SlideShare uma empresa Scribd logo
AS FUNÇÕES MUDAM NO
FATURAMENTO HOSPITALAR
AS FUNÇÕES MUDAM NO
FATURAMENTO HOSPITALAR
O QUE MUDOU?
Como é feita a montagem da fatura, quem faz essa montagem e os recursos utilizados. Por quê?
Antes quem lançava o consumo (os itens que aparecem na fatura), alterava, incluía e/ou excluía,
era o Faturista/Auditor porque detinha o conhecimento das regras e critérios de cobrança, ou seja,
quem sabia do que pode ser ou não cobrado na fatura, na verdade era o Faturista/Auditor que
realizava a montagem da conta. E os recursos utilizados eram as tabelas, os contratos, planilhas,
formulários, etc.
E HOJE QUEM FAZ A FATURA?
Os Médicos – ao prescrever no Prontuário Eletrônico, ele já seleciona a medicação padronizada pela
empresa e a disponível naquele momento.Tudo de acordo com as regras acordadas comercialmente
entre o Hospital e a empresa que contratou seus serviços, ou seja, o contraste Empresa do Plano
de Saúde, a Empresa de Gestão de Saúde e o Paciente quando Particular.
A Farmácia – que dispensa de acordo com a prescrição e esta ao confirmar a medicação x horário
realiza o controle de saída do seu estoque.
A Enfermagem – que ao receber da Farmácia e administrar no paciente registra sua checagem x
horário e realiza o controle de entrada do consumo na conta do cliente de saúde.
A Recepção – que ao cadastrar os dados do cliente de saúde informa o procedimento liberado pela
empresa contratante, senha, entre outros.
COM QUE RECURSOS?
Através do uso de softwares hospitalares e equipamentos interligados aos softwares, bancos de
dados interligados entre empresas de Planos e Gestão de Saúde, disponíveis nas Unidades de
Serviços, com todas as regras e critérios acordados contratualmente.
POR QUE DA TRANSFORMAÇÃO?
Porque hoje quem executa deve conhecer para poder fazer, deve não só saber fazer como informar
o que fez e tudo no momento da realização, ou seja, em tempo real. Toda essa transformação por
causa da evolução nas áreas de “capacitação” e “tecnologia”.
E O QUE O FATURAMENTO FAZ?
O real papel do Faturamento é somar as Faturas, ou melhor, juntar as faturas obtendo o valor para
envio eletrônico e, em curto tempo, ainda, a entrega nas empresas de Planos de Saúde ou Gestão
de Saúde.
Para melhor entendimento vamos esclarecer:
Primeiramente precisamos saber o que é Fatura. Fatura “É um documento comercial que
representa a venda para clientes”. Em segundo lugar precisamos saber o que é Faturamento.
Faturamento “É a soma dos valores das faturas emitidas em determinado período comercial”.
Bem, assim sendo, sabemos que quem faz a fatura é quem realiza o serviço, ou seja, o “vendedor
de serviço”, nos serviços de saúde o Médico, a Enfermagem, o Auxiliar Técnico, o Recepcionista e
outros. Agora fica claro que o Faturamento não faz a fatura e sim a soma delas.
Com esse modelo, não requer a grande quantidade de pessoas existentes hoje no Faturamento e aí
sim, essas pessoas saem ou passam a exercer outras funções. Funções mais importantes até que a
de Faturista. Até porque, devido a alta tecnologia hoje utilizada nos Hospitais a soma dos valores
das faturas deixa de ser feitas apenas nas vésperas da entrega e passam a ser feitas diariamente,
como qualquer outra empresa como, indústria, comércio e serviços que não de saúde, igualmente
aos cartões de débito ou crédito.
MAS QUE FUNÇÕES SERIAM ESSAS?
Com a informatização de todos os serviços é necessário que “em tempo real” todos os critérios,
regras e valores estejam devidamente corretos nos softwares hospitalares. Para isso com a grande
necessidade de pulverizar o “conhecimento” para todos os setores e conseqüentemente pessoas,
não mais apenas em um setor “Faturamento”, aquele Faturista/Auditor passa a assumir o papel de
“instrutor/facilitador” e/ou “auditor”.
O QUE FAZ UM INSTRUTOR?
“Planejam e desenvolve situações de ensino e aprendizagem voltada para a qualificação
profissional”, ou seja, o Instrutor treina e auxilia outros profissionais que necessitem de
conhecimentos ou aprimoramentos.
O QUE FAZ UM AUDITOR?
Como Auditor Enfermeiro “Prestam assistência ao paciente e/ou cliente; coordenam, planejam
ações para promoção da saúde junto à comunidade”
Como Auditor Interno “...avaliar controles internos, verificar o cumprimento de normas, analisar
possíveis conseqüências das falhas, elaborar relatório com recomendação, participar na elaboração
das normas internas, prestar assessoramento aos setores de controles internos, emitir parecer...”
Bem, agora, é só “botar pra fazer” e boa sorte.
Jedida Lima
Consultora B&R
Jedida.lima@berconsultoria.com.br
Contato
Av. Visconde de Albuquerque, 603
Madalena - Recife - PE CEP: 50610-090
Fone: (81) 3227-1699 - Fone: (81) 3226-5194
www.berconsultoria.com.br
contato@berconsultoria.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
Amanda Thomé
 
2ª aula origem e evolução da farmácia
2ª aula   origem e evolução da farmácia2ª aula   origem e evolução da farmácia
2ª aula origem e evolução da farmácia
Claudio Luis Venturini
 
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptxComunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
indriuks
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Ana Hollanders
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Cap 1 secretariado
Cap 1 secretariadoCap 1 secretariado
Cap 1 secretariado
Graphic Designer
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
ÊXITO Marketing
 
A importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagemA importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagem
grazy luz
 
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde BrasileiroO Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
loirissimavivi
 
Sistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeSistema Português de Qualidade
Sistema Português de Qualidade
I.Braz Slideshares
 
Qualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesQualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definições
I.Braz Slideshares
 
Atendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaAtendente de Farmácia
Atendente de Farmácia
Jade Oliveira
 
Secretariado - Aula 1
Secretariado - Aula 1Secretariado - Aula 1
Secretariado - Aula 1
Professor Cristiano Barreto
 
Recepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicas
Recepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicasRecepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicas
Recepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicas
Luh Soares
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Aula 8 atendimento ao cliente
Aula 8   atendimento ao clienteAula 8   atendimento ao cliente
Aula 8 atendimento ao cliente
Luiz Siles
 
Apostila assistente administrativo
Apostila assistente administrativoApostila assistente administrativo
Apostila assistente administrativo
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapiaNutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
KetlenBatista
 

Mais procurados (20)

ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
 
2ª aula origem e evolução da farmácia
2ª aula   origem e evolução da farmácia2ª aula   origem e evolução da farmácia
2ª aula origem e evolução da farmácia
 
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptxComunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Cap 1 secretariado
Cap 1 secretariadoCap 1 secretariado
Cap 1 secretariado
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
 
A importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagemA importância da informática na enfermagem
A importância da informática na enfermagem
 
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde BrasileiroO Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
 
Sistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeSistema Português de Qualidade
Sistema Português de Qualidade
 
Qualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesQualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definições
 
Atendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaAtendente de Farmácia
Atendente de Farmácia
 
Secretariado - Aula 1
Secretariado - Aula 1Secretariado - Aula 1
Secretariado - Aula 1
 
Recepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicas
Recepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicasRecepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicas
Recepcionista, atendimento em hospitais e clínicas médicas
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Aula 8 atendimento ao cliente
Aula 8   atendimento ao clienteAula 8   atendimento ao cliente
Aula 8 atendimento ao cliente
 
Apostila assistente administrativo
Apostila assistente administrativoApostila assistente administrativo
Apostila assistente administrativo
 
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapiaNutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
 

Destaque

Manual prático do faturista – 1ª edição
Manual prático do faturista – 1ª edição Manual prático do faturista – 1ª edição
Manual prático do faturista – 1ª edição
IOB News
 
Implantação Faturamento em Tempo Real Hospital Memorial
Implantação Faturamento em Tempo Real Hospital MemorialImplantação Faturamento em Tempo Real Hospital Memorial
Implantação Faturamento em Tempo Real Hospital Memorial
B&R Consultoria Empresarial
 
Processos de faturamento na recepção.
Processos de faturamento na recepção.Processos de faturamento na recepção.
Processos de faturamento na recepção.
B&R Consultoria Empresarial
 
Manual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-Store
Manual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-StoreManual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-Store
Manual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-Store
IOB News
 
Guia do Faturista 2ª ed. | IOB e-Store
Guia do Faturista 2ª ed. | IOB e-StoreGuia do Faturista 2ª ed. | IOB e-Store
Guia do Faturista 2ª ed. | IOB e-Store
IOB News
 
Fluxos de informação hospitalar
Fluxos de informação hospitalarFluxos de informação hospitalar
Fluxos de informação hospitalar
Antonio Artur de Souza
 
Saúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardoso
Saúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardosoSaúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardoso
Saúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardoso
Joaquim Wilmar
 
Amb92 ciefas2000
Amb92 ciefas2000Amb92 ciefas2000
Amb92 ciefas2000
Joaquim Wilmar
 
Amb92
Amb92Amb92
02 aulas de-auditoria_5
02 aulas de-auditoria_502 aulas de-auditoria_5
02 aulas de-auditoria_5
andressa bonn
 
Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015
Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015
Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015
Marcelo Amaral da Silva
 
Manual de oncologia 2014
Manual de oncologia 2014Manual de oncologia 2014
Manual de oncologia 2014
Juninho Spina
 
Planos de Saúde
Planos de SaúdePlanos de Saúde
Planos de Saúde
Caetano Caldas
 
Acionamento de máquinas elétricas richard stephan
Acionamento de máquinas elétricas   richard stephanAcionamento de máquinas elétricas   richard stephan
Acionamento de máquinas elétricas richard stephan
Samuel Leite
 
Classificação Brasileira Procedimentos Médicos
Classificação Brasileira Procedimentos MédicosClassificação Brasileira Procedimentos Médicos
Classificação Brasileira Procedimentos Médicos
Rodrigo Calado
 
SIA/SUS- Oncologia 2008
SIA/SUS- Oncologia 2008SIA/SUS- Oncologia 2008
SIA/SUS- Oncologia 2008
Laryssasampaio
 
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e MultiprofissionalMais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Ministério da Saúde
 
Tabela clinica geral METLIFE
Tabela   clinica geral METLIFETabela   clinica geral METLIFE
Tabela clinica geral METLIFE
Rede Ortolife
 
Os 100 maiores economistas
Os 100 maiores economistas Os 100 maiores economistas
Os 100 maiores economistas
Bongane Duvane
 
Máquina indução
Máquina induçãoMáquina indução
Máquina indução
Claudio Arkan
 

Destaque (20)

Manual prático do faturista – 1ª edição
Manual prático do faturista – 1ª edição Manual prático do faturista – 1ª edição
Manual prático do faturista – 1ª edição
 
Implantação Faturamento em Tempo Real Hospital Memorial
Implantação Faturamento em Tempo Real Hospital MemorialImplantação Faturamento em Tempo Real Hospital Memorial
Implantação Faturamento em Tempo Real Hospital Memorial
 
Processos de faturamento na recepção.
Processos de faturamento na recepção.Processos de faturamento na recepção.
Processos de faturamento na recepção.
 
Manual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-Store
Manual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-StoreManual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-Store
Manual Prático do Faturista - 2ª Ed. - IOB e-Store
 
Guia do Faturista 2ª ed. | IOB e-Store
Guia do Faturista 2ª ed. | IOB e-StoreGuia do Faturista 2ª ed. | IOB e-Store
Guia do Faturista 2ª ed. | IOB e-Store
 
Fluxos de informação hospitalar
Fluxos de informação hospitalarFluxos de informação hospitalar
Fluxos de informação hospitalar
 
Saúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardoso
Saúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardosoSaúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardoso
Saúde suplementar tendências regulação_desafios_oportunidades_alfredo cardoso
 
Amb92 ciefas2000
Amb92 ciefas2000Amb92 ciefas2000
Amb92 ciefas2000
 
Amb92
Amb92Amb92
Amb92
 
02 aulas de-auditoria_5
02 aulas de-auditoria_502 aulas de-auditoria_5
02 aulas de-auditoria_5
 
Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015
Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015
Currículo Marcelo Amaral da Silva - 2015
 
Manual de oncologia 2014
Manual de oncologia 2014Manual de oncologia 2014
Manual de oncologia 2014
 
Planos de Saúde
Planos de SaúdePlanos de Saúde
Planos de Saúde
 
Acionamento de máquinas elétricas richard stephan
Acionamento de máquinas elétricas   richard stephanAcionamento de máquinas elétricas   richard stephan
Acionamento de máquinas elétricas richard stephan
 
Classificação Brasileira Procedimentos Médicos
Classificação Brasileira Procedimentos MédicosClassificação Brasileira Procedimentos Médicos
Classificação Brasileira Procedimentos Médicos
 
SIA/SUS- Oncologia 2008
SIA/SUS- Oncologia 2008SIA/SUS- Oncologia 2008
SIA/SUS- Oncologia 2008
 
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e MultiprofissionalMais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
Mais Médicos: Expansão da Residência Médica e Multiprofissional
 
Tabela clinica geral METLIFE
Tabela   clinica geral METLIFETabela   clinica geral METLIFE
Tabela clinica geral METLIFE
 
Os 100 maiores economistas
Os 100 maiores economistas Os 100 maiores economistas
Os 100 maiores economistas
 
Máquina indução
Máquina induçãoMáquina indução
Máquina indução
 

Semelhante a Faturamento Hospitalar

Gestão de custos nos serviços de saúde
Gestão de custos nos serviços de saúdeGestão de custos nos serviços de saúde
Gestão de custos nos serviços de saúde
B&R Consultoria Empresarial
 
Faturamento em Tempo Real
Faturamento em Tempo RealFaturamento em Tempo Real
Faturamento em Tempo Real
B&R Consultoria Empresarial
 
Globalsoft Produtos Saúde
Globalsoft Produtos SaúdeGlobalsoft Produtos Saúde
Globalsoft Produtos Saúde
Ruben Silva
 
Indicadores Processos Faturamento
Indicadores Processos FaturamentoIndicadores Processos Faturamento
Indicadores Processos Faturamento
B&R Consultoria Empresarial
 
Como organizar uma clinica medica.pdf
Como organizar uma clinica medica.pdfComo organizar uma clinica medica.pdf
Como organizar uma clinica medica.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
03 regulação auditoria
03 regulação auditoria03 regulação auditoria
03 regulação auditoria
andressa bonn
 
Recepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptx
Recepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptxRecepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptx
Recepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptx
cleitonvelosoenf
 
fsfsfsfs
fsfsfsfsfsfsfsfs
fsfsfsfs
boreiajr
 
Faturamento para Recepção
Faturamento para RecepçãoFaturamento para Recepção
Faturamento para Recepção
B&R Consultoria Empresarial
 
Guia básico-planejamento-financeiro (1)
Guia básico-planejamento-financeiro (1)Guia básico-planejamento-financeiro (1)
Guia básico-planejamento-financeiro (1)
fladangelo
 
PI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TI
PI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TIPI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TI
PI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TI
Nilo Basílio
 
Apresentação de Trabalho
Apresentação de TrabalhoApresentação de Trabalho
Apresentação de Trabalho
Anderson Villela Produções
 
contabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdfcontabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdf
SolicitaoClnica
 
Sistemas para saúde 04
Sistemas para saúde 04Sistemas para saúde 04
Sistemas para saúde 04
Armando Camargo Filho
 
Consultoria de gesta de clinicas medicas.pdf
Consultoria de gesta de clinicas medicas.pdfConsultoria de gesta de clinicas medicas.pdf
Consultoria de gesta de clinicas medicas.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica
5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica
5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Petic Plamed Final
Petic Plamed FinalPetic Plamed Final
Petic Plamed Final
Hugo Souza
 
Petic Plamed Final
Petic Plamed FinalPetic Plamed Final
Petic Plamed Final
Hugo Souza
 

Semelhante a Faturamento Hospitalar (18)

Gestão de custos nos serviços de saúde
Gestão de custos nos serviços de saúdeGestão de custos nos serviços de saúde
Gestão de custos nos serviços de saúde
 
Faturamento em Tempo Real
Faturamento em Tempo RealFaturamento em Tempo Real
Faturamento em Tempo Real
 
Globalsoft Produtos Saúde
Globalsoft Produtos SaúdeGlobalsoft Produtos Saúde
Globalsoft Produtos Saúde
 
Indicadores Processos Faturamento
Indicadores Processos FaturamentoIndicadores Processos Faturamento
Indicadores Processos Faturamento
 
Como organizar uma clinica medica.pdf
Como organizar uma clinica medica.pdfComo organizar uma clinica medica.pdf
Como organizar uma clinica medica.pdf
 
03 regulação auditoria
03 regulação auditoria03 regulação auditoria
03 regulação auditoria
 
Recepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptx
Recepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptxRecepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptx
Recepcionista e atendente em saúde médico-odontológico.pptx
 
fsfsfsfs
fsfsfsfsfsfsfsfs
fsfsfsfs
 
Faturamento para Recepção
Faturamento para RecepçãoFaturamento para Recepção
Faturamento para Recepção
 
Guia básico-planejamento-financeiro (1)
Guia básico-planejamento-financeiro (1)Guia básico-planejamento-financeiro (1)
Guia básico-planejamento-financeiro (1)
 
PI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TI
PI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TIPI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TI
PI II - CONCEPCAO DE SERVICOS DE TI
 
Apresentação de Trabalho
Apresentação de TrabalhoApresentação de Trabalho
Apresentação de Trabalho
 
contabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdfcontabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdf
 
Sistemas para saúde 04
Sistemas para saúde 04Sistemas para saúde 04
Sistemas para saúde 04
 
Consultoria de gesta de clinicas medicas.pdf
Consultoria de gesta de clinicas medicas.pdfConsultoria de gesta de clinicas medicas.pdf
Consultoria de gesta de clinicas medicas.pdf
 
5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica
5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica
5 indicadores financeiros para voce acompanhar na sua clinica
 
Petic Plamed Final
Petic Plamed FinalPetic Plamed Final
Petic Plamed Final
 
Petic Plamed Final
Petic Plamed FinalPetic Plamed Final
Petic Plamed Final
 

Mais de B&R Consultoria Empresarial

Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...
Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...
Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...
B&R Consultoria Empresarial
 
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiarCapital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
B&R Consultoria Empresarial
 
A gastança de dinheiro público
A gastança de dinheiro públicoA gastança de dinheiro público
A gastança de dinheiro público
B&R Consultoria Empresarial
 
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiarCapital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
B&R Consultoria Empresarial
 
Inovação
InovaçãoInovação
Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.
Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.
Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.
B&R Consultoria Empresarial
 
A sustentabilidade e a geração y
A sustentabilidade e a geração yA sustentabilidade e a geração y
A sustentabilidade e a geração y
B&R Consultoria Empresarial
 
Shopping center
Shopping centerShopping center
Construção e incorporação
Construção e incorporaçãoConstrução e incorporação
Construção e incorporação
B&R Consultoria Empresarial
 
Estoquesconsiderações
EstoquesconsideraçõesEstoquesconsiderações
Estoquesconsiderações
B&R Consultoria Empresarial
 
Roadmapping
RoadmappingRoadmapping
Novo modelo de aposentadoria
Novo modelo de aposentadoriaNovo modelo de aposentadoria
Novo modelo de aposentadoria
B&R Consultoria Empresarial
 
Ciclo de vida do produto
Ciclo de vida do produtoCiclo de vida do produto
Ciclo de vida do produto
B&R Consultoria Empresarial
 
O perfil do novo gestor
O perfil do novo gestorO perfil do novo gestor
O perfil do novo gestor
B&R Consultoria Empresarial
 
Implantação de Gestão Financeira / Clientes
Implantação de Gestão Financeira / ClientesImplantação de Gestão Financeira / Clientes
Implantação de Gestão Financeira / Clientes
B&R Consultoria Empresarial
 
Franchising
FranchisingFranchising
Hospitalidade
HospitalidadeHospitalidade
Complaciance
ComplacianceComplaciance
Hospital Med 2013
Hospital Med 2013Hospital Med 2013
Hospital Med 2013
B&R Consultoria Empresarial
 
Análise Estratégica
Análise Estratégica Análise Estratégica
Análise Estratégica
B&R Consultoria Empresarial
 

Mais de B&R Consultoria Empresarial (20)

Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...
Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...
Workshop - Acreditação hospitalar para pequenas e médias unidades de saúde – ...
 
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiarCapital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
 
A gastança de dinheiro público
A gastança de dinheiro públicoA gastança de dinheiro público
A gastança de dinheiro público
 
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiarCapital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
Capital intelectual o principal ativo de uma empresa familiar
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
 
Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.
Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.
Gol se prepara para lançar voo para Nigéria em outubro.
 
A sustentabilidade e a geração y
A sustentabilidade e a geração yA sustentabilidade e a geração y
A sustentabilidade e a geração y
 
Shopping center
Shopping centerShopping center
Shopping center
 
Construção e incorporação
Construção e incorporaçãoConstrução e incorporação
Construção e incorporação
 
Estoquesconsiderações
EstoquesconsideraçõesEstoquesconsiderações
Estoquesconsiderações
 
Roadmapping
RoadmappingRoadmapping
Roadmapping
 
Novo modelo de aposentadoria
Novo modelo de aposentadoriaNovo modelo de aposentadoria
Novo modelo de aposentadoria
 
Ciclo de vida do produto
Ciclo de vida do produtoCiclo de vida do produto
Ciclo de vida do produto
 
O perfil do novo gestor
O perfil do novo gestorO perfil do novo gestor
O perfil do novo gestor
 
Implantação de Gestão Financeira / Clientes
Implantação de Gestão Financeira / ClientesImplantação de Gestão Financeira / Clientes
Implantação de Gestão Financeira / Clientes
 
Franchising
FranchisingFranchising
Franchising
 
Hospitalidade
HospitalidadeHospitalidade
Hospitalidade
 
Complaciance
ComplacianceComplaciance
Complaciance
 
Hospital Med 2013
Hospital Med 2013Hospital Med 2013
Hospital Med 2013
 
Análise Estratégica
Análise Estratégica Análise Estratégica
Análise Estratégica
 

Faturamento Hospitalar

  • 1. AS FUNÇÕES MUDAM NO FATURAMENTO HOSPITALAR
  • 2. AS FUNÇÕES MUDAM NO FATURAMENTO HOSPITALAR O QUE MUDOU? Como é feita a montagem da fatura, quem faz essa montagem e os recursos utilizados. Por quê? Antes quem lançava o consumo (os itens que aparecem na fatura), alterava, incluía e/ou excluía, era o Faturista/Auditor porque detinha o conhecimento das regras e critérios de cobrança, ou seja, quem sabia do que pode ser ou não cobrado na fatura, na verdade era o Faturista/Auditor que realizava a montagem da conta. E os recursos utilizados eram as tabelas, os contratos, planilhas, formulários, etc. E HOJE QUEM FAZ A FATURA? Os Médicos – ao prescrever no Prontuário Eletrônico, ele já seleciona a medicação padronizada pela empresa e a disponível naquele momento.Tudo de acordo com as regras acordadas comercialmente entre o Hospital e a empresa que contratou seus serviços, ou seja, o contraste Empresa do Plano de Saúde, a Empresa de Gestão de Saúde e o Paciente quando Particular. A Farmácia – que dispensa de acordo com a prescrição e esta ao confirmar a medicação x horário realiza o controle de saída do seu estoque. A Enfermagem – que ao receber da Farmácia e administrar no paciente registra sua checagem x horário e realiza o controle de entrada do consumo na conta do cliente de saúde. A Recepção – que ao cadastrar os dados do cliente de saúde informa o procedimento liberado pela empresa contratante, senha, entre outros.
  • 3. COM QUE RECURSOS? Através do uso de softwares hospitalares e equipamentos interligados aos softwares, bancos de dados interligados entre empresas de Planos e Gestão de Saúde, disponíveis nas Unidades de Serviços, com todas as regras e critérios acordados contratualmente. POR QUE DA TRANSFORMAÇÃO? Porque hoje quem executa deve conhecer para poder fazer, deve não só saber fazer como informar o que fez e tudo no momento da realização, ou seja, em tempo real. Toda essa transformação por causa da evolução nas áreas de “capacitação” e “tecnologia”.
  • 4. E O QUE O FATURAMENTO FAZ? O real papel do Faturamento é somar as Faturas, ou melhor, juntar as faturas obtendo o valor para envio eletrônico e, em curto tempo, ainda, a entrega nas empresas de Planos de Saúde ou Gestão de Saúde. Para melhor entendimento vamos esclarecer: Primeiramente precisamos saber o que é Fatura. Fatura “É um documento comercial que representa a venda para clientes”. Em segundo lugar precisamos saber o que é Faturamento. Faturamento “É a soma dos valores das faturas emitidas em determinado período comercial”. Bem, assim sendo, sabemos que quem faz a fatura é quem realiza o serviço, ou seja, o “vendedor de serviço”, nos serviços de saúde o Médico, a Enfermagem, o Auxiliar Técnico, o Recepcionista e outros. Agora fica claro que o Faturamento não faz a fatura e sim a soma delas. Com esse modelo, não requer a grande quantidade de pessoas existentes hoje no Faturamento e aí sim, essas pessoas saem ou passam a exercer outras funções. Funções mais importantes até que a de Faturista. Até porque, devido a alta tecnologia hoje utilizada nos Hospitais a soma dos valores das faturas deixa de ser feitas apenas nas vésperas da entrega e passam a ser feitas diariamente, como qualquer outra empresa como, indústria, comércio e serviços que não de saúde, igualmente aos cartões de débito ou crédito.
  • 5. MAS QUE FUNÇÕES SERIAM ESSAS? Com a informatização de todos os serviços é necessário que “em tempo real” todos os critérios, regras e valores estejam devidamente corretos nos softwares hospitalares. Para isso com a grande necessidade de pulverizar o “conhecimento” para todos os setores e conseqüentemente pessoas, não mais apenas em um setor “Faturamento”, aquele Faturista/Auditor passa a assumir o papel de “instrutor/facilitador” e/ou “auditor”. O QUE FAZ UM INSTRUTOR? “Planejam e desenvolve situações de ensino e aprendizagem voltada para a qualificação profissional”, ou seja, o Instrutor treina e auxilia outros profissionais que necessitem de conhecimentos ou aprimoramentos. O QUE FAZ UM AUDITOR? Como Auditor Enfermeiro “Prestam assistência ao paciente e/ou cliente; coordenam, planejam ações para promoção da saúde junto à comunidade” Como Auditor Interno “...avaliar controles internos, verificar o cumprimento de normas, analisar possíveis conseqüências das falhas, elaborar relatório com recomendação, participar na elaboração das normas internas, prestar assessoramento aos setores de controles internos, emitir parecer...” Bem, agora, é só “botar pra fazer” e boa sorte. Jedida Lima Consultora B&R Jedida.lima@berconsultoria.com.br
  • 6. Contato Av. Visconde de Albuquerque, 603 Madalena - Recife - PE CEP: 50610-090 Fone: (81) 3227-1699 - Fone: (81) 3226-5194 www.berconsultoria.com.br contato@berconsultoria.com.br