SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia
Psicologia
• Psyché: Alma
Psicologia
• Logos: Razão
Estudo da alma
Psicologia é o estudo da mente e dos processos mentais,
comportamentos, desejos, percepção, motivação
Psicologia
• A psicologia é uma ciência jovem. Ela nasceu de uma
ciência-mãe, a Filosofia, que deu origem a muitas outras
ciências, como a Sociologia e a Matemática.
• Os filósofos antigos procuraram estudar o comportamento
do homem e dos animais de maneira não científica.
• A pré-história da Psicologia registra estudos do
comportamento humano, através da Astrologia,
Quiromancia, Grafologia, Fisiognomonia e o outros
Psicologia
• Astrologia • Quiromancia
• Fisiognomonia
Psicologia Experimental
• A psicologia experimental surge no século XIX em Leipzig
(alemanha) com Gilherme Wundt (pai da psicologia).
• Wundt utilizava aparelhos para medir os chamados
fenômenos psíquicos (sensações, vontades, percepções,
etc).
A psicologia experimental é aquela que defende que as
questões da psique podem ser estudadas através da
observação, da manipulação e do registo das variáveis que têm
influência no paciente. Trata-se, portanto, de recorrer ao
método experimental.
Psicologia Baseada em
Evidências.
• Relatada por Charles Darwin em 1859, na Inglaterra.
• Teoria baseada em Evolução das Espécies.
• Se você está caindo, é porque, na sua herança, isso
lembra o homem primitivo que dormia em cima de
árvores e frequentemente caia.
Psicologia Baseada em
Evidências.
• A teoria de Darwin dizia que os animais se adaptam ao
meio onde vivem para um melhor ajustamento.
Psicologia Baseada em
Evidências.
• O homem desenvolve processos psicológicos (emoção,
sensação e outros) para adaptar ao meio que vive.
Psicanálise
• Na década de 20, Sigmund Freud fundou a Psicanálise.
• Esta disciplina visa também analisar o comportamento
humano, decifrar a organização da mente e curar
doenças carentes de causas orgânicas
Três Posições Fundamentais
• Quando a psicologia se tornou ciência, três sistemas
principais ou escola surgiram
• Behaviorismo
• Psicologia de Gestalt
• Psicanálise
Behaviorismo (1913)
• O criador behaviorismo é John B. Watson (1878-1959)
• A palavra inglesa Behavior (to Behave) quer dizer
comportamento, conduta.
• Segundo essa teoria, o comportamento dos indivíduos
devem ser observados e medidos.
Behaviorismo
• O behaviorismo baseia-se no estudo do estímulo (S) e da
resposta (R). Assim essa escola passou a se chamar
Psicologia do Estímulo e da Resposta ou Psicologia S – R.
• Ex: Evento: Lâmpada que se acende
Estímulo (S): Luz
Resposta (R): Pupilas se contraem
• O mesmo acontece ao andar, correr, pensar, dormir.
• Ex: Evento: Pensar
Estímulo (S): Palavra pronunciada
Resposta (R): Associação a memórias
Psicologia de GESTALT
• O termo alemão Gestalt quer dizer Forma ou Configuração.
• A Gestalt estudou a organização do processo mental.
• Observe a figura abaixo:
• O que você visualiza?
• Vaso?
• Rostos?
Aula 2   psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostila
Psicologia de GESTALT
• Ora vê se um vaso, ora vê os dois perfils de rostos
• Ora o vaso é a figura (elemento principal) da forma
(configuração), ora é o fundo, isto é passa para segundo
plano.
• Assim acontece com nossos comportamentos. No instante
em que você esta lendo este slide, ele é a figura (o foco da
atenção), os outros eventos ou percepções, como fome,
musica, ruídos, conversas, passam a ser o fundo
• A qualquer momento a aula pode passar a ser o fundo e outra ação
tornar-se o evento.
• Você pode estar na aula, mas ausente dela.
Psicologia de GESTALT
• Percepção: Qual o ponto de foco? O que é
principal e o que é fundo?
Psicologia de GESTALT
• De acordo com os psicólogos de Gestalt, nossa experiência
depende dos modelos (estruturas) que os estímulos
despertam, na organização da nossa experiência.
• Assim para aprender um assunto, você deve, em primeiro
lugar, ter uma visão de conjunto do texto, do fato, do livro e
depois estudar as partes.
Psicologia de GESTALT
• Os estímulos devem ser vividos e não inseridos
passivamente.
Psicanálise
• Fundada por Sigmund Freud (1856-1939)
• Psicanálise é o nome de um procedimento para a
investigação de processos mentais que são quase
inacessíveis por qualquer outro modo, um método
(baseado nessa investigação) para o tratamento de
distúrbios neuróticos
Psicanálise
• Conceitos Fundamentais da Psicanálise
• Princípio do determinismo psíquico
• Princípio da transferência afetiva
• Princípio da repressão ou censura
• Princípio da divisão da personalidade
• Princípio de autocomposição
Psicanálise:
Princípio do determinismo psíquico
• Se você analisa um comportamento, acaba verificando que
ele tem um intensão e é motivado por um impulso.
• Ex. Você já deve ter observado pessoas que tiram e
colocam a aliança no dedo anular. Este ato é simbólico e
não traduz apenas nervosismo, mas uma atitude
ambivalente em relação ao casamento.
Psicanálise:
Princípio do determinismo psíquico
Gosto ou não Gosto, Quero ou não Quero, Tiro ou não Tiro?
Já lhe aconteceu de ter esquecido o nome de uma pessoa ou
a hora de uma consulta ou compromisso?
Isso leva a psicanálise a crer que todo ato psíquico possui
sentido, tem um significado.
• Você já ouviu uma música que lhe evoque a saudade de
alguém?
• Você já notou que certas pessoas têm medo de trovões?
Não um medo comum, mas exagerado?
• Conhece alguém que não pode sentir um perfume
específico sem chorar?
• O que significa cada um destes eventos?
Psicanálise:
Princípio da Transferência Afetiva
• Assim:
• Música: Pode significar pessoa distante.
• Trovão: Pode significar medo da solidão
• Flor: Pode significar saudade que ficou presa
• Há um deslocamento em virtude do qual um objeto
qualquer ou fato neutro adquire uma força atrativa ou
repulsiva suficiente para determinar um comportamento.
Psicanálise:
Princípio da Transferência Afetiva
• Pode ser que você aprecie muito seu chefe porque ele lhe
simboliza a bondade de seu pai.
• Pode ser que você rejeite qualquer autoridade, porque isso
lhe recorde a figura despótica de seu pai.
Princípio da Transferência Afetiva = Associação
Psicanálise:
Princípio da Transferência Afetiva
• Você já esqueceu o nome de alguém ou algum compromisso?
• Esse “esquecimento” não é devido a falhas de memória, mas
o resultado de uma força inibidora que mantem afastados da
consciência os conteúdos psíquicos que se tornam
desagradáveis.
• Um dos lemas da psicanálise: Custa mais esquecer do que
lembrar.
Sempre você censura ou procura esquecer eventos
desagradáveis.
Psicanálise:
Princípio da Repressão ou Censura
• Querido você sabe que dia é hoje?
• Aniversario?
• Dia da mulher?
• Dia das mães?
Psicanálise:
Princípio da Repressão ou Censura
Psicanálise:
Princípio da Repressão ou Censura
• A nossa personalidade está dividida em 3 grupos de forças
• Id
• Ego
• Superego
Psicanálise:
Princípio da Divisão da Personalidade
• Id
• As forças que provém da camada mais profunda da
nossa personalidade.
• São forças primárias ou impulsos chamados instintivos.
• Instintos destruidores: sádicos, masoquistas (de morte)
• Instintos criadores: da libido (da vida)
• Pelo Id se explica muitos comportamentos, tiques
nervosos e depressões.
• O Id é um componente genético-hereditário aquilo
que o indivíduo já traz ao nascer e já está
constitucionalmente estabelecido
Psicanálise:
Princípio da Divisão da Personalidade
• Ego
• Intermediário entre o Id é o mundo externo.
• Age freando e controlando o comportamento.
• O Ego protege a pessoa dos perigos, criando o medo.
Assim vai acumulando experiências e adaptando o
indivíduo ao mundo que vive, de forma útil e
conveniente ao seu desenvolvimento.
• O Ego orienta-se por uma fria moral autoritária e por
uma razão lógica.
Psicanálise:
Princípio da Divisão da Personalidade
• Superego
• Representante da sociedade dentro de nós.
• Os pais, os educadores, determinam às crianças em que
medidas podem ser cumpridas as exigências do Id.
• Menino, não faça isso. Não pode
• Não faça isso, moça. É pecado
• Cuidado! Você vai se queimar.
• É preciso tomar banho todos os dias.
Psicanálise:
Princípio da Divisão da Personalidade
• Esses estados de personalidade atuam como um todo, havendo
no entanto manifestações mais acentudadas:
• Pessoas Ídicas: são impulsivas, sensuais, amorais, guiadas
principalmente pelo pensamento mágico ou não lógico.
• Pessoas Egóicas: são frios, calculistas, utilitários, práticos e
cautelosos. Evitam consequências desagradáveis para com
seus atos (EGOISTAS).
• Pessoas Superegóicas: são angustiadas, indecisas. Mostram-se
tímidas, receosas. Possuem um exagerado sentimento de
responsabilidade.
Psicanálise:
Princípio da Divisão da Personalidade
• É difícil manter um equilíbrio diante das três forças que atuam
na expressão do comportamento. Cada força procura orientar o
indivíduo para um caminho distinto e isso pode ocasionar o
chamado conflito, que perturba a pessoa e a leva â ansiedade.
• No entanto existem forças compensatórias que procuram
equilibrar o indivíduo em relação a vida normal.
• Sublimação
• Catitimia
• Projeção
• Racionalização
• Bolotomia
Psicanálise:
Princípio da Autocomposição
• Sublimação
• Você já viu alguém esmurrar uma mesa?
• Ao passar por um problema, há uma tendência de
transferir o efeito para outras vias.
• Ex:
Um beijo apaixonado  Um aperto de mão demorado
Soco na cara do chefe  Soco é dado sobre a mesa
Morte ao Ditador  Foto do mesmo queimada em praça
pública.
Psicanálise:
Princípio da Autocomposição
• Catitimia
• Indica a ação que as tendências afetivas exercem sobre a
percepção da realidade.
• Se você começa a descobrir só qualidade numa pessoa é
porque, talvez, você esteja amando essa pessoa.
• Você só descobre defeitos numa pessoa, possivelmente,
ela é sua inimiga.
• Há uma distorção da realidade pelo indivíduo.
Psicanálise:
Princípio da Autocomposição
• Projeção
• No zoológico a criança pergunta ao avô: Vovô, você está
morrendo de medo do leão, não é?
• Não vou bem em Matemática, mas não sei o por quê. É o
professor não vai com minha cara.
• O indivíduo se vê livre da responsabilidade de seus atos,
desaparecendo de sua consciência todo conflito entre
desejo e dever.
Psicanálise:
Princípio da Autocomposição
• Racionalização
• Na fábula sobre as “uvas verdes”, a raposa queria
saborear algumas uvas que não conseguiu colher, porque
não conseguiu alcança-las, disse: “Ora, estão verdes”.
• O rapaz apaixonado, teve seu amor não correspondido e
disse aos amigos: “Afinal ela não me server. Tem um
nariz muito grande”.
• O estudante que não passou em Medicina e foi fazer
outro curso, diz: “Ora, nunca gostei de sangue”
• Função autocompensadora que consiste em criar uma
falsa motivação, que permite justificar aparentemente a
satisfação da tendência à qual se opõe a mesma censura.
Psicanálise:
Princípio da Autocomposição
• Holotomia
• Às vezes, na solução de seus conflitos, o indivíduo tenta
obter uma dose de “auto-engano”, a fim de acalmar as
tendências opostas.
• Foi melhor assim. Se eu tivesse viajado, teria sido pior.
Acontecem tantos desastres de avião!
• A atendente me voltou troco errado. Não faz mal, o céu
é o lugar dos justos.
Psicanálise:
Princípio da Autocomposição
Relações Humanas
Relações Humanas
• As relações humanas ocupam-se do comportamento
humano, no que diz respeito ao seu relacionamento intra e
interpessoal
Relações Humanas
• O relacionamento intrapessoal é aquele que o indivíduo
realiza consigo mesmo
• O interpessoal ocorre entre duas ou mais pessoas. São de
interesse as relações que se dão em grupo.
Relações Humanas
• Pode ser :
• Espontâneo
• Planejado
O Estágio do Processo da Morte
• O Modelo de Kübler-Ross propõe uma descrição de cinco
estágios discretos pelo qual as pessoas passam ao lidar com
a perda, o luto e a tragédia. Segundo esse modelo,
pacientes com doenças terminais passam por esses
estágios.
• O modelo foi proposto por Elisabeth Kübler-Ross em seu
livro On Death and Dying, publicado em 1969. Os estágios
se popularizaram e são conhecidos como Os Cinco Estágios
do Luto (ou da Dor da Morte, ou da Perspectiva da Morte).
• Negação: quando descobrem que estão morrendo, os
indivíduos ficam chocados e tendem a negar que a vida
deles está chegando ao fim.
• Negação e o isolamento se tornam mecanismos de defesa
contra a dor psíquica diante do risco de morte
O Estágio do Processo da Morte
• Raiva: a pessoa agonizante sente-se ludibriada porque seus
planos de vida estão sendo interrompidos, demonstrando
sinais de raiva e agressividade para com as pessoas
próximas
• Barganha: a maioria das barganhas é feita em acordo com
um superior.
• há a promessa de um bom comportamento ou dedicação a
alguma causa nobre em troca do adiamento do inevitáve
O Estágio do Processo da Morte
• Depressão: indivíduo tem consciência de sua real situação.
Ele apresenta-se em um estado de profunda apatia, choros
incontroláveis, tristeza e solidão.
• Aceitação indivíduos capazes de superar a angústia
atingem a fase de aceitação do processo de morte e
morrer.
O Estágio do Processo da Morte
O Estágio do Processo da Morte
TEORIA DE MASLOW
• A Pirâmide de Maslow
• Maslow hierarquizou as necessidades humanas por
importância, dispondo-as em uma pirâmide:
TEORIA DE MASLOW
Aula 2   psicologia apostila
Necessidades fisiológicas
• a são necessidades básicas para sustentação da própria
vida, tais como comida, abrigo, sono.
Necessidades de segurança
• São necessidades de estar livre do perigo físico e também é
o medo da perda do emprego, do abrigo, da
sustentabilidade, etc.
Necessidades de afiliação ou
aceitação
• Por serem seres sociais, as pessoas têm necessidade de se
sentirem aceitas, pertencentes a um grupo
Necessidades de estima
• Uma vez satisfeita a necessidade de afiliação, as pessoas
passam a sentir necessidade de serem estimadas,
respeitadas pelos outros.
Necessidade de auto realização
• É o desejo de tornar-se aquilo que a pessoa é capaz de ser
– maximizar seu potencial, realizar tudo que seja possível.
Necessidades
• As necessidades humanas não são excludentes entre si.
Elas estão presentes em intensidades diferentes
• A cada momento, existe uma necessidade emergente,
ou seja, predominante
• A motivação das pessoas depende delas mesmas e das
necessidades que elas possuem em determinado
momento de suas vidas.
Fim
Discutir com um homem que renunciou à sua razão é como
medicar um cadáver.
Thomas Paine

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
Rosana Leite
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Daniela Ponciano Oliveira
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
psicologiaazambuja
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
Adriana Alves Almeida
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Fábio Nogueira, PhD
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
Andréa Forgiarni Cechin
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
Ana Larissa Perissini
 
Metodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em PsicologiaMetodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em Psicologia
Hilma Khoury
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
Rovanildo Vieira Soares
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Botteon Consultoria
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Edgard Lombardi
 

Mais procurados (20)

Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Metodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em PsicologiaMetodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em Psicologia
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 

Semelhante a Aula 2 psicologia apostila

Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Jordano Santos Cerqueira
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
ElionayFigueiredo1
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção
Karoline Cordeiro
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
Manuela Santos
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Aula 01 - psicologia aplicada a enfermagem
Aula 01 - psicologia aplicada a enfermagemAula 01 - psicologia aplicada a enfermagem
Aula 01 - psicologia aplicada a enfermagem
DiegoFernandes857616
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
alinerabelo31
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
zecaviana1
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
brelua
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
guest277152fb
 
Minha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanáliseMinha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanálise
Marlos Otoni dos Reis
 
Carl Jung
Carl JungCarl Jung
Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01
Milton Magnabosco
 
2-TIPOS-aula-1.pptx
2-TIPOS-aula-1.pptx2-TIPOS-aula-1.pptx
2-TIPOS-aula-1.pptx
ThiagoRibeiroBorges2
 

Semelhante a Aula 2 psicologia apostila (20)

Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Aula 01 - psicologia aplicada a enfermagem
Aula 01 - psicologia aplicada a enfermagemAula 01 - psicologia aplicada a enfermagem
Aula 01 - psicologia aplicada a enfermagem
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
 
Minha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanáliseMinha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanálise
 
Carl Jung
Carl JungCarl Jung
Carl Jung
 
Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01Psicologia na contabilidade 01
Psicologia na contabilidade 01
 
2-TIPOS-aula-1.pptx
2-TIPOS-aula-1.pptx2-TIPOS-aula-1.pptx
2-TIPOS-aula-1.pptx
 

Mais de José Vitor Alves

Sistema muscular parte 3
Sistema muscular parte 3Sistema muscular parte 3
Sistema muscular parte 3
José Vitor Alves
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
José Vitor Alves
 
Sistema muscular parte 2
Sistema muscular parte 2Sistema muscular parte 2
Sistema muscular parte 2
José Vitor Alves
 
Sistema muscular Parte 1
Sistema muscular Parte 1Sistema muscular Parte 1
Sistema muscular Parte 1
José Vitor Alves
 
Ossos do esqueleto axial e apendicular
Ossos do esqueleto axial e apendicularOssos do esqueleto axial e apendicular
Ossos do esqueleto axial e apendicular
José Vitor Alves
 
Aula 2 Tabela periodica
Aula 2   Tabela periodicaAula 2   Tabela periodica
Aula 2 Tabela periodica
José Vitor Alves
 
Aula 5 Ligações Quimicas
Aula 5   Ligações QuimicasAula 5   Ligações Quimicas
Aula 5 Ligações Quimicas
José Vitor Alves
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
José Vitor Alves
 
Aula 7 acidos e bases
Aula 7   acidos e basesAula 7   acidos e bases
Aula 7 acidos e bases
José Vitor Alves
 
Aula 2 O Atomo
Aula 2   O AtomoAula 2   O Atomo
Aula 2 O Atomo
José Vitor Alves
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
José Vitor Alves
 
Apostila textos - Tecnicas de Coleta
Apostila   textos - Tecnicas de ColetaApostila   textos - Tecnicas de Coleta
Apostila textos - Tecnicas de Coleta
José Vitor Alves
 
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizesPorque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
José Vitor Alves
 
Atendimento ao cliente apostila
Atendimento ao cliente   apostilaAtendimento ao cliente   apostila
Atendimento ao cliente apostila
José Vitor Alves
 
Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05
José Vitor Alves
 
Aula 1 código de ética do analista clínico
Aula 1   código de ética do analista clínicoAula 1   código de ética do analista clínico
Aula 1 código de ética do analista clínico
José Vitor Alves
 
Rdc nº 306 07-12-2004
Rdc nº 306   07-12-2004Rdc nº 306   07-12-2004
Rdc nº 306 07-12-2004
José Vitor Alves
 
Etica e Bioética
Etica e BioéticaEtica e Bioética
Etica e Bioética
José Vitor Alves
 
Pop microscopia
Pop   microscopiaPop   microscopia
Pop microscopia
José Vitor Alves
 
O Microscópio Óptico
O Microscópio ÓpticoO Microscópio Óptico
O Microscópio Óptico
José Vitor Alves
 

Mais de José Vitor Alves (20)

Sistema muscular parte 3
Sistema muscular parte 3Sistema muscular parte 3
Sistema muscular parte 3
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
 
Sistema muscular parte 2
Sistema muscular parte 2Sistema muscular parte 2
Sistema muscular parte 2
 
Sistema muscular Parte 1
Sistema muscular Parte 1Sistema muscular Parte 1
Sistema muscular Parte 1
 
Ossos do esqueleto axial e apendicular
Ossos do esqueleto axial e apendicularOssos do esqueleto axial e apendicular
Ossos do esqueleto axial e apendicular
 
Aula 2 Tabela periodica
Aula 2   Tabela periodicaAula 2   Tabela periodica
Aula 2 Tabela periodica
 
Aula 5 Ligações Quimicas
Aula 5   Ligações QuimicasAula 5   Ligações Quimicas
Aula 5 Ligações Quimicas
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
 
Aula 7 acidos e bases
Aula 7   acidos e basesAula 7   acidos e bases
Aula 7 acidos e bases
 
Aula 2 O Atomo
Aula 2   O AtomoAula 2   O Atomo
Aula 2 O Atomo
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
 
Apostila textos - Tecnicas de Coleta
Apostila   textos - Tecnicas de ColetaApostila   textos - Tecnicas de Coleta
Apostila textos - Tecnicas de Coleta
 
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizesPorque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
Porque os jovens profissionais da geração y estão infelizes
 
Atendimento ao cliente apostila
Atendimento ao cliente   apostilaAtendimento ao cliente   apostila
Atendimento ao cliente apostila
 
Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05
 
Aula 1 código de ética do analista clínico
Aula 1   código de ética do analista clínicoAula 1   código de ética do analista clínico
Aula 1 código de ética do analista clínico
 
Rdc nº 306 07-12-2004
Rdc nº 306   07-12-2004Rdc nº 306   07-12-2004
Rdc nº 306 07-12-2004
 
Etica e Bioética
Etica e BioéticaEtica e Bioética
Etica e Bioética
 
Pop microscopia
Pop   microscopiaPop   microscopia
Pop microscopia
 
O Microscópio Óptico
O Microscópio ÓpticoO Microscópio Óptico
O Microscópio Óptico
 

Aula 2 psicologia apostila

  • 2. Psicologia • Psyché: Alma Psicologia • Logos: Razão Estudo da alma Psicologia é o estudo da mente e dos processos mentais, comportamentos, desejos, percepção, motivação
  • 3. Psicologia • A psicologia é uma ciência jovem. Ela nasceu de uma ciência-mãe, a Filosofia, que deu origem a muitas outras ciências, como a Sociologia e a Matemática. • Os filósofos antigos procuraram estudar o comportamento do homem e dos animais de maneira não científica. • A pré-história da Psicologia registra estudos do comportamento humano, através da Astrologia, Quiromancia, Grafologia, Fisiognomonia e o outros
  • 4. Psicologia • Astrologia • Quiromancia • Fisiognomonia
  • 5. Psicologia Experimental • A psicologia experimental surge no século XIX em Leipzig (alemanha) com Gilherme Wundt (pai da psicologia). • Wundt utilizava aparelhos para medir os chamados fenômenos psíquicos (sensações, vontades, percepções, etc). A psicologia experimental é aquela que defende que as questões da psique podem ser estudadas através da observação, da manipulação e do registo das variáveis que têm influência no paciente. Trata-se, portanto, de recorrer ao método experimental.
  • 6. Psicologia Baseada em Evidências. • Relatada por Charles Darwin em 1859, na Inglaterra. • Teoria baseada em Evolução das Espécies. • Se você está caindo, é porque, na sua herança, isso lembra o homem primitivo que dormia em cima de árvores e frequentemente caia.
  • 7. Psicologia Baseada em Evidências. • A teoria de Darwin dizia que os animais se adaptam ao meio onde vivem para um melhor ajustamento.
  • 8. Psicologia Baseada em Evidências. • O homem desenvolve processos psicológicos (emoção, sensação e outros) para adaptar ao meio que vive.
  • 9. Psicanálise • Na década de 20, Sigmund Freud fundou a Psicanálise. • Esta disciplina visa também analisar o comportamento humano, decifrar a organização da mente e curar doenças carentes de causas orgânicas
  • 10. Três Posições Fundamentais • Quando a psicologia se tornou ciência, três sistemas principais ou escola surgiram • Behaviorismo • Psicologia de Gestalt • Psicanálise
  • 11. Behaviorismo (1913) • O criador behaviorismo é John B. Watson (1878-1959) • A palavra inglesa Behavior (to Behave) quer dizer comportamento, conduta. • Segundo essa teoria, o comportamento dos indivíduos devem ser observados e medidos.
  • 12. Behaviorismo • O behaviorismo baseia-se no estudo do estímulo (S) e da resposta (R). Assim essa escola passou a se chamar Psicologia do Estímulo e da Resposta ou Psicologia S – R. • Ex: Evento: Lâmpada que se acende Estímulo (S): Luz Resposta (R): Pupilas se contraem • O mesmo acontece ao andar, correr, pensar, dormir. • Ex: Evento: Pensar Estímulo (S): Palavra pronunciada Resposta (R): Associação a memórias
  • 13. Psicologia de GESTALT • O termo alemão Gestalt quer dizer Forma ou Configuração. • A Gestalt estudou a organização do processo mental. • Observe a figura abaixo: • O que você visualiza? • Vaso? • Rostos?
  • 17. Psicologia de GESTALT • Ora vê se um vaso, ora vê os dois perfils de rostos • Ora o vaso é a figura (elemento principal) da forma (configuração), ora é o fundo, isto é passa para segundo plano. • Assim acontece com nossos comportamentos. No instante em que você esta lendo este slide, ele é a figura (o foco da atenção), os outros eventos ou percepções, como fome, musica, ruídos, conversas, passam a ser o fundo • A qualquer momento a aula pode passar a ser o fundo e outra ação tornar-se o evento. • Você pode estar na aula, mas ausente dela.
  • 18. Psicologia de GESTALT • Percepção: Qual o ponto de foco? O que é principal e o que é fundo?
  • 19. Psicologia de GESTALT • De acordo com os psicólogos de Gestalt, nossa experiência depende dos modelos (estruturas) que os estímulos despertam, na organização da nossa experiência. • Assim para aprender um assunto, você deve, em primeiro lugar, ter uma visão de conjunto do texto, do fato, do livro e depois estudar as partes.
  • 20. Psicologia de GESTALT • Os estímulos devem ser vividos e não inseridos passivamente.
  • 21. Psicanálise • Fundada por Sigmund Freud (1856-1939) • Psicanálise é o nome de um procedimento para a investigação de processos mentais que são quase inacessíveis por qualquer outro modo, um método (baseado nessa investigação) para o tratamento de distúrbios neuróticos
  • 22. Psicanálise • Conceitos Fundamentais da Psicanálise • Princípio do determinismo psíquico • Princípio da transferência afetiva • Princípio da repressão ou censura • Princípio da divisão da personalidade • Princípio de autocomposição
  • 23. Psicanálise: Princípio do determinismo psíquico • Se você analisa um comportamento, acaba verificando que ele tem um intensão e é motivado por um impulso. • Ex. Você já deve ter observado pessoas que tiram e colocam a aliança no dedo anular. Este ato é simbólico e não traduz apenas nervosismo, mas uma atitude ambivalente em relação ao casamento.
  • 24. Psicanálise: Princípio do determinismo psíquico Gosto ou não Gosto, Quero ou não Quero, Tiro ou não Tiro? Já lhe aconteceu de ter esquecido o nome de uma pessoa ou a hora de uma consulta ou compromisso? Isso leva a psicanálise a crer que todo ato psíquico possui sentido, tem um significado.
  • 25. • Você já ouviu uma música que lhe evoque a saudade de alguém? • Você já notou que certas pessoas têm medo de trovões? Não um medo comum, mas exagerado? • Conhece alguém que não pode sentir um perfume específico sem chorar? • O que significa cada um destes eventos? Psicanálise: Princípio da Transferência Afetiva
  • 26. • Assim: • Música: Pode significar pessoa distante. • Trovão: Pode significar medo da solidão • Flor: Pode significar saudade que ficou presa • Há um deslocamento em virtude do qual um objeto qualquer ou fato neutro adquire uma força atrativa ou repulsiva suficiente para determinar um comportamento. Psicanálise: Princípio da Transferência Afetiva
  • 27. • Pode ser que você aprecie muito seu chefe porque ele lhe simboliza a bondade de seu pai. • Pode ser que você rejeite qualquer autoridade, porque isso lhe recorde a figura despótica de seu pai. Princípio da Transferência Afetiva = Associação Psicanálise: Princípio da Transferência Afetiva
  • 28. • Você já esqueceu o nome de alguém ou algum compromisso? • Esse “esquecimento” não é devido a falhas de memória, mas o resultado de uma força inibidora que mantem afastados da consciência os conteúdos psíquicos que se tornam desagradáveis. • Um dos lemas da psicanálise: Custa mais esquecer do que lembrar. Sempre você censura ou procura esquecer eventos desagradáveis. Psicanálise: Princípio da Repressão ou Censura
  • 29. • Querido você sabe que dia é hoje? • Aniversario? • Dia da mulher? • Dia das mães? Psicanálise: Princípio da Repressão ou Censura
  • 31. • A nossa personalidade está dividida em 3 grupos de forças • Id • Ego • Superego Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  • 32. • Id • As forças que provém da camada mais profunda da nossa personalidade. • São forças primárias ou impulsos chamados instintivos. • Instintos destruidores: sádicos, masoquistas (de morte) • Instintos criadores: da libido (da vida) • Pelo Id se explica muitos comportamentos, tiques nervosos e depressões. • O Id é um componente genético-hereditário aquilo que o indivíduo já traz ao nascer e já está constitucionalmente estabelecido Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  • 33. • Ego • Intermediário entre o Id é o mundo externo. • Age freando e controlando o comportamento. • O Ego protege a pessoa dos perigos, criando o medo. Assim vai acumulando experiências e adaptando o indivíduo ao mundo que vive, de forma útil e conveniente ao seu desenvolvimento. • O Ego orienta-se por uma fria moral autoritária e por uma razão lógica. Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  • 34. • Superego • Representante da sociedade dentro de nós. • Os pais, os educadores, determinam às crianças em que medidas podem ser cumpridas as exigências do Id. • Menino, não faça isso. Não pode • Não faça isso, moça. É pecado • Cuidado! Você vai se queimar. • É preciso tomar banho todos os dias. Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  • 35. • Esses estados de personalidade atuam como um todo, havendo no entanto manifestações mais acentudadas: • Pessoas Ídicas: são impulsivas, sensuais, amorais, guiadas principalmente pelo pensamento mágico ou não lógico. • Pessoas Egóicas: são frios, calculistas, utilitários, práticos e cautelosos. Evitam consequências desagradáveis para com seus atos (EGOISTAS). • Pessoas Superegóicas: são angustiadas, indecisas. Mostram-se tímidas, receosas. Possuem um exagerado sentimento de responsabilidade. Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  • 36. • É difícil manter um equilíbrio diante das três forças que atuam na expressão do comportamento. Cada força procura orientar o indivíduo para um caminho distinto e isso pode ocasionar o chamado conflito, que perturba a pessoa e a leva â ansiedade. • No entanto existem forças compensatórias que procuram equilibrar o indivíduo em relação a vida normal. • Sublimação • Catitimia • Projeção • Racionalização • Bolotomia Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  • 37. • Sublimação • Você já viu alguém esmurrar uma mesa? • Ao passar por um problema, há uma tendência de transferir o efeito para outras vias. • Ex: Um beijo apaixonado  Um aperto de mão demorado Soco na cara do chefe  Soco é dado sobre a mesa Morte ao Ditador  Foto do mesmo queimada em praça pública. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  • 38. • Catitimia • Indica a ação que as tendências afetivas exercem sobre a percepção da realidade. • Se você começa a descobrir só qualidade numa pessoa é porque, talvez, você esteja amando essa pessoa. • Você só descobre defeitos numa pessoa, possivelmente, ela é sua inimiga. • Há uma distorção da realidade pelo indivíduo. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  • 39. • Projeção • No zoológico a criança pergunta ao avô: Vovô, você está morrendo de medo do leão, não é? • Não vou bem em Matemática, mas não sei o por quê. É o professor não vai com minha cara. • O indivíduo se vê livre da responsabilidade de seus atos, desaparecendo de sua consciência todo conflito entre desejo e dever. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  • 40. • Racionalização • Na fábula sobre as “uvas verdes”, a raposa queria saborear algumas uvas que não conseguiu colher, porque não conseguiu alcança-las, disse: “Ora, estão verdes”. • O rapaz apaixonado, teve seu amor não correspondido e disse aos amigos: “Afinal ela não me server. Tem um nariz muito grande”. • O estudante que não passou em Medicina e foi fazer outro curso, diz: “Ora, nunca gostei de sangue” • Função autocompensadora que consiste em criar uma falsa motivação, que permite justificar aparentemente a satisfação da tendência à qual se opõe a mesma censura. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  • 41. • Holotomia • Às vezes, na solução de seus conflitos, o indivíduo tenta obter uma dose de “auto-engano”, a fim de acalmar as tendências opostas. • Foi melhor assim. Se eu tivesse viajado, teria sido pior. Acontecem tantos desastres de avião! • A atendente me voltou troco errado. Não faz mal, o céu é o lugar dos justos. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  • 43. Relações Humanas • As relações humanas ocupam-se do comportamento humano, no que diz respeito ao seu relacionamento intra e interpessoal
  • 44. Relações Humanas • O relacionamento intrapessoal é aquele que o indivíduo realiza consigo mesmo • O interpessoal ocorre entre duas ou mais pessoas. São de interesse as relações que se dão em grupo.
  • 45. Relações Humanas • Pode ser : • Espontâneo • Planejado
  • 46. O Estágio do Processo da Morte • O Modelo de Kübler-Ross propõe uma descrição de cinco estágios discretos pelo qual as pessoas passam ao lidar com a perda, o luto e a tragédia. Segundo esse modelo, pacientes com doenças terminais passam por esses estágios. • O modelo foi proposto por Elisabeth Kübler-Ross em seu livro On Death and Dying, publicado em 1969. Os estágios se popularizaram e são conhecidos como Os Cinco Estágios do Luto (ou da Dor da Morte, ou da Perspectiva da Morte).
  • 47. • Negação: quando descobrem que estão morrendo, os indivíduos ficam chocados e tendem a negar que a vida deles está chegando ao fim. • Negação e o isolamento se tornam mecanismos de defesa contra a dor psíquica diante do risco de morte O Estágio do Processo da Morte
  • 48. • Raiva: a pessoa agonizante sente-se ludibriada porque seus planos de vida estão sendo interrompidos, demonstrando sinais de raiva e agressividade para com as pessoas próximas • Barganha: a maioria das barganhas é feita em acordo com um superior. • há a promessa de um bom comportamento ou dedicação a alguma causa nobre em troca do adiamento do inevitáve O Estágio do Processo da Morte
  • 49. • Depressão: indivíduo tem consciência de sua real situação. Ele apresenta-se em um estado de profunda apatia, choros incontroláveis, tristeza e solidão. • Aceitação indivíduos capazes de superar a angústia atingem a fase de aceitação do processo de morte e morrer. O Estágio do Processo da Morte
  • 50. O Estágio do Processo da Morte
  • 51. TEORIA DE MASLOW • A Pirâmide de Maslow • Maslow hierarquizou as necessidades humanas por importância, dispondo-as em uma pirâmide:
  • 54. Necessidades fisiológicas • a são necessidades básicas para sustentação da própria vida, tais como comida, abrigo, sono.
  • 55. Necessidades de segurança • São necessidades de estar livre do perigo físico e também é o medo da perda do emprego, do abrigo, da sustentabilidade, etc.
  • 56. Necessidades de afiliação ou aceitação • Por serem seres sociais, as pessoas têm necessidade de se sentirem aceitas, pertencentes a um grupo
  • 57. Necessidades de estima • Uma vez satisfeita a necessidade de afiliação, as pessoas passam a sentir necessidade de serem estimadas, respeitadas pelos outros.
  • 58. Necessidade de auto realização • É o desejo de tornar-se aquilo que a pessoa é capaz de ser – maximizar seu potencial, realizar tudo que seja possível.
  • 59. Necessidades • As necessidades humanas não são excludentes entre si. Elas estão presentes em intensidades diferentes • A cada momento, existe uma necessidade emergente, ou seja, predominante • A motivação das pessoas depende delas mesmas e das necessidades que elas possuem em determinado momento de suas vidas.
  • 60. Fim Discutir com um homem que renunciou à sua razão é como medicar um cadáver. Thomas Paine