SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia Jurídica
Aula 03
Direito – 2º período
Profª. Carolina Tetzner
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
- Quanto deve brilhar uma estrela para ser
vista?
- Qual deve ser a intensidade de um som
para ser ouvido?
- Qual deve ser a força de um toque para
ser sentido ?
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
Gustav Fechner – no início da década de 1850
interessou-se pela relação entre estímulo físico e
sensação. Examinava como os métodos científicos
poderiam aplicar-se ao estudo dos processos mentais.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
Gustav Fechner –
Conseguiu demonstrar com
precisão como procedimentos
experimentais e matemáticos
podiam ser usados para estudar a
mente.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
• Aproximadamente 30 anos depois ...
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
Wilhelm Wundt –
• Fundador da Psicologia Científica – 1º Laboratório de
psicologia experimental em Psicologia – 1879.
• Preconizava a Psicologia “sem alma”. O
conhecimento dito como científico é compreendido
como aquele produzido em laboratórios, com os uso
de instrumentos de observação e medição.
• Objeto: os processos elementares da consciência
(especialmente as experiências sensoriais), suas
combinações e relações com a estrutura do sistema
nervoso.
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
Psicologia do século XX
• As três mais importantes tendências teóricas
desse século:
Behaviorismo
Gestalt
Psicanálise
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
BEHAVIORISMO –
• Nasceu a partir de um movimento
desenvolvido por John Watson (1912);
• Os psicólogos deveriam estudar os eventos
ambientais (estímulos) e os comportamentos
observáveis (respostas);
• Aprender pela experiência é considerada a
principal influência sobre o comportamento,
sendo um tópico central de investigação.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
BEHAVIORISMO
• Watson – prever e controlar.
Comportamento Respondente
Um estímulo conhecido elicia uma resposta específica.
Ligado aos reflexos
Condicionamento Clássico
Eincondicionado Rincondicionada
Eincondicionado + RincondicionadaEneutro
Econdicionado Rcondicionada
Comida Salivação
Comida + SalivaçãoSineta
Sineta Salivação
Exemplo Clássico
O avanço de Behaviorismo se deu com
Skinner...
Skinner
Determinismo do meio: não há escolha pessoal ou
livre arbítrio.
BEHAVIORISMO RADICAL
Nega a existência da mente e
assemelhados.
O comportamento é, essencialmente, produto do
ambiente.
Para estudar o comportamento
Examinar como o comportamento se relaciona
a eventos antecedentes e suas conseqüências
A B C
Antecedentes
Comportamento
Conseqüência
Ver um carro Pedir uma esmola Ganhar uma moeda
Prova surpresa Colar Tirar zero
Comportamento Operante
Um comportamento operante é uma resposta que
opera no ambiente e modifica-o.
Tipos de conseqüências
Reforço Punição Ausência
(Extinção)
Positivo: Apresentação de estímulos
Reforço: aumenta a probabilidade da ocorrência da resposta.
Negativo: Retirada de estímulos
Boas notas no colégio Sorvete no fim de semana
aumenta a
probabilidade
Andar rápido Tirar uma pedra do sapato
aumenta a
probabilidade
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
BEHAVIORISMO
• Dominou a psicologia por 30 anos, da década de
1930 a 1960.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
GESTALT – Psicologia da Forma
• É um termo alemão de difícil compreensão. O termo
mais próximo em português seria forma ou
configuração, mas não é utilizado.
• É uma teoria que estuda como os seres humanos
percebem as coisas.
• Os três pesquisadores que marcaram essa corrente
teórica foram Max Wertheimer, Wolfgang Köhler e
Kurt Koffka. Eles embasaram nos estudos
psicofísicos – os quais relacionaram a forma e sua
percepção.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
GESTALT – Psicologia da Forma
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
GESTALT – Psicologia da Forma
• Eles iniciaram seus estudos pela percepção e
sensação do movimento. Buscavam entender quais
os processos psicológicos que estavam envolvidos na
ilusão ótica, quando o estímulo físico é percebido
pelo sujeito como uma forma diferente da que ele
tem na realidade.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
GESTALT – Psicologia da Forma
• A Percepção é o ponto de partida dessa teoria
• do Behaviorismo = E R
• Para a Psicologia da Gestalt = E R
• O que o indivíduo percebe e como ele percebe são
dados importantes para compreensão do seu
comportamento.
PROCESSO DE
PERCEPÇÃO
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
GESTALT – Psicologia da Forma
• Prega-se que nossa percepção na se dá por Pontos
Isolados e sim pela visão do Todo.
• “O todo é mais do que a soma das partes”: ao se
perceber um objeto há uma tendência de se
perceber a totalidade do objeto.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
A relação entre figura e fundo
A tendência da nossa percepção é de buscar a boa-forma isso
permite:
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
GESTALT – Psicologia da Forma
• A maneira como percebemos determinado
estímulo irá desencadear um determinado
comportamento.
ESCOLAS PSICÓLOGICAS
Psicanálise
• Enquanto teoria , caracteriza-se por um conjunto
de conhecimentos sistematizados sobre o
funcionamento da vida psíquica.
• Como método de investigação, caracteriza-se
pelo método interpretativo, que busca
significado oculto daquilo que é manifestado por
meio de ações e palavras, ou pelas produções
imaginárias, como sonhos, delírios, associações
livres, atos falhos...
Bock et al, 2009
• A prática profissional refere-se à forma de
tratamento – a análise - que busca o
autoconhecimento ou cura, que ocorre por
meio desse processo de investigação.
• O exercício da Psicanálise acontece em:
psicoterapias, aconselhamento, orientação,
aplicada ao trabalho de grupo, instituições,
(...)
Bock et l, 2009
Freud
• O fundador da psicanálise, na passagem do
séc. XIX para o séc. XX afirmava que ao
construir sua teoria não tinha a intenção de
criar convicções, mas, de derrubar teorias e
preconceitos.
Bock et al, 2009
• Sigmund Freud (1856-1939) foi um médico
vienense que alterou radicalmente seu modo de
pensar a vida psíquica.
• Ousou estudar regiões obscuras, “processos
misteriosos” no psiquismo, tal como sonhos,
esquecimentos, (...)
Bock et al, 2009
A descoberta do Inconsciente
• O esquecido era sempre algo penoso para o
individuo e era exatamente por isso que havia
sido esquecido. Mas penoso não significava ,
necessariamente algo ruim, mas algo bom que se
perdera.
Bock et al, 2009
A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE
• Resistência: força psíquica que se opunha a
tornar consciente, a revelar um pensamento.
• Repressão: o processo psíquico que visa
encobrir, fazer desaparecer da consciência, uma
ideia ou representação insuportável e dolorosa
que está na origem do sintoma.
• Inconsciente: onde se localizam esses conteúdos
psíquicos.
Bock et al, 2009
Teoria
• 1900, Freud apresenta a primeira concepção
sobre a estrutura psíquica e o funcionamento
psíquico, que se refere a existência de 3
instâncias/níveis da consciência:
- Inconsciente
- Pré-consciente
- Consciente
Bock et al, 2009
https://www.youtube.com/watch?v=Spof4dzs3L4
CONSCIENTE
• É o sistema do aparelho psíquico que recebe ao
mesmo tempo as informações do mundo exterior
e as do mundo interior.
• Na consciência, destaca-se o fenômeno da
percepção, principalmente a percepção do
mundo exterior, atenção, o raciocínio.
PRÉ-CONSCIENTE
• Refere-se ao sistema em que permanecem os
conteúdos acessíveis à consciência. É aquilo que
não está na consciência, mas, no momento
seguinte pode estar.
INCONSCIENTE
• É constituído por conteúdos reprimidos, que
não tem acesso aos sistemas pré-conscientes/
consciente, pela ação de censura interna.
• Esses conteúdos podem ter sido conscientes
um dia, mas, por terem sido reprimidos,
“foram” para o inconsciente.
• É atemporal, com leis próprias.
• Para Freud, a personalidade é composta por três
estruturas mentais:
Id Ego Superego
• Freud acreditava que cada estrutura reside,
completa ou parcialmente, no inconsciente, e cada
uma é responsável por um aspecto diferente da
personalidade.
ESTRUTURA DE PERSONALIDADE
• Presente desde o nascimento.
• É como uma criança – o id é maturo, impulsivo e
irracional.
• Operado pelo princípio do prazer – a procura
imediata e desinibida do prazer, e a fuga do
desconforto.
• Reside inteiramente no inconsciente.
ID
• Segunda parte da psique a desenvolver-se.
• Capacidade para planejar, resolver problemas,
raciocinar e controlar o id.
• Uma de sua principais tarefas é encontrar objetos
para satisfazer as necessidades do ID, de acordo
com a realidade (ambiente externo).
• Operado pelo princípio da realidade.
EGO
• Parte final da psique a desenvolver-se.
•Origina-se como parte do ego, mas separa-se deve
par agir com um sensor moral para a psique.
• É um conjunto de padrões éticos ou regras de
comportamento.
• Operado pelo princípio da moralidade.
SUPEREGO
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
norberto faria
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Neuroses
NeurosesNeuroses
Neuroses
UNICEP
 
Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
Gerusa Córdova
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
lucasvazdelima
 
Henri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lggHenri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lgg
Jamile Nascimento
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Winiccot
WiniccotWiniccot
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
Jonia Lacerda
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Martha Gislayne
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
Endriely Teodoro
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Carolina Pacheco
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Alexandre Simoes
 
Psicologia de Winnicott
Psicologia de WinnicottPsicologia de Winnicott
Psicologia de Winnicott
Milena Loures
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
psicologiaisecensa
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
Marcela Montalvão Teti
 
Resumos de Psicologia
Resumos de PsicologiaResumos de Psicologia
Resumos de Psicologia
Sergio Cabral
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
Adriana Alves Almeida
 

Mais procurados (20)

Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Neuroses
NeurosesNeuroses
Neuroses
 
Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
 
Henri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lggHenri wallon movimento psto_lgg
Henri wallon movimento psto_lgg
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Winiccot
WiniccotWiniccot
Winiccot
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
Psicologia de Winnicott
Psicologia de WinnicottPsicologia de Winnicott
Psicologia de Winnicott
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
Resumos de Psicologia
Resumos de PsicologiaResumos de Psicologia
Resumos de Psicologia
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 

Semelhante a Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03

Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
José Vitor Alves
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
Rovanildo Vieira Soares
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
guest277152fb
 
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano   m1 - evolução da psicologiaPsic 10º ano   m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
Jorge Machado
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
Manuela Santos
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
julilp10
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Psicologia Experimental
Psicologia ExperimentalPsicologia Experimental
Psicologia Experimental
Marcus Alves
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
alinerabelo31
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
rosariasperotto
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
psicologiaazambuja
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
Daniele Rubim
 
Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01
Milton Magnabosco
 
Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)
Kogen Gouveia
 

Semelhante a Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03 (20)

Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
 
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano   m1 - evolução da psicologiaPsic 10º ano   m1 - evolução da psicologia
Psic 10º ano m1 - evolução da psicologia
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicologia Experimental
Psicologia ExperimentalPsicologia Experimental
Psicologia Experimental
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01
 
Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
Jordano Santos Cerqueira
 
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Jordano Santos Cerqueira
 
Processo penal ii
Processo penal iiProcesso penal ii
Processo penal ii
Jordano Santos Cerqueira
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Jordano Santos Cerqueira
 
Processo penal 03 procedimentos
Processo penal 03   procedimentosProcesso penal 03   procedimentos
Processo penal 03 procedimentos
Jordano Santos Cerqueira
 
Processo penal 01 avisos processuais
Processo penal 01   avisos processuaisProcesso penal 01   avisos processuais
Processo penal 01 avisos processuais
Jordano Santos Cerqueira
 
Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01
Jordano Santos Cerqueira
 
Curso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte IICurso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte II
Jordano Santos Cerqueira
 
Curso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte ICurso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte I
Jordano Santos Cerqueira
 
Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2
Jordano Santos Cerqueira
 
Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3
Jordano Santos Cerqueira
 
Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1
Jordano Santos Cerqueira
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Jordano Santos Cerqueira
 
Direito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introduçãoDireito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introdução
Jordano Santos Cerqueira
 
Função Social da Propriedade
Função Social da PropriedadeFunção Social da Propriedade
Função Social da Propriedade
Jordano Santos Cerqueira
 
Direito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos BásicosDireito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos Básicos
Jordano Santos Cerqueira
 
Precedentes
PrecedentesPrecedentes
Internet
InternetInternet
Exercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinarioExercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinario
Jordano Santos Cerqueira
 
Agravo interno
Agravo internoAgravo interno
Agravo interno
Jordano Santos Cerqueira
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira (20)

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
 
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
 
Processo penal ii
Processo penal iiProcesso penal ii
Processo penal ii
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
 
Processo penal 03 procedimentos
Processo penal 03   procedimentosProcesso penal 03   procedimentos
Processo penal 03 procedimentos
 
Processo penal 01 avisos processuais
Processo penal 01   avisos processuaisProcesso penal 01   avisos processuais
Processo penal 01 avisos processuais
 
Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01
 
Curso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte IICurso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte II
 
Curso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte ICurso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte I
 
Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2
 
Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3
 
Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
 
Direito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introduçãoDireito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introdução
 
Função Social da Propriedade
Função Social da PropriedadeFunção Social da Propriedade
Função Social da Propriedade
 
Direito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos BásicosDireito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos Básicos
 
Precedentes
PrecedentesPrecedentes
Precedentes
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Exercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinarioExercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinario
 
Agravo interno
Agravo internoAgravo interno
Agravo interno
 

Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03

  • 1. Psicologia Jurídica Aula 03 Direito – 2º período Profª. Carolina Tetzner
  • 2. ESCOLAS PSICÓLOGICAS - Quanto deve brilhar uma estrela para ser vista? - Qual deve ser a intensidade de um som para ser ouvido? - Qual deve ser a força de um toque para ser sentido ? HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Gustav Fechner – no início da década de 1850 interessou-se pela relação entre estímulo físico e sensação. Examinava como os métodos científicos poderiam aplicar-se ao estudo dos processos mentais.
  • 3. ESCOLAS PSICÓLOGICAS HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Gustav Fechner – Conseguiu demonstrar com precisão como procedimentos experimentais e matemáticos podiam ser usados para estudar a mente.
  • 4. ESCOLAS PSICÓLOGICAS • Aproximadamente 30 anos depois ... HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
  • 5. ESCOLAS PSICÓLOGICAS Wilhelm Wundt – • Fundador da Psicologia Científica – 1º Laboratório de psicologia experimental em Psicologia – 1879. • Preconizava a Psicologia “sem alma”. O conhecimento dito como científico é compreendido como aquele produzido em laboratórios, com os uso de instrumentos de observação e medição. • Objeto: os processos elementares da consciência (especialmente as experiências sensoriais), suas combinações e relações com a estrutura do sistema nervoso. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
  • 6. ESCOLAS PSICÓLOGICAS Psicologia do século XX • As três mais importantes tendências teóricas desse século: Behaviorismo Gestalt Psicanálise
  • 7. ESCOLAS PSICÓLOGICAS BEHAVIORISMO – • Nasceu a partir de um movimento desenvolvido por John Watson (1912); • Os psicólogos deveriam estudar os eventos ambientais (estímulos) e os comportamentos observáveis (respostas); • Aprender pela experiência é considerada a principal influência sobre o comportamento, sendo um tópico central de investigação.
  • 9. Comportamento Respondente Um estímulo conhecido elicia uma resposta específica. Ligado aos reflexos Condicionamento Clássico Eincondicionado Rincondicionada Eincondicionado + RincondicionadaEneutro Econdicionado Rcondicionada
  • 10. Comida Salivação Comida + SalivaçãoSineta Sineta Salivação Exemplo Clássico
  • 11. O avanço de Behaviorismo se deu com Skinner...
  • 12. Skinner Determinismo do meio: não há escolha pessoal ou livre arbítrio. BEHAVIORISMO RADICAL Nega a existência da mente e assemelhados. O comportamento é, essencialmente, produto do ambiente.
  • 13. Para estudar o comportamento Examinar como o comportamento se relaciona a eventos antecedentes e suas conseqüências A B C Antecedentes Comportamento Conseqüência Ver um carro Pedir uma esmola Ganhar uma moeda Prova surpresa Colar Tirar zero
  • 14. Comportamento Operante Um comportamento operante é uma resposta que opera no ambiente e modifica-o. Tipos de conseqüências Reforço Punição Ausência (Extinção)
  • 15. Positivo: Apresentação de estímulos Reforço: aumenta a probabilidade da ocorrência da resposta. Negativo: Retirada de estímulos Boas notas no colégio Sorvete no fim de semana aumenta a probabilidade Andar rápido Tirar uma pedra do sapato aumenta a probabilidade
  • 16. ESCOLAS PSICÓLOGICAS BEHAVIORISMO • Dominou a psicologia por 30 anos, da década de 1930 a 1960.
  • 17. ESCOLAS PSICÓLOGICAS GESTALT – Psicologia da Forma • É um termo alemão de difícil compreensão. O termo mais próximo em português seria forma ou configuração, mas não é utilizado. • É uma teoria que estuda como os seres humanos percebem as coisas. • Os três pesquisadores que marcaram essa corrente teórica foram Max Wertheimer, Wolfgang Köhler e Kurt Koffka. Eles embasaram nos estudos psicofísicos – os quais relacionaram a forma e sua percepção.
  • 18. ESCOLAS PSICÓLOGICAS GESTALT – Psicologia da Forma
  • 19.
  • 20. ESCOLAS PSICÓLOGICAS GESTALT – Psicologia da Forma • Eles iniciaram seus estudos pela percepção e sensação do movimento. Buscavam entender quais os processos psicológicos que estavam envolvidos na ilusão ótica, quando o estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da que ele tem na realidade.
  • 21. ESCOLAS PSICÓLOGICAS GESTALT – Psicologia da Forma • A Percepção é o ponto de partida dessa teoria • do Behaviorismo = E R • Para a Psicologia da Gestalt = E R • O que o indivíduo percebe e como ele percebe são dados importantes para compreensão do seu comportamento. PROCESSO DE PERCEPÇÃO
  • 22.
  • 23. ESCOLAS PSICÓLOGICAS GESTALT – Psicologia da Forma • Prega-se que nossa percepção na se dá por Pontos Isolados e sim pela visão do Todo. • “O todo é mais do que a soma das partes”: ao se perceber um objeto há uma tendência de se perceber a totalidade do objeto.
  • 24. ESCOLAS PSICÓLOGICAS A relação entre figura e fundo A tendência da nossa percepção é de buscar a boa-forma isso permite:
  • 25. ESCOLAS PSICÓLOGICAS GESTALT – Psicologia da Forma • A maneira como percebemos determinado estímulo irá desencadear um determinado comportamento.
  • 26. ESCOLAS PSICÓLOGICAS Psicanálise • Enquanto teoria , caracteriza-se por um conjunto de conhecimentos sistematizados sobre o funcionamento da vida psíquica. • Como método de investigação, caracteriza-se pelo método interpretativo, que busca significado oculto daquilo que é manifestado por meio de ações e palavras, ou pelas produções imaginárias, como sonhos, delírios, associações livres, atos falhos... Bock et al, 2009
  • 27. • A prática profissional refere-se à forma de tratamento – a análise - que busca o autoconhecimento ou cura, que ocorre por meio desse processo de investigação. • O exercício da Psicanálise acontece em: psicoterapias, aconselhamento, orientação, aplicada ao trabalho de grupo, instituições, (...) Bock et l, 2009
  • 28. Freud • O fundador da psicanálise, na passagem do séc. XIX para o séc. XX afirmava que ao construir sua teoria não tinha a intenção de criar convicções, mas, de derrubar teorias e preconceitos. Bock et al, 2009
  • 29. • Sigmund Freud (1856-1939) foi um médico vienense que alterou radicalmente seu modo de pensar a vida psíquica. • Ousou estudar regiões obscuras, “processos misteriosos” no psiquismo, tal como sonhos, esquecimentos, (...) Bock et al, 2009
  • 30. A descoberta do Inconsciente • O esquecido era sempre algo penoso para o individuo e era exatamente por isso que havia sido esquecido. Mas penoso não significava , necessariamente algo ruim, mas algo bom que se perdera. Bock et al, 2009
  • 31. A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE • Resistência: força psíquica que se opunha a tornar consciente, a revelar um pensamento. • Repressão: o processo psíquico que visa encobrir, fazer desaparecer da consciência, uma ideia ou representação insuportável e dolorosa que está na origem do sintoma. • Inconsciente: onde se localizam esses conteúdos psíquicos. Bock et al, 2009
  • 32. Teoria • 1900, Freud apresenta a primeira concepção sobre a estrutura psíquica e o funcionamento psíquico, que se refere a existência de 3 instâncias/níveis da consciência: - Inconsciente - Pré-consciente - Consciente Bock et al, 2009
  • 34. CONSCIENTE • É o sistema do aparelho psíquico que recebe ao mesmo tempo as informações do mundo exterior e as do mundo interior. • Na consciência, destaca-se o fenômeno da percepção, principalmente a percepção do mundo exterior, atenção, o raciocínio.
  • 35. PRÉ-CONSCIENTE • Refere-se ao sistema em que permanecem os conteúdos acessíveis à consciência. É aquilo que não está na consciência, mas, no momento seguinte pode estar.
  • 36. INCONSCIENTE • É constituído por conteúdos reprimidos, que não tem acesso aos sistemas pré-conscientes/ consciente, pela ação de censura interna. • Esses conteúdos podem ter sido conscientes um dia, mas, por terem sido reprimidos, “foram” para o inconsciente. • É atemporal, com leis próprias.
  • 37. • Para Freud, a personalidade é composta por três estruturas mentais: Id Ego Superego • Freud acreditava que cada estrutura reside, completa ou parcialmente, no inconsciente, e cada uma é responsável por um aspecto diferente da personalidade. ESTRUTURA DE PERSONALIDADE
  • 38. • Presente desde o nascimento. • É como uma criança – o id é maturo, impulsivo e irracional. • Operado pelo princípio do prazer – a procura imediata e desinibida do prazer, e a fuga do desconforto. • Reside inteiramente no inconsciente. ID
  • 39. • Segunda parte da psique a desenvolver-se. • Capacidade para planejar, resolver problemas, raciocinar e controlar o id. • Uma de sua principais tarefas é encontrar objetos para satisfazer as necessidades do ID, de acordo com a realidade (ambiente externo). • Operado pelo princípio da realidade. EGO
  • 40. • Parte final da psique a desenvolver-se. •Origina-se como parte do ego, mas separa-se deve par agir com um sensor moral para a psique. • É um conjunto de padrões éticos ou regras de comportamento. • Operado pelo princípio da moralidade. SUPEREGO