SlideShare uma empresa Scribd logo
INE, ano de edição 2016
Em 2010, registou-se uma variação ligeiramente negativa: -758 indivíduos
(saldo natural + saldo migratório= -4 573+3 815= -758)
Entre 2011 e 2013, o país assistiu a um agravamento populacional com ambos os saldos
negativos.
Em 2014 e 2015 houve uma recuperação embora de sentido negativo, ainda.
Em 2015, o saldo natural foi de -23 011 e o saldo migratório de -10 481 indivíduos. Donde,
Portugal continua a perder população: -33 492 indivíduos.
Em 2015, os valores médios das três
taxas relativas ao país foram
negativos, portanto, o país
continua a perder população em
termos reais:
TCE= -0,32%
TCN= -0,22%
TCM= -0,10%
A nível das NUTS II, em 2015,
apenas a Área Metropolitana de
Lisboa registou valores positivos nas
três taxas:
TCE= 0,13%
TCN= 0,04%
TCM= 0,09%
Estes valores e a TCE positiva do
Algarve não compensaram a soma
dos valores negativos das restantes
NUTS II.
Em 2015, Portugal registava 14,1% de jovens (0-14 anos), 65,2% de pessoas em idade ativa
(15-64 anos) e 20,7% de idosos (65 e + anos). R.A.Açores e A.M.Lisboa são mais jovens
(16,4% e 15,9%); R.A.Açores e R.A.Madeira apresentaram mais ativos (70% e 69,7%). O
Alentejo e o Centro são regiões mais idosas (24,7% e 23,3%).
Entre 2010 e 2015 houve um agravamento do Índice de Dependência de Idosos (28,2
idosos para 31,8 por cada 100 ativos) e uma redução no de jovens (22,8 para 21,7 jovens
por cada 100 ativos), o que corrobora a tendência do envelhecimento populacional, a
incapacidade de renovação de gerações e o risco de insustentabilidade da Segurança
Social. Por NUTS II, o Alentejo evidencia-se pelo peso dos idosos seguido do Centro.
A.M.Lisboa, Algarve e R.A.Açores ressaltam pelo maior valor do seu Índice de
Dependência dos Jovens relativamente à média nacional.
O Índice de Envelhecimento é particularmente acentuado na NUTS II Alentejo, onde,
o valor de 192 torna esta região a mais envelhecida. Em contrapartida, a R.A. dos
Açores é a mais jovem
O perfil das pirâmides etárias tem
evoluído condicionado pelo
envelhecimento populacional:
- Estreitamento da base devido
à redução de jovens,
consequência da baixa
natalidade;
- Alargamento do topo por força
do aumento de longevidade.
Em 2010, o Índice de
Envelhecimento era de 124 idosos
por cada 100 jovens, e, em 2015,
subiu para 147 de idosos por cada
100 jovens.
Em 2010, nasceram 101 381 bebés e, em 2015, 85 500, respetivamente, 9,6‰ e 8,3‰.
Em 2013 e 2014 foi atingida a mais baixa taxa de natalidade: 7,9‰.
Em 2015, registou-se um aumento do número de nascimentos.
A nível de NUTS II, as regiões mais natalistas, em relação à taxa média nacional, são
A.M.Lisboa, Algarve e R.A.Açores.
As restantes NUTS II, refletem o peso do envelhecimento e, consequentemente, a baixa
natalidade que as afeta.
TAXA DE FECUNDIDADE GERAL POR MUNICÍPIO
EM 2015
A taxa de fecundidade geral, por município,
em 2015 (‰), mostra uma irregularidade
geográfica evidente, com valores mais baixos
dominantes no Norte e Centro e com os
valores mais elevados mais concentrados no
Alentejo, no Algarve e na A.M.Lisboa.
Em relação ao valor médio nacional (36 ‰), os
municípios com valores mais reduzidos eram
Penamacor, Tabuaço e Sernancelhe, todos no
Interior, e os de valor mais elevado eram
Lisboa, Odivelas e Avis, os três no Litoral ou
perto da costa.
O número de óbitos no período entre 2010 e 2015 mostra uma fraca amplitude
numérica de ano para ano evoluindo de forma irregular. Fatores como o número de
habitantes total, idade e condições de vida, influenciam o valor da taxa de
mortalidade por NUTS II, neste caso, em 2015. O Alentejo, com 14,4‰, e o Centro com
12,2‰, foram as regiões que mais se afastaram do valor médio nacional: 10,5‰
Taxa de mortalidade infantil, UE28, 2014
Portugal apresentava, em 2014, o décimo valor mais baixo da taxa de
mortalidade infantil dos 28 Estados-Membros.
O essencial do Destaque
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=250238748&DESTAQUESmodo=2
Em 31 de dezembro de
2015, a população
residente foi estimada em
10 341 330 pessoas, o que
representa uma
diminuição de 33 492 face
ao ano anterior, ou seja,
Taxa de crescimento
efetivo= -0,32%
Manteve-se assim a
tendência de decréscimo
populacional .que se vem
verificando desde 2010
O abrandamento do
decréscimo populacional
em 2015 resultou da
redução do valor negativo
do saldo migratório, que se
situou em -10 481 (-30 056
em 2014), não obstante o
ligeiro agravamento do
saldo natural (-23 011 face
a -22 423 em 2014)
Taxa de crescimento
natural= -0,22%
Taxa de crescimento
migratório= -0,10%
O saldo migratório
apresentou em 2015, e
pelo quinto ano
consecutivo, um valor
negativo, ainda que
menos acentuado que nos
últimos quatro anos.
Emigrantes permanentes:
40 377 em 2015
49 572 em 2014
Imigrantes permanentes:
29 896 em 2015
19 516 em 2014
Em 2015, houve mais 3,8% de nados-vivos. O índice sintético de fecundidade foi de 1,30
filhos. A idade média da mulher ao nascimento do primeiro filho foi de 30,2 anos mantendo-
se a tendência de adiamento da idade à maternidade.
Registou-se um aumento de 3,5% de mortalidade geral face a 2014. 70,5% dos óbitos em
2015 ocorreram em pessoas com idades iguais ou superiores a 75 anos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
Idalina Leite
 
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Idalina Leite
 
Envelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalEnvelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em Portugal
Inês Espojeira
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
Idalina Leite
 
10 atual populacao
10 atual populacao10 atual populacao
10 atual populacao
Ilda Bicacro
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Idalina Leite
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ana Pais
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Maria Rebelo
 
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da populaçãoPortugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Idalina Leite
 
RevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O TesteRevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O Teste
Ministério da Educação
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)
Idalina Leite
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
Rita Ribeiro
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
abarros
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
Idalina Leite
 
Resumos
ResumosResumos
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
Idalina Leite
 
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
André Barroso
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
 
Envelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalEnvelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em Portugal
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
 
10 atual populacao
10 atual populacao10 atual populacao
10 atual populacao
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
 
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da populaçãoPortugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da população
 
RevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O TesteRevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O Teste
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)A população (Sebenta de Geo A_2)
A população (Sebenta de Geo A_2)
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
 

Destaque

Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisEuropa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Idalina Leite
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
Idalina Leite
 
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Idalina Leite
 
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
 Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
Idalina Leite
 
Política regional europeia
Política regional europeiaPolítica regional europeia
Política regional europeia
Idalina Leite
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Idalina Leite
 
Leader+
Leader+Leader+
Leader+
Idalina Leite
 
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Idalina Leite
 
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas DemográficasPopulação portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
Idalina Leite
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
Idalina Leite
 
Planeamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´sPlaneamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´s
Idalina Leite
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidades
Idalina Leite
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
Anna Paula Tenorio
 
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVDContrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Idalina Leite
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
Idalina Leite
 
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
Mobilidade e Acessibilidade   Cp4Mobilidade e Acessibilidade   Cp4
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
abarros
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
Idalina Leite
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
Darleny Viana
 
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Idalina Leite
 

Destaque (20)

Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturaisEuropa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
Europa 2020_ Portugal 2020 _Fundos estruturais
 
Geo imagens 1
Geo imagens 1Geo imagens 1
Geo imagens 1
 
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008Evolução da Natalidade_ 1900.2008
Evolução da Natalidade_ 1900.2008
 
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
 Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
Geo A.4_As atividades humanas e a organização do espaço
 
Política regional europeia
Política regional europeiaPolítica regional europeia
Política regional europeia
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
 
Leader+
Leader+Leader+
Leader+
 
Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008Evolução da Mortalidade_1900.2008
Evolução da Mortalidade_1900.2008
 
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas DemográficasPopulação portuguesa_Estatísticas Demográficas
População portuguesa_Estatísticas Demográficas
 
Mobilidade 3
Mobilidade 3Mobilidade 3
Mobilidade 3
 
Planeamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´sPlaneamento, planos e PDM´s
Planeamento, planos e PDM´s
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidades
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
 
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVDContrastes de desenvolvimento: PD e PVD
Contrastes de desenvolvimento: PD e PVD
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
 
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
Mobilidade e Acessibilidade   Cp4Mobilidade e Acessibilidade   Cp4
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
 
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas
 

Semelhante a Estatísticas Demográficas 2015

Portugal e frança
Portugal e françaPortugal e frança
Portugal e frança
Tiago Filipe
 
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraDesequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Joana Aguamel
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
sdpx652fwz
 
Geografia 9º ano - diferenças entre os países
Geografia 9º ano - diferenças entre os paísesGeografia 9º ano - diferenças entre os países
Geografia 9º ano - diferenças entre os países
escola secundária com 3º CEB de Coruche
 
Portugal 2016
Portugal 2016Portugal 2016
Portugal 2016
Ilda Bicacro
 
GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1
Idalina Leite
 
Resumos
ResumosResumos
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
A. Rui Teixeira Santos
 
1ºteste de avaliação
1ºteste de avaliação1ºteste de avaliação
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
Idalina Leite
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
16 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,32
16 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,3216 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,32
16 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,32
Maria Paredes
 
Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?
Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?
Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?
Ilda Bicacro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
Catarina Castro
 
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Rita Galrito
 
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibéricaCentro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
GRAZIA TANTA
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Idalina Leite
 
GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL - 2004/2013
GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL -  2004/2013GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL -  2004/2013
GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL - 2004/2013
GRAZIA TANTA
 
A emigração como fenómeno social
A emigração como fenómeno socialA emigração como fenómeno social
A emigração como fenómeno social
Tomás Pinto
 
564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx
564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx
564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx
mariajoaosargento
 

Semelhante a Estatísticas Demográficas 2015 (20)

Portugal e frança
Portugal e françaPortugal e frança
Portugal e frança
 
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-CoimbraDesequilíbrios Regionais-Coimbra
Desequilíbrios Regionais-Coimbra
 
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A PopulapdffbnucjjfvoMódulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
Módulo 4_Portugal-A Populapdffbnucjjfvo
 
Geografia 9º ano - diferenças entre os países
Geografia 9º ano - diferenças entre os paísesGeografia 9º ano - diferenças entre os países
Geografia 9º ano - diferenças entre os países
 
Portugal 2016
Portugal 2016Portugal 2016
Portugal 2016
 
GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1GEOGRAFIA A - Síntese.1
GEOGRAFIA A - Síntese.1
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
Conferência do Grupo Parlamentar do MpD "Diáspora Cabo-verdiana: Desafios e O...
 
1ºteste de avaliação
1ºteste de avaliação1ºteste de avaliação
1ºteste de avaliação
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
 
16 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,32
16 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,3216 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,32
16 17 trab.sel.f-12_lh2_grp4_pl+m_03,11,20,32
 
Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?
Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?
Sertã, o jardim do envelhecimento europeu? Que desafios?
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
Contrastes de desenvolvimento - Portugal vs Índia (Países desenvolvidos e Paí...
 
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibéricaCentro e periferias  3  – portugal, uma periferia ibérica
Centro e periferias 3 – portugal, uma periferia ibérica
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL - 2004/2013
GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL -  2004/2013GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL -  2004/2013
GANHOS E PERDAS DE PODER DE COMPRA NAS TERRAS DE PORTUGAL - 2004/2013
 
A emigração como fenómeno social
A emigração como fenómeno socialA emigração como fenómeno social
A emigração como fenómeno social
 
564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx
564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx
564640550-Caderno-de-Atividades-Solucoes-Perfil-pt (1).docx
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Idalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
Idalina Leite
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
Idalina Leite
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Idalina Leite
 
Geo-imagens 2
Geo-imagens 2Geo-imagens 2
Geo-imagens 2
Idalina Leite
 
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (19)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
 
Geo-imagens 2
Geo-imagens 2Geo-imagens 2
Geo-imagens 2
 
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Estatísticas Demográficas 2015

  • 1. INE, ano de edição 2016
  • 2. Em 2010, registou-se uma variação ligeiramente negativa: -758 indivíduos (saldo natural + saldo migratório= -4 573+3 815= -758) Entre 2011 e 2013, o país assistiu a um agravamento populacional com ambos os saldos negativos. Em 2014 e 2015 houve uma recuperação embora de sentido negativo, ainda. Em 2015, o saldo natural foi de -23 011 e o saldo migratório de -10 481 indivíduos. Donde, Portugal continua a perder população: -33 492 indivíduos.
  • 3. Em 2015, os valores médios das três taxas relativas ao país foram negativos, portanto, o país continua a perder população em termos reais: TCE= -0,32% TCN= -0,22% TCM= -0,10% A nível das NUTS II, em 2015, apenas a Área Metropolitana de Lisboa registou valores positivos nas três taxas: TCE= 0,13% TCN= 0,04% TCM= 0,09% Estes valores e a TCE positiva do Algarve não compensaram a soma dos valores negativos das restantes NUTS II.
  • 4. Em 2015, Portugal registava 14,1% de jovens (0-14 anos), 65,2% de pessoas em idade ativa (15-64 anos) e 20,7% de idosos (65 e + anos). R.A.Açores e A.M.Lisboa são mais jovens (16,4% e 15,9%); R.A.Açores e R.A.Madeira apresentaram mais ativos (70% e 69,7%). O Alentejo e o Centro são regiões mais idosas (24,7% e 23,3%).
  • 5. Entre 2010 e 2015 houve um agravamento do Índice de Dependência de Idosos (28,2 idosos para 31,8 por cada 100 ativos) e uma redução no de jovens (22,8 para 21,7 jovens por cada 100 ativos), o que corrobora a tendência do envelhecimento populacional, a incapacidade de renovação de gerações e o risco de insustentabilidade da Segurança Social. Por NUTS II, o Alentejo evidencia-se pelo peso dos idosos seguido do Centro. A.M.Lisboa, Algarve e R.A.Açores ressaltam pelo maior valor do seu Índice de Dependência dos Jovens relativamente à média nacional.
  • 6. O Índice de Envelhecimento é particularmente acentuado na NUTS II Alentejo, onde, o valor de 192 torna esta região a mais envelhecida. Em contrapartida, a R.A. dos Açores é a mais jovem
  • 7. O perfil das pirâmides etárias tem evoluído condicionado pelo envelhecimento populacional: - Estreitamento da base devido à redução de jovens, consequência da baixa natalidade; - Alargamento do topo por força do aumento de longevidade. Em 2010, o Índice de Envelhecimento era de 124 idosos por cada 100 jovens, e, em 2015, subiu para 147 de idosos por cada 100 jovens.
  • 8. Em 2010, nasceram 101 381 bebés e, em 2015, 85 500, respetivamente, 9,6‰ e 8,3‰. Em 2013 e 2014 foi atingida a mais baixa taxa de natalidade: 7,9‰. Em 2015, registou-se um aumento do número de nascimentos. A nível de NUTS II, as regiões mais natalistas, em relação à taxa média nacional, são A.M.Lisboa, Algarve e R.A.Açores. As restantes NUTS II, refletem o peso do envelhecimento e, consequentemente, a baixa natalidade que as afeta.
  • 9. TAXA DE FECUNDIDADE GERAL POR MUNICÍPIO EM 2015 A taxa de fecundidade geral, por município, em 2015 (‰), mostra uma irregularidade geográfica evidente, com valores mais baixos dominantes no Norte e Centro e com os valores mais elevados mais concentrados no Alentejo, no Algarve e na A.M.Lisboa. Em relação ao valor médio nacional (36 ‰), os municípios com valores mais reduzidos eram Penamacor, Tabuaço e Sernancelhe, todos no Interior, e os de valor mais elevado eram Lisboa, Odivelas e Avis, os três no Litoral ou perto da costa.
  • 10. O número de óbitos no período entre 2010 e 2015 mostra uma fraca amplitude numérica de ano para ano evoluindo de forma irregular. Fatores como o número de habitantes total, idade e condições de vida, influenciam o valor da taxa de mortalidade por NUTS II, neste caso, em 2015. O Alentejo, com 14,4‰, e o Centro com 12,2‰, foram as regiões que mais se afastaram do valor médio nacional: 10,5‰
  • 11. Taxa de mortalidade infantil, UE28, 2014 Portugal apresentava, em 2014, o décimo valor mais baixo da taxa de mortalidade infantil dos 28 Estados-Membros.
  • 12. O essencial do Destaque https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=250238748&DESTAQUESmodo=2
  • 13. Em 31 de dezembro de 2015, a população residente foi estimada em 10 341 330 pessoas, o que representa uma diminuição de 33 492 face ao ano anterior, ou seja, Taxa de crescimento efetivo= -0,32% Manteve-se assim a tendência de decréscimo populacional .que se vem verificando desde 2010
  • 14. O abrandamento do decréscimo populacional em 2015 resultou da redução do valor negativo do saldo migratório, que se situou em -10 481 (-30 056 em 2014), não obstante o ligeiro agravamento do saldo natural (-23 011 face a -22 423 em 2014) Taxa de crescimento natural= -0,22% Taxa de crescimento migratório= -0,10%
  • 15. O saldo migratório apresentou em 2015, e pelo quinto ano consecutivo, um valor negativo, ainda que menos acentuado que nos últimos quatro anos. Emigrantes permanentes: 40 377 em 2015 49 572 em 2014 Imigrantes permanentes: 29 896 em 2015 19 516 em 2014
  • 16. Em 2015, houve mais 3,8% de nados-vivos. O índice sintético de fecundidade foi de 1,30 filhos. A idade média da mulher ao nascimento do primeiro filho foi de 30,2 anos mantendo- se a tendência de adiamento da idade à maternidade. Registou-se um aumento de 3,5% de mortalidade geral face a 2014. 70,5% dos óbitos em 2015 ocorreram em pessoas com idades iguais ou superiores a 75 anos.