SlideShare uma empresa Scribd logo
1 
RESUMO 
No experimento realizado foi possível fazer a análise qualitativa dos cátions 
do grupo II ( Mg2+, Ba2+, Ca2+ e Sr2+ ) por diferentes reações de identificação. 
Estas por sua vez, indicam a presença dos cátions em questão de acordo 
com suas características. 
1. INTRODUÇÃO 
Um cátion nada mais é que um átomo que perdeu elétrons em sua camada de 
valência, ficando assim com carga positiva. A análise sistemática de cátions é 
uma prática comum nos laboratórios de Química Analítica tanto na análise 
qualitativa realizada no meio acadêmico quanto na indústria, na identificação 
dos mais diferentes tipos de amostras desconhecidas. Esta prática é fruto de 
um vasto conhecimento de química acumulado em décadas por inúmeros 
pesquisadores e cientistas que conheciam a reatividade de muitas classes de 
compostos orgânicos e inorgânicos, bem como a propriedade de muitos deles ( 
DANTAS, 2006 ).Para analisarmos determinados cátions precisamos saber de 
suas propriedades, oSódio (Na) pertence ao grupo dos metais alcalinos(IA) da 
tabela periódica. Em estado livre, é um metal prateado e branco. Mais leve que 
a água e tão mole quanto o fósforo branco, pode ser cortado, a temperatura 
ambiente, com uma faca. É encontrado em combinação com os elementos em 
numerosos compostos naturais, como o sal de cozinha (NaCl, cloreto de 
sódio). Inicialmente conhecido sob a forma de cloreto e carbonato de sódio, o 
elemento metálico foi preparado pela primeira vez, em 1807, por HumpryDavy, 
ao estudar a eletrólise (passagem decorrente elétrica) de soluções alcalinas, 
principalmente as de soda cáustica (NaOH, hidróxido de sódio). É o sexto 
elemento em abundância na natureza e constitui 2,8% da crosta terrestre. 
Conduz facilmente o calor e a eletricidade e apresenta o efeito fotoelétrico, ou 
seja, emite elétrons quando exposto à luz. Os sais de sódio são de colorações 
branca e tipicamente solúveis em água. Em solução aquosa são quimicamente 
inertes e não são reduzidos a seus íons metálicos. O hidróxido de sódio é 
muito solúvel em água e é uma fonte comum de íons OH-. Os sais de sódio 
frequentemente cristalizam como hidratos. Já o Potássio (Ka), é um metal
branco-prateado e mole que pode ser cortado com faca. Sua luminosidade é 
inferior à do lítio. Oxida-se facilmente em contato com o oxigênio da atmosfera, 
e por isso deve ser guardado sobre querosene, isolado do ar. Sétimo metal em 
abundância no planeta, o potássio constitui 2,6% das rochas magmáticas da 
crosta terrestre, como a silvina e a carnalita. É também encontrado em 
minérios como a kainita, schoemita, sinzenita, laugbeinita e polianita. 
Importante nutriente vegetal, sua carência deve ser compensada com a adição 
ao solo dos adubos potássicos, como a carnalita e a silvina.O potássio se 
obtinha primitivamente por aquecimento do carbonato de potássio com carvão. 
Do mesmo modo que se obtém o sódio a partir de seu hidróxido, pode-se 
conseguir potássio por eletrólise do hidróxido de potássio fundido (KOH), mas 
graças à maior facilidade com que o metal libertado se dissolve no álcali 
fundido, o processo que alcança melhores resultados consiste em usar o 
cloreto fundido, seja só, seja em mistura com o cloreto de cálcio. As 
propriedades gerais dos sais de potássio são similares às do sódio. São 
geralmente brancos e solúveis em água. O hidróxido de potássio é muito 
solúvel em água e é uma base muito forte. E embora o íon amônio não seja um 
cátion metálico, seus sais possuem propriedades semelhantes às dos metais 
alcalinos e são geralmente incluídos neste grupo no esquema de análise 
qualitativa.São de coloração branca e solúvel em água. Os sais de amônio são 
muito importantes; sendo em sua maioria usados como adubos, por 
restabelecerem a concentração de nitrogênio do solo. Os íons dos metais 
alcalinos Na+ e K+ são os maiores cátions do período à que pertencem, 
possuem carga pequena e a estrutura de gás nobre. Por esses motivos, têm 
uma fraca atração por ânions e moléculas, e como consequência a maioria de 
seus sais são solúveis em água e seus íons raramente formam complexos. O 
íon amônio está incluído neste grupo porque apresenta propriedades 
semelhantes. Este grupo de cátions não possui um reagente específico para 
separá-los e a identificação de cada um deve ser feita numa solução contendo 
todos os íons sem prévia separação. 
2 
2. OBJETIVO 
Fazer análises qualitativas dos cátions do grupo II (Mg2+, Ba2+, Ca2+ e 
Sr2+), por diferentes tipos reações de identificação.
3 
3. PARTE EXPERIMENTAL 
3.1 Materiais utilizados 
 Bico de bunsen 
 Tela de amianto 
 Vidros de relógio 
 Espátulas 
 Tubos de ensaio 
 Algodão 
 Bastões de vidros 
3.2 Reagentes utilizados 
 NaCl(s) 
 KCl(s) 
 HCl concentrado 
 NH4Cl(l) 0,2 mol/L 
 NaOH 4 mol/L 
 KCl 0,2 mol/L 
 HClO4 20% 
3.3 Procedimento 
A princípio colocou-se uma pequena porção de Nitrato de Bário, Nitrato de 
Cálcio e Nitrato de Estrôncio em vidros de relógio diferentes. Sendo estes, 
levados a chama oxidante do bico de bunsen com o auxilio de bastões de 
vidros molhados com ácido clorídrico concentrado. Na reação com base forte, 
foram adicionados em um tubo de ensaio 5 gotas de MgNO3 0,2 mol/L e gotas 
de NaOH 4 mol/L até o meio ficar alcalino, em seguida adicionou-se ao tubo 
gotas de sais de amônio até a dissolução do precipitado. Para a reação com 
Hidróxido de Amônio, foram adicionados 5 gotas de Mg(NO3)2 0,2 mol/L e 5 
gotas de NH4Cl 0,2 mol/L e gotas de NH4OH até o meio ficar alcalino. Repetiu-se 
o mesmo processo usando 3 gotas de HCl 6 mol/L, no lugar do Cloreto de
Amônio. Sendo observado o que ocorreu em ambos os casos. Para a reação 
com Carbonato de Amônio, foi colocado em tubos de ensaio separados e 
marcados 5 gotas dos Nitratos 0,2 mol/L de cada cátion do grupo II (Mg2+, Ba2+, 
Ca2+ e Sr2+) e 3 gotas de Carbonato de Amônio 1,5 mol/L. Cada tubo foi 
aquecido na chama oxidante do bico de bunsen, sem deixar ocorrer fervura. Na 
reação com Oxalato de Amônio, em tubos de ensaio separados, foram 
adicionados 3 gotas de Nitratos 0,1 mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do 
grupo II, 5 gotas de Ácido Acético 6 mol/L e 6 gotas de Oxalato de Amônio 0,25 
mol/L. Os mesmos foram aquecidos e observados o que ocorreu. Na reação do 
Dicromato de Potássio, adicionou-se em tubos de ensaio separados 5 gotas de 
Nitratos 0,2 mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do grupo II, 3 gotas de Ácido 
Acético 6 mol/L, 3 gotas de Acetato de Sódio 6 mol/L e 2 gotas de Dicromato 
de Potássio 0,5 mol/L. Observando então a ocorrência de precipitado. A reação 
de Sulfato de Amônio, foi realizada em duas etapas. Na primeira, colocou-se 
em tubos de ensaio separados 3 gotas de Nitratos 0,2 mol/L dos cátions (Ba2+, 
Ca2+ e Sr2+) do grupo II, 5 gotas de Ácido Acético 6 mol/L e 6 gotas de Sulfato 
de Amônio 2,5 mol/L. Na segunda etapa, colocou-se 3 gotas de Nitratos 0,2 
mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do grupo II, gotas de NH4OH 6 mol/L até 
o meio ficar básico e 6 gotas de Sulfato de Amônio 2,5 mol/L. Ambas as partes 
foram aquecidas em banho Maria e observado os casos em que houve a 
formação de precipitado. 
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES 
A composição de uma substancia pode ser determinada pela análise 
qualitativa, de modo geral a teoria da análise qualitativa representa um 
estudo do comportamento de íons em solução aquosa (BACCAN, 1988). 
Os resultados descritos abaixo estabelecem três desses tipos de 
análises. 
TABELA 01-Características dos cátions quando submetidos ao teste da 
chama. 
CÁTION RESULTADO (COR) 
4
Na+ Amarelo 
K+ Lilás 
5 
FONTE: Autores. 
De acordo com a análise da tabela 01, é possível observar que ao 
aquecer os sais cloreto de sódio e potássio, estes apresentaram respectivas 
cores característica, na qual a reação dos íons sódio ocorre devido ao 
fornecimento de grandes quantidades de energia. Elétrons da camada de 
valência absorvem energia e excitados passam para uma camada mais 
elevada, por não conseguirem manter-se nesta camada que não é a de origem 
ao retornar pro seu estado fundamental, emitem uma quantidade de energia 
radiante, igual a aquela absorvida, através do aquecimento com o bico de 
bunsen e observação visual é possível detectamos a coloração amarelada na 
chama, estas características apontam que o elemento é o Sódio.No caso do 
Potássio quando aquecido liberou coloração violeta, mas neste caso o teste de 
chama não é tão conclusivo, mas um ótimo complemento para o teste de 
precipitação.O teste de precipitação consiste em adicionar uma solução de 
cloreto de potássio e cobaltonitrito de sódio resulta em precipitado 
amarelo.Este que éresultado da seguinte equação: 
3K++ [CO (NO2)6 
3-] → K3[CO(NO2)6] 
Também é possível fazer o teste para o potássio na presença de sódio. 
Prepara-se uma mistura de cloreto de sódio e cloreto de potássio e observa-se 
a chama através do vidro de cobalto, este se torna necessário por o vidro 
transmite a luz somente nos extremos do espectro visível, exatamente onde se 
encontra as linhas espectrais do potássio assim detectaríamos a coloração 
violeta de sua chama. 
O resultado do teste da chama para os dois sais estão sendo mostrados na 
figura 01.
Fonte: Autores. 
FIGURA 01-Característica dos cátions sódio e potássio no teste da chama. 
6 
 Reação com base forte 
NH4Cl + NaOH → NH3 
+↑ + H2O + NaCl 
Na reação acima, o cloreto de sódio (base forte) reage com o cloreto de 
amônio (ácido de Ahrenius) formando amônia, água e o cloreto de sódio. 
Fonte: Autores. 
FIGURA 02 -Processo de reação com base forte. 
Como mostra a figura 02, a amônia que é desprendida da solução entra em 
contato com o ácido clorídrico havendo a formação de fumos brancos, pois 
como o ácido clorídrico é volátil seus vapores combinam-se, formando o cloreto 
de amônio sólido. A reação abaixo descreve este processo.
7 
NH3↑ + 2HCl → NH4Cl + HCl 
 Reação com HClO4 
KCl + HClO4 -----> KClO4 + HCl 
Nesta reação ocorre a formação e precipitação do perclorato de 
potássio, através da união do íon potássio com o íon perclorato na 
solução não muito diluída, sendo este precipitado ligeiramente solúvel 
em água, porem insolúvel em álcool absoluto (VOGEL, 1981). Cujo 
precipitado está representado na figura 03. 
Fonte: Autores. 
FIGURA 03 - Formação do perclorato de potássio. 
5. CONCLUSÃO 
Portanto os resultados qualitativos encontrados neste experimento corroboram 
com a literatura, visto que, a análise qualitativa nos proporciona uma visão
geral do que está sendo analisado e separado. Pois a análise dos cátions Na+, 
K+ e NH4 
+, nos proporcionaram um entendimento sobre o que é, realmente, o 
principal foco da química analítica qualitativa. 
REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS 
8
BROWN, Theodore; LEMAY, H. Eugene; BURSTEN, Bruce E. Química: a 
ciência central. 9ª edição. Prentice-Hall, 2005.451 p. 
BACCAN, et. al. Introdução à semimicroanálise qualitativa. 2ª edição. 
Campinas: editora da Unicamp, 1988. 
DANTAS, Josivânia Maria. Uma interpretação Microscópica para a Análise 
Sistemática de Cátions. 2006. Tese (Doutorado em Química) – Universidade 
Estadual de Campinas, São Paulo, 2006. 
VOGEL, Arthur Israel, Química Analítica Qualitativa. 5ª edição. São Paulo: 
Mestre Jou, 1981. 
9
10 
ANEXOS 
A figura abaixo mostra o equipamento criado por um integrante do grupo que 
foi utilizado para medir o comprimento de onda dos cátions (Na+ e K+), que 
foram submetidos ao teste da cama, que foi uma das técnicas realizadas neste 
experimento. 
Fonte: Autores.
Fonte: Autores. 
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Lauryenne Oliveira
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
Ezequias Guimaraes
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Jessica Amaral
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
Márcia Anjos
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
Mario Monteiro
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
Ezequias Guimaraes
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 6-voltametria
Aula 6-voltametriaAula 6-voltametria
Aula 6-voltametria
João Pedro Oliveira
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
Léo Morais
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
Queler X. Ferreira
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Karen Pirovano
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Íngrede Silva
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
Larissa Cadorin
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
Endler Marcel Borges
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
Aula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação químicaAula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação química
Léyah Matheus
 

Mais procurados (20)

Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
Aula 6-voltametria
Aula 6-voltametriaAula 6-voltametria
Aula 6-voltametria
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Aula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação químicaAula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação química
 

Semelhante a Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II

Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Lucas Valente
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
Endler Marcel Borges
 
íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
carollina_12
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
Adrianne Mendonça
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
Vanessa Neres
 
Apoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabaritoApoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabarito
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas
Kleber Moreira
 
Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Experimento 2 química prática
Experimento 2   química práticaExperimento 2   química prática
Experimento 2 química prática
Silvanildo Macário
 
Fuvest 1999 - 2º fase - química
Fuvest   1999 - 2º fase - químicaFuvest   1999 - 2º fase - química
Fuvest 1999 - 2º fase - química
Simone Rocha
 
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdfLABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
Santos Raimundo
 
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica QualitativaApostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Dharma Initiative
 
Apostila de 2012
Apostila de 2012Apostila de 2012
Apostila de 2012
Rosa0708
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Ivys Antônio
 
Unidade7 a 2012_gabarito
Unidade7 a 2012_gabaritoUnidade7 a 2012_gabarito
Unidade7 a 2012_gabarito
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Elite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimicaElite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimica
Ana Claudia Pires DA Rosa
 
Reações de oxidação
Reações de oxidaçãoReações de oxidação
Reações de oxidação
Adrianne Mendonça
 

Semelhante a Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II (20)

Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
 
Apoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabaritoApoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabarito
 
Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas
 
Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014
 
Experimento 2 química prática
Experimento 2   química práticaExperimento 2   química prática
Experimento 2 química prática
 
Fuvest 1999 - 2º fase - química
Fuvest   1999 - 2º fase - químicaFuvest   1999 - 2º fase - química
Fuvest 1999 - 2º fase - química
 
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
 
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdfLABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
 
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica QualitativaApostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica Qualitativa
 
Apostila de 2012
Apostila de 2012Apostila de 2012
Apostila de 2012
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
 
Unidade7 a 2012_gabarito
Unidade7 a 2012_gabaritoUnidade7 a 2012_gabarito
Unidade7 a 2012_gabarito
 
Elite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimicaElite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimica
 
Reações de oxidação
Reações de oxidaçãoReações de oxidação
Reações de oxidação
 

Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II

  • 1. 1 RESUMO No experimento realizado foi possível fazer a análise qualitativa dos cátions do grupo II ( Mg2+, Ba2+, Ca2+ e Sr2+ ) por diferentes reações de identificação. Estas por sua vez, indicam a presença dos cátions em questão de acordo com suas características. 1. INTRODUÇÃO Um cátion nada mais é que um átomo que perdeu elétrons em sua camada de valência, ficando assim com carga positiva. A análise sistemática de cátions é uma prática comum nos laboratórios de Química Analítica tanto na análise qualitativa realizada no meio acadêmico quanto na indústria, na identificação dos mais diferentes tipos de amostras desconhecidas. Esta prática é fruto de um vasto conhecimento de química acumulado em décadas por inúmeros pesquisadores e cientistas que conheciam a reatividade de muitas classes de compostos orgânicos e inorgânicos, bem como a propriedade de muitos deles ( DANTAS, 2006 ).Para analisarmos determinados cátions precisamos saber de suas propriedades, oSódio (Na) pertence ao grupo dos metais alcalinos(IA) da tabela periódica. Em estado livre, é um metal prateado e branco. Mais leve que a água e tão mole quanto o fósforo branco, pode ser cortado, a temperatura ambiente, com uma faca. É encontrado em combinação com os elementos em numerosos compostos naturais, como o sal de cozinha (NaCl, cloreto de sódio). Inicialmente conhecido sob a forma de cloreto e carbonato de sódio, o elemento metálico foi preparado pela primeira vez, em 1807, por HumpryDavy, ao estudar a eletrólise (passagem decorrente elétrica) de soluções alcalinas, principalmente as de soda cáustica (NaOH, hidróxido de sódio). É o sexto elemento em abundância na natureza e constitui 2,8% da crosta terrestre. Conduz facilmente o calor e a eletricidade e apresenta o efeito fotoelétrico, ou seja, emite elétrons quando exposto à luz. Os sais de sódio são de colorações branca e tipicamente solúveis em água. Em solução aquosa são quimicamente inertes e não são reduzidos a seus íons metálicos. O hidróxido de sódio é muito solúvel em água e é uma fonte comum de íons OH-. Os sais de sódio frequentemente cristalizam como hidratos. Já o Potássio (Ka), é um metal
  • 2. branco-prateado e mole que pode ser cortado com faca. Sua luminosidade é inferior à do lítio. Oxida-se facilmente em contato com o oxigênio da atmosfera, e por isso deve ser guardado sobre querosene, isolado do ar. Sétimo metal em abundância no planeta, o potássio constitui 2,6% das rochas magmáticas da crosta terrestre, como a silvina e a carnalita. É também encontrado em minérios como a kainita, schoemita, sinzenita, laugbeinita e polianita. Importante nutriente vegetal, sua carência deve ser compensada com a adição ao solo dos adubos potássicos, como a carnalita e a silvina.O potássio se obtinha primitivamente por aquecimento do carbonato de potássio com carvão. Do mesmo modo que se obtém o sódio a partir de seu hidróxido, pode-se conseguir potássio por eletrólise do hidróxido de potássio fundido (KOH), mas graças à maior facilidade com que o metal libertado se dissolve no álcali fundido, o processo que alcança melhores resultados consiste em usar o cloreto fundido, seja só, seja em mistura com o cloreto de cálcio. As propriedades gerais dos sais de potássio são similares às do sódio. São geralmente brancos e solúveis em água. O hidróxido de potássio é muito solúvel em água e é uma base muito forte. E embora o íon amônio não seja um cátion metálico, seus sais possuem propriedades semelhantes às dos metais alcalinos e são geralmente incluídos neste grupo no esquema de análise qualitativa.São de coloração branca e solúvel em água. Os sais de amônio são muito importantes; sendo em sua maioria usados como adubos, por restabelecerem a concentração de nitrogênio do solo. Os íons dos metais alcalinos Na+ e K+ são os maiores cátions do período à que pertencem, possuem carga pequena e a estrutura de gás nobre. Por esses motivos, têm uma fraca atração por ânions e moléculas, e como consequência a maioria de seus sais são solúveis em água e seus íons raramente formam complexos. O íon amônio está incluído neste grupo porque apresenta propriedades semelhantes. Este grupo de cátions não possui um reagente específico para separá-los e a identificação de cada um deve ser feita numa solução contendo todos os íons sem prévia separação. 2 2. OBJETIVO Fazer análises qualitativas dos cátions do grupo II (Mg2+, Ba2+, Ca2+ e Sr2+), por diferentes tipos reações de identificação.
  • 3. 3 3. PARTE EXPERIMENTAL 3.1 Materiais utilizados  Bico de bunsen  Tela de amianto  Vidros de relógio  Espátulas  Tubos de ensaio  Algodão  Bastões de vidros 3.2 Reagentes utilizados  NaCl(s)  KCl(s)  HCl concentrado  NH4Cl(l) 0,2 mol/L  NaOH 4 mol/L  KCl 0,2 mol/L  HClO4 20% 3.3 Procedimento A princípio colocou-se uma pequena porção de Nitrato de Bário, Nitrato de Cálcio e Nitrato de Estrôncio em vidros de relógio diferentes. Sendo estes, levados a chama oxidante do bico de bunsen com o auxilio de bastões de vidros molhados com ácido clorídrico concentrado. Na reação com base forte, foram adicionados em um tubo de ensaio 5 gotas de MgNO3 0,2 mol/L e gotas de NaOH 4 mol/L até o meio ficar alcalino, em seguida adicionou-se ao tubo gotas de sais de amônio até a dissolução do precipitado. Para a reação com Hidróxido de Amônio, foram adicionados 5 gotas de Mg(NO3)2 0,2 mol/L e 5 gotas de NH4Cl 0,2 mol/L e gotas de NH4OH até o meio ficar alcalino. Repetiu-se o mesmo processo usando 3 gotas de HCl 6 mol/L, no lugar do Cloreto de
  • 4. Amônio. Sendo observado o que ocorreu em ambos os casos. Para a reação com Carbonato de Amônio, foi colocado em tubos de ensaio separados e marcados 5 gotas dos Nitratos 0,2 mol/L de cada cátion do grupo II (Mg2+, Ba2+, Ca2+ e Sr2+) e 3 gotas de Carbonato de Amônio 1,5 mol/L. Cada tubo foi aquecido na chama oxidante do bico de bunsen, sem deixar ocorrer fervura. Na reação com Oxalato de Amônio, em tubos de ensaio separados, foram adicionados 3 gotas de Nitratos 0,1 mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do grupo II, 5 gotas de Ácido Acético 6 mol/L e 6 gotas de Oxalato de Amônio 0,25 mol/L. Os mesmos foram aquecidos e observados o que ocorreu. Na reação do Dicromato de Potássio, adicionou-se em tubos de ensaio separados 5 gotas de Nitratos 0,2 mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do grupo II, 3 gotas de Ácido Acético 6 mol/L, 3 gotas de Acetato de Sódio 6 mol/L e 2 gotas de Dicromato de Potássio 0,5 mol/L. Observando então a ocorrência de precipitado. A reação de Sulfato de Amônio, foi realizada em duas etapas. Na primeira, colocou-se em tubos de ensaio separados 3 gotas de Nitratos 0,2 mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do grupo II, 5 gotas de Ácido Acético 6 mol/L e 6 gotas de Sulfato de Amônio 2,5 mol/L. Na segunda etapa, colocou-se 3 gotas de Nitratos 0,2 mol/L dos cátions (Ba2+, Ca2+ e Sr2+) do grupo II, gotas de NH4OH 6 mol/L até o meio ficar básico e 6 gotas de Sulfato de Amônio 2,5 mol/L. Ambas as partes foram aquecidas em banho Maria e observado os casos em que houve a formação de precipitado. 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES A composição de uma substancia pode ser determinada pela análise qualitativa, de modo geral a teoria da análise qualitativa representa um estudo do comportamento de íons em solução aquosa (BACCAN, 1988). Os resultados descritos abaixo estabelecem três desses tipos de análises. TABELA 01-Características dos cátions quando submetidos ao teste da chama. CÁTION RESULTADO (COR) 4
  • 5. Na+ Amarelo K+ Lilás 5 FONTE: Autores. De acordo com a análise da tabela 01, é possível observar que ao aquecer os sais cloreto de sódio e potássio, estes apresentaram respectivas cores característica, na qual a reação dos íons sódio ocorre devido ao fornecimento de grandes quantidades de energia. Elétrons da camada de valência absorvem energia e excitados passam para uma camada mais elevada, por não conseguirem manter-se nesta camada que não é a de origem ao retornar pro seu estado fundamental, emitem uma quantidade de energia radiante, igual a aquela absorvida, através do aquecimento com o bico de bunsen e observação visual é possível detectamos a coloração amarelada na chama, estas características apontam que o elemento é o Sódio.No caso do Potássio quando aquecido liberou coloração violeta, mas neste caso o teste de chama não é tão conclusivo, mas um ótimo complemento para o teste de precipitação.O teste de precipitação consiste em adicionar uma solução de cloreto de potássio e cobaltonitrito de sódio resulta em precipitado amarelo.Este que éresultado da seguinte equação: 3K++ [CO (NO2)6 3-] → K3[CO(NO2)6] Também é possível fazer o teste para o potássio na presença de sódio. Prepara-se uma mistura de cloreto de sódio e cloreto de potássio e observa-se a chama através do vidro de cobalto, este se torna necessário por o vidro transmite a luz somente nos extremos do espectro visível, exatamente onde se encontra as linhas espectrais do potássio assim detectaríamos a coloração violeta de sua chama. O resultado do teste da chama para os dois sais estão sendo mostrados na figura 01.
  • 6. Fonte: Autores. FIGURA 01-Característica dos cátions sódio e potássio no teste da chama. 6  Reação com base forte NH4Cl + NaOH → NH3 +↑ + H2O + NaCl Na reação acima, o cloreto de sódio (base forte) reage com o cloreto de amônio (ácido de Ahrenius) formando amônia, água e o cloreto de sódio. Fonte: Autores. FIGURA 02 -Processo de reação com base forte. Como mostra a figura 02, a amônia que é desprendida da solução entra em contato com o ácido clorídrico havendo a formação de fumos brancos, pois como o ácido clorídrico é volátil seus vapores combinam-se, formando o cloreto de amônio sólido. A reação abaixo descreve este processo.
  • 7. 7 NH3↑ + 2HCl → NH4Cl + HCl  Reação com HClO4 KCl + HClO4 -----> KClO4 + HCl Nesta reação ocorre a formação e precipitação do perclorato de potássio, através da união do íon potássio com o íon perclorato na solução não muito diluída, sendo este precipitado ligeiramente solúvel em água, porem insolúvel em álcool absoluto (VOGEL, 1981). Cujo precipitado está representado na figura 03. Fonte: Autores. FIGURA 03 - Formação do perclorato de potássio. 5. CONCLUSÃO Portanto os resultados qualitativos encontrados neste experimento corroboram com a literatura, visto que, a análise qualitativa nos proporciona uma visão
  • 8. geral do que está sendo analisado e separado. Pois a análise dos cátions Na+, K+ e NH4 +, nos proporcionaram um entendimento sobre o que é, realmente, o principal foco da química analítica qualitativa. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS 8
  • 9. BROWN, Theodore; LEMAY, H. Eugene; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9ª edição. Prentice-Hall, 2005.451 p. BACCAN, et. al. Introdução à semimicroanálise qualitativa. 2ª edição. Campinas: editora da Unicamp, 1988. DANTAS, Josivânia Maria. Uma interpretação Microscópica para a Análise Sistemática de Cátions. 2006. Tese (Doutorado em Química) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2006. VOGEL, Arthur Israel, Química Analítica Qualitativa. 5ª edição. São Paulo: Mestre Jou, 1981. 9
  • 10. 10 ANEXOS A figura abaixo mostra o equipamento criado por um integrante do grupo que foi utilizado para medir o comprimento de onda dos cátions (Na+ e K+), que foram submetidos ao teste da cama, que foi uma das técnicas realizadas neste experimento. Fonte: Autores.