SlideShare uma empresa Scribd logo
“Nasceram mais
crianças mas o
saldo natural
manteve-se
negativo”
Estatísticas vitais 2016
27/abril/2017 - INE
Entre 2010 e 2016
registaram-se dois períodos
de sentido diferente:
§ De 2010 a 2014 a
natalidade diminuiu
2010/2011 ...... -4,5%
2011/2012 ...... -7,2%
2012/2013 ...... -7,9%
2013/2014 ...... -0,6%
§ De 2014 a 2016 a
natalidade aumentou
2014/2015 ...... +3,8%
2015/2016 ...... +1,9%
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=249885877&DESTAQUESmodo=2
Genericamente a natalidade resulta de uma multiplicidade de fatores.
Nas sociedades tradicionais, os hábitos culturais e religiosos são
fortemente impõem-se às opções dos casais e a natalidade é elevada.
Nas sociedades modernas, ocidentais, as opções familiares impõem-
se, os filhos são encarados como um custo e a diversidade de meios
de contraceção favorecem a baixa natalidade.
Hipóteses explicativas para a evolução da natalidade
– Dir-se-á que os anos de 2010 a 2014 foram influenciados pela crise
económica e financeira pelo que houve uma quebra acentuada do número
de nascimentos: -4,5%, -7,2%, -7,9% mas, de 2013 para 2014 só -0,6% ... e
a Troika ainda condicionava Portugal!
– Dir-se-á que, desde 2015, a economia do país recuperou e a confiança dos
casais se reflete no aumento de nascimentos ... mas, de +3,8% já passou
para +1,9%!
– Apesar do período de tempo ser curto (7 anos) podemos concluir que, as
dificuldades económicas fazem contrair a maternidade e que, o apelo da
Natureza, impele as mulheres acima dos 35 anos a decidir pela
maternidade tardia.
Como se observa no gráfico o
único grupo etário feminino
que registou, entre 2010 e
2016, um aumento do número
de nascimentos foi o das
mulheres com 35 e mais
anos, de 21,8 para 31,5%.
Apesar de haver mais
nascimentos não significa
mais fecundidade pois, sendo
mães mais “velhas” a
tendência é ficarem só com 1
filho. Daí, falar-se da geração
dos filhos-únicos.
A descida de percentagem de
nados-vivos no grupo etário
das mães com menos de 20
anos indicia, provavelmente,
maior acessibilidade ao planeamento familiar ou o resultado das
iniciativas da educação sexual junto da juventude ou, ainda, a
comprovada maior escolaridade dentro das jovens e a opção pela
aposta numa futura carreira profissional.
Entre 2010 e 2016, a
mortalidade sofreu uma
variação, de ano para ano,
irregular:
2010/2011 ...... -3,0%
2011/2012 ...... +4,6%
2012/2013 ...... -1,0%
2013/2014 ...... -1,7%
2014/2015 ...... +3,5%
2015/2016 ...... +1,8%
Verifica-se, ainda, que, em
cada ano, morreram mais
homens do que mulheres
(só em 2015 houve uma
exceção).
Morrem mais homens e a sua esperança média de vida é ligeiramente
inferior à das mulheres. Várias razões: a fisiologia dos homens é-lhes
mais desfavorável; tradicionalmente, adquirem vícios mais cedo do que
as mulheres, tais como, consumo excessivo de álcool, tabaco, drogas,
etc. Lamentavelmente, nas sociedade urbano-industriais, as mulheres
aproximam-se dos homens em muitos dos consumos prejudiciais.
A combinação das duas
variáveis, nados-vivos e
óbitos, revela, nos últimos
sete anos, uma tendência
clara para
§ saldos naturais
negativos
e, consequentemente, uma
§ perda de população
em termos naturais.
O problema agravou-se
entre 2010 e 2013,
recuperou em 2014 e voltou
a agravar-se em 2015 e
2016.
Desemprego, reduções nos apoios sociais, emancipação da mulher,
emigração, temporária ou permanente, são causas fáceis de elencar.
Mas, mesmo quando dizem haver recuperação económica, as opções
individuais impõem-se prioritariamente. As mulheres estão em maior
número nas universidades, acabam os seus cursos em maior número
do que eles, a carreira assume o primeiro lugar em detrimento da
experiência maternal.
As transformações sociais interferem prioritariamente
na demografia
Desde que o regime democrático se instalou no país, as transformações
sociais aceleraram, em especial, nas opções dos indivíduos. Aumentam as
uniões de facto, as famílias monoparentais, os nados –vivos fruto de
procriação medicamente assistida, os nascimentos fora do casamento ...
Que evolução demográfica
se espera ao longo deste
século?
Ao longo do século atual, as
projeções demográficas das
Nações Unidas apontam, para
Portugal:
§ Uma diminuição dos jovens (0-
14 anos) até 2060 e uma
manutenção nos 40 anos
seguintes:
1,8 milhões em 2000
1,05 milhões em 2050
1,0 milhões em 2100
§ Uma diminuição significativa do
grupo etário dos adultos (15-64
anos):
De 7 milhões para 3,9 milhões
§ Um aumento dos idosos (65 e
+anos) até 2050 e uma ligeira
redução nos 40 anos seguintes:
1,7 milhões em 2000 e 3,1 milhões em
2050
E 2,8 milhões em 2100
Baixa natalidade, reduzida fecundidade e
aumento da esperança média de vida
provocam envelhecimento e redução
populacional
Reflexo das baixas
natalidade e fecundidade,
Portugal não é capaz de
renovar a sua população.
À escala continental,
Europa, e à escala regional,
Europa do Sul, o país
acompanha as tendências
demográficas mas de forma
mais acentuada.
Apenas no fim deste
século o valor da taxa de
fertilidade de Portugal e da
Europa do Sul se
aproximarão:
cerca de 1,8 filhos por
mulher
Isto é, quer Portugal, a Europa do Sul e a
Europa vão continuar abaixo do índice de
renovação de gerações.
Portugal
1950 – uma estrutura etária própria de um país jovem (base larga e topo
estreito)
2015 – uma estrutura etária própria de um país maduro (base estreita e
topo alargado, maior número de adultos)
Portugal
2050 – agrava-se o envelhecimento populacional: base da pirâmide
cada vez mais estreita e topo ainda mais largo, pirâmide invertida
2100 – uma estrutura etária em caixão: base e topo semelhantes,
pirâmide ligeiramente mais larga entre os 30 e os 70 anos, uma
população em perda em termos absolutos.
E
V
O
L
U
Ç
Ã
O
E
T
Á
R
I
A
N
O
S
É
C
U
L
O
X
X
I
Cerca de 1995 a população urbana,
em percentagem, ultrapassou o peso
da população rural em Portugal.
Até 2050, a proporção de urbanos
acentua-se e impõe-se à redução do
peso dos rurais.
Em termos comparativos, Portugal,
que partiu de uma situação mais
ruralizada (62%) em 1950, evoluiu
rapidamente para valores de
urbanização próximos da média
europeia a partir de 2020: entre 75 e
80 %

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Idalina Leite
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Maria Rebelo
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011
Ilda Bicacro
 
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da populaçãoPortugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Idalina Leite
 
Envelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalEnvelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em Portugal
Inês Espojeira
 
RevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O TesteRevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O Teste
Ministério da Educação
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ana Pais
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
Idalina Leite
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
Ilda Bicacro
 
10 atual populacao
10 atual populacao10 atual populacao
10 atual populacao
Ilda Bicacro
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Idalina Leite
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Idalina Leite
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
Rita Ribeiro
 
Estrutura da população
Estrutura da populaçãoEstrutura da população
Estrutura da população
teixeira142
 
Análise da População Portuguesa em Relação à Europa
Análise  da População Portuguesa em Relação à EuropaAnálise  da População Portuguesa em Relação à Europa
Análise da População Portuguesa em Relação à Europa
Ana Vale Costa
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
abarros
 
Resumos
ResumosResumos
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
André Barroso
 
Analise dos componentes demograficos
Analise dos componentes demograficosAnalise dos componentes demograficos
Analise dos componentes demograficos
Pedro Neves
 

Mais procurados (20)

Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
Evolução da mortalidade em Portugal de 1950 a 2012
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
 
Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011Envelhecimento 2011
Envelhecimento 2011
 
Portugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da populaçãoPortugal 2015, alguns gráficos da população
Portugal 2015, alguns gráficos da população
 
Envelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em PortugalEnvelhecimento populacional em Portugal
Envelhecimento populacional em Portugal
 
RevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O TesteRevisõEs Para O Teste
RevisõEs Para O Teste
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
População Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evoluçãoPopulação Portuguesa: evolução
População Portuguesa: evolução
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
 
10 atual populacao
10 atual populacao10 atual populacao
10 atual populacao
 
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração EuropeiaPortugal, 30 anos de Integração Europeia
Portugal, 30 anos de Integração Europeia
 
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008Evolução da população portuguesa – 1950/2008
Evolução da população portuguesa – 1950/2008
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Evoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugalEvoluçao demografica em portugal
Evoluçao demografica em portugal
 
Estrutura da população
Estrutura da populaçãoEstrutura da população
Estrutura da população
 
Análise da População Portuguesa em Relação à Europa
Análise  da População Portuguesa em Relação à EuropaAnálise  da População Portuguesa em Relação à Europa
Análise da População Portuguesa em Relação à Europa
 
A População Portuguesa 2º Ano
A População Portuguesa   2º AnoA População Portuguesa   2º Ano
A População Portuguesa 2º Ano
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Economia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalhoEconomia 11.12 trabalho
Economia 11.12 trabalho
 
Analise dos componentes demograficos
Analise dos componentes demograficosAnalise dos componentes demograficos
Analise dos componentes demograficos
 

Semelhante a Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016

Familia em Portugal
Familia em PortugalFamilia em Portugal
Familia em Portugal
turma12c
 
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindicalNota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
ProfMario De Mori
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
jamerson alencar
 
crescimentopopulacional-160425141321.pdf
crescimentopopulacional-160425141321.pdfcrescimentopopulacional-160425141321.pdf
crescimentopopulacional-160425141321.pdf
HitaloSantos7
 
A população em movimento
A população em movimentoA população em movimento
A população em movimento
Léo Miranda
 
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
AaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnnAaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
vanessa270433
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
Idalina Leite
 
Cadernobrasil2008
Cadernobrasil2008Cadernobrasil2008
Cadernobrasil2008
Débora Müller
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
José Matias Alves
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
SvioCarvalho10
 
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxGeografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
SusanaViana14
 
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Idalina Leite
 
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
E1R2I3
 
geografia 11.pdf
geografia 11.pdfgeografia 11.pdf
geografia 11.pdf
LeonorVale6
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
1º Ma Grupo 04
1º Ma   Grupo 041º Ma   Grupo 04
1º Ma Grupo 04
ProfMario De Mori
 
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no BrasilArranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
Álvaro José Altamirano Montoya
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geo
sss
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mcAspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
ProfMario De Mori
 

Semelhante a Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016 (20)

Familia em Portugal
Familia em PortugalFamilia em Portugal
Familia em Portugal
 
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindicalNota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
Nota Técnica 127 - mudanças demográficas e ação sindical
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
crescimentopopulacional-160425141321.pdf
crescimentopopulacional-160425141321.pdfcrescimentopopulacional-160425141321.pdf
crescimentopopulacional-160425141321.pdf
 
A população em movimento
A população em movimentoA população em movimento
A população em movimento
 
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
AaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnnAaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
 
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacialPopulação e Povoamento: evolução e distribuição espacial
População e Povoamento: evolução e distribuição espacial
 
Cadernobrasil2008
Cadernobrasil2008Cadernobrasil2008
Cadernobrasil2008
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
 
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxGeografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
 
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas
 
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA E CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
 
geografia 11.pdf
geografia 11.pdfgeografia 11.pdf
geografia 11.pdf
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
1º Ma Grupo 04
1º Ma   Grupo 041º Ma   Grupo 04
1º Ma Grupo 04
 
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no BrasilArranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geo
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mcAspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Idalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
Idalina Leite
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
Idalina Leite
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 
Agricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOTAgricultura nacional_Análise SWOT
Agricultura nacional_Análise SWOT
 
Princípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeiaPrincípios básicos da agricultura europeia
Princípios básicos da agricultura europeia
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
 

Último

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 

Último (20)

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Saldos naturais negativos- Estatísticas vitais 2016

  • 1. “Nasceram mais crianças mas o saldo natural manteve-se negativo” Estatísticas vitais 2016 27/abril/2017 - INE
  • 2. Entre 2010 e 2016 registaram-se dois períodos de sentido diferente: § De 2010 a 2014 a natalidade diminuiu 2010/2011 ...... -4,5% 2011/2012 ...... -7,2% 2012/2013 ...... -7,9% 2013/2014 ...... -0,6% § De 2014 a 2016 a natalidade aumentou 2014/2015 ...... +3,8% 2015/2016 ...... +1,9% https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=249885877&DESTAQUESmodo=2 Genericamente a natalidade resulta de uma multiplicidade de fatores. Nas sociedades tradicionais, os hábitos culturais e religiosos são fortemente impõem-se às opções dos casais e a natalidade é elevada. Nas sociedades modernas, ocidentais, as opções familiares impõem- se, os filhos são encarados como um custo e a diversidade de meios de contraceção favorecem a baixa natalidade.
  • 3. Hipóteses explicativas para a evolução da natalidade – Dir-se-á que os anos de 2010 a 2014 foram influenciados pela crise económica e financeira pelo que houve uma quebra acentuada do número de nascimentos: -4,5%, -7,2%, -7,9% mas, de 2013 para 2014 só -0,6% ... e a Troika ainda condicionava Portugal! – Dir-se-á que, desde 2015, a economia do país recuperou e a confiança dos casais se reflete no aumento de nascimentos ... mas, de +3,8% já passou para +1,9%! – Apesar do período de tempo ser curto (7 anos) podemos concluir que, as dificuldades económicas fazem contrair a maternidade e que, o apelo da Natureza, impele as mulheres acima dos 35 anos a decidir pela maternidade tardia.
  • 4. Como se observa no gráfico o único grupo etário feminino que registou, entre 2010 e 2016, um aumento do número de nascimentos foi o das mulheres com 35 e mais anos, de 21,8 para 31,5%. Apesar de haver mais nascimentos não significa mais fecundidade pois, sendo mães mais “velhas” a tendência é ficarem só com 1 filho. Daí, falar-se da geração dos filhos-únicos. A descida de percentagem de nados-vivos no grupo etário das mães com menos de 20 anos indicia, provavelmente, maior acessibilidade ao planeamento familiar ou o resultado das iniciativas da educação sexual junto da juventude ou, ainda, a comprovada maior escolaridade dentro das jovens e a opção pela aposta numa futura carreira profissional.
  • 5. Entre 2010 e 2016, a mortalidade sofreu uma variação, de ano para ano, irregular: 2010/2011 ...... -3,0% 2011/2012 ...... +4,6% 2012/2013 ...... -1,0% 2013/2014 ...... -1,7% 2014/2015 ...... +3,5% 2015/2016 ...... +1,8% Verifica-se, ainda, que, em cada ano, morreram mais homens do que mulheres (só em 2015 houve uma exceção). Morrem mais homens e a sua esperança média de vida é ligeiramente inferior à das mulheres. Várias razões: a fisiologia dos homens é-lhes mais desfavorável; tradicionalmente, adquirem vícios mais cedo do que as mulheres, tais como, consumo excessivo de álcool, tabaco, drogas, etc. Lamentavelmente, nas sociedade urbano-industriais, as mulheres aproximam-se dos homens em muitos dos consumos prejudiciais.
  • 6. A combinação das duas variáveis, nados-vivos e óbitos, revela, nos últimos sete anos, uma tendência clara para § saldos naturais negativos e, consequentemente, uma § perda de população em termos naturais. O problema agravou-se entre 2010 e 2013, recuperou em 2014 e voltou a agravar-se em 2015 e 2016. Desemprego, reduções nos apoios sociais, emancipação da mulher, emigração, temporária ou permanente, são causas fáceis de elencar. Mas, mesmo quando dizem haver recuperação económica, as opções individuais impõem-se prioritariamente. As mulheres estão em maior número nas universidades, acabam os seus cursos em maior número do que eles, a carreira assume o primeiro lugar em detrimento da experiência maternal.
  • 7. As transformações sociais interferem prioritariamente na demografia Desde que o regime democrático se instalou no país, as transformações sociais aceleraram, em especial, nas opções dos indivíduos. Aumentam as uniões de facto, as famílias monoparentais, os nados –vivos fruto de procriação medicamente assistida, os nascimentos fora do casamento ...
  • 8. Que evolução demográfica se espera ao longo deste século?
  • 9. Ao longo do século atual, as projeções demográficas das Nações Unidas apontam, para Portugal: § Uma diminuição dos jovens (0- 14 anos) até 2060 e uma manutenção nos 40 anos seguintes: 1,8 milhões em 2000 1,05 milhões em 2050 1,0 milhões em 2100 § Uma diminuição significativa do grupo etário dos adultos (15-64 anos): De 7 milhões para 3,9 milhões § Um aumento dos idosos (65 e +anos) até 2050 e uma ligeira redução nos 40 anos seguintes: 1,7 milhões em 2000 e 3,1 milhões em 2050 E 2,8 milhões em 2100 Baixa natalidade, reduzida fecundidade e aumento da esperança média de vida provocam envelhecimento e redução populacional
  • 10. Reflexo das baixas natalidade e fecundidade, Portugal não é capaz de renovar a sua população. À escala continental, Europa, e à escala regional, Europa do Sul, o país acompanha as tendências demográficas mas de forma mais acentuada. Apenas no fim deste século o valor da taxa de fertilidade de Portugal e da Europa do Sul se aproximarão: cerca de 1,8 filhos por mulher Isto é, quer Portugal, a Europa do Sul e a Europa vão continuar abaixo do índice de renovação de gerações.
  • 11. Portugal 1950 – uma estrutura etária própria de um país jovem (base larga e topo estreito) 2015 – uma estrutura etária própria de um país maduro (base estreita e topo alargado, maior número de adultos)
  • 12. Portugal 2050 – agrava-se o envelhecimento populacional: base da pirâmide cada vez mais estreita e topo ainda mais largo, pirâmide invertida 2100 – uma estrutura etária em caixão: base e topo semelhantes, pirâmide ligeiramente mais larga entre os 30 e os 70 anos, uma população em perda em termos absolutos.
  • 14. Cerca de 1995 a população urbana, em percentagem, ultrapassou o peso da população rural em Portugal. Até 2050, a proporção de urbanos acentua-se e impõe-se à redução do peso dos rurais. Em termos comparativos, Portugal, que partiu de uma situação mais ruralizada (62%) em 1950, evoluiu rapidamente para valores de urbanização próximos da média europeia a partir de 2020: entre 75 e 80 %