SlideShare uma empresa Scribd logo
APS de Química Analítica
Gabriel Bortoleti
Gabriela Begalli
Giovani Helmann
Gustavo Cavalcanti
Julie Fernandes
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Toledo, 2014
1. Introdução
Esta apresentação irá apresentar os
métodos utilizados para verificação e descoberta
de um dos elementos contidos em uma solução
problema, que poderia ser de cobre (Cu) ou de
Bismuto (Bi). Será realizado uma rápida
apresentação dos elementos do grupo :
Cobre (Cu)
- O cobre é um elemento químico de símbolo Cu (do
latim cuprum);
- Tem número atômico 29 (29 prótons e 29 elétrons) e de massa
atómica 63,6 uma.
- À temperatura ambiente, o cobre encontra-se no estado sólido.
Bismuto (Bi)
- O bismuto é um elemento químico pouco abundante e caro,
pertencente à família 5A, com número atômico 83;
- Encontrando-se em temperatura ambiente na forma solida,
sendo pesado e quebradiço, de cor branca.
- Entre os metais pesados é o menos tóxico, mas ele e seus sais
podem causar danos moderados ao fígado.
Antimônio (Sb)
- É um semimetal encontrado no estado sólido à temperatura
ambiente;
- Possui cor branca-azulada em sua forma estável;
- Pode ser obtido pela reação:
Sb2S3 + 3 Fe → 2 Sb + 3 FeS
Estanho (Sn)
- É um metal, que é sólido nas condições ambientais;
- Possui cor branca-prateada, maleável, pouco dúctil e
altamente cristalino;
- Pode ser obtido pela reação:
SnO2 + 2 C ⇒ Sn + 2 CO
Mercúrio (Hg)
- É um metal, líquido à temperatura ambiente
- Possui cor prateada, é um bom condutor de eletricidade e
estabelece liga metálica facilmente com muitos outros metais
como o ouro ou a prata produzindo amálgamas.
- Pode ser obtido nas reações:
(1) HgS + O2 → HgO + SO
(2) HgO + C → Hg + CO
Chumbo (Pb)
- É um metal, sólido à temperatura ambiente.
- Possui cor acinzentada, é macio e muito maleável.
- Pode ser obtido nas reações:
1)2 PbS + 3 O2 → 2 PbO + 2 SO2
Cádmio (Cd)
- É um metal branco azulado, dúctil e maleável.
- Tem número atômico 48 e massa igual a 112,4 u. À temperatura
ambiente, encontra-se no estado sólido.
- A toxicidade que apresenta é similar à do mercúrio;
possivelmente se liga a resíduos de cisteína. Seu estado de
oxidação mais comum é o +2.
Arsênio (As)
- Tem número atômico 33 e massa 75 u.
- Este apresenta três estados alotrópicos: cinza ou metálico,
amarelo e negro. O arsênio cinza metálico (forma α) é a forma
mais estável nas condições normais e tem estrutura romboédrica;
é um bom condutor de calor, porém um péssimo condutor elétrico.
Análise de Cátions
“ A importância da análise de cátions é a
identificação ou pesquisa dos elementos ou íons que
constituem uma substância. Quando dispomos de uma
amostra desconhecida, a primeira exigência é,
geralmente, determinar quais substâncias que nela estão
presentes. A resolução disso esta no domínio da Análise
química qualitativa.” ( Teixeira, 2010)
Grupo de cátions
Para fins de análise qualitativa, os cátions são
classificados tomando-se por base sua peculiaridade a
determinados reagentes. A classificação baseia-se no
modo como os cátions reagem pela formação ou não de
precipitados. Os cátions são divididos em 5 grupos, no
caso os utilizados neste experimento pertencem ao
grupo 2.
Conhecido como grupo do cobre-arsênio que tem
como reativo o H2S em meio a HCl diluído, é formado
pelos íons desse grupo, um precipitado preto.
2. Objetivo
Utilizar uma rota analítica para identificação
dos cátions Cu2+ e Bi3+ como Atividade Prática
Supervisionada da matéria de Química Analítica I
que é ministrada pela professora Solange Cottica.
3. Materiais
- 6 tubos de ensaio;
- Estante para tubos de ensaio;
- Bico de Bunsen e fósforo;
- Papel toalha;
- Papel indicador;
- Fio de platina;
- Prego;
- Conta-gotas.
4. Reagentes
- Água destilada
- Ácido acético;
- Soluções aquosas de:
- CuSO4 0,25 mol/L;
- K4[Fe(CN)6] 0,2 mol/L
- NH4OH 6,0 mol/L
- HCl 6,0 mol/L
- NaOH 1,0 mol/L
- H2O2 concentrado
- KI 0,5 mol/L
- Solução desconhecida
5. Procedimento e Resultados
5.1 Identificação do Bi3+
5.1.1 Reação com NH4OH
Adicionou-se em um tubo de
ensaio, 1 ml da solução desconhecida através de
uma pipeta e 4 gotas de NH4OH 6 mol/L até a
formação de precipitado branco. O precipitado
deve ser insolúvel em excesso de reagente.
5.1 Identificação do Bi3+
5.1.1 Reação com NH4OH
5. Procedimento e Resultados
A solução resultou
uma cor azul
escuro;
Com excesso de
reagente
solubilizava o
precipitado.
Bi3+ + 2 NH4OH ⇔ Bi(NH4) + 2 H2O
5. Procedimento e Resultados
5.1 Identificação do Bi3+
5.1.2 Reação com NaOH
Adicionou-se em um tubo de ensaio, 01 ml
da solução desconhecida através de uma pipeta
e 4 gotas de NaOH 01 mol/L. Observou se
ocorreu a formação de precipitado branco de
hidróxido de bismuto. Adicionou-se gotas de HCl
6,0 mol/L e verificou se houve solubilização.
5. Procedimento e Resultados
Não obteve um
precipitado
branco;
Solubilizou
completamente
após a adição
do HCl.
5.1 Identificação do Bi3+
5.1.2 Reação com NaOH
Bi3+ + 3 OH- ⇔ Bi(OH)3
5. Procedimento e Resultados
5.1 Identificação do Bi3+
5.1.3 Reação com KI
Adicionou-se em um tubo de ensaio, 01 ml
da solução desconhecida através de uma pipeta
e gotas de KI 0,5 mol/L até a formação de
precipitado preto de iodeto de bismuto.
5. Procedimento e Resultados
Não obteve a
formação de
precipitado
preto de iodeto
de bismuto.
5.1 Identificação do Bi3+
5.1.3 Reação com KI
Bi3+ + 2 KI ⇔ 2 BiI3
5. Procedimento e Resultados
5.2 Identificação do Cu2+
5.2.1 Reação com K4[Fe(CN)6]
Adicionou-se em um tubo de ensaio, 1 ml da
solução problema e gotas de ácido acético até o
meio se tornar ácido.
Em seguida, adicionou-se gotas de
K4[Fe(CN)6] 0,2 mol/L e observou-se a formação
de precipitado castanho avermelhado de
ferrocianeto de cobre.
Cu2+ + K4[Fe(CN)6] ⇔ [CuFe(CN)6]
5. Procedimento e Resultados
5.2 Identificação do Cu2+
5.2.2 Reação com NH4OH
Adicionou-se em um tudo de ensaio, 1 ml da
solução problema com gotas de NH4OH 6,0 mol/L
até a formação de precipitado azul. Com excesso
de NH4OH solubilizou-se o precipitado pela
formação de um complexo de cor azul intensa de
cobre e amônia.
Cu2+ + 2 NH4OH ⇌ [Cu(NH3)4]
5. Procedimento e Resultados
5.2 Identificação do Cu2+
5.2.3 Prova de chama
Limpou-se o fio de platina, aquecendo-o na
chama e em seguida mergulhando-o em HCl 6,0
mol/L. Repetiu-se este procedimento até a cor da
chama não mais apresentar alteração.
Molhou-se o fio de platina em HCl, em
seguida mergulhou-o no sal de CuSO4 e levou-o
à chama. Coloração verde esmeralda identificou a
presença de cobre.
Esquema de reações que ocorrem na chama.
5. Procedimento e Resultados
5.2 Identificação do Cu2+
5.2.4 Teste de oxidação-redução
Imergiu-se na solução problema, um prego.
A formação de precipitado vermelho na superfície
do metal indicou a presença de cobre.
Fe ⇌ Fe2+ + 2e- (Oxidação)
Cu2+ + 2e- ⇌ Cu (Redução)
Global: Fe(s) + Cu2+(aq) ⇌ Fe2+(aq) +
Cu(s)
6. Conclusão
Após todas as análises, pode-se concluir
que a solução em questão possuía o cátion Cu2+.
Obrigado pela atenção!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo de born haber
Ciclo de born haberCiclo de born haber
Ciclo de born haber
Luiz Fabiano
 
9 solubilidade
9 solubilidade9 solubilidade
9 solubilidade
daniela pinto
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
Vanessa Neres
 
Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
Lucas Valente
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
Endler Marcel Borges
 
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Sarah Ornellas
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
Fernando Santos
 
Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
Endler Marcel Borges
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
arceariane87
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
Flavio Cardoso Reis
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
Dianna Grandal
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Lucas Valente
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Fernanda Borges de Souza
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
Queler X. Ferreira
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Ana Morais Nascimento
 
Reações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatosReações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatos
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
Rodrigo Henrique
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Cybele Sobrenome
 

Mais procurados (20)

Ciclo de born haber
Ciclo de born haberCiclo de born haber
Ciclo de born haber
 
9 solubilidade
9 solubilidade9 solubilidade
9 solubilidade
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
 
Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Reações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatosReações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatos
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
 

Semelhante a Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+

Apostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica QualitativaApostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Dharma Initiative
 
Apostila de 2012
Apostila de 2012Apostila de 2012
Apostila de 2012
Rosa0708
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
Endler Marcel Borges
 
íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
carollina_12
 
Aula prática 2 evidências de reações químicas
Aula prática 2   evidências de reações químicasAula prática 2   evidências de reações químicas
Aula prática 2 evidências de reações químicas
professoraludmila
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Lucas Valente
 
Cobre ao cobre
Cobre ao cobreCobre ao cobre
Cobre ao cobre
Vanessa Neres
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Jessica Amaral
 
Rela iodo
Rela iodoRela iodo
Apostila quimica orgânica_experimental
Apostila quimica orgânica_experimentalApostila quimica orgânica_experimental
Apostila quimica orgânica_experimental
FlaviaRXL
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
Larissa Cadorin
 
Rev 1
Rev 1Rev 1
3 FunçòEs Inorganicas
3 FunçòEs Inorganicas3 FunçòEs Inorganicas
3 FunçòEs Inorganicas
Raquel Gastao Daniel
 
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosQuímica Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Lucas Valente
 
Cobreagem
CobreagemCobreagem
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
Marcela Mousquer
 
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
Fagner Aquino
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Lucas Valente
 
Acidos bases sais
Acidos bases saisAcidos bases sais
Acidos bases sais
sabinosilva
 
PROVA FUVEST
PROVA FUVESTPROVA FUVEST

Semelhante a Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+ (20)

Apostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica QualitativaApostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica Qualitativa
 
Apostila de 2012
Apostila de 2012Apostila de 2012
Apostila de 2012
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
 
Aula prática 2 evidências de reações químicas
Aula prática 2   evidências de reações químicasAula prática 2   evidências de reações químicas
Aula prática 2 evidências de reações químicas
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
 
Cobre ao cobre
Cobre ao cobreCobre ao cobre
Cobre ao cobre
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
 
Rela iodo
Rela iodoRela iodo
Rela iodo
 
Apostila quimica orgânica_experimental
Apostila quimica orgânica_experimentalApostila quimica orgânica_experimental
Apostila quimica orgânica_experimental
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Rev 1
Rev 1Rev 1
Rev 1
 
3 FunçòEs Inorganicas
3 FunçòEs Inorganicas3 FunçòEs Inorganicas
3 FunçòEs Inorganicas
 
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosQuímica Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
 
Cobreagem
CobreagemCobreagem
Cobreagem
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
 
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
 
Acidos bases sais
Acidos bases saisAcidos bases sais
Acidos bases sais
 
PROVA FUVEST
PROVA FUVESTPROVA FUVEST
PROVA FUVEST
 

Mais de Gabriela Begalli

Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
Motor elétrico
Motor elétrico Motor elétrico
Motor elétrico
Gabriela Begalli
 
Simetria da molecula diclorometano
Simetria da molecula diclorometanoSimetria da molecula diclorometano
Simetria da molecula diclorometano
Gabriela Begalli
 
Sintese da aspirina e oleo de banana
Sintese da aspirina e oleo de bananaSintese da aspirina e oleo de banana
Sintese da aspirina e oleo de banana
Gabriela Begalli
 
Trabalho Poliacetal
Trabalho PoliacetalTrabalho Poliacetal
Trabalho Poliacetal
Gabriela Begalli
 
Apresentação - Poliacetal (POM)
Apresentação - Poliacetal (POM)Apresentação - Poliacetal (POM)
Apresentação - Poliacetal (POM)
Gabriela Begalli
 
PVC na construção civil
PVC na construção civilPVC na construção civil
PVC na construção civil
Gabriela Begalli
 
Trabalho sobre PVC
Trabalho sobre PVCTrabalho sobre PVC
Trabalho sobre PVC
Gabriela Begalli
 
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Gabriela Begalli
 
Borracha Butílica (IIR)
Borracha Butílica (IIR)Borracha Butílica (IIR)
Borracha Butílica (IIR)
Gabriela Begalli
 

Mais de Gabriela Begalli (10)

Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Motor elétrico
Motor elétrico Motor elétrico
Motor elétrico
 
Simetria da molecula diclorometano
Simetria da molecula diclorometanoSimetria da molecula diclorometano
Simetria da molecula diclorometano
 
Sintese da aspirina e oleo de banana
Sintese da aspirina e oleo de bananaSintese da aspirina e oleo de banana
Sintese da aspirina e oleo de banana
 
Trabalho Poliacetal
Trabalho PoliacetalTrabalho Poliacetal
Trabalho Poliacetal
 
Apresentação - Poliacetal (POM)
Apresentação - Poliacetal (POM)Apresentação - Poliacetal (POM)
Apresentação - Poliacetal (POM)
 
PVC na construção civil
PVC na construção civilPVC na construção civil
PVC na construção civil
 
Trabalho sobre PVC
Trabalho sobre PVCTrabalho sobre PVC
Trabalho sobre PVC
 
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
 
Borracha Butílica (IIR)
Borracha Butílica (IIR)Borracha Butílica (IIR)
Borracha Butílica (IIR)
 

Último

Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 

Último (8)

Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 

Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+

  • 1. APS de Química Analítica Gabriel Bortoleti Gabriela Begalli Giovani Helmann Gustavo Cavalcanti Julie Fernandes Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+ Toledo, 2014
  • 2. 1. Introdução Esta apresentação irá apresentar os métodos utilizados para verificação e descoberta de um dos elementos contidos em uma solução problema, que poderia ser de cobre (Cu) ou de Bismuto (Bi). Será realizado uma rápida apresentação dos elementos do grupo :
  • 3. Cobre (Cu) - O cobre é um elemento químico de símbolo Cu (do latim cuprum); - Tem número atômico 29 (29 prótons e 29 elétrons) e de massa atómica 63,6 uma. - À temperatura ambiente, o cobre encontra-se no estado sólido. Bismuto (Bi) - O bismuto é um elemento químico pouco abundante e caro, pertencente à família 5A, com número atômico 83; - Encontrando-se em temperatura ambiente na forma solida, sendo pesado e quebradiço, de cor branca. - Entre os metais pesados é o menos tóxico, mas ele e seus sais podem causar danos moderados ao fígado.
  • 4. Antimônio (Sb) - É um semimetal encontrado no estado sólido à temperatura ambiente; - Possui cor branca-azulada em sua forma estável; - Pode ser obtido pela reação: Sb2S3 + 3 Fe → 2 Sb + 3 FeS Estanho (Sn) - É um metal, que é sólido nas condições ambientais; - Possui cor branca-prateada, maleável, pouco dúctil e altamente cristalino; - Pode ser obtido pela reação: SnO2 + 2 C ⇒ Sn + 2 CO
  • 5. Mercúrio (Hg) - É um metal, líquido à temperatura ambiente - Possui cor prateada, é um bom condutor de eletricidade e estabelece liga metálica facilmente com muitos outros metais como o ouro ou a prata produzindo amálgamas. - Pode ser obtido nas reações: (1) HgS + O2 → HgO + SO (2) HgO + C → Hg + CO Chumbo (Pb) - É um metal, sólido à temperatura ambiente. - Possui cor acinzentada, é macio e muito maleável. - Pode ser obtido nas reações: 1)2 PbS + 3 O2 → 2 PbO + 2 SO2
  • 6. Cádmio (Cd) - É um metal branco azulado, dúctil e maleável. - Tem número atômico 48 e massa igual a 112,4 u. À temperatura ambiente, encontra-se no estado sólido. - A toxicidade que apresenta é similar à do mercúrio; possivelmente se liga a resíduos de cisteína. Seu estado de oxidação mais comum é o +2. Arsênio (As) - Tem número atômico 33 e massa 75 u. - Este apresenta três estados alotrópicos: cinza ou metálico, amarelo e negro. O arsênio cinza metálico (forma α) é a forma mais estável nas condições normais e tem estrutura romboédrica; é um bom condutor de calor, porém um péssimo condutor elétrico.
  • 7. Análise de Cátions “ A importância da análise de cátions é a identificação ou pesquisa dos elementos ou íons que constituem uma substância. Quando dispomos de uma amostra desconhecida, a primeira exigência é, geralmente, determinar quais substâncias que nela estão presentes. A resolução disso esta no domínio da Análise química qualitativa.” ( Teixeira, 2010)
  • 8. Grupo de cátions Para fins de análise qualitativa, os cátions são classificados tomando-se por base sua peculiaridade a determinados reagentes. A classificação baseia-se no modo como os cátions reagem pela formação ou não de precipitados. Os cátions são divididos em 5 grupos, no caso os utilizados neste experimento pertencem ao grupo 2. Conhecido como grupo do cobre-arsênio que tem como reativo o H2S em meio a HCl diluído, é formado pelos íons desse grupo, um precipitado preto.
  • 9. 2. Objetivo Utilizar uma rota analítica para identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+ como Atividade Prática Supervisionada da matéria de Química Analítica I que é ministrada pela professora Solange Cottica.
  • 10. 3. Materiais - 6 tubos de ensaio; - Estante para tubos de ensaio; - Bico de Bunsen e fósforo; - Papel toalha; - Papel indicador; - Fio de platina; - Prego; - Conta-gotas.
  • 11. 4. Reagentes - Água destilada - Ácido acético; - Soluções aquosas de: - CuSO4 0,25 mol/L; - K4[Fe(CN)6] 0,2 mol/L - NH4OH 6,0 mol/L - HCl 6,0 mol/L - NaOH 1,0 mol/L - H2O2 concentrado - KI 0,5 mol/L - Solução desconhecida
  • 12. 5. Procedimento e Resultados 5.1 Identificação do Bi3+ 5.1.1 Reação com NH4OH Adicionou-se em um tubo de ensaio, 1 ml da solução desconhecida através de uma pipeta e 4 gotas de NH4OH 6 mol/L até a formação de precipitado branco. O precipitado deve ser insolúvel em excesso de reagente.
  • 13. 5.1 Identificação do Bi3+ 5.1.1 Reação com NH4OH 5. Procedimento e Resultados A solução resultou uma cor azul escuro; Com excesso de reagente solubilizava o precipitado. Bi3+ + 2 NH4OH ⇔ Bi(NH4) + 2 H2O
  • 14. 5. Procedimento e Resultados 5.1 Identificação do Bi3+ 5.1.2 Reação com NaOH Adicionou-se em um tubo de ensaio, 01 ml da solução desconhecida através de uma pipeta e 4 gotas de NaOH 01 mol/L. Observou se ocorreu a formação de precipitado branco de hidróxido de bismuto. Adicionou-se gotas de HCl 6,0 mol/L e verificou se houve solubilização.
  • 15. 5. Procedimento e Resultados Não obteve um precipitado branco; Solubilizou completamente após a adição do HCl. 5.1 Identificação do Bi3+ 5.1.2 Reação com NaOH Bi3+ + 3 OH- ⇔ Bi(OH)3
  • 16. 5. Procedimento e Resultados 5.1 Identificação do Bi3+ 5.1.3 Reação com KI Adicionou-se em um tubo de ensaio, 01 ml da solução desconhecida através de uma pipeta e gotas de KI 0,5 mol/L até a formação de precipitado preto de iodeto de bismuto.
  • 17. 5. Procedimento e Resultados Não obteve a formação de precipitado preto de iodeto de bismuto. 5.1 Identificação do Bi3+ 5.1.3 Reação com KI Bi3+ + 2 KI ⇔ 2 BiI3
  • 18. 5. Procedimento e Resultados 5.2 Identificação do Cu2+ 5.2.1 Reação com K4[Fe(CN)6] Adicionou-se em um tubo de ensaio, 1 ml da solução problema e gotas de ácido acético até o meio se tornar ácido. Em seguida, adicionou-se gotas de K4[Fe(CN)6] 0,2 mol/L e observou-se a formação de precipitado castanho avermelhado de ferrocianeto de cobre.
  • 19. Cu2+ + K4[Fe(CN)6] ⇔ [CuFe(CN)6]
  • 20. 5. Procedimento e Resultados 5.2 Identificação do Cu2+ 5.2.2 Reação com NH4OH Adicionou-se em um tudo de ensaio, 1 ml da solução problema com gotas de NH4OH 6,0 mol/L até a formação de precipitado azul. Com excesso de NH4OH solubilizou-se o precipitado pela formação de um complexo de cor azul intensa de cobre e amônia.
  • 21. Cu2+ + 2 NH4OH ⇌ [Cu(NH3)4]
  • 22. 5. Procedimento e Resultados 5.2 Identificação do Cu2+ 5.2.3 Prova de chama Limpou-se o fio de platina, aquecendo-o na chama e em seguida mergulhando-o em HCl 6,0 mol/L. Repetiu-se este procedimento até a cor da chama não mais apresentar alteração. Molhou-se o fio de platina em HCl, em seguida mergulhou-o no sal de CuSO4 e levou-o à chama. Coloração verde esmeralda identificou a presença de cobre.
  • 23.
  • 24. Esquema de reações que ocorrem na chama.
  • 25. 5. Procedimento e Resultados 5.2 Identificação do Cu2+ 5.2.4 Teste de oxidação-redução Imergiu-se na solução problema, um prego. A formação de precipitado vermelho na superfície do metal indicou a presença de cobre.
  • 26. Fe ⇌ Fe2+ + 2e- (Oxidação) Cu2+ + 2e- ⇌ Cu (Redução) Global: Fe(s) + Cu2+(aq) ⇌ Fe2+(aq) + Cu(s)
  • 27. 6. Conclusão Após todas as análises, pode-se concluir que a solução em questão possuía o cátion Cu2+.