SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
Alambert, PA
DISCIPLINA DE REUMATOLOGIA
2020
Qual o tema de hoje?
CASO CLÍNICO 1
 M.J.D,65 anos refere que há 1 ano vem apresentando
um pouco de desconforto e rigidez na virilha, nádega,
coxa a direita ao acordar pela manhã. As dores ficam
mais fortes quando o paciente está em movimento e
melhoram quando em descanso. Há 3 meses até em
descanso não há alívio da dor.
EXAME FÍSICO DO CASO 1
 Dor aos movimentos de rotação
interna e externa , flexão e extensão
dos quadris.
RX DO CASO 11-DIMINUIÇÃO DO ESPAÇO ARTICULAR 2 E 3 -
PROEMINÊNCIAS ÓSSEAS
CASO CLÍNICO 2
Nome do paciente: J.A.F. Idade: 63 anos, Gênero: Masculino
Profissão atual: Aposentado
Profissão anterior/outras atividades: Borracheiro, aos finais de
semana auxilia na barraca de feira dos filhos
CASO CLÍNICO 2
 HPMA: Após os 50 anos começou a sentir desconforto esporádico no
joelho direito após as jornadas de trabalho na borracharia, mas nunca
procurou orientação médica.
 Notou que as atividades de abaixar-se e esticar os joelhos
completamente causavam dor, e quando acordava sentia dificuldade
para a movimentação articular.
 Quando se aposentou, procurou o ambulatório de seu bairro para
realizar exames de rotina e declarou a queixa em joelhos para o
médico.
EXAME FÍSICO CASO CLÍNICO 2
 Arco de movimento (ADM) encontra-se
diminuído moderadamente a direita, com
crepitação presente.
RX NORMAL DE JOELHO
A-DIMINUIÇÃO DO ESPAÇO ARTICULAR EM PLATÔ MEDIAL
B -VISÃO AMPLIADA DO JOELHO DIREITO
CASO CLÍNICO 3
 M.S.O.S. 66ª, Dor nas mãos há 1 ano e meio, que no início da
doença era mais intensa ao acordar e diminuía ao longo do dia,
porém com a progressão da doença a dor tem ocorrido o dia todo;
 Rigidez nas articulações das mãos de menos de 1 hora
 Inchaço nos dedos;
 Dificuldade para realizar movimentos simples, como pegar um objeto
ou escrever, por exemplo;
 Formigamento das mãos, mesmo em repouso.
EXAME CASO CLÍNICO 3
 Verificada a formação de nódulos nas articulações,
como o nódulo de Heberden, que é formado na
articulação Interfalangeana distal, e o nódulo de
Bouchard, que é formado na articulação
interfalangeana proximal.
 Dor a palpação das Interfalangeanas distais e
Interfalangeanas proximais.
CASO CLÍNICO 4
 A.M.C. 75 a, masc, com dor na coluna lombar há 1 ano que piora
com o movimento de flexo-extensão da mesma.
 Apresenta dificuldade para movimentar a região devido à dor.
 Sensação de formigamento ou de dormência nas pernas.
RX DO CASO 4
O QUE ESSES CASOS TEM EM
COMUM?
 Faixa de idade
 Dor com características
predominantemente mecânicas
 Diminuição do espaço articular
 Presença de Hipertrofia óssea
DIAGNÓSTICO
 Os termos osteoartrose ou
osteoartrite (OA) são
empregados como
sinônimos de artrose.
OSTEOARTRITE
DEFINIÇÃO
DEFINIÇÃO
Osteartrite ou artrose não é um processo apenas
de desgaste da cartilagem e sim de remodelação
anormal da cartilagem e osso subcondral
impulsionada por uma série de mediadores
inflamatórios
17/05/2020
DEFINIÇÃO
Há perda quantitativa e qualitativa da
cartilagem articular com conseqüente
remodelação óssea hipertrófica local.
“O processo de doença não afeta apenas a cartilagem
articular e o osso subcondral, mas envolve toda a
articulação incluindo ligamentos,cápsula, membrana
sinovial e músculos periarticulares.
CONCEITO ATUAL
DE MODO MAIS SIMPLES:
“ A osteoartrose é uma insuficiência qualitativa e
quantitativa da cartilagem articular associada a
alterações típicas do osso subcondral e
consequente danos das demais estruturas
articulares “
EPIDEMIOLOGIA
É a doença articular mais frequente
Uma das maiores causas de afastamento do trabalho.
Alto custo social e econômico.
Mais frequente nas mulheres após a menopausa.
Prevalência geral no Brasil:4,1%(média de idae de 36
anos);após 55 anos aumenta para 15,8%
PREVALÊNCIA
ETIOPATOGENIA
 Condrócitos têm papel-chave no equilíbrio entre a
produção e a degradação da matriz
cartilaginosa;produzem os elementos da Matriz extra-
celular , mas também são responsáveis pela produção das
enzimas proteolíticas que a quebram,as
metaloproteinases.
 Quando fatores mecânicos,induzindo o aumento da
expressão de citocinas inflamatórias,e biológicos atuam
rompendo esse equilíbrio,com predomínio da
destruição,surge a osteoartrose ou osteoartrite.
17/05/2020
EVOLUÇÃO
FISIOPATOLOGIA
OSTEOARTRITE
FISIOPATOLOGIA
O melhor conhecimento da
fisiopatologia inflamatória da OA
provavelmente determinará novas
abordagens para retardar
alterações destrutivas na
articulação e evitar o
comprometimento funcional
permanente.
17/05/2020
PONTOS-CHAVE
 As três principais estruturas envolvidas na evolução e progressão da
O A são cartilagem, osso subcondral e membrana sinovial
 A estimulação de condrócitos pode perturbar o equilíbrio entre a
síntese e a degradação da cartilagem , levando a O A
 O aumento da produção de mediadores inflamatórios e enzimas
proteolíticas conduz à degeneração da cartilagem na O A.
ESTRUTURAS ENVOLVIDAS NA
OSTEOARTROSE
A) Cartilagem
B) Osso subcondral
C) Membrana Sinovial
CARTILAGEM
CARTILAGEM NORMAL
A composição e a complexa organização estrutural
entre o colágeno e os proteoglicanos garantem as
propriedades inerentes à cartilagem articular, como
resistência, elasticidade e compressibilidade,
necessárias para dissipar e amortecer as forças,
além de reduzir a fricção, sem muito gasto de
energia, a qual as articulações diartrodiais estão
sujeitas
17/05/2020
COMPOSIÇÃO DA
CARTILAGEM
Tecido Conjuntivo Denso
CARTILAGEM NORMAL
17/05/2020
CONDRÓCITOS
São responsáveis pela síntese e degradação de todos os componentes da
cartilagem, mantendo um estado de equilíbrio entre eles. Na O A o
metabolismo estará negativo pois os mecanismos envolvidos na degradação
são predominantes.
OSTEOARTRITE INICIAL
OSTEOARTRITE TERMINAL
CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA
A osteoartrose caracteriza-se por dor e
disfunção articular. Em estágios mais
avançados da doença , também envolve
rigidez articular, atrofia muscular e
deformidade dos membros.
17/05/2020
17/05/2020
ARTICULAÇÕES
ACOMETIDAS
FATORES DE RISCO
PATOLOGIA
As alterações patológicas presentes nas
articulações com osteoartrite incluem a
degradação da cartilagem articular, o
espessamento do osso subcondral, a
formação de osteófitos, graus variáveis de
inflamação sinovial, degeneração de
ligamentos no joelho, meniscos e hipertrofia
da cápsula articular.
17/05/2020
CARTILAGEM FISSURADA
CARTILAGEM FISSURADA
HISTOLOGIA NORMAL DA CARTILAGEM
O vermelho indica
síntese de proteoglicanos
DIAGNÓSTICO
Histórico clínico (anamnese)
Exame Físico
Exames de laboratório
Estudos radiográficos
ANAMNESE
 Dor em uma ou poucas articulações
 Rigidez matinal com menos de 30 minutos de duração
 Crepitação por perda da cartilagem ou irregularidades
nas superfícies articulares
 Limitação do movimento
EXAME FÍSICO
osteoartrose
LABORATÓRIO
NormalExame geral de urina
NegativoFator reumatóide
Cor palha e viscosidade
adequada, o número de
leucócitos < 2.000
Líquido sinovial
Normal
Velocidade de
hemossedimentação
RADIOLOGIA
No início da doença não se observam anormalidades. Com
seu desenvolvimento, observam-se:
 Diminuição do espaço intra-articular
 Esclerose subcondral (eburnação)
 Osteófitos;
 Erosão e anquilose óssea (pseudocistos ósseos).
17/05/2020
TRATAMENTO
Os objetivos a atingir com o tratamento são:
1.Aliviar a dor
2.Manter a funcionalidade articular
3.Educar o paciente e sua familia
4.Alterar o proceso da doença e suas
consequencias
TRATAMENTO
Tratamento Físico
Tratamento Farmacológico
Tratamento Cirúrgico
TRATAMENTO FÍSICO
 Diminuição de peso
 Realizar programas de exercícios:
Fortalecimento,alongamento,aeróbicos e equilibrio; 3 a
5x por semana,sessões d epelo menos 30
minutos.Orientar sobre os mesmos durante a
consulta(dificuldade de acesso à fisioterapia)
 Terapia ocupacional
TRATAMENTO FÍSICO-ÓRTESES
 Mais utilizadas:
-joelheiras (simples,apoio patelar,articulada)
-Imobilizador de punho e polegar para rizartrose (muito eficiente)
PALMILHAS: Alterações dos arcos-apoio metatársico,arco
longitudinal,contato total.
Cunha medial para retro-pé para joelhos valgus,altura habitual de 8
mm
Cunha lateral para retro-pé para joelhos varos ,altura habitual de 8
mm
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
Ação lenta
SYSADOA
AGENTES
Ação rápida
AÇÃO RÁPIDA
Analgésicos
AINHs
Miorrelaxantes
Corticosteróide intra-articular
Colchicina
AÇÃO LENTA
 Glicosamina
 Condroitina
 Diacereína
 Extratos
insaponificados de
soja e abacate
 Ácido hialurõnico
 Cloroquina
 Necessitam mais
estudos
Sintomáticos Modificadores de doença
TRATAMENTO CIRÚRGICO
As técnicas cirúrgicas
empregadas na osteoartrite são
artrodese, artroplastias,
osteotomias, desbridamento
articular, liberação de nervos
periféricos, etc.
CONCLUSÃO
 Osteoartrite NÃO é sinônimo de
“envelhecimento”.
Freqüentemente, o paciente com osteoartrite
procura primeiro o clínico geral. Por isso, é
importante conhecê-la.
Se houver dúvidas ou complicações, deve-se
consultar o reumatologista.
17/05/2020

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiroDiagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
adrianomedico
 
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
lcinfo
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Keylla Tayne
 
Doença reumatóide
Doença reumatóide Doença reumatóide
Doença reumatóide
pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiroDiagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
 
LesõEs Do Manguito Rotador (Mr)
LesõEs Do Manguito Rotador (Mr)LesõEs Do Manguito Rotador (Mr)
LesõEs Do Manguito Rotador (Mr)
 
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
 
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico NeurológicoSemiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Doença reumatóide
Doença reumatóide Doença reumatóide
Doença reumatóide
 
ORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIALORTESES E PROTESES INICIAL
ORTESES E PROTESES INICIAL
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 

Semelhante a Osteoartrite 20

Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
samuelalves
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
samuelalves
 
Anatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulaçõesAnatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulações
Filipe Matos
 

Semelhante a Osteoartrite 20 (20)

Relato de caso oa
Relato de caso oaRelato de caso oa
Relato de caso oa
 
Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Oa ipemed parte i junho 2019
Oa  ipemed parte i   junho 2019Oa  ipemed parte i   junho 2019
Oa ipemed parte i junho 2019
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
 
trabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptxtrabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptx
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementaresArtrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
 
Anatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulaçõesAnatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulações
 
Liquido Sinovial
Liquido Sinovial Liquido Sinovial
Liquido Sinovial
 
Fracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxFracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptx
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombar
 
35a edição jornal o impresso- ano3-
35a edição    jornal o impresso- ano3- 35a edição    jornal o impresso- ano3-
35a edição jornal o impresso- ano3-
 

Mais de pauloalambert

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 

Último (11)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

Osteoartrite 20

  • 1. Alambert, PA DISCIPLINA DE REUMATOLOGIA 2020 Qual o tema de hoje?
  • 2. CASO CLÍNICO 1  M.J.D,65 anos refere que há 1 ano vem apresentando um pouco de desconforto e rigidez na virilha, nádega, coxa a direita ao acordar pela manhã. As dores ficam mais fortes quando o paciente está em movimento e melhoram quando em descanso. Há 3 meses até em descanso não há alívio da dor.
  • 3. EXAME FÍSICO DO CASO 1  Dor aos movimentos de rotação interna e externa , flexão e extensão dos quadris.
  • 4. RX DO CASO 11-DIMINUIÇÃO DO ESPAÇO ARTICULAR 2 E 3 - PROEMINÊNCIAS ÓSSEAS
  • 5. CASO CLÍNICO 2 Nome do paciente: J.A.F. Idade: 63 anos, Gênero: Masculino Profissão atual: Aposentado Profissão anterior/outras atividades: Borracheiro, aos finais de semana auxilia na barraca de feira dos filhos
  • 6. CASO CLÍNICO 2  HPMA: Após os 50 anos começou a sentir desconforto esporádico no joelho direito após as jornadas de trabalho na borracharia, mas nunca procurou orientação médica.  Notou que as atividades de abaixar-se e esticar os joelhos completamente causavam dor, e quando acordava sentia dificuldade para a movimentação articular.  Quando se aposentou, procurou o ambulatório de seu bairro para realizar exames de rotina e declarou a queixa em joelhos para o médico.
  • 7. EXAME FÍSICO CASO CLÍNICO 2  Arco de movimento (ADM) encontra-se diminuído moderadamente a direita, com crepitação presente.
  • 8. RX NORMAL DE JOELHO
  • 9. A-DIMINUIÇÃO DO ESPAÇO ARTICULAR EM PLATÔ MEDIAL B -VISÃO AMPLIADA DO JOELHO DIREITO
  • 10. CASO CLÍNICO 3  M.S.O.S. 66ª, Dor nas mãos há 1 ano e meio, que no início da doença era mais intensa ao acordar e diminuía ao longo do dia, porém com a progressão da doença a dor tem ocorrido o dia todo;  Rigidez nas articulações das mãos de menos de 1 hora  Inchaço nos dedos;  Dificuldade para realizar movimentos simples, como pegar um objeto ou escrever, por exemplo;  Formigamento das mãos, mesmo em repouso.
  • 11. EXAME CASO CLÍNICO 3  Verificada a formação de nódulos nas articulações, como o nódulo de Heberden, que é formado na articulação Interfalangeana distal, e o nódulo de Bouchard, que é formado na articulação interfalangeana proximal.  Dor a palpação das Interfalangeanas distais e Interfalangeanas proximais.
  • 12.
  • 13.
  • 14. CASO CLÍNICO 4  A.M.C. 75 a, masc, com dor na coluna lombar há 1 ano que piora com o movimento de flexo-extensão da mesma.  Apresenta dificuldade para movimentar a região devido à dor.  Sensação de formigamento ou de dormência nas pernas.
  • 16. O QUE ESSES CASOS TEM EM COMUM?  Faixa de idade  Dor com características predominantemente mecânicas  Diminuição do espaço articular  Presença de Hipertrofia óssea
  • 17. DIAGNÓSTICO  Os termos osteoartrose ou osteoartrite (OA) são empregados como sinônimos de artrose.
  • 19. DEFINIÇÃO Osteartrite ou artrose não é um processo apenas de desgaste da cartilagem e sim de remodelação anormal da cartilagem e osso subcondral impulsionada por uma série de mediadores inflamatórios 17/05/2020
  • 20. DEFINIÇÃO Há perda quantitativa e qualitativa da cartilagem articular com conseqüente remodelação óssea hipertrófica local.
  • 21. “O processo de doença não afeta apenas a cartilagem articular e o osso subcondral, mas envolve toda a articulação incluindo ligamentos,cápsula, membrana sinovial e músculos periarticulares. CONCEITO ATUAL
  • 22. DE MODO MAIS SIMPLES: “ A osteoartrose é uma insuficiência qualitativa e quantitativa da cartilagem articular associada a alterações típicas do osso subcondral e consequente danos das demais estruturas articulares “
  • 23. EPIDEMIOLOGIA É a doença articular mais frequente Uma das maiores causas de afastamento do trabalho. Alto custo social e econômico. Mais frequente nas mulheres após a menopausa. Prevalência geral no Brasil:4,1%(média de idae de 36 anos);após 55 anos aumenta para 15,8%
  • 25. ETIOPATOGENIA  Condrócitos têm papel-chave no equilíbrio entre a produção e a degradação da matriz cartilaginosa;produzem os elementos da Matriz extra- celular , mas também são responsáveis pela produção das enzimas proteolíticas que a quebram,as metaloproteinases.  Quando fatores mecânicos,induzindo o aumento da expressão de citocinas inflamatórias,e biológicos atuam rompendo esse equilíbrio,com predomínio da destruição,surge a osteoartrose ou osteoartrite. 17/05/2020
  • 28. FISIOPATOLOGIA O melhor conhecimento da fisiopatologia inflamatória da OA provavelmente determinará novas abordagens para retardar alterações destrutivas na articulação e evitar o comprometimento funcional permanente. 17/05/2020
  • 29. PONTOS-CHAVE  As três principais estruturas envolvidas na evolução e progressão da O A são cartilagem, osso subcondral e membrana sinovial  A estimulação de condrócitos pode perturbar o equilíbrio entre a síntese e a degradação da cartilagem , levando a O A  O aumento da produção de mediadores inflamatórios e enzimas proteolíticas conduz à degeneração da cartilagem na O A.
  • 30. ESTRUTURAS ENVOLVIDAS NA OSTEOARTROSE A) Cartilagem B) Osso subcondral C) Membrana Sinovial
  • 32. CARTILAGEM NORMAL A composição e a complexa organização estrutural entre o colágeno e os proteoglicanos garantem as propriedades inerentes à cartilagem articular, como resistência, elasticidade e compressibilidade, necessárias para dissipar e amortecer as forças, além de reduzir a fricção, sem muito gasto de energia, a qual as articulações diartrodiais estão sujeitas 17/05/2020
  • 36. CONDRÓCITOS São responsáveis pela síntese e degradação de todos os componentes da cartilagem, mantendo um estado de equilíbrio entre eles. Na O A o metabolismo estará negativo pois os mecanismos envolvidos na degradação são predominantes.
  • 39. CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA A osteoartrose caracteriza-se por dor e disfunção articular. Em estágios mais avançados da doença , também envolve rigidez articular, atrofia muscular e deformidade dos membros. 17/05/2020
  • 41.
  • 43. PATOLOGIA As alterações patológicas presentes nas articulações com osteoartrite incluem a degradação da cartilagem articular, o espessamento do osso subcondral, a formação de osteófitos, graus variáveis de inflamação sinovial, degeneração de ligamentos no joelho, meniscos e hipertrofia da cápsula articular.
  • 47.
  • 48.
  • 49. HISTOLOGIA NORMAL DA CARTILAGEM
  • 50.
  • 51. O vermelho indica síntese de proteoglicanos
  • 52. DIAGNÓSTICO Histórico clínico (anamnese) Exame Físico Exames de laboratório Estudos radiográficos
  • 53. ANAMNESE  Dor em uma ou poucas articulações  Rigidez matinal com menos de 30 minutos de duração  Crepitação por perda da cartilagem ou irregularidades nas superfícies articulares  Limitação do movimento
  • 55.
  • 56.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61. LABORATÓRIO NormalExame geral de urina NegativoFator reumatóide Cor palha e viscosidade adequada, o número de leucócitos < 2.000 Líquido sinovial Normal Velocidade de hemossedimentação
  • 62. RADIOLOGIA No início da doença não se observam anormalidades. Com seu desenvolvimento, observam-se:  Diminuição do espaço intra-articular  Esclerose subcondral (eburnação)  Osteófitos;  Erosão e anquilose óssea (pseudocistos ósseos).
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 70. TRATAMENTO Os objetivos a atingir com o tratamento são: 1.Aliviar a dor 2.Manter a funcionalidade articular 3.Educar o paciente e sua familia 4.Alterar o proceso da doença e suas consequencias
  • 72. TRATAMENTO FÍSICO  Diminuição de peso  Realizar programas de exercícios: Fortalecimento,alongamento,aeróbicos e equilibrio; 3 a 5x por semana,sessões d epelo menos 30 minutos.Orientar sobre os mesmos durante a consulta(dificuldade de acesso à fisioterapia)  Terapia ocupacional
  • 73. TRATAMENTO FÍSICO-ÓRTESES  Mais utilizadas: -joelheiras (simples,apoio patelar,articulada) -Imobilizador de punho e polegar para rizartrose (muito eficiente) PALMILHAS: Alterações dos arcos-apoio metatársico,arco longitudinal,contato total. Cunha medial para retro-pé para joelhos valgus,altura habitual de 8 mm Cunha lateral para retro-pé para joelhos varos ,altura habitual de 8 mm
  • 76. AÇÃO LENTA  Glicosamina  Condroitina  Diacereína  Extratos insaponificados de soja e abacate  Ácido hialurõnico  Cloroquina  Necessitam mais estudos Sintomáticos Modificadores de doença
  • 77. TRATAMENTO CIRÚRGICO As técnicas cirúrgicas empregadas na osteoartrite são artrodese, artroplastias, osteotomias, desbridamento articular, liberação de nervos periféricos, etc.
  • 78. CONCLUSÃO  Osteoartrite NÃO é sinônimo de “envelhecimento”. Freqüentemente, o paciente com osteoartrite procura primeiro o clínico geral. Por isso, é importante conhecê-la. Se houver dúvidas ou complicações, deve-se consultar o reumatologista.