SlideShare uma empresa Scribd logo
Hemotransfusão
Enfº Residente Renata Melo
Maio, 2013
Componentes sanguíneos: revisão
• Hemácias(células vermelhas)
• Leucócitos(células brancas)
- Granulócitos(eosinófilos, basófilo e neutrófilo)
- Agranulócitos( macrófagos e linfócitos)
• Plaquetas(trombócitos)
Eritrócitos(hemácias)
Eritrócito maduro
Hemoglobina
4 subnunidades(heme)
O2 + Heme
Oxiemoglobina
Leucócitos(células brancas)
• Granulócitos
Eosinófilos: Eles ingerem complexos antígeno-
anticorpo, atacam parasitas e estão elevados durante a
reação alérgica.
Neutrófilos: Combatem infecções bacterianas e digerem
materiais não-próprio. Estão presente na fase inicial da
inflamação.
Basófilos: Desempenha um papel nos sintomas das reações
alérgicas agudas.
Leucócitos(células brancas)
• Agranulócitos
Macrófago: Fagocitose
Linfócito: Células imunocompetentes , que estão envolvidas
na produção de anticorpos e na manutenção da resposta
imune. Os mais importantes são os linfócitos B e T.
Plaquetas
• Plaquetas mantêm a integridade capilar, aceleram a
coagulação e retraem os coágulos.
Produção de hemocomponentes
• Hemocomponentes e hemoderivados são produtos
distintos.
• Hemocomponentes
São obtidos através da coleta de sangue total ou por
aférese.
E gerados a partir do sangue total através de processos
físicos(centrifugação e congelamento).
Produção de hemocomponentes
• Hemoderivados
São os produtos obtidos em escala industrial a
partir do fracionamento do PLASMA através de
processos físico-químicos.
Produção de hemocomponentes
Hemocomponentes
• Concentrado de hemácias
1 unidade = 250-300 ml de hemácias
Pode ser irradiado, lavado, congelado ou filtrado para diminuição
radical do número de leucócitos.
Deve ser mantido a uma temperatura entre 2ºC e 6ºC.
Validade 35 a 42 dias em refrigeração e 4h em temperatura
ambiente.
O nível de hemoglobina no paciente deve ser mantido sempre
aproximado a 10g/dl.
“Pacientes portadores de miocardiopatia isquêmica submetidos
recentemente a revascularização se beneficiam com níveis de
hemoglobina de 10,0 g/dL, estes estudos demonstram uma redução da
morbidade e mortalidade no período pós-operatório
imediato.”(Hemocentro Unicamp, 2008)
Hemocomponentes
• Concentrado de hemácias
-Infusão
Via venosa exclusiva, não podendo ser infundido com outras
medicações, exceto SF à 0,9%.
Deve ser realizada 30min após a retirada da bolsa do refrigerador.
Infusão lenta nos primeiros 15min(15gts/min).
Não ultrapassar o tempo máximo de 4horas.
Controle de Hb/Ht após 1 hora do término da infusão.
Utilizar cateteres de grosso calibre(jelco 18G ou 20G).
Hemocomponentes
• Concentrado de hemácias
- Indicações
Sangramento agudo/sub-agudo (> 25 - 50% de volume de sangue) com
evidência de prejuízo da oferta de oxigênio aos tecidos e / ou Hb < 6 -
7g/dl.
Paciente em pré-operatório com previsão de perda sanguínea intra-
operatória e Hb pré-operatório < 7 - 8g/dl.
Paciente coronariopata em pré-operatório e Hb < 10g/dl.
Paciente portador de anemia crônica com Hb < 6 - 7g/dl e sintomático
(síncope, dispnéia, hipotensão postural, taquicardia, angina ou ataque
isquêmico transitório).
Hemocomponentes
• Concentrado de plaquetas
1 unidade: 0,5 x 1011 plaquetas em 50-70 ml de plasma(por centrifugação).
Unidades obtidas por aférese: 3 - 5,0 x 1011 plaquetas em 200-300ml de
plasma; equivale a 6 unidades individuais.
Podem ser guardadas a temperatura ambiente(20º C a 22ºC).
Validade de 5 dias antes de serem descartadas(se mantida no agitador).
“A população que utiliza este hemocomponente é composta
prioritariamente de pacientes oncohematológicos.’’ (Guia de Condutas
hemoterápicas, Sirio Libanês, 2010)
Hemocomponentes
• Concentrado de plaquetas
-Infusão
Infundir dentro de 1h com gotejamento livre.
Controles na 1ª hora após infusão e após 16- 24 horas para avaliar
viabilidade plaquetária.
Uma vez retiradas do agitador, devem ser infundidas o mais rápido
possível.
Dose: 1 unidade/10Kg do paciente.
Hemocomponentes
• Concentrado de Plaquetas
- Indicações
Basicamente, as indicações de transfusão de CP estão associadas as
plaquetopenias desencadeadas por falência medular, raramente é
indicada a reposição em plaquetopenias por destruição periférica ou
alterações congênitas de função plaquetária.
Hemocomponentes
• Plasma Fresco Congelado(PFC)
É obtido por centrifugação e por aférese.
1 unidade = 250 ml de plasma com todos os fatores de
coagulação(centrifugação); 400 ml se coletado por aférese.
É constituído basicamente de água, proteínas (albumina, globulinas,
fatores de coagulação e outras), carboidratos e lipídios.
É completamente congelado até 8 horas após a coleta e mantido, no
mínimo, a 18°C negativos.
Hemocomponentes
• Plasma Fresco Congelado(PFC)
- Infusão
Iniciar com 02 unidade de plasma fresco congelado; após 1 hora colher
novo TP/TTPa.
Nova transfusão conforme necessário (TP/TTPa > 1,5 x o valor normal).
Infundir após descongelamento em temperatura ambiente e após
aquecimento a 37º C.
5-20ml/Kg em infusão lenta.
Hemocomponentes
• Plasma Fresco Congelado(PFC)
- Indicações
Tempo de protrombina(TP) e de tromboplastina
parcial ativada(TTPa) forem 1,5 vezes maior que o
valor normal sem sangramento, em pacientes que
são submetidos a procedimentos cirúrgicos ou
invasivos.
Sangramento ativo em pacientes que utilizam
anticoagulante oral.
Deficiência de fatores isolados de coagulação
como II, V, VII, IX, X e XI.
Assistência geral de enfermagem
durante a hemotransfusão
• Antes e durante a transfusão
- Comparar dados do paciente com prescrição e os da unidade de
hemocomponente.
- Verificar SSVV(antes e após) e registrar.
- Permanecer a beira do leito durante os primeiros 15 min.
Assistência geral de enfermagem
durante a hemotransfusão
- Iniciar com 15gts/min e depois de acordo com prescrição médica.
- Observar o paciente, verificar SSVV e viabilidade do acesso a cada
30min.
- Trocar equipo a cada infusão ou a cada 4h.
Assistência geral de enfermagem
durante a hemotransfusão
• Pós transfusão
- Verificar SSVV, registrá-los no prontuário e compará-los com os
anteriores.
- Comunicar alterações significativas ao médico.
- Observar atentamente o paciente durante 15 a 30 min pós transfusão.
Reações Transfusionais
• Classificação
- Imediatas(agudas): Ocorrem durante ou em até 24horas do
procedimento trasfusional.
- Tardias: Surgem depois das 24horas de infusão.
Toda reação trasfusional deve ser registrada e notificada.
Reações Transfusionais
• Imediatas
- Reação hemolítica aguda
Associada a incompatibilidade ABO por infusão de bolsa não
compatível.
Sinais e sintomas: Taquicardia, hipotensão, poliartralgia
severa, dor lombar, queimação no sítio de infusão.
Tratamento: Parar imdediatamente a infusão, trocar de
acesso, manter SF à 0,9%, manter perusão renal
adequada(>100ml/h).
Prevenção: Identificação adequada de
amostras, hemocomponentes e pacientes.
Reações Transfusionais
• Imediatas
- Reação alérgica
Está relacionada à hipersensibilidade às proteínas
plasmáticas.
Sinais e sintomas: eritema, urticária e espirros.
Tratamento: interromper a transfusão e manter
acesso com SF à 0,9%. Se necessário utiliza-se
anti-histamínicos.
Prevenção: Uso prévio de anti-histamínico.
Lavagem do hemocomponente.
Reações Transfusionais
• Imediatas
- Reação febril não-hemolítica
É definido como o aumento da temperatura
acima de 1ºC durante ou após a transfusão de
sangue sem outra explicação.
Sinais e sintomas: febre, tremores e calafrios
que causam grande desconforto ao paciente.
Tratamento: Parar imdediatamente a infusão,
trocar de acesso, manter solução isotônica, adm
antipiréticos cpm. Devendo evitar o AASS.
Prevenção: Pré-medicação com antitérmico nos
casos recorrentes e uso de hemocomponentes
desleucocitados.
Reações Transfusionais
• Tardias
- TAGVHD(Doença do Enxerto versus Hospedeiro)
Reação rara, extremamente grave, onde há transfusão de linfócitos
imunocompetentes do doador para um receptor imunocomprometido.
Sinais e sintomas: dermatite, diarréia aquosa com perda de 3 a 4
litros, elevação de enzimas hepáticas, pancitopenia.
Tratamento: não existe tratamento eficaz, e o índice de mortalidade é de
90% a 100%.
Prevenção: irradiação com raios gama de componentes celulares .
Assitência de enfermagem nas reações
transfusionais imediatas
• Considerar qualquer queixa apresentada pelo paciente.
• Interromper imediatamente a trasfusão em casos de anormalidades.
• Manter acesso com infusão de SF à 0,9%.
• Verificar SSVV.
• Comunicar ao médico responsável.
Assitência de enfermagem nas reações
transfusionais imediatas
• Conferir todos os rótulos, etiquetas e registro, conferindo os dados do
paciente com os da unidade de hemocomponente e a prescrição.
• Se necessário, colher uma amostra de 10 ml(de outro acesso) do paciente
para enviar para o hemocentro juntamente com o relato da
intercorrência, mais o equipo e a bolsa de hemocomponente(Ex: RHA).
• Coletar SU
• O REGISTRO no prontuário deve conter o horário, o número de unidades
infundidas, procedimentos pós reação e medicações administradas.
Anotar também no livro de ocorrências.
Considerações gerais
• A maioria das padronizações de indicação de hemocomponentes esta
baseada em evidências determinadas através de análise de grupos de
pacientes, nunca devendo ser empíricas ou baseadas somente na
experiência do profissional médico envolvido.
• A requisição do produto hemoterápico deve ser preenchida da forma mais
completa possível, prescrita e assinada por médico e estar registrada no
prontuário do paciente.
Considerações gerais
• Nao existe contra-indicação absoluta a transfusão em pacientes com
febre. É importante diminuir a febre antes da transfusão, porque o
surgimento de febre pode ser um sinal de hemólise ou de outro tipo de
reação transfusional.
• De forma geral, muitas das reações podem ser evitadas com o
cumprimento das normas técnicas, uma delas é a permanência à beira do
leito durante os primeiros 15min da infusão.
Referências
Ministério da Saúde. Guia para o uso de hemocomponentes. Brasília-DF, 2010.
Hospital Sírio Libanês. Guia de condutas hemoterápicas. São Paulo, 2010.
HUWC/UFC. Manual de Hemotransfusão. Ceará, 2007.
Ministério da Saúde. Manula técnico de hemovigilância. Brasíli-DF, 2004.
ANVISA. Hemovigilância – Manual técnico de hemovigilância – Investigação
das reações transfusionais imediatas e tardias não infecciosas. Brasília, 2007.
Obrigada!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusionalAula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusional
Proqualis
 
Hemoterapia 2
Hemoterapia 2Hemoterapia 2
Hemoterapia 2
janinemagalhaes
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
Jonathan Silva
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
hemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivadoshemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivados
crisenf
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Raíssa Soeiro
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
Andréa Dantas
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Aula infusão de sangue e derivados
Aula   infusão de sangue e derivadosAula   infusão de sangue e derivados
Aula infusão de sangue e derivados
karol_ribeiro
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
clinicansl
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Francisco Doria
 

Mais procurados (20)

Aula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusionalAula sobre segurança transfusional
Aula sobre segurança transfusional
 
Hemoterapia 2
Hemoterapia 2Hemoterapia 2
Hemoterapia 2
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
hemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivadoshemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivados
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Aula infusão de sangue e derivados
Aula   infusão de sangue e derivadosAula   infusão de sangue e derivados
Aula infusão de sangue e derivados
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 

Destaque

DoaçãO De Sangue 2003
DoaçãO De Sangue 2003DoaçãO De Sangue 2003
DoaçãO De Sangue 2003
ceama
 
Doaçao de sangue
Doaçao de sangueDoaçao de sangue
Doaçao de sangue
turma14EPAD
 
Doação de sangue slide
Doação de sangue slideDoação de sangue slide
Doação de sangue slide
JehGugu
 
Dadiva de sangue
Dadiva de sangueDadiva de sangue
Dadiva de sangue
tuchav
 
Doação de sangue
Doação de sangueDoação de sangue
Doação de sangue
Sylvio Bazote
 
Dádiva de sangue
Dádiva de sangueDádiva de sangue
Dádiva de sangue
jupintos
 
Palestra DéBora
Palestra DéBoraPalestra DéBora
Palestra DéBora
guest0027188e
 

Destaque (7)

DoaçãO De Sangue 2003
DoaçãO De Sangue 2003DoaçãO De Sangue 2003
DoaçãO De Sangue 2003
 
Doaçao de sangue
Doaçao de sangueDoaçao de sangue
Doaçao de sangue
 
Doação de sangue slide
Doação de sangue slideDoação de sangue slide
Doação de sangue slide
 
Dadiva de sangue
Dadiva de sangueDadiva de sangue
Dadiva de sangue
 
Doação de sangue
Doação de sangueDoação de sangue
Doação de sangue
 
Dádiva de sangue
Dádiva de sangueDádiva de sangue
Dádiva de sangue
 
Palestra DéBora
Palestra DéBoraPalestra DéBora
Palestra DéBora
 

Semelhante a Hemotransfusão

hemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdf
hemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdfhemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdf
hemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdf
RAFAELVALENZUELA44
 
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeAbordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Vicente Santos
 
preparo e complicaçãoes dos hemocomponentes
preparo e complicaçãoes dos hemocomponentespreparo e complicaçãoes dos hemocomponentes
preparo e complicaçãoes dos hemocomponentes
José Renato Franco Alves
 
Manual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdf
Manual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdfManual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdf
Manual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdf
Elenilsonlopesvidal
 
Coleta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptxColeta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptx
PinheiroNeto2
 
fluidoterapia-2015.pdf
fluidoterapia-2015.pdffluidoterapia-2015.pdf
fluidoterapia-2015.pdf
anderson carlos de oliveira
 
Aula hemoterapia
Aula hemoterapiaAula hemoterapia
Aula hemoterapia
ReginaReiniger
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
Arley Melo
 
Trab. farmaco (1)
Trab. farmaco (1)Trab. farmaco (1)
Trab. farmaco (1)
Camilasantos2016
 
Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]
ctisaolucascopacabana
 
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Erick Bragato
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
galegoo
 
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Magali Barros
 
Aula infusão de sangue e derivados
Aula   infusão de sangue e derivadosAula   infusão de sangue e derivados
Aula infusão de sangue e derivados
karol_ribeiro
 
Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Triagem clínica
Triagem clínicaTriagem clínica
Triagem clínica
Unicruz
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Aroldo Gavioli
 
Aula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftff
Aula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftffAula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftff
Aula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftff
AngelicaCostaMeirele2
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
Aroldo Gavioli
 
Manual transfusao 2012
Manual transfusao 2012Manual transfusao 2012
Manual transfusao 2012
heroilma
 

Semelhante a Hemotransfusão (20)

hemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdf
hemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdfhemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdf
hemotransfusao-150320105043-conversion-gate01.pdf
 
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeAbordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
 
preparo e complicaçãoes dos hemocomponentes
preparo e complicaçãoes dos hemocomponentespreparo e complicaçãoes dos hemocomponentes
preparo e complicaçãoes dos hemocomponentes
 
Manual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdf
Manual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdfManual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdf
Manual prático para administração do Actilyse - Versão Digital (1).pdf
 
Coleta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptxColeta de sangue para exames.pptx
Coleta de sangue para exames.pptx
 
fluidoterapia-2015.pdf
fluidoterapia-2015.pdffluidoterapia-2015.pdf
fluidoterapia-2015.pdf
 
Aula hemoterapia
Aula hemoterapiaAula hemoterapia
Aula hemoterapia
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
 
Trab. farmaco (1)
Trab. farmaco (1)Trab. farmaco (1)
Trab. farmaco (1)
 
Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]
 
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
 
Aula infusão de sangue e derivados
Aula   infusão de sangue e derivadosAula   infusão de sangue e derivados
Aula infusão de sangue e derivados
 
Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
 
Triagem clínica
Triagem clínicaTriagem clínica
Triagem clínica
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
 
Aula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftff
Aula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftffAula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftff
Aula_-_Antitromboticos.pdfkhhhhhhjhhgffftff
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Manual transfusao 2012
Manual transfusao 2012Manual transfusao 2012
Manual transfusao 2012
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Hemotransfusão

  • 2. Componentes sanguíneos: revisão • Hemácias(células vermelhas) • Leucócitos(células brancas) - Granulócitos(eosinófilos, basófilo e neutrófilo) - Agranulócitos( macrófagos e linfócitos) • Plaquetas(trombócitos)
  • 4. Leucócitos(células brancas) • Granulócitos Eosinófilos: Eles ingerem complexos antígeno- anticorpo, atacam parasitas e estão elevados durante a reação alérgica. Neutrófilos: Combatem infecções bacterianas e digerem materiais não-próprio. Estão presente na fase inicial da inflamação. Basófilos: Desempenha um papel nos sintomas das reações alérgicas agudas.
  • 5. Leucócitos(células brancas) • Agranulócitos Macrófago: Fagocitose Linfócito: Células imunocompetentes , que estão envolvidas na produção de anticorpos e na manutenção da resposta imune. Os mais importantes são os linfócitos B e T.
  • 6. Plaquetas • Plaquetas mantêm a integridade capilar, aceleram a coagulação e retraem os coágulos.
  • 7. Produção de hemocomponentes • Hemocomponentes e hemoderivados são produtos distintos. • Hemocomponentes São obtidos através da coleta de sangue total ou por aférese. E gerados a partir do sangue total através de processos físicos(centrifugação e congelamento).
  • 8. Produção de hemocomponentes • Hemoderivados São os produtos obtidos em escala industrial a partir do fracionamento do PLASMA através de processos físico-químicos.
  • 10. Hemocomponentes • Concentrado de hemácias 1 unidade = 250-300 ml de hemácias Pode ser irradiado, lavado, congelado ou filtrado para diminuição radical do número de leucócitos. Deve ser mantido a uma temperatura entre 2ºC e 6ºC. Validade 35 a 42 dias em refrigeração e 4h em temperatura ambiente. O nível de hemoglobina no paciente deve ser mantido sempre aproximado a 10g/dl. “Pacientes portadores de miocardiopatia isquêmica submetidos recentemente a revascularização se beneficiam com níveis de hemoglobina de 10,0 g/dL, estes estudos demonstram uma redução da morbidade e mortalidade no período pós-operatório imediato.”(Hemocentro Unicamp, 2008)
  • 11. Hemocomponentes • Concentrado de hemácias -Infusão Via venosa exclusiva, não podendo ser infundido com outras medicações, exceto SF à 0,9%. Deve ser realizada 30min após a retirada da bolsa do refrigerador. Infusão lenta nos primeiros 15min(15gts/min). Não ultrapassar o tempo máximo de 4horas. Controle de Hb/Ht após 1 hora do término da infusão. Utilizar cateteres de grosso calibre(jelco 18G ou 20G).
  • 12. Hemocomponentes • Concentrado de hemácias - Indicações Sangramento agudo/sub-agudo (> 25 - 50% de volume de sangue) com evidência de prejuízo da oferta de oxigênio aos tecidos e / ou Hb < 6 - 7g/dl. Paciente em pré-operatório com previsão de perda sanguínea intra- operatória e Hb pré-operatório < 7 - 8g/dl. Paciente coronariopata em pré-operatório e Hb < 10g/dl. Paciente portador de anemia crônica com Hb < 6 - 7g/dl e sintomático (síncope, dispnéia, hipotensão postural, taquicardia, angina ou ataque isquêmico transitório).
  • 13. Hemocomponentes • Concentrado de plaquetas 1 unidade: 0,5 x 1011 plaquetas em 50-70 ml de plasma(por centrifugação). Unidades obtidas por aférese: 3 - 5,0 x 1011 plaquetas em 200-300ml de plasma; equivale a 6 unidades individuais. Podem ser guardadas a temperatura ambiente(20º C a 22ºC). Validade de 5 dias antes de serem descartadas(se mantida no agitador). “A população que utiliza este hemocomponente é composta prioritariamente de pacientes oncohematológicos.’’ (Guia de Condutas hemoterápicas, Sirio Libanês, 2010)
  • 14. Hemocomponentes • Concentrado de plaquetas -Infusão Infundir dentro de 1h com gotejamento livre. Controles na 1ª hora após infusão e após 16- 24 horas para avaliar viabilidade plaquetária. Uma vez retiradas do agitador, devem ser infundidas o mais rápido possível. Dose: 1 unidade/10Kg do paciente.
  • 15. Hemocomponentes • Concentrado de Plaquetas - Indicações Basicamente, as indicações de transfusão de CP estão associadas as plaquetopenias desencadeadas por falência medular, raramente é indicada a reposição em plaquetopenias por destruição periférica ou alterações congênitas de função plaquetária.
  • 16. Hemocomponentes • Plasma Fresco Congelado(PFC) É obtido por centrifugação e por aférese. 1 unidade = 250 ml de plasma com todos os fatores de coagulação(centrifugação); 400 ml se coletado por aférese. É constituído basicamente de água, proteínas (albumina, globulinas, fatores de coagulação e outras), carboidratos e lipídios. É completamente congelado até 8 horas após a coleta e mantido, no mínimo, a 18°C negativos.
  • 17. Hemocomponentes • Plasma Fresco Congelado(PFC) - Infusão Iniciar com 02 unidade de plasma fresco congelado; após 1 hora colher novo TP/TTPa. Nova transfusão conforme necessário (TP/TTPa > 1,5 x o valor normal). Infundir após descongelamento em temperatura ambiente e após aquecimento a 37º C. 5-20ml/Kg em infusão lenta.
  • 18. Hemocomponentes • Plasma Fresco Congelado(PFC) - Indicações Tempo de protrombina(TP) e de tromboplastina parcial ativada(TTPa) forem 1,5 vezes maior que o valor normal sem sangramento, em pacientes que são submetidos a procedimentos cirúrgicos ou invasivos. Sangramento ativo em pacientes que utilizam anticoagulante oral. Deficiência de fatores isolados de coagulação como II, V, VII, IX, X e XI.
  • 19. Assistência geral de enfermagem durante a hemotransfusão • Antes e durante a transfusão - Comparar dados do paciente com prescrição e os da unidade de hemocomponente. - Verificar SSVV(antes e após) e registrar. - Permanecer a beira do leito durante os primeiros 15 min.
  • 20. Assistência geral de enfermagem durante a hemotransfusão - Iniciar com 15gts/min e depois de acordo com prescrição médica. - Observar o paciente, verificar SSVV e viabilidade do acesso a cada 30min. - Trocar equipo a cada infusão ou a cada 4h.
  • 21. Assistência geral de enfermagem durante a hemotransfusão • Pós transfusão - Verificar SSVV, registrá-los no prontuário e compará-los com os anteriores. - Comunicar alterações significativas ao médico. - Observar atentamente o paciente durante 15 a 30 min pós transfusão.
  • 22. Reações Transfusionais • Classificação - Imediatas(agudas): Ocorrem durante ou em até 24horas do procedimento trasfusional. - Tardias: Surgem depois das 24horas de infusão. Toda reação trasfusional deve ser registrada e notificada.
  • 23. Reações Transfusionais • Imediatas - Reação hemolítica aguda Associada a incompatibilidade ABO por infusão de bolsa não compatível. Sinais e sintomas: Taquicardia, hipotensão, poliartralgia severa, dor lombar, queimação no sítio de infusão. Tratamento: Parar imdediatamente a infusão, trocar de acesso, manter SF à 0,9%, manter perusão renal adequada(>100ml/h). Prevenção: Identificação adequada de amostras, hemocomponentes e pacientes.
  • 24. Reações Transfusionais • Imediatas - Reação alérgica Está relacionada à hipersensibilidade às proteínas plasmáticas. Sinais e sintomas: eritema, urticária e espirros. Tratamento: interromper a transfusão e manter acesso com SF à 0,9%. Se necessário utiliza-se anti-histamínicos. Prevenção: Uso prévio de anti-histamínico. Lavagem do hemocomponente.
  • 25. Reações Transfusionais • Imediatas - Reação febril não-hemolítica É definido como o aumento da temperatura acima de 1ºC durante ou após a transfusão de sangue sem outra explicação. Sinais e sintomas: febre, tremores e calafrios que causam grande desconforto ao paciente. Tratamento: Parar imdediatamente a infusão, trocar de acesso, manter solução isotônica, adm antipiréticos cpm. Devendo evitar o AASS. Prevenção: Pré-medicação com antitérmico nos casos recorrentes e uso de hemocomponentes desleucocitados.
  • 26. Reações Transfusionais • Tardias - TAGVHD(Doença do Enxerto versus Hospedeiro) Reação rara, extremamente grave, onde há transfusão de linfócitos imunocompetentes do doador para um receptor imunocomprometido. Sinais e sintomas: dermatite, diarréia aquosa com perda de 3 a 4 litros, elevação de enzimas hepáticas, pancitopenia. Tratamento: não existe tratamento eficaz, e o índice de mortalidade é de 90% a 100%. Prevenção: irradiação com raios gama de componentes celulares .
  • 27. Assitência de enfermagem nas reações transfusionais imediatas • Considerar qualquer queixa apresentada pelo paciente. • Interromper imediatamente a trasfusão em casos de anormalidades. • Manter acesso com infusão de SF à 0,9%. • Verificar SSVV. • Comunicar ao médico responsável.
  • 28. Assitência de enfermagem nas reações transfusionais imediatas • Conferir todos os rótulos, etiquetas e registro, conferindo os dados do paciente com os da unidade de hemocomponente e a prescrição. • Se necessário, colher uma amostra de 10 ml(de outro acesso) do paciente para enviar para o hemocentro juntamente com o relato da intercorrência, mais o equipo e a bolsa de hemocomponente(Ex: RHA). • Coletar SU • O REGISTRO no prontuário deve conter o horário, o número de unidades infundidas, procedimentos pós reação e medicações administradas. Anotar também no livro de ocorrências.
  • 29. Considerações gerais • A maioria das padronizações de indicação de hemocomponentes esta baseada em evidências determinadas através de análise de grupos de pacientes, nunca devendo ser empíricas ou baseadas somente na experiência do profissional médico envolvido. • A requisição do produto hemoterápico deve ser preenchida da forma mais completa possível, prescrita e assinada por médico e estar registrada no prontuário do paciente.
  • 30.
  • 31. Considerações gerais • Nao existe contra-indicação absoluta a transfusão em pacientes com febre. É importante diminuir a febre antes da transfusão, porque o surgimento de febre pode ser um sinal de hemólise ou de outro tipo de reação transfusional. • De forma geral, muitas das reações podem ser evitadas com o cumprimento das normas técnicas, uma delas é a permanência à beira do leito durante os primeiros 15min da infusão.
  • 32. Referências Ministério da Saúde. Guia para o uso de hemocomponentes. Brasília-DF, 2010. Hospital Sírio Libanês. Guia de condutas hemoterápicas. São Paulo, 2010. HUWC/UFC. Manual de Hemotransfusão. Ceará, 2007. Ministério da Saúde. Manula técnico de hemovigilância. Brasíli-DF, 2004. ANVISA. Hemovigilância – Manual técnico de hemovigilância – Investigação das reações transfusionais imediatas e tardias não infecciosas. Brasília, 2007.