SlideShare uma empresa Scribd logo
Midori Pitanga
Ferramentas da qualidade
2
Ferramentas da qualidade
 Sete Ferramentas Básicas
 Diagrama de Ishikawa (causa-e-efeito)
 Lista de verificação
 Cartas de controle
 Histograma
 Diagrama de Pareto
 Diagrama de dispersão
 Fluxograma
PDCA
1. Identificação
fluxograma
 2 e 3 :
Brainstorm,
Ishikawa, 5
porques, folha
de verificação
4. Plano de ação
3
Folha de Verificação
 Formulário no qual os
itens a serem verificados
para a observação do
problema já estão
impressos, com o objetivo
de facilitar a coleta e o
registro dos dados.
 O tipo de Folha de
Verificação a ser utilizado
depende do objetivo da
coleta de dados. 4
Folha de Verificação
5
Folha de Verificação
6
Folha de Verificação
7
Fluxograma
 Descreve processos
 Símbolos usados no
desenho de um
fluxograma são
padronizados
 Facilidade em
compreender o
funcionamento do
processo.
8
Início/fim do processo
Atividade a ser executada
Ponto de tomada de decisão
Direção do fluxo
Documento utilizado no processo
Indica espera/atraso
Indica continuidade desse ponto em outro círculo,
com mesma letra/número
Fluxograma
Fluxograma
 Faça as seguintes
perguntas:
 O que faz esse processo
iniciar?
 Quais são as etapas após o
início do processo até
chegar ao seu fim? Pense
sobre cada atividade que é
realizada, liste cada uma
delas em um rascunho. 10
Fluxograma
 Quando for analisar as
atividades:
 ação/tarefa (Exemplo: comprar
material)?
 revisão (Exemplo: revisar
informações do cadastro)?
 aprovação (Exemplo: aprovar
compra de material)?
 espera (Exemplo: aguardar 5
dias e encerrar orçamento)?
 um registro (Registrar no ERP)?
11
Fluxograma
 Dica 1: utilize nomes no
infinitivo
 Dica 2: explore e utilize vários
ícones
 Dica 3: não esqueça dos
eventos de início e fim
 Passo 4: Estabelecer ligação
(correta) entre as atividades
 Passo 5: Garantir o
entendimento
12
Fluxograma
13
Início
Perguntar
pedido
Registrar
pedidos no
Computador
e Informar
valor Total
Forma de
Pagamento
Dinheiro
Conferir o
valor, dar o
troco, se
necessário.
Cartão
Perguntar se o
pagamento será
via Crédito,
Débito ou
Sodexho
Inserir o cartão e
efetuar pagamento
conforme instrução
“Cartão”
Indicar onde retirar
pedido.
Imprimir
Pedido e
entregá-lo
ao Cliente.
Fluxograma
 Adequação ao uso
 Design
 Ligação entre as atividades
 Começo e fim
14
Atividade de Conexão 2
 Desenhar o fluxograma do processo
de produção do suco de maça
 Lista de verificação do processo de
limpeza do suco
 José, dono do lava rápido “Lave bem”,
procura sempre atender bem aos seus
clientes. Ele tem notado que muitas vezes,
o padrão de acabamento dos carros varia,
o que tem gerado algumas reclamações.
Visando solucionar este problema, José
contratou uma consultoria, para mapear o
processo de lavagem dos veículos. 15
16
Princípio de Pareto
 O que é:
 Técnica que separa os poucos problemas vitais
dos muitos triviais
20% de fatores
80% de impacto
20% de impacto
80% de fatores
17
Princípio de Pareto
Por que usar Diagrama de Pareto?
Pois identificando-se as “poucas causas vitais” dos
“poucos problemas vitais” de uma empresa
possível focar na solução
dessas causas
eliminar quase todas as perdas com um pequeno
número de ações
18
Gráfico de Pareto
 O gráfico de Pareto é um gráfico de barras verticais que
tem como objetivo:
 Dividir um problema grande em um grande número de
problemas menores;
 Priorizar os problemas (poucos vitais);
 Estabelecer metas viáveis de serem alcançadas;
O Princípio de Pareto estabelece que os problemas
podem ser classificados em duas categorias:
os “poucos vitais” e os “muitos triviais”
Gráfico de Pareto
19
0
100
200
300
400
500
600
700
800
900
Defeito
Frequência
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
Percentual
Número defeitos 850 340 200 184 89 80
Acumulada % 48,8 68,3 79,7 90,3 95,4 100
Canal
obstruído
Ponto
Canal
Puxado
Serrilhado Porosidade Outros
Etapas para a construção de
um GP
20
Tipo de defeito Freqüência Total
acumulado
% do total
geral
%
acumulado
Coloração
Volume
Prazo entrega
Precipitação
Sem efeito
Outros
TOTAL
13
40
32
11
17
13
40
72
89
102
113
126
10,3
31,8
25,4
13,5
10,3
31,8
57,2
70,7
81,0
89,7
100,0
126 100
8,7
Notas sobre os Gráficos de
Pareto
 Em Paretos sobre Causas de
problemas:
 Se não aparecerem diferenças claras,
reagrupe os dados!!!
• Exemplos: turno, máquina, operador, etc.
Seja criativo!!!!
21
Notas sobre os Gráficos de
Pareto
 Se a categoria outros apresentar uma
freqüência elevada, significa que as
categorias não foram classificadas de
forma adequada
 A comparação dos GP “antes” e
“depois” permite a avaliação do impacto
de mudanças efetuadas
22
Custo dos defeitos
Principais
defeitos
Nº de
embalagens
defeituosas
Custo por
unidade
defeituosa
Custo do
defeito
Números
trocados
28 0,05 1,40
Caracteres
errados
28 0,05 1,40
Amassado 4 1,00 4,00
Perfurado 3 0,05 0,15
Impressão
ilegível
2 0,05 0,10
Rasgado 2 1,00 2,00
Outros 1 0,05 0,05
Total 68
Principais defeitos Custo do defeito
Amassado 4,00
Rasgado 2,00
Números trocados 1,40
Caracteres errados 1,40
Perfurado 0,15
Impressão ilegível 0,10
Outros 0,05
23
Gráfico de Pareto
 Construa o gráfico de Pareto de custos
24
Tipo de defeitos Frequência Custo unitário
Riscos 30 15
Picadas 20 15
Deformação 10 60
Descoloração 10 30
Dimensão errada 15 60
Carta de Controle
 Dois tipos de limite:
 Limites de especificação (LE) órgão
regulador (Inmetro) ou cliente
 Limites de controle: indica o desempenho do
processo
 Controle de Variáveis : como dimensões
ou peso (instrumentos de medida,
medias e amplitudes)
 Controle de Atributos : como riscos ou
manchas em uma pintura 25
Carta de controle
26
LSC
LIC
LIE
LSE
Causas das variações
 Tipo de Matéria Prima: Aço
(dureza variável)
 Ajuste das máquinas: Maquina
de costura (tensão na linha);
 Temperatura ambiente: Fundição
em molde
 Umidade do ar: Doces
comerciais (ponto do produto)
 Desgaste natural das máquinas:
Pastilhas de usinagem
 Troca de turnos: ????
 Habilidade e experiência do
operador
27
Tipos de variações
 Causas naturais : aleatórias e inevitáveis
 Causas especiais: Identificáveis para correção
 Processo Sob controle/ Processo fora de controle
 Intervalo de variação/ localizar as causas especiais
28
Interpretação da carta de
controle
 Pontos fora do limite ou outro padrão de não
aleatoriedade  causa especial ocorrendo.
 Identificar e corrigir causas especiais, calcular
novos limites até que nenhum padrão de não
aleatoriedade seja encontrado.
29
Interpretação da carta de controle
 norma ISO 8258 – Shewhart Control Charts
30
Interpretação da carta de controle
a) 1 ou mais pontos acima do LSC ou abaixo do LIC;
b) 9 pontos consecutivos na zona C / mesmo lado do LC;
c) 6 pontos cons., todos aumentando ou todos diminuindo;
d) 14 pontos cons. alternando para cima e para baixo;
31
Interpretação da carta de controle
 e) 2 de 3 pontos consecutivos na zona A ou além dela;
 f) 4 de 5 pontos consecutivos na zona B ou além dela;
 g) 15 pontos consecutivos na zona C (tanto acima
quanto abaixo do LC);
 h) 8 pontos consecutivos na zona B.
32
Histograma
Os Histogramas servem para mostrar a freqüência com que algo
acontece. Por exemplo, se fosse necessário mostrar de forma gráfica a
distribuição de altura dos estudantes da faculdade apresentado.
N0 Altura (m)
Quantidade de
Alunos
1 1,45 |– 1,50 13
2 1,50 |– 1,55 33
3 1,55 |– 1,60 84
4 1,60 |– 1,65 76
5 1,65 |– 1,70 147
6 1,70 |– 1,75 231
7 1,75 |– 1,80 95
8 1,80 |– 1,85 73
9 1,85 |– 1,90 23
10 1,90 |– 1,95 27
33
Histograma
13
33
84 76
147
231
95
73
23 27
0
50
100
150
200
250
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
34
Como montar um Histograma
1,85 1,89 1,79 1,69 1,86 1,65 1,65 1,69 1,62 1,72
1,92 1,99 1,82 1,83 1,68 1,47 1,70 1,53 1,71 1,63
1,90 1,59 1,79 1,48 1,69 1,76 1,51 1,70 1,64 1,55
1,85 1,60 1,81 1,68 1,60 1,71 1,68 1,77 1,72 1,76
1,82 1,93 1,80 1,77 1,76 1,62 1,73 1,63 1,75 1,55
1,78 1,78 1,79 1,72 1,71
1. Determinação da amostra
2. Cálculo da amplitude (R)
3. Escolha do número de classes (K) 7
4. Cálculo do intervalo da classes (H)
5. Cálculo dos extremos da primeira classe
6. Cálculo dos limites das outras classes
35
Diagrama de Correlação
Serve para mostrar o que acontece com uma variável quando a outra se
altera, e ajuda a verificar se as duas variáveis que estão sendo estudadas
possuem alguma relação entre si.
Amostra de idade, peso e altura 1 – Idade e peso 2 – peso e altura 3 – Idade e altura
Idade Peso Altura Idade Peso Altura
17 50 1.50 37 52 1.55
18 55 1.58 41 95 1.90
20 72 1.62 28 62 1.65
25 62 1.65 19 79 1.82
17 70 1.71 4 85 1.82
38 83 1.72 74 79 1.90
54 80 1.78 58 85 1.90
64 72 1.80 60 89 2.00
36
Referencias
 Notas de aula - Peinado, J: Acesso em :
http://paginapessoal.utfpr.edu.br/jurandirpeinado/arq
uivos-
producao/Controle%20Estatistico%20de%20Process
o%20-%20CEP.ppt/at_download/file, 17/09/2020
 7 ferramentas basicas da qualidade:
https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id
=2306852
 Ferreira, L. Londrina, Gerenciamento e controle de
qualidade : Editora e Distribuidora Educacional S.A.,
2016. 252 p.
37

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Fabricio Pangoni
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
UerjFundamentosDaAdministracao2013_1
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 
Fundamentos da Qualidade
Fundamentos da QualidadeFundamentos da Qualidade
Fundamentos da Qualidade
blogcorreafabio
 
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
CLT Valuebased Services
 
Seis sigma
Seis sigmaSeis sigma
Seis sigma
Ilania Gonçalves
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidade Gestão da qualidade
Gestão da qualidade
Filipa Andrade
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Mauro Sobrenome
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
ELAINESILVEIRA
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
Gerisval Pessoa
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
Sergio Canossa
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
Fernanda Paola Butarelli
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Adriano Pereira
 
Aula mrp
Aula  mrpAula  mrp
Aula mrp
Lucas Souza
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
João Rafael Lopes
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Administração de Vendas - Parte 1
Administração de Vendas - Parte 1Administração de Vendas - Parte 1
Administração de Vendas - Parte 1
Euler Nogueira
 
Gestão da Qualidade
Gestão da QualidadeGestão da Qualidade
Gestão da Qualidade
ProfessorRogerioSant
 

Mais procurados (20)

Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Fundamentos da Qualidade
Fundamentos da QualidadeFundamentos da Qualidade
Fundamentos da Qualidade
 
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
 
Seis sigma
Seis sigmaSeis sigma
Seis sigma
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidade Gestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula mrp
Aula  mrpAula  mrp
Aula mrp
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Administração de Vendas - Parte 1
Administração de Vendas - Parte 1Administração de Vendas - Parte 1
Administração de Vendas - Parte 1
 
Gestão da Qualidade
Gestão da QualidadeGestão da Qualidade
Gestão da Qualidade
 

Semelhante a Ferramentas da qualidade 2.pptx

Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
CLT Valuebased Services
 
Qualidade das Ferramentas modelo ABC ppt
Qualidade das Ferramentas modelo ABC pptQualidade das Ferramentas modelo ABC ppt
Qualidade das Ferramentas modelo ABC ppt
CLEBERLOPES30
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
Marcos Boaventura
 
4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt
Mileny Lima
 
Visualização de Dados - Aula 1
Visualização de Dados - Aula 1Visualização de Dados - Aula 1
Visualização de Dados - Aula 1
VicenteTino
 
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
RaulOliveira96
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
Marcus Vinicius Carina
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Margarida Novais
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Marcus Vinicius Carina
 
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
IFMG
 
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
Instituto Monitor
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade 7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Vanessa Cristina Dos Santos
 
Diagrama de Pareto.pptx
Diagrama de Pareto.pptxDiagrama de Pareto.pptx
Diagrama de Pareto.pptx
JonasDias35
 
GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20
GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20
GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20
Jefferson Affonso - PMP®, ITIL®, MCTS®, MBA
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
Romário Mota
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
Bruno Barros
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
Itamar Pereira Rezende
 
Ferramentas da Qualidadeeeeeeeeeeeeeeeee
Ferramentas da QualidadeeeeeeeeeeeeeeeeeFerramentas da Qualidadeeeeeeeeeeeeeeeee
Ferramentas da Qualidadeeeeeeeeeeeeeeeee
raulmeirelesgpa
 
Examples of lean six sigma applied to IT management
Examples of lean six sigma applied to IT managementExamples of lean six sigma applied to IT management
Examples of lean six sigma applied to IT management
jlkugler
 
Carta de Controle - André.pptx
Carta de Controle - André.pptxCarta de Controle - André.pptx
Carta de Controle - André.pptx
CassioPereiradePaula2
 

Semelhante a Ferramentas da qualidade 2.pptx (20)

Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Qualidade das Ferramentas modelo ABC ppt
Qualidade das Ferramentas modelo ABC pptQualidade das Ferramentas modelo ABC ppt
Qualidade das Ferramentas modelo ABC ppt
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
 
4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt
 
Visualização de Dados - Aula 1
Visualização de Dados - Aula 1Visualização de Dados - Aula 1
Visualização de Dados - Aula 1
 
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
 
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1Aula 7   - MASP -  ferramentas da qualidade - 2019-1
Aula 7 - MASP - ferramentas da qualidade - 2019-1
 
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade 7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Diagrama de Pareto.pptx
Diagrama de Pareto.pptxDiagrama de Pareto.pptx
Diagrama de Pareto.pptx
 
GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20
GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20
GP4US - Diagrama de Pareto - Regra dos 80x20
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
 
9 7 ferramentas-qualidade
9   7 ferramentas-qualidade9   7 ferramentas-qualidade
9 7 ferramentas-qualidade
 
Ferramentas da Qualidadeeeeeeeeeeeeeeeee
Ferramentas da QualidadeeeeeeeeeeeeeeeeeFerramentas da Qualidadeeeeeeeeeeeeeeeee
Ferramentas da Qualidadeeeeeeeeeeeeeeeee
 
Examples of lean six sigma applied to IT management
Examples of lean six sigma applied to IT managementExamples of lean six sigma applied to IT management
Examples of lean six sigma applied to IT management
 
Carta de Controle - André.pptx
Carta de Controle - André.pptxCarta de Controle - André.pptx
Carta de Controle - André.pptx
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Ferramentas da qualidade 2.pptx

  • 2. 2 Ferramentas da qualidade  Sete Ferramentas Básicas  Diagrama de Ishikawa (causa-e-efeito)  Lista de verificação  Cartas de controle  Histograma  Diagrama de Pareto  Diagrama de dispersão  Fluxograma
  • 3. PDCA 1. Identificação fluxograma  2 e 3 : Brainstorm, Ishikawa, 5 porques, folha de verificação 4. Plano de ação 3
  • 4. Folha de Verificação  Formulário no qual os itens a serem verificados para a observação do problema já estão impressos, com o objetivo de facilitar a coleta e o registro dos dados.  O tipo de Folha de Verificação a ser utilizado depende do objetivo da coleta de dados. 4
  • 8. Fluxograma  Descreve processos  Símbolos usados no desenho de um fluxograma são padronizados  Facilidade em compreender o funcionamento do processo. 8
  • 9. Início/fim do processo Atividade a ser executada Ponto de tomada de decisão Direção do fluxo Documento utilizado no processo Indica espera/atraso Indica continuidade desse ponto em outro círculo, com mesma letra/número Fluxograma
  • 10. Fluxograma  Faça as seguintes perguntas:  O que faz esse processo iniciar?  Quais são as etapas após o início do processo até chegar ao seu fim? Pense sobre cada atividade que é realizada, liste cada uma delas em um rascunho. 10
  • 11. Fluxograma  Quando for analisar as atividades:  ação/tarefa (Exemplo: comprar material)?  revisão (Exemplo: revisar informações do cadastro)?  aprovação (Exemplo: aprovar compra de material)?  espera (Exemplo: aguardar 5 dias e encerrar orçamento)?  um registro (Registrar no ERP)? 11
  • 12. Fluxograma  Dica 1: utilize nomes no infinitivo  Dica 2: explore e utilize vários ícones  Dica 3: não esqueça dos eventos de início e fim  Passo 4: Estabelecer ligação (correta) entre as atividades  Passo 5: Garantir o entendimento 12
  • 13. Fluxograma 13 Início Perguntar pedido Registrar pedidos no Computador e Informar valor Total Forma de Pagamento Dinheiro Conferir o valor, dar o troco, se necessário. Cartão Perguntar se o pagamento será via Crédito, Débito ou Sodexho Inserir o cartão e efetuar pagamento conforme instrução “Cartão” Indicar onde retirar pedido. Imprimir Pedido e entregá-lo ao Cliente.
  • 14. Fluxograma  Adequação ao uso  Design  Ligação entre as atividades  Começo e fim 14
  • 15. Atividade de Conexão 2  Desenhar o fluxograma do processo de produção do suco de maça  Lista de verificação do processo de limpeza do suco  José, dono do lava rápido “Lave bem”, procura sempre atender bem aos seus clientes. Ele tem notado que muitas vezes, o padrão de acabamento dos carros varia, o que tem gerado algumas reclamações. Visando solucionar este problema, José contratou uma consultoria, para mapear o processo de lavagem dos veículos. 15
  • 16. 16 Princípio de Pareto  O que é:  Técnica que separa os poucos problemas vitais dos muitos triviais 20% de fatores 80% de impacto 20% de impacto 80% de fatores
  • 17. 17 Princípio de Pareto Por que usar Diagrama de Pareto? Pois identificando-se as “poucas causas vitais” dos “poucos problemas vitais” de uma empresa possível focar na solução dessas causas eliminar quase todas as perdas com um pequeno número de ações
  • 18. 18 Gráfico de Pareto  O gráfico de Pareto é um gráfico de barras verticais que tem como objetivo:  Dividir um problema grande em um grande número de problemas menores;  Priorizar os problemas (poucos vitais);  Estabelecer metas viáveis de serem alcançadas; O Princípio de Pareto estabelece que os problemas podem ser classificados em duas categorias: os “poucos vitais” e os “muitos triviais”
  • 19. Gráfico de Pareto 19 0 100 200 300 400 500 600 700 800 900 Defeito Frequência 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Percentual Número defeitos 850 340 200 184 89 80 Acumulada % 48,8 68,3 79,7 90,3 95,4 100 Canal obstruído Ponto Canal Puxado Serrilhado Porosidade Outros
  • 20. Etapas para a construção de um GP 20 Tipo de defeito Freqüência Total acumulado % do total geral % acumulado Coloração Volume Prazo entrega Precipitação Sem efeito Outros TOTAL 13 40 32 11 17 13 40 72 89 102 113 126 10,3 31,8 25,4 13,5 10,3 31,8 57,2 70,7 81,0 89,7 100,0 126 100 8,7
  • 21. Notas sobre os Gráficos de Pareto  Em Paretos sobre Causas de problemas:  Se não aparecerem diferenças claras, reagrupe os dados!!! • Exemplos: turno, máquina, operador, etc. Seja criativo!!!! 21
  • 22. Notas sobre os Gráficos de Pareto  Se a categoria outros apresentar uma freqüência elevada, significa que as categorias não foram classificadas de forma adequada  A comparação dos GP “antes” e “depois” permite a avaliação do impacto de mudanças efetuadas 22
  • 23. Custo dos defeitos Principais defeitos Nº de embalagens defeituosas Custo por unidade defeituosa Custo do defeito Números trocados 28 0,05 1,40 Caracteres errados 28 0,05 1,40 Amassado 4 1,00 4,00 Perfurado 3 0,05 0,15 Impressão ilegível 2 0,05 0,10 Rasgado 2 1,00 2,00 Outros 1 0,05 0,05 Total 68 Principais defeitos Custo do defeito Amassado 4,00 Rasgado 2,00 Números trocados 1,40 Caracteres errados 1,40 Perfurado 0,15 Impressão ilegível 0,10 Outros 0,05 23
  • 24. Gráfico de Pareto  Construa o gráfico de Pareto de custos 24 Tipo de defeitos Frequência Custo unitário Riscos 30 15 Picadas 20 15 Deformação 10 60 Descoloração 10 30 Dimensão errada 15 60
  • 25. Carta de Controle  Dois tipos de limite:  Limites de especificação (LE) órgão regulador (Inmetro) ou cliente  Limites de controle: indica o desempenho do processo  Controle de Variáveis : como dimensões ou peso (instrumentos de medida, medias e amplitudes)  Controle de Atributos : como riscos ou manchas em uma pintura 25
  • 27. Causas das variações  Tipo de Matéria Prima: Aço (dureza variável)  Ajuste das máquinas: Maquina de costura (tensão na linha);  Temperatura ambiente: Fundição em molde  Umidade do ar: Doces comerciais (ponto do produto)  Desgaste natural das máquinas: Pastilhas de usinagem  Troca de turnos: ????  Habilidade e experiência do operador 27
  • 28. Tipos de variações  Causas naturais : aleatórias e inevitáveis  Causas especiais: Identificáveis para correção  Processo Sob controle/ Processo fora de controle  Intervalo de variação/ localizar as causas especiais 28
  • 29. Interpretação da carta de controle  Pontos fora do limite ou outro padrão de não aleatoriedade  causa especial ocorrendo.  Identificar e corrigir causas especiais, calcular novos limites até que nenhum padrão de não aleatoriedade seja encontrado. 29
  • 30. Interpretação da carta de controle  norma ISO 8258 – Shewhart Control Charts 30
  • 31. Interpretação da carta de controle a) 1 ou mais pontos acima do LSC ou abaixo do LIC; b) 9 pontos consecutivos na zona C / mesmo lado do LC; c) 6 pontos cons., todos aumentando ou todos diminuindo; d) 14 pontos cons. alternando para cima e para baixo; 31
  • 32. Interpretação da carta de controle  e) 2 de 3 pontos consecutivos na zona A ou além dela;  f) 4 de 5 pontos consecutivos na zona B ou além dela;  g) 15 pontos consecutivos na zona C (tanto acima quanto abaixo do LC);  h) 8 pontos consecutivos na zona B. 32
  • 33. Histograma Os Histogramas servem para mostrar a freqüência com que algo acontece. Por exemplo, se fosse necessário mostrar de forma gráfica a distribuição de altura dos estudantes da faculdade apresentado. N0 Altura (m) Quantidade de Alunos 1 1,45 |– 1,50 13 2 1,50 |– 1,55 33 3 1,55 |– 1,60 84 4 1,60 |– 1,65 76 5 1,65 |– 1,70 147 6 1,70 |– 1,75 231 7 1,75 |– 1,80 95 8 1,80 |– 1,85 73 9 1,85 |– 1,90 23 10 1,90 |– 1,95 27 33
  • 35. Como montar um Histograma 1,85 1,89 1,79 1,69 1,86 1,65 1,65 1,69 1,62 1,72 1,92 1,99 1,82 1,83 1,68 1,47 1,70 1,53 1,71 1,63 1,90 1,59 1,79 1,48 1,69 1,76 1,51 1,70 1,64 1,55 1,85 1,60 1,81 1,68 1,60 1,71 1,68 1,77 1,72 1,76 1,82 1,93 1,80 1,77 1,76 1,62 1,73 1,63 1,75 1,55 1,78 1,78 1,79 1,72 1,71 1. Determinação da amostra 2. Cálculo da amplitude (R) 3. Escolha do número de classes (K) 7 4. Cálculo do intervalo da classes (H) 5. Cálculo dos extremos da primeira classe 6. Cálculo dos limites das outras classes 35
  • 36. Diagrama de Correlação Serve para mostrar o que acontece com uma variável quando a outra se altera, e ajuda a verificar se as duas variáveis que estão sendo estudadas possuem alguma relação entre si. Amostra de idade, peso e altura 1 – Idade e peso 2 – peso e altura 3 – Idade e altura Idade Peso Altura Idade Peso Altura 17 50 1.50 37 52 1.55 18 55 1.58 41 95 1.90 20 72 1.62 28 62 1.65 25 62 1.65 19 79 1.82 17 70 1.71 4 85 1.82 38 83 1.72 74 79 1.90 54 80 1.78 58 85 1.90 64 72 1.80 60 89 2.00 36
  • 37. Referencias  Notas de aula - Peinado, J: Acesso em : http://paginapessoal.utfpr.edu.br/jurandirpeinado/arq uivos- producao/Controle%20Estatistico%20de%20Process o%20-%20CEP.ppt/at_download/file, 17/09/2020  7 ferramentas basicas da qualidade: https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id =2306852  Ferreira, L. Londrina, Gerenciamento e controle de qualidade : Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016. 252 p. 37