SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
MÓDULO 2
3. VALORES, VIVÊNCIAS E QUOTIDIANOS
Níveis de desempenho
• Compreender as atitudes e quadros mentais da sociedade dos séc. XIV/XVI.

• Desenvolver a sensibilidade estética através da apreciação e identificação de
  obras artísticas do período medieval.

• Valorizar formas de organização coletiva da vida em sociedade.

• Analisar o papel da cidade no florescimento económico e cultural do Ocidente.

• Relacionar a organização do espaço urbano com as instituições e funções
  citadinas.

• Demonstrar a importância das ordens mendicantes na renovação religiosa e
  cultural do mundo urbano.
A EXPERIÊNCIA
   URBANA
 A IDADE MÉDIA EM PORTUGAL
A experiência urbana




                       Do românico
                       ao gótico
O Românico: enquadramento histórico

• A partir do início do séc. XI, a Europa cobriu-se de Igrejas.

• Nos lugares de peregrinação e ao longo das suas rotas, em cidades ou aldeias,
  edificaram-se enormes construções de pedra.

• Além das influências bizantinas ou muçulmanas, estas construções são
  claramente inspiradas na tradição das grandes construções romanas: o granito
  aparelhado, os arcos redondos, as abóbadas e os grandes volumes.

• Por isso a sua designação de Arte Românica. Esta arte é característica
  fundamentalmente da Arquitetura, uma vez que a escultura e a pintura lhe
  estão subordinadas.
• As igrejas românicas são o reflexo da época em que foram construídas:

  • a fragmentação política contribuiu para a diversidade do estilo que, apesar
     da sua unidade, apresenta variações regionais;

  • o clima de guerras fez com que a igreja se tornasse um lugar de defesa: as
     construções românicas são autênticas fortalezas de grossas paredes e
     janelas em forma de seteiras;

  • a obscuridade interior do templo adequava-se ao ideal de espiritualidade
     medieval;

  • o analfabetismo das populações era compensado com a abundante
     ornamentação didática e simbólica nas fachadas e no interior da igreja: a
     Bíblia estava “explicada” nas figuras de pedra.
Elementos construtivos/ características

• Apesar da forte influência romana, este
  estilo adota soluções arquitetónicas e
  elementos decorativos próprios como
  sendo:

  • os edifícios em cruz latina (com uma ou
     mais naves, cortadas por um transepto);

  • coberturas em abóbodas de berço pleno ou
     quebrado;

  • paredes grossas e uso de contrafortes
     exteriores;
• Uso de tímpanos, arquivoltas, colunelos e capitéis decorados com motivos
figurados ou geométricos)…

                                                 • Decoração muito simples:
• Uso dos arcos redondos
                                                     -     algumas   rosáceas,
na separação das naves e
                                                     frescos a decorar as
na abertura dos claustros
                                                     paredes e abóbadas e
para o pátio;
                                                     algumas esculturas;
•       Utilização           de
                                                 •    Os      materiais    de
contrafortes externos (para
                                                 construção utilizados eram
sustentar o peso dos tetos
                                                 os que cada região possuía,
e paredes);
                                                 o que contribuiu para a
•   Janelas     estreitas,   em
                                                 diversidade do estilo.
forma de seteira.
Em Portugal

• Das campanhas a Sul vinham as riquezas dos saques, que financiavam as
  construções, não faltando pedreiros nem mão-de-obra.

• Os primeiros mestres arquitetos vieram de outras regiões da Europa. A arte
  portuguesa não podia, assim, deixar de se inspirar nos modelos europeus.

• Apesar disso, são claros os traços de individualidade:

   • O Românico português é sóbrio e severo.

   Os monumentos mais originais são as pequenas

   igrejas rurais que se espalham pelo Norte do país

   como S. Pedro de Rates ou S. Cristóvão de Rio Mau.
• Modestas, as igrejas românicas portuguesas
                             destacam-se pelas suas formas simples e
                             equilíbrio de proporções.

                           • No Sul, onde são mais raras, denotam bem
                             a influência moçárabe.




• A escultura românica é pouco variada: além
dos motivos geométricos e florais, destacam-se
alguns capiteis figurados e tímpanos com
imagens singelas.
O Gótico: enquadramento histórico
• Contrastando com a fase negra que se vivera na Europa românica, a arte gótica
  desenvolve-se num período de reabertura das rotas comerciais e de triunfo do
  movimento das cruzadas.

• A produção agrícola melhora, a mortalidade diminui
  e, consequentemente, a população aumenta. Há uma
  grande estabilidade climática, associada à paz em
  geral, uma vez que fora retirado o cerco à Europa. As
  cidades ressurgem e com elas a Burguesia afirma o
  seu poder. As igrejas tornam-se espaços alegres, onde
  a população se reúne para conviver.
• A partir da segunda metade do séc. XII, as grandes cidades da Europa
  começam a erguer imponentes catedrais.

• Cada cidade procurava construir o monumento mais belo e majestoso que o
  da cidade sua rival.

• Designada assim pelos homens do Renascimento, que a consideravam uma
  arte menor, própria de Godos, de bárbaros. Todavia, em poucas épocas se terá
  atingido tal beleza e perfeição na arte como durante este período.

• O desejo de embelezar os templos levou os arquitetos a procurarem soluções
  que resolvessem os dois grandes problemas da arte românica: o peso das
  abóbadas e a fraca iluminação interior.


                                                                       Pág. 119
Elementos construtivos/ características
• Em Paris descobre-se então a abóbada sobre cruzamento de ogivas e o
  arcobotante.

• A primeira era fundamental, pois agora o peso já não incidia sobre as paredes,
  mas sim sobre os quatro pilares em que se apoiam os arcos.

• Os arcobotantes, por seu turno, consolidam a resistência dos pilares, uma vez
  que são levantados no exterior. São formados pelos arcos
   e pelo estribo (espécie de contraforte).
• Estas suas inovações permitiram elevar as construções
  e rasgar amplas aberturas, sem risco de desmoronamento.


   Pág. 120
• O aspeto exterior e interior dos templos
    altera-se significativamente. Os arcos em
    ogiva substituem os arcos de volta perfeita,
    contribuindo para o acentuar das linhas
    verticais.
• Totalmente revestidos por janelas, os
    edifícios inundam-se de uma luminosidade
    no interior, que parece elevar os fiéis para
    Deus.
• As igrejas têm agora paredes mais finas;
•    As igrejas são construções em altura e
    realizadas em cruz latina, por vezes com
    cinco naves e capelas radiantes.
                                                   Pág. 121
A catedral

• Agora, a construção por excelência
  já não é a Sé, típica do Românico.
  São igrejas magníficas e grandiosas:
  as catedrais:
  • Paredes rasgadas em janelas e
      rosáceas decoradas com vitrais;
  •     Verticalidade   das    linhas      a
      terminar num pináculo;
  •    Mantém-se os contrafortes das
      construções românicas.


                                Pág. 121
A escultura

• As construções góticas possuem uma grande riqueza decorativa. Tanto por
  dentro como por fora, uma verdadeira renda em pedra ornamenta os arcos, as
  molduras das janelas e portais…

• Os edifícios góticos enriquecem-se ainda com altos-relevos e estátuas de
  figuras bíblicas. O uso de vitrais nas janelas e nas enormes rosáceas das
  fachadas filtram a luz, que penetra colorida no interior do templo.

• A escultura e a pintura começam-se a desligar da arquitetura, surgindo os
  primeiros grandes pintores como Giotto. A arte da iluminura atinge uma
  grande perfeição.

                                                                        Pág. 124
Em Portugal

• A Portugal chega muito tardiamente (séc. XIII). O gótico aparece no Sul
  ligado à arquitetura monástica. No séc. XIV o novo estilo foi-se generalizando,
  embora os primeiros grandes monumentos do gótico português (O Convento
  do Carmo e o Mosteiro da Batalha) só tenham sido construídos nos começos
  do séc. XV.

• O estilo gótico expandiu-se no nosso país em resultado das encomendas feitas
  pela Igreja, reis e senhores. À semelhança do que aconteceu nos outros países,
  podemos distinguir entre nós diversas etapas do gótico: o cisterciense (de que
  é testemunho o Mosteiro de Alcobaça), o mendicante (como o das igrejas de
  S. Francisco de Santarém e de Estremoz) e o gótico clássico (de que é exemplo
  o Mosteiro da Batalha).
• A partir de inícios do século XV, os tempos de paz que se viviam em Portugal
  permitiram a construção de grandes e belos edifícios, como as sés de Vila Real,
  Guarda e Silves, os castelos de Vila da Feira e de Porto de Mós, o solar dos
  Condes de Barcelos e o Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães.




• A escultura gótica utilizou, tal como a românica, os colunelos, os capitéis e os
  tímpanos dos portais das igrejas. A figura humana adquire então mais
  perfeição, tornando-se mais próxima da realidade; de igual modo, os temas
  vegetais são representados com maior naturalidade.
• Os testemunhos mais interessantes da estatuária gótica nacional encontram-
  se na escultura tumular: os túmulos de D. Pedro e D. Inês de Castro (em
  Alcobaça) e o de D. João I e D. Filipa de Lencastre (na Batalha).

• Para além da arquitetura e da escultura, a arte gótica portuguesa está também
  representada na pintura, na tapeçaria (realce para as tapeçarias de Pastrana
  que comemoram a tomada de Arzila por D. Afonso V), na ourivesaria (cálices,
  cofres, relicários) e na iluminura.
Em resumo:
      Românico                                Gótico

• Predominantemente rural,                    • Predominantemente urbano,

• Planta de três naves,                       • Planta de três naves, com a central mais

• Trifório nas laterais, transepto, abside,     elevada,

  deambulatório e absidíolos,                 • Trifório nas laterais, transepto, abside,

• Aspeto forte e atarracado,                    deambulatório e absidíolos,

• Uso moderado de vitrais,                    • Grande uso de vitrais,

• Arcos de volta perfeita e abóbada de        • Arcos em ogiva apoiados em colunas,

  berço,                                      • Torres altas (verticalidade),

• Torres e contrafortes grossos,              • Estatuária liberta de simbolismo e

• Estatuária pesada e monolítica,               rigidez,

• Poucas entradas de luz,                     • Grandiosas entradas de luz,

• Decoração didática e simbólica.             • Decoração simbólica e que reflete o

                                                quotidiano.
A experiência urbana




                       Mutações na
                       expressão da
                       religiosidade
Novas solidariedades

• No século XIII, a cidade é um lugar de prosperidade.
• Atraídos pelo sonho de riqueza, muitos camponeses abandonam o campo e
  instalam-se nos arrabaldes das cidades.
• Porém, muitos experimentam a miséria, ampliada pelo sentimento de solidão,
  por falta das redes tradicionais de apoio (família, vizinhos, paróquia).
• Surgem novas estruturas de apoio e redes de solidariedade: as ordens
  mendicantes e as confrarias.
• As ordens mendicantes eram movimentos de renovação surgidos dentro da
  Igreja Católica, enquanto que as confrarias eram associações de entreajuda
  que agrupavam os homens por ofícios assegurando-lhes apoio financeiro e
  moral em todas as dificuldades.
O Clero Regular
• No século VI, S. Bento de Núrcia elabora, no Mosteiro de Monte Cassino, na
  Campânia (Itália), a regra - regula - que os mosteiros viriam a adotar.
• Esta regra recomenda que os monges permaneçam num mesmo lugar, façam
  voto de pobreza e de castidade, prestem obediência ao abade, pratiquem a
  hospitalidade e a caridade para com os pobres, trabalhem manualmente de
  forma a garantir a sua subsistência, rezem e, mais importante do que tudo, se
  dediquem ao estudo e ao ensino.
• Os mosteiros beneditinos tornam-se assim centros culturais que vão
  desempenhar um papel decisivo na história da civilização ocidental. Fechados
  no seu scriptorium (a oficina de escrita e iluminura) e nas suas bibliotecas, os
  monges copistas, contribuíram de forma decisiva para salvar do esquecimento
  as obras literárias da Antiguidade.
Ordens Mendicantes
                                • As Ordens Mendicantes representam um
                                  retorno aos ideais de caridade da Igreja
                                  Católica, esquecidos pelo faustoso clero
                                  medieval e remontam ao século XII, período
                                  de grande agitação social e espiritual.

• Tinham como imposição a pobreza individual comum.
• Era-lhes permitido o direito de mendigar nos locais públicos, daí o seu nome.
• Responsáveis ainda por atividades caritativas e pastorais, dedicavam-se à
  pregação itinerante, nos meios urbanos preferencialmente.
• Estas Ordens eram fortemente hierarquizadas e desde sempre gozaram do
  privilégio da isenção, pelo qual o papa libertava uma comunidade religiosa da
  jurisdição do bispo diocesano, colocando-as sob a alçada do Vaticano.
                                                                        Pág. 127/129
Dominicanos
• Ordem criada por Domingos de Gusmão, (Espanha, séculos XII-XIII)
    aproxima-se de S. Francisco nos ideais de pobreza e caridade que renovaram a
    Igreja Cristã.
• S. Domingos fundou uma ordem religiosa confirmada pelo Papa Inocêncio III.
• Os dominicanos eram também chamados “frades
    pregadores” pela importância que atribuíam à
    pregação, estritamente ligada, por seu turno, ao
    estudo da Teologia.
•    Lutavam contra a heresia e procuravam expandir
    o evangelho.
•    Instalaram-se nas cidades onde fundaram grandes
    colégios e se dedicaram ao ensino.
• Ordem criada por Francisco de Assis (Itália, séculos      Franciscanos
  XII-XIII).
• Este tornou-se um exemplo de humildade e um
  santo da igreja católica ao renegar o seu passado de
  luxo, passando a viver entre os mendigos e os
  leprosos.
• Fundou       a   ordem   dos   frades   menores     que
  mendigavam ou trabalhavam para comer.
• Apesar de a sua atitude contrastar radicalmente com
  o clero da época, nunca se demarcou da hierarquia
• católica, pelo instalaram-se rapidamente em Portugal, nomeadamente nos
  Os franciscanos que se distingue das heresias
  medievais. de Alenquer, Lisboa, Coimbra e Leiria.
  conventos
Confrarias e associações

           •    Confrarias eram associações de socorros
               mútuos de carácter religioso, organizadas
               sob um santo protector. Dedicavam-se à
               caridade como meio de reduzir a pobreza
               urbana. Cada confraria tinha os seus
               estatutos, que os membros eram obrigavam
               a cumprir. Existiam ainda as Irmandades,
               que eram associações religiosas de leigos,
               que se reuniam para promover o culto a um
               santo    normalmente       se    encontravam
               associadas às confrarias religiosas.
Pág. 129
•    Associação de cariz socioprofissional que       Corporações
    reunia, nas cidade, os trabalhadores de um
    mesmo ofício ou mester.
• São marcadas pela hierarquia (mestres,
    oficiais e aprendizes).
• Mais conhecidas por artes ou guildas ou, em
    Portugal,    mesteirais,   as      corporações
    possuíam      estatutos        próprios   que
    regulamentavam os preços, os salários e a
    qualidade da produção.
• Geralmente, a cada corporação associava-se
    uma    confraria   religiosa    que   prestava
    assistência aos seus membros.
Centros de sociabilidade


• O bairro, as ruas, em que os vizinhos se conheciam e auxiliavam.
• A igreja: dominou o ensino e contribuiu para a mudança de comportamentos
  com a instituição das suas festividades e procissões.
• A taberna, o albergue, a estalagem…
• As cortes dos nobres (espaço fechado e particular).
• As salas de reunião burguesas e de acordo com a atividade exercida.
• A praça pública, lugar da cultura popular, onde se realizavam as festas, as
  feiras, os teatros…
A experiência urbana




                       As
                       universidades
As primeiras escolas

• No quadro da cidade romana, cada comunidade cristã organiza-se tendo à sua
    cabeça um bispo eleito pelos fiéis. Foi nestas cidades que surgiram as Escolas
    Paroquiais.
• As primeiras remontam ao século II. Limitavam-se à formação de sacerdotes,
    sendo o ensino fornecido por qualquer padre encarregado de uma paróquia,
    que recebia em sua própria casa os jovens alunos.
•   À medida que a nova religião se desenvolve, passa-se das casas privadas às
    primeiras igrejas.
• O ensino reduz-se aos salmos, às lições das Escrituras, seguindo uma
    educação estritamente cristã.

                                                                           Pág. 131
Escolas Monásticas
• É nos mosteiros espalhados pela Europa, longe do rebuliço das novas cidades
  emergentes na Europa, que surgem as Escolas Monásticas, em regime de
  internato e, inicialmente, para a formação de futuros monges.
• Mais tarde abrem-se as escolas externas com o propósito da formação de
  leigos cultos.
• O programa de ensino, de início, muito elementar: aprender a ler, escrever,
  conhecer a bíblia (se possível de cor), canto e um pouco de aritmética.
• Com o tempo, vai-se enriquecendo de forma
  a incluir o ensino do latim, gramática, retórica e
  dialéctica.
Escolas Urbanas
                                • Nas cidades, começam a surgir escolas que
                                  funcionam numa dependência da habitação
                                  do bispo.
                                • Estas visavam, em especial, a formação do
                                  clero secular e também de leigos instruídos
                                  que eram preparados para defender a
                                  doutrina da Igreja na vida civil.

• As Escolas Catedrais (escolas urbanas), saídas das antigas escolas episcopais,
  tornaram-se mais prestigiadas que as escolas dos mosteiros.
• Instituídas no século XI por determinação do Concilio de Roma (1079), passam,
  a partir do século XII (Concilio de Latrão, 1179), a ser mantidas através da
  criação de benefícios para a remuneração dos mestres.                Pág. 132
Estudos Gerais

                 • Provavelmente, a primeira universidade europeia terá
                   surgido na cidade italiana de Salerno, cujo centro de
                   estudos remonta ao século XI.

• Além desta, antes de 1250, formaram-se no Ocidente a primeira geração de
universidades medievais. São habitualmente chamadas espontâneas porque
nascem do desenvolvimento de escolas preexistentes.
• Originalmente, estas instituições eram chamadas de studium generale,
(Estudos gerais) juntando mestres e discípulos dedicados ao ensino superior.
Porém, com a agitação cultural e urbana da Baixa Idade Média, logo se passou a
fazer referência ao estudo universal do saber, ao conjunto das ciências, sendo o
nome studium generale substituído por universitas.
                                                                         Pág. 133
Universidades
• As   universidades eram estabelecimentos do
  ensino   superior    que      agregavam       várias
  faculdades e que se organizavam numa
  estrutura mais rígida e complexa.
• Ao   longo   dos    séculos   XIII    e     XIV,   as
  universidades   expandiram-se        pela    Europa
  Ocidental, especializando-se em diferentes
  saberes: Teologia, Direito, Medicina.
• As universidades de Bolonha e de Paris estão
  entre as mais antigas. Outros exemplos são a
  Universidade de Oxford e a de Montpellier.
• Mais tarde, é a vez da constituição de universidades por iniciativa papal ou
  real. Exemplo desta última é a Universidade de Coimbra, fundada em 1290.
• No século XIII, a universidade é o centro de formação dos quadros do
  funcionalismo público, necessários à centralização do poder pelos monarcas.




                                                                       Pág. 134
• As universidades foram responsáveis pela transformação das cidades em ativos
  focos de inovação: estudantes de toda a parte deslocavam-se às cidades
  universitárias no intuito de aprender a gramática, a oratória, a matemática...
  Em consequência da presença da universidades, a cidade tornou-se o local por
  excelência da liberdade de ação, pois os estatutos das universidades protegiam
  os seus alunos, concedendo-lhes alguma autonomia nos regulamentos e
  defendendo-os, por exemplo, da prisão por dívidas.
A CULTURA
LEIGA E PROFANA NAS CORTES RÉGIAS E SENHORIAIS
A CULTURA




            A CAVALARIA
A cultura medieval

             Na Idade Média, a cultura era transmitida por todos os veículos
  disponíveis, resultando em aspetos diferentes, se estivéssemos junto a uma
  cidade, na corte real ou mesmo numa universidade. Subdividia-se assim em
  cultura:


• MONÁSTICA: Os principais centros de cultura eram os Mosteiros, onde se
  aprendia o latim e o ensino estava voltado para a vida religiosa. Em algumas
  cidades surgiram associações de estudantes e professores que procuravam um
  ensino mais laico: surgiram as Universidades ou Estudos Gerais (em Portugal
  criada em 1290, com D. Dinis). Após frequentarem a Faculdade das Artes, os
  alunos optavam por uma das especializadas, como Direito ou Medicina.
A cultura medieval
• POPULAR: Conhecimentos transmitidos oralmente nos locais de convívio
  como as feiras. Era, no fundo, a tradição oral. Acabou por ser fortemente
  influenciada pela Igreja e pelas novas Ordens Mendicantes, tais como os
  Franciscanos e os Dominicanos (que acabaram mesmo por controlar a
  Inquisição).


• CORTESÃ: Cultura típica da corte, promovida pelos reis
  e animadas por jograis e trovadores que compunham e
  cantavam as cantigas de amor, de amigo, de gesta e de
  escárnio e maldizer.
O ideal de cavalaria
•   Enquanto nas cidades proliferavam as escolas catedrais e as universidades e
    nos conventos nasciam as livrarias (bibliotecas), nas cortes do rei e dos
    grandes senhores a cultura erudita (acessível apenas aos estratos dominantes
    da sociedade) desenvolveu-se sob o espírito cavalheiresco, segundo o qual o
    cavaleiro, sempre de estirpe nobre, almejava tornar-se perfeito.
• O cavaleiro ideal devia ter as seguintes qualidades:
          -a honra;
          -a coragem;
          -a lealdade;
          -a virtude;
          -a piedade;
          -o ideal de cuzada.                                            Pág. 136
A educação cavaleiresca

•   A formação de um cavaleiro era intensa e longa, estendendo-se por cerca de
    catorze anos.
•   Este processo iniciava-se com a saída de casa materna e alojamento no paço
    de um grande senhor nobre. Aí, o rapaz passava por várias etapas, servindo,
    sucessivamente, como pajem, durante sete anos, e escudeiro, durante sete
    anos.
•   O seu treino incluía a aprendizagem da equitação, a prática de desporto e o
    domínio de armas: estas três aptidões eram postas à prova na caça, nos
    torneios e nas justas.
•   Finalmente, numa cerimónia complexa de contornos religiosos, o escudeiro
    era armado, cavaleiro de uma Ordem de Cavalaria, recebendo as esporas e a
    espada.
•    Tal como existia um ideal de cavalaria,
    também as relações entre nobres e damas,              O amor cortês
    nas cortes, obedeciam a um ideal de amor,
    pautado        pelo   refinamento      e    pela
    espiritualidade.
•     Era     um    código   de   comportamento
    amoroso         em    que     os     cavaleiros
    demonstravam que o valor pessoal não se
    fundamentava apenas no sangue ou nas
    proezas    militares,       mas     podia    ser
    identificado no comportamento social: a

• cortesia.
   Para conquistar a sua amada, o cavaleiro nobre deveria ser virtuoso, paciente,
    elegante no vestir, bem-humorado, respeitoso perante as mulheres, enquanto a
    dama, bela e púdica, deveria alimentar o seu amor com gestos comedidos.
A literatura
•    Na literatura, o ideal de cavalaria eram os
    Romances e o ideal do amor cortês: a poesia
    trovadoresca.
•    Os senhores feudais contratavam recitadores,
    cantores e músicos para divertir a corte.
•    As cantigas eram compostas, quase sempre, por
    nobres que se denominavam trovadores, porque
    praticavam a arte de trovar.
•    O trovador deveria expressar seus elogios a uma
    mulher da nobreza, demonstrando subordinação às
    damas da corte, que deveriam ser tratadas com
    cortesia.                                                 Pág. 140
Cantiga de amor
                                 •   As cantigas de amor desenvolviam o tema
                                     do sofrimento pelo amor não correspondido
                                     e eram divulgados de forma oral.
                                 •    Neste tipo de cantiga, o trovador destaca
                                     todas as qualidades da mulher amada,
                                     colocando-se numa posição inferior (de
                                     vassalo) a ela.
                                 •    O tema mais comum é o amor não
                                     correspondido.

•    As cantigas de amor reproduzem o sistema hierárquico na época do
    feudalismo, pois o trovador espera receber um benefício em troca de seus
    “serviços” (as trovas, o amor dispensado, sofrimento pelo amor não
    correspondido).
Atividades:
1. Depois de escutares as duas canções, como sabes qual delas é atual?
2. Reconhecem-se facilmente os sentimentos expressos para com a/o
mulher/homem amada/o?
3. Que relação podemos estabelecer entre a cantiga atual e a cantiga de amor da
Idade Média?
Cantiga de amigo
• Este tipo de cantiga teve as suas origens na Península Ibérica.
• Nela, o eu-lírico é uma mulher, mas o autor era masculino, devido à sociedade
  feudal e o restrito acesso ao conhecimento da época.
• A mulher canta o seu amor pelo amigo (amigo =
  namorado), muitas vezes em ambiente natural, e
  muitas vezes, também em diálogo com a sua mãe ou
  as suas amigas.
• O sujeito poético é, não apenas mulher, mas a
  donzela, isto é, uma rapariga solteira, pertencente aos
  estratos médios do povo.
• O poeta serve-se assim deste artifício para exprimir os seus sentimentos pela
  boca da rapariga.
Cantiga de escárnio e maldizer

                         • Tipo de poesia satírica. Nas cantigas de escárnio
                            a crítica é feita de forma encoberta, sem que o
                            objecto de crítica seja claramente identificado.
                            Nas cantigas de maldizer a vítima da crítica é
                            claramente identificada.



• Estes poemas satíricos têm um grande valor documental, visto que nos
  revelam qual a reacção das pessoas face a determinados acontecimentos e
  situações.
• Estas cantigas permitem perceber melhor a sociedade da época e aceder a
  informações que outros documentos, mais impessoais, não revelam.
Cantiga de escárnio e maldizer
• Na cantiga de escárnio, o eu-lírico faz uma sátira a alguma pessoa.
• Essa sátira era indirecta, cheia de duplos sentidos. As cantigas de escárnio (ou
  "de escarnho", na grafia da época) definem-se como feitas pelos trovadores
  para dizer mal de alguém, por meio de ambiguidades, trocadilhos e jogos
  semânticos, num processo que os trovadores chamavam "equívoco", por vezes,
  bastante mordaz.
• Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de
  maldizer traz uma sátira directa e sem duplos
  sentidos. É comum a agressão verbal à pessoa
  satirizada, e muitas vezes, são utilizados até
  palavrões. O nome da pessoa satirizada pode ou não
  ser revelado.
O culto da memória

• As famílias nobres relembravam e evocavam mortos e antepassados das suas
    ascendências para trazer ao presente os feitos valorosos das suas linhagens.
• Contudo, não bastava a oralidade e o registo em túmulos para não se
    perderem as lembranças. Os senhores fizeram, então, escrever as suas
    memórias.
•    Nasceu, portanto, uma literatura genealógica que se difundiu largamente
    entre a nobreza europeia dos séculos XIII e XIV.
• Em Portugal, este género literário foi muito cultivado, dando origem aos livros
    de linhagem ou nobiliários. A mais interessante das obras deste género é o 3º
    Livro das Linhagens, de D. Pedro, mistura de lendas e narrativas fantásticas
    com personagens reais, fortemente impregnado do espírito da cavalaria.
                                                                            Pág. 143
A CULTURA




            A DIFUSÃO DO
            GOSTO E DA
            PRÁTICA DAS
            VIAGENS
Viagens de negócios
• O renascimento do gosto pelas viagens dá-se nos séc. XIII e XIV quando, sob
  o impulso do comércio, as velhas barreiras geográficas começaram a ceder.
• O desenvolvimento do grande comércio criou laços entre os mercadores e os
  governantes.
• Muitas viagens aliaram-se ao negócio e missões político-diplomáticas e muitos
  comerciantes começaram a desempenhar o papel de embaixadores das cortes
  da Europa.
                            • Os viajantes europeus nesta época eram,
                               fundamentalmente,       os     mercadores,        os
                               diplomatas, os missionários e pessoas sem terra
                               e sem raízes.
                            • As expedições dos mercadores colocam em
                               contato as várias regiões e culturas europeias.
Romarias e Peregrinações

  •   As romarias e as peregrinações
      constituem expressões típicas
      da religiosidade medieval.
  •      As    peregrinações       eram
      percursos de longa distância a
      locais sagrados do cristianismo,
      em especial Jerusalém, Roma e
      Santiago de Compostela.
  •   Tinham objetivos religiosos de
      purificar a alma ou cumprir
      promessas.
                                Pág. 147
Romarias e Peregrinações
• As romarias eram celebrações em honra a um santo, numa época fixa do ano.
• Implicavam deslocações de curta duração (um ou vários dias).
•    As romarias tinham também objetivos religiosos de purificar a alma ou
    cumprir promessas.
•   A componente não-religiosa expressava-se, nomeadamente, em festas, com
    cantos e bailados tradicionais.

• À chegada ao local, os romeiros
    pagavam      as    suas        promessas,
    participavam       nas         cerimónias
    religiosas e nas procissões.


                                                                     Pág. 148

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
berenvaz
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
Carlos Vieira
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriaisCultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Escola Luis de Freitas Branco
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 

Mais procurados (20)

Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriaisCultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Estilo românico e gótico
Estilo românico e góticoEstilo românico e gótico
Estilo românico e gótico
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 

Destaque (7)

Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Cultura medieval filé
Cultura medieval filéCultura medieval filé
Cultura medieval filé
 
A cultura medieval – capítulo 14
A cultura medieval – capítulo 14A cultura medieval – capítulo 14
A cultura medieval – capítulo 14
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 

Semelhante a Cultura medieval

Arte idade média 8º ano
Arte  idade média 8º anoArte  idade média 8º ano
Arte idade média 8º ano
josivaldopassos
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
Filipa Silva
 
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
Frantito
 

Semelhante a Cultura medieval (20)

A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
 
A cultura do salão arte rococó
A cultura do salão   arte rococóA cultura do salão   arte rococó
A cultura do salão arte rococó
 
A arte gótica I
A arte gótica IA arte gótica I
A arte gótica I
 
Arte idade média 8º ano
Arte  idade média 8º anoArte  idade média 8º ano
Arte idade média 8º ano
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
 
A arte românica hgp - 7ºb
A arte românica   hgp - 7ºbA arte românica   hgp - 7ºb
A arte românica hgp - 7ºb
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Arte gótica 2014
Arte gótica 2014Arte gótica 2014
Arte gótica 2014
 
Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1 Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
Sant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della ValleSant'Andrea Della Valle
Sant'Andrea Della Valle
 
Idade mdia-gtico-25805
Idade mdia-gtico-25805Idade mdia-gtico-25805
Idade mdia-gtico-25805
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
 
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\arte românica (1000 ...
 
Catedral de Chartres
Catedral de ChartresCatedral de Chartres
Catedral de Chartres
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Cultura medieval

  • 1. MÓDULO 2 3. VALORES, VIVÊNCIAS E QUOTIDIANOS
  • 2. Níveis de desempenho • Compreender as atitudes e quadros mentais da sociedade dos séc. XIV/XVI. • Desenvolver a sensibilidade estética através da apreciação e identificação de obras artísticas do período medieval. • Valorizar formas de organização coletiva da vida em sociedade. • Analisar o papel da cidade no florescimento económico e cultural do Ocidente. • Relacionar a organização do espaço urbano com as instituições e funções citadinas. • Demonstrar a importância das ordens mendicantes na renovação religiosa e cultural do mundo urbano.
  • 3. A EXPERIÊNCIA URBANA A IDADE MÉDIA EM PORTUGAL
  • 4. A experiência urbana Do românico ao gótico
  • 5. O Românico: enquadramento histórico • A partir do início do séc. XI, a Europa cobriu-se de Igrejas. • Nos lugares de peregrinação e ao longo das suas rotas, em cidades ou aldeias, edificaram-se enormes construções de pedra. • Além das influências bizantinas ou muçulmanas, estas construções são claramente inspiradas na tradição das grandes construções romanas: o granito aparelhado, os arcos redondos, as abóbadas e os grandes volumes. • Por isso a sua designação de Arte Românica. Esta arte é característica fundamentalmente da Arquitetura, uma vez que a escultura e a pintura lhe estão subordinadas.
  • 6. • As igrejas românicas são o reflexo da época em que foram construídas: • a fragmentação política contribuiu para a diversidade do estilo que, apesar da sua unidade, apresenta variações regionais; • o clima de guerras fez com que a igreja se tornasse um lugar de defesa: as construções românicas são autênticas fortalezas de grossas paredes e janelas em forma de seteiras; • a obscuridade interior do templo adequava-se ao ideal de espiritualidade medieval; • o analfabetismo das populações era compensado com a abundante ornamentação didática e simbólica nas fachadas e no interior da igreja: a Bíblia estava “explicada” nas figuras de pedra.
  • 7. Elementos construtivos/ características • Apesar da forte influência romana, este estilo adota soluções arquitetónicas e elementos decorativos próprios como sendo: • os edifícios em cruz latina (com uma ou mais naves, cortadas por um transepto); • coberturas em abóbodas de berço pleno ou quebrado; • paredes grossas e uso de contrafortes exteriores;
  • 8. • Uso de tímpanos, arquivoltas, colunelos e capitéis decorados com motivos figurados ou geométricos)… • Decoração muito simples: • Uso dos arcos redondos - algumas rosáceas, na separação das naves e frescos a decorar as na abertura dos claustros paredes e abóbadas e para o pátio; algumas esculturas; • Utilização de • Os materiais de contrafortes externos (para construção utilizados eram sustentar o peso dos tetos os que cada região possuía, e paredes); o que contribuiu para a • Janelas estreitas, em diversidade do estilo. forma de seteira.
  • 9. Em Portugal • Das campanhas a Sul vinham as riquezas dos saques, que financiavam as construções, não faltando pedreiros nem mão-de-obra. • Os primeiros mestres arquitetos vieram de outras regiões da Europa. A arte portuguesa não podia, assim, deixar de se inspirar nos modelos europeus. • Apesar disso, são claros os traços de individualidade: • O Românico português é sóbrio e severo. Os monumentos mais originais são as pequenas igrejas rurais que se espalham pelo Norte do país como S. Pedro de Rates ou S. Cristóvão de Rio Mau.
  • 10. • Modestas, as igrejas românicas portuguesas destacam-se pelas suas formas simples e equilíbrio de proporções. • No Sul, onde são mais raras, denotam bem a influência moçárabe. • A escultura românica é pouco variada: além dos motivos geométricos e florais, destacam-se alguns capiteis figurados e tímpanos com imagens singelas.
  • 11. O Gótico: enquadramento histórico • Contrastando com a fase negra que se vivera na Europa românica, a arte gótica desenvolve-se num período de reabertura das rotas comerciais e de triunfo do movimento das cruzadas. • A produção agrícola melhora, a mortalidade diminui e, consequentemente, a população aumenta. Há uma grande estabilidade climática, associada à paz em geral, uma vez que fora retirado o cerco à Europa. As cidades ressurgem e com elas a Burguesia afirma o seu poder. As igrejas tornam-se espaços alegres, onde a população se reúne para conviver.
  • 12. • A partir da segunda metade do séc. XII, as grandes cidades da Europa começam a erguer imponentes catedrais. • Cada cidade procurava construir o monumento mais belo e majestoso que o da cidade sua rival. • Designada assim pelos homens do Renascimento, que a consideravam uma arte menor, própria de Godos, de bárbaros. Todavia, em poucas épocas se terá atingido tal beleza e perfeição na arte como durante este período. • O desejo de embelezar os templos levou os arquitetos a procurarem soluções que resolvessem os dois grandes problemas da arte românica: o peso das abóbadas e a fraca iluminação interior. Pág. 119
  • 13. Elementos construtivos/ características • Em Paris descobre-se então a abóbada sobre cruzamento de ogivas e o arcobotante. • A primeira era fundamental, pois agora o peso já não incidia sobre as paredes, mas sim sobre os quatro pilares em que se apoiam os arcos. • Os arcobotantes, por seu turno, consolidam a resistência dos pilares, uma vez que são levantados no exterior. São formados pelos arcos e pelo estribo (espécie de contraforte). • Estas suas inovações permitiram elevar as construções e rasgar amplas aberturas, sem risco de desmoronamento. Pág. 120
  • 14. • O aspeto exterior e interior dos templos altera-se significativamente. Os arcos em ogiva substituem os arcos de volta perfeita, contribuindo para o acentuar das linhas verticais. • Totalmente revestidos por janelas, os edifícios inundam-se de uma luminosidade no interior, que parece elevar os fiéis para Deus. • As igrejas têm agora paredes mais finas; • As igrejas são construções em altura e realizadas em cruz latina, por vezes com cinco naves e capelas radiantes. Pág. 121
  • 15. A catedral • Agora, a construção por excelência já não é a Sé, típica do Românico. São igrejas magníficas e grandiosas: as catedrais: • Paredes rasgadas em janelas e rosáceas decoradas com vitrais; • Verticalidade das linhas a terminar num pináculo; • Mantém-se os contrafortes das construções românicas. Pág. 121
  • 16. A escultura • As construções góticas possuem uma grande riqueza decorativa. Tanto por dentro como por fora, uma verdadeira renda em pedra ornamenta os arcos, as molduras das janelas e portais… • Os edifícios góticos enriquecem-se ainda com altos-relevos e estátuas de figuras bíblicas. O uso de vitrais nas janelas e nas enormes rosáceas das fachadas filtram a luz, que penetra colorida no interior do templo. • A escultura e a pintura começam-se a desligar da arquitetura, surgindo os primeiros grandes pintores como Giotto. A arte da iluminura atinge uma grande perfeição. Pág. 124
  • 17. Em Portugal • A Portugal chega muito tardiamente (séc. XIII). O gótico aparece no Sul ligado à arquitetura monástica. No séc. XIV o novo estilo foi-se generalizando, embora os primeiros grandes monumentos do gótico português (O Convento do Carmo e o Mosteiro da Batalha) só tenham sido construídos nos começos do séc. XV. • O estilo gótico expandiu-se no nosso país em resultado das encomendas feitas pela Igreja, reis e senhores. À semelhança do que aconteceu nos outros países, podemos distinguir entre nós diversas etapas do gótico: o cisterciense (de que é testemunho o Mosteiro de Alcobaça), o mendicante (como o das igrejas de S. Francisco de Santarém e de Estremoz) e o gótico clássico (de que é exemplo o Mosteiro da Batalha).
  • 18. • A partir de inícios do século XV, os tempos de paz que se viviam em Portugal permitiram a construção de grandes e belos edifícios, como as sés de Vila Real, Guarda e Silves, os castelos de Vila da Feira e de Porto de Mós, o solar dos Condes de Barcelos e o Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães. • A escultura gótica utilizou, tal como a românica, os colunelos, os capitéis e os tímpanos dos portais das igrejas. A figura humana adquire então mais perfeição, tornando-se mais próxima da realidade; de igual modo, os temas vegetais são representados com maior naturalidade.
  • 19. • Os testemunhos mais interessantes da estatuária gótica nacional encontram- se na escultura tumular: os túmulos de D. Pedro e D. Inês de Castro (em Alcobaça) e o de D. João I e D. Filipa de Lencastre (na Batalha). • Para além da arquitetura e da escultura, a arte gótica portuguesa está também representada na pintura, na tapeçaria (realce para as tapeçarias de Pastrana que comemoram a tomada de Arzila por D. Afonso V), na ourivesaria (cálices, cofres, relicários) e na iluminura.
  • 20. Em resumo: Românico Gótico • Predominantemente rural, • Predominantemente urbano, • Planta de três naves, • Planta de três naves, com a central mais • Trifório nas laterais, transepto, abside, elevada, deambulatório e absidíolos, • Trifório nas laterais, transepto, abside, • Aspeto forte e atarracado, deambulatório e absidíolos, • Uso moderado de vitrais, • Grande uso de vitrais, • Arcos de volta perfeita e abóbada de • Arcos em ogiva apoiados em colunas, berço, • Torres altas (verticalidade), • Torres e contrafortes grossos, • Estatuária liberta de simbolismo e • Estatuária pesada e monolítica, rigidez, • Poucas entradas de luz, • Grandiosas entradas de luz, • Decoração didática e simbólica. • Decoração simbólica e que reflete o quotidiano.
  • 21. A experiência urbana Mutações na expressão da religiosidade
  • 22. Novas solidariedades • No século XIII, a cidade é um lugar de prosperidade. • Atraídos pelo sonho de riqueza, muitos camponeses abandonam o campo e instalam-se nos arrabaldes das cidades. • Porém, muitos experimentam a miséria, ampliada pelo sentimento de solidão, por falta das redes tradicionais de apoio (família, vizinhos, paróquia). • Surgem novas estruturas de apoio e redes de solidariedade: as ordens mendicantes e as confrarias. • As ordens mendicantes eram movimentos de renovação surgidos dentro da Igreja Católica, enquanto que as confrarias eram associações de entreajuda que agrupavam os homens por ofícios assegurando-lhes apoio financeiro e moral em todas as dificuldades.
  • 23. O Clero Regular • No século VI, S. Bento de Núrcia elabora, no Mosteiro de Monte Cassino, na Campânia (Itália), a regra - regula - que os mosteiros viriam a adotar. • Esta regra recomenda que os monges permaneçam num mesmo lugar, façam voto de pobreza e de castidade, prestem obediência ao abade, pratiquem a hospitalidade e a caridade para com os pobres, trabalhem manualmente de forma a garantir a sua subsistência, rezem e, mais importante do que tudo, se dediquem ao estudo e ao ensino. • Os mosteiros beneditinos tornam-se assim centros culturais que vão desempenhar um papel decisivo na história da civilização ocidental. Fechados no seu scriptorium (a oficina de escrita e iluminura) e nas suas bibliotecas, os monges copistas, contribuíram de forma decisiva para salvar do esquecimento as obras literárias da Antiguidade.
  • 24. Ordens Mendicantes • As Ordens Mendicantes representam um retorno aos ideais de caridade da Igreja Católica, esquecidos pelo faustoso clero medieval e remontam ao século XII, período de grande agitação social e espiritual. • Tinham como imposição a pobreza individual comum. • Era-lhes permitido o direito de mendigar nos locais públicos, daí o seu nome. • Responsáveis ainda por atividades caritativas e pastorais, dedicavam-se à pregação itinerante, nos meios urbanos preferencialmente. • Estas Ordens eram fortemente hierarquizadas e desde sempre gozaram do privilégio da isenção, pelo qual o papa libertava uma comunidade religiosa da jurisdição do bispo diocesano, colocando-as sob a alçada do Vaticano. Pág. 127/129
  • 25. Dominicanos • Ordem criada por Domingos de Gusmão, (Espanha, séculos XII-XIII) aproxima-se de S. Francisco nos ideais de pobreza e caridade que renovaram a Igreja Cristã. • S. Domingos fundou uma ordem religiosa confirmada pelo Papa Inocêncio III. • Os dominicanos eram também chamados “frades pregadores” pela importância que atribuíam à pregação, estritamente ligada, por seu turno, ao estudo da Teologia. • Lutavam contra a heresia e procuravam expandir o evangelho. • Instalaram-se nas cidades onde fundaram grandes colégios e se dedicaram ao ensino.
  • 26. • Ordem criada por Francisco de Assis (Itália, séculos Franciscanos XII-XIII). • Este tornou-se um exemplo de humildade e um santo da igreja católica ao renegar o seu passado de luxo, passando a viver entre os mendigos e os leprosos. • Fundou a ordem dos frades menores que mendigavam ou trabalhavam para comer. • Apesar de a sua atitude contrastar radicalmente com o clero da época, nunca se demarcou da hierarquia • católica, pelo instalaram-se rapidamente em Portugal, nomeadamente nos Os franciscanos que se distingue das heresias medievais. de Alenquer, Lisboa, Coimbra e Leiria. conventos
  • 27. Confrarias e associações • Confrarias eram associações de socorros mútuos de carácter religioso, organizadas sob um santo protector. Dedicavam-se à caridade como meio de reduzir a pobreza urbana. Cada confraria tinha os seus estatutos, que os membros eram obrigavam a cumprir. Existiam ainda as Irmandades, que eram associações religiosas de leigos, que se reuniam para promover o culto a um santo normalmente se encontravam associadas às confrarias religiosas. Pág. 129
  • 28. Associação de cariz socioprofissional que Corporações reunia, nas cidade, os trabalhadores de um mesmo ofício ou mester. • São marcadas pela hierarquia (mestres, oficiais e aprendizes). • Mais conhecidas por artes ou guildas ou, em Portugal, mesteirais, as corporações possuíam estatutos próprios que regulamentavam os preços, os salários e a qualidade da produção. • Geralmente, a cada corporação associava-se uma confraria religiosa que prestava assistência aos seus membros.
  • 29. Centros de sociabilidade • O bairro, as ruas, em que os vizinhos se conheciam e auxiliavam. • A igreja: dominou o ensino e contribuiu para a mudança de comportamentos com a instituição das suas festividades e procissões. • A taberna, o albergue, a estalagem… • As cortes dos nobres (espaço fechado e particular). • As salas de reunião burguesas e de acordo com a atividade exercida. • A praça pública, lugar da cultura popular, onde se realizavam as festas, as feiras, os teatros…
  • 30. A experiência urbana As universidades
  • 31. As primeiras escolas • No quadro da cidade romana, cada comunidade cristã organiza-se tendo à sua cabeça um bispo eleito pelos fiéis. Foi nestas cidades que surgiram as Escolas Paroquiais. • As primeiras remontam ao século II. Limitavam-se à formação de sacerdotes, sendo o ensino fornecido por qualquer padre encarregado de uma paróquia, que recebia em sua própria casa os jovens alunos. • À medida que a nova religião se desenvolve, passa-se das casas privadas às primeiras igrejas. • O ensino reduz-se aos salmos, às lições das Escrituras, seguindo uma educação estritamente cristã. Pág. 131
  • 32. Escolas Monásticas • É nos mosteiros espalhados pela Europa, longe do rebuliço das novas cidades emergentes na Europa, que surgem as Escolas Monásticas, em regime de internato e, inicialmente, para a formação de futuros monges. • Mais tarde abrem-se as escolas externas com o propósito da formação de leigos cultos. • O programa de ensino, de início, muito elementar: aprender a ler, escrever, conhecer a bíblia (se possível de cor), canto e um pouco de aritmética. • Com o tempo, vai-se enriquecendo de forma a incluir o ensino do latim, gramática, retórica e dialéctica.
  • 33. Escolas Urbanas • Nas cidades, começam a surgir escolas que funcionam numa dependência da habitação do bispo. • Estas visavam, em especial, a formação do clero secular e também de leigos instruídos que eram preparados para defender a doutrina da Igreja na vida civil. • As Escolas Catedrais (escolas urbanas), saídas das antigas escolas episcopais, tornaram-se mais prestigiadas que as escolas dos mosteiros. • Instituídas no século XI por determinação do Concilio de Roma (1079), passam, a partir do século XII (Concilio de Latrão, 1179), a ser mantidas através da criação de benefícios para a remuneração dos mestres. Pág. 132
  • 34. Estudos Gerais • Provavelmente, a primeira universidade europeia terá surgido na cidade italiana de Salerno, cujo centro de estudos remonta ao século XI. • Além desta, antes de 1250, formaram-se no Ocidente a primeira geração de universidades medievais. São habitualmente chamadas espontâneas porque nascem do desenvolvimento de escolas preexistentes. • Originalmente, estas instituições eram chamadas de studium generale, (Estudos gerais) juntando mestres e discípulos dedicados ao ensino superior. Porém, com a agitação cultural e urbana da Baixa Idade Média, logo se passou a fazer referência ao estudo universal do saber, ao conjunto das ciências, sendo o nome studium generale substituído por universitas. Pág. 133
  • 35. Universidades • As universidades eram estabelecimentos do ensino superior que agregavam várias faculdades e que se organizavam numa estrutura mais rígida e complexa. • Ao longo dos séculos XIII e XIV, as universidades expandiram-se pela Europa Ocidental, especializando-se em diferentes saberes: Teologia, Direito, Medicina. • As universidades de Bolonha e de Paris estão entre as mais antigas. Outros exemplos são a Universidade de Oxford e a de Montpellier.
  • 36. • Mais tarde, é a vez da constituição de universidades por iniciativa papal ou real. Exemplo desta última é a Universidade de Coimbra, fundada em 1290. • No século XIII, a universidade é o centro de formação dos quadros do funcionalismo público, necessários à centralização do poder pelos monarcas. Pág. 134
  • 37. • As universidades foram responsáveis pela transformação das cidades em ativos focos de inovação: estudantes de toda a parte deslocavam-se às cidades universitárias no intuito de aprender a gramática, a oratória, a matemática... Em consequência da presença da universidades, a cidade tornou-se o local por excelência da liberdade de ação, pois os estatutos das universidades protegiam os seus alunos, concedendo-lhes alguma autonomia nos regulamentos e defendendo-os, por exemplo, da prisão por dívidas.
  • 38. A CULTURA LEIGA E PROFANA NAS CORTES RÉGIAS E SENHORIAIS
  • 39. A CULTURA A CAVALARIA
  • 40. A cultura medieval Na Idade Média, a cultura era transmitida por todos os veículos disponíveis, resultando em aspetos diferentes, se estivéssemos junto a uma cidade, na corte real ou mesmo numa universidade. Subdividia-se assim em cultura: • MONÁSTICA: Os principais centros de cultura eram os Mosteiros, onde se aprendia o latim e o ensino estava voltado para a vida religiosa. Em algumas cidades surgiram associações de estudantes e professores que procuravam um ensino mais laico: surgiram as Universidades ou Estudos Gerais (em Portugal criada em 1290, com D. Dinis). Após frequentarem a Faculdade das Artes, os alunos optavam por uma das especializadas, como Direito ou Medicina.
  • 41. A cultura medieval • POPULAR: Conhecimentos transmitidos oralmente nos locais de convívio como as feiras. Era, no fundo, a tradição oral. Acabou por ser fortemente influenciada pela Igreja e pelas novas Ordens Mendicantes, tais como os Franciscanos e os Dominicanos (que acabaram mesmo por controlar a Inquisição). • CORTESÃ: Cultura típica da corte, promovida pelos reis e animadas por jograis e trovadores que compunham e cantavam as cantigas de amor, de amigo, de gesta e de escárnio e maldizer.
  • 42. O ideal de cavalaria • Enquanto nas cidades proliferavam as escolas catedrais e as universidades e nos conventos nasciam as livrarias (bibliotecas), nas cortes do rei e dos grandes senhores a cultura erudita (acessível apenas aos estratos dominantes da sociedade) desenvolveu-se sob o espírito cavalheiresco, segundo o qual o cavaleiro, sempre de estirpe nobre, almejava tornar-se perfeito. • O cavaleiro ideal devia ter as seguintes qualidades: -a honra; -a coragem; -a lealdade; -a virtude; -a piedade; -o ideal de cuzada. Pág. 136
  • 43. A educação cavaleiresca • A formação de um cavaleiro era intensa e longa, estendendo-se por cerca de catorze anos. • Este processo iniciava-se com a saída de casa materna e alojamento no paço de um grande senhor nobre. Aí, o rapaz passava por várias etapas, servindo, sucessivamente, como pajem, durante sete anos, e escudeiro, durante sete anos. • O seu treino incluía a aprendizagem da equitação, a prática de desporto e o domínio de armas: estas três aptidões eram postas à prova na caça, nos torneios e nas justas. • Finalmente, numa cerimónia complexa de contornos religiosos, o escudeiro era armado, cavaleiro de uma Ordem de Cavalaria, recebendo as esporas e a espada.
  • 44. Tal como existia um ideal de cavalaria, também as relações entre nobres e damas, O amor cortês nas cortes, obedeciam a um ideal de amor, pautado pelo refinamento e pela espiritualidade. • Era um código de comportamento amoroso em que os cavaleiros demonstravam que o valor pessoal não se fundamentava apenas no sangue ou nas proezas militares, mas podia ser identificado no comportamento social: a • cortesia. Para conquistar a sua amada, o cavaleiro nobre deveria ser virtuoso, paciente, elegante no vestir, bem-humorado, respeitoso perante as mulheres, enquanto a dama, bela e púdica, deveria alimentar o seu amor com gestos comedidos.
  • 45. A literatura • Na literatura, o ideal de cavalaria eram os Romances e o ideal do amor cortês: a poesia trovadoresca. • Os senhores feudais contratavam recitadores, cantores e músicos para divertir a corte. • As cantigas eram compostas, quase sempre, por nobres que se denominavam trovadores, porque praticavam a arte de trovar. • O trovador deveria expressar seus elogios a uma mulher da nobreza, demonstrando subordinação às damas da corte, que deveriam ser tratadas com cortesia. Pág. 140
  • 46. Cantiga de amor • As cantigas de amor desenvolviam o tema do sofrimento pelo amor não correspondido e eram divulgados de forma oral. • Neste tipo de cantiga, o trovador destaca todas as qualidades da mulher amada, colocando-se numa posição inferior (de vassalo) a ela. • O tema mais comum é o amor não correspondido. • As cantigas de amor reproduzem o sistema hierárquico na época do feudalismo, pois o trovador espera receber um benefício em troca de seus “serviços” (as trovas, o amor dispensado, sofrimento pelo amor não correspondido).
  • 47. Atividades: 1. Depois de escutares as duas canções, como sabes qual delas é atual? 2. Reconhecem-se facilmente os sentimentos expressos para com a/o mulher/homem amada/o? 3. Que relação podemos estabelecer entre a cantiga atual e a cantiga de amor da Idade Média?
  • 48. Cantiga de amigo • Este tipo de cantiga teve as suas origens na Península Ibérica. • Nela, o eu-lírico é uma mulher, mas o autor era masculino, devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao conhecimento da época. • A mulher canta o seu amor pelo amigo (amigo = namorado), muitas vezes em ambiente natural, e muitas vezes, também em diálogo com a sua mãe ou as suas amigas. • O sujeito poético é, não apenas mulher, mas a donzela, isto é, uma rapariga solteira, pertencente aos estratos médios do povo. • O poeta serve-se assim deste artifício para exprimir os seus sentimentos pela boca da rapariga.
  • 49. Cantiga de escárnio e maldizer • Tipo de poesia satírica. Nas cantigas de escárnio a crítica é feita de forma encoberta, sem que o objecto de crítica seja claramente identificado. Nas cantigas de maldizer a vítima da crítica é claramente identificada. • Estes poemas satíricos têm um grande valor documental, visto que nos revelam qual a reacção das pessoas face a determinados acontecimentos e situações. • Estas cantigas permitem perceber melhor a sociedade da época e aceder a informações que outros documentos, mais impessoais, não revelam.
  • 50. Cantiga de escárnio e maldizer • Na cantiga de escárnio, o eu-lírico faz uma sátira a alguma pessoa. • Essa sátira era indirecta, cheia de duplos sentidos. As cantigas de escárnio (ou "de escarnho", na grafia da época) definem-se como feitas pelos trovadores para dizer mal de alguém, por meio de ambiguidades, trocadilhos e jogos semânticos, num processo que os trovadores chamavam "equívoco", por vezes, bastante mordaz. • Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de maldizer traz uma sátira directa e sem duplos sentidos. É comum a agressão verbal à pessoa satirizada, e muitas vezes, são utilizados até palavrões. O nome da pessoa satirizada pode ou não ser revelado.
  • 51. O culto da memória • As famílias nobres relembravam e evocavam mortos e antepassados das suas ascendências para trazer ao presente os feitos valorosos das suas linhagens. • Contudo, não bastava a oralidade e o registo em túmulos para não se perderem as lembranças. Os senhores fizeram, então, escrever as suas memórias. • Nasceu, portanto, uma literatura genealógica que se difundiu largamente entre a nobreza europeia dos séculos XIII e XIV. • Em Portugal, este género literário foi muito cultivado, dando origem aos livros de linhagem ou nobiliários. A mais interessante das obras deste género é o 3º Livro das Linhagens, de D. Pedro, mistura de lendas e narrativas fantásticas com personagens reais, fortemente impregnado do espírito da cavalaria. Pág. 143
  • 52. A CULTURA A DIFUSÃO DO GOSTO E DA PRÁTICA DAS VIAGENS
  • 53. Viagens de negócios • O renascimento do gosto pelas viagens dá-se nos séc. XIII e XIV quando, sob o impulso do comércio, as velhas barreiras geográficas começaram a ceder. • O desenvolvimento do grande comércio criou laços entre os mercadores e os governantes. • Muitas viagens aliaram-se ao negócio e missões político-diplomáticas e muitos comerciantes começaram a desempenhar o papel de embaixadores das cortes da Europa. • Os viajantes europeus nesta época eram, fundamentalmente, os mercadores, os diplomatas, os missionários e pessoas sem terra e sem raízes. • As expedições dos mercadores colocam em contato as várias regiões e culturas europeias.
  • 54. Romarias e Peregrinações • As romarias e as peregrinações constituem expressões típicas da religiosidade medieval. • As peregrinações eram percursos de longa distância a locais sagrados do cristianismo, em especial Jerusalém, Roma e Santiago de Compostela. • Tinham objetivos religiosos de purificar a alma ou cumprir promessas. Pág. 147
  • 55. Romarias e Peregrinações • As romarias eram celebrações em honra a um santo, numa época fixa do ano. • Implicavam deslocações de curta duração (um ou vários dias). • As romarias tinham também objetivos religiosos de purificar a alma ou cumprir promessas. • A componente não-religiosa expressava-se, nomeadamente, em festas, com cantos e bailados tradicionais. • À chegada ao local, os romeiros pagavam as suas promessas, participavam nas cerimónias religiosas e nas procissões. Pág. 148