SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Processos Criativos
Metodologias e ferramentas para fazer surgir
ideias, conectar pessoas e gerar resultados. Grazielle M Rangel
O mundo mudou. Os modelos e sistemas tradicionais não dão mais conta de resolver os
desafios e problemas da atualidade. As organizações, amarradas por métodos de trabalho
do passado, já identificam a necessidade de adquirir novos princípios organizacionais. Uma
nova lógica que pede a participação das pessoas, que se aproveita da inteligência coletiva e
cria uma cultura de experimentação e aprendizado. Plataformas que estimulem a
criatividade e a geração de ideias para impulsionar a inovação.
Inovar requer boas ideias como combustível inicial. É aí que entram os processos criativos.
A geração de novas ideias é parte de um processo sistêmico. Um processo que tem início
com a constatação de um problema e termina com a sua resolução da melhor maneira
possível, passando por etapas de reunião e analise de informação, de produção de uma
grande quantidade de ideias, de avaliação dessas ideias e de elaboração da ideia
selecionada.
A criatividade individual e coletiva não desperta por acaso. Ela precisa ser estimulada,
cuidada e enriquecida continuamente. Na Agente Consultores, utilizamos alguns processos
criativos para elevar o potencial inovador e o pensar criativo nas organizações. Resumi aqui
uma visão geral de alguns dos métodos e ferramentas que aplicamos. Não são os únicos
que existem, mas eles foram escolhidos pela objetividade dos conceitos e aplicações.
Boa leitura! Espero que seja útil e inspirador.
Antes de falar sobre processos criativos,
vamos definir criatividade…
criatividade
cri.a.ti.vi.da.de
sf (criativo+i+dade)
1. capacidade de um sistema vivo para evoluir e criar novidade.
Gerd Binning, prêmio nobel da física em 1986, chegou a essa definição ao comparar
os mecanismos vivos de evolução, idênticos aos mecanismos do processo criativo
intencional dos indivíduos. Seus estudos comprovam que a criatividade é uma
capacidade intrínseca do ser humano, de que este necessita para sobreviver. .
Criatividade é a
inteligência se
divertindo.
a importância do
exercício criativo
De onde vêm as boas ideias? O contexto em que vivemos nunca
foi tão favorável ao surgimento de novas ideias e soluções
criativas. Soluções cada vez mais criativas produzem problemas
mais complexos e abrangentes que, por sua vez, requerem um
nível mais elevado de capacidade criativa. Nosso cérebro pode
ser mais rápido e mais flexível. Nesse guia temos alguns
exercícios e processos que podem ajudar no desenvolvimento
do pensamento criativo.
Leitura recomendada: Your Creative
Brain, de Shelley Carson, PhD em
psicologia e professora da Universidade
de Harvard. No livro, você encontrará
mais exercícios e técnicas.
processos criativos
1
2
3
brainstorming
e brainwriting
mapa mental
o jogo dramático
4
5
6
método clássico
CPS –
Creative Problem Solving
seis chapéus
É importante considerar que não somente a utilização de um único processo seja suficiente
ou atenda a todos os objetivos ou perfis. No entanto, a diversidade da prática e aprendizado
combinado pode ser uma experiência enriquecedora para organizações e grupos, que se
permitirem variar o “modo operacional mental”.
1 brainstorm e brainwriting
O que é Como usar
Brainstorm - criado por Alex Osborn é técnica de
intensa ativação da memória, para deixar fluir ideias,
conceitos e soluções para qualquer assunto ou tópico
num ambiente livre de críticas e de restrições à
imaginação. A comunicação é verbal e a apresentação
do pensamento em voz alta. As ideias geradas são
avaliadas e refinadas na sequência por um mediador.
Brainwriting - é uma variação do brainstorm. Favorece
a participação de integrantes mais tímidos ou inibidos.
No brainwriting, todas as ideias são anotadas pelos
participantes, e comunicadas gradativamente para
impulsionar novas ideias. Permite que cada um se
aprofunde um pouco mais no problema sem a
influência imediata das ideias de outros participantes.
As duas técnicas podem ser usadas quando se
deseja gerar, em um curto prazo, uma grande
quantidade de ideias sobre um problema a ser
resolvido, possíveis causas ou sugestões de ações.
No brainwriting, recomendo o uso de post-it para
favorecer os agrupamentos e a seleção das
melhores ideias. Pode-se desenhar num papel
círculos concêntricos. Após rodadas consecutivas,
o círculo interior pode conter as ideias favoritas, o
do meio as ideias potenciais, e no espaço exterior
as ideias menos apreciadas.
Referências: Applied Imagination (1953)
Etapas: preparação / produção de ideias / incubação
ou distanciamento / Avaliação e Aplicação da ideia.
2 mapa mental
O que é Como usar
Foi criado por Tony Buzan nos anos 1970, ao procurar um
método de ajuda à memorização e a representação de
ideias. Mapas mentais consistem em representações visuais
de ideias co-relacionadas e ramificadas sobre determinado
assunto. A partir de uma ideia que se propaga do centro é
possível explorar diversas categorias de associações e ideias,
por meio do uso de sinais, linhas, palavras e/ou desenhos,
se constrói um sistema de pensamentos em torno do ponto
de partida.
O mapa mental relaciona o pensamento lógico-imaginativo.
Assim, além de incentivar a flexibilidade do pensamento,
também reforça paralelamente os procedimentos analíticos,
associativo-combinatórios e sintéticos. No mapa mental,
produz-se, desde o início, uma estrutura em rede.
Mapas mentais são muito úteis na compilação de
ideias, dado que a cada palavra-chave ou assuntos
podem se associar outros temas. 



O mapa mental pode ser orientado por um
moderador que visualiza as ideias, ou pode ser
construído colaborativa e simultaneamente pelos
participantes.
Os mapas podem ser criados manualmente ou com
a utilização de programas específicos como o
https://www.mindmeister.com e outros.
Referências: The Mind Map Book (1995)
3 o jogo dramático
O que é Como usar
O jogo dramático favorece que uma situação ou um
problema sejam visualizados, considerando vários
ângulos e possibilidades, pela mesma pessoa ou
grupo. No jogo dramático, utilizamos a técnica dos
caracteres extremos. Assim podemos trabalhar
utilizando personas exageradas. A pessoa que cria
coloca-se na pele de um personagem, com uma
postura emocionalmente extrema em relação ao
problema ou ao produto que se pretende criar. 

Cada caráter extremo favorece novos prismas e
impulsiona ideias inusitadas.
Essa técnica pode ser utilizada individualmente
ou em grupo. Uma sugestão é criar listas com
caracteres extremos. Descreva detalhes dos
personagens: por exemplo, em vez de apenas
escrever um artista que faz novelas, um artista
que tem medo de gatos.
Da lista original, selecione três extremos mais
originais e diferentes entre si.
Crie uma biografia para cada um e utilize as
informações como fonte de ideação para criar
novos produtos ou melhorias.
Referências: Processos criativos, Katja Tschimmel
4 método clássico
O que é Fases
O método clássico se baseia na crença de seu
criador, James Webb Young (1982), de que uma idéia
é o resultado final de uma grande série de processos
invisíveis, construtores de idéias que ocorrem sob a
superfície da mente consciente. 

Seu método é distribuído em cinco fases, que devem
ser sequencial e rigorosamente seguidas. Para Young
(1982), não se pode passar à fase seguinte sem que a
anterior tenha sido completamente esgotada.
1 - Matéria-prima: pode ser todo o conhecimento já
existente ou pesquisas e referências sobre o tema que faça
parte do repertório dos envolvidos.
2 - Mastigação da informação:é a fase de “ruminar”
mentalmente as informações recolhidas. Anotar as idéias
que comecem a aparecer até o esgotamento.
3 - Digestão – incubação inconsciente: essa é a fase em
que o inconsciente irá trabalhar enquanto o consciente
descansa. É a hora de se afastar do problema e realizar
atividades mais lúdicas ou prazeirosas.
4 - Inspiração – o surgimento da idéia - uma vez que as
etapas anteriores foram seguidas, essa etapa ocorre
naturalmente. Eureka!
5 - Exposição – submissão à apreciação - É a fase de
apresentar a idéia para feedbacks que possam aprimorá-la.
Referências: YOUNG, James Webb. UNA TÉCNICA PARA
PRODUCIR IDEAS, Madri, Edição em espanhol, 1982.
5 cps – creative problem solving
O que é Fases
O Creative Problem Solving (Solução Criativa de
Problemas) foi desenvolvido inicialmente por Alex
Osborn e aperfeiçoado por Sidney Parnes em 1953
no Creative Problem Solving Institute. Nos últimos 50
anos, diversas versões foram sendo desenvolvidas por
autores do Creative Problem Solving Group.
A versão mais conhecida e aplicada é a 4.0, que inclui
a separação dos momentos de divergência e
convergência em cada uma das fases.
1 - Compreensão do problema: explorar a desordem
/ procurar oportunidades/ estabelecer uma meta para
resolver o problema.
2 - Encontrar dados: examinar a desordem por
diversos ângulos, determinar quais são os dados mais
importantes.
3 - Definir o problema: considerar todos os aspectos
e separar o mais importante a ser solucionado.
4 - Ideação – gerar um grande volume e variações de
ideias e separar alternativas com potencial.
5 - Seleção da ideia – selecionar a(s) ideia(s) que
resolverão o problema, refinar e reforça-las e
formular um plano de ação específico.
Referências: www.cpsb.com, Livro Creative Problem Solving. An
Introduction (Treffinger & Isaksen 1992)
6 seis chapéus
O que é Funções dos chapéus
Mundialmente conhecido, o processo dos seis
chapéus foi criado por Edward De Bono em 1985.
Tem características de grande utilidade para a
análise e solução de problemas, visto de seis ângulos
diferentes ao variar o “modo de pensamento”. 

Ele se utiliza de um processo de dramatização, onde
cada cor de chapéu indica o papel a ser representado
durante a discussão das ideias.
Chapéu Branco: neutralidade.
Chapéu vermelho: expõe emoções e sentimentos.
Chapéu preto: julgamento crítico e visão pessimista.
Chapéu amarelo: oferece pensamentos positivos,
construtivos e otimistas.
Chapéu verde: tem o papel de oferecer novas ideias e
ampliar a discussão.
Chapéu azul : é o maestro que organiza e harmoniza a
discussão, garantindo o foco, monitora as regras e garante
o resultado final.Referências: DE BONO, E. A TECNICA DOS SEIS
CHAPÉUS. O Pensamento Criativo na Prática. Rio de
Janeiro, Editora Ediouro, 1996.
Há outros modelos muito semelhantes nas raízes e nos procedimentos. Entre eles, encontram-se o
Simplex, de Min Basadur, o dos 4Ds, chamado de “Double Diamond” - Discover, Define, Develop e
Deliver, o DO IT de Robert Olson e outros.
Escolhemos tratar aqui os 6 mais utilizados e testados nos projetos da Agente Consultores para
facilitar o acesso às ferramentas que auxiliam as organizações, estrategistas, consultores e
empreendedores em seus processos criativos.
Para saber mais sobre nossas soluções ou contratar um workshop, acesse:
www.agenteconsultores.com.br.
Grazielle M Rangel
skype: grazimendesrangel
grazielle@agenteconsultores.com.br
www.agenteconsultores.com.br
AGENTE CONSULTORES - "INSPIRING CHANGE
QUEM INDICA
Obrigada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoRenato Melo
 
Desenvolvendo a Criatividade
Desenvolvendo a CriatividadeDesenvolvendo a Criatividade
Desenvolvendo a Criatividadetati_spazziano
 
O cérebro e a criatividade
O cérebro e a criatividadeO cérebro e a criatividade
O cérebro e a criatividadeAline Corso
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeGustavo Zanotto
 
Criação Publicitária - Aula 01 - Criatividade
Criação Publicitária - Aula 01 - CriatividadeCriação Publicitária - Aula 01 - Criatividade
Criação Publicitária - Aula 01 - CriatividadeThiago Ianatoni
 
Aula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoAula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoNJS Consultoria
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking   Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking Priscila Machado
 
O que é a criatividade?
O que é a criatividade?O que é a criatividade?
O que é a criatividade?Livia Kohiyama
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeLevi Tancredo
 
Seminário sobre Criatividade e Inovação
Seminário sobre Criatividade e InovaçãoSeminário sobre Criatividade e Inovação
Seminário sobre Criatividade e InovaçãoJorge Covacs
 
Pós Marketing Competitivo, Criatividade e Inovação
Pós Marketing Competitivo, Criatividade e InovaçãoPós Marketing Competitivo, Criatividade e Inovação
Pós Marketing Competitivo, Criatividade e InovaçãoMilton Henrique do Couto Neto
 
Aula 17 criatividade
Aula 17   criatividadeAula 17   criatividade
Aula 17 criatividadeLuiz Siles
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoMaristela Meireles
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?João Lima
 
Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.innoscience_
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeAugusto Pinto
 

Mais procurados (20)

Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
Desenvolvendo a Criatividade
Desenvolvendo a CriatividadeDesenvolvendo a Criatividade
Desenvolvendo a Criatividade
 
O cérebro e a criatividade
O cérebro e a criatividadeO cérebro e a criatividade
O cérebro e a criatividade
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
 
Conceito de Inovação
Conceito de InovaçãoConceito de Inovação
Conceito de Inovação
 
Criação Publicitária - Aula 01 - Criatividade
Criação Publicitária - Aula 01 - CriatividadeCriação Publicitária - Aula 01 - Criatividade
Criação Publicitária - Aula 01 - Criatividade
 
Aula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoAula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismo
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking   Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking
 
O que é a criatividade?
O que é a criatividade?O que é a criatividade?
O que é a criatividade?
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Seminário sobre Criatividade e Inovação
Seminário sobre Criatividade e InovaçãoSeminário sobre Criatividade e Inovação
Seminário sobre Criatividade e Inovação
 
Pós Marketing Competitivo, Criatividade e Inovação
Pós Marketing Competitivo, Criatividade e InovaçãoPós Marketing Competitivo, Criatividade e Inovação
Pós Marketing Competitivo, Criatividade e Inovação
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
Aula 17 criatividade
Aula 17   criatividadeAula 17   criatividade
Aula 17 criatividade
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
 
Design Thinking (simplificado)
Design Thinking (simplificado)Design Thinking (simplificado)
Design Thinking (simplificado)
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?
 
Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & Criatividade
 

Destaque

Slide Kamban
Slide KambanSlide Kamban
Slide KambanAbei
 
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysisApplying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysisUniversidade Federal Fluminense
 
Design Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google CampusDesign Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google CampusLeonardo Veri
 
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem SolvingIntrodução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem SolvingRaksha77
 
Modelos de Governança
Modelos de GovernançaModelos de Governança
Modelos de Governançafviberti
 

Destaque (7)

Slide Kamban
Slide KambanSlide Kamban
Slide Kamban
 
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysisApplying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Design Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google CampusDesign Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google Campus
 
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem SolvingIntrodução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
 
Governança de TI
Governança de TIGovernança de TI
Governança de TI
 
Modelos de Governança
Modelos de GovernançaModelos de Governança
Modelos de Governança
 

Semelhante a Guia prático de processos criativos

Apresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoApresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoRodrigo Vasconcelos
 
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2Complexo_Regulador
 
Apresentação criatividade cópia
Apresentação criatividade   cópiaApresentação criatividade   cópia
Apresentação criatividade cópiaDenner Macêdo
 
LC 02 Métodos Criativos
LC 02 Métodos CriativosLC 02 Métodos Criativos
LC 02 Métodos CriativosOdair Tuono
 
BRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptx
BRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptxBRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptx
BRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptxANDERSONANTNIODELIMA
 
Inovação & tecnologia aula criatividade
Inovação & tecnologia   aula criatividadeInovação & tecnologia   aula criatividade
Inovação & tecnologia aula criatividadeDra. Camila Hamdan
 
01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação
01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação
01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovaçãoDebora Miceli
 
Gestao em vendas_brainstorming
Gestao em vendas_brainstormingGestao em vendas_brainstorming
Gestao em vendas_brainstormingEstrela Franquias
 
aula.faculdade administrativa UVA 2018pptx
aula.faculdade administrativa UVA 2018pptxaula.faculdade administrativa UVA 2018pptx
aula.faculdade administrativa UVA 2018pptxTatianaDiniz21
 
brainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptx
brainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptxbrainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptx
brainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptxMENTORAMONIZEALMEIDA
 
10 atitudes das pessoas muito criativas
10 atitudes das pessoas muito criativas10 atitudes das pessoas muito criativas
10 atitudes das pessoas muito criativasR Gómez
 

Semelhante a Guia prático de processos criativos (20)

Brainstorming ferramenta gerencial
Brainstorming ferramenta gerencialBrainstorming ferramenta gerencial
Brainstorming ferramenta gerencial
 
Aula n 02 brainstorming
Aula n 02   brainstormingAula n 02   brainstorming
Aula n 02 brainstorming
 
Criacao Aula03
Criacao Aula03Criacao Aula03
Criacao Aula03
 
Como fazer um bom brainstorm.docx
Como fazer um bom brainstorm.docxComo fazer um bom brainstorm.docx
Como fazer um bom brainstorm.docx
 
Apresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoApresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigo
 
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2Criatividade  -atividade_supervisionada_-_av2
Criatividade -atividade_supervisionada_-_av2
 
Apresentação criatividade cópia
Apresentação criatividade   cópiaApresentação criatividade   cópia
Apresentação criatividade cópia
 
O que é Brainstorming?
O que é Brainstorming?O que é Brainstorming?
O que é Brainstorming?
 
LC 02 Métodos Criativos
LC 02 Métodos CriativosLC 02 Métodos Criativos
LC 02 Métodos Criativos
 
Desing thinking
Desing thinkingDesing thinking
Desing thinking
 
Desing thinking
Desing thinkingDesing thinking
Desing thinking
 
BRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptx
BRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptxBRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptx
BRAINSTORM_Criatividade e Inovação.pptx
 
Inovação & tecnologia aula criatividade
Inovação & tecnologia   aula criatividadeInovação & tecnologia   aula criatividade
Inovação & tecnologia aula criatividade
 
01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação
01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação
01. Debora Miceli - Empreendedorismo, criatividade e inovação
 
Brainstorming
BrainstormingBrainstorming
Brainstorming
 
Brainstorming
BrainstormingBrainstorming
Brainstorming
 
Gestao em vendas_brainstorming
Gestao em vendas_brainstormingGestao em vendas_brainstorming
Gestao em vendas_brainstorming
 
aula.faculdade administrativa UVA 2018pptx
aula.faculdade administrativa UVA 2018pptxaula.faculdade administrativa UVA 2018pptx
aula.faculdade administrativa UVA 2018pptx
 
brainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptx
brainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptxbrainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptx
brainstorming-150904014318-lva1-app6892 (1).pptx
 
10 atitudes das pessoas muito criativas
10 atitudes das pessoas muito criativas10 atitudes das pessoas muito criativas
10 atitudes das pessoas muito criativas
 

Mais de Grazi Mendes Rangel

Push&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoais
Push&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoaisPush&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoais
Push&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoaisGrazi Mendes Rangel
 
Future Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalho
Future Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalhoFuture Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalho
Future Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalhoGrazi Mendes Rangel
 
ReWork e os desafios da educação
ReWork e os desafios da educaçãoReWork e os desafios da educação
ReWork e os desafios da educaçãoGrazi Mendes Rangel
 
Re work - As novas fronteiras do universo do trabalho
Re work - As novas fronteiras do universo do trabalhoRe work - As novas fronteiras do universo do trabalho
Re work - As novas fronteiras do universo do trabalhoGrazi Mendes Rangel
 
Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...
Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...
Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...Grazi Mendes Rangel
 
Imóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectado
Imóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectadoImóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectado
Imóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectadoGrazi Mendes Rangel
 
RH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era Digital
RH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era DigitalRH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era Digital
RH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era DigitalGrazi Mendes Rangel
 

Mais de Grazi Mendes Rangel (8)

Push&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoais
Push&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoaisPush&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoais
Push&Pull - Tensão criativa entre objetivos de negócio e aspirações pessoais
 
Future Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalho
Future Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalhoFuture Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalho
Future Work Skills 2020 - As habilidades para o futuro do trabalho
 
ReWork e os desafios da educação
ReWork e os desafios da educaçãoReWork e os desafios da educação
ReWork e os desafios da educação
 
Re work - As novas fronteiras do universo do trabalho
Re work - As novas fronteiras do universo do trabalhoRe work - As novas fronteiras do universo do trabalho
Re work - As novas fronteiras do universo do trabalho
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design ThinkingIntrodução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking
 
Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...
Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...
Culture and Change - Um bate papo sobre experiências de diagnóstico de clima ...
 
Imóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectado
Imóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectadoImóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectado
Imóveis em um mundo móvel - A jornada do consumidor conectado
 
RH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era Digital
RH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era DigitalRH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era Digital
RH Conectado - Os desafios da Gestão de Pessoas na Era Digital
 

Último

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 

Guia prático de processos criativos

  • 1. Processos Criativos Metodologias e ferramentas para fazer surgir ideias, conectar pessoas e gerar resultados. Grazielle M Rangel
  • 2. O mundo mudou. Os modelos e sistemas tradicionais não dão mais conta de resolver os desafios e problemas da atualidade. As organizações, amarradas por métodos de trabalho do passado, já identificam a necessidade de adquirir novos princípios organizacionais. Uma nova lógica que pede a participação das pessoas, que se aproveita da inteligência coletiva e cria uma cultura de experimentação e aprendizado. Plataformas que estimulem a criatividade e a geração de ideias para impulsionar a inovação. Inovar requer boas ideias como combustível inicial. É aí que entram os processos criativos. A geração de novas ideias é parte de um processo sistêmico. Um processo que tem início com a constatação de um problema e termina com a sua resolução da melhor maneira possível, passando por etapas de reunião e analise de informação, de produção de uma grande quantidade de ideias, de avaliação dessas ideias e de elaboração da ideia selecionada. A criatividade individual e coletiva não desperta por acaso. Ela precisa ser estimulada, cuidada e enriquecida continuamente. Na Agente Consultores, utilizamos alguns processos criativos para elevar o potencial inovador e o pensar criativo nas organizações. Resumi aqui uma visão geral de alguns dos métodos e ferramentas que aplicamos. Não são os únicos que existem, mas eles foram escolhidos pela objetividade dos conceitos e aplicações. Boa leitura! Espero que seja útil e inspirador.
  • 3. Antes de falar sobre processos criativos, vamos definir criatividade…
  • 4. criatividade cri.a.ti.vi.da.de sf (criativo+i+dade) 1. capacidade de um sistema vivo para evoluir e criar novidade. Gerd Binning, prêmio nobel da física em 1986, chegou a essa definição ao comparar os mecanismos vivos de evolução, idênticos aos mecanismos do processo criativo intencional dos indivíduos. Seus estudos comprovam que a criatividade é uma capacidade intrínseca do ser humano, de que este necessita para sobreviver. .
  • 6. a importância do exercício criativo De onde vêm as boas ideias? O contexto em que vivemos nunca foi tão favorável ao surgimento de novas ideias e soluções criativas. Soluções cada vez mais criativas produzem problemas mais complexos e abrangentes que, por sua vez, requerem um nível mais elevado de capacidade criativa. Nosso cérebro pode ser mais rápido e mais flexível. Nesse guia temos alguns exercícios e processos que podem ajudar no desenvolvimento do pensamento criativo. Leitura recomendada: Your Creative Brain, de Shelley Carson, PhD em psicologia e professora da Universidade de Harvard. No livro, você encontrará mais exercícios e técnicas.
  • 7. processos criativos 1 2 3 brainstorming e brainwriting mapa mental o jogo dramático 4 5 6 método clássico CPS – Creative Problem Solving seis chapéus É importante considerar que não somente a utilização de um único processo seja suficiente ou atenda a todos os objetivos ou perfis. No entanto, a diversidade da prática e aprendizado combinado pode ser uma experiência enriquecedora para organizações e grupos, que se permitirem variar o “modo operacional mental”.
  • 8. 1 brainstorm e brainwriting O que é Como usar Brainstorm - criado por Alex Osborn é técnica de intensa ativação da memória, para deixar fluir ideias, conceitos e soluções para qualquer assunto ou tópico num ambiente livre de críticas e de restrições à imaginação. A comunicação é verbal e a apresentação do pensamento em voz alta. As ideias geradas são avaliadas e refinadas na sequência por um mediador. Brainwriting - é uma variação do brainstorm. Favorece a participação de integrantes mais tímidos ou inibidos. No brainwriting, todas as ideias são anotadas pelos participantes, e comunicadas gradativamente para impulsionar novas ideias. Permite que cada um se aprofunde um pouco mais no problema sem a influência imediata das ideias de outros participantes. As duas técnicas podem ser usadas quando se deseja gerar, em um curto prazo, uma grande quantidade de ideias sobre um problema a ser resolvido, possíveis causas ou sugestões de ações. No brainwriting, recomendo o uso de post-it para favorecer os agrupamentos e a seleção das melhores ideias. Pode-se desenhar num papel círculos concêntricos. Após rodadas consecutivas, o círculo interior pode conter as ideias favoritas, o do meio as ideias potenciais, e no espaço exterior as ideias menos apreciadas. Referências: Applied Imagination (1953) Etapas: preparação / produção de ideias / incubação ou distanciamento / Avaliação e Aplicação da ideia.
  • 9. 2 mapa mental O que é Como usar Foi criado por Tony Buzan nos anos 1970, ao procurar um método de ajuda à memorização e a representação de ideias. Mapas mentais consistem em representações visuais de ideias co-relacionadas e ramificadas sobre determinado assunto. A partir de uma ideia que se propaga do centro é possível explorar diversas categorias de associações e ideias, por meio do uso de sinais, linhas, palavras e/ou desenhos, se constrói um sistema de pensamentos em torno do ponto de partida. O mapa mental relaciona o pensamento lógico-imaginativo. Assim, além de incentivar a flexibilidade do pensamento, também reforça paralelamente os procedimentos analíticos, associativo-combinatórios e sintéticos. No mapa mental, produz-se, desde o início, uma estrutura em rede. Mapas mentais são muito úteis na compilação de ideias, dado que a cada palavra-chave ou assuntos podem se associar outros temas. 
 
 O mapa mental pode ser orientado por um moderador que visualiza as ideias, ou pode ser construído colaborativa e simultaneamente pelos participantes. Os mapas podem ser criados manualmente ou com a utilização de programas específicos como o https://www.mindmeister.com e outros. Referências: The Mind Map Book (1995)
  • 10. 3 o jogo dramático O que é Como usar O jogo dramático favorece que uma situação ou um problema sejam visualizados, considerando vários ângulos e possibilidades, pela mesma pessoa ou grupo. No jogo dramático, utilizamos a técnica dos caracteres extremos. Assim podemos trabalhar utilizando personas exageradas. A pessoa que cria coloca-se na pele de um personagem, com uma postura emocionalmente extrema em relação ao problema ou ao produto que se pretende criar. 
 Cada caráter extremo favorece novos prismas e impulsiona ideias inusitadas. Essa técnica pode ser utilizada individualmente ou em grupo. Uma sugestão é criar listas com caracteres extremos. Descreva detalhes dos personagens: por exemplo, em vez de apenas escrever um artista que faz novelas, um artista que tem medo de gatos. Da lista original, selecione três extremos mais originais e diferentes entre si. Crie uma biografia para cada um e utilize as informações como fonte de ideação para criar novos produtos ou melhorias. Referências: Processos criativos, Katja Tschimmel
  • 11. 4 método clássico O que é Fases O método clássico se baseia na crença de seu criador, James Webb Young (1982), de que uma idéia é o resultado final de uma grande série de processos invisíveis, construtores de idéias que ocorrem sob a superfície da mente consciente. 
 Seu método é distribuído em cinco fases, que devem ser sequencial e rigorosamente seguidas. Para Young (1982), não se pode passar à fase seguinte sem que a anterior tenha sido completamente esgotada. 1 - Matéria-prima: pode ser todo o conhecimento já existente ou pesquisas e referências sobre o tema que faça parte do repertório dos envolvidos. 2 - Mastigação da informação:é a fase de “ruminar” mentalmente as informações recolhidas. Anotar as idéias que comecem a aparecer até o esgotamento. 3 - Digestão – incubação inconsciente: essa é a fase em que o inconsciente irá trabalhar enquanto o consciente descansa. É a hora de se afastar do problema e realizar atividades mais lúdicas ou prazeirosas. 4 - Inspiração – o surgimento da idéia - uma vez que as etapas anteriores foram seguidas, essa etapa ocorre naturalmente. Eureka! 5 - Exposição – submissão à apreciação - É a fase de apresentar a idéia para feedbacks que possam aprimorá-la. Referências: YOUNG, James Webb. UNA TÉCNICA PARA PRODUCIR IDEAS, Madri, Edição em espanhol, 1982.
  • 12. 5 cps – creative problem solving O que é Fases O Creative Problem Solving (Solução Criativa de Problemas) foi desenvolvido inicialmente por Alex Osborn e aperfeiçoado por Sidney Parnes em 1953 no Creative Problem Solving Institute. Nos últimos 50 anos, diversas versões foram sendo desenvolvidas por autores do Creative Problem Solving Group. A versão mais conhecida e aplicada é a 4.0, que inclui a separação dos momentos de divergência e convergência em cada uma das fases. 1 - Compreensão do problema: explorar a desordem / procurar oportunidades/ estabelecer uma meta para resolver o problema. 2 - Encontrar dados: examinar a desordem por diversos ângulos, determinar quais são os dados mais importantes. 3 - Definir o problema: considerar todos os aspectos e separar o mais importante a ser solucionado. 4 - Ideação – gerar um grande volume e variações de ideias e separar alternativas com potencial. 5 - Seleção da ideia – selecionar a(s) ideia(s) que resolverão o problema, refinar e reforça-las e formular um plano de ação específico. Referências: www.cpsb.com, Livro Creative Problem Solving. An Introduction (Treffinger & Isaksen 1992)
  • 13. 6 seis chapéus O que é Funções dos chapéus Mundialmente conhecido, o processo dos seis chapéus foi criado por Edward De Bono em 1985. Tem características de grande utilidade para a análise e solução de problemas, visto de seis ângulos diferentes ao variar o “modo de pensamento”. 
 Ele se utiliza de um processo de dramatização, onde cada cor de chapéu indica o papel a ser representado durante a discussão das ideias. Chapéu Branco: neutralidade. Chapéu vermelho: expõe emoções e sentimentos. Chapéu preto: julgamento crítico e visão pessimista. Chapéu amarelo: oferece pensamentos positivos, construtivos e otimistas. Chapéu verde: tem o papel de oferecer novas ideias e ampliar a discussão. Chapéu azul : é o maestro que organiza e harmoniza a discussão, garantindo o foco, monitora as regras e garante o resultado final.Referências: DE BONO, E. A TECNICA DOS SEIS CHAPÉUS. O Pensamento Criativo na Prática. Rio de Janeiro, Editora Ediouro, 1996.
  • 14. Há outros modelos muito semelhantes nas raízes e nos procedimentos. Entre eles, encontram-se o Simplex, de Min Basadur, o dos 4Ds, chamado de “Double Diamond” - Discover, Define, Develop e Deliver, o DO IT de Robert Olson e outros. Escolhemos tratar aqui os 6 mais utilizados e testados nos projetos da Agente Consultores para facilitar o acesso às ferramentas que auxiliam as organizações, estrategistas, consultores e empreendedores em seus processos criativos. Para saber mais sobre nossas soluções ou contratar um workshop, acesse: www.agenteconsultores.com.br. Grazielle M Rangel skype: grazimendesrangel grazielle@agenteconsultores.com.br www.agenteconsultores.com.br AGENTE CONSULTORES - "INSPIRING CHANGE