SlideShare uma empresa Scribd logo
Razão, História, Direito e Liberalismo Luci Bonini
Hegel (1770-1831) Fenomenologia do espírito Introdução à história da Filosofia Filosofia do direito Filosofia da História Universal
A História e seu movimento interno conduzirá a concepção marxista de materialismo dialético O que é real é racional, o que é racional é real    todo real só é real porque é conhecido por um sujeito que lhe identifica como real, e, nessa medida, aquilo que já foi conhecido, já se tornou racional
O Espírito Objetivo Se manifesta em direito, moralidade e costume, determina a liberdade e suas aplicações sociais, políticas e subjetivas Direito é liberdade em grau máximo Moralidade é a liberdade voltada para o sujeito, que dela se vale O costume é a objetivaçãpo do que mora no sujeito em termos de moralidade (síntese    costume, entre direito  tese e moral    antítese
O direito consubstancia-se pela legislação, e com base na legislação os indivíduos agem para a defesa e construção de seus direitos: aí está a justiça efetiva do sistema legislativo. O ato do legislador é um ato de querer    esta ou aquela medida individual ou coletiva A aproximação do direito positivo da máxima racionalidade dá-se à medida que alcança a noção de sistema, de harmonia racional, de todo orgânico, de mundo controlado e feito legislação
A história funciona dialeticamente, na alternância da preponderância deste ou daquele Estado, mas a história não é mera manifestação da força, e sim da razão, e nisso há a participação do espírito do mundo
Karl Marx ( 1818-1883) Materialismo histórico   porque somos o que as condições materiais ( as relações sociais de produção) nos determinam a ser a a pensar. Histórico porque a sociedade e a política não surgem de decretos divinos nem nascem da ordem natural, mas dependem da ação concreta dos seres humanos ( M Chauí)
Os homens não dispõem de suas forças produtivas, elas são um resultado da energia posta em prática pelos homens Ela é determinada pelas condições em que os homens se encontram, alcançadas anteriormente e que é produto da geração anterior A história social do homem nada mais é do que a história de seu desenvolvimento individual
A exploração econômica no seio das atividades sociais, a manipulação do poder ecnômico como forma de exercício de dominação, criação de instrumentos de servilização do homem pelo homem, formação de uma economia burguesa que extrai da propriedade e da mercadorias a for a de instauração da diferença social Coisificação do homem - reificação (homem res    coisa)
O capitalismo perverte a noção de trabalho    o trabalho aliena em função do acúmulo de capital O proletário é o principal instrumento de que se vale o capitalista, que aliado á técnica, permite a multiplicação da mais valia As relações jurídicas não podem ser entendidads de modo formal isoladamente de fatores sociais e econômicos O Estado é uma superestrutura constante de inúmeros aparatos burocráticos de controle social    mecanismo de dominação
Luta política com base conômica
"comunismo como superação positiva da propriedade privada enquanto auto-alienação do homem e por isso como apropriação real da essência humana por meio de e para o homem; por isso, como regresso – perfeito, consciente e dentro da riqueza total do desenvolvimento até aqui –, do homem para si mesmo enquanto homem social, ou seja, humano. Esse comunismo é a verdadeira dissolução do antagonismo entre o homem e a natureza e entre o homem e o homem. A verdadeira solução do conflito entre liberdade e necessidade. Ele é o enigma decifrado da história, a verdadeira realização da essência do homem"
A história de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a história das lutas da classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, mestre de corporação e oficial, numa palavra, opressores e oprimidos, em constante oposição, têm vivido numa guerra ininterrupta, ore franca, ora disfarçada, uma guerra que termino sempre, ou por uma transformação evolucionária da sociedade inteira, ou pela destruição das suar classes em luta. (Manifesto Comunista)
"Os mundos uivam o próprio canto fúnebre.   e nós somos macacos de um Deus frio". "O indivíduo é o ser social."   "O homem, isto é o mundo do homem: Estado, sociedade."  "Não é a consciência do homem que determina seu ser, mas é seu ser social que determina sua consciência."   "Os filósofos têm apenas interpretado diversamente o mundo; trata-se de modificá-lo."
 
Para ele, o modo de produção determinava se relações políticas e ideológicas podiam existir.  Marx falava que toda a história era a história das lutas de classes. Pensava a respeito do trabalho humano falando que quando o homem labutava, ele interferia na natureza e deixava nela suas marcas e vice-versa.  Marx foi a pessoa que deu grande impulso ao comunismo.
Ele atacava fortemente o sistema capitalista que vigorava em todo mundo e achava que seu modo de produção era contraditório.  Para ele, o capitalismo era um sistema econômico autodestrutivo, sobretudo porque lhe faltava um controle racional.  Ele considerava o capitalismo progressivo, isto é, algo que aponta para o futuro, mas só porque via nele um estágio a caminho do comunismo.  Segundo Marx, quando o capitalismo caísse e o proletariado tomasse o poder, haveria o surgimento de uma nova sociedade de classes, na qual o proletariado subjulgaria à força a burguesia.  Esta fase de transição Marx chamou de ditadura do proletariado.  Depois disso a ditadura do proletariado daria lugar a uma sociedade sem classes, o comunismo e esta seria uma sociedade na qual os meios de produção pertenceriam a todos.  Em tal estágio, cada um trabalharia de acordo com sua capacidade e ganharia de acordo com suas necessidades.
DARWIN
Darwin foi um cientista que, mais do que qualquer outro em tempos mais modernos, questionou e colocou em dúvida a visão bíblica sobre o lugar do homem na criação. Ele achava que precisava se libertar da doutrina cristã sobre o surgimento do homem e dos animais, vigente em sua época. Darwin nasceu em 1809 na cidade de Shrewsbury.  Em um de seus livros publicados,  Origem das espécies , defendeu duas teorias ou idéias principais: em primeiro lugar dizia que todas as espécies de plantas e animais existentes descendiam de formas mais primitivas, que viveram em tempos passados.
Ele pressupôs, portanto, uma evolução biológica.  Em segundo, Darwin explicou que esta evolução se devia à seleção natural. Um dos argumentos propostos por ele para a evolução biológica era o fato de existir depósitos de fósseis estratificados em diferentes formações rochosas.  Outro argumento era a distribuição geográfica das espécies vivas (ele havia visto com seus próprios olhos que as diferentes espécies de animais de uma região distinguiam-se umas das outras por detalhes mínimos).
Darwin não acreditava que as espécies eram imutáveis, só que lhe faltava uma explicação convincente para o modo como se processava a evolução.  O que ele tinha era um argumento para a suposição de que todos os animais da Terra possuíam um ancestral comum: a evolução dos embriões dos mamíferos, mas continuava sem explicar como se processava a evolução para as diferentes espécies.
Enfim chegou a uma conclusão: a responsável era a seleção natural na luta pela vida, ou seja, quem melhor se adaptava ao meio ambiente, sobrevivia e podia garantir a continuidade de sua espécie.  "As constantes variações entre indivíduos de uma mesma espécie e as elevadas taxas de nascimento constituem a matéria-prima para a evolução da vida na Terra. A seleção natural na luta pela sobrevivência é o mecanismo, a força propulsora que está por trás desta evolução. A seleção natural é responsável pela sobrevivência dos mais fortes, ou dos que melhor se adaptam ao seu meio".
FREUD
Freud nasceu em 1856 e estudou medicina na Universidade de Viena.  Ele achava que sempre havia uma tensão entre o homem e o seu meio.  Para ser mais exato, um conflito entre o próprio homem e aquilo que o seu meio exigia dele.  Ele descobriu o universo dos impulsos que regiam a vida do ser humano. Com freqüência, impulsos irracionais determinavam os pensamentos, os sonhos e as ações das pessoas.  Tais impulsos irracionais eram capazes de trazer à luz instintos e necessidades que estavam profundamente enraizados no interior dos indivíduos.
Freud chegara a conclusão da existência de uma sexualidade infantil por meio de sua prática como psicoterapeuta.  Ele também constatou que muitas formas de distúrbios psíquicos eram devido a conflitos ocorridos na infância. Após um longo período de experiência com pacientes, concluiu que a consciência seria mais ou menos como a ponta de um iceberg que se elevava para além da superfície da água.  Sob a superfície ou sob o limiar da consciência, estava o subconsciente ou inconsciente. A expressão inconsciente significava, para Freud, tudo o que reprimimos.
NOSSO   PRÓPRIO   TEMPO
O  existencialismo tem como ponto de partida única e exclusivamente o homem. Vale ressaltar que todos os filósofos existencialistas eram cristãos.  Jean-Paul Sartre foi um de seus principais representantes.
A  GRANDE  EXPLOSÃO
 
 
Globalização e diversidade Globalização   expansão do capitalismo Novos pólos de poder   blocos geopolíticos
Iugoslávia
Tchecoslováquia
União soviética
Muro de Berlim
Blocos geopolíticos
Forças produtivas básicas    o capital, a tecnologia, a força de trabalho e a divisão transnacional do trabalho Processo civilizatório que desafia, rompe, subordina, mutila, destrói ou recria outras formas sociais, de vida e de trabalho Novos modos de pensar, ser, agir, sentir e imaginar
Fábrica de produtos esportivos de marca mundialmente conhecida
GLOBAL X REGIONAL Quando há interesses globais    o regional prevalece  - integração no âmbito da globalização apenas.  Só há interesse casos de repercussão internacional     caso Jean Charles – morto no metrô em Londres confundido com um terrorista Ex: Rede Globo e suas afiliadas, Rede Bandeirantes e suas afiliadas.... E mais uma série de meios de comunicação de massa
Mercado Global Bens materiais    tangíveis Bens simbólicos    intangíveis Mercado  Real e virtual    diversas formas de capital e contratos Contratos virtuais Publicidade Alianças estratégicas Grandes fusões Força de trabalho barata
Globo terrestre é o nicho ecológico de todo o mundo Fauna, flora, água, ar, recursos minerais, camada de ozônio    diz respeito a todos
 
Homem é condenado por agredir a ex-mulher A Justiça do Distrito Federal condenou um homem a pagar R$ 20 mil de indenização por danos morais à ex-mulher. Ele já havia sido condenado criminalmente por agredir a vítima. O juiz da 2ª Vara Cível de Brasília afirmou que, após condenação criminal, não se pode mais questionar a existência do fato, ou seja, das agressões contra a mulher. Cabe recurso da decisão.
Na ação, a mulher afirmou que foi submetida durante anos a surras, ameaças e torturas e que foi privada pelo ex-marido de ver os filhos. Ela pediu indenização de R$ 200 mil por danos morais. Em contestação, o ex-marido afirmou que os filhos passavam férias com ele em sua casa e, ao final do período, não encontrou a ex-mulher. O homem alegou ainda que procurou assistência jurídica e o conselho tutelar. Sobre a condenação criminal, ele afirmou que está “completamente arrependido”. O réu foi condenado a custear um plano odontológico para tratamento da ex-mulher, após discutir com ela e empurrá-la.
Lei Maria da Penha LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.   Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8 o  do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.
Violência contra o idoso
Violência contra a criança
Violência  no mundo
Violência  Doméstica
 
Falhas na Justiça do Irã resultam julgamentos injustos Irã: morte por apedrejamento, um castigo cruel e inaceitável. Numa cultura em que nove mulheres e dois homens aguardam execução por apedrejamento, no Irã, a Anistia Internacional apela às autoridades daquele país para abolirem a morte por apedrejamento e que decretem uma moratória imediata a esta prática cruel, especialmente pensada para aumentar o sofrimento das vítimas. No novo relatório publicado, a organização apela urgentemente à revisão do Código Penal do país e para assegurar, entretanto, a total adesão à moratória aos apedrejamentos emitida pelo responsável máximo da justiça em 2002.
Anistia Internacional ... ‘ A AI congratula-se com as recentes movimentações no sentido das reformas e com os relatos de que o parlamento iraniano está a discutir alterações ao Código Penal que permitam a suspensão da sentença, pelo menos em alguns casos de apedrejamento, em casos em que seja considerado ‘conveniente’’, disse Malcom Smart, Diretor do Programa para o Médio Oriente e Norte de África na AI. ‘ Mas as autoridades devem ir mais longe e devem dar os passos necessários para assegurar que o novo Código Penal não permita o apedrejamento nem outro tipo de execuções para punir o adultério’. O Código Penal iraniano descreve a morte por apedrejamento. Chega mesmo a recomendar o tamanho das pedras para que estas causem dor, mas não causem a morte imediata.
Atentados a torres gêmeas fazem nove anos A construção de uma mesquita e um centro de cultura islâmica no Marco Zero, local do ataque a Nova York em 2001, e também a ameaça de um pastor protestante do estado da Flórida de queimar o Alcorão, livro sagrado do Islã causou polêmica em todo o mundo. A notícia é do portal G1.
Never Forget
 
As chamadas políticas públicas deveriam ser as ações de governo nas áreas de educação, habitação, saúde, segurança, meio ambiente e distribuição de renda atingindo diretamente a vida de um conjunto de cidadãos.
O horário político eleitoral está a todo vapor. Comum em todos os discursos, a política pública social, como a saúde, educação, segurança, habitação e transporte, preenche completamente o espaço gratuitamente destinado aos candidatos na televisão e no rádio. Precisamos ter cuidado com o 'canto da sereia' para não sermos facilmente seduzidos. As propostas vazias de conteúdos, muitas vezes, nos remetem ao 'País das Maravilhas', um lugar onde tudo é possível.
Os jornais nos alertam e nos deixam a par dessas enxurradas de contradições. Ao contrário do que é constantemente a nós exposto, a saúde, a educação, transporte, habitação e segurança são ações que necessitam de planejamento e de estudo. O 'como eu vou fazer' e 'de que maneira eu vou fazer' raramente aparece no discurso eleitoral.
A realidade posta para todos os brasileiros é bastante evidente. Todos os dias nos deparamos com notícias como greve de professores, balas perdidas que matam inocentes, bandidos invadindo um hotel de luxo, pacientes morrendo na porta de hospitais, entre outros problemas. Se o velho Marx fosse cidadão do nosso tempo, ao invés de debater as lutas de classes e os conceitos de ideologia e falsa consciência, seguramente pesquisaria sobre a arte de fazer política e de camuflar as realidades usando sempre os mesmos argumentos. De modo semelhante às crises do capital, no campo eleitoral, porém, a freqüência se dá de quatro em quatro anos.
Educação
Analfabetismo: índices 2005 UNESCO
Matrículas no ensino superior
HABITAÇÃO
SEGURANÇA
SAÚDE
Doação  de órgãos
 
 
 
O QUE É UMA REDE SOCIAL Rede Social é uma das formas de representação dos relacionamentos afetivos ou profissionais dos seres humanos entre si ou entre seus agrupamentos de interesses mútuos. Uma estrutura em rede (...) corresponde também ao que seu próprio nome indica: seus integrantes se ligam horizontalmente a todos os demais, diretamente ou através dos que os cercam. O conjunto resultante é como uma malha de múltiplos fios, que pode se espalhar indefinidamente para todos os lados, sem que nenhum dos seus nós possa ser considerado principal ou central, nem representante dos demais.  Não há um “chefe”, o que há é uma vontade coletiva de realizar determinado objetivo. (Withaker, 1998)
SOLIDARIEDADE
Terceiro setor é uma terminologia sociológica que dá significado a todas as iniciativas privadas de utilidade pública com origem na sociedade civil. A palavra é uma tradução de Third Sector, um vocábulo muito utilizado nos Estados Unidos para definir as diversas organizações sêm vínculos diretos com o Primeiro setor (Público, o Estado) e o Segundo setor (Privado, o Mercado).  Apesar de várias definições encontradas sobre o Terceiro Setor, existe uma definição que é amplamente utilizada como referência, inclusive por organizações multilaterais e governos.
Pastoral da criança
Dentro das organizações que fazem parte do Terceiro Setor, estão as ONGs (Organizações Não Governamentais), entidades filantrópicas, OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, organizações sem fins lucrativos e outras formas de associações civis sem fins lucrativos. No âmbito jurídico, no Brasil, em estudo intitulado “As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil 2002”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, em parceria com a Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais - ABONG e o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas – GIFE, foram identificadas mais de 500 mil instituições no Terceiro Setor.
REDES SOCIAIS NA WEB
Biodiversidade, Ecologia, Multiculturalismo e Diversidade cultural
O Brasil é o país que tem a maior biodiversidade de flora e fauna do planeta. Essa enorme variedade de animais,plantas, microrganismos e ecossistemas, muitos únicos em todo o mundo, deve-se, entre outros fatores, à extensão territorial e aos diversos climas do país.
A Biodiversidade Brasileira Biodiversidade é o estudo da variedade de espécies de organismos vivos encontrados nos diversos ecossistemas do planeta.  A Biodiversidade está vinculada tanto ao número de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa dessas categorias.  O termo Biodiversidade foi originado em 1980 por Thomas Lovejoy e desde 1986 a nomemclatura tem sido usada no que se refere a diversidade da natureza viva. 
 
A biodiversidade é definida pela Convenção sobre a Diversidade Biológica como  “a variabilidade entre os seres vivos de todas as origens, inter alia, a terrestre, a marinha e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos dos quais fazem parte: isso inclui a diversidade no interior das espécies, entre as espécies e entre espécies e ecossistemas”.  
O Brasil detém o maior número de espécies conhecidas de mamíferos e de peixes de água doce, o segundo de anfíbios, o terceiro de aves e o quinto de répteis.  Com mais de 50 mil espécies de árvores e arbustos, tem o primeiro lugar em biodiversidade vegetal.  Nenhum outro país tem registrado tantas variedades de orquídeas e palmeiras catalogadas. Os números impressionam, mas, segundo estimativas aceitas pelo Ministério do Meio Ambiente o MMA, eles podem representar apenas 10% da vida no país.
Como várias regiões ainda são muito pouco estudadas pelos cientistas, os números da biodiversidade brasileira tornam-se maiores na medida em que aumenta o conhecimento. 
 
 
As tartarugas marinhas confundem-nas com as medusas e  os comem, afogando-se na tentativa de engoli-los.   Um saco de plástico pode navegar várias dezenas de anos  sem se degradar.
Milhares de golfinhos também morrem afogados...
Eles não têm capacidade para reconhecer os lixos dos humanos,  até porque, "tudo o que flutua no mar se come". A tampa plástica de uma garrafa, de maior consistência do que o saco plástico, pode permanecer inalterada, navegando nas águas do mar por mais de um século.
" Não se pode defender o que não se ama, e, não se pode amar o que não se conhece".
Sociodiversidade: multiculturalismo, tolerância, inclusão
Paratodos Chico Buarque O meu pai era paulista Meu avô, pernambucano O meu bisavô, mineiro Meu tataravô, baiano Meu maestro soberano Foi Antonio Brasileiro Foi Antonio Brasileiro Quem soprou esta toada Que cobri de redondilhas Pra seguir minha jornada E com a vista enevoada Ver o inferno e maravilhas Nessas tortuosas trilhas A viola me redime Creia, ilustre cavalheiro Contra fel, moléstia, crime Use Dorival Caymmi Vá de Jackson do Pandeiro Vi cidades, vi dinheiro Bandoleiros, vi hospícios Moças feito passarinho Avoando de edifícios Fume Ari, cheire Vinícius Beba Nelson Cavaquinho Para um coração mesquinho Contra a solidão agreste Luiz Gonzaga é tiro certo Pixinguinha é inconteste Tome Noel, Cartola, Orestes Caetano e João Gilberto Viva Erasmo, Ben, Roberto Gil e Hermeto, palmas para Todos os instrumentistas Salve Edu, Bituca, Nara Gal, Bethania, Rita, Clara Evoé, jovens à vista
Multiculturalismo latino-americano Alejo Carpentier (1969): terceiro estilo Contextos raciais: homens de uma mesma nacionalidade pertencentes às etnias diferentes, diferentes culturas; Contextos econômicos: instabilidade de uma economia sob interesses alheios;  Contextos ctônicos: crenças e práticas antigas se incorporaram em práticas culturais e religiosas; Contextos de desajustamento cronológico: retardamento da chegada de bens intelectuais, científicos idéias políticas etc; Contextos culturais: absorve teorias e práticas diferentes Contextos políticos: golpes militares, esquerda tardia e caduca
Globalização O fenômeno do multiculturalismo força as origens a se esconder porque são consideradas menores e vergonhosas diante do padrão imposto pela mídia, pelos ‘mais evoluídos’ Bolsões culturais, estratos semióticos são descaradamente negados em nome da qualidade da Educação (cujo padrão foi forjado nas culturas ‘superiores’
DEMOCRACIA E IGUALDADE Democracia hoje vontade da maioria com respeito às minorias
Direitos Humanos  vão além: os seres humanos são portadores de direitos inalienáveis, independente da delimitação geopolítica.
MAIORIAS E MINORIAS Democracia:  maioria  escolhe seus governantes. Minorias : não podem ser oprimidas pela maioria, todos têm direitos.
Mas... se todos são considerados iguais em suas necessidades, desrespeitamos as  necessidades específicas  dos grupos ou indivíduos. Ex: crianças, jovens, idosos, mulheres, homossexuais, índios, sem-teto, agricultores, aposentados, deficientes...
DIFERENÇA O direito à diferença  expressa-se nas diferenças individuais: crença, gênero, idade...    respeitar e dar espaço para estas diferenças se manifestarem é uma atitude democrática e desejável. Grau de desenvolvimento de uma democracia pode ser medido por este respeito.
DESIGUALDADE É social, criada nas relações de injustiças sociais.  Ex: ricos têm direito à educação e saúde de qualidade, pobres não; a sinalização nas ruas é pensada apenas para os “videntes”.
Tolerância
EQÜIDADE Portanto, todos são iguais em direitos. Ex: direito de ir e vir.  Mas... tratar a todos, sem considerar suas  necessidades específicas , gera a desigualdade.
EQÜIDADE Eqüidade: é a diferença dentro da igualdade.    sem eq u idade não existe democracia.
DESIGUALDADE Boaventura Souza Santos, sociólogo português: " temos direito a reivindicar a igualdade sempre que a diferença nos inferioriza e temos direito de reivindicar a diferença sempre que a igualdade nos descaracteriza."
Algumas pessoas choram quando veem as rosas com espinhos Outras pessoas sorriem quando descobrem que os espinhos têm rosas...
 
Se você pertencesse a uma cultura diferente? Imagine que você acordou de manhã e acha-se pertencendo auma outra cultura, outro grupo étnico ou qualquer outra dimensão da diversidade no mundo (religião, cor de pele, sexo etc etc)  Você pode pertencer a qualquer país  Você pode ter uma deficiência física ou mental Você pode pertencer a qualquer religião Você pode ser homem ou mulher, jovem ou velho
Quais partes da sua vida foram afetadas? Seus amigos? Suas atividades sociais? Profissionais? Suas comidas mudaram? Quais são agora? Qual a sua religião? Que tipo de roupas você usa? Como é a vizinhança? Em que você trabalha? Você dirige o que? De que música você gosta? Que língua(s) você fala? A que ideologia política você  pertence?
What is Diversity?
 
 
 
 
 
 
 
 
Cada um de nós nasce numa cultura diferente  Nossas crenças e valores começam na nossa família mas continuam a tomar forma ao longo de toda a nossa vida  Na maioria das vezes: atitudes da nossa família, nossas crenças, nossa língua e outros comportamentos são aceitos sem questionar
 
Você provavelmente respondeu Família Status econômico Etnia Amigos, vizinhos  Igreja Mídia: jornais, filmes, canais de televisão Viagens Escola  Trabalho Localização geográfica Algum outro?
POR QUE PRECISAMOS FICAR ATENTOS À DIVERSIDADE Dois pontos são importantes atualmente: Primeiro     o mercado global (onde muitas empresas mergulham para se tronarem mais competitivas)   Segundo     a população de muitos países vêm mudando rapidamente
O MERCADO GLOBAL Há grandes enganos quando o assunto é diversidade: A Chevrolet quando tentou vender pela primeira vez seu carro Nova nos países de língua espanhola fracassou “ No va” significa “Não vai.”  Desnecessário dizer que o carro não vendeu....  A mesma coisa aconteceu com a Pepsi na China quando traduziu o slogan:  “Pepsi brings you back to life” Este slogan na China significa: “Pepsi traz seus ancestrais de volta do túmulo”
MUDANÇAS DEMOGRÁFICAS Até 2050 aproximadamente 50% da população dos Estados Unidos será não-branca A partir desta época não haverá nenhuma simples maioria neste país    os Estados Unidos serão compostos de grupos minoritários múltiplos
Grandes companhias estão mudando seus paradigmas CDO    Chief diversity office (Gestor da diversidade nas empresas) Segundo o site empregos.com.br  ( http:// goo.gl/BAuP ) A diversidade no ambiente interno empresarial pode representar uma melhoria na qualidade de vida do trabalho. No ambiente externo, nas relações com o mercado e a sociedade, as iniciativas que priorizam a diversidade podem significar uma expressiva melhoria na imagem de marca.  Este novo cenário mundial da gestão empresarial é resultado da globalização que exige novas demandas e desafios. Produtividade, competitividade e compromisso social são requisitos básicos de sustentabilidade e sucesso dos negócios.  
Vantagens da diversidade (segundo o site empregos.com) Incremento da competitividade  - há uma crescente valorização da marca e de produtos e serviços de empresas que valorizam a diversidade e, portanto, a responsabilidade social. Atendimento mais personalizado  - a ampliação dos negócios muitas vezes se dá pelo emprego de funcionários de uma língua oriental ou a formação de equipes femininas para atender públicos e consumidores específicos. Maior valorização da imagem de marca  - a opinião pública (e aqui inclui-se o mercado consumidor) tende a prestigiar empresas éticas e responsáveis socialmente recomendando e comprando seus produtos.
Fortalecimento do desempenho financeiro  - o aumento da aceitação de marca contribui diretamente para a elevação das vendas e do lucro. Menor rotatividade de funcionários e aumento da satisfação no trabalho  - uma empresa socialmente responsável estimula a permanência e o crescimento profissional de seus funcionários e favorece a melhoria do clima organizacional. Menor risco de ações trabalhistas  - empresas que estabelecem ações de gestão quecontemplam a prevenção da discriminação e do assédio sexual estão menos expostas a ações judiciais.
Maior resistência às mudanças do mercado  - empresas que contemplam a diversidade estão mais fortalecidas frente às mudanças próprias da globalização, tais como fusões e incorporações, onde culturas tão diferentes estão sendo obrigadas a conviver visando um único objetivo. Aumento na capacidade de reconhecer talentos  - a diversidade confere à empresa uma maior capacidade em valorizar e reconhecer os talentos e empregar as idéias de seus funcionários.     
O MUNDO É UM MOSAICO
DIMENSÕES DA DIVERSIDADE Gênero Crenças religiosas Etnia Estado civil Idade Educação Estado parental Capacidade física e mental Orientação sexual Ocupação Língua Lugar de nascimento
Nas organizações Gênero Idade Etnia Cultura Religião Língua/ sotaque Deficências físicas e mentais Peso e altura Orientação sexual Educação Títulos e cargos Funções no trabalho Habilidades no trabalho Trabalho em equipe e sozinho Meio período/ período integral Estado civil Filiação/Ideologia política
Diversidade: o passo a passo 1. conhecimento    Onde encontrar informações sobre culturas diferentes? livros, jornais, televisão, cinema etc etc   2. Estereótipos    Como generalizar indivíduos ou grupos? encontrando formas de re-organizar nossas perspectivas a respeitos de ser ‘diferente’ 3. Comportamento    Q ual a sua habilidade de interasgir com diferentes pessoas? Você é tímido? Você está aberto a nopvas experiências? 4. Self-Awareness     Você está apto a compreender os valores, motivos e às características pessoais dos outros? Você se considera sensível  e compreensível às diferenças dos outros?
Exemplos Quando a American Airlines quis anunciar sua primeira classe com bancos de couro no mercado mexicano usou a expressão:  “Fly In Leather” traduzindo para    “Vuela en cueros”, que significa em espanhol: voe pelado Quando a  Gerber iniciou suas vendas de comida de bebê para a África , usou a mesma embalagem que eles utilizavam nos EUA    com um bebê sorrindo no rótulo. Tempos depois eles descobriram que as companias africanas colocavam nos rótulos o que havia dentro da embalagem porque muitas pessoas não sabiam ler….
Quando as esferográficas Parker Pen chegaram ao México, seus anúncios deveriam dizer "It won't leak in your pocket and embarrass you" (Não vazam no seu bolso envergonhando você).  A companhia pensou que a palavra "embarazar" significava o mesmo que "embarrass" (envergonhar), mas no final os anúncios diziam: "Não vazam no seu bolso fazendo você engravidar".
Quais são os benefícios da diversidade? Enriquece qualquer experiência: no trabalho, na escola, nos grupos sociais Faz as pessoas progredirem em relação aos preconceitos e ideias pré-concebidas Aumenta o pder das comunidades, do lugar de trabalho  Ajuda a competitividade.
Convergência  das mídias: globalização e diversidade Luci Bonini
Media  (mídia) é um vocábulo latino que em português é utilizado para significar    meios de comunicação .
Anos 60,  Marshall McLuhan : '' o meio é a mensagem ” A televisão O jornal O rádio Enfim.....cada um dos meios acaba criando sua própria linguagem e captando seus leitores, espectadores, ‘consumidores’
Midiosfera     conjunto cumulativo dos meios de comunicação
Midiosfera     conjunto cumulativo dos meios de comunicação
 
"Demora dias para se aprender Marketing.  Infelizmente, leva-se uma vida inteira para ser um mestre."  [  Philip Kotler  ]      
"Barulho não prova nada.  Uma galinha bota um ovo  e cacareja como se estivesse  botado um asteróide." -- Mark Twain
"A propaganda é um fator econômico valioso  porque ela é o meio  mais barato de se  vender bens,  especialmente se os  bens não valem nada." -- Sinclair Lewis (1885 - 1951)
"A filosofia por trás de  muita propaganda é baseada na velha observação de que todo homem é na realidade  dois homens —  o homem que ele é  e o homem que ele quer ser."  -- William Feather
PAPEL DA MÍDIA  ??? PAPEL??? ☺ REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE
CARACTERÍSTICAS Capacidade de confrontar o mundo em seu imediatismo Em sua complexidade Em seus perigos, reais e imaginados.  Mobilização da sociologia e da Antropologia Teorias que enfocam processos sociais de exercício do poder Da formação de comunidades Da determinação de identidades . ( Silverstone, apud Ubiratan Muarrek)
Mídia   tecnologias  e processos de mediação, ou seja, instrumentos que permitem maneiras de encontrar, assegurar e comunicar significados".  (idem, ib)
Mídia    todos os meios de comunicação, ou seja, os veículos que  são utilizados para a divulgação de  conteúdos simbólicos.
A MÍDIA ESCLARECE OU OBSCURECE A NOSSA PERCEPÇÃO DA REALIDADE?
O QUE NOS VEM À MENTE QUANDO LEMOS ESSA PERGUNTA E VEMOS A FOTO?
PROPAGANDA AMERICANA CHAMANDO SOLDADOS PARA COMBATER NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
A QUE CONCLUSÕES PODEMOS CHEGAR? O QUE OS EDITORES DAS PRIMEIRAS PÁGINAS QUISERAM SALIENTAR COM ESSAS MANCHETES?
A diversidade étnico-cultural mundial começou com as navegações
Continuou com o desenvolvimento dos meios de transportes
Acentuou-se com os movimentos migratórios em consequência da guerras mundiais
Sempre impulsionada pela economia
E pelos Meios de Comunicação de Massa
 
O que era exótico passou a ser obrigatório
O que era uma revolução....
E uma provocação....
Virou realidade....
Conscientização....
Respeito à diversidade virou papel da mídia!!!! ???? Verdade????
A FAMÍLIA FELIZ PADRÃO GLOBAL  DE FELICIDADE
Alvo certo???????
Propaganda de guerra
Propaganda dos correios na Austrália
As redes sociais
 
Problemas   O uso crescente de novas mídias levou algumas pessoas a ter problemas. Na Holanda, assaltantes foram presos com a ajuda de uma câmera que postou imagens deles no Google.  Um assaltante britânico enviou sua foto a um jornal porque não gostou de sua imagem de procurado divulgada pela polícia. Nos EUA, dois pilotos da Northwest voaram 250 quilômetros além de seu destino.  Eles disseram que se distraíram porque estavam usando laptops pessoais na cabine do avião.
 
 
 
 
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cp aula 2
Cp aula 2Cp aula 2
Cp aula 2
Maira Conde
 
A Ideologia Alemã de Karl Marx
A Ideologia Alemã de Karl MarxA Ideologia Alemã de Karl Marx
A Ideologia Alemã de Karl Marx
Rafael Batista
 
Cp aula 3
Cp aula 3 Cp aula 3
Cp aula 3
Maira Conde
 
Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Emilio rousseau
Emilio rousseauEmilio rousseau
Emilio rousseau
Jackson Vargas
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
Edirlene Fraga
 
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
Cap 11   A Justificação do Estado ModernoCap 11   A Justificação do Estado Moderno
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
José Ferreira Júnior
 
O que não é Existencialismo
O que não é ExistencialismoO que não é Existencialismo
O que não é Existencialismo
Bruno Carrasco
 
Aula 14 Liberdade e política - Karl Marx
Aula 14   Liberdade e política - Karl MarxAula 14   Liberdade e política - Karl Marx
Aula 14 Liberdade e política - Karl Marx
Claudio Henrique Ramos Sales
 
A reinvenção dos direitos humanos joaquin herrera flores
A reinvenção dos direitos humanos   joaquin herrera floresA reinvenção dos direitos humanos   joaquin herrera flores
A reinvenção dos direitos humanos joaquin herrera flores
Eduardo Sens Dos Santos
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
Colégio Nova Geração COC
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Jessica Amaral
 
Existencialismo Pronto
Existencialismo ProntoExistencialismo Pronto
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
Karoline Rodrigues de Melo
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
Bruno Carrasco
 
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e InterdisciplinaredadeMaterialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Eder Liborio
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Celso Firmino Sociologia/Filosofia
 
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoQuestões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Stefanie Rodrigues
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
Jordano Santos Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Cp aula 2
Cp aula 2Cp aula 2
Cp aula 2
 
A Ideologia Alemã de Karl Marx
A Ideologia Alemã de Karl MarxA Ideologia Alemã de Karl Marx
A Ideologia Alemã de Karl Marx
 
Cp aula 3
Cp aula 3 Cp aula 3
Cp aula 3
 
Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.
 
Emilio rousseau
Emilio rousseauEmilio rousseau
Emilio rousseau
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
 
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
Cap 11   A Justificação do Estado ModernoCap 11   A Justificação do Estado Moderno
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
 
O que não é Existencialismo
O que não é ExistencialismoO que não é Existencialismo
O que não é Existencialismo
 
Aula 14 Liberdade e política - Karl Marx
Aula 14   Liberdade e política - Karl MarxAula 14   Liberdade e política - Karl Marx
Aula 14 Liberdade e política - Karl Marx
 
A reinvenção dos direitos humanos joaquin herrera flores
A reinvenção dos direitos humanos   joaquin herrera floresA reinvenção dos direitos humanos   joaquin herrera flores
A reinvenção dos direitos humanos joaquin herrera flores
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Existencialismo Pronto
Existencialismo ProntoExistencialismo Pronto
Existencialismo Pronto
 
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
 
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e InterdisciplinaredadeMaterialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoQuestões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
 

Destaque

Grupo de Estudos Marx e o Direito
Grupo de Estudos Marx e o DireitoGrupo de Estudos Marx e o Direito
Grupo de Estudos Marx e o Direito
654789
 
Monografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'Ana
Monografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'AnaMonografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'Ana
Monografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'Ana
Alex Sandro C. Sant'Ana
 
A viagem de volta significados da pesquisa na formação e prática profission...
A viagem de volta   significados da pesquisa na formação e prática profission...A viagem de volta   significados da pesquisa na formação e prática profission...
A viagem de volta significados da pesquisa na formação e prática profission...
Rosane Domingues
 
Razão, História, Direito e Liberalismo
Razão, História, Direito e LiberalismoRazão, História, Direito e Liberalismo
Razão, História, Direito e Liberalismo
Luci Bonini
 
Aula 1 para ead
Aula 1 para eadAula 1 para ead
Aula 1 para ead
Deborah Machado
 
Aluisio Gavazzoni Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era Www.Th...
Aluisio Gavazzoni   Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era   Www.Th...Aluisio Gavazzoni   Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era   Www.Th...
Aluisio Gavazzoni Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era Www.Th...
guestd5ce99
 
Prova de recuperação 1º ano b filosofia
Prova de recuperação   1º ano b filosofiaProva de recuperação   1º ano b filosofia
Prova de recuperação 1º ano b filosofia
Jorge Marcos Oliveira
 
História do Direito.
História do Direito. História do Direito.
História do Direito.
Flávio dos Anjos
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
Lyssa Martins
 
Quórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotesQuórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotes
Arlindo Moreira
 
Livro de Mórmon
Livro de Mórmon Livro de Mórmon
Livro de Mórmon
Michael Santos
 
Slide do egito trabalho de historia e antropologia
Slide do egito   trabalho de historia e antropologiaSlide do egito   trabalho de historia e antropologia
Slide do egito trabalho de historia e antropologia
Ester santos Almeida
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
Aldenei Barros
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituaisDireito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Carlos José Teixeira Toledo
 
Treinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderesTreinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderes
Marcio Roberto Patelli
 
Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir5Apresentaçãohistdir5
Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?
Rosano Lima
 
Apresentaçãohistdir17
Apresentaçãohistdir17Apresentaçãohistdir17
20923217 resumo-historia-do-direito
20923217 resumo-historia-do-direito20923217 resumo-historia-do-direito
20923217 resumo-historia-do-direito
82jonas
 

Destaque (20)

Grupo de Estudos Marx e o Direito
Grupo de Estudos Marx e o DireitoGrupo de Estudos Marx e o Direito
Grupo de Estudos Marx e o Direito
 
Monografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'Ana
Monografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'AnaMonografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'Ana
Monografia Educação e Pós-modernidade Alex Sandro C. Sant'Ana
 
A viagem de volta significados da pesquisa na formação e prática profission...
A viagem de volta   significados da pesquisa na formação e prática profission...A viagem de volta   significados da pesquisa na formação e prática profission...
A viagem de volta significados da pesquisa na formação e prática profission...
 
Razão, História, Direito e Liberalismo
Razão, História, Direito e LiberalismoRazão, História, Direito e Liberalismo
Razão, História, Direito e Liberalismo
 
Aula 1 para ead
Aula 1 para eadAula 1 para ead
Aula 1 para ead
 
Aluisio Gavazzoni Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era Www.Th...
Aluisio Gavazzoni   Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era   Www.Th...Aluisio Gavazzoni   Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era   Www.Th...
Aluisio Gavazzoni Historia Do Direito Dos Sumerios Ate A Nossa Era Www.Th...
 
Prova de recuperação 1º ano b filosofia
Prova de recuperação   1º ano b filosofiaProva de recuperação   1º ano b filosofia
Prova de recuperação 1º ano b filosofia
 
História do Direito.
História do Direito. História do Direito.
História do Direito.
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 
Quórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotesQuórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotes
 
Livro de Mórmon
Livro de Mórmon Livro de Mórmon
Livro de Mórmon
 
Slide do egito trabalho de historia e antropologia
Slide do egito   trabalho de historia e antropologiaSlide do egito   trabalho de historia e antropologia
Slide do egito trabalho de historia e antropologia
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituaisDireito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
 
Treinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderesTreinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderes
 
Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir5Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir5
 
Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?
 
Apresentaçãohistdir17
Apresentaçãohistdir17Apresentaçãohistdir17
Apresentaçãohistdir17
 
20923217 resumo-historia-do-direito
20923217 resumo-historia-do-direito20923217 resumo-historia-do-direito
20923217 resumo-historia-do-direito
 

Semelhante a Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
BrendaBorges35
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
Douglas Gregorio
 
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdfTEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
DeboraMoreira48
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Athilla Henrique
 
Atividade de recuperação ser humano - Prof. Noe Assunção
Atividade de recuperação   ser humano - Prof. Noe AssunçãoAtividade de recuperação   ser humano - Prof. Noe Assunção
Atividade de recuperação ser humano - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
Rogerio Terra
 
A ideologia alemã
A ideologia alemãA ideologia alemã
A ideologia alemã
Claudinei Leite
 
A ideologia alemã
A ideologia alemãA ideologia alemã
A ideologia alemã
José Luiz Costa
 
Karl marx a-idelogia_alema
Karl marx a-idelogia_alemaKarl marx a-idelogia_alema
Karl marx a-idelogia_alema
Ariel Menezes
 
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
ElenitaPimentel
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
Silvana
 
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoRenascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Luci Bonini
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
faculdade11
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augusto
alemisturini
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
blogdofernando
 
Antropologia 2.011.1
Antropologia   2.011.1Antropologia   2.011.1
Antropologia 2.011.1
MarcoAMuniz
 
Confessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptxConfessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptx
RenatoRBorges
 
Mudanças Sociais- Política e Estética
Mudanças Sociais- Política e EstéticaMudanças Sociais- Política e Estética
Mudanças Sociais- Política e Estética
Silvana
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 

Semelhante a Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo (20)

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
 
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdfTEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
 
Atividade de recuperação ser humano - Prof. Noe Assunção
Atividade de recuperação   ser humano - Prof. Noe AssunçãoAtividade de recuperação   ser humano - Prof. Noe Assunção
Atividade de recuperação ser humano - Prof. Noe Assunção
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
 
A ideologia alemã
A ideologia alemãA ideologia alemã
A ideologia alemã
 
A ideologia alemã
A ideologia alemãA ideologia alemã
A ideologia alemã
 
Karl marx a-idelogia_alema
Karl marx a-idelogia_alemaKarl marx a-idelogia_alema
Karl marx a-idelogia_alema
 
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010Curso De Direitos Humanos   Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
Curso De Direitos Humanos Aula Itesp Dia 03 MarçO De 2010
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
 
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoRenascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augusto
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
Antropologia 2.011.1
Antropologia   2.011.1Antropologia   2.011.1
Antropologia 2.011.1
 
Confessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptxConfessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptx
 
Mudanças Sociais- Política e Estética
Mudanças Sociais- Política e EstéticaMudanças Sociais- Política e Estética
Mudanças Sociais- Política e Estética
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
 

Mais de Luci Bonini

Comunicação e expressão
Comunicação e expressãoComunicação e expressão
Comunicação e expressão
Luci Bonini
 
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - MandelaUma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Luci Bonini
 
Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013
Luci Bonini
 
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIALDIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
Luci Bonini
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
Luci Bonini
 
Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014
Luci Bonini
 
O pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidadeO pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidade
Luci Bonini
 
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileiraDiversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Luci Bonini
 
Eu odeio política
Eu odeio políticaEu odeio política
Eu odeio política
Luci Bonini
 
Federalismo e regionalização
Federalismo e regionalizaçãoFederalismo e regionalização
Federalismo e regionalização
Luci Bonini
 
Federalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiroFederalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiro
Luci Bonini
 
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADEAtualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Luci Bonini
 
Políticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humanaPolíticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humana
Luci Bonini
 
Dignidade humana no Alto Tietê
Dignidade humana  no Alto TietêDignidade humana  no Alto Tietê
Dignidade humana no Alto Tietê
Luci Bonini
 
Políticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humanaPolíticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humana
Luci Bonini
 
A apologia de sócrates
A apologia de sócratesA apologia de sócrates
A apologia de sócrates
Luci Bonini
 
Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média
Luci Bonini
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
Luci Bonini
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
Luci Bonini
 
FORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERALFORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERAL
Luci Bonini
 

Mais de Luci Bonini (20)

Comunicação e expressão
Comunicação e expressãoComunicação e expressão
Comunicação e expressão
 
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - MandelaUma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
 
Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013
 
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIALDIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
 
Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014
 
O pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidadeO pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidade
 
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileiraDiversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
 
Eu odeio política
Eu odeio políticaEu odeio política
Eu odeio política
 
Federalismo e regionalização
Federalismo e regionalizaçãoFederalismo e regionalização
Federalismo e regionalização
 
Federalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiroFederalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiro
 
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADEAtualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
 
Políticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humanaPolíticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humana
 
Dignidade humana no Alto Tietê
Dignidade humana  no Alto TietêDignidade humana  no Alto Tietê
Dignidade humana no Alto Tietê
 
Políticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humanaPolíticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humana
 
A apologia de sócrates
A apologia de sócratesA apologia de sócrates
A apologia de sócrates
 
Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
 
FORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERALFORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERAL
 

Último

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 

Último (20)

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 

Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo

  • 1. Razão, História, Direito e Liberalismo Luci Bonini
  • 2. Hegel (1770-1831) Fenomenologia do espírito Introdução à história da Filosofia Filosofia do direito Filosofia da História Universal
  • 3. A História e seu movimento interno conduzirá a concepção marxista de materialismo dialético O que é real é racional, o que é racional é real  todo real só é real porque é conhecido por um sujeito que lhe identifica como real, e, nessa medida, aquilo que já foi conhecido, já se tornou racional
  • 4. O Espírito Objetivo Se manifesta em direito, moralidade e costume, determina a liberdade e suas aplicações sociais, políticas e subjetivas Direito é liberdade em grau máximo Moralidade é a liberdade voltada para o sujeito, que dela se vale O costume é a objetivaçãpo do que mora no sujeito em termos de moralidade (síntese  costume, entre direito  tese e moral  antítese
  • 5. O direito consubstancia-se pela legislação, e com base na legislação os indivíduos agem para a defesa e construção de seus direitos: aí está a justiça efetiva do sistema legislativo. O ato do legislador é um ato de querer  esta ou aquela medida individual ou coletiva A aproximação do direito positivo da máxima racionalidade dá-se à medida que alcança a noção de sistema, de harmonia racional, de todo orgânico, de mundo controlado e feito legislação
  • 6. A história funciona dialeticamente, na alternância da preponderância deste ou daquele Estado, mas a história não é mera manifestação da força, e sim da razão, e nisso há a participação do espírito do mundo
  • 7. Karl Marx ( 1818-1883) Materialismo histórico  porque somos o que as condições materiais ( as relações sociais de produção) nos determinam a ser a a pensar. Histórico porque a sociedade e a política não surgem de decretos divinos nem nascem da ordem natural, mas dependem da ação concreta dos seres humanos ( M Chauí)
  • 8. Os homens não dispõem de suas forças produtivas, elas são um resultado da energia posta em prática pelos homens Ela é determinada pelas condições em que os homens se encontram, alcançadas anteriormente e que é produto da geração anterior A história social do homem nada mais é do que a história de seu desenvolvimento individual
  • 9. A exploração econômica no seio das atividades sociais, a manipulação do poder ecnômico como forma de exercício de dominação, criação de instrumentos de servilização do homem pelo homem, formação de uma economia burguesa que extrai da propriedade e da mercadorias a for a de instauração da diferença social Coisificação do homem - reificação (homem res  coisa)
  • 10. O capitalismo perverte a noção de trabalho  o trabalho aliena em função do acúmulo de capital O proletário é o principal instrumento de que se vale o capitalista, que aliado á técnica, permite a multiplicação da mais valia As relações jurídicas não podem ser entendidads de modo formal isoladamente de fatores sociais e econômicos O Estado é uma superestrutura constante de inúmeros aparatos burocráticos de controle social  mecanismo de dominação
  • 11. Luta política com base conômica
  • 12. "comunismo como superação positiva da propriedade privada enquanto auto-alienação do homem e por isso como apropriação real da essência humana por meio de e para o homem; por isso, como regresso – perfeito, consciente e dentro da riqueza total do desenvolvimento até aqui –, do homem para si mesmo enquanto homem social, ou seja, humano. Esse comunismo é a verdadeira dissolução do antagonismo entre o homem e a natureza e entre o homem e o homem. A verdadeira solução do conflito entre liberdade e necessidade. Ele é o enigma decifrado da história, a verdadeira realização da essência do homem"
  • 13. A história de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a história das lutas da classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, mestre de corporação e oficial, numa palavra, opressores e oprimidos, em constante oposição, têm vivido numa guerra ininterrupta, ore franca, ora disfarçada, uma guerra que termino sempre, ou por uma transformação evolucionária da sociedade inteira, ou pela destruição das suar classes em luta. (Manifesto Comunista)
  • 14. "Os mundos uivam o próprio canto fúnebre. e nós somos macacos de um Deus frio". "O indivíduo é o ser social." "O homem, isto é o mundo do homem: Estado, sociedade." "Não é a consciência do homem que determina seu ser, mas é seu ser social que determina sua consciência." "Os filósofos têm apenas interpretado diversamente o mundo; trata-se de modificá-lo."
  • 15.  
  • 16. Para ele, o modo de produção determinava se relações políticas e ideológicas podiam existir. Marx falava que toda a história era a história das lutas de classes. Pensava a respeito do trabalho humano falando que quando o homem labutava, ele interferia na natureza e deixava nela suas marcas e vice-versa. Marx foi a pessoa que deu grande impulso ao comunismo.
  • 17. Ele atacava fortemente o sistema capitalista que vigorava em todo mundo e achava que seu modo de produção era contraditório. Para ele, o capitalismo era um sistema econômico autodestrutivo, sobretudo porque lhe faltava um controle racional. Ele considerava o capitalismo progressivo, isto é, algo que aponta para o futuro, mas só porque via nele um estágio a caminho do comunismo. Segundo Marx, quando o capitalismo caísse e o proletariado tomasse o poder, haveria o surgimento de uma nova sociedade de classes, na qual o proletariado subjulgaria à força a burguesia. Esta fase de transição Marx chamou de ditadura do proletariado. Depois disso a ditadura do proletariado daria lugar a uma sociedade sem classes, o comunismo e esta seria uma sociedade na qual os meios de produção pertenceriam a todos. Em tal estágio, cada um trabalharia de acordo com sua capacidade e ganharia de acordo com suas necessidades.
  • 19. Darwin foi um cientista que, mais do que qualquer outro em tempos mais modernos, questionou e colocou em dúvida a visão bíblica sobre o lugar do homem na criação. Ele achava que precisava se libertar da doutrina cristã sobre o surgimento do homem e dos animais, vigente em sua época. Darwin nasceu em 1809 na cidade de Shrewsbury. Em um de seus livros publicados, Origem das espécies , defendeu duas teorias ou idéias principais: em primeiro lugar dizia que todas as espécies de plantas e animais existentes descendiam de formas mais primitivas, que viveram em tempos passados.
  • 20. Ele pressupôs, portanto, uma evolução biológica. Em segundo, Darwin explicou que esta evolução se devia à seleção natural. Um dos argumentos propostos por ele para a evolução biológica era o fato de existir depósitos de fósseis estratificados em diferentes formações rochosas. Outro argumento era a distribuição geográfica das espécies vivas (ele havia visto com seus próprios olhos que as diferentes espécies de animais de uma região distinguiam-se umas das outras por detalhes mínimos).
  • 21. Darwin não acreditava que as espécies eram imutáveis, só que lhe faltava uma explicação convincente para o modo como se processava a evolução. O que ele tinha era um argumento para a suposição de que todos os animais da Terra possuíam um ancestral comum: a evolução dos embriões dos mamíferos, mas continuava sem explicar como se processava a evolução para as diferentes espécies.
  • 22. Enfim chegou a uma conclusão: a responsável era a seleção natural na luta pela vida, ou seja, quem melhor se adaptava ao meio ambiente, sobrevivia e podia garantir a continuidade de sua espécie. "As constantes variações entre indivíduos de uma mesma espécie e as elevadas taxas de nascimento constituem a matéria-prima para a evolução da vida na Terra. A seleção natural na luta pela sobrevivência é o mecanismo, a força propulsora que está por trás desta evolução. A seleção natural é responsável pela sobrevivência dos mais fortes, ou dos que melhor se adaptam ao seu meio".
  • 23. FREUD
  • 24. Freud nasceu em 1856 e estudou medicina na Universidade de Viena. Ele achava que sempre havia uma tensão entre o homem e o seu meio. Para ser mais exato, um conflito entre o próprio homem e aquilo que o seu meio exigia dele. Ele descobriu o universo dos impulsos que regiam a vida do ser humano. Com freqüência, impulsos irracionais determinavam os pensamentos, os sonhos e as ações das pessoas. Tais impulsos irracionais eram capazes de trazer à luz instintos e necessidades que estavam profundamente enraizados no interior dos indivíduos.
  • 25. Freud chegara a conclusão da existência de uma sexualidade infantil por meio de sua prática como psicoterapeuta. Ele também constatou que muitas formas de distúrbios psíquicos eram devido a conflitos ocorridos na infância. Após um longo período de experiência com pacientes, concluiu que a consciência seria mais ou menos como a ponta de um iceberg que se elevava para além da superfície da água. Sob a superfície ou sob o limiar da consciência, estava o subconsciente ou inconsciente. A expressão inconsciente significava, para Freud, tudo o que reprimimos.
  • 26. NOSSO PRÓPRIO TEMPO
  • 27. O existencialismo tem como ponto de partida única e exclusivamente o homem. Vale ressaltar que todos os filósofos existencialistas eram cristãos. Jean-Paul Sartre foi um de seus principais representantes.
  • 28. A GRANDE EXPLOSÃO
  • 29.  
  • 30.  
  • 31. Globalização e diversidade Globalização  expansão do capitalismo Novos pólos de poder  blocos geopolíticos
  • 37. Forças produtivas básicas  o capital, a tecnologia, a força de trabalho e a divisão transnacional do trabalho Processo civilizatório que desafia, rompe, subordina, mutila, destrói ou recria outras formas sociais, de vida e de trabalho Novos modos de pensar, ser, agir, sentir e imaginar
  • 38. Fábrica de produtos esportivos de marca mundialmente conhecida
  • 39. GLOBAL X REGIONAL Quando há interesses globais  o regional prevalece - integração no âmbito da globalização apenas. Só há interesse casos de repercussão internacional  caso Jean Charles – morto no metrô em Londres confundido com um terrorista Ex: Rede Globo e suas afiliadas, Rede Bandeirantes e suas afiliadas.... E mais uma série de meios de comunicação de massa
  • 40. Mercado Global Bens materiais  tangíveis Bens simbólicos  intangíveis Mercado Real e virtual  diversas formas de capital e contratos Contratos virtuais Publicidade Alianças estratégicas Grandes fusões Força de trabalho barata
  • 41. Globo terrestre é o nicho ecológico de todo o mundo Fauna, flora, água, ar, recursos minerais, camada de ozônio  diz respeito a todos
  • 42.  
  • 43. Homem é condenado por agredir a ex-mulher A Justiça do Distrito Federal condenou um homem a pagar R$ 20 mil de indenização por danos morais à ex-mulher. Ele já havia sido condenado criminalmente por agredir a vítima. O juiz da 2ª Vara Cível de Brasília afirmou que, após condenação criminal, não se pode mais questionar a existência do fato, ou seja, das agressões contra a mulher. Cabe recurso da decisão.
  • 44. Na ação, a mulher afirmou que foi submetida durante anos a surras, ameaças e torturas e que foi privada pelo ex-marido de ver os filhos. Ela pediu indenização de R$ 200 mil por danos morais. Em contestação, o ex-marido afirmou que os filhos passavam férias com ele em sua casa e, ao final do período, não encontrou a ex-mulher. O homem alegou ainda que procurou assistência jurídica e o conselho tutelar. Sobre a condenação criminal, ele afirmou que está “completamente arrependido”. O réu foi condenado a custear um plano odontológico para tratamento da ex-mulher, após discutir com ela e empurrá-la.
  • 45. Lei Maria da Penha LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.   Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8 o  do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.
  • 48. Violência no mundo
  • 50.  
  • 51. Falhas na Justiça do Irã resultam julgamentos injustos Irã: morte por apedrejamento, um castigo cruel e inaceitável. Numa cultura em que nove mulheres e dois homens aguardam execução por apedrejamento, no Irã, a Anistia Internacional apela às autoridades daquele país para abolirem a morte por apedrejamento e que decretem uma moratória imediata a esta prática cruel, especialmente pensada para aumentar o sofrimento das vítimas. No novo relatório publicado, a organização apela urgentemente à revisão do Código Penal do país e para assegurar, entretanto, a total adesão à moratória aos apedrejamentos emitida pelo responsável máximo da justiça em 2002.
  • 52. Anistia Internacional ... ‘ A AI congratula-se com as recentes movimentações no sentido das reformas e com os relatos de que o parlamento iraniano está a discutir alterações ao Código Penal que permitam a suspensão da sentença, pelo menos em alguns casos de apedrejamento, em casos em que seja considerado ‘conveniente’’, disse Malcom Smart, Diretor do Programa para o Médio Oriente e Norte de África na AI. ‘ Mas as autoridades devem ir mais longe e devem dar os passos necessários para assegurar que o novo Código Penal não permita o apedrejamento nem outro tipo de execuções para punir o adultério’. O Código Penal iraniano descreve a morte por apedrejamento. Chega mesmo a recomendar o tamanho das pedras para que estas causem dor, mas não causem a morte imediata.
  • 53. Atentados a torres gêmeas fazem nove anos A construção de uma mesquita e um centro de cultura islâmica no Marco Zero, local do ataque a Nova York em 2001, e também a ameaça de um pastor protestante do estado da Flórida de queimar o Alcorão, livro sagrado do Islã causou polêmica em todo o mundo. A notícia é do portal G1.
  • 55.  
  • 56. As chamadas políticas públicas deveriam ser as ações de governo nas áreas de educação, habitação, saúde, segurança, meio ambiente e distribuição de renda atingindo diretamente a vida de um conjunto de cidadãos.
  • 57. O horário político eleitoral está a todo vapor. Comum em todos os discursos, a política pública social, como a saúde, educação, segurança, habitação e transporte, preenche completamente o espaço gratuitamente destinado aos candidatos na televisão e no rádio. Precisamos ter cuidado com o 'canto da sereia' para não sermos facilmente seduzidos. As propostas vazias de conteúdos, muitas vezes, nos remetem ao 'País das Maravilhas', um lugar onde tudo é possível.
  • 58. Os jornais nos alertam e nos deixam a par dessas enxurradas de contradições. Ao contrário do que é constantemente a nós exposto, a saúde, a educação, transporte, habitação e segurança são ações que necessitam de planejamento e de estudo. O 'como eu vou fazer' e 'de que maneira eu vou fazer' raramente aparece no discurso eleitoral.
  • 59. A realidade posta para todos os brasileiros é bastante evidente. Todos os dias nos deparamos com notícias como greve de professores, balas perdidas que matam inocentes, bandidos invadindo um hotel de luxo, pacientes morrendo na porta de hospitais, entre outros problemas. Se o velho Marx fosse cidadão do nosso tempo, ao invés de debater as lutas de classes e os conceitos de ideologia e falsa consciência, seguramente pesquisaria sobre a arte de fazer política e de camuflar as realidades usando sempre os mesmos argumentos. De modo semelhante às crises do capital, no campo eleitoral, porém, a freqüência se dá de quatro em quatro anos.
  • 66. Doação de órgãos
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70. O QUE É UMA REDE SOCIAL Rede Social é uma das formas de representação dos relacionamentos afetivos ou profissionais dos seres humanos entre si ou entre seus agrupamentos de interesses mútuos. Uma estrutura em rede (...) corresponde também ao que seu próprio nome indica: seus integrantes se ligam horizontalmente a todos os demais, diretamente ou através dos que os cercam. O conjunto resultante é como uma malha de múltiplos fios, que pode se espalhar indefinidamente para todos os lados, sem que nenhum dos seus nós possa ser considerado principal ou central, nem representante dos demais. Não há um “chefe”, o que há é uma vontade coletiva de realizar determinado objetivo. (Withaker, 1998)
  • 72. Terceiro setor é uma terminologia sociológica que dá significado a todas as iniciativas privadas de utilidade pública com origem na sociedade civil. A palavra é uma tradução de Third Sector, um vocábulo muito utilizado nos Estados Unidos para definir as diversas organizações sêm vínculos diretos com o Primeiro setor (Público, o Estado) e o Segundo setor (Privado, o Mercado). Apesar de várias definições encontradas sobre o Terceiro Setor, existe uma definição que é amplamente utilizada como referência, inclusive por organizações multilaterais e governos.
  • 74. Dentro das organizações que fazem parte do Terceiro Setor, estão as ONGs (Organizações Não Governamentais), entidades filantrópicas, OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, organizações sem fins lucrativos e outras formas de associações civis sem fins lucrativos. No âmbito jurídico, no Brasil, em estudo intitulado “As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil 2002”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, em parceria com a Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais - ABONG e o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas – GIFE, foram identificadas mais de 500 mil instituições no Terceiro Setor.
  • 77. O Brasil é o país que tem a maior biodiversidade de flora e fauna do planeta. Essa enorme variedade de animais,plantas, microrganismos e ecossistemas, muitos únicos em todo o mundo, deve-se, entre outros fatores, à extensão territorial e aos diversos climas do país.
  • 78. A Biodiversidade Brasileira Biodiversidade é o estudo da variedade de espécies de organismos vivos encontrados nos diversos ecossistemas do planeta. A Biodiversidade está vinculada tanto ao número de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa dessas categorias.  O termo Biodiversidade foi originado em 1980 por Thomas Lovejoy e desde 1986 a nomemclatura tem sido usada no que se refere a diversidade da natureza viva. 
  • 79.  
  • 80. A biodiversidade é definida pela Convenção sobre a Diversidade Biológica como “a variabilidade entre os seres vivos de todas as origens, inter alia, a terrestre, a marinha e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos dos quais fazem parte: isso inclui a diversidade no interior das espécies, entre as espécies e entre espécies e ecossistemas”.  
  • 81. O Brasil detém o maior número de espécies conhecidas de mamíferos e de peixes de água doce, o segundo de anfíbios, o terceiro de aves e o quinto de répteis. Com mais de 50 mil espécies de árvores e arbustos, tem o primeiro lugar em biodiversidade vegetal. Nenhum outro país tem registrado tantas variedades de orquídeas e palmeiras catalogadas. Os números impressionam, mas, segundo estimativas aceitas pelo Ministério do Meio Ambiente o MMA, eles podem representar apenas 10% da vida no país.
  • 82. Como várias regiões ainda são muito pouco estudadas pelos cientistas, os números da biodiversidade brasileira tornam-se maiores na medida em que aumenta o conhecimento. 
  • 83.  
  • 84.  
  • 85. As tartarugas marinhas confundem-nas com as medusas e os comem, afogando-se na tentativa de engoli-los. Um saco de plástico pode navegar várias dezenas de anos sem se degradar.
  • 86. Milhares de golfinhos também morrem afogados...
  • 87. Eles não têm capacidade para reconhecer os lixos dos humanos, até porque, "tudo o que flutua no mar se come". A tampa plástica de uma garrafa, de maior consistência do que o saco plástico, pode permanecer inalterada, navegando nas águas do mar por mais de um século.
  • 88. " Não se pode defender o que não se ama, e, não se pode amar o que não se conhece".
  • 90. Paratodos Chico Buarque O meu pai era paulista Meu avô, pernambucano O meu bisavô, mineiro Meu tataravô, baiano Meu maestro soberano Foi Antonio Brasileiro Foi Antonio Brasileiro Quem soprou esta toada Que cobri de redondilhas Pra seguir minha jornada E com a vista enevoada Ver o inferno e maravilhas Nessas tortuosas trilhas A viola me redime Creia, ilustre cavalheiro Contra fel, moléstia, crime Use Dorival Caymmi Vá de Jackson do Pandeiro Vi cidades, vi dinheiro Bandoleiros, vi hospícios Moças feito passarinho Avoando de edifícios Fume Ari, cheire Vinícius Beba Nelson Cavaquinho Para um coração mesquinho Contra a solidão agreste Luiz Gonzaga é tiro certo Pixinguinha é inconteste Tome Noel, Cartola, Orestes Caetano e João Gilberto Viva Erasmo, Ben, Roberto Gil e Hermeto, palmas para Todos os instrumentistas Salve Edu, Bituca, Nara Gal, Bethania, Rita, Clara Evoé, jovens à vista
  • 91. Multiculturalismo latino-americano Alejo Carpentier (1969): terceiro estilo Contextos raciais: homens de uma mesma nacionalidade pertencentes às etnias diferentes, diferentes culturas; Contextos econômicos: instabilidade de uma economia sob interesses alheios; Contextos ctônicos: crenças e práticas antigas se incorporaram em práticas culturais e religiosas; Contextos de desajustamento cronológico: retardamento da chegada de bens intelectuais, científicos idéias políticas etc; Contextos culturais: absorve teorias e práticas diferentes Contextos políticos: golpes militares, esquerda tardia e caduca
  • 92. Globalização O fenômeno do multiculturalismo força as origens a se esconder porque são consideradas menores e vergonhosas diante do padrão imposto pela mídia, pelos ‘mais evoluídos’ Bolsões culturais, estratos semióticos são descaradamente negados em nome da qualidade da Educação (cujo padrão foi forjado nas culturas ‘superiores’
  • 93. DEMOCRACIA E IGUALDADE Democracia hoje vontade da maioria com respeito às minorias
  • 94. Direitos Humanos vão além: os seres humanos são portadores de direitos inalienáveis, independente da delimitação geopolítica.
  • 95. MAIORIAS E MINORIAS Democracia: maioria escolhe seus governantes. Minorias : não podem ser oprimidas pela maioria, todos têm direitos.
  • 96. Mas... se todos são considerados iguais em suas necessidades, desrespeitamos as necessidades específicas dos grupos ou indivíduos. Ex: crianças, jovens, idosos, mulheres, homossexuais, índios, sem-teto, agricultores, aposentados, deficientes...
  • 97. DIFERENÇA O direito à diferença expressa-se nas diferenças individuais: crença, gênero, idade...  respeitar e dar espaço para estas diferenças se manifestarem é uma atitude democrática e desejável. Grau de desenvolvimento de uma democracia pode ser medido por este respeito.
  • 98. DESIGUALDADE É social, criada nas relações de injustiças sociais. Ex: ricos têm direito à educação e saúde de qualidade, pobres não; a sinalização nas ruas é pensada apenas para os “videntes”.
  • 100. EQÜIDADE Portanto, todos são iguais em direitos. Ex: direito de ir e vir. Mas... tratar a todos, sem considerar suas necessidades específicas , gera a desigualdade.
  • 101. EQÜIDADE Eqüidade: é a diferença dentro da igualdade.  sem eq u idade não existe democracia.
  • 102. DESIGUALDADE Boaventura Souza Santos, sociólogo português: " temos direito a reivindicar a igualdade sempre que a diferença nos inferioriza e temos direito de reivindicar a diferença sempre que a igualdade nos descaracteriza."
  • 103. Algumas pessoas choram quando veem as rosas com espinhos Outras pessoas sorriem quando descobrem que os espinhos têm rosas...
  • 104.  
  • 105. Se você pertencesse a uma cultura diferente? Imagine que você acordou de manhã e acha-se pertencendo auma outra cultura, outro grupo étnico ou qualquer outra dimensão da diversidade no mundo (religião, cor de pele, sexo etc etc) Você pode pertencer a qualquer país Você pode ter uma deficiência física ou mental Você pode pertencer a qualquer religião Você pode ser homem ou mulher, jovem ou velho
  • 106. Quais partes da sua vida foram afetadas? Seus amigos? Suas atividades sociais? Profissionais? Suas comidas mudaram? Quais são agora? Qual a sua religião? Que tipo de roupas você usa? Como é a vizinhança? Em que você trabalha? Você dirige o que? De que música você gosta? Que língua(s) você fala? A que ideologia política você pertence?
  • 108.  
  • 109.  
  • 110.  
  • 111.  
  • 112.  
  • 113.  
  • 114.  
  • 115.  
  • 116. Cada um de nós nasce numa cultura diferente Nossas crenças e valores começam na nossa família mas continuam a tomar forma ao longo de toda a nossa vida Na maioria das vezes: atitudes da nossa família, nossas crenças, nossa língua e outros comportamentos são aceitos sem questionar
  • 117.  
  • 118. Você provavelmente respondeu Família Status econômico Etnia Amigos, vizinhos Igreja Mídia: jornais, filmes, canais de televisão Viagens Escola Trabalho Localização geográfica Algum outro?
  • 119. POR QUE PRECISAMOS FICAR ATENTOS À DIVERSIDADE Dois pontos são importantes atualmente: Primeiro  o mercado global (onde muitas empresas mergulham para se tronarem mais competitivas) Segundo  a população de muitos países vêm mudando rapidamente
  • 120. O MERCADO GLOBAL Há grandes enganos quando o assunto é diversidade: A Chevrolet quando tentou vender pela primeira vez seu carro Nova nos países de língua espanhola fracassou “ No va” significa “Não vai.” Desnecessário dizer que o carro não vendeu.... A mesma coisa aconteceu com a Pepsi na China quando traduziu o slogan: “Pepsi brings you back to life” Este slogan na China significa: “Pepsi traz seus ancestrais de volta do túmulo”
  • 121. MUDANÇAS DEMOGRÁFICAS Até 2050 aproximadamente 50% da população dos Estados Unidos será não-branca A partir desta época não haverá nenhuma simples maioria neste país  os Estados Unidos serão compostos de grupos minoritários múltiplos
  • 122. Grandes companhias estão mudando seus paradigmas CDO  Chief diversity office (Gestor da diversidade nas empresas) Segundo o site empregos.com.br ( http:// goo.gl/BAuP ) A diversidade no ambiente interno empresarial pode representar uma melhoria na qualidade de vida do trabalho. No ambiente externo, nas relações com o mercado e a sociedade, as iniciativas que priorizam a diversidade podem significar uma expressiva melhoria na imagem de marca. Este novo cenário mundial da gestão empresarial é resultado da globalização que exige novas demandas e desafios. Produtividade, competitividade e compromisso social são requisitos básicos de sustentabilidade e sucesso dos negócios.  
  • 123. Vantagens da diversidade (segundo o site empregos.com) Incremento da competitividade  - há uma crescente valorização da marca e de produtos e serviços de empresas que valorizam a diversidade e, portanto, a responsabilidade social. Atendimento mais personalizado  - a ampliação dos negócios muitas vezes se dá pelo emprego de funcionários de uma língua oriental ou a formação de equipes femininas para atender públicos e consumidores específicos. Maior valorização da imagem de marca  - a opinião pública (e aqui inclui-se o mercado consumidor) tende a prestigiar empresas éticas e responsáveis socialmente recomendando e comprando seus produtos.
  • 124. Fortalecimento do desempenho financeiro  - o aumento da aceitação de marca contribui diretamente para a elevação das vendas e do lucro. Menor rotatividade de funcionários e aumento da satisfação no trabalho  - uma empresa socialmente responsável estimula a permanência e o crescimento profissional de seus funcionários e favorece a melhoria do clima organizacional. Menor risco de ações trabalhistas  - empresas que estabelecem ações de gestão quecontemplam a prevenção da discriminação e do assédio sexual estão menos expostas a ações judiciais.
  • 125. Maior resistência às mudanças do mercado  - empresas que contemplam a diversidade estão mais fortalecidas frente às mudanças próprias da globalização, tais como fusões e incorporações, onde culturas tão diferentes estão sendo obrigadas a conviver visando um único objetivo. Aumento na capacidade de reconhecer talentos  - a diversidade confere à empresa uma maior capacidade em valorizar e reconhecer os talentos e empregar as idéias de seus funcionários.     
  • 126. O MUNDO É UM MOSAICO
  • 127. DIMENSÕES DA DIVERSIDADE Gênero Crenças religiosas Etnia Estado civil Idade Educação Estado parental Capacidade física e mental Orientação sexual Ocupação Língua Lugar de nascimento
  • 128. Nas organizações Gênero Idade Etnia Cultura Religião Língua/ sotaque Deficências físicas e mentais Peso e altura Orientação sexual Educação Títulos e cargos Funções no trabalho Habilidades no trabalho Trabalho em equipe e sozinho Meio período/ período integral Estado civil Filiação/Ideologia política
  • 129. Diversidade: o passo a passo 1. conhecimento  Onde encontrar informações sobre culturas diferentes? livros, jornais, televisão, cinema etc etc 2. Estereótipos  Como generalizar indivíduos ou grupos? encontrando formas de re-organizar nossas perspectivas a respeitos de ser ‘diferente’ 3. Comportamento  Q ual a sua habilidade de interasgir com diferentes pessoas? Você é tímido? Você está aberto a nopvas experiências? 4. Self-Awareness  Você está apto a compreender os valores, motivos e às características pessoais dos outros? Você se considera sensível e compreensível às diferenças dos outros?
  • 130. Exemplos Quando a American Airlines quis anunciar sua primeira classe com bancos de couro no mercado mexicano usou a expressão: “Fly In Leather” traduzindo para  “Vuela en cueros”, que significa em espanhol: voe pelado Quando a Gerber iniciou suas vendas de comida de bebê para a África , usou a mesma embalagem que eles utilizavam nos EUA  com um bebê sorrindo no rótulo. Tempos depois eles descobriram que as companias africanas colocavam nos rótulos o que havia dentro da embalagem porque muitas pessoas não sabiam ler….
  • 131. Quando as esferográficas Parker Pen chegaram ao México, seus anúncios deveriam dizer "It won't leak in your pocket and embarrass you" (Não vazam no seu bolso envergonhando você). A companhia pensou que a palavra "embarazar" significava o mesmo que "embarrass" (envergonhar), mas no final os anúncios diziam: "Não vazam no seu bolso fazendo você engravidar".
  • 132. Quais são os benefícios da diversidade? Enriquece qualquer experiência: no trabalho, na escola, nos grupos sociais Faz as pessoas progredirem em relação aos preconceitos e ideias pré-concebidas Aumenta o pder das comunidades, do lugar de trabalho Ajuda a competitividade.
  • 133. Convergência das mídias: globalização e diversidade Luci Bonini
  • 134. Media (mídia) é um vocábulo latino que em português é utilizado para significar  meios de comunicação .
  • 135. Anos 60, Marshall McLuhan : '' o meio é a mensagem ” A televisão O jornal O rádio Enfim.....cada um dos meios acaba criando sua própria linguagem e captando seus leitores, espectadores, ‘consumidores’
  • 136. Midiosfera  conjunto cumulativo dos meios de comunicação
  • 137. Midiosfera  conjunto cumulativo dos meios de comunicação
  • 138.  
  • 139. "Demora dias para se aprender Marketing. Infelizmente, leva-se uma vida inteira para ser um mestre." [  Philip Kotler  ]      
  • 140. "Barulho não prova nada. Uma galinha bota um ovo e cacareja como se estivesse botado um asteróide." -- Mark Twain
  • 141. "A propaganda é um fator econômico valioso porque ela é o meio mais barato de se vender bens, especialmente se os bens não valem nada." -- Sinclair Lewis (1885 - 1951)
  • 142. "A filosofia por trás de muita propaganda é baseada na velha observação de que todo homem é na realidade dois homens — o homem que ele é e o homem que ele quer ser."  -- William Feather
  • 143. PAPEL DA MÍDIA ??? PAPEL??? ☺ REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE
  • 144. CARACTERÍSTICAS Capacidade de confrontar o mundo em seu imediatismo Em sua complexidade Em seus perigos, reais e imaginados. Mobilização da sociologia e da Antropologia Teorias que enfocam processos sociais de exercício do poder Da formação de comunidades Da determinação de identidades . ( Silverstone, apud Ubiratan Muarrek)
  • 145. Mídia  tecnologias e processos de mediação, ou seja, instrumentos que permitem maneiras de encontrar, assegurar e comunicar significados". (idem, ib)
  • 146. Mídia  todos os meios de comunicação, ou seja, os veículos que são utilizados para a divulgação de conteúdos simbólicos.
  • 147. A MÍDIA ESCLARECE OU OBSCURECE A NOSSA PERCEPÇÃO DA REALIDADE?
  • 148. O QUE NOS VEM À MENTE QUANDO LEMOS ESSA PERGUNTA E VEMOS A FOTO?
  • 149. PROPAGANDA AMERICANA CHAMANDO SOLDADOS PARA COMBATER NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
  • 150. A QUE CONCLUSÕES PODEMOS CHEGAR? O QUE OS EDITORES DAS PRIMEIRAS PÁGINAS QUISERAM SALIENTAR COM ESSAS MANCHETES?
  • 151. A diversidade étnico-cultural mundial começou com as navegações
  • 152. Continuou com o desenvolvimento dos meios de transportes
  • 153. Acentuou-se com os movimentos migratórios em consequência da guerras mundiais
  • 155. E pelos Meios de Comunicação de Massa
  • 156.  
  • 157. O que era exótico passou a ser obrigatório
  • 158. O que era uma revolução....
  • 162. Respeito à diversidade virou papel da mídia!!!! ???? Verdade????
  • 163. A FAMÍLIA FELIZ PADRÃO GLOBAL DE FELICIDADE
  • 166. Propaganda dos correios na Austrália
  • 168.  
  • 169. Problemas   O uso crescente de novas mídias levou algumas pessoas a ter problemas. Na Holanda, assaltantes foram presos com a ajuda de uma câmera que postou imagens deles no Google.  Um assaltante britânico enviou sua foto a um jornal porque não gostou de sua imagem de procurado divulgada pela polícia. Nos EUA, dois pilotos da Northwest voaram 250 quilômetros além de seu destino. Eles disseram que se distraíram porque estavam usando laptops pessoais na cabine do avião.
  • 170.  
  • 171.  
  • 172.  
  • 173.  
  • 174.  
  • 175.