SlideShare uma empresa Scribd logo
HIDROCARBONETOS
Os  hidrocarbonetos naturais  são compostos químicos constituídos por átomos de carbono ( C ) e de hidrogénio ( H ), aos quais se podem juntar átomos de oxigénio ( O ), azoto ( N ) e enxofre ( S ). São conhecidos alguns milhares de hidrocarbonetos. As diferentes características físicas são uma consequência das diferentes composições moleculares. Contudo, todos os hidrocarbonetos apresentam uma propriedade comum:  "ardem" , isto é, oxidam-se facilmente libertando calor, são  combustíveis
Os hidrocarbonetos, em termos da  química do carbono , são compostos cujas moléculas são constituídas exclusivamente por átomos de carbono e hidrogénio. Os milhares de hidrocarbonetos conhecidos diferenciam-se uns dos outros, pelas  propriedades físicas e químicas  que apresentam. Com o objectivo de facilitar o seu estudo, os hidrocarbonetos podem-se classificar da seguinte forma:  I) Cadeia aberta  (cadeia linear, caso do metano e pentano cujos modelos de moléculas estão representados na figura abaixo): 1) Alcanos - são hidrocarbonetos saturados só com ligações simples (exemplos: metano (CH4) e pentano (CH3-CH2-CH2-CH2-CH3), 2) Alcenos - são hidrocarbonetos não saturados que apresentam uma dupla ligação carbono-carbono (>C=C<) (exemplo: eteno CH2 = CH2), 3) Alcinos - são hidrocarbonetos não saturados que apresentam na sua molécula uma ligação tripla carbono-carbono (-CºC-);  II) Cadeia fechada ou cíclicos  (as ligações dos átomos de carbono formam anéis, caso do ciclopentano cujo modelo de moléculas está representado na figura abaixo): 1) Cicloalcanos - hidrocarbonetos com cadeia cíclica saturada, de fórmula geral CnH2n, com n>2, 2) Cicloalcenos - hidrocarbonetos com cadeia cíclica com uma ligação dupla, de fórmula geral CnH2n-2, com n>2, 3) Cicloalcinos - hidrocarbonetos com cadeia cíclica com uma ligação tripla, de fórmula geral CnH2n-4, com n>2.  III) Aromáticos  - estes hidrocarbonetos são compostos químicos baseados na molécula de benzeno C6H6, e apresentam cheiros característicos. A química dos compostos aromáticos é antes do mais a química do benzeno e seus derivados.
Os hidrocarbonetos com  moléculas simples e leves  ( metano, etano, propano, butano ), são  gasosos  às temperaturas e pressões normais; o  metano , o mais simples de todos os hidrocarbonetos, só passa ao  estado líquido à temperatura  de -1600o C; o propano e o butano passam ao estado líquido ( liquefazem-se ) a temperaturas normais e a baixas pressões, deste modo, podem ser colocados dentro de botijas metálicas dando origem ao chamado &quot; gás líquido &quot; ( G.P.L. ).
Os hidrocarbonetos naturais estão encerrados nas rochas que constituem a  parte superior da crusta terrestre , também chamado  subsolo . Resultam de transformações de ordem física e química que se produzem ao longo da  História da Terra  (Milhões de Anos) e que levam, em simultâneo, à formação das  rochas sedimentares . A chuva, o vento, o gelo, os rios, os mares e os seres vivos  desagregam  e  alteram  continuamente as rochas superficiais (  erosão  ) cujos detritos,  transportados  pelas águas, gelo e vento, até ao mar,  depositam-se  sobre o fundo formando camadas sobrepostas de areia e de lamas argilosas. Ao mesmo tempo que se depositam sobre o fundo do mar os detritos resultantes da erosão, depositam-se, igualmente, os  sais minerais  que precipitam, tais como o sal-gema, o gesso, a calcite... De igual modo, depois de mortos, depositam-se sobre o fundo do mar os  organismos  animais e vegetais que viveram nas águas marinhas e aqueles que viveram nos continentes e foram  transportados  para os mares.
 
Qualquer que seja a sua origem, os  sedimentos  ( depósitos naturais de materiais sólidos fragmentados ou não, inorgânicos ou orgânicos, bem como de precipitados químicos ) que se  acumulam  sobre o fundo do mar ficam impregnados de água do mar. Por efeito da  compressão  causada pelo peso das camadas superiores e pela  cimentação  resultante da cristalização dos sais, uma parte da água do mar será expulsa e a que restar vai preencher, em parte, os  vazios minúsculos  ( poros e microfracturas ) existentes nos sedimentos, mesmo quando aqueles já estão transformadas em  rochas compactas  (cimentadas). A  matéria orgânica , após a morte dos diferentes organismos vivos ( plâncton marinho e lacustre, algas, diatomáceas, peixes, moluscos, plantas superiores, etc. ), encontra-se disseminada no sedimento do fundo marinho e/ou lacustre em ligação com partículas argilosas. Para que se  não degrade  rapidamente é preciso que se deposite, por exemplo, num meio marinho  anaeróbico  ( desprovido de oxigénio ), isto é, águas perfeitamente calmas, confinadas e muito estratificadas.
Classificação e ocorrência Os hidrocarbonetos se classificam de acordo com a proporção dos átomos de carbono e hidrogênio presentes em sua composição química. Assim, denominam-se hidrocarbonetos saturados os compostos ricos em hidrogênio, enquanto os hidrocarbonetos  ditos insaturados apresentam uma razão hidrogênio/carbono inferior e são encontrados principalmente no petróleo e em resinas vegetais. Os grupos de hidrocarbonetos constituem as chamadas séries homólogas, em que cada termo (composto orgânico) difere do anterior em um átomo de carbono e dois de hidrogênio. Os termos superiores da série homóloga saturada, de peso molecular mais alto, encontram-se em alguns tipos de petróleo e como elementos constituintes do pinho, da casca de algumas frutas e dos pigmentos das folhas e hortaliças. Os hidrocarbonetos etilênicos, primeiro subgrupo dos insaturados, estão presentes em muitas modalidades de petróleo em estado natural, enquanto os acetilênicos, que compõem o segundo subgrupo dos hidrocarbonetos insaturados, obtêm-se artificialmente pelo processo de craqueamento (ruptura) catalítico do petróleo. Os hidrocarbonetos aromáticos foram assim chamados por terem sido obtidos inicialmente a partir de produtos naturais como resinas ou bálsamos, e apresentarem odor característico. Com o tempo, outras fontes desses compostos foram descobertas. Até a segunda guerra  mundial , por exemplo, sua fonte mais  importante  era o carvão. Com o crescimento da demanda, durante e após a guerra, outras fontes foram pesquisadas. Atualmente, grande parte dos compostos aromáticos, base de inúmeros  processos  industriais, se obtém a partir do petróleo.
Estrutura e nomenclatura A estrutura das moléculas dos hidrocarbonetos baseia-se na tetravalência do carbono, isto é, em sua capacidade de ligar-se, quimicamente, a quatro outros átomos, inclusive  de carbono, simultaneamente. Assim, as sucessões de átomos de carbono podem formar cadeias lineares, ramificadas em ziguezague, que lembram anéis e estruturas de três dimensões.
Hidrocarbonetos saturados  A fórmula empírica molecular dos hidrocarbonetos saturados, também chamados alcanos ou parafinas, é CnH2n+2, segundo a qual n átomos de carbono combinam-se com 2n + 2 átomos de hidrogênio para formarem uma molécula. Valores inteiros sucessivos de n dão origem aos termos distintos da série: metano (CH4), etano (C2H6), propano (C3H8), butano (C4H10) etc. A partir do quarto termo da série, o butano, os quatro carbonos podem formar uma cadeia linear ou uma estrutura ramificada. No primeiro caso, o composto se denomina n-butano. Na estrutura ramificada, um átomo de carbono se liga ao carbono central da cadeia linear formada pelos outros três, formando o iso-butano, ou pode dar origem a uma estrutura cíclica, própria do composto chamado ciclobutano, em que os átomos de carbono das extremidades estão ligados entre si. A existência de compostos com mesma fórmula molecular, mas com estruturas diferentes, é fenômeno comum nos hidrocarbonetos, designado como isomeria estrutural. As substâncias isômeras possuem propriedades físicas e químicas semelhantes, mas não idênticas, e formam, em certos casos, moléculas completamente diferentes. Os termos da série saturada são nomeados a partir do butano com o prefixo grego correspondente ao número de átomos de carbono constituintes da molécula: penta, hexa, hepta etc., acrescidos da terminação &quot;ano&quot;. Nos cicloalcanos, hidrocarbonetos de cadeia saturada com estrutura em anel, a nomenclatura faz-se com a anteposição da palavra &quot;ciclo&quot; ao nome correspondente ao hidrocarboneto análogo na cadeia linear. Finalmente, os possíveis isômeros presentes na série saturada cíclica se distinguem por meio de números, associados à posição da ramificação no ciclo.
Hidrocarbonetos insaturados  O primeiro grupo de hidrocarbonetos insaturados, constituído pelos compostos etilênicos, também chamados alcenos, alquenos ou olefinas, tem como característica estrutural a presença de uma dupla ligação entre dois átomos de carbono. Sua fórmula molecular é CnH2n e os primeiros termos da série homóloga correspondente recebem o nome de etileno ou eteno (C2H4), propileno ou propeno (C3H6), butileno ou buteno (C4H8) etc. Os termos seguintes têm uma nomenclatura análoga à dos hidrocarbonetos saturados, acrescidos da terminação &quot;eno&quot;. A posição da dupla ligação na molécula dos alcenos pode dar origem a diferentes isômeros. Para distingui-los, o número do primeiro carbono a conter essa ligação precede o nome do hidrocarboneto na nomenclatura desses compostos. Existem, ainda, hidrocarbonetos etilênicos com mais de uma dupla ligação -- denominados dienos, quando possuem duas ligações, e polienos, com três ou mais. O grupo mais importante dessa classe de hidrocarbonetos constitui-se de compostos com duplas ligações em posições alternadas, os dienos conjugados. A nomenclatura dos alcenos de estrutura anelar, ditos cicloalquenos, é formalmente análoga à dos cicloalcanos. Os alcinos ou alquinos (de fórmula molecular CnH2n-2), também conhecidos como hidrocarbonetos acetilênicos e componentes do segundo grupo dos compostos insaturados, apresentam ligação tripla em sua estrutura e sua nomenclatura é similar à dos alcenos, com a terminação &quot;ino&quot; que lhes é própria. Os cicloalquinos inferiores (de baixo peso molecular) são instáveis, sendo o ciclo-octino, com oito átomos de carbono, o menor alcino cíclico estável conhecido.
Hidrocarbonetos aromáticos  A estrutura do benzeno, base dos hidrocarbonetos aromáticos, foi descrita pela primeira vez por Friedrich August Kekulé, em 1865. Segundo ele, a molécula do benzeno tem o formato de um hexágono regular com os vértices ocupados por átomos de carbono ligados a um átomo de hidrogênio. Para satisfazer a tetravalência do carbono, o anel benzênico apresenta três duplas ligações alternadas e conjugadas entre si, o que lhe confere sua estabilidade característica. Os hidrocarbonetos da série homóloga benzênica subdividem-se em três grupos distintos. O primeiro  constitui-se de compostos formados pela substituição de um ou mais átomos de hidrogênio do anel pelos radicais de hidrocarbonetos. Esses compostos têm seus nomes derivados do radical substituinte, terminado em &quot;il&quot;, e seguidos da palavra &quot;benzeno&quot;. Alguns, no entanto, apresentam denominações alternativas (ou vulgares), mais comumente empregadas. Assim, o metil-benzeno é conhecido como tolueno, o dimetil-benzeno como xileno etc. No segundo grupo, encontram-se os compostos formados pela união de anéis benzênicos por ligação simples entre os átomos de carbono, como a bifenila, ou com um ou mais átomos de carbono entre os anéis. Por último, o terceiro grupo de hidrocarbonetos aromáticos constitui-se de compostos formados por condensação de anéis benzênicos, de modo que dois ou m ais átomos de carbono sejam comuns a mais de um anel, tais como o naftaleno, com dois anéis, e o antraceno, com três.
Propriedades e aplicações Os hidrocarbonetos em geral são insolúveis em água, mas se solubilizam prontamente em substâncias orgânicas como o éter e a acetona. Os primeiros termos das séries homólogas são gasosos, enquanto os compostos de maior peso molecular são líquidos ou sólidos. Graças a sua capacidade de decompor-se em dióxido de carbono e vapor d'água, em presença de oxigênio, com desprendimento de grande quantidade de energia, torna-se possível a utilização de vários hidrocarbonetos como combustíveis. Os hidrocarbonetos saturados, ou parafinas, caracterizam-se sobretudo por ser quimicamente inertes. Industrialmente, são empregados no processo de craqueamento (cracking) ou ruptura, a elevadas temperaturas, e produzem misturas de compostos de estruturas mais simples, saturados ou não. A hidrogenação catalítica dos alcenos é utilizada, em escala industrial, para a produção controlada de moléculas saturadas. Esses compostos são usados ainda como moderadores nucleares e como combustíveis (gás de cozinha, em automóveis etc.). Os hidrocarbonetos insaturados com duplas ligações têm a capacidade de realizar reações de adição com compostos halogenados e formam importantes derivados orgânicos. Além disso, com a adição de moléculas de alcenos, é possível efetuar a síntese dos polímeros, empregados industrialmente no fabrico de plásticos (polietileno, teflon, poliestireno etc) e de fibras sintéticas para tecidos (orlon, acrilan etc.). Além disso, faz parte da gasolina uma importante mistura de alquenos. Metade da produção de acetileno é utilizada, como oxiacetileno, na soldagem e corte de metais. Os hidrocarbonetos aromáticos, além de bons solventes, são empregados na produção de resinas, corantes, inseticidas, plastificantes e medicamentos.
Propriedades físicas Alcanos  são praticamente insolúveis em água. Alcanos são menos densos que a água. Pontos de fusão e ebulição dos alcanos geralmente aumentam com o peso molecular e com o comprimento da cadeia carbônica principal. Em  condições normais , do CH4 até C4H10, alcanos são gasosos; do C5H12 até C17H36, eles são líquidos; e depois de C18H38, eles são sólidos. As moléculas de alcanos podem ligar-se entre si por força de Van der Waals. Estas forças tornam-se mais interessantes à medida que o tamanho das moléculas aumentam.
Alcinos:   Apresentam pontos de fusão e ebulição crescentes com o aumento da cadeia carbônica (massa molecular) como os alcanos e alcenos. Essa classe de compostos, não possui cor (incolor), nem cheiro (inodoro), apresentam insolubilidade em água, mas são solúveis em solventes orgânicos como o álcool, o éter e outros. O acetileno, ao contrário dos outros alcinos, tem cheiro agradável e é parcialmente solúvel em água, e é partir dele que se obtêm solúveis não inflamáveis. Os alcinos são preparados em laboratório porque não se encontram livres na natureza. O etino (acetileno), o propino (C3H4) e o butino (C4H6) são gases nas  CNTP , os membros seguintes da série até o C14H26 apresentam-se como líquidos, e os superiores são sólidos.
Exemplos de compostos alifáticos:
Equipe: Ana Paula Frare Márcia Feltrin Rafaella Bitencourt Marcos Rossinski 3ª 02

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
Marcos França
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
Joyce Fagundes
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Kamila Passos
 
Reações de Adição e Eliminação
Reações de Adição e EliminaçãoReações de Adição e Eliminação
Reações de Adição e Eliminação
Kaires Braga
 
Gases
GasesGases
Gases
paaccedro
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanosResumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Profª Alda Ernestina
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
Gabriel Lencione
 
003 hidrocarbonetos
003 hidrocarbonetos003 hidrocarbonetos
003 hidrocarbonetos
Manuel da Mata Vicente
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Adrianne Mendonça
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
paramore146
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
Joelson Barral
 
Obtenção dos alcanos (reacções químicas)
Obtenção dos alcanos (reacções químicas)Obtenção dos alcanos (reacções químicas)
Obtenção dos alcanos (reacções químicas)
CPG1996
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
José Nunes da Silva Jr.
 
Hidrocarboneto
HidrocarbonetoHidrocarboneto
Hidrocarboneto
kaliandra Lisboa
 
Mistura de soluções
Mistura de soluçõesMistura de soluções
Mistura de soluções
Allef Sousa Silva
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
Profª Alda Ernestina
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
Karol Maia
 

Mais procurados (20)

CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Reações de Adição e Eliminação
Reações de Adição e EliminaçãoReações de Adição e Eliminação
Reações de Adição e Eliminação
 
Gases
GasesGases
Gases
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanosResumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
003 hidrocarbonetos
003 hidrocarbonetos003 hidrocarbonetos
003 hidrocarbonetos
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Obtenção dos alcanos (reacções químicas)
Obtenção dos alcanos (reacções químicas)Obtenção dos alcanos (reacções químicas)
Obtenção dos alcanos (reacções químicas)
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Hidrocarboneto
HidrocarbonetoHidrocarboneto
Hidrocarboneto
 
Mistura de soluções
Mistura de soluçõesMistura de soluções
Mistura de soluções
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
 

Destaque

Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
Karol Maia
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Carlos Priante
 
Aula 2a -_alcanos
Aula 2a -_alcanosAula 2a -_alcanos
Aula 2a -_alcanos
day ....
 
Analise alcanos
Analise alcanosAnalise alcanos
Analise alcanos
Jéssica Batista
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
Hugo Braibante
 
Aula 9 11 analise conformacional
Aula 9   11 analise conformacionalAula 9   11 analise conformacional
Aula 9 11 analise conformacional
Gustavo Silveira
 
Antidetonantes
AntidetonantesAntidetonantes
Antidetonantes
tamandarealfamanha
 
Aula 02 método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químico
Aula 02   método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químicoAula 02   método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químico
Aula 02 método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químico
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 08 primeira noção de balanceamento da equação química
Aula 08   primeira noção de balanceamento da equação químicaAula 08   primeira noção de balanceamento da equação química
Aula 08 primeira noção de balanceamento da equação química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 03 símbolos e fórmulas químicas
Aula 03   símbolos e fórmulas químicasAula 03   símbolos e fórmulas químicas
Aula 03 símbolos e fórmulas químicas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 31a 33 reações de deslocamento - 1º ano
Aulas 31a 33   reações de deslocamento - 1º anoAulas 31a 33   reações de deslocamento - 1º ano
Aulas 31a 33 reações de deslocamento - 1º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco AurélioHidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
Turma Olímpica
 
Aulas 34 a 36 reações de dupla troca - 1º ano
Aulas 34 a 36   reações de dupla troca - 1º anoAulas 34 a 36   reações de dupla troca - 1º ano
Aulas 34 a 36 reações de dupla troca - 1º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 32 e 33 balanceamento das equações de oxirredução - 3º ano
Aulas 32 e 33   balanceamento das equações de oxirredução - 3º anoAulas 32 e 33   balanceamento das equações de oxirredução - 3º ano
Aulas 32 e 33 balanceamento das equações de oxirredução - 3º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 05 e 06 nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibular
Aulas 05 e 06   nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibularAulas 05 e 06   nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibular
Aulas 05 e 06 nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibular
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Forças Intermoleculares
Forças IntermolecularesForças Intermoleculares
Forças Intermoleculares
José Nunes da Silva Jr.
 
Aulas 07 e 08 nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibular
Aulas 07 e 08   nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibularAulas 07 e 08   nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibular
Aulas 07 e 08 nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibular
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 29 e 30 tipos de reações - 1º ano
Aulas 29 e 30   tipos de reações - 1º anoAulas 29 e 30   tipos de reações - 1º ano
Aulas 29 e 30 tipos de reações - 1º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Hibridos de ressonancia
Hibridos de ressonanciaHibridos de ressonancia
Hibridos de ressonancia
Fernando Lucas
 
Reações periciclicas
Reações periciclicasReações periciclicas
Reações periciclicas
José Nunes da Silva Jr.
 

Destaque (20)

Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Aula 2a -_alcanos
Aula 2a -_alcanosAula 2a -_alcanos
Aula 2a -_alcanos
 
Analise alcanos
Analise alcanosAnalise alcanos
Analise alcanos
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
 
Aula 9 11 analise conformacional
Aula 9   11 analise conformacionalAula 9   11 analise conformacional
Aula 9 11 analise conformacional
 
Antidetonantes
AntidetonantesAntidetonantes
Antidetonantes
 
Aula 02 método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químico
Aula 02   método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químicoAula 02   método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químico
Aula 02 método atômico de dalton e conceito inicial de elemento químico
 
Aula 08 primeira noção de balanceamento da equação química
Aula 08   primeira noção de balanceamento da equação químicaAula 08   primeira noção de balanceamento da equação química
Aula 08 primeira noção de balanceamento da equação química
 
Aula 03 símbolos e fórmulas químicas
Aula 03   símbolos e fórmulas químicasAula 03   símbolos e fórmulas químicas
Aula 03 símbolos e fórmulas químicas
 
Aulas 31a 33 reações de deslocamento - 1º ano
Aulas 31a 33   reações de deslocamento - 1º anoAulas 31a 33   reações de deslocamento - 1º ano
Aulas 31a 33 reações de deslocamento - 1º ano
 
Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco AurélioHidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
 
Aulas 34 a 36 reações de dupla troca - 1º ano
Aulas 34 a 36   reações de dupla troca - 1º anoAulas 34 a 36   reações de dupla troca - 1º ano
Aulas 34 a 36 reações de dupla troca - 1º ano
 
Aulas 32 e 33 balanceamento das equações de oxirredução - 3º ano
Aulas 32 e 33   balanceamento das equações de oxirredução - 3º anoAulas 32 e 33   balanceamento das equações de oxirredução - 3º ano
Aulas 32 e 33 balanceamento das equações de oxirredução - 3º ano
 
Aulas 05 e 06 nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibular
Aulas 05 e 06   nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibularAulas 05 e 06   nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibular
Aulas 05 e 06 nomenclatura dos hidrocarbonetos - pré - vestibular
 
Forças Intermoleculares
Forças IntermolecularesForças Intermoleculares
Forças Intermoleculares
 
Aulas 07 e 08 nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibular
Aulas 07 e 08   nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibularAulas 07 e 08   nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibular
Aulas 07 e 08 nomenclatura dos hidrocarbonetos ramificados - pré vestibular
 
Aulas 29 e 30 tipos de reações - 1º ano
Aulas 29 e 30   tipos de reações - 1º anoAulas 29 e 30   tipos de reações - 1º ano
Aulas 29 e 30 tipos de reações - 1º ano
 
Hibridos de ressonancia
Hibridos de ressonanciaHibridos de ressonancia
Hibridos de ressonancia
 
Reações periciclicas
Reações periciclicasReações periciclicas
Reações periciclicas
 

Semelhante a Hidrocarbonetos 3a2

Hidrocarbonetos 3a2
Hidrocarbonetos   3a2Hidrocarbonetos   3a2
Hidrocarbonetos 3a2
EEB Francisco Mazzola
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptxMódulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
AdelaideSantos19
 
Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1
EEB Francisco Mazzola
 
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Joelson Barral
 
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNicaQuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
Profª Cristiana Passinato
 
Química orgânica iii
Química orgânica iiiQuímica orgânica iii
Química orgânica iii
sabinosilva
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Leimcpf
 
Introdução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdfIntrodução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdf
TairineMedrado1
 
Aula 2 funções orgânicas.
Aula 2   funções orgânicas.Aula 2   funções orgânicas.
Aula 2 funções orgânicas.
Ajudar Pessoas
 
Química Orgânica Básica - parte I.ppt
Química Orgânica Básica - parte I.pptQuímica Orgânica Básica - parte I.ppt
Química Orgânica Básica - parte I.ppt
MiguelMussaErnesto
 
006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos
Manuel da Mata Vicente
 
Quimica trabalho
Quimica trabalhoQuimica trabalho
Quimica trabalho
Fafa Alabart
 
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLESQUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
Carlos Santos
 
Resumo hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...
Resumo   hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...Resumo   hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...
Resumo hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...
Profª Alda Ernestina
 
Petróleo pps
Petróleo ppsPetróleo pps
Petróleo pps
Fernanda Cordeiro
 
004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano
Manuel da Mata Vicente
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
MariaJoaoTeixeira
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
tenraquel
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
erminiaalmeida
 

Semelhante a Hidrocarbonetos 3a2 (20)

Hidrocarbonetos 3a2
Hidrocarbonetos   3a2Hidrocarbonetos   3a2
Hidrocarbonetos 3a2
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptxMódulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
 
Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1
 
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
 
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNicaQuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
 
Química orgânica iii
Química orgânica iiiQuímica orgânica iii
Química orgânica iii
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Introdução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdfIntrodução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdf
 
Aula 2 funções orgânicas.
Aula 2   funções orgânicas.Aula 2   funções orgânicas.
Aula 2 funções orgânicas.
 
Química Orgânica Básica - parte I.ppt
Química Orgânica Básica - parte I.pptQuímica Orgânica Básica - parte I.ppt
Química Orgânica Básica - parte I.ppt
 
006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos
 
Quimica trabalho
Quimica trabalhoQuimica trabalho
Quimica trabalho
 
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLESQUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
 
Resumo hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...
Resumo   hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...Resumo   hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...
Resumo hidrocarbonetos - alcenos, ciclenos e alcinos, propriedades e nomenc...
 
Petróleo pps
Petróleo ppsPetróleo pps
Petróleo pps
 
004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 

Mais de EEB Francisco Mazzola

V1c2 l1a10 - Substâncias Químicas
V1c2 l1a10 - Substâncias QuímicasV1c2 l1a10 - Substâncias Químicas
V1c2 l1a10 - Substâncias Químicas
EEB Francisco Mazzola
 
V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.
V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.
V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.
EEB Francisco Mazzola
 
Cap1 licao3 - Breve panorama histórico da química
Cap1 licao3 - Breve panorama histórico da químicaCap1 licao3 - Breve panorama histórico da química
Cap1 licao3 - Breve panorama histórico da química
EEB Francisco Mazzola
 
Cap1 lição2 - Os vários aspectos da química
Cap1 lição2 - Os vários aspectos da químicaCap1 lição2 - Os vários aspectos da química
Cap1 lição2 - Os vários aspectos da química
EEB Francisco Mazzola
 
Cap1 licao1 - O que é química?
Cap1 licao1 - O que é química?Cap1 licao1 - O que é química?
Cap1 licao1 - O que é química?
EEB Francisco Mazzola
 
Fundamentos de Qúimica Geral
Fundamentos de Qúimica GeralFundamentos de Qúimica Geral
Fundamentos de Qúimica Geral
EEB Francisco Mazzola
 
Cap01 licao06
Cap01 licao06Cap01 licao06
Cap01 licao06
EEB Francisco Mazzola
 
Cap01 licao7a8
Cap01 licao7a8Cap01 licao7a8
Cap01 licao7a8
EEB Francisco Mazzola
 
Cap01 licao1a5
Cap01 licao1a5Cap01 licao1a5
Cap01 licao1a5
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
EEB Francisco Mazzola
 
Traalho de quimica
Traalho de quimicaTraalho de quimica
Traalho de quimica
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Separação..
Separação..Separação..
Separação..
EEB Francisco Mazzola
 
SEPARAÇÃO DE MATERIAS
SEPARAÇÃO DE MATERIAS SEPARAÇÃO DE MATERIAS
SEPARAÇÃO DE MATERIAS
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
EEB Francisco Mazzola
 
Novo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimicaNovo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimica
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materias
Separação de materiasSeparação de materias
Separação de materias
EEB Francisco Mazzola
 
Separaçao de materias
Separaçao de materiasSeparaçao de materias
Separaçao de materias
EEB Francisco Mazzola
 

Mais de EEB Francisco Mazzola (20)

V1c2 l1a10 - Substâncias Químicas
V1c2 l1a10 - Substâncias QuímicasV1c2 l1a10 - Substâncias Químicas
V1c2 l1a10 - Substâncias Químicas
 
V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.
V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.
V1c1 l1a3 - Aprender Química para o exercício da cidadania.
 
Cap1 licao3 - Breve panorama histórico da química
Cap1 licao3 - Breve panorama histórico da químicaCap1 licao3 - Breve panorama histórico da química
Cap1 licao3 - Breve panorama histórico da química
 
Cap1 lição2 - Os vários aspectos da química
Cap1 lição2 - Os vários aspectos da químicaCap1 lição2 - Os vários aspectos da química
Cap1 lição2 - Os vários aspectos da química
 
Cap1 licao1 - O que é química?
Cap1 licao1 - O que é química?Cap1 licao1 - O que é química?
Cap1 licao1 - O que é química?
 
Fundamentos de Qúimica Geral
Fundamentos de Qúimica GeralFundamentos de Qúimica Geral
Fundamentos de Qúimica Geral
 
Cap01 licao06
Cap01 licao06Cap01 licao06
Cap01 licao06
 
Cap01 licao7a8
Cap01 licao7a8Cap01 licao7a8
Cap01 licao7a8
 
Cap01 licao1a5
Cap01 licao1a5Cap01 licao1a5
Cap01 licao1a5
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
 
Traalho de quimica
Traalho de quimicaTraalho de quimica
Traalho de quimica
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
 
Separação..
Separação..Separação..
Separação..
 
SEPARAÇÃO DE MATERIAS
SEPARAÇÃO DE MATERIAS SEPARAÇÃO DE MATERIAS
SEPARAÇÃO DE MATERIAS
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
 
Separação de materiais
Separação de materiaisSeparação de materiais
Separação de materiais
 
Novo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimicaNovo trabalho de quimica
Novo trabalho de quimica
 
Separação de materias
Separação de materiasSeparação de materias
Separação de materias
 
Separaçao de materias
Separaçao de materiasSeparaçao de materias
Separaçao de materias
 

Hidrocarbonetos 3a2

  • 2. Os hidrocarbonetos naturais são compostos químicos constituídos por átomos de carbono ( C ) e de hidrogénio ( H ), aos quais se podem juntar átomos de oxigénio ( O ), azoto ( N ) e enxofre ( S ). São conhecidos alguns milhares de hidrocarbonetos. As diferentes características físicas são uma consequência das diferentes composições moleculares. Contudo, todos os hidrocarbonetos apresentam uma propriedade comum: &quot;ardem&quot; , isto é, oxidam-se facilmente libertando calor, são combustíveis
  • 3. Os hidrocarbonetos, em termos da química do carbono , são compostos cujas moléculas são constituídas exclusivamente por átomos de carbono e hidrogénio. Os milhares de hidrocarbonetos conhecidos diferenciam-se uns dos outros, pelas propriedades físicas e químicas que apresentam. Com o objectivo de facilitar o seu estudo, os hidrocarbonetos podem-se classificar da seguinte forma: I) Cadeia aberta (cadeia linear, caso do metano e pentano cujos modelos de moléculas estão representados na figura abaixo): 1) Alcanos - são hidrocarbonetos saturados só com ligações simples (exemplos: metano (CH4) e pentano (CH3-CH2-CH2-CH2-CH3), 2) Alcenos - são hidrocarbonetos não saturados que apresentam uma dupla ligação carbono-carbono (>C=C<) (exemplo: eteno CH2 = CH2), 3) Alcinos - são hidrocarbonetos não saturados que apresentam na sua molécula uma ligação tripla carbono-carbono (-CºC-); II) Cadeia fechada ou cíclicos (as ligações dos átomos de carbono formam anéis, caso do ciclopentano cujo modelo de moléculas está representado na figura abaixo): 1) Cicloalcanos - hidrocarbonetos com cadeia cíclica saturada, de fórmula geral CnH2n, com n>2, 2) Cicloalcenos - hidrocarbonetos com cadeia cíclica com uma ligação dupla, de fórmula geral CnH2n-2, com n>2, 3) Cicloalcinos - hidrocarbonetos com cadeia cíclica com uma ligação tripla, de fórmula geral CnH2n-4, com n>2. III) Aromáticos - estes hidrocarbonetos são compostos químicos baseados na molécula de benzeno C6H6, e apresentam cheiros característicos. A química dos compostos aromáticos é antes do mais a química do benzeno e seus derivados.
  • 4. Os hidrocarbonetos com moléculas simples e leves ( metano, etano, propano, butano ), são gasosos às temperaturas e pressões normais; o metano , o mais simples de todos os hidrocarbonetos, só passa ao estado líquido à temperatura de -1600o C; o propano e o butano passam ao estado líquido ( liquefazem-se ) a temperaturas normais e a baixas pressões, deste modo, podem ser colocados dentro de botijas metálicas dando origem ao chamado &quot; gás líquido &quot; ( G.P.L. ).
  • 5. Os hidrocarbonetos naturais estão encerrados nas rochas que constituem a parte superior da crusta terrestre , também chamado subsolo . Resultam de transformações de ordem física e química que se produzem ao longo da História da Terra (Milhões de Anos) e que levam, em simultâneo, à formação das rochas sedimentares . A chuva, o vento, o gelo, os rios, os mares e os seres vivos desagregam e alteram continuamente as rochas superficiais ( erosão ) cujos detritos, transportados pelas águas, gelo e vento, até ao mar, depositam-se sobre o fundo formando camadas sobrepostas de areia e de lamas argilosas. Ao mesmo tempo que se depositam sobre o fundo do mar os detritos resultantes da erosão, depositam-se, igualmente, os sais minerais que precipitam, tais como o sal-gema, o gesso, a calcite... De igual modo, depois de mortos, depositam-se sobre o fundo do mar os organismos animais e vegetais que viveram nas águas marinhas e aqueles que viveram nos continentes e foram transportados para os mares.
  • 6.  
  • 7. Qualquer que seja a sua origem, os sedimentos ( depósitos naturais de materiais sólidos fragmentados ou não, inorgânicos ou orgânicos, bem como de precipitados químicos ) que se acumulam sobre o fundo do mar ficam impregnados de água do mar. Por efeito da compressão causada pelo peso das camadas superiores e pela cimentação resultante da cristalização dos sais, uma parte da água do mar será expulsa e a que restar vai preencher, em parte, os vazios minúsculos ( poros e microfracturas ) existentes nos sedimentos, mesmo quando aqueles já estão transformadas em rochas compactas (cimentadas). A matéria orgânica , após a morte dos diferentes organismos vivos ( plâncton marinho e lacustre, algas, diatomáceas, peixes, moluscos, plantas superiores, etc. ), encontra-se disseminada no sedimento do fundo marinho e/ou lacustre em ligação com partículas argilosas. Para que se não degrade rapidamente é preciso que se deposite, por exemplo, num meio marinho anaeróbico ( desprovido de oxigénio ), isto é, águas perfeitamente calmas, confinadas e muito estratificadas.
  • 8. Classificação e ocorrência Os hidrocarbonetos se classificam de acordo com a proporção dos átomos de carbono e hidrogênio presentes em sua composição química. Assim, denominam-se hidrocarbonetos saturados os compostos ricos em hidrogênio, enquanto os hidrocarbonetos ditos insaturados apresentam uma razão hidrogênio/carbono inferior e são encontrados principalmente no petróleo e em resinas vegetais. Os grupos de hidrocarbonetos constituem as chamadas séries homólogas, em que cada termo (composto orgânico) difere do anterior em um átomo de carbono e dois de hidrogênio. Os termos superiores da série homóloga saturada, de peso molecular mais alto, encontram-se em alguns tipos de petróleo e como elementos constituintes do pinho, da casca de algumas frutas e dos pigmentos das folhas e hortaliças. Os hidrocarbonetos etilênicos, primeiro subgrupo dos insaturados, estão presentes em muitas modalidades de petróleo em estado natural, enquanto os acetilênicos, que compõem o segundo subgrupo dos hidrocarbonetos insaturados, obtêm-se artificialmente pelo processo de craqueamento (ruptura) catalítico do petróleo. Os hidrocarbonetos aromáticos foram assim chamados por terem sido obtidos inicialmente a partir de produtos naturais como resinas ou bálsamos, e apresentarem odor característico. Com o tempo, outras fontes desses compostos foram descobertas. Até a segunda guerra mundial , por exemplo, sua fonte mais importante era o carvão. Com o crescimento da demanda, durante e após a guerra, outras fontes foram pesquisadas. Atualmente, grande parte dos compostos aromáticos, base de inúmeros processos industriais, se obtém a partir do petróleo.
  • 9. Estrutura e nomenclatura A estrutura das moléculas dos hidrocarbonetos baseia-se na tetravalência do carbono, isto é, em sua capacidade de ligar-se, quimicamente, a quatro outros átomos, inclusive de carbono, simultaneamente. Assim, as sucessões de átomos de carbono podem formar cadeias lineares, ramificadas em ziguezague, que lembram anéis e estruturas de três dimensões.
  • 10. Hidrocarbonetos saturados A fórmula empírica molecular dos hidrocarbonetos saturados, também chamados alcanos ou parafinas, é CnH2n+2, segundo a qual n átomos de carbono combinam-se com 2n + 2 átomos de hidrogênio para formarem uma molécula. Valores inteiros sucessivos de n dão origem aos termos distintos da série: metano (CH4), etano (C2H6), propano (C3H8), butano (C4H10) etc. A partir do quarto termo da série, o butano, os quatro carbonos podem formar uma cadeia linear ou uma estrutura ramificada. No primeiro caso, o composto se denomina n-butano. Na estrutura ramificada, um átomo de carbono se liga ao carbono central da cadeia linear formada pelos outros três, formando o iso-butano, ou pode dar origem a uma estrutura cíclica, própria do composto chamado ciclobutano, em que os átomos de carbono das extremidades estão ligados entre si. A existência de compostos com mesma fórmula molecular, mas com estruturas diferentes, é fenômeno comum nos hidrocarbonetos, designado como isomeria estrutural. As substâncias isômeras possuem propriedades físicas e químicas semelhantes, mas não idênticas, e formam, em certos casos, moléculas completamente diferentes. Os termos da série saturada são nomeados a partir do butano com o prefixo grego correspondente ao número de átomos de carbono constituintes da molécula: penta, hexa, hepta etc., acrescidos da terminação &quot;ano&quot;. Nos cicloalcanos, hidrocarbonetos de cadeia saturada com estrutura em anel, a nomenclatura faz-se com a anteposição da palavra &quot;ciclo&quot; ao nome correspondente ao hidrocarboneto análogo na cadeia linear. Finalmente, os possíveis isômeros presentes na série saturada cíclica se distinguem por meio de números, associados à posição da ramificação no ciclo.
  • 11. Hidrocarbonetos insaturados O primeiro grupo de hidrocarbonetos insaturados, constituído pelos compostos etilênicos, também chamados alcenos, alquenos ou olefinas, tem como característica estrutural a presença de uma dupla ligação entre dois átomos de carbono. Sua fórmula molecular é CnH2n e os primeiros termos da série homóloga correspondente recebem o nome de etileno ou eteno (C2H4), propileno ou propeno (C3H6), butileno ou buteno (C4H8) etc. Os termos seguintes têm uma nomenclatura análoga à dos hidrocarbonetos saturados, acrescidos da terminação &quot;eno&quot;. A posição da dupla ligação na molécula dos alcenos pode dar origem a diferentes isômeros. Para distingui-los, o número do primeiro carbono a conter essa ligação precede o nome do hidrocarboneto na nomenclatura desses compostos. Existem, ainda, hidrocarbonetos etilênicos com mais de uma dupla ligação -- denominados dienos, quando possuem duas ligações, e polienos, com três ou mais. O grupo mais importante dessa classe de hidrocarbonetos constitui-se de compostos com duplas ligações em posições alternadas, os dienos conjugados. A nomenclatura dos alcenos de estrutura anelar, ditos cicloalquenos, é formalmente análoga à dos cicloalcanos. Os alcinos ou alquinos (de fórmula molecular CnH2n-2), também conhecidos como hidrocarbonetos acetilênicos e componentes do segundo grupo dos compostos insaturados, apresentam ligação tripla em sua estrutura e sua nomenclatura é similar à dos alcenos, com a terminação &quot;ino&quot; que lhes é própria. Os cicloalquinos inferiores (de baixo peso molecular) são instáveis, sendo o ciclo-octino, com oito átomos de carbono, o menor alcino cíclico estável conhecido.
  • 12. Hidrocarbonetos aromáticos A estrutura do benzeno, base dos hidrocarbonetos aromáticos, foi descrita pela primeira vez por Friedrich August Kekulé, em 1865. Segundo ele, a molécula do benzeno tem o formato de um hexágono regular com os vértices ocupados por átomos de carbono ligados a um átomo de hidrogênio. Para satisfazer a tetravalência do carbono, o anel benzênico apresenta três duplas ligações alternadas e conjugadas entre si, o que lhe confere sua estabilidade característica. Os hidrocarbonetos da série homóloga benzênica subdividem-se em três grupos distintos. O primeiro  constitui-se de compostos formados pela substituição de um ou mais átomos de hidrogênio do anel pelos radicais de hidrocarbonetos. Esses compostos têm seus nomes derivados do radical substituinte, terminado em &quot;il&quot;, e seguidos da palavra &quot;benzeno&quot;. Alguns, no entanto, apresentam denominações alternativas (ou vulgares), mais comumente empregadas. Assim, o metil-benzeno é conhecido como tolueno, o dimetil-benzeno como xileno etc. No segundo grupo, encontram-se os compostos formados pela união de anéis benzênicos por ligação simples entre os átomos de carbono, como a bifenila, ou com um ou mais átomos de carbono entre os anéis. Por último, o terceiro grupo de hidrocarbonetos aromáticos constitui-se de compostos formados por condensação de anéis benzênicos, de modo que dois ou m ais átomos de carbono sejam comuns a mais de um anel, tais como o naftaleno, com dois anéis, e o antraceno, com três.
  • 13. Propriedades e aplicações Os hidrocarbonetos em geral são insolúveis em água, mas se solubilizam prontamente em substâncias orgânicas como o éter e a acetona. Os primeiros termos das séries homólogas são gasosos, enquanto os compostos de maior peso molecular são líquidos ou sólidos. Graças a sua capacidade de decompor-se em dióxido de carbono e vapor d'água, em presença de oxigênio, com desprendimento de grande quantidade de energia, torna-se possível a utilização de vários hidrocarbonetos como combustíveis. Os hidrocarbonetos saturados, ou parafinas, caracterizam-se sobretudo por ser quimicamente inertes. Industrialmente, são empregados no processo de craqueamento (cracking) ou ruptura, a elevadas temperaturas, e produzem misturas de compostos de estruturas mais simples, saturados ou não. A hidrogenação catalítica dos alcenos é utilizada, em escala industrial, para a produção controlada de moléculas saturadas. Esses compostos são usados ainda como moderadores nucleares e como combustíveis (gás de cozinha, em automóveis etc.). Os hidrocarbonetos insaturados com duplas ligações têm a capacidade de realizar reações de adição com compostos halogenados e formam importantes derivados orgânicos. Além disso, com a adição de moléculas de alcenos, é possível efetuar a síntese dos polímeros, empregados industrialmente no fabrico de plásticos (polietileno, teflon, poliestireno etc) e de fibras sintéticas para tecidos (orlon, acrilan etc.). Além disso, faz parte da gasolina uma importante mistura de alquenos. Metade da produção de acetileno é utilizada, como oxiacetileno, na soldagem e corte de metais. Os hidrocarbonetos aromáticos, além de bons solventes, são empregados na produção de resinas, corantes, inseticidas, plastificantes e medicamentos.
  • 14. Propriedades físicas Alcanos são praticamente insolúveis em água. Alcanos são menos densos que a água. Pontos de fusão e ebulição dos alcanos geralmente aumentam com o peso molecular e com o comprimento da cadeia carbônica principal. Em condições normais , do CH4 até C4H10, alcanos são gasosos; do C5H12 até C17H36, eles são líquidos; e depois de C18H38, eles são sólidos. As moléculas de alcanos podem ligar-se entre si por força de Van der Waals. Estas forças tornam-se mais interessantes à medida que o tamanho das moléculas aumentam.
  • 15. Alcinos: Apresentam pontos de fusão e ebulição crescentes com o aumento da cadeia carbônica (massa molecular) como os alcanos e alcenos. Essa classe de compostos, não possui cor (incolor), nem cheiro (inodoro), apresentam insolubilidade em água, mas são solúveis em solventes orgânicos como o álcool, o éter e outros. O acetileno, ao contrário dos outros alcinos, tem cheiro agradável e é parcialmente solúvel em água, e é partir dele que se obtêm solúveis não inflamáveis. Os alcinos são preparados em laboratório porque não se encontram livres na natureza. O etino (acetileno), o propino (C3H4) e o butino (C4H6) são gases nas CNTP , os membros seguintes da série até o C14H26 apresentam-se como líquidos, e os superiores são sólidos.
  • 16. Exemplos de compostos alifáticos:
  • 17. Equipe: Ana Paula Frare Márcia Feltrin Rafaella Bitencourt Marcos Rossinski 3ª 02