SlideShare uma empresa Scribd logo
PROF. ODAIR TUONO
MOVIMENTO PERCEPTIVO
AMPLIANDO A CRIATIVIDADE
FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI “ANTOINE SKAF”
LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO
ARTE E TRANSFORMAÇÃO
“A verdadeira natureza da arte sem-
pre implica em algo que transforma,
que supera o sentimento comum e
aquele mesmo medo, aquela mesma
dor, aquela mesma inquietação, sus-
citadas pela arte, implicam o algo a
mais acima daquilo que nelas está
contido. E este algo a mais supera
esses sentimentos, elimina esses
sentimentos, transforma a sua água
em vinho, e assim se realiza a mais
importante missão da arte.”
VIGOTSKI, L. S. (1896-1934, psicó-
logo russo). Psicologia da arte. São
Paulo: Martins Fontes, 1999.
I. Fur Girl. Oil on Canvas, 2008.
http://www.markryden.com/
CRIATIVIDADE – ASSOCIAÇÕES
A palavra criatividade é associada
pelo senso comum à inventividade,
à inteligência e ao talento, natos ou
adquiridos, para criar, inventar, ino-
var, quer no campo artístico, quer no
científico, esportivo ou no cotidiano
profissional e doméstico.
Ainda não se conquistou um signifi-
cado único e capaz de responder de
forma definitiva a um entendimento
único sobre criatividade. Porém, há
convergência, tanto em nível de sen-
so comum, como de estudiosos que o
ser criativo é aquele que elabora
novas respostas para desafios em
todas as áreas.
CRIATIVIDADE – DIVINDADE OU LOUCURA
A origem etimológica da palavra
criatividade é localizada em criar,
do latim CREARE que significa er-
guer, produzir. Também relacionada
a CRESCERE, que significa au-
mentar, crescer. Esta informação
traz a ideia de uma obra que é
criada e se desenvolve.
No pensamento grego antigo, a
partir de Platão e Aristóteles, temos
duas imagens associadas à criativi-
dade: a divindade que inspira e a
loucura.
I. Nise – O Coração da Loucura,
2015. Drama/Filme biográfico.
CRIATIVIDADE – PERCEPÇÃO
“A natureza criativa de um homem se
elabora em um contexto cultural, co-
mo referência a tudo o que o indivíduo
é, faz, comunica, a elaboração de no-
vas atitudes e novos comportamentos
e, naturalmente, a toda possível cria-
ção.” (Ostrower, 2007)
Este panorama chama a atenção para
a ideia de percepção como processo
que entrelaça sensação e reflexão,
processo de ser tocado pelo mundo e
de pensar o mundo e que tem a mar-
ca da cultura
I. Pink Floyd The Wall, 1982.
Drama / Filme musical.
CRIATIVIDADE – EMOÇÃO
O sujeito percebe orientado por seu
repertório cultural. Emoção é um im-
pulso neural que move um organismo
para a ação, este impulso sofre trans-
formações no emaranhado de rela-
ções socioculturais nos quais os se-
res humanos estão mergulhados.
As emoções seriam as diferentes for-
mas assumidas por este impulso e
estão fundados em valores, represen-
tações simbólicas e como tal na lin-
guagem.
Assim percepção e emoção são pro-
cessos profundamente enraizado em
um contexto cultural.
PERCEPÇÃO – BLACK AND WHITE
PERCEPÇÃO – BLACK AND COLOR
PERCEPÇÃO – OLEG SHUPLYAD (1967, UCRÂNIA).
PERCEPÇÃO – OLEG SHUPLYAD
PERCEPÇÃO – OPTICAL ART
A expressão "op-art"
(inglês optical art) e
significa arte óptica.
Defendia a arte com
menos expressão e
mais visualização.
Apesar do rigor com
que é construída,
simboliza um mundo
mutável e instável,
ganhou força como
arte após 1955.
Pesquise: Vasarely,
Bridget e Calder.
PERCEPÇÃO – CINEMA
CRIATIVIDADE – MOVIMENTO
A criatividade é o que move as pesso-
as e a sociedade para um lugar me-
lhor através de questões, pensamen-
tos, reflexões e evolução.
Criatividade não é um botão no cére-
bro que basta apertar o play para que
ele funcione. Muito menos é um dom,
como se fosse uma escolha divina.
Para sermos habilidosos em qualquer
área, precisamos de treinamento e
observação. É importante conseguir
aplicar sua criatividade, pois o criativo
que não tira suas ideias do papel está
fadado ao fracasso e a frustração.
I. The Flash. DC Comics / The CW.
CRIATIVIDADE – AMBIENTE
A rotina é uma das maiores inimigas
da criatividade. Acordar, seguir o mes-
mo roteiro todos os dias e trabalhar
sempre no mesmo local, acaba te
deixando com menos referências e
consequentemente menos criativo.
Se você tem a possibilidade de fazer
home office, escolha ambientes mais
inspiradores para trabalhar: pode ser
num café, numa praça, na praia ou
mesmo num outro cômodo da casa.
Se você não pode, tente pelo menos
fazer alguns breaks durante o dia pa-
ra quebrar o padrão da monotonia e
se inspirar.
I. Biblioteca de São Paulo – Parque
da Juventude.
CRIATIVIDADE – REGISTROS
Ter um bloco de anotações no seu
bolso ou utilizar os recursos de um
smartphone pode te ajudar a não
desperdiçar ideias.
Sempre que você tiver momentos li-
vres (mesmo que sejam alguns minu-
to), treine ficar anotando suas obser-
vações, ideias, pensamentos e refle-
xões.
O que te inspira pode se fotografado,
filmado, gravado ou mesmo coletado
para um arquivo de ideias que fluirão
na hora certa. Ideias bacanas surgem
nos momentos do ócio.
I. rosycheeks-blog.com/2011/01. Anna
Weilberg, sketchbook.
CRIATIVIDADE – PROJETOS
Utilizar a criatividade como uma ferra-
menta profissional requer alguns pas-
sos vitais:
Preparação: leia e converse o má-
ximo possivel sobre o que deseja criar
– seja curioso e profundo.
Incubção: queremos soluções rápi-
das, mas quando as respostas não
vêm de imediato, coloque a ideia/pro-
blema de lado. Deixe seu subconsci-
ente trazer a inspiração
Teste: encontrada a solução criativa,
é preciso aplicá-la. Ninguém recebe
um prêmio por ter uma idéia, mas sim
por testá-la e provar que funciona.
CRIATIVIDADE – ATITUDES
Companhias: pessoas que constan-
temente o rebaixam, criticando-o, in-
fluenciam negativamente seu proces-
so de desenvolvimento e criação.
Reduzir a velocidade: é preciso al-
gum tempo inativo e sossegado para
deixar o pensamento operar as ideias.
Isso implica em “sonhar acordado”,
atividade não vista com bons olhos
por pais e professores - entretanto,
útil e capaz de abrir novos canais
Disciplina: ambientes desordenados
não são propícios à criatividade. Deve
haver certo grau de estruturação para
possibilitar a criação.
CRIATIVIDADE – AUTOCONHECIMENTO
Melhor Hora: o ritmo biológico exerce
influência sobre você. Existe uma ho-
ra do dia ou da noite em que você
está em melhor forma, trata-se possi-
velmente da hora em que a tempera-
tura de seu corpo está mais alta.
Frustrações: quando estiver frustra-
do ou confuso, e as idéias não apare-
cerem, escreva ou grave o que o per-
turba ou limita naquele moemento.
Erros: se você falhar, aprenda o que
não funciona. Tente uma nova abor-
dagem, pois as novas trilhas não têm
sinalização, são repletas de armadi-
lhas e labiraintos.
CRIATIVIDADE – LIMITAÇÕES
Desculpas: idade, doença e falta de
tempo são razões frequentes ofereci-
das para nossas incapacidades, elas
raramente têm fundamento que pos-
sam limitar um grande desejo.
Picasso, aos 91 anos, mantinha os
materiais de arte ao lado da cama
para o caso de acordar durante a
noite e ter uma boa idéia. Ele poderia
transferi-la para o papel.
Cada vez que incorporamos uma no-
va consciência sobre o processo de
criatividade, deixamos os paradigmas
para estarmos mais proximos das res-
postas.
I. Iris Apfel ( 1921, EUA).
Iris Apfel 96 anos, designer de
interiores e ícone da moda
CRIATIVIDADE – INSPIRAÇÃO
Você tem o hábito de fazer uma revi-
são de seus objetivos e perceber em
que momento se encontra da jornada.
Qual a sua inspiração para seguir em
frente:
 Autoconhecimento
 Autorrealização
 Desafio
 Dinheiro
 Família
 Filhos
 Reconhecimento
 Sucesso
 Superação
CRIATIVIDADE – OBSERVAÇÃO
Em uma folha A4 desenhe a pessoa
ao seu lado, você terá 30 segundos
para realizar esta atividade.
Do outro lado da folha A4 desenhe a
mesma pessoa, você terá 60 segun-
dos para realizar esta atividade.
Qual a sensação do tempo das ativi-
dade? Qual o resultado dos dese-
nhos? Como foi a sua experiência?
Fonte: www.ted.com/talks/tim_brown_
on_creativity_and_play/transcript?lan
guage=pt-br#t-284067
I. Yayoi, Kusama (1929, artista).
Egon Schiele (1890 - 1918, pintor
austríaco).
CRIATIVIDADE – TESTE
Em uma folha A4 desenhe 30 círcu-
los. Agora, em um minuto, transforme
os círculos em quantos objetos con-
seguir. Quantos você consegue adap-
tar em um minuto?
Resultados: alianças, anel, aranha,
bola, bola de cristal, brinco, cone, co-
po, espermatozoide, filtro dos sonhos,
flor, gato, joaninha, smile, óculos, oito,
olho, ovo rachado, lua, pacman, pin-
gente com estrela de Davi, passari-
nho, pastilha mm, peixe, pizza, reló-
gio, rodas de carro, logomarca de te-
levisão, sol, símbolo paz e amor, va-
so, vazio, zero.
Fonte: www.ted.com/talks/tim_brown_
on_creativity_and_play/transcript?lan
guage=pt-br#t-284067
TESTE – QE
Corte 03 folhas A4 pela me-
tade para cada atividade.
Temos 06 bases, complete
cada uma, deixando seu lá-
pis correr espontaneamente.
Você tem 03 minutos para
cada desenho ao sinal do
moderador. Siga os dese-
nhos pela ordem em que
estão propostos.
1
3
2
6
4
5
1. CURVA – EMPATIA
 Desenhou uma cara, um sol, um fru-
to, ou um objeto redondo: você gosta
de se abrir aos outros, é dotado para
a empatia.
 Aumentou a curva: é intuitivo.
 Cortou horizontalmente a linha curva:
os outros lhe causam medo e você
tem ideias erradas acerca deles.
 Fechou com um corne em cima ou
embaixo: é expansivo, mas não sabe
escutar os outros.
 Integrou a figura de base num qua-
drado ou num triângulo: você é ob-
servador, mas tem dificuldade em se
colocar no lugar do outro.
 Preencheu o seu desenho com pe-
quenas formas diversas: tem tendên-
cia para perder-se com pormenores
quando se interessa pelos outros.
2. TRIÂNGULO – AUTODISCIPLINA
 Se o seu desenho integra perfeita-
mente o triângulo num conjunto de fi-
guras geométricas: conforma-se com
os modelos que lhe são propostos.
Precisa de referências exteriores pa-
ra se autodisciplinar.
 Se o triângulo serve de base a uma
árvore, ou a uma outra forma figura-
tiva: você disciplina-se sozinho,o que
lhe permite exprimir os seus desejos
e as suas ideias sem passar por cima
dos outros.
 Se desenhou linhas verticais e para-
lelas: é metódico e organizado.
 Se o seu desenho não tem relação
como triângulo de base: é um rebel-
de na alma e não suporta que lhe im-
ponham limites.
3. CRUZ – ADAPTAÇÃO
 Se inseriu a cruz num círculo, conjun-
to de figuras circulares ou onduladas:
tem boa capacidade de adaptação, e
curiosidade em relação ao novo.
 Se tomou a cruz central como uma
base de quadrados: você tem grande
sentido de análise que pode prejudi-
car a sua capacidade de adaptação.
Tem dificuldade em tomar iniciativas.
 Se desenhou uma janela: gostaria de
se abrir par ao mundo, mas alguma
coisa o impede.
 Se desenhou raios: tem atração pelo
novo, mas falta-lhe objetividade.
 Se desenhou um losango: tendência
para se fechar perante o novo.
 Se preencheu o quadro com cruzes:
é um sinal de grande confiança em si,
que pode travar uma adaptação.
4. ONDULADA – EMOTIVIDADE
 Se desenhou por cima da linha: sabe
exprimir a sua sensibilidade e contro-
la bem as suas emoções.
 Se desenhou por baixo da linha: é
muito emocional e tem dificuldade em
controlar os seus impulsos.
 Se desenhou dos dois lados da linha:
determine qual é mais importante.
 Se reproduziu várias vezes a linha:
tem gosto pelo rigor e pelo trabalho
bem feito, ao ponto de se esquecer
de exprimir a sua sensibilidade.
 Se usou a linha para desenhar uma
coroa: sabe usar sua emotividade
com tato.
 Se incluiu a linha numa forma circu-
lar: mostra uma sensibilidade extre-
ma que tem dificuldade em exprimir.
5. CÍRCULO – MOTIVAÇÃO
 Se desenhou um sol, um alvo ou per-
sonagem: avança na vida sem hesi-
tar. Ultrapassando os obstáculos.
 Se a personagem tem as pernas tor-
tas ou um ar infeliz: você tem quali-
dades, mas falta de autoconfiança.
 Se desenhou uma flor: precisa sentir
os outros à sua volta para estar ver-
dadeiramente motivado.
 Se representou um desenho geomé-
trico organizado: tem um tempera-
mento inquieto que o trava nos impul-
sos.
 Se desenhou um olho: tem tendência
para desconfiar das situações.
 Se integrou o círculo num losango ou
quadrado: tem falta de audácia nos
seus empreendimentos.
6. PONTOS – CRIATIVIDADE
 Se conservou os pontos transforman-
do-os em céu com estrelas, em neve,
etc.: seu espírito criativo exprime-se
espontaneamente.
 Se desenhou um paraquedas: sabe
encontrar a forma de exprimir a sua
imaginação.
 Se utilizou os pontos para fazer um
risco contínuo: é um cartesiano, sua
dimensão criativa tem dificuldade de
se exprimir.
 Se desenhou um círculo: seu espírito
é mais lógico do que fantasioso.
 Se desenhou vários círculos: dúvida
do que escapa ao seu controle.
 Se integrou ao desenho figuras geo-
métricas (quadrado, triângulo, retân-
gulo): você é muito prudente para
deixar sua criatividade se expressar.
CONHECENDO O QI, QE E QS
QI – Quociente de Inteligência: capaci-
dade de compreender e manipular sím-
bolos matemáticos e linguísticos.
QE – Quociente Emocional: revela nos-
so autoconhecimento, disciplina, persis-
tência e empatia.
QI e QE podem trazer crescimento pro-
fissional e financeiro – porém, paz inte-
rior e alegria só com a QS, inteligência
espiritual, que é a capacidade de encon-
trar um propósito para a própria vida e
de lidar com problemas existenciais co-
mo fracasso, de rompimentos e de dor.
Segundo Danah Zoahr, autora do li-
vro Inteligência Espiritual, usando esta
inteligência a pessoa tem capacidade de
avaliar o sentido da vida.
REFLEXÃO
REFERÊNCIAS DE PESQUISA
AYAN, Jordan. AHA! 10 maneiras de libertar seu espírito criativo e encontrar
grandes ideias. São Paulo: Elsevier, 2001.
BERG, E. A. Manual de criatividade aplicada: técnicas eficazes para desenvolver
sua criatividade e inovação na profissão e nos negócios. Curitiba: Juruá, 2014.
DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. 3ª. ed. São Paulo: Martins
Fontes, 2007.
TESTE DE QI. Endereço eletrônico: <http://www.testeqi.com.br/>
PREDEBON, José. Criatividade hoje: como se pratica, aprende e ensina. São
Paulo: Atlas, 2001.
TORRE, S. de la. Dialogando com a criatividade – Da Identidade à Criatividade
Paradoxal. São Paulo: Madras, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Criação e criatividade na campanha
Criação e criatividade na campanhaCriação e criatividade na campanha
Criação e criatividade na campanha
Ciro Gusatti
 
Criatividade e inovação
Criatividade e inovaçãoCriatividade e inovação
Criatividade e inovação
Willian Alexandrino
 
Criatividade
Criatividade Criatividade
Criatividade
Helena13dias
 
Apresentação da Criação
Apresentação da CriaçãoApresentação da Criação
Apresentação da Criação
Doisnovemeia Publicidade
 
280712 Missa SP
280712 Missa SP280712 Missa SP
280712 Missa SP
Mutato
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
André Bomfim
 
Aula 17 criatividade
Aula 17   criatividadeAula 17   criatividade
Aula 17 criatividade
Luiz Siles
 
Bloqueios mentais
Bloqueios mentaisBloqueios mentais
Bloqueios mentais
Daniella Lessa
 
Referências
ReferênciasReferências
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Aline Corso
 
Inspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a suaInspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a sua
Fernando
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Lo-Ammi Santos
 
Mala direta
Mala diretaMala direta
Hello ideas @ WordCamp
Hello ideas @ WordCampHello ideas @ WordCamp
Hello ideas @ WordCamp
imhugo .com
 
C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...
C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...
C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...
Paulo Vieira de Campos
 
Ferramentas criativas desenho de moda
Ferramentas criativas desenho de modaFerramentas criativas desenho de moda
Ferramentas criativas desenho de moda
Cacilda Vitória
 
Guia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativosGuia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativos
Grazi Mendes Rangel
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
janetemagali
 
Explorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete Ferreira
Explorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete FerreiraExplorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete Ferreira
Explorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete Ferreira
Elisabete Ferreira
 
Técnicas para geração e desenvolvimento de ideias
Técnicas para geração e desenvolvimento de ideiasTécnicas para geração e desenvolvimento de ideias
Técnicas para geração e desenvolvimento de ideias
Aline Corso
 

Mais procurados (20)

Criação e criatividade na campanha
Criação e criatividade na campanhaCriação e criatividade na campanha
Criação e criatividade na campanha
 
Criatividade e inovação
Criatividade e inovaçãoCriatividade e inovação
Criatividade e inovação
 
Criatividade
Criatividade Criatividade
Criatividade
 
Apresentação da Criação
Apresentação da CriaçãoApresentação da Criação
Apresentação da Criação
 
280712 Missa SP
280712 Missa SP280712 Missa SP
280712 Missa SP
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Aula 17 criatividade
Aula 17   criatividadeAula 17   criatividade
Aula 17 criatividade
 
Bloqueios mentais
Bloqueios mentaisBloqueios mentais
Bloqueios mentais
 
Referências
ReferênciasReferências
Referências
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Inspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a suaInspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a sua
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Mala direta
Mala diretaMala direta
Mala direta
 
Hello ideas @ WordCamp
Hello ideas @ WordCampHello ideas @ WordCamp
Hello ideas @ WordCamp
 
C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...
C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...
C:\Users\Paulo Campos\Documents\Paulo Campos\P Campos\Espm\Curso De FéRias\R ...
 
Ferramentas criativas desenho de moda
Ferramentas criativas desenho de modaFerramentas criativas desenho de moda
Ferramentas criativas desenho de moda
 
Guia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativosGuia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativos
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Explorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete Ferreira
Explorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete FerreiraExplorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete Ferreira
Explorar ideias com seis chapeus de pensamento - Elisabete Ferreira
 
Técnicas para geração e desenvolvimento de ideias
Técnicas para geração e desenvolvimento de ideiasTécnicas para geração e desenvolvimento de ideias
Técnicas para geração e desenvolvimento de ideias
 

Semelhante a LC 03 Movimento Perceptivo

Abdução revista
Abdução revistaAbdução revista
Abdução revista
Jessyka Vilar
 
Aula II - CP
Aula II - CPAula II - CP
Aula II - CP
VIviane Lopes
 
Rio+ - Dicas para mirabolantes
Rio+ - Dicas para mirabolantesRio+ - Dicas para mirabolantes
Rio+ - Dicas para mirabolantes
Benfeitoria
 
Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009
Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009
Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009
Brazil
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Nubia Carbonari
 
Artesanato Intelectual.pptx
Artesanato Intelectual.pptxArtesanato Intelectual.pptx
Artesanato Intelectual.pptx
Angelus Seguros
 
Pensamento e Criatividade.pdf
Pensamento e Criatividade.pdfPensamento e Criatividade.pdf
Pensamento e Criatividade.pdf
Maria Claudia F.Graca
 
fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...
fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...
fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...
ABCR
 
Como ser criativo
Como ser criativoComo ser criativo
Como ser criativo
Hélio Consolaro
 
Curso de Criatividade Ilimitada
Curso de Criatividade IlimitadaCurso de Criatividade Ilimitada
Curso de Criatividade Ilimitada
RBM Comunicação
 
O Processo Criativo.
O Processo Criativo.O Processo Criativo.
O Processo Criativo.
Miguel Siano da Cunha
 
Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...
Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...
Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...
Pedro Cordier
 
Ebook para alem da clinica autor renato dias martino no pw
Ebook para alem da clinica autor renato dias martino no pwEbook para alem da clinica autor renato dias martino no pw
Ebook para alem da clinica autor renato dias martino no pw
Renato Dias Martino
 
Palavras são design: criatividade em Writing
Palavras são design: criatividade em WritingPalavras são design: criatividade em Writing
Palavras são design: criatividade em Writing
Mergo
 
Psicologia Final2
Psicologia Final2Psicologia Final2
Psicologia Final2
Raquel Miranda
 
Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
Ana Caetano
 
Lei de Causa e Efeito
Lei de Causa e EfeitoLei de Causa e Efeito
Lei de Causa e Efeito
Vanderlei Miranda
 
aula08-coragem1.ppt
aula08-coragem1.pptaula08-coragem1.ppt
aula08-coragem1.ppt
William Oldguy
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Gerisval Pessoa
 
Conceito
ConceitoConceito

Semelhante a LC 03 Movimento Perceptivo (20)

Abdução revista
Abdução revistaAbdução revista
Abdução revista
 
Aula II - CP
Aula II - CPAula II - CP
Aula II - CP
 
Rio+ - Dicas para mirabolantes
Rio+ - Dicas para mirabolantesRio+ - Dicas para mirabolantes
Rio+ - Dicas para mirabolantes
 
Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009
Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009
Palestra Ana Galo Criatividade Comagep 2009
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Artesanato Intelectual.pptx
Artesanato Intelectual.pptxArtesanato Intelectual.pptx
Artesanato Intelectual.pptx
 
Pensamento e Criatividade.pdf
Pensamento e Criatividade.pdfPensamento e Criatividade.pdf
Pensamento e Criatividade.pdf
 
fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...
fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...
fabcr22_apresentação_Destravando a criatividade: tire projetos e conteúdos da...
 
Como ser criativo
Como ser criativoComo ser criativo
Como ser criativo
 
Curso de Criatividade Ilimitada
Curso de Criatividade IlimitadaCurso de Criatividade Ilimitada
Curso de Criatividade Ilimitada
 
O Processo Criativo.
O Processo Criativo.O Processo Criativo.
O Processo Criativo.
 
Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...
Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...
Criatividade e Inovação em Mídias Sociais - Prof. Esp. Pedro Cordier - MBA GE...
 
Ebook para alem da clinica autor renato dias martino no pw
Ebook para alem da clinica autor renato dias martino no pwEbook para alem da clinica autor renato dias martino no pw
Ebook para alem da clinica autor renato dias martino no pw
 
Palavras são design: criatividade em Writing
Palavras são design: criatividade em WritingPalavras são design: criatividade em Writing
Palavras são design: criatividade em Writing
 
Psicologia Final2
Psicologia Final2Psicologia Final2
Psicologia Final2
 
Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
 
Lei de Causa e Efeito
Lei de Causa e EfeitoLei de Causa e Efeito
Lei de Causa e Efeito
 
aula08-coragem1.ppt
aula08-coragem1.pptaula08-coragem1.ppt
aula08-coragem1.ppt
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Conceito
ConceitoConceito
Conceito
 

Mais de Odair Tuono

ARQ - Coleção Ultra Voyage
ARQ - Coleção Ultra VoyageARQ - Coleção Ultra Voyage
ARQ - Coleção Ultra Voyage
Odair Tuono
 
EHA 07 Wearable Art
EHA 07 Wearable ArtEHA 07 Wearable Art
EHA 07 Wearable Art
Odair Tuono
 
EHA 06 Freak
EHA 06 FreakEHA 06 Freak
EHA 06 Freak
Odair Tuono
 
EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte Urbana
Odair Tuono
 
EHA 04 Kitsch
EHA 04 KitschEHA 04 Kitsch
EHA 04 Kitsch
Odair Tuono
 
EHA 03 Cor
EHA 03 CorEHA 03 Cor
EHA 03 Cor
Odair Tuono
 
EHA 02 Sagrado
EHA 02 SagradoEHA 02 Sagrado
EHA 02 Sagrado
Odair Tuono
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
Odair Tuono
 
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIOOPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
Odair Tuono
 
PS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIX
PS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIXPS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIX
PS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIX
Odair Tuono
 
PS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTAS
PS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTASPS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTAS
PS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTAS
Odair Tuono
 
PS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃ
PS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃPS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃ
PS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃ
Odair Tuono
 
PS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGO
PS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGOPS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGO
PS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGO
Odair Tuono
 
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
Odair Tuono
 
PS 01 IMAGEM ASSERTIVA
PS 01 IMAGEM ASSERTIVAPS 01 IMAGEM ASSERTIVA
PS 01 IMAGEM ASSERTIVA
Odair Tuono
 
CI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIO
CI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIOCI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIO
CI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIO
Odair Tuono
 
CI 04 CORPO E TENDÊNCIA
CI 04 CORPO E TENDÊNCIACI 04 CORPO E TENDÊNCIA
CI 04 CORPO E TENDÊNCIA
Odair Tuono
 
CI 03 Imagem Social
CI 03 Imagem SocialCI 03 Imagem Social
CI 03 Imagem Social
Odair Tuono
 
CI 02 Moda e Cultura
CI 02 Moda e CulturaCI 02 Moda e Cultura
CI 02 Moda e Cultura
Odair Tuono
 
CI 01 Moda e Linguagem
CI 01 Moda e LinguagemCI 01 Moda e Linguagem
CI 01 Moda e Linguagem
Odair Tuono
 

Mais de Odair Tuono (20)

ARQ - Coleção Ultra Voyage
ARQ - Coleção Ultra VoyageARQ - Coleção Ultra Voyage
ARQ - Coleção Ultra Voyage
 
EHA 07 Wearable Art
EHA 07 Wearable ArtEHA 07 Wearable Art
EHA 07 Wearable Art
 
EHA 06 Freak
EHA 06 FreakEHA 06 Freak
EHA 06 Freak
 
EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte Urbana
 
EHA 04 Kitsch
EHA 04 KitschEHA 04 Kitsch
EHA 04 Kitsch
 
EHA 03 Cor
EHA 03 CorEHA 03 Cor
EHA 03 Cor
 
EHA 02 Sagrado
EHA 02 SagradoEHA 02 Sagrado
EHA 02 Sagrado
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
 
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIOOPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
 
PS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIX
PS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIXPS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIX
PS05 A REVOLUÇÃO E O SÉCULO XIX
 
PS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTAS
PS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTASPS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTAS
PS04 A NOVA ERA DAS DESCOBERTAS
 
PS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃ
PS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃPS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃ
PS03 GRÉCIA ANTIGA ATÉ A ERA CRISTÃ
 
PS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGO
PS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGOPS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGO
PS02 PRÉ HISTÓRIA E ORIENTE ANTIGO
 
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
 
PS 01 IMAGEM ASSERTIVA
PS 01 IMAGEM ASSERTIVAPS 01 IMAGEM ASSERTIVA
PS 01 IMAGEM ASSERTIVA
 
CI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIO
CI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIOCI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIO
CI 05 ELEMENTOS DO VESTUÁRIO
 
CI 04 CORPO E TENDÊNCIA
CI 04 CORPO E TENDÊNCIACI 04 CORPO E TENDÊNCIA
CI 04 CORPO E TENDÊNCIA
 
CI 03 Imagem Social
CI 03 Imagem SocialCI 03 Imagem Social
CI 03 Imagem Social
 
CI 02 Moda e Cultura
CI 02 Moda e CulturaCI 02 Moda e Cultura
CI 02 Moda e Cultura
 
CI 01 Moda e Linguagem
CI 01 Moda e LinguagemCI 01 Moda e Linguagem
CI 01 Moda e Linguagem
 

Último

Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 

Último (20)

Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 

LC 03 Movimento Perceptivo

  • 1. PROF. ODAIR TUONO MOVIMENTO PERCEPTIVO AMPLIANDO A CRIATIVIDADE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI “ANTOINE SKAF” LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO
  • 2. ARTE E TRANSFORMAÇÃO “A verdadeira natureza da arte sem- pre implica em algo que transforma, que supera o sentimento comum e aquele mesmo medo, aquela mesma dor, aquela mesma inquietação, sus- citadas pela arte, implicam o algo a mais acima daquilo que nelas está contido. E este algo a mais supera esses sentimentos, elimina esses sentimentos, transforma a sua água em vinho, e assim se realiza a mais importante missão da arte.” VIGOTSKI, L. S. (1896-1934, psicó- logo russo). Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1999. I. Fur Girl. Oil on Canvas, 2008. http://www.markryden.com/
  • 3. CRIATIVIDADE – ASSOCIAÇÕES A palavra criatividade é associada pelo senso comum à inventividade, à inteligência e ao talento, natos ou adquiridos, para criar, inventar, ino- var, quer no campo artístico, quer no científico, esportivo ou no cotidiano profissional e doméstico. Ainda não se conquistou um signifi- cado único e capaz de responder de forma definitiva a um entendimento único sobre criatividade. Porém, há convergência, tanto em nível de sen- so comum, como de estudiosos que o ser criativo é aquele que elabora novas respostas para desafios em todas as áreas.
  • 4. CRIATIVIDADE – DIVINDADE OU LOUCURA A origem etimológica da palavra criatividade é localizada em criar, do latim CREARE que significa er- guer, produzir. Também relacionada a CRESCERE, que significa au- mentar, crescer. Esta informação traz a ideia de uma obra que é criada e se desenvolve. No pensamento grego antigo, a partir de Platão e Aristóteles, temos duas imagens associadas à criativi- dade: a divindade que inspira e a loucura. I. Nise – O Coração da Loucura, 2015. Drama/Filme biográfico.
  • 5. CRIATIVIDADE – PERCEPÇÃO “A natureza criativa de um homem se elabora em um contexto cultural, co- mo referência a tudo o que o indivíduo é, faz, comunica, a elaboração de no- vas atitudes e novos comportamentos e, naturalmente, a toda possível cria- ção.” (Ostrower, 2007) Este panorama chama a atenção para a ideia de percepção como processo que entrelaça sensação e reflexão, processo de ser tocado pelo mundo e de pensar o mundo e que tem a mar- ca da cultura I. Pink Floyd The Wall, 1982. Drama / Filme musical.
  • 6. CRIATIVIDADE – EMOÇÃO O sujeito percebe orientado por seu repertório cultural. Emoção é um im- pulso neural que move um organismo para a ação, este impulso sofre trans- formações no emaranhado de rela- ções socioculturais nos quais os se- res humanos estão mergulhados. As emoções seriam as diferentes for- mas assumidas por este impulso e estão fundados em valores, represen- tações simbólicas e como tal na lin- guagem. Assim percepção e emoção são pro- cessos profundamente enraizado em um contexto cultural.
  • 9. PERCEPÇÃO – OLEG SHUPLYAD (1967, UCRÂNIA).
  • 11. PERCEPÇÃO – OPTICAL ART A expressão "op-art" (inglês optical art) e significa arte óptica. Defendia a arte com menos expressão e mais visualização. Apesar do rigor com que é construída, simboliza um mundo mutável e instável, ganhou força como arte após 1955. Pesquise: Vasarely, Bridget e Calder.
  • 13. CRIATIVIDADE – MOVIMENTO A criatividade é o que move as pesso- as e a sociedade para um lugar me- lhor através de questões, pensamen- tos, reflexões e evolução. Criatividade não é um botão no cére- bro que basta apertar o play para que ele funcione. Muito menos é um dom, como se fosse uma escolha divina. Para sermos habilidosos em qualquer área, precisamos de treinamento e observação. É importante conseguir aplicar sua criatividade, pois o criativo que não tira suas ideias do papel está fadado ao fracasso e a frustração. I. The Flash. DC Comics / The CW.
  • 14. CRIATIVIDADE – AMBIENTE A rotina é uma das maiores inimigas da criatividade. Acordar, seguir o mes- mo roteiro todos os dias e trabalhar sempre no mesmo local, acaba te deixando com menos referências e consequentemente menos criativo. Se você tem a possibilidade de fazer home office, escolha ambientes mais inspiradores para trabalhar: pode ser num café, numa praça, na praia ou mesmo num outro cômodo da casa. Se você não pode, tente pelo menos fazer alguns breaks durante o dia pa- ra quebrar o padrão da monotonia e se inspirar. I. Biblioteca de São Paulo – Parque da Juventude.
  • 15. CRIATIVIDADE – REGISTROS Ter um bloco de anotações no seu bolso ou utilizar os recursos de um smartphone pode te ajudar a não desperdiçar ideias. Sempre que você tiver momentos li- vres (mesmo que sejam alguns minu- to), treine ficar anotando suas obser- vações, ideias, pensamentos e refle- xões. O que te inspira pode se fotografado, filmado, gravado ou mesmo coletado para um arquivo de ideias que fluirão na hora certa. Ideias bacanas surgem nos momentos do ócio. I. rosycheeks-blog.com/2011/01. Anna Weilberg, sketchbook.
  • 16. CRIATIVIDADE – PROJETOS Utilizar a criatividade como uma ferra- menta profissional requer alguns pas- sos vitais: Preparação: leia e converse o má- ximo possivel sobre o que deseja criar – seja curioso e profundo. Incubção: queremos soluções rápi- das, mas quando as respostas não vêm de imediato, coloque a ideia/pro- blema de lado. Deixe seu subconsci- ente trazer a inspiração Teste: encontrada a solução criativa, é preciso aplicá-la. Ninguém recebe um prêmio por ter uma idéia, mas sim por testá-la e provar que funciona.
  • 17. CRIATIVIDADE – ATITUDES Companhias: pessoas que constan- temente o rebaixam, criticando-o, in- fluenciam negativamente seu proces- so de desenvolvimento e criação. Reduzir a velocidade: é preciso al- gum tempo inativo e sossegado para deixar o pensamento operar as ideias. Isso implica em “sonhar acordado”, atividade não vista com bons olhos por pais e professores - entretanto, útil e capaz de abrir novos canais Disciplina: ambientes desordenados não são propícios à criatividade. Deve haver certo grau de estruturação para possibilitar a criação.
  • 18. CRIATIVIDADE – AUTOCONHECIMENTO Melhor Hora: o ritmo biológico exerce influência sobre você. Existe uma ho- ra do dia ou da noite em que você está em melhor forma, trata-se possi- velmente da hora em que a tempera- tura de seu corpo está mais alta. Frustrações: quando estiver frustra- do ou confuso, e as idéias não apare- cerem, escreva ou grave o que o per- turba ou limita naquele moemento. Erros: se você falhar, aprenda o que não funciona. Tente uma nova abor- dagem, pois as novas trilhas não têm sinalização, são repletas de armadi- lhas e labiraintos.
  • 19. CRIATIVIDADE – LIMITAÇÕES Desculpas: idade, doença e falta de tempo são razões frequentes ofereci- das para nossas incapacidades, elas raramente têm fundamento que pos- sam limitar um grande desejo. Picasso, aos 91 anos, mantinha os materiais de arte ao lado da cama para o caso de acordar durante a noite e ter uma boa idéia. Ele poderia transferi-la para o papel. Cada vez que incorporamos uma no- va consciência sobre o processo de criatividade, deixamos os paradigmas para estarmos mais proximos das res- postas. I. Iris Apfel ( 1921, EUA). Iris Apfel 96 anos, designer de interiores e ícone da moda
  • 20. CRIATIVIDADE – INSPIRAÇÃO Você tem o hábito de fazer uma revi- são de seus objetivos e perceber em que momento se encontra da jornada. Qual a sua inspiração para seguir em frente:  Autoconhecimento  Autorrealização  Desafio  Dinheiro  Família  Filhos  Reconhecimento  Sucesso  Superação
  • 21. CRIATIVIDADE – OBSERVAÇÃO Em uma folha A4 desenhe a pessoa ao seu lado, você terá 30 segundos para realizar esta atividade. Do outro lado da folha A4 desenhe a mesma pessoa, você terá 60 segun- dos para realizar esta atividade. Qual a sensação do tempo das ativi- dade? Qual o resultado dos dese- nhos? Como foi a sua experiência? Fonte: www.ted.com/talks/tim_brown_ on_creativity_and_play/transcript?lan guage=pt-br#t-284067 I. Yayoi, Kusama (1929, artista). Egon Schiele (1890 - 1918, pintor austríaco).
  • 22. CRIATIVIDADE – TESTE Em uma folha A4 desenhe 30 círcu- los. Agora, em um minuto, transforme os círculos em quantos objetos con- seguir. Quantos você consegue adap- tar em um minuto? Resultados: alianças, anel, aranha, bola, bola de cristal, brinco, cone, co- po, espermatozoide, filtro dos sonhos, flor, gato, joaninha, smile, óculos, oito, olho, ovo rachado, lua, pacman, pin- gente com estrela de Davi, passari- nho, pastilha mm, peixe, pizza, reló- gio, rodas de carro, logomarca de te- levisão, sol, símbolo paz e amor, va- so, vazio, zero. Fonte: www.ted.com/talks/tim_brown_ on_creativity_and_play/transcript?lan guage=pt-br#t-284067
  • 23. TESTE – QE Corte 03 folhas A4 pela me- tade para cada atividade. Temos 06 bases, complete cada uma, deixando seu lá- pis correr espontaneamente. Você tem 03 minutos para cada desenho ao sinal do moderador. Siga os dese- nhos pela ordem em que estão propostos. 1 3 2 6 4 5
  • 24. 1. CURVA – EMPATIA  Desenhou uma cara, um sol, um fru- to, ou um objeto redondo: você gosta de se abrir aos outros, é dotado para a empatia.  Aumentou a curva: é intuitivo.  Cortou horizontalmente a linha curva: os outros lhe causam medo e você tem ideias erradas acerca deles.  Fechou com um corne em cima ou embaixo: é expansivo, mas não sabe escutar os outros.  Integrou a figura de base num qua- drado ou num triângulo: você é ob- servador, mas tem dificuldade em se colocar no lugar do outro.  Preencheu o seu desenho com pe- quenas formas diversas: tem tendên- cia para perder-se com pormenores quando se interessa pelos outros.
  • 25. 2. TRIÂNGULO – AUTODISCIPLINA  Se o seu desenho integra perfeita- mente o triângulo num conjunto de fi- guras geométricas: conforma-se com os modelos que lhe são propostos. Precisa de referências exteriores pa- ra se autodisciplinar.  Se o triângulo serve de base a uma árvore, ou a uma outra forma figura- tiva: você disciplina-se sozinho,o que lhe permite exprimir os seus desejos e as suas ideias sem passar por cima dos outros.  Se desenhou linhas verticais e para- lelas: é metódico e organizado.  Se o seu desenho não tem relação como triângulo de base: é um rebel- de na alma e não suporta que lhe im- ponham limites.
  • 26. 3. CRUZ – ADAPTAÇÃO  Se inseriu a cruz num círculo, conjun- to de figuras circulares ou onduladas: tem boa capacidade de adaptação, e curiosidade em relação ao novo.  Se tomou a cruz central como uma base de quadrados: você tem grande sentido de análise que pode prejudi- car a sua capacidade de adaptação. Tem dificuldade em tomar iniciativas.  Se desenhou uma janela: gostaria de se abrir par ao mundo, mas alguma coisa o impede.  Se desenhou raios: tem atração pelo novo, mas falta-lhe objetividade.  Se desenhou um losango: tendência para se fechar perante o novo.  Se preencheu o quadro com cruzes: é um sinal de grande confiança em si, que pode travar uma adaptação.
  • 27. 4. ONDULADA – EMOTIVIDADE  Se desenhou por cima da linha: sabe exprimir a sua sensibilidade e contro- la bem as suas emoções.  Se desenhou por baixo da linha: é muito emocional e tem dificuldade em controlar os seus impulsos.  Se desenhou dos dois lados da linha: determine qual é mais importante.  Se reproduziu várias vezes a linha: tem gosto pelo rigor e pelo trabalho bem feito, ao ponto de se esquecer de exprimir a sua sensibilidade.  Se usou a linha para desenhar uma coroa: sabe usar sua emotividade com tato.  Se incluiu a linha numa forma circu- lar: mostra uma sensibilidade extre- ma que tem dificuldade em exprimir.
  • 28. 5. CÍRCULO – MOTIVAÇÃO  Se desenhou um sol, um alvo ou per- sonagem: avança na vida sem hesi- tar. Ultrapassando os obstáculos.  Se a personagem tem as pernas tor- tas ou um ar infeliz: você tem quali- dades, mas falta de autoconfiança.  Se desenhou uma flor: precisa sentir os outros à sua volta para estar ver- dadeiramente motivado.  Se representou um desenho geomé- trico organizado: tem um tempera- mento inquieto que o trava nos impul- sos.  Se desenhou um olho: tem tendência para desconfiar das situações.  Se integrou o círculo num losango ou quadrado: tem falta de audácia nos seus empreendimentos.
  • 29. 6. PONTOS – CRIATIVIDADE  Se conservou os pontos transforman- do-os em céu com estrelas, em neve, etc.: seu espírito criativo exprime-se espontaneamente.  Se desenhou um paraquedas: sabe encontrar a forma de exprimir a sua imaginação.  Se utilizou os pontos para fazer um risco contínuo: é um cartesiano, sua dimensão criativa tem dificuldade de se exprimir.  Se desenhou um círculo: seu espírito é mais lógico do que fantasioso.  Se desenhou vários círculos: dúvida do que escapa ao seu controle.  Se integrou ao desenho figuras geo- métricas (quadrado, triângulo, retân- gulo): você é muito prudente para deixar sua criatividade se expressar.
  • 30. CONHECENDO O QI, QE E QS QI – Quociente de Inteligência: capaci- dade de compreender e manipular sím- bolos matemáticos e linguísticos. QE – Quociente Emocional: revela nos- so autoconhecimento, disciplina, persis- tência e empatia. QI e QE podem trazer crescimento pro- fissional e financeiro – porém, paz inte- rior e alegria só com a QS, inteligência espiritual, que é a capacidade de encon- trar um propósito para a própria vida e de lidar com problemas existenciais co- mo fracasso, de rompimentos e de dor. Segundo Danah Zoahr, autora do li- vro Inteligência Espiritual, usando esta inteligência a pessoa tem capacidade de avaliar o sentido da vida.
  • 32. REFERÊNCIAS DE PESQUISA AYAN, Jordan. AHA! 10 maneiras de libertar seu espírito criativo e encontrar grandes ideias. São Paulo: Elsevier, 2001. BERG, E. A. Manual de criatividade aplicada: técnicas eficazes para desenvolver sua criatividade e inovação na profissão e nos negócios. Curitiba: Juruá, 2014. DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. 3ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007. TESTE DE QI. Endereço eletrônico: <http://www.testeqi.com.br/> PREDEBON, José. Criatividade hoje: como se pratica, aprende e ensina. São Paulo: Atlas, 2001. TORRE, S. de la. Dialogando com a criatividade – Da Identidade à Criatividade Paradoxal. São Paulo: Madras, 2005.