SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
2º ANO: APOSTILA 03 / AULA 13
Professor Claudio Henrique Ramos Sales
FILOSOFIA
KARL MARX
(1818-1883)
1861
 Nasceu em Trier, Alemanha.
 Pais judeus convertidos.
 Na adolescência militante antirreligioso;
“A crítica da religião é o fundamento de toda
crítica.”
Tese de doutorado sobre antiga filosofia grega;
 Pensamento profundamente influenciado por
Hegel;
 Foi expulso de vários países;
 Os últimos 34 anos de sua vida, vai passar na
Inglaterra;
 Morreu em Londres em 1883.
Tumba de Marx no Cemitério
Highgate em Londres
 Filosofia alemã (Hegel);
 Teoria política francesa (socialistas utópicos
como Saint Simon, Louis Blanc e Proudhon);
 Economia Britânica (Adam Smith e David
Ricardo);
 Costumamos chamar de “real” aquelas coisas concretas,
materiais, com as quais lidamos todos os dias;
 Ao mesmo tempo chamamos de “abstrato” tudo aquilo
que não tem uma existência palpavel.
 Heguel afirmava justamente o contrario:
- O conhecimento imediato que temos das coisas é
“abstrato”, pois capta somente as aparências;
- O conhecimento real é da natureza espiritual e resulta
da descrição da forma como uma realidade é produzida.
 Hegel tem uma visão da história como um
processo de mudança permanente (constante
transformação);
 Entender a realidade é entender a natureza
deste processo (Se todas as coisas estão
mudando, o que chamamos de presente é o
resultado de um processo e o conhecimento
da História é uma maneira de termos
consciência desse processo);
 A mudança não é aleatória e obedece a uma
lei.
 O que mantém o processo em constante
mudança são as suas contradições internas;
 - Tese (ex. tirania)
 - Antítese (ex. liberdade absoluta)
 - Síntese (ex. leis)
 Este processo não está sob controle humano
e continuará até que as suas contradições
sejam resolvidas (fim da alienação);
 Isso tornará possível a liberdade e a auto
realização dos seres humanos.
 Para Hegel, o motor da transformação é a
razão em um processo que caminha para a
Ideia Absoluta, em que se realiza a plena
identidade do sujeito com o objeto;
 Para Marx, o motor da transformação são as
forças produtivas e as relações de produção,
isto é, a forma como o homem e as forças
produtivas se relacionam entre si no processo
produtivo.
 ETIMOLOGICAMENTE A PALAVRA ALIENAÇÃO
VEM DO LATIM ALIENARE, ALIENUS, QUE
SIGNIFICA “QUE PERTENCE A UM OUTRO”.
ASSIM, ALIENAR É TORNAR ALHEIO,
TRANSFERIR PARA OUTREM O QUE É SEU.
Conceito hegeliano de alienação: tratar como
estranho algo com o qual devíamos nos
identificar.
Hegel considerava que os indivíduos, todos
manifestações de um único Espírito, se viam
uns aos outros como rivais hostis e não como
elementos de uma unidade.
«A alienação é o estado no qual as pessoas
vêem como exterior algo que, na verdade, é
um elemento intrínseco do seu próprio ser.»
(Kenny, 1999: 356).
 Marx analisa a alienação dos trabalhadores
industriais em Manuscritos Econômicos e
Filosóficos (1848). A propriedade privada e o
controle da produção por uma elite são causas do
trabalho alienado. O trabalho alienado retira a
humanidade das pessoas.
Para Marx, a alienação residia, sobretudo, no
dinheiro.
«O dinheiro é o valor universal e autoconstituído de
todas as coisas. Despojou, assim, o mundo inteiro,
tanto o mundo humano como a natureza, do seu
próprio valor. O dinheiro é a essência alienada do
trabalho e da vida do homem, e esta essência
alienígena domina-o enquanto ele a idolatrar.»
 PARA KARL MARX, A ORIGEM DA
ALIENAÇÃO ESTÁ NA DIVISÃO SOCIAL
DO TRABALHO, QUE FAZ COM QUE O
PRODUTO DO TRABALHO HUMANO
DEIXE DE PERTENCER AO
TRABALHADOR E PASSE A PERTENCER
A OUTREM.
- Todo ser humano tem de obter os meios de
subsistência: alimento, abrigo, etc...
- O desenvolvimento dos meios de produção
leva à especialização;
- A especialização torna os indivíduos
dependentes um do outro;
 O que define cada indivíduo é sua relação
com os meios de produção;
 Esta relação determina quem mais tem os
mesmos interesses que nós, e quem está em
conflito conosco;
 Isto origina as classes socioeconômicas e
também o conflito entre elas.
 É um reflexo abstrato da infraestrutura
econômica. Corresponde às instituições
sociais e políticas, religiões, filosofia, artes,
ideias. Enfim, é tudo aquilo que é criado
culturalmente para dar legitimidade a uma
dada infraestrutura econômica.
 No capitalismo, a concorrência gera o
dinamismo econômico, mas, por outro lado,
este estado de coisas facilmente descamba
para o caos. É por isso que no capitalismo as
crises são tão frequentes.
 O desenvolvimento constante da tecnologia
moderna seguiria criando uma massa de
desempregados cada vez mais numerosa.
 Até o momento em que a imensa quantidade
de pessoas alienadas e empobrecidas se
levantaria contra os capitalistas e faria a
revolução.
 Esta revolução seria o fim da história. A
divisão da sociedade em classes teria
acabado.
 Os meios de produção seriam possuídos por
todos e operados no interesse de todos.
 Marx acreditava que a sua teoria era
científica, da mesma forma que a física de
Newton era científica.
 Com tal conhecimento, dizia Marx, era
possível prever o inevitável
desenvolvimento futuro da sociedade.
 Esta ideia deu enorme grau de confiança
aos marxistas e tornou-os famosos pela
intolerância com todas as visões
alternativas que não se coadunavam com as
deles.
 Ora, já que o marxismo era científico, as
coisas necessariamente aconteceriam de
acordo com as suas ideias, a despeito do que
qualquer outra pessoa fizesse ou dissesse.
 Nas palavras de Trotsky, “ a história está do
nosso lado.”
 Teorias científicas são refutáveis por
definição.
 Ao contrário do que Marx previra, a
tecnologia não aumentou indefinidamente o
desemprego, surgiu o setor de serviços:
educação, turismo, entretenimento, etc...
 Além disso, as revoluções aconteceram na
periferia do capitalismo, e não nos mais
desenvolvidos como Marx acreditava.
 Nos países em que o marxismo alcançou o
poder, quase sem exceção (talvez a China), a
economia fracassou e instalou-se uma
ditadura burocrática. A liberdade também foi
asfixiada.
 Isto tudo, levou a conclusão de que havia
algo de errado com as teorias marxistas.
Professor Claudio Henrique (Henry)
blogdoprofessorhenry.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoMax Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoVitor Vieira Vasconcelos
 
Quadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologiaQuadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologiaroberto mosca junior
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoTurma Olímpica
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoMarcela Marangon Ribeiro
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesAntónio Daniel
 
História do Socialismo Utópico e Científico
História do Socialismo Utópico e CientíficoHistória do Socialismo Utópico e Científico
História do Socialismo Utópico e CientíficoMarcos Mamute
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasAlexandre Misturini
 
2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marxFelipe Hiago
 
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerCapítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerAthirson Downloadz
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à SociologiaAlison Nunes
 

Mais procurados (20)

Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoMax Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
 
Quadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologiaQuadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologia
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Karl Marx - O capital
Karl Marx - O capitalKarl Marx - O capital
Karl Marx - O capital
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
O neoliberalismo
O neoliberalismoO neoliberalismo
O neoliberalismo
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Capítulo 7 - O Mundo do Trabalho
Capítulo 7 - O Mundo do TrabalhoCapítulo 7 - O Mundo do Trabalho
Capítulo 7 - O Mundo do Trabalho
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
História do Socialismo Utópico e Científico
História do Socialismo Utópico e CientíficoHistória do Socialismo Utópico e Científico
História do Socialismo Utópico e Científico
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerCapítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 

Destaque

Liberdade e conhecimento - Espinosa
Liberdade e conhecimento - EspinosaLiberdade e conhecimento - Espinosa
Liberdade e conhecimento - EspinosaSilvia Cintra
 
Estado nacional e poder politico
Estado nacional e poder politicoEstado nacional e poder politico
Estado nacional e poder politicoSilvia Cintra
 
A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14)
A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14) A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14)
A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14) Antonio Pele
 
A Regressão do Demoliberalismo
A Regressão do DemoliberalismoA Regressão do Demoliberalismo
A Regressão do Demoliberalismogofontoura
 
Marcuse
MarcuseMarcuse
Marcusezaxfax
 
Apresentação manuela
Apresentação   manuelaApresentação   manuela
Apresentação manuelaGabriel Reis
 
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoA angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoSimone Cristina
 

Destaque (20)

Liberdade e conhecimento - Espinosa
Liberdade e conhecimento - EspinosaLiberdade e conhecimento - Espinosa
Liberdade e conhecimento - Espinosa
 
Ideologia e Alienação
Ideologia e AlienaçãoIdeologia e Alienação
Ideologia e Alienação
 
Aula 17 - Introdução ao pensamento político
Aula 17 - Introdução ao pensamento políticoAula 17 - Introdução ao pensamento político
Aula 17 - Introdução ao pensamento político
 
Estado nacional e poder politico
Estado nacional e poder politicoEstado nacional e poder politico
Estado nacional e poder politico
 
Aula 16 - Liberdade e Linguagem - Habermas
Aula 16 - Liberdade e Linguagem - HabermasAula 16 - Liberdade e Linguagem - Habermas
Aula 16 - Liberdade e Linguagem - Habermas
 
Povos e Nações
Povos e NaçõesPovos e Nações
Povos e Nações
 
ética e moral introdução
ética e moral introdução ética e moral introdução
ética e moral introdução
 
Aula 13 Liberdade e conhecimento - Espinosa
Aula 13   Liberdade e conhecimento - EspinosaAula 13   Liberdade e conhecimento - Espinosa
Aula 13 Liberdade e conhecimento - Espinosa
 
Aula 04 - Platão e o mundo das idéias
Aula 04 - Platão e o mundo das idéiasAula 04 - Platão e o mundo das idéias
Aula 04 - Platão e o mundo das idéias
 
Aula 18 - As ideias de Maquiavel
Aula 18 - As ideias de MaquiavelAula 18 - As ideias de Maquiavel
Aula 18 - As ideias de Maquiavel
 
Aula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e GovernoAula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e Governo
 
O que é ideologia
O que é ideologiaO que é ideologia
O que é ideologia
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14)
A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14) A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14)
A Liberdade (Aula Filosofia do Direito 2013-14)
 
A Regressão do Demoliberalismo
A Regressão do DemoliberalismoA Regressão do Demoliberalismo
A Regressão do Demoliberalismo
 
Marcuse
MarcuseMarcuse
Marcuse
 
Apresentação manuela
Apresentação   manuelaApresentação   manuela
Apresentação manuela
 
Israel e Palestina
Israel e PalestinaIsrael e Palestina
Israel e Palestina
 
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoA angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
 
Aula 14 - Estado Nacional e Poder Político
Aula 14 - Estado Nacional e Poder PolíticoAula 14 - Estado Nacional e Poder Político
Aula 14 - Estado Nacional e Poder Político
 

Semelhante a Karl Marx e a alienação do trabalho

Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentaçãoamorimanamaria
 
Materialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptxMaterialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptxsavio1996
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempoLuci Bonini
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lêninUJS_Maringa
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosValéria Shoujofan
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoalemisturini
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentaçãoAna
 
Crítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos HumanosCrítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos HumanosPSHON
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaMarcelo Freitas
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Leninujcpe
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Laboratório de História
 
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiensQuartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiensFrederico Garcia Brito
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxCarlo Romani
 
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdfTEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdfDeboraMoreira48
 

Semelhante a Karl Marx e a alienação do trabalho (20)

Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
Materialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptxMaterialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptx
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
29082022221926Marx.pptx
29082022221926Marx.pptx29082022221926Marx.pptx
29082022221926Marx.pptx
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augusto
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
Crítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos HumanosCrítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos Humanos
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O iiLUMINISMO
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiensQuartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
 
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdfTEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
TEXTO 1 A PSICOLOGIA HUMANISTA CAP 20 (1).pdf
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosClaudio Henrique Ramos Sales
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales (20)

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Karl Marx e a alienação do trabalho

  • 1. 2º ANO: APOSTILA 03 / AULA 13 Professor Claudio Henrique Ramos Sales FILOSOFIA
  • 3.  Nasceu em Trier, Alemanha.  Pais judeus convertidos.  Na adolescência militante antirreligioso; “A crítica da religião é o fundamento de toda crítica.” Tese de doutorado sobre antiga filosofia grega;
  • 4.  Pensamento profundamente influenciado por Hegel;  Foi expulso de vários países;  Os últimos 34 anos de sua vida, vai passar na Inglaterra;  Morreu em Londres em 1883.
  • 5. Tumba de Marx no Cemitério Highgate em Londres
  • 6.  Filosofia alemã (Hegel);  Teoria política francesa (socialistas utópicos como Saint Simon, Louis Blanc e Proudhon);  Economia Britânica (Adam Smith e David Ricardo);
  • 7.  Costumamos chamar de “real” aquelas coisas concretas, materiais, com as quais lidamos todos os dias;  Ao mesmo tempo chamamos de “abstrato” tudo aquilo que não tem uma existência palpavel.  Heguel afirmava justamente o contrario: - O conhecimento imediato que temos das coisas é “abstrato”, pois capta somente as aparências; - O conhecimento real é da natureza espiritual e resulta da descrição da forma como uma realidade é produzida.
  • 8.  Hegel tem uma visão da história como um processo de mudança permanente (constante transformação);  Entender a realidade é entender a natureza deste processo (Se todas as coisas estão mudando, o que chamamos de presente é o resultado de um processo e o conhecimento da História é uma maneira de termos consciência desse processo);  A mudança não é aleatória e obedece a uma lei.
  • 9.  O que mantém o processo em constante mudança são as suas contradições internas;  - Tese (ex. tirania)  - Antítese (ex. liberdade absoluta)  - Síntese (ex. leis)  Este processo não está sob controle humano e continuará até que as suas contradições sejam resolvidas (fim da alienação);  Isso tornará possível a liberdade e a auto realização dos seres humanos.
  • 10.  Para Hegel, o motor da transformação é a razão em um processo que caminha para a Ideia Absoluta, em que se realiza a plena identidade do sujeito com o objeto;  Para Marx, o motor da transformação são as forças produtivas e as relações de produção, isto é, a forma como o homem e as forças produtivas se relacionam entre si no processo produtivo.
  • 11.  ETIMOLOGICAMENTE A PALAVRA ALIENAÇÃO VEM DO LATIM ALIENARE, ALIENUS, QUE SIGNIFICA “QUE PERTENCE A UM OUTRO”. ASSIM, ALIENAR É TORNAR ALHEIO, TRANSFERIR PARA OUTREM O QUE É SEU.
  • 12. Conceito hegeliano de alienação: tratar como estranho algo com o qual devíamos nos identificar. Hegel considerava que os indivíduos, todos manifestações de um único Espírito, se viam uns aos outros como rivais hostis e não como elementos de uma unidade. «A alienação é o estado no qual as pessoas vêem como exterior algo que, na verdade, é um elemento intrínseco do seu próprio ser.» (Kenny, 1999: 356).
  • 13.  Marx analisa a alienação dos trabalhadores industriais em Manuscritos Econômicos e Filosóficos (1848). A propriedade privada e o controle da produção por uma elite são causas do trabalho alienado. O trabalho alienado retira a humanidade das pessoas. Para Marx, a alienação residia, sobretudo, no dinheiro. «O dinheiro é o valor universal e autoconstituído de todas as coisas. Despojou, assim, o mundo inteiro, tanto o mundo humano como a natureza, do seu próprio valor. O dinheiro é a essência alienada do trabalho e da vida do homem, e esta essência alienígena domina-o enquanto ele a idolatrar.»
  • 14.  PARA KARL MARX, A ORIGEM DA ALIENAÇÃO ESTÁ NA DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO, QUE FAZ COM QUE O PRODUTO DO TRABALHO HUMANO DEIXE DE PERTENCER AO TRABALHADOR E PASSE A PERTENCER A OUTREM.
  • 15. - Todo ser humano tem de obter os meios de subsistência: alimento, abrigo, etc... - O desenvolvimento dos meios de produção leva à especialização; - A especialização torna os indivíduos dependentes um do outro;
  • 16.  O que define cada indivíduo é sua relação com os meios de produção;  Esta relação determina quem mais tem os mesmos interesses que nós, e quem está em conflito conosco;  Isto origina as classes socioeconômicas e também o conflito entre elas.
  • 17.  É um reflexo abstrato da infraestrutura econômica. Corresponde às instituições sociais e políticas, religiões, filosofia, artes, ideias. Enfim, é tudo aquilo que é criado culturalmente para dar legitimidade a uma dada infraestrutura econômica.
  • 18.  No capitalismo, a concorrência gera o dinamismo econômico, mas, por outro lado, este estado de coisas facilmente descamba para o caos. É por isso que no capitalismo as crises são tão frequentes.  O desenvolvimento constante da tecnologia moderna seguiria criando uma massa de desempregados cada vez mais numerosa.
  • 19.  Até o momento em que a imensa quantidade de pessoas alienadas e empobrecidas se levantaria contra os capitalistas e faria a revolução.  Esta revolução seria o fim da história. A divisão da sociedade em classes teria acabado.  Os meios de produção seriam possuídos por todos e operados no interesse de todos.
  • 20.  Marx acreditava que a sua teoria era científica, da mesma forma que a física de Newton era científica.  Com tal conhecimento, dizia Marx, era possível prever o inevitável desenvolvimento futuro da sociedade.  Esta ideia deu enorme grau de confiança aos marxistas e tornou-os famosos pela intolerância com todas as visões alternativas que não se coadunavam com as deles.
  • 21.  Ora, já que o marxismo era científico, as coisas necessariamente aconteceriam de acordo com as suas ideias, a despeito do que qualquer outra pessoa fizesse ou dissesse.  Nas palavras de Trotsky, “ a história está do nosso lado.”
  • 22.  Teorias científicas são refutáveis por definição.  Ao contrário do que Marx previra, a tecnologia não aumentou indefinidamente o desemprego, surgiu o setor de serviços: educação, turismo, entretenimento, etc...  Além disso, as revoluções aconteceram na periferia do capitalismo, e não nos mais desenvolvidos como Marx acreditava.
  • 23.  Nos países em que o marxismo alcançou o poder, quase sem exceção (talvez a China), a economia fracassou e instalou-se uma ditadura burocrática. A liberdade também foi asfixiada.  Isto tudo, levou a conclusão de que havia algo de errado com as teorias marxistas.
  • 24. Professor Claudio Henrique (Henry) blogdoprofessorhenry.blogspot.com