SlideShare uma empresa Scribd logo
Autismo aula
Introdução
• O termo Autismo vem do grego “autós” que significa de “ si
mesmo”;
• O que é Autismo?
• Autismo é um transtorno invasivo do desenvolvimento,isto é,
algo que faz parte da constituição do indivíduo e afeta a sua
evolução. Manifesta-se antes dos três (3) anos e persiste
durante a vida adulta.
• Basicamente, três fatores indicam a presença do Autismo
infantil: 1) problemas de relacionamento social, 2)
dificuldades de comunicação, 3)atividades e interesses
repetitivos.
Historicidade:
• Em 1906, Pouller introduziu o termo Autista na
literatura psiquiátrica;
• Em 1943, o psiquiatra Leo Kaner publica estudos
intitulados “Distúrbios Autísticos do contato afetivo”;
• Em 1944, O pediatra austríaco Hans Asperger, em
Viena, discreveu crianças que tinham dificuldades de
integrar-se socialmente em grupos, e denominou essa
condição como “psicopatia autística”.
• Surge a síndrome de Asperger.
Etiologia
• A origem do Autismo ainda é desconhecida;
• O Autismo não ocorre por fatores emocionais, como
insistiam os psicanalistas, mas pode ser agravados por
eles;
• O autismo é um distúrbio congênito;
• As causas podem ser viroses gestacionais, Quadros de
hipoxia (déficit de oxigenação no parto), a presença
do x frágil, rubéola, toxoplasmose, etc.
Características Comuns
• Não estabelece contato com os olhos;
• Parece surdo;
• Pode começar a desenvolver a linguagem, mas interromper o
processo repentinamente e sem retorno;
• Age como se não tomasse conhecimento do que acontece com
os outros;
• Usa as pessoas como ferramentas;
• É inacessível perante a tentativa de comunicação das outras
pessoas;
• Mostra-se insensível a ferimentos, podendo a ferir-se
intencionalmente.
• Mostra interesses incomuns.
Diagnóstico
• Um dos critérios do diagnostico são os três principais
sintomas sintomas já vistos;
• O diagnostico do autista é clínico, e não poderá ser
feito com base em testes e escalas de avaliação;
• Recomenda-se usar um instrumento de avaliação para
identificar a presença de retardo mental (RM);
• A evidencia de epilepsia nestes indivíduos varia de
11% a 42%; Já as convulsões podem se desenvolver na
adolescência;
Prevalência
• Duas a cada mil crianças tem algum distúrbio autístico;
• Sendo este distúrbio quatro vezes mais comuns em meninos
do que meninas;
• O risco de recorrência desse transtorno na mesma família
chega ser 200 vezes maior do que na população em geral;
• A maior incidência de riscos é entre irmãos;
• Cerca de 50% dos portadores desse distúrbio tem QI inferior a
50, e 95% abaixo de 100;
• Autistas com Retardo Mental (RM) são mais propensos a se
mutilar.
Tratamento
• O tratamento do transtorno Autista oscila conforme a
gravidade e o quadro clínico do indivíduo;
• Os sintomas geralmente persistem a vida toda;
• A Fonoterapia è indicada, juntamente com a terapia
ocupacional e a fisioterapia;
• O tratamento medicamentoso as vezes é útil, pois
algumas drogas inibem o comportamento agressivo e
auto-destrutivo;
• Não há medicação específica para esse distúrbio.
• O Autismo não tem cura .
Condições que podem estar associadas ao
Autismo
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Agitação;
Agressividade;
Auto - agressão
Ausência de medo;
Déficits de atenção, audição, percepção e visão.
Epilepsia;
Esquizofrenia;
Hipertividade;
Impulsividade
Disfunções corticais;
Retardo mental;
Temor excessivo a objetos inofensivos.
Transtornos que podem estar ligados ao
Autismo
•
•
•
•
•
•
•

Transtorno de alimentação;
Transtorno de ansiedade;
Transtorno de linguagem;
Transtorno de movimento estereotipado;
Transtorno de tique;
Transtorno de humor / afetivo;
Transtorno de sono.
Método Teacch
• É um Método comportamentalista que apresenta uma
programação individualizada á criança autista com
base no conhecimento do funcionamento desta
criança.
• Este método é desenvolvido com os seguintes
pontos: Espaço físico, tempo e material bem
delimitado;
• A estrutura da sala de aula TEACCH : Locais para
atividades com o terapeuta, locais para atividades em
grupos, local para lanche, local para tempo livre.
Considerações Finais
• Ao concluirmos o presente estudo, tivemos como
objetivo analisar as características básicas dos
Autistas, considerando os transtornos invasivos do
seu desenvolvimento.
• Consideramos como desafios nesse estudo, a
definição da etiologia que conclui sobre a
psicogênese desse transtorno, além do processo de
inclusão escolar desse alunado. Não basta o
tratamento clínico, mas há de se considerar o desafio
da inclusão escolar e social desse alunado.
Referências Bibliográficas
• ARAÚJO, C.A Teorias Cognitivas e Afetivas. São Paulo:
Editora Memnon, 1995.
• BALLONE, G.J. Autismo Infantil. Pesquisa na WEB.
• CAMARGO JR., Walter. Transtornos Invasivos do
Desenvolvimento. São Paulo; Harbra, 2002.
• LEWIS, M.. Tratado da Psiquiatria da Infância e da
Adolescência. Porto Alegre. Artes Médicas, 1995.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
Genilson Costa e Silva
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
FernandaMars1
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Raline Guimaraes
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
Caio Maximino
 
TEA
TEATEA
TEA: Transtorno do Espectro Autista
TEA:  Transtorno do Espectro AutistaTEA:  Transtorno do Espectro Autista
TEA: Transtorno do Espectro Autista
BRENAKESIAMOREIRAFLO
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
luis
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Janderly Reis
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Eunice Palma
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Rosemar Prota
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
fernandapinho2014
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
isismaat
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
amorimjuvenal
 
Autismo
AutismoAutismo
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Cassia Dias
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
Deisiane Cazaroto
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
Tathiane Cuesta
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
Luis Davi Salomao
 

Mais procurados (20)

ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
TEA
TEATEA
TEA
 
TEA: Transtorno do Espectro Autista
TEA:  Transtorno do Espectro AutistaTEA:  Transtorno do Espectro Autista
TEA: Transtorno do Espectro Autista
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 

Destaque

Autismo
AutismoAutismo
Palestras autismo
Palestras autismo Palestras autismo
Palestras autismo
Gizele Ribeiro
 
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
Aurivan
 
Power point autismo
Power point  autismoPower point  autismo
Power point autismo
adrianamnf13
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
guest1f39a4
 
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Caminhos do Autismo
 
Simone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Simone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUSSimone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Simone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Autismo & Realidade
 
Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?
Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?
Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?
WilsonHCG
 
Deteccion y evaluacion del autismo
Deteccion y evaluacion del autismoDeteccion y evaluacion del autismo
Deteccion y evaluacion del autismo
Eduardo Martínez Gual
 
Rafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Rafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUSRafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Rafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Autismo & Realidade
 
Euripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Euripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUSEuripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Euripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Autismo & Realidade
 
Apresentaçao de slides autismo
Apresentaçao de slides autismoApresentaçao de slides autismo
Apresentaçao de slides autismo
escolaJVC
 
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & RealidadeAutismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo & Realidade
 
Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
Francisco Vilaça Lopes
 
Manejo de crianças espectro autista em codiçoes de inclusao escolar
Manejo de crianças espectro autista  em codiçoes de inclusao escolarManejo de crianças espectro autista  em codiçoes de inclusao escolar
Manejo de crianças espectro autista em codiçoes de inclusao escolar
Catia Dantas
 
O que é autismo?
O que é autismo?O que é autismo?
O que é autismo?
Mekinho20
 
Autismo artigo
Autismo artigoAutismo artigo
Autismo artigo
seriesupertrabalhos3
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Laiz Cristina
 
P.Point Autismo
P.Point AutismoP.Point Autismo
P.Point Autismo
David Parra
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Anaí Peña
 

Destaque (20)

Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Palestras autismo
Palestras autismo Palestras autismo
Palestras autismo
 
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
FGP, MBA Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Escopo, Aula 02
 
Power point autismo
Power point  autismoPower point  autismo
Power point autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
 
Simone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Simone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUSSimone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Simone Steyer Lampert - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
 
Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?
Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?
Exactly What Does Quality Mean in the RPO Space?
 
Deteccion y evaluacion del autismo
Deteccion y evaluacion del autismoDeteccion y evaluacion del autismo
Deteccion y evaluacion del autismo
 
Rafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Rafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUSRafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
Rafael Bernadon - 31mai14 1º Congresso A&R SUS
 
Euripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Euripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUSEuripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Euripedes C Miguel - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
 
Apresentaçao de slides autismo
Apresentaçao de slides autismoApresentaçao de slides autismo
Apresentaçao de slides autismo
 
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & RealidadeAutismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
 
Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
 
Manejo de crianças espectro autista em codiçoes de inclusao escolar
Manejo de crianças espectro autista  em codiçoes de inclusao escolarManejo de crianças espectro autista  em codiçoes de inclusao escolar
Manejo de crianças espectro autista em codiçoes de inclusao escolar
 
O que é autismo?
O que é autismo?O que é autismo?
O que é autismo?
 
Autismo artigo
Autismo artigoAutismo artigo
Autismo artigo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
P.Point Autismo
P.Point AutismoP.Point Autismo
P.Point Autismo
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 

Semelhante a Autismo aula

Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
Antonio Franklin Ritton
 
Autsimo
AutsimoAutsimo
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
Hebert Campos
 
Autismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historicoAutismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historico
SilviaReis46
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
Autismo esquizofrenia final
Autismo esquizofrenia finalAutismo esquizofrenia final
Autismo esquizofrenia final
Caminhos do Autismo
 
Apostila autismo
Apostila autismoApostila autismo
Apostila autismo
Bruna Luiz Rabello
 
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto FuncionamentoSíndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Hebert Campos
 
002661 110412120742-phpapp01
002661 110412120742-phpapp01002661 110412120742-phpapp01
002661 110412120742-phpapp01
Ana Lúcia Pereira
 
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptxAULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
emanoelefreitas2
 
Autismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividadeAutismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividade
Solange Leite
 
Inclusao e educacao
Inclusao e educacaoInclusao e educacao
Inclusao e educacao
Jéssica Boscaini
 
educação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdfeducação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdf
DouglasVasconcelosMa
 
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Sara Américo
 
artigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptxartigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptx
milene209662
 
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdfWebpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
DaniloRibeirodosSant3
 
119168916 autismo
119168916 autismo119168916 autismo
119168916 autismo
Pelo Siro
 
Slides de-educacao (1)
Slides de-educacao (1)Slides de-educacao (1)
Slides de-educacao (1)
Geisse Martins
 
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.pptA Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
JatanaelAlves
 
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICIDAutismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
Liga De Pediatria Med Unicid
 

Semelhante a Autismo aula (20)

Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
 
Autsimo
AutsimoAutsimo
Autsimo
 
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
 
Autismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historicoAutismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historico
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Autismo esquizofrenia final
Autismo esquizofrenia finalAutismo esquizofrenia final
Autismo esquizofrenia final
 
Apostila autismo
Apostila autismoApostila autismo
Apostila autismo
 
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto FuncionamentoSíndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
 
002661 110412120742-phpapp01
002661 110412120742-phpapp01002661 110412120742-phpapp01
002661 110412120742-phpapp01
 
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptxAULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
 
Autismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividadeAutismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividade
 
Inclusao e educacao
Inclusao e educacaoInclusao e educacao
Inclusao e educacao
 
educação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdfeducação especia, tea el autismo educare.pdf
educação especia, tea el autismo educare.pdf
 
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
 
artigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptxartigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptx
 
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdfWebpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
 
119168916 autismo
119168916 autismo119168916 autismo
119168916 autismo
 
Slides de-educacao (1)
Slides de-educacao (1)Slides de-educacao (1)
Slides de-educacao (1)
 
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.pptA Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
 
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICIDAutismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
 

Mais de Nay Ribeiro

Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Nay Ribeiro
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
Nay Ribeiro
 
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)200611 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
Nay Ribeiro
 
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Lidando com a  famìlia do bebê prematuroLidando com a  famìlia do bebê prematuro
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Nay Ribeiro
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Nay Ribeiro
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nay Ribeiro
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
Nay Ribeiro
 
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerdaInsuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Nay Ribeiro
 
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimadosFisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimados
Nay Ribeiro
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Nay Ribeiro
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
Nay Ribeiro
 
Dança Sênior
Dança SêniorDança Sênior
Dança Sênior
Nay Ribeiro
 
Cinesioterapia II
Cinesioterapia IICinesioterapia II
Cinesioterapia II
Nay Ribeiro
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
Nay Ribeiro
 
lesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostaslesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostas
Nay Ribeiro
 

Mais de Nay Ribeiro (20)

Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
 
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)200611 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
 
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Lidando com a  famìlia do bebê prematuroLidando com a  famìlia do bebê prematuro
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
 
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerdaInsuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
 
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
 
Fisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimadosFisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimados
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
 
Dança Sênior
Dança SêniorDança Sênior
Dança Sênior
 
Cinesioterapia II
Cinesioterapia IICinesioterapia II
Cinesioterapia II
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
lesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostaslesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostas
 

Autismo aula

  • 2. Introdução • O termo Autismo vem do grego “autós” que significa de “ si mesmo”; • O que é Autismo? • Autismo é um transtorno invasivo do desenvolvimento,isto é, algo que faz parte da constituição do indivíduo e afeta a sua evolução. Manifesta-se antes dos três (3) anos e persiste durante a vida adulta. • Basicamente, três fatores indicam a presença do Autismo infantil: 1) problemas de relacionamento social, 2) dificuldades de comunicação, 3)atividades e interesses repetitivos.
  • 3. Historicidade: • Em 1906, Pouller introduziu o termo Autista na literatura psiquiátrica; • Em 1943, o psiquiatra Leo Kaner publica estudos intitulados “Distúrbios Autísticos do contato afetivo”; • Em 1944, O pediatra austríaco Hans Asperger, em Viena, discreveu crianças que tinham dificuldades de integrar-se socialmente em grupos, e denominou essa condição como “psicopatia autística”. • Surge a síndrome de Asperger.
  • 4. Etiologia • A origem do Autismo ainda é desconhecida; • O Autismo não ocorre por fatores emocionais, como insistiam os psicanalistas, mas pode ser agravados por eles; • O autismo é um distúrbio congênito; • As causas podem ser viroses gestacionais, Quadros de hipoxia (déficit de oxigenação no parto), a presença do x frágil, rubéola, toxoplasmose, etc.
  • 5. Características Comuns • Não estabelece contato com os olhos; • Parece surdo; • Pode começar a desenvolver a linguagem, mas interromper o processo repentinamente e sem retorno; • Age como se não tomasse conhecimento do que acontece com os outros; • Usa as pessoas como ferramentas; • É inacessível perante a tentativa de comunicação das outras pessoas; • Mostra-se insensível a ferimentos, podendo a ferir-se intencionalmente. • Mostra interesses incomuns.
  • 6. Diagnóstico • Um dos critérios do diagnostico são os três principais sintomas sintomas já vistos; • O diagnostico do autista é clínico, e não poderá ser feito com base em testes e escalas de avaliação; • Recomenda-se usar um instrumento de avaliação para identificar a presença de retardo mental (RM); • A evidencia de epilepsia nestes indivíduos varia de 11% a 42%; Já as convulsões podem se desenvolver na adolescência;
  • 7. Prevalência • Duas a cada mil crianças tem algum distúrbio autístico; • Sendo este distúrbio quatro vezes mais comuns em meninos do que meninas; • O risco de recorrência desse transtorno na mesma família chega ser 200 vezes maior do que na população em geral; • A maior incidência de riscos é entre irmãos; • Cerca de 50% dos portadores desse distúrbio tem QI inferior a 50, e 95% abaixo de 100; • Autistas com Retardo Mental (RM) são mais propensos a se mutilar.
  • 8. Tratamento • O tratamento do transtorno Autista oscila conforme a gravidade e o quadro clínico do indivíduo; • Os sintomas geralmente persistem a vida toda; • A Fonoterapia è indicada, juntamente com a terapia ocupacional e a fisioterapia; • O tratamento medicamentoso as vezes é útil, pois algumas drogas inibem o comportamento agressivo e auto-destrutivo; • Não há medicação específica para esse distúrbio. • O Autismo não tem cura .
  • 9. Condições que podem estar associadas ao Autismo • • • • • • • • • • • • Agitação; Agressividade; Auto - agressão Ausência de medo; Déficits de atenção, audição, percepção e visão. Epilepsia; Esquizofrenia; Hipertividade; Impulsividade Disfunções corticais; Retardo mental; Temor excessivo a objetos inofensivos.
  • 10. Transtornos que podem estar ligados ao Autismo • • • • • • • Transtorno de alimentação; Transtorno de ansiedade; Transtorno de linguagem; Transtorno de movimento estereotipado; Transtorno de tique; Transtorno de humor / afetivo; Transtorno de sono.
  • 11. Método Teacch • É um Método comportamentalista que apresenta uma programação individualizada á criança autista com base no conhecimento do funcionamento desta criança. • Este método é desenvolvido com os seguintes pontos: Espaço físico, tempo e material bem delimitado; • A estrutura da sala de aula TEACCH : Locais para atividades com o terapeuta, locais para atividades em grupos, local para lanche, local para tempo livre.
  • 12. Considerações Finais • Ao concluirmos o presente estudo, tivemos como objetivo analisar as características básicas dos Autistas, considerando os transtornos invasivos do seu desenvolvimento. • Consideramos como desafios nesse estudo, a definição da etiologia que conclui sobre a psicogênese desse transtorno, além do processo de inclusão escolar desse alunado. Não basta o tratamento clínico, mas há de se considerar o desafio da inclusão escolar e social desse alunado.
  • 13. Referências Bibliográficas • ARAÚJO, C.A Teorias Cognitivas e Afetivas. São Paulo: Editora Memnon, 1995. • BALLONE, G.J. Autismo Infantil. Pesquisa na WEB. • CAMARGO JR., Walter. Transtornos Invasivos do Desenvolvimento. São Paulo; Harbra, 2002. • LEWIS, M.. Tratado da Psiquiatria da Infância e da Adolescência. Porto Alegre. Artes Médicas, 1995.