SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Grupos e Equipes
Josué Dias
2
1. Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES
2. Critérios para definir se uma equipe é eficaz ou não
3. Fatores que afetam a eficácia da equipe
4. Desenvolvendo equipes eficazes
1. Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES
2. Critérios para definir se uma equipe é eficaz ou não
3. Fatores que afetam a eficácia da equipe
4. Desenvolvendo equipes eficazes
Agenda
3
ATIVIDADE 1
Qual a diferença entre GRUPOS e EQUIPES?
Que critérios você utilizaria para definir se uma
equipe é eficaz ou não?
Que fatores influenciam na eficácia de uma
equipe?
O que é necessário para implementar e
desenvolver equipes eficazes?
Qual a diferença entre GRUPOS e EQUIPES?
Que critérios você utilizaria para definir se uma
equipe é eficaz ou não?
Que fatores influenciam na eficácia de uma
equipe?
O que é necessário para implementar e
desenvolver equipes eficazes?
4
Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES
 Dois ou mais indivíduos
interdependentes que
influenciam um ao outro
por meio da interação
social.
 Dois ou mais indivíduos
interdependentes que
influenciam um ao outro
por meio da interação
social.
 Grupos de indivíduos que
tem objetivos em comum
e trabalham para alcançar
um resultado específico.
 Grupos de indivíduos que
tem objetivos em comum
e trabalham para alcançar
um resultado específico.
GRUPOS EQUIPES
5
 O que NÃO É uma EQUIPE:
Meros agrupamentos de pessoas que não são
interdependentes. Ex: multidão assistindo um show ou
partida de futebol.
Quando as pessoas têm pouca ou nenhuma interação.
Quando não existe um objetivo em comum.
Quando não existe um resultado específico a
alcançar.
 O que NÃO É uma EQUIPE:
Meros agrupamentos de pessoas que não são
interdependentes. Ex: multidão assistindo um show ou
partida de futebol.
Quando as pessoas têm pouca ou nenhuma interação.
Quando não existe um objetivo em comum.
Quando não existe um resultado específico a
alcançar.
Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES
6
Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES
GRUPOS
 Formais – os membros são
formalmente designados.
Dentro de uma organização
uma equipe é o melhor
exemplo de um grupo formal.
 Informais – os membros
agrupam-se expontaneamente
por afinidade (interesses,
valores ou identidades).
Grupos informais não são
considerados equipes.
GRUPOS
 Formais – os membros são
formalmente designados.
Dentro de uma organização
uma equipe é o melhor
exemplo de um grupo formal.
 Informais – os membros
agrupam-se expontaneamente
por afinidade (interesses,
valores ou identidades).
Grupos informais não são
considerados equipes.
EQUIPES
 Virtuais – seus membros estão
separados pelo tempo, distância ou
estrutura organizacional. Usam
tecnologias de interação: áudio/
vídeo conferência, e-mail, chat, etc.
 Funcionais – são diferenciadas
pelo tipo de trabalho que realizam.
Ex: Projetos, Serviços, Gerencial,
Consultiva, etc.
 Autogestão – são responsáveis em
completar parte ou todo o trabalho.
Geralmente contam com um líder
que facilita o trabalho em vez de
direcionar. Os membros tomam as
decisões em conjunto.
EQUIPES
 Virtuais – seus membros estão
separados pelo tempo, distância ou
estrutura organizacional. Usam
tecnologias de interação: áudio/
vídeo conferência, e-mail, chat, etc.
 Funcionais – são diferenciadas
pelo tipo de trabalho que realizam.
Ex: Projetos, Serviços, Gerencial,
Consultiva, etc.
 Autogestão – são responsáveis em
completar parte ou todo o trabalho.
Geralmente contam com um líder
que facilita o trabalho em vez de
direcionar. Os membros tomam as
decisões em conjunto.
7
ATIVIDADE 2
8
 Alcançar um resultado significa que a equipe é eficaz? E
se apenas uma pessoa realizou todo o trabalho?
 Equipes são mais eficazes quando:
Conhecimento – Seus membros compartilham
conhecimento sobre como executar as tarefas,
possibilitando a melhoria contínua da equipe.
Afinidade – Seus membros tem uma experiência
agradável e compartilham de uma visão positiva sobre
o trabalho que executam. Um único membro pode arruinar
o humor da equipe.
Resultado – Produzem resultados na quantidade e
qualidade esperadas. O “pico” de produtividade de uma
equipe acontece quando ela atinge entre 3-5 anos, depois
disso são necessárias medidas para evitar esgotamento e
acomodação.
 Alcançar um resultado significa que a equipe é eficaz? E
se apenas uma pessoa realizou todo o trabalho?
 Equipes são mais eficazes quando:
Conhecimento – Seus membros compartilham
conhecimento sobre como executar as tarefas,
possibilitando a melhoria contínua da equipe.
Afinidade – Seus membros tem uma experiência
agradável e compartilham de uma visão positiva sobre
o trabalho que executam. Um único membro pode arruinar
o humor da equipe.
Resultado – Produzem resultados na quantidade e
qualidade esperadas. O “pico” de produtividade de uma
equipe acontece quando ela atinge entre 3-5 anos, depois
disso são necessárias medidas para evitar esgotamento e
acomodação.
Critérios para definir se uma equipe é eficaz ou não
9
 Composição da equipe – Quem serão os membros? Que
competências e conhecimentos eles trazem? Erros comums:
Equipes 100% homogêneas, agrupando somente pessoas
que possuem características semelhantes.
Pressupor que as pessoas sabiam trabalhar em equipe.
Pressupor que uma equipe maior sempre é melhor.
 Diversidade demográfica – melhor quando a atividade
requer inovação e criatividade.
 Personalidade – Cordialidade (capacidade de se dar bem e
cooperar com os demais); Estabilidade emocional
(tendência a vivenciar emoções positivas).
 Tamanho – Quanto maior a equipe maior será a diversidade
de talentos, aumentando também a necessidade de
cooperação e coordenação.
 Composição da equipe – Quem serão os membros? Que
competências e conhecimentos eles trazem? Erros comums:
Equipes 100% homogêneas, agrupando somente pessoas
que possuem características semelhantes.
Pressupor que as pessoas sabiam trabalhar em equipe.
Pressupor que uma equipe maior sempre é melhor.
 Diversidade demográfica – melhor quando a atividade
requer inovação e criatividade.
 Personalidade – Cordialidade (capacidade de se dar bem e
cooperar com os demais); Estabilidade emocional
(tendência a vivenciar emoções positivas).
 Tamanho – Quanto maior a equipe maior será a diversidade
de talentos, aumentando também a necessidade de
cooperação e coordenação.
Fatores que afetam a eficácia da equipe
10
 Papéis desempenhados pelos membros da
equipe são expectativas compartilhadas sobre
quem faz o que e como.
 Papéis relacionados à tarefa – voltado para a
execução das atividades e alcance dos objetivos
(ex: iniciador, coordenador, técnico, avaliador, etc).
 Papéis socioemocionais – voltados para apoiar o
funcionamento do grupo como uma equipe (ex:
incentivador, harmonizador, observador, etc).
 Papel individual – coloca objetivos individuais acima
dos objetivos e necessidades da equipe (ex:
bloqueador = “do contra”, dominador, inseguro, etc).
 Papéis desempenhados pelos membros da
equipe são expectativas compartilhadas sobre
quem faz o que e como.
 Papéis relacionados à tarefa – voltado para a
execução das atividades e alcance dos objetivos
(ex: iniciador, coordenador, técnico, avaliador, etc).
 Papéis socioemocionais – voltados para apoiar o
funcionamento do grupo como uma equipe (ex:
incentivador, harmonizador, observador, etc).
 Papel individual – coloca objetivos individuais acima
dos objetivos e necessidades da equipe (ex:
bloqueador = “do contra”, dominador, inseguro, etc).
Fatores que afetam a eficácia da equipe
11
ATIVIDADE 3
12
 Processos de equipe são comportamentos que
influenciam na eficácia da equipe.
 Coesão interpessoal – afinidade e cooperação entre
os membros.
 Coesão da tarefa – comprometimento com o objetivo.
 Conflito pessoal – falta de afinidade e cooperação
entre os membros (choques de personalidade,
divergência de valores, etc).
 Conflito substancial – falta de consenso em relação à
tarefa ou objetivo a cumprir.
 Conflito processual – falta consenso sobre as normas
e regras estipuladas.
 Processos de equipe são comportamentos que
influenciam na eficácia da equipe.
 Coesão interpessoal – afinidade e cooperação entre
os membros.
 Coesão da tarefa – comprometimento com o objetivo.
 Conflito pessoal – falta de afinidade e cooperação
entre os membros (choques de personalidade,
divergência de valores, etc).
 Conflito substancial – falta de consenso em relação à
tarefa ou objetivo a cumprir.
 Conflito processual – falta consenso sobre as normas
e regras estipuladas.
Fatores que afetam a eficácia da equipe
13
 Quando o conflito é bom?
Quando for resolvido por cooperação entre os membros,
resultando em maior eficácia da equipe.
Quando as equipes inovam e desenvolvem novos métodos de
trabalho.
 Quando o conflito é bom?
Quando for resolvido por cooperação entre os membros,
resultando em maior eficácia da equipe.
Quando as equipes inovam e desenvolvem novos métodos de
trabalho.
Fatores que afetam a eficácia da equipe
14
 Normas – regras e padrões de comportamento.
 Facilitação social – o desempenho individual
melhora quando estamos presentes de outras
pessoas ou quando estamos sendo avaliados. Por
isso atletas sempre treinam em grupo.
 Acomodação social (“corpo mole”) – as pessoas
trabalham menos quando o esforço individual
não pode ser medido ou fica diluído no grupo. O
fato de não ter uma papel claro também influencia.
 Comunicação – existem comunicações formais e
informais que dependem das relações de afinidade
e comprometimento com a tarefa.
 Normas – regras e padrões de comportamento.
 Facilitação social – o desempenho individual
melhora quando estamos presentes de outras
pessoas ou quando estamos sendo avaliados. Por
isso atletas sempre treinam em grupo.
 Acomodação social (“corpo mole”) – as pessoas
trabalham menos quando o esforço individual
não pode ser medido ou fica diluído no grupo. O
fato de não ter uma papel claro também influencia.
 Comunicação – existem comunicações formais e
informais que dependem das relações de afinidade
e comprometimento com a tarefa.
Fatores que afetam a eficácia da equipe
15
 Modelo de estágios – formação, turbulência, normatização e
desempenho.
 Práticas para equipes eficazes:
Seleção dos membros da equipe (afinidades,
competências, etc) conforme objetivo;
Suporte da administração superior (sponsorship);
Tecnologia (métodos e ferramentas) de apoio;
Participação na tomada de decisões;
Acesso à informação para tomada de decisão;
Treinamento – Team Building (não assumir que as pessoas
sabem trabalhar em equipe);
Sistema de avaliação e recompensas que considere o
desempenho individual e da equipe;
Liderança – orientar e definir ações de curto prazo com base
nas estratégias de longo prazo da organização.
 Modelo de estágios – formação, turbulência, normatização e
desempenho.
 Práticas para equipes eficazes:
Seleção dos membros da equipe (afinidades,
competências, etc) conforme objetivo;
Suporte da administração superior (sponsorship);
Tecnologia (métodos e ferramentas) de apoio;
Participação na tomada de decisões;
Acesso à informação para tomada de decisão;
Treinamento – Team Building (não assumir que as pessoas
sabem trabalhar em equipe);
Sistema de avaliação e recompensas que considere o
desempenho individual e da equipe;
Liderança – orientar e definir ações de curto prazo com base
nas estratégias de longo prazo da organização.
Desenvolvendo equipes eficazes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Giselli Espindola Boemer
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Diego Allan Oliveira
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
Márcio Roberto de Mattos
 
Estilos lideranca
Estilos liderancaEstilos lideranca
Estilos lideranca
Silmara Borghetti
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Celso Frederico Lago
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em Equipe Trabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Maria Lemos
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Andrea Dalforno
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
Alexandre Cavalcanti
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Cristina de Souza
 
Treinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - EmbaliTreinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - Embali
Milton Henrique do Couto Neto
 
Trabalho Em Equipe
Trabalho Em EquipeTrabalho Em Equipe
Trabalho Em Equipe
aavbatista
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Renato Martinelli
 
Avaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho pptAvaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho ppt
Estevam Pires
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Ricardo Silva Coqueiro
 
Gestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptGestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.ppt
Ftfmatta
 
Feedback - A arte de ouvir e falar
Feedback - A arte de ouvir e falarFeedback - A arte de ouvir e falar
Feedback - A arte de ouvir e falar
Kenneth Corrêa
 

Mais procurados (20)

Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
 
Estilos lideranca
Estilos liderancaEstilos lideranca
Estilos lideranca
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em Equipe Trabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Treinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - EmbaliTreinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - Embali
 
Trabalho Em Equipe
Trabalho Em EquipeTrabalho Em Equipe
Trabalho Em Equipe
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 
Avaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho pptAvaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho ppt
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
 
Gestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptGestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.ppt
 
Feedback - A arte de ouvir e falar
Feedback - A arte de ouvir e falarFeedback - A arte de ouvir e falar
Feedback - A arte de ouvir e falar
 

Semelhante a Grupos e Equipes

Trabalho em-equipe
Trabalho em-equipeTrabalho em-equipe
Trabalho em-equipe
Adryel Wellyngton
 
Trabalho_em_Equipe.pptx
Trabalho_em_Equipe.pptxTrabalho_em_Equipe.pptx
Trabalho_em_Equipe.pptx
ErickOdilon
 
Aula 04 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
Aula 04 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizaçõesAula 04 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizações
Aula 04 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
admunip2013
 
Grupos e equipes de trabalho nas organizações
Grupos e equipes de trabalho nas organizaçõesGrupos e equipes de trabalho nas organizações
Grupos e equipes de trabalho nas organizações
Psicologia_2015
 
Formando grandes equipes
Formando grandes equipesFormando grandes equipes
Formando grandes equipes
Rui da Silveira Cruz Ventura
 
Formação de Equipes.
Formação de Equipes.Formação de Equipes.
Formação de Equipes.
Rui da Silveira Cruz Ventura
 
Desenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da média
Desenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da médiaDesenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da média
Desenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da média
Deyviane Teixeira
 
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
Janaina Ferreira
 
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
Beacarol
 
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativoContributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Biblioteca Avelar Brotero
 
Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13
Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13
Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
Desenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazesDesenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazes
Jéssica Almeida Bastida Raszl
 
Desenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazesDesenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazes
Jéssica Almeida Bastida Raszl
 
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Airam Lyra Raposo
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
Hanter Duarte
 
Princípios da Motivação no Trabalho
Princípios da Motivação no TrabalhoPrincípios da Motivação no Trabalho
Princípios da Motivação no Trabalho
Luciano Rodrigues
 
rh_aula3_motivacao.ppt
rh_aula3_motivacao.pptrh_aula3_motivacao.ppt
rh_aula3_motivacao.ppt
brunosilva414297
 
Liderança - treinando os melhores
Liderança - treinando os melhoresLiderança - treinando os melhores
Liderança - treinando os melhores
Marcos Nascimento
 
Equipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014A
Equipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014AEquipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014A
Equipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014A
Sustentare Escola de Negócios
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
Bruna Marandola
 

Semelhante a Grupos e Equipes (20)

Trabalho em-equipe
Trabalho em-equipeTrabalho em-equipe
Trabalho em-equipe
 
Trabalho_em_Equipe.pptx
Trabalho_em_Equipe.pptxTrabalho_em_Equipe.pptx
Trabalho_em_Equipe.pptx
 
Aula 04 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
Aula 04 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizaçõesAula 04 (1ºsem) 2013   comportamento humano nas organizações
Aula 04 (1ºsem) 2013 comportamento humano nas organizações
 
Grupos e equipes de trabalho nas organizações
Grupos e equipes de trabalho nas organizaçõesGrupos e equipes de trabalho nas organizações
Grupos e equipes de trabalho nas organizações
 
Formando grandes equipes
Formando grandes equipesFormando grandes equipes
Formando grandes equipes
 
Formação de Equipes.
Formação de Equipes.Formação de Equipes.
Formação de Equipes.
 
Desenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da média
Desenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da médiaDesenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da média
Desenvolvendo uma equipe que gera resultados acima da média
 
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
 
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
 
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativoContributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
Contributos para o trabalho de grupo trabalho colaborativo
 
Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13
Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13
Ppt apostila liderança de equipes_prof. randes_13.02.13
 
Desenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazesDesenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazes
 
Desenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazesDesenvolvendo equipes eficazes
Desenvolvendo equipes eficazes
 
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Princípios da Motivação no Trabalho
Princípios da Motivação no TrabalhoPrincípios da Motivação no Trabalho
Princípios da Motivação no Trabalho
 
rh_aula3_motivacao.ppt
rh_aula3_motivacao.pptrh_aula3_motivacao.ppt
rh_aula3_motivacao.ppt
 
Liderança - treinando os melhores
Liderança - treinando os melhoresLiderança - treinando os melhores
Liderança - treinando os melhores
 
Equipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014A
Equipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014AEquipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014A
Equipes de Alta Performance - Atividade de preparação + EQ - 2014A
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
 

Mais de JOSUE DIAS

Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
Metodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aulaMetodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
Metodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
JOSUE DIAS
 
O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aulaO Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
JOSUE DIAS
 
Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978
Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978
Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978
JOSUE DIAS
 
Burocracia Mecanizada e Burocracia Profissional
Burocracia Mecanizada e Burocracia ProfissionalBurocracia Mecanizada e Burocracia Profissional
Burocracia Mecanizada e Burocracia Profissional
JOSUE DIAS
 
Business Risk Perspectives on Information Systems Outsourcing
Business Risk Perspectives on Information Systems OutsourcingBusiness Risk Perspectives on Information Systems Outsourcing
Business Risk Perspectives on Information Systems Outsourcing
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superiorMetodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superior
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior: Seminário
Metodologia do ensino superior: SeminárioMetodologia do ensino superior: Seminário
Metodologia do ensino superior: Seminário
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior: Mapa conceitual
Metodologia do ensino superior: Mapa conceitualMetodologia do ensino superior: Mapa conceitual
Metodologia do ensino superior: Mapa conceitual
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior: Estudo de texto
Metodologia do ensino superior: Estudo de textoMetodologia do ensino superior: Estudo de texto
Metodologia do ensino superior: Estudo de texto
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior: Estudo de caso
Metodologia do ensino superior: Estudo de casoMetodologia do ensino superior: Estudo de caso
Metodologia do ensino superior: Estudo de caso
JOSUE DIAS
 
Metodologia do ensino superior: Aula expositiva
Metodologia do ensino superior: Aula expositivaMetodologia do ensino superior: Aula expositiva
Metodologia do ensino superior: Aula expositiva
JOSUE DIAS
 
Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...
Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...
Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...
JOSUE DIAS
 
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO
JOSUE DIAS
 
Sistemas de medição de desempenho
Sistemas de medição de desempenhoSistemas de medição de desempenho
Sistemas de medição de desempenho
JOSUE DIAS
 
Business Process Management - Introdução a gestão por processos
Business Process Management - Introdução a gestão por processosBusiness Process Management - Introdução a gestão por processos
Business Process Management - Introdução a gestão por processos
JOSUE DIAS
 
Data Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passo
Data Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passoData Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passo
Data Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passo
JOSUE DIAS
 
Metodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERP
Metodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERPMetodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERP
Metodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERP
JOSUE DIAS
 
O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...
O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...
O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...
JOSUE DIAS
 
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...
JOSUE DIAS
 

Mais de JOSUE DIAS (20)

Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal e...
 
Metodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
Metodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aulaMetodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
Metodologia do ensino superior: O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
 
O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aulaO Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
O Vídeo, a TV e o Cinema em sala de aula
 
Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978
Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978
Organizational Strategy, Structure and Process – MILES, 1978
 
Burocracia Mecanizada e Burocracia Profissional
Burocracia Mecanizada e Burocracia ProfissionalBurocracia Mecanizada e Burocracia Profissional
Burocracia Mecanizada e Burocracia Profissional
 
Business Risk Perspectives on Information Systems Outsourcing
Business Risk Perspectives on Information Systems OutsourcingBusiness Risk Perspectives on Information Systems Outsourcing
Business Risk Perspectives on Information Systems Outsourcing
 
Metodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superiorMetodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superior
 
Metodologia do ensino superior: Seminário
Metodologia do ensino superior: SeminárioMetodologia do ensino superior: Seminário
Metodologia do ensino superior: Seminário
 
Metodologia do ensino superior: Mapa conceitual
Metodologia do ensino superior: Mapa conceitualMetodologia do ensino superior: Mapa conceitual
Metodologia do ensino superior: Mapa conceitual
 
Metodologia do ensino superior: Estudo de texto
Metodologia do ensino superior: Estudo de textoMetodologia do ensino superior: Estudo de texto
Metodologia do ensino superior: Estudo de texto
 
Metodologia do ensino superior: Estudo de caso
Metodologia do ensino superior: Estudo de casoMetodologia do ensino superior: Estudo de caso
Metodologia do ensino superior: Estudo de caso
 
Metodologia do ensino superior: Aula expositiva
Metodologia do ensino superior: Aula expositivaMetodologia do ensino superior: Aula expositiva
Metodologia do ensino superior: Aula expositiva
 
Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...
Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...
Processo de Formação da Estratégia de uma Empresa de Prestação de Serviços de...
 
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO
 
Sistemas de medição de desempenho
Sistemas de medição de desempenhoSistemas de medição de desempenho
Sistemas de medição de desempenho
 
Business Process Management - Introdução a gestão por processos
Business Process Management - Introdução a gestão por processosBusiness Process Management - Introdução a gestão por processos
Business Process Management - Introdução a gestão por processos
 
Data Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passo
Data Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passoData Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passo
Data Cleansing SAP ERP - Metodologia passo-a-passo
 
Metodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERP
Metodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERPMetodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERP
Metodologia passo-a-passo para upgrade do SAP ERP
 
O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...
O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...
O processo de formação, desenvolvimento e renovação de competências organizac...
 
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...
Desvendando a “Black Box”: Utilização da Perspectiva Histórico-Longitudinal ...
 

Grupos e Equipes

  • 2. 2 1. Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES 2. Critérios para definir se uma equipe é eficaz ou não 3. Fatores que afetam a eficácia da equipe 4. Desenvolvendo equipes eficazes 1. Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES 2. Critérios para definir se uma equipe é eficaz ou não 3. Fatores que afetam a eficácia da equipe 4. Desenvolvendo equipes eficazes Agenda
  • 3. 3 ATIVIDADE 1 Qual a diferença entre GRUPOS e EQUIPES? Que critérios você utilizaria para definir se uma equipe é eficaz ou não? Que fatores influenciam na eficácia de uma equipe? O que é necessário para implementar e desenvolver equipes eficazes? Qual a diferença entre GRUPOS e EQUIPES? Que critérios você utilizaria para definir se uma equipe é eficaz ou não? Que fatores influenciam na eficácia de uma equipe? O que é necessário para implementar e desenvolver equipes eficazes?
  • 4. 4 Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES  Dois ou mais indivíduos interdependentes que influenciam um ao outro por meio da interação social.  Dois ou mais indivíduos interdependentes que influenciam um ao outro por meio da interação social.  Grupos de indivíduos que tem objetivos em comum e trabalham para alcançar um resultado específico.  Grupos de indivíduos que tem objetivos em comum e trabalham para alcançar um resultado específico. GRUPOS EQUIPES
  • 5. 5  O que NÃO É uma EQUIPE: Meros agrupamentos de pessoas que não são interdependentes. Ex: multidão assistindo um show ou partida de futebol. Quando as pessoas têm pouca ou nenhuma interação. Quando não existe um objetivo em comum. Quando não existe um resultado específico a alcançar.  O que NÃO É uma EQUIPE: Meros agrupamentos de pessoas que não são interdependentes. Ex: multidão assistindo um show ou partida de futebol. Quando as pessoas têm pouca ou nenhuma interação. Quando não existe um objetivo em comum. Quando não existe um resultado específico a alcançar. Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES
  • 6. 6 Diferenças entre GRUPOS e EQUIPES GRUPOS  Formais – os membros são formalmente designados. Dentro de uma organização uma equipe é o melhor exemplo de um grupo formal.  Informais – os membros agrupam-se expontaneamente por afinidade (interesses, valores ou identidades). Grupos informais não são considerados equipes. GRUPOS  Formais – os membros são formalmente designados. Dentro de uma organização uma equipe é o melhor exemplo de um grupo formal.  Informais – os membros agrupam-se expontaneamente por afinidade (interesses, valores ou identidades). Grupos informais não são considerados equipes. EQUIPES  Virtuais – seus membros estão separados pelo tempo, distância ou estrutura organizacional. Usam tecnologias de interação: áudio/ vídeo conferência, e-mail, chat, etc.  Funcionais – são diferenciadas pelo tipo de trabalho que realizam. Ex: Projetos, Serviços, Gerencial, Consultiva, etc.  Autogestão – são responsáveis em completar parte ou todo o trabalho. Geralmente contam com um líder que facilita o trabalho em vez de direcionar. Os membros tomam as decisões em conjunto. EQUIPES  Virtuais – seus membros estão separados pelo tempo, distância ou estrutura organizacional. Usam tecnologias de interação: áudio/ vídeo conferência, e-mail, chat, etc.  Funcionais – são diferenciadas pelo tipo de trabalho que realizam. Ex: Projetos, Serviços, Gerencial, Consultiva, etc.  Autogestão – são responsáveis em completar parte ou todo o trabalho. Geralmente contam com um líder que facilita o trabalho em vez de direcionar. Os membros tomam as decisões em conjunto.
  • 8. 8  Alcançar um resultado significa que a equipe é eficaz? E se apenas uma pessoa realizou todo o trabalho?  Equipes são mais eficazes quando: Conhecimento – Seus membros compartilham conhecimento sobre como executar as tarefas, possibilitando a melhoria contínua da equipe. Afinidade – Seus membros tem uma experiência agradável e compartilham de uma visão positiva sobre o trabalho que executam. Um único membro pode arruinar o humor da equipe. Resultado – Produzem resultados na quantidade e qualidade esperadas. O “pico” de produtividade de uma equipe acontece quando ela atinge entre 3-5 anos, depois disso são necessárias medidas para evitar esgotamento e acomodação.  Alcançar um resultado significa que a equipe é eficaz? E se apenas uma pessoa realizou todo o trabalho?  Equipes são mais eficazes quando: Conhecimento – Seus membros compartilham conhecimento sobre como executar as tarefas, possibilitando a melhoria contínua da equipe. Afinidade – Seus membros tem uma experiência agradável e compartilham de uma visão positiva sobre o trabalho que executam. Um único membro pode arruinar o humor da equipe. Resultado – Produzem resultados na quantidade e qualidade esperadas. O “pico” de produtividade de uma equipe acontece quando ela atinge entre 3-5 anos, depois disso são necessárias medidas para evitar esgotamento e acomodação. Critérios para definir se uma equipe é eficaz ou não
  • 9. 9  Composição da equipe – Quem serão os membros? Que competências e conhecimentos eles trazem? Erros comums: Equipes 100% homogêneas, agrupando somente pessoas que possuem características semelhantes. Pressupor que as pessoas sabiam trabalhar em equipe. Pressupor que uma equipe maior sempre é melhor.  Diversidade demográfica – melhor quando a atividade requer inovação e criatividade.  Personalidade – Cordialidade (capacidade de se dar bem e cooperar com os demais); Estabilidade emocional (tendência a vivenciar emoções positivas).  Tamanho – Quanto maior a equipe maior será a diversidade de talentos, aumentando também a necessidade de cooperação e coordenação.  Composição da equipe – Quem serão os membros? Que competências e conhecimentos eles trazem? Erros comums: Equipes 100% homogêneas, agrupando somente pessoas que possuem características semelhantes. Pressupor que as pessoas sabiam trabalhar em equipe. Pressupor que uma equipe maior sempre é melhor.  Diversidade demográfica – melhor quando a atividade requer inovação e criatividade.  Personalidade – Cordialidade (capacidade de se dar bem e cooperar com os demais); Estabilidade emocional (tendência a vivenciar emoções positivas).  Tamanho – Quanto maior a equipe maior será a diversidade de talentos, aumentando também a necessidade de cooperação e coordenação. Fatores que afetam a eficácia da equipe
  • 10. 10  Papéis desempenhados pelos membros da equipe são expectativas compartilhadas sobre quem faz o que e como.  Papéis relacionados à tarefa – voltado para a execução das atividades e alcance dos objetivos (ex: iniciador, coordenador, técnico, avaliador, etc).  Papéis socioemocionais – voltados para apoiar o funcionamento do grupo como uma equipe (ex: incentivador, harmonizador, observador, etc).  Papel individual – coloca objetivos individuais acima dos objetivos e necessidades da equipe (ex: bloqueador = “do contra”, dominador, inseguro, etc).  Papéis desempenhados pelos membros da equipe são expectativas compartilhadas sobre quem faz o que e como.  Papéis relacionados à tarefa – voltado para a execução das atividades e alcance dos objetivos (ex: iniciador, coordenador, técnico, avaliador, etc).  Papéis socioemocionais – voltados para apoiar o funcionamento do grupo como uma equipe (ex: incentivador, harmonizador, observador, etc).  Papel individual – coloca objetivos individuais acima dos objetivos e necessidades da equipe (ex: bloqueador = “do contra”, dominador, inseguro, etc). Fatores que afetam a eficácia da equipe
  • 12. 12  Processos de equipe são comportamentos que influenciam na eficácia da equipe.  Coesão interpessoal – afinidade e cooperação entre os membros.  Coesão da tarefa – comprometimento com o objetivo.  Conflito pessoal – falta de afinidade e cooperação entre os membros (choques de personalidade, divergência de valores, etc).  Conflito substancial – falta de consenso em relação à tarefa ou objetivo a cumprir.  Conflito processual – falta consenso sobre as normas e regras estipuladas.  Processos de equipe são comportamentos que influenciam na eficácia da equipe.  Coesão interpessoal – afinidade e cooperação entre os membros.  Coesão da tarefa – comprometimento com o objetivo.  Conflito pessoal – falta de afinidade e cooperação entre os membros (choques de personalidade, divergência de valores, etc).  Conflito substancial – falta de consenso em relação à tarefa ou objetivo a cumprir.  Conflito processual – falta consenso sobre as normas e regras estipuladas. Fatores que afetam a eficácia da equipe
  • 13. 13  Quando o conflito é bom? Quando for resolvido por cooperação entre os membros, resultando em maior eficácia da equipe. Quando as equipes inovam e desenvolvem novos métodos de trabalho.  Quando o conflito é bom? Quando for resolvido por cooperação entre os membros, resultando em maior eficácia da equipe. Quando as equipes inovam e desenvolvem novos métodos de trabalho. Fatores que afetam a eficácia da equipe
  • 14. 14  Normas – regras e padrões de comportamento.  Facilitação social – o desempenho individual melhora quando estamos presentes de outras pessoas ou quando estamos sendo avaliados. Por isso atletas sempre treinam em grupo.  Acomodação social (“corpo mole”) – as pessoas trabalham menos quando o esforço individual não pode ser medido ou fica diluído no grupo. O fato de não ter uma papel claro também influencia.  Comunicação – existem comunicações formais e informais que dependem das relações de afinidade e comprometimento com a tarefa.  Normas – regras e padrões de comportamento.  Facilitação social – o desempenho individual melhora quando estamos presentes de outras pessoas ou quando estamos sendo avaliados. Por isso atletas sempre treinam em grupo.  Acomodação social (“corpo mole”) – as pessoas trabalham menos quando o esforço individual não pode ser medido ou fica diluído no grupo. O fato de não ter uma papel claro também influencia.  Comunicação – existem comunicações formais e informais que dependem das relações de afinidade e comprometimento com a tarefa. Fatores que afetam a eficácia da equipe
  • 15. 15  Modelo de estágios – formação, turbulência, normatização e desempenho.  Práticas para equipes eficazes: Seleção dos membros da equipe (afinidades, competências, etc) conforme objetivo; Suporte da administração superior (sponsorship); Tecnologia (métodos e ferramentas) de apoio; Participação na tomada de decisões; Acesso à informação para tomada de decisão; Treinamento – Team Building (não assumir que as pessoas sabem trabalhar em equipe); Sistema de avaliação e recompensas que considere o desempenho individual e da equipe; Liderança – orientar e definir ações de curto prazo com base nas estratégias de longo prazo da organização.  Modelo de estágios – formação, turbulência, normatização e desempenho.  Práticas para equipes eficazes: Seleção dos membros da equipe (afinidades, competências, etc) conforme objetivo; Suporte da administração superior (sponsorship); Tecnologia (métodos e ferramentas) de apoio; Participação na tomada de decisões; Acesso à informação para tomada de decisão; Treinamento – Team Building (não assumir que as pessoas sabem trabalhar em equipe); Sistema de avaliação e recompensas que considere o desempenho individual e da equipe; Liderança – orientar e definir ações de curto prazo com base nas estratégias de longo prazo da organização. Desenvolvendo equipes eficazes