SlideShare uma empresa Scribd logo
ANÁLISES LABORATORIAIS
PARAA RECEPÇÃO DO
LEITE
Douglas Basaia
Lucas Coelho
Natália Resende
LEGISLAÇÃO BÁSICA
• Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de
Produtos de Origem Animal – RIISPOA, artigo 476;
• Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade (RTIQ)
de Leite Cru Refrigerado (ANEXO DA Instrução
Normativa nº 51/2002);
• Instrução Normativa nº 68/2006 (Métodos Analíticos
Físico-Químicos Oficiais para Leite e Produtos Lácteos).
O QUE DIZ ESSA LEGISLAÇÃO?
 Características Sensoriais DO LEITE:
 Aspecto e Cor
Líquido branco, ou ligeiramente amarelado, homogêneo e sem
partículas/substâncias estranhas.
Sabor e Odor
Ausência de sabores/odores estranhos.
O QUE DIZ ESSA LEGISLAÇÃO?
 Requisitos gerais:
Ausência de neutralizantes da acidez e reconstituintes de
densidade;
Ausência de resíduos de antibióticos ou de outros
medicamentos/produtos de uso veterinário.
 Requisitos Específicos:
 Requisitos Físicos e Químicos
O QUE DIZ ESSA LEGISLAÇÃO?
• Análises feitas pela Rede Brasileira de Laboratórios
de Controle da Qualidade do Leite (RBQL):
Contagem Bacteriana Total (CBT);
Contagem de Células Somáticas (CCS);
Teor de componentes do leite.
Definições
 Leite
Produto oriundo da ordenha completa e ininterrupta, em
condições de higiene, de vacas sadias, bem alimentadas e
descansadas.
 "Leite individual“
Produto resultante da ordenha de uma fêmea.
 “Leite de conjunto“
resultante da mistura de leite individual.
Definições
 Coleta de Leite Cru Refrigerado a Granel
Consiste em recolher o produto em caminhões, através de
mangote flexível e bomba sanitária, diretamente do tanque
de refrigeração por expansão direta ou dos latões contidos
nos refrigeradores de imersão.
Definições
 Boas Práticas Agropecuárias
Conjunto de normas e de procedimentos a serem observados
pelos produtores rurais
sistemas de produção mais rentáveis e competitivos
asseguram também a oferta de alimentos seguros,
oriundos de sistemas de produção sustentáveis.
Definições
 Granelização do Leite
Processo que está intimamente relacionado com a
manutenção da qualidade do leite,
resfriado nas propriedades rurais até a indústria.
Definições
• Leite de boa qualidade
Sabor agradável,
Alto valor nutritivo,
Ausência de agentes patogênicos,
Ausência de contaminantes,
Baixa contagem de células somáticas,
Baixa carga bacteriana.
Análises Realizadas no Momento
da Recepção
• Ao chegar ao laticínios, antes da descarga, o
transportador entrega ao controle de qualidade:
 a planilha de coleta de leite
 amostras individuais
• Ficam acondicionadas sob refrigeração, até que o leite
seja processado.
Análises Realizadas no Momento
da Recepção
• São coletadas amostras de cada compartimento dos
carros tanque, para as análises físico-químicas.
• No caso do leite em latão, após a homogeneização dos
mesmos é coletado amostras de todos os latões e
analisadas em conjunto.
Análises Realizadas no Momento
da Recepção
• As análises realizadas de seleção são as seguintes:
Extrato Seco Desengordurado/
Parâmetro Resultados Padrão
Alizarol* Estável
Acidez 15 – 18 ºD
Temperatura 02 a 04 ºC
Crioscopia Máximo de 0,530 ºH
Gordura Mínimo de 3,0 %
Densidade 1,028 a 1,034
EST* Mín. 11, 4 %
ESD** Mín. 8,4
Proteína 2,9 %
Redutores Ausentes
Reconstituintes da densidade Ausentes
Antibiótico Negativo
Redutase* Mínimo de 2:30 horas
Clorestos Negativo
Análises Realizadas no Momento
da Recepção
FAZER DIARIAMENTE, PARA RECEBER O LEITE:
1. Temperatura;
2. Teste do Alizarol (no mínimo 0,2% de alizarina em álcool etílico de
concentração mínima de 72º GL);
3. Acidez Titulável
4. Densidade
5. Crioscopia
6. Pesquisa de Fosfatase Alcalina e de Peroxidase
7. quando se receber leite refrigerado
proveniente de outras indústrias
Análises Realizadas no Momento
da Recepção
7. Pesquisa Conservantes de neutralizantes da acidez
carbonato de sódio
bicarbonato de sódio
hidróxido de sódio
7. Pesquisa de resíduos de detergentes e sanitizantes
8. Pesquisa de reconstituintes da densidade
açúcar,
sal de cozinha,
amido,
dextrinas
Análises Realizadas no Momento
da Recepção
10. Glícidios Redutores em Lactose
11. Teor de Sólidos totais do Leite
12. Teor de Gordura
13. Outras pesquisas, de aplicação periódica (pesquisa de
antibióticos, etc) ou de acordo com suspeitas.
Procedimentos Adotados Para
Análises e Emissão dos
Resultados
• Todas as análises são realizadas de acordo com a instrução
normativa n⁰ 68 de 12 de dezembro de 2006.
• Ao constatar que o leite encontra-se com algum parâmetro fora do
estabelecido, de posse das amostras individuais, é realizada a
análise das mesmas, afim de, rastrear o leite com problema.
laudo pelo laboratório com os resultados dos parâmetros
analisados
enviado ao produtor juntamente com uma notificação, explicando as
possíveis causas e soluções
Procedimentos Adotados Para
Análises e Emissão dos
Resultados
• No dia seguinte é realizada nova análise do leite
Alteração o leite não é coletado a granel
• De acordo com a inconformidade apresentada, o produtor é
autorizado a entregar o leite diretamente na plataforma de
recepção, no horário regulamentar, onde o mesmo submetido às
análises laboratoriais.
Procedimentos Adotados Para
Análises e Emissão dos
Resultados
• Para os produtores de leite em latão, quando a inconformidade não
é presença de antibiótico, neutralizastes e reconstituintes da
densidade
o leite é devolvido ao produtor, juntamente com :
 Laudo de análise
 Notificação detalhando o problema detectado
• Um prazo é dado ao produtor para que tal fato seja solucionado.
Padrões Para Aceitação da Matéria
Prima
•Empresa adota os requisitos físico-
químicos estabelecidos pelo
regulamento técnico de identidade
e qualidade:
 Leite cru refrigerado
 Leite cru tipo C, que são eles:
Parâmetro Padrão
Alizarol Estável
Acidez 15 – 18 ºD
Temperatura 02 a 04 ºC
Crioscopia Máximo de 0,530 ºH
Gordura Mínimo de 3,0 %
Densidade 1,028 a 1,034
EST* Mín. 11, 4 %
ESD** Mín. 8,4
Proteína 2,9 %
Redutores Ausentes
Reconstituintes da densidade Ausentes
Antibiótico Negativo
Redutase Mínimo de 2:30 horas
Clorestos Negativo
Procedimentos Adotados Para
Matéria Prima Fora dos Padrões
Estabelecidos• O leite segue na linha processado desde que os teores dos
referidos constituintes não descaracterize o produto processado.
• Atender o regulamento técnico de qualidade e identidade de cada
produto.
• Identificação ao produtor leite esta fora dos padrões e são
tomados às devidas providências.
• Composição físico-química (teores inferiores de):
Matéria gorda Índice crioscópio
Densidade relativa Extrato Seco Desengordurado Proteínas
 Acidez titulável e Alizarol
• A acidez é devida à presença de:
caseína,
fosfatos,
albumina, podendo variar de 13 a 17°D.
dióxido de carbono
Citratos
• Eventualmente essa faixa pode ser mais ampla,
dependendo da individualidade e da raça da vaca.
 Acidez titulável e Alizarol
• A prova do Alizarol possibilita a determinação rápida e
aproximada da acidez do leite por colorimetria.
 Acidez titulável e Alizarol
• Quando o leite apresenta-se com acidez igual ou acima
de 19 ⁰D ou não passa no teste do alizarol
este não é processado sendo descartado.
Descarte ocorre no reservatório destinado ao
armazenamento de soro.
O leite misturado ao soro é reaproveitado para alimentação animal e
fornecido aos produtores.
 Densidade
• Essa análise é feita usualmente com o propósito de
calcular o teor de sólidos do leite para verificação de sua
conformidade frente à legislação sanitária.
evitar fraudes no que se refere a desnatação
prévia ou água no leite.
• O leite normal pode ter sua densidade variando entre
1,029 e 1,035, com a maioria das amostras situando-se
entre 1,030 e 1,033.
 Temperatura
• Ao apresentar-se com temperatura elevada, mas dentro
dos padrões o leite segue na linha de processamento.
• A chegada do leite nos estabelecimentos industriais com
temperatura superior àquela estabelecido é de
responsabilidade exclusiva do carreteiro ou transportador,
podendo este vir a responder por eventuais prejuízos.
 Resíduo de antibiótico, Reconstituintes da
Densidade, Neutralizantes
• O leite que apresentar resíduo de antibiótico, reconstituinte
da densidade e/ou neutralizantes é descartado.
• Descarte ocorre em áreas em que não há risco de
contaminação das redes fluviais .
• Dependendo das situações é enviado à empresa ST
Tratamento de Resíduo, localizado na cidade de Lavras.
Na empresa o leite será tratado e
posteriormente descartado
 Redutase
• O leite que apresentar-se com o teste de redutase inferior
a 2:30 minutos desde que apresente suas características
normais é processado,
• Produtor notificado e orientado para que sejam tomadas
as providencias para melhoria da qualidade.
• Persistindo o resultado e analisado juntamente com os
resultados de UFC, das análises realizadas pela
Embrapa, o leite é dispensado.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
Nágela Magave
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Railenne De Oliveira Celestino
 
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Karen Zanferrari
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Killer Max
 
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POASegurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Ministério Público de Santa Catarina
 
Leite
LeiteLeite
Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1
Clelia Picinin
 
Aula Prática de Apicultura - Módulo 0
Aula Prática de Apicultura - Módulo 0Aula Prática de Apicultura - Módulo 0
Aula Prática de Apicultura - Módulo 0
Jefferson Bandero
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
Amanda Souza
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
Sandra Semedo
 
A.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragemA.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragem
Lilian Keila Alves
 
Ovinos
OvinosOvinos
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
UERGS
 
Leites - análises e legislação
Leites - análises e legislaçãoLeites - análises e legislação
Leites - análises e legislação
Universidade Federal de Santa Catarina
 
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corteCadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Tiago Maboni Derlan
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
Lilian Keila Alves
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
Daniel Jovana Joaquim
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Glaucia Moraes
 

Mais procurados (20)

Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POASegurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
 
Leite
LeiteLeite
Leite
 
Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1
 
Aula Prática de Apicultura - Módulo 0
Aula Prática de Apicultura - Módulo 0Aula Prática de Apicultura - Módulo 0
Aula Prática de Apicultura - Módulo 0
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
 
A.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragemA.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragem
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - CarboidrasesBioquímica de alimentos - Carboidrases
Bioquímica de alimentos - Carboidrases
 
Leites - análises e legislação
Leites - análises e legislaçãoLeites - análises e legislação
Leites - análises e legislação
 
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corteCadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 

Semelhante a Analise leite

Caminhos Do Leite
Caminhos Do LeiteCaminhos Do Leite
Caminhos Do Leite
João Felix
 
Gelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptxGelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptx
helidaleao
 
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptxFluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
helidaleao
 
Iogurte
IogurteIogurte
analisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptx
analisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptxanalisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptx
analisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptx
jarlianezootecnista
 
Instrução normativa 76 e 77 - MAPA.potx
Instrução normativa 76 e 77  - MAPA.potxInstrução normativa 76 e 77  - MAPA.potx
Instrução normativa 76 e 77 - MAPA.potx
ssusere1b1d2
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
exercício leite
exercício leite exercício leite
Norma técnica para coleta de leite a granel
Norma técnica para coleta de leite a granelNorma técnica para coleta de leite a granel
Norma técnica para coleta de leite a granel
Laticínios Damare
 
Características do leite
Características do leiteCaracterísticas do leite
Características do leite
Loreta Vasco
 
Instrução normativa nº 77
Instrução normativa nº 77Instrução normativa nº 77
Instrução normativa nº 77
LarissaFerreira258
 
Células somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústria
Células somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústriaCélulas somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústria
Células somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústria
André Oliveira
 
Inspeção de Leite
Inspeção de LeiteInspeção de Leite
Inspeção de Leite
Maira Veruska
 
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
ImprimeServices
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenha
Alice Melo Candido
 
Acidez titulavel no leite como interpretar
Acidez titulavel no leite como interpretarAcidez titulavel no leite como interpretar
Acidez titulavel no leite como interpretar
André Oliveira
 
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
AlessandraSoaresFeli
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
STAB Setentrional
 
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdfClaudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
RosngelaDivinaBorges
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
felipesoaresdesouza2
 

Semelhante a Analise leite (20)

Caminhos Do Leite
Caminhos Do LeiteCaminhos Do Leite
Caminhos Do Leite
 
Gelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptxGelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptx
 
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptxFluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
 
Iogurte
IogurteIogurte
Iogurte
 
analisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptx
analisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptxanalisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptx
analisesfsicoqumicasdoleite-140701101529-phpapp01.pptx
 
Instrução normativa 76 e 77 - MAPA.potx
Instrução normativa 76 e 77  - MAPA.potxInstrução normativa 76 e 77  - MAPA.potx
Instrução normativa 76 e 77 - MAPA.potx
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
Norma técnica para coleta de leite a granel
Norma técnica para coleta de leite a granelNorma técnica para coleta de leite a granel
Norma técnica para coleta de leite a granel
 
Características do leite
Características do leiteCaracterísticas do leite
Características do leite
 
Instrução normativa nº 77
Instrução normativa nº 77Instrução normativa nº 77
Instrução normativa nº 77
 
Células somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústria
Células somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústriaCélulas somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústria
Células somáticas no leite - Somaticell e o uso na indústria
 
Inspeção de Leite
Inspeção de LeiteInspeção de Leite
Inspeção de Leite
 
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenha
 
Acidez titulavel no leite como interpretar
Acidez titulavel no leite como interpretarAcidez titulavel no leite como interpretar
Acidez titulavel no leite como interpretar
 
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
 
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdfClaudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
 

Analise leite

  • 1. ANÁLISES LABORATORIAIS PARAA RECEPÇÃO DO LEITE Douglas Basaia Lucas Coelho Natália Resende
  • 2. LEGISLAÇÃO BÁSICA • Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal – RIISPOA, artigo 476; • Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade (RTIQ) de Leite Cru Refrigerado (ANEXO DA Instrução Normativa nº 51/2002); • Instrução Normativa nº 68/2006 (Métodos Analíticos Físico-Químicos Oficiais para Leite e Produtos Lácteos).
  • 3. O QUE DIZ ESSA LEGISLAÇÃO?  Características Sensoriais DO LEITE:  Aspecto e Cor Líquido branco, ou ligeiramente amarelado, homogêneo e sem partículas/substâncias estranhas. Sabor e Odor Ausência de sabores/odores estranhos.
  • 4. O QUE DIZ ESSA LEGISLAÇÃO?  Requisitos gerais: Ausência de neutralizantes da acidez e reconstituintes de densidade; Ausência de resíduos de antibióticos ou de outros medicamentos/produtos de uso veterinário.  Requisitos Específicos:  Requisitos Físicos e Químicos
  • 5. O QUE DIZ ESSA LEGISLAÇÃO? • Análises feitas pela Rede Brasileira de Laboratórios de Controle da Qualidade do Leite (RBQL): Contagem Bacteriana Total (CBT); Contagem de Células Somáticas (CCS); Teor de componentes do leite.
  • 6. Definições  Leite Produto oriundo da ordenha completa e ininterrupta, em condições de higiene, de vacas sadias, bem alimentadas e descansadas.  "Leite individual“ Produto resultante da ordenha de uma fêmea.  “Leite de conjunto“ resultante da mistura de leite individual.
  • 7. Definições  Coleta de Leite Cru Refrigerado a Granel Consiste em recolher o produto em caminhões, através de mangote flexível e bomba sanitária, diretamente do tanque de refrigeração por expansão direta ou dos latões contidos nos refrigeradores de imersão.
  • 8. Definições  Boas Práticas Agropecuárias Conjunto de normas e de procedimentos a serem observados pelos produtores rurais sistemas de produção mais rentáveis e competitivos asseguram também a oferta de alimentos seguros, oriundos de sistemas de produção sustentáveis.
  • 9. Definições  Granelização do Leite Processo que está intimamente relacionado com a manutenção da qualidade do leite, resfriado nas propriedades rurais até a indústria.
  • 10. Definições • Leite de boa qualidade Sabor agradável, Alto valor nutritivo, Ausência de agentes patogênicos, Ausência de contaminantes, Baixa contagem de células somáticas, Baixa carga bacteriana.
  • 11. Análises Realizadas no Momento da Recepção • Ao chegar ao laticínios, antes da descarga, o transportador entrega ao controle de qualidade:  a planilha de coleta de leite  amostras individuais • Ficam acondicionadas sob refrigeração, até que o leite seja processado.
  • 12. Análises Realizadas no Momento da Recepção • São coletadas amostras de cada compartimento dos carros tanque, para as análises físico-químicas. • No caso do leite em latão, após a homogeneização dos mesmos é coletado amostras de todos os latões e analisadas em conjunto.
  • 13. Análises Realizadas no Momento da Recepção • As análises realizadas de seleção são as seguintes: Extrato Seco Desengordurado/ Parâmetro Resultados Padrão Alizarol* Estável Acidez 15 – 18 ºD Temperatura 02 a 04 ºC Crioscopia Máximo de 0,530 ºH Gordura Mínimo de 3,0 % Densidade 1,028 a 1,034 EST* Mín. 11, 4 % ESD** Mín. 8,4 Proteína 2,9 % Redutores Ausentes Reconstituintes da densidade Ausentes Antibiótico Negativo Redutase* Mínimo de 2:30 horas Clorestos Negativo
  • 14. Análises Realizadas no Momento da Recepção FAZER DIARIAMENTE, PARA RECEBER O LEITE: 1. Temperatura; 2. Teste do Alizarol (no mínimo 0,2% de alizarina em álcool etílico de concentração mínima de 72º GL); 3. Acidez Titulável 4. Densidade 5. Crioscopia 6. Pesquisa de Fosfatase Alcalina e de Peroxidase 7. quando se receber leite refrigerado proveniente de outras indústrias
  • 15. Análises Realizadas no Momento da Recepção 7. Pesquisa Conservantes de neutralizantes da acidez carbonato de sódio bicarbonato de sódio hidróxido de sódio 7. Pesquisa de resíduos de detergentes e sanitizantes 8. Pesquisa de reconstituintes da densidade açúcar, sal de cozinha, amido, dextrinas
  • 16. Análises Realizadas no Momento da Recepção 10. Glícidios Redutores em Lactose 11. Teor de Sólidos totais do Leite 12. Teor de Gordura 13. Outras pesquisas, de aplicação periódica (pesquisa de antibióticos, etc) ou de acordo com suspeitas.
  • 17. Procedimentos Adotados Para Análises e Emissão dos Resultados • Todas as análises são realizadas de acordo com a instrução normativa n⁰ 68 de 12 de dezembro de 2006. • Ao constatar que o leite encontra-se com algum parâmetro fora do estabelecido, de posse das amostras individuais, é realizada a análise das mesmas, afim de, rastrear o leite com problema. laudo pelo laboratório com os resultados dos parâmetros analisados enviado ao produtor juntamente com uma notificação, explicando as possíveis causas e soluções
  • 18. Procedimentos Adotados Para Análises e Emissão dos Resultados • No dia seguinte é realizada nova análise do leite Alteração o leite não é coletado a granel • De acordo com a inconformidade apresentada, o produtor é autorizado a entregar o leite diretamente na plataforma de recepção, no horário regulamentar, onde o mesmo submetido às análises laboratoriais.
  • 19. Procedimentos Adotados Para Análises e Emissão dos Resultados • Para os produtores de leite em latão, quando a inconformidade não é presença de antibiótico, neutralizastes e reconstituintes da densidade o leite é devolvido ao produtor, juntamente com :  Laudo de análise  Notificação detalhando o problema detectado • Um prazo é dado ao produtor para que tal fato seja solucionado.
  • 20. Padrões Para Aceitação da Matéria Prima •Empresa adota os requisitos físico- químicos estabelecidos pelo regulamento técnico de identidade e qualidade:  Leite cru refrigerado  Leite cru tipo C, que são eles: Parâmetro Padrão Alizarol Estável Acidez 15 – 18 ºD Temperatura 02 a 04 ºC Crioscopia Máximo de 0,530 ºH Gordura Mínimo de 3,0 % Densidade 1,028 a 1,034 EST* Mín. 11, 4 % ESD** Mín. 8,4 Proteína 2,9 % Redutores Ausentes Reconstituintes da densidade Ausentes Antibiótico Negativo Redutase Mínimo de 2:30 horas Clorestos Negativo
  • 21. Procedimentos Adotados Para Matéria Prima Fora dos Padrões Estabelecidos• O leite segue na linha processado desde que os teores dos referidos constituintes não descaracterize o produto processado. • Atender o regulamento técnico de qualidade e identidade de cada produto. • Identificação ao produtor leite esta fora dos padrões e são tomados às devidas providências. • Composição físico-química (teores inferiores de): Matéria gorda Índice crioscópio Densidade relativa Extrato Seco Desengordurado Proteínas
  • 22.  Acidez titulável e Alizarol • A acidez é devida à presença de: caseína, fosfatos, albumina, podendo variar de 13 a 17°D. dióxido de carbono Citratos • Eventualmente essa faixa pode ser mais ampla, dependendo da individualidade e da raça da vaca.
  • 23.  Acidez titulável e Alizarol • A prova do Alizarol possibilita a determinação rápida e aproximada da acidez do leite por colorimetria.
  • 24.  Acidez titulável e Alizarol • Quando o leite apresenta-se com acidez igual ou acima de 19 ⁰D ou não passa no teste do alizarol este não é processado sendo descartado. Descarte ocorre no reservatório destinado ao armazenamento de soro. O leite misturado ao soro é reaproveitado para alimentação animal e fornecido aos produtores.
  • 25.  Densidade • Essa análise é feita usualmente com o propósito de calcular o teor de sólidos do leite para verificação de sua conformidade frente à legislação sanitária. evitar fraudes no que se refere a desnatação prévia ou água no leite. • O leite normal pode ter sua densidade variando entre 1,029 e 1,035, com a maioria das amostras situando-se entre 1,030 e 1,033.
  • 26.  Temperatura • Ao apresentar-se com temperatura elevada, mas dentro dos padrões o leite segue na linha de processamento. • A chegada do leite nos estabelecimentos industriais com temperatura superior àquela estabelecido é de responsabilidade exclusiva do carreteiro ou transportador, podendo este vir a responder por eventuais prejuízos.
  • 27.  Resíduo de antibiótico, Reconstituintes da Densidade, Neutralizantes • O leite que apresentar resíduo de antibiótico, reconstituinte da densidade e/ou neutralizantes é descartado. • Descarte ocorre em áreas em que não há risco de contaminação das redes fluviais . • Dependendo das situações é enviado à empresa ST Tratamento de Resíduo, localizado na cidade de Lavras. Na empresa o leite será tratado e posteriormente descartado
  • 28.  Redutase • O leite que apresentar-se com o teste de redutase inferior a 2:30 minutos desde que apresente suas características normais é processado, • Produtor notificado e orientado para que sejam tomadas as providencias para melhoria da qualidade. • Persistindo o resultado e analisado juntamente com os resultados de UFC, das análises realizadas pela Embrapa, o leite é dispensado.

Notas do Editor

  1. 4
  2. 5
  3. 13
  4. 14
  5. 15
  6. 16
  7. 18
  8. 19
  9. 20
  10. 21
  11. 22
  12. 23