 08 de estatísticaAula 08 de estatística
Aula 08 de estatística
 
Aula 08 de estatística
Aula 08 de estatísticaAula 08 de estatística
Aula 08 de estatística
 
Aula 07 de estatística
Aula 07 de estatísticaAula 07 de estatística
Aula 07 de estatística
 
Aula 06 de estatística
Aula 06 de estatísticaAula 06 de estatística
Aula 06 de estatística
 
Congruências
CongruênciasCongruências
Congruências
 
Sequências
SequênciasSequências
Sequências
 
Atividades de funções modulares
Atividades de funções modularesAtividades de funções modulares
Atividades de funções modulares
 
Exercícios de geometria espacial
Exercícios de geometria espacialExercícios de geometria espacial
Exercícios de geometria espacial
 
Jogo dos palitos
Jogo dos palitosJogo dos palitos
Jogo dos palitos
 
Análise combinatória
Análise combinatóriaAnálise combinatória
Análise combinatória
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
 
Agenda de moblização
Agenda de moblizaçãoAgenda de moblização
Agenda de moblização
 
Intervalos reais
Intervalos reaisIntervalos reais
Intervalos reais
 

Arte idade média 8º ano

  • 1. Durante a idade medieval (séculos V-XIV) a arte se caracterizou pela integração da pintura, escultura e arquitetura. Nesse período, a igreja católica exerceu forte controle sobre a produção científica e cultural concretizando uma ligação entre a produção artística com o cristianismo. Isto proporcionou a predominância dos temas religiosos nas artes plásticas, na literatura, na música, na arquitetura e no teatro. O imaginário dessa época esteve sempre voltado para o teocentrismo (Deus como centro de tudo). As artes que mais se destacaram na Idade Média foram as artes plásticas: arquitetura, pintura e escultura. Suas principais realizações foram as igrejas, podendo-se distinguir, nelas, dois estilos básicos: o românico e gótico. ESTILO ROMÂNICO Este estilo prevaleceu na Europa no período da Alta Idade Média (entre os séculos XI e XIII). Arquitetura A construção da época foi fundamentalmente religiosa, pois somente a Igreja cristã e as ordens religiosas possuíam fundos suficientes ou pelo menos a organização eficiente para arrecadá-los e financiar o erguimento de capelas, de igrejas e de mosteiros. Na arquitetura, principalmente de mosteiros e basílicas, prevaleceu o uso dos arcos de volta-perfeita e abóbadas (influências da arte romana). Os castelos seguiram um estilo voltado para o aspecto de defesa. As paredes eram grossas, quase sem reboco, e existiam poucas e pequenas janelas deixando seus interiores geralmente sombrios. Tanto as igrejas como os castelos passavam uma idéia de construções “pesadas”, voltadas para a defesa. Daí serem chamadas: fortalezas de Deus. As igrejas deveriam ser fortes e resistentes para barrarem a entrada das “forças do mal”, enquanto os castelos deveriam proteger as pessoas dos ataques inimigos durante as guerras. No final dos séculos XI e XII, na Europa, surge a arte românica cuja estrutura era semelhante às construções dos antigos romanos. As características mais significativas da arquitetura românica são: Abóbadas em substituição ao telhado das basílicas; Pilares maciços que sustentavam as paredes espessas; Aberturas raras e estreitas usadas como janelas; Torres, que aparecem no cruzamento das naves ou na fachada; e Arcos que são formados por 180 graus. A mais famosa é a Catedral de Pisa sendo o edifício mais conhecido do seu conjunto o campanário que começou a ser construído em 1.174. Trata-se da Torre de Pisa que se inclinou porque, com o passar do tempo, o terreno cedeu. Na Itália, diferente do resto da Europa, não apresenta formas pesadas, duras e primitivas.
  • 2. Pintura e escultura Numa época em que poucas pessoas sabiam ler, a Igreja recorria à pintura e à escultura para narrar histórias bíblicas ou comunicar valores religiosos aos fiéis. Não podemos estudá-las desassociadas da arquitetura. A pintura românica desenvolveu-se, sobretudo nas grandes decorações murais, através da técnica do afresco, que originalmente era uma técnica de pintar sobre a parede úmida. Mosaicos da coroação de Maria, em Santa Maria Os motivos usados pelos pintores eram de Maior - Jacopo Torriti natureza religiosa. As características essenciais da pintura românica foram à deformação e o colorismo. A deformação, na verdade, traduz os sentimentos religiosos e a interpretação mística que os artistas faziam da realidade. A figura de Cristo, por exemplo, é sempre maior do que as outras que o cercam. O colorismo realizou-se no emprego de cores chapadas, sem preocupação com meios tons ou jogos de luz e sombra, pois não havia a menor intenção de imitar a natureza. Na porta, a área mais ocupada pelas esculturas era o tímpano, nome que recebe a parede semicircular que fica logo abaixo dos arcos que arrematam o vão superior da porta. Imitação de formas rudes, curtas ou alongadas, ausência de movimentos naturais. Mosaicos são pequenas pedras coloridas que colocadas lado a lado, vão formando o desenho. Usado desde a Antiguidade, veio do Oriente a técnica bizantina que utilizava o azul e dourado, para representar o próprio céu. No Ocidente foi utilizado principalmente nas igrejas. ESTILO GÓTICO O estilo gótico predominou na Europa no período da Baixa Idade Média (final do século XIII ao XV) e floresceu nos mais diversos países europeus, em inúmeras catedrais, que até hoje causam admiração pela beleza, elegância, delicadeza e engenharia perfeita. As construções (igrejas, mosteiros, castelos e catedrais) seguiram, no geral, algumas características em comum. O formato horizontal foi substituído pelo vertical, opção que fazia com que a construção estivesse mais próxima do céu. Os detalhes e elementos decorativos também foram muitos usados. As paredes passaram a ser mais finas e de aspecto leve. As janelas apareciam em grande quantidade. As torres eram em formato de pirâmides. Os arcos de volta-quebrada e ogivas foram também recursos arquitetônicos utilizados. Características gerais do estilo gótico Verticalismo. Arco quebrado ou ogival. Abóbada de arcos cruzados. O vitral. Vitral - Saint-Chapelle de Paris Na arquitetura Ao contrário da igreja românica, solidamente plantada na terra, a catedral gótica é um movimento em direção ao céu. Tanto no exterior como no interior, todas as linhas da construção apontam para o alto. Essa atração para cima é acentuada pelo uso de arcos pontudos (arcos
  • 3. ogivais), substituindo os arcos plenos do estilo românico. As abóbadas tornam-se mais leves que as do românico. Além disso, parte do seu peso é distribuída externamente, por meio de arcobotantes, apoiados em contrafortes. Com esta solução de engenharia, foi possível reduzir a espessura das paredes e colunas, abrir numerosas janelas e elevar o teto a alturas impressionantes. As paredes são rasgadas por imensos painéis de vidro (vitrais), que inundam de luz o interior, aumentando a sensação de amplidão no espaço interno. As alturas Saint-Chapelle de Paris vertiginosas ressaltam a idéia da pequenez do homem, diante da grandeza de Deus. No exterior, as fachadas são quase sempre enquadradas por torres laterais, muito altas e arrematadas por flechas agudas. A tendência para o alto é reforçada por numerosas torrezinhas (pináculos), que terminam em flechas. Para se fazer uma idéia da aceitação do gótico, basta dizer que, só na França, entre 1170 e 1270, foram construídas mais de 400 igrejas e capelas neste estilo. Apesar do desprezo dos artistas do Renascimento, a arte gótica inventou soluções de arquitetura que só foram superadas no século XIX, com o uso do aço; e outras, só no século XX, pelo concreto armado. É ignorância ou preconceito chamar de atrasada uma sociedade capaz de realizar obras tão perfeitas. Alguns exemplos da arquitetura gótica encontram-se na França nas catedrais de Notre- Dame de Reims, Notre-Dame de Paris, de Chartres, Saint-Chapelle de Paris, na Inglaterra nas catedrais de Norwich, Lincoln e Westminster em Londres. São exemplos significativos também os palácios da Justiça e do Louvre em Paris e o palácio dos Papas, de Avinhão na França. Na Itália, os edifícios em estilo gótico são de autoria de artistas que anunciavam o Renascimento. Como a Igreja de São Francisco de Assis, a catedral de Santa Maria Del Fiore e o Palazzo Vechi, em Florença e os palácios comunais de Bolonha, Pistóia e Perúsia. Catedral de Lincoln - Lincolnshire, Inglaterra Na pintura A finalidade primordial da pintura gótica era ensinar a criação divina e, num sentido mais didático, narrar as Escrituras para o maior número de pessoas, quase sempre analfabetas. Os temas eram religiosos, tirados da tradição bizantina. Além das histórias da Bíblia, representava- se também a vida dos santos e a iconografia de Cristo, particularmente a crucificação, capítulo central da teologia da Idade Média. Embora as pinturas fossem freqüentemente substituídas pelos vitrais, são comuns as pinturas em painéis de madeira e sobre relevos. As figuras adquirem mais naturalidade, e o colorido é mais vivo. Os pintores do gótico elaboraram uma pintura carregada de simbolismo, a fim de tocar emocionalmente o observador. São, também, notáveis as pinturas em manuscritos (iluminuras). No final do período, surge a preocupação com a perspectiva, melhorando as proporções entre figuras próximas e afastadas. Na escultura Em geral, a escultura gótica está integrada na arquitetura. A princípio, as estátuas eram alongadas e não possuíam qualquer movimento, com um acentuado predomínio da
  • 4. verticalidade, o que praticamente as fazia desaparecer. Eram estátuas-colunas. Aos poucos, ela foi-se libertando das rígidas formas românicas e adquirindo maior expressão, primeiramente, no rosto e, depois nos movimentos. Além dessa variação no tempo, há grande diferenciação de um lugar parara outro. Na fase final da Idade Média, as figuras já apresentam uma grande naturalidade. Os escultores buscavam dar um aspecto real e humano às figuras retratadas (anjos, santos e personagens bíblicos). A separação em relação à arquitetura torna-se um fato e as esculturas começam a se destacar como obras independentes. As roupas Pilar dos Anjos, ficam mais pesadas e se multiplicam as dobras, que já não são lineares e Catedral de rígidas, mas sim onduladas, expressivas e mais naturais. Estrasburgo DANÇA E MÚSICA MEDIEVAL Durante toda a Idade Média, a música profana fez parte da corte medieval. Servia para dançar, para animar o jantar, para se ouvir. Era indispensáveis em cerimônias civis, militares, feriados e outras ocasiões festivas com danças folclóricas, e também para animar os Cruzados quando partiam para a Terra Santa ou de júbilo, quando regressavam das suas campanhas. Os jograis pertenciam à outra classe de músicos. Eles recitavam, cantavam, tocavam, dançavam, faziam acrobacias e exibiam as habilidades de animais domesticados. Iam de terra em terra e, com as suas diversões, entretinham a nobreza e os ajuntamentos de pessoas nas praças públicas. Eram vistos como vagabundos e viviam à margem da sociedade, mas eram muito populares por trazerem as novidades e as notícias de outras terras. A dança de roda é seguramente o tipo coreográfico mais difundido na Europa e em todo o mundo. A sua simplicidade contribuiu decerto para isso: os dançadores formam uma roda, intercalando os do sexo masculino com os do feminino. Na fórmula mais difundida, dão as mãos uns aos outros, virados para o centro do círculo, evoluindo a roda no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. De vez em quando, nas ocasiões em que a música o sugere, param e batem palmas, para de seguida retomarem o movimento circular. Além da simplicidade, autores há que atribuem a sua divulgação ao valor mágico do círculo e da evolução em círculo. Seja como for, a roda é a mais primitiva forma de dança coletiva. O seu tipo medieval mais conhecido é a carole, que era seguramente cantada pelos dançadores, primeiro por um solista, a que respondiam depois todos os outros. No século XIV aparece entre os nobres, o Momo, um gênero de dança que serviu como base do futuro ballet-teatro. Era uma espécie de Carolas onde os participantes dançavam mascarados e disfarçados. Nos bailes de Momos dançava-se a Mourisca, uma dança importada dos árabes, em ritmo binário, marcada por batidas dos pés ou, em caso de cansaço, dos calcanhares. O movimento da coreografia era o seguinte: bate-se o calcanhar direito (no chão) / bate-se o calcanhar esquerdo / bate-se os dois calcanhares (um no outro) / suspiro. Na verdade, as partituras indicam uma pausa no momento do suspiro. O momo tornou-se uma dança espetáculo quando começou a ser dançado como atração entre os pratos de um banquete. Já no final do século XV o momo estava estabelecido com firmeza nas cortes de príncipes. Apresentava, então diversos elementos dos ballets de corte (antecessores dos ballets
  • 5. de repertório), como dançarinos, cantores, músicos, carros, efeitos de maquinaria; mas faltava- lhes a "alma" do espetáculo: uma ação dramática coordenada e a diversidade das danças, pois apenas dançavam a Carola e a Mourisca. No final da Idade Média a dança e a música tornaram-se parte de todos os acontecimentos festivos. VESTUÁRIO MEDIEVAL As roupas e os sapatos da época eram bastante volumosos e escondiam quase inteiramente o corpo, especialmente o da mulher. As mais jovens até chegavam a revelar o colo, mas a Igreja sempre desaprovou os decotes. Pode-se dizer também que já existia moda, naquele tempo, com a introdução de novidades na forma de vestidos, chapéus, sapatos, jóias, etc. Vestuário básico das mulheres incluía roupa de baixo, saia ou vestido longo, avental e mantos, além de chapéus com formas as mais variadas (imitando a agulha de uma torre, borboletas, toucas com longas tiras) e exagerados (em alguns locais foi preciso alterar a entrada das casas para que as damas e seus chapéus pudessem passar). Na época, cabelos presos identificavam a mulher casada, enquanto as solteiras usavam cabelos soltos. As cores mais usadas pelas mulheres eram o azul real, o bordô e o verde escuro. As mangas e as saias dos vestidos eram bufantes e compridas. As mais ricas usavam acessórios, como leques e jóias. Para os homens, o vestuário se compunha de meias longas, até a cintura, culotes, gibão (uma espécie de jaqueta curta), chapéus de diversos tamanhos e sapatos de pontas longas. Os tecidos variavam de acordo com a condição social dos cavaleiros, o clima, a ocasião e local e, nos dias de festa, por exemplo, usavam ricas vestimentas, confeccionadas com tecidos orientais, sedas, lã penteada e veludo. E festa é o que não faltava, o ano inteiro, nas feiras e nas datas religiosas e profanas da Europa Medieval. Tanto nos castelos quanto nas vilas, aldeias e cidades, em tempos de fartura, tudo era motivo para comer, beber e dançar, com fantasias, máscaras, procissões, muita alegria e até certos excessos. Os camponeses, apesar do sofrimento e a da penúria, gostavam de festas, danças e músicas. Várias danças folclóricas européias originam-se de festas e danças populares medievais. Algumas das fontes de pesquisas: http://www.sohistoria.com.br/ef2/medieval/p6.php http://idademedia.wetpaint.com http://www.centroartisticodedanca.com http://artenaidademedia.blogspot.com/2010/06/arte-medieval-e-suas-caracteristicas http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_da_Idade_M%C3%A9dia