SlideShare uma empresa Scribd logo
EQUILÍBRIO
QUÍMICO
Os reagentes e produtos das reações reversíveis
são separados por uma dupla seta
PROCESSOS REVERSÍVEIS
São processos que reagentes e produtos
são consumidos e produzidos ao mesmo tempo
ÁGUA
H2O ( l )
H2O (v)
PROF. VINICIUS SILVA
N2O4(g) 2 NO2(g)
REAÇÃO DIRETA
REAÇÃO INVERSA
reação DIRETA e reação INVERSA
vd
vi
No início da reação a velocidade direta é máxima
No início da reação a velocidade inversa é nula
velocidade
tempo
com o passar do tempo
Vd = Vi
te
Neste instante a reação atingiu o equilíbrio químico
PROF. VINICIUS SILVA
No momento em que a reação química atinge o
EQUILÍBRIO QUÍMICO
as concentrações dos seus participantes permanecem constantes
concentração
tempo
te
N2O4(g)
NO2(g)
N2O4(g) 2 NO2(g)
PROF. VINICIUS SILVA
As concentrações dos participantes do equilíbrio
permanecem constantes , podendo ter três situações
[ ]
tempo
reagentes
produtos
[ ]
tempo
reagentes = produtos
[ ]
tempo
reagentes
produtos
PROF. VINICIUS SILVA
01) Sobre equilíbrio químico:
Ao atingir o estado de equilíbrio, a concentração de cada
substância do sistema permanece constante.
Uma reação é reversível quando se processa simultaneamente
nos dois sentidos.
Todas as reações reversíveis caminham espontaneamente para
o estado de equilíbrio.
Uma reação reversível atinge o equilíbrio quando as
velocidades das reações direta e inversa se igualam.
O equilíbrio das reações é dinâmico
0 0
1 1
2 2
3 3
4 4
PROF. VINICIUS SILVA
=
[ A ]a
. [ B ]b
[ C ]C
. [ D ]d
CONSTANTE DE EQUILÍBRIO
EM TERMOS DE CONCENTRAÇÃO MOLAR
Vamos considerar uma reação reversível
genérica
a A + b B c C + d D
2
1
No equilíbrio teremos:
V1 = V2K1 . [ A ]a
. [ B ]b
K2 . [ C ]C
. [ D ]d
Isolando-se as constantes
K1
K2
KC
PROF. VINICIUS SILVA
I. O valor de KC depende da reação considerada e da temperatura.
III. A constante de equilíbrio é tratada como um número puro, isto é,
sem unidades
IV. Líquidos e sólidos puros, que não fazem parte da solução, não
constam da expressão da constante de equilíbrio
II. O valor de KC independe das concentrações iniciais dos reagentes
PROF. VINICIUS SILVA
N2(g) + 3 H2(g) 2 NH3 (g)
[NH3]2
[N2] . [H2]3
Kc =
2 H2O( g ) 2 H2(g) + O2(g)
Kc =
[H2]2
. [O2]
[H2O]2
PROF. VINICIUS SILVA
01) Na equação abaixo, após atingir o equilíbrio químico, podemos
concluir a respeito da constante de equilíbrio que:
a) Quanto maior for o valor de Kc, menor será o rendimento da
reação direta.
b) Kc independe da temperatura.
c) Se as velocidades das reações direta e inversa forem iguais,
então K2 = 0.
d) Kc depende das molaridades iniciais dos reagentes.
e) Quanto maior for o valor de Kc, maior será a concentração dos
produtos.
a A + b B c C + d D
1
2
PROF. VINICIUS SILVA
02) (Covest – 98) Medidas de concentração para o sistema
abaixo, em equilíbrio, a uma certa temperatura forneceram
os seguintes resultados:
Determine a constante de equilíbrio da reação nestas
condições.
[ H2 ] = 0,10 mol/L
[ I2 ] = 0,20 mol/L
[ HI ] = 1,0 mol/L
H2 ( g ) + I2 ( g ) 2 HI ( g )
=
1,
00,0
2
KC =
50
KC =
50
[HI]2
[H2] . [I2]
Kc =
(1,0)2
0,1 . 0,2
=
PROF. VINICIUS SILVA
03) Temos representado no gráfico abaixo as concentrações dos reagentes e
dos produtos de uma mesma reação do tipo:
A + B C + D
Ocorrendo no sentido à direita a partir do zero.
Tem-se sempre [A] = [B] e [C] = [D], estando estes valores representados no
gráfico. A constante de equilíbrio da reação será igual a:
2
4
6
8
10 [ ]
caminho da reação
a) 16.
b) 1/4.
c) 4.
d) 5.
e) 1/16.
 KC = 4KC =
[A] . [B]
[C] . [D]
4 . 4
8 . 8
= =
16
64
PROF. VINICIUS SILVA
04) Foram colocados em um recipiente fechado, de capacidade 2,0 L, 6,5 mol
de CO e 5 mol de NO2. À 200°C o equilíbrio foi atingido e verificou-se que
haviam sido formados 3,5 mol de CO2.
Podemos dizer que o valor de Kc para o equilíbrio dessa reação é:
a) 4,23.
b) 3,84.
c) 2,72.
d) 1,96.
e) 3,72.
=KC
[ CO2 ] [ NO ]
[ CO ] [ NO2 ]
x
x
CO + NO2 CO2 + NO
início
reage / produz
equilíbrio 3,5 3,5
3,5 3,5
3,0 1,5
6,5 5,0
3,5 3,5
0,0 0,0
[ NO ] =
3,5
2,0
= 1,75 M
[ NO2 ] =
1,5
2,0
= 0,75 M
[ CO2 ]
2,0
=
3,5
= 1,75 M
[ CO ] =
3,0
2,0
= 1,50 M
1,75
1,50 0,75
1,75
=KC x
x
3,0625
1,125
=KC KC = 2,72
PROF. VINICIUS SILVA
05) Em um recipiente de 400 mL são colocados 2 mols de PCl5 gasoso a uma
determinada temperatura. Esse gás se decompõem segundo a reação química
abaixo, e, o equilíbrio foi alcançado quando 20% do pentacloreto de fósforo
reagiram (% em mols). A constante de equilíbrio, Kc, nessas condições, vale:
a) 4,0.
b) 1,0.
c) 0,5.
d) 0,25.
e) 0,025.
PCl5 PCl3 + Cl2
início 2,0 0,0 0,0
reage / produz 0,4
Reage : n = 0,2 x 2 = 0,4 mol
0,4 0,4
0,4 0,41,6equilíbrio
[ PCl3 ] =
0,4
0,4
= 1,0 M
[ Cl2 ] =
0,4
0,4
= 1,0 M
[ PCl5 ] =
1,6
0,4
= 4,0 M
=KC x
[ PCl5 ]
[ PCl3 ] [ Cl2 ] 1,0 x 1,0
4,0
=
=KC
4,0
1,0
KC =
0,25
PROF. VINICIUS SILVA
Considere um sistema em equilíbrio químico, com as substâncias A, B, C e D.
A + B C + D
Se, por algum motivo, houver modificação em uma das velocidades,
teremos mudanças nas concentrações das substâncias
Esta modificação em uma das velocidades ocasiona o que
denominamos de DESLOCAMENTO DO EQUILÍBRIO
que será no sentido da MAIOR VELOCIDADE
PROF. VINICIUS SILVA
A + B C + D
v1
v2
Equilíbrio inicial
Aumentando v1,
o deslocamento é para a direita
A + B C + D
v1
v2
Aumentando v2,
o deslocamento é para a esquerda
A + B C + D
v1
v2
Porém, após certo tempo, a reação volta a estabelecer um
novo equilíbrio químico, mas com valores de
concentrações e velocidades diferentes das iniciais
PROF. VINICIUS SILVA
O químico
Henri Louis Le Chatelier
propôs um princípio que afirma:
“Quando um sistema em equilíbrio sofre algum tipo
de perturbação externa, ele se deslocará no sentido de minimizar
essa perturbação,
a fim de atingir novamente uma situação de equilíbrio”
PROF. VINICIUS SILVA
É possível provocar alteração em um equilíbrio químico por:
 variações de temperatura.
 variações de concentração dos participantes da reação.
 Pressão total sobre o sistema.
TEMPERATURA
Observando a reação
incolor
ΔH< 0N2O4(g)2 NO2(g)
EXOTÉRMICA
ENDOTÉRMICACastanho
avermelhado
Balão a 100°C
Cor interna é
CASTANHO-AVERMELHADO
Balão a 0°C
Cor interna é INCOLOR
PROF. VINICIUS SILVA
Podemos observar que o
aumento da temperatura favorece a reação que é ENDOTÉRMICA,
e a
redução da temperatura favorece a reação que é EXOTÉRMICA
Podemos generalizar dizendo que um(a) ...
AUMENTO DE TEMPERATURA
desloca o equilíbrio no
SENTIDO ENDOTÉRMICO
DIMINUIÇÃO DE TEMPERATURA
desloca o equilíbrio no
SENTIDO EXOTÉRMICO
PROF. VINICIUS SILVA
Vamos analisaro equilíbrio abaixo:
Cr2O7
1
2
2 H
2 –
+ H2O 2 CrO4
2 –
+ +
alaranjada amarela
O acréscimo de uma base deixa a solução
amarela, deslocando
o equilíbrio para a direita
O acréscimo de um ácido deixa a solução alaranjada,
deslocando
o equilíbrio para a esquerda
PROF. VINICIUS SILVA
Podemos generalizar afirmando que um(a) ...
AUMENTO DE CONCENTRAÇÃO
desloca o equilíbrio no
SENTIDO OPOSTO
da espécie química adicionada
DIMINUIÇÃO DE CONCENTRAÇÃO
desloca o equilíbrio no mesmo
MESMO SENTIDO
da espécie espécie retirada
PROF. VINICIUS SILVA
Alterações de pressão influenciam em equilíbrios que
possuem espécies químicas no estado gasoso
Considere a reação química em equilíbrio abaixo
N2 ( g ) + 3 H2 ( g ) 2 NH3 ( g )
4 volumes 2 volumes
o AUMENTO DE PRESSÃO
sobre o sistema desloca o equilíbrio químico
no sentido do MENOR VOLUME na fase gasosa
a DIMINUIÇÃO DE PRESSÃO
sobre o sistema desloca o equilíbrio químico
no sentido do MAIOR VOLUME na fase gasosa
PROF. VINICIUS SILVA
01) Considere a reação em equilíbrio químico:
N2 (g) + O2 (g) 2 NO (g)
É possível deslocá-lo para a direita:
a) Retirando o N2 existente.
b) Removendo o NO formado.
c) Introduzindo um catalisador.
d) Diminuindo a pressão, à temperatura constante.
e) Aumentando a pressão, à temperatura constante.
PROF. VINICIUS SILVA
02) Temos o equilíbrio:
Queremos aumentar a concentração de CO2(g) nesse equilíbrio.
Para isso ocorrer, devemos:
a) Aumentar a pressão sobre o sistema.
b) Diminuir a pressão sobre o sistema.
c) Adicionar H2(g) ao sistema.
d) Retirar H2O(g) do sistema.
e) Adicionar CO(g) ao sistema.
CO( g ) + H2O( g ) CO2( g ) + H2( g )
PROF. VINICIUS SILVA
03) O equilíbrio gasoso representado pela equação :
N2( g ) + O2( g ) 2 NO( g ) – 88 kj
É deslocado no sentido de formação de NO(g), se :
a) a pressão for abaixada.
b) N2 for retirado.
c) a temperatura for aumentada.
d) for adicionado um catalisador sólido ao sistema.
e) o volume do recipiente for diminuído.
PROF. VINICIUS SILVA
04) Nitrogênio e hidrogênio reagem para formar amônia segundo a equação:
Se a mistura dos três gases estiver em equilíbrio, qual o efeito, em
cada situação, sobre a quantidade de amônia, se provocar
N2( g ) + 3 H2( g ) 2 NH3( g ) + 22 kcal
I. Compressão da mistura. aumentaaumenta
II. Aumento de temperatura. diminuidiminui
III. Introdução de hidrogênio. aumentaaumenta
a) aumenta, aumenta, aumenta.
b) diminui, aumenta, diminui.
c) aumenta, aumenta, diminui.
d) diminui, diminui, aumenta.
e) aumenta, diminui, aumenta.
PROF. VINICIUS SILVA
É o caso especial de equilíbrio químico em que aparecem íons
Cr2O7 2 H
2 –
+ H2O 2 CrO4
2 –
+ +
Nos equilíbrios iônicos, também são definidos um
grau de ionização ( α )
e uma constante de equilíbrio ( Ki )
PROF. VINICIUS SILVA
Onde : ni é o número de mols dissociados
n é o número de mols inicial
α n i
n
=
GRAU DE IONIZAÇÃO
PROF. VINICIUS SILVA
Para a reação:
HCN(aq) H + + (aq)(aq) CN –
=Ki
[ H ] [ CN ]
[ HCN ]
+ –
PROF. VINICIUS SILVA
01) X, Y e Z representam genericamente três ácidos que, quando dissolvidos
em um mesmo volume de água, à temperatura constante, comportam-se de
acordo com a tabela:
Analise as afirmações, considerando os três ácidos:
I. X representa o mais forte
II. Z representa o mais fraco
III. Y apresenta o maior grau de ionização
mols dissolvidos mols ionizados
X
Y
Z
20
10
5
2
7
1
Está(ao) correta(s):
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e II.
e) I, II e III.
α
ni
n
=
grau de
ionização
=
2
20
α
= 0,10α
= 10 %α
X Y Z
=
7
10
α
= 0,70α
= 70 %α
=
1
5
α
= 0,20α
= 20 %α
PROF. VINICIUS SILVA
02) (FUVEST-SP) A reação H3
C – COOH H+
+ H3
C – COO tem
Ka = 1,8 x 10
Dada amostra de vinagre foi diluída com água até se obter uma solução
de [H+] = 1,0 x 10 – 3
mol/L
– 5
Nesta solução as concentrações em mol/L de CH3COO –
e de CH3COOH
são, respectivamente, da ordem de:
–
a) 3 x 10 – 1
e 5 x 10 – 10
.
[ H+
] = 1,0 x 10 – 3
[ CH3COO ] = 1,0 x 10
– 3–
=Ki
[ H ]+ [ CH3COO ]–
[ CH3COOH ]
1,8 x 10
– 5
=
1,0 x 10 – 3 1,0 x 10 – 3x
[ CH3COOH ]
[ CH3COOH ] =
1,0 x 10
– 3
1,0 x 10 – 3x
1,8 x 10 – 5
= 5,0 x 10 – 2
b) 3 x 10 – 1
e 5 x 10 – 2
.
c) 1 x 10 – 3
e 5 x 10 – 5
.
d) 1 x 10 – 3
e 5 x 10 – 12
.
e) 1 x 10 – 3
e 5 x 10 – 2
.
PROF. VINICIUS SILVA
É uma lei que relaciona
o grau de ionização
com o volume (diluição) da solução
Ki =
m α 2
1 – α
para solução de grau
de ionização pequeno
Ki = m α
2
PROF. VINICIUS SILVA
DEMONSTRAÇÃO DA FÓRMULA
Para a reação: HA
(aq)
H +
+ (aq)(aq)
A
–
início 0,0 0,0n
reage / produz ni = nα nα nα
equilíbrio n – n α– nα nα
[ ]
V
nα n α
V V
n ( 1 – α )
=Ki
[ H ] [ A ]
[ HCN ]
+ –
=
V V
x
V
n ( 1 – α )
nα nα
=
n α n α
V V
x
V
n ( 1 – α )
x
Ki = m α
2
1 – α
para solução de grau
de ionização pequeno Ki = m α
2
PROF. VINICIUS SILVA
01) Uma solução 0,01 mol / L de um monoácido está 4,0% ionizada.
A constante de ionização desse ácido é:
m = 0,01 mol/L
α = 4%
= 1,0 . 10 – 2
mol/L
= 0,04 = 4,0 . 10 – 2
Ki
= m α 2
Ki = 1,0 x 10 – 2
x ( 4 x 10 – 2
)2
Ki = 1,0 x 10 – 2
x 16 x 10 – 4
Ki = 16 x 10 – 6
Ki = 1,6 x 10 – 5
a) 1,6 x 10 – 3
.
b) 1,6 x 10 – 5
.
c) 3,32 x 10 – 5
.
d) 4,0 x 10 – 5
.
e) 3,0 x 10 – 6
.
PROF. VINICIUS SILVA
02) A constante de ionização de um ácido HX, que se encontra 0,001%
dissociado, vale 10 – 11
. A molaridade desse ácido, nessas condições
é :
a) 10
b) 0,001
c) 10
d) 0,10.
e) 1,00.
– 11
– 5
α = 0,001%
Ki = 10 – 11
m = ?
= 0,00001 = 1,0 x 10 – 5
Ki
= m α 2
10 – 11
= m x ( 1,0 x 10 – 5
)2
10 – 11
= m x 10 – 10
10 – 11
m =
10 – 10
m = 10 – 1
m = 0,10 mol/L
PROF. VINICIUS SILVA
03) O grau de dissociação iônica do hidróxido de amônio em solução
2 mol/L é 0,283% a 20°C.
A constante de ionização da base, nesta temperatura, é igual a:
a) 1,6 x 10 – 5
b) 1,0 x 10 – 3
c) 4,0 x 10 – 3
d) 4,0 x 10 – 2
e) 1,6 x 10 – 1
α = 0,283%
Ki = ?
m = 2 mol/L
= 0,00283 = 2,83 . 10 – 3
Ki
= m α 2
Ki = 2,0 x ( 2,83 x 10 – 3
)2
Ki = 2 x 8 x 10 – 6
Ki = 16 x 10 – 6
Ki = 1,6 x 10 – 5
PROF. VINICIUS SILVA
04) (FAMECA – SP) Qual o valor de “Ka
” para o HCN, sabendo-se que
o ácido em solução 0,10 mol/L encontra-se 0,006% ionizado?
α = 0,006%
Ka = ?
m = 0,10 mol/L
= 0,00006 = 6 . 10 – 5
Ki
= m α 2
Ki = 1 x 10 – 1
x 36 x 10 – 10
Ki = 36 x 10 – 11
Ki = 3,6 x 10 – 10
Ki = 1,0 x 10 – 1
( 6 x 10 – 5
)2
a) 1,2 x 10 – 4
.
b) 3,6 x 10 – 10
.
c) 3,6 x 10 – 8
.
d) 3,6 x 10 – 5
.
e) 6,0 x 10 – 5
.
PROF. VINICIUS SILVA
EQUILÍBRIO IÔNICO DA ÁGUA
H2O (l) H+
(aq) + OH –
(aq)
A constante de equilíbrio será: Ki =
[ H ] [ OH ]
[ H2O ]
+ –
como a concentração da água é praticamente constante, teremos:
Ki x [ H2O] = [ H ] [ OH ]+ –
Kw
PRODUTO IÔNICO DA ÁGUA ( Kw )A 25°C a constante “Kw” vale 10 – 14
mol/L  [ H+
] . [ OH –
] = 10 – 14
PROF. VINICIUS SILVA
1) Um alvejante de roupas, do tipo “ água de lavadeira “, apresenta
[OH –
] aproximadamente igual a 1,0 . 10 – 4
mol/L. Nessas
condições, a concentração de H+
será da ordem de:
a) 10 – 2
b) 10 – 3
c) 10 – 10
d) 10 – 14
e) zero.
[H+
] = ?
Kw = 10 – 14
M
[ OH –
] = 10 – 4
M
[H+
] . [OH –
] = 10 – 14
[H ]+ =
– 14
10
– 4
10
[H ]+ =
– 10
10 mol/L
[H+
] . 10 –4
= 10 – 14
PROF. VINICIUS SILVA
02) Qual das expressões abaixo é conhecida como “produto iônico
da água, KW
”?
a) Kw
= [H2
][O2
].
b) Kw
= [H+
] / [OH –
].
c) Kw
= [H+
][OH –
].
d) Kw
= [H2
O].
e) Kw
= [2H][O2
].
PROF. VINICIUS SILVA
Em água pura a concentração
hidrogeniônica [H ] é igual
à concentração hidroxiliônica [OH ], isto é, a 25°C,
observa-se que:
+
–
=[H ] [OH ]+ –
10 – 7=
Nestas condições dizemos que
a solução é “ NEUTRA “
PROF. AGAMENON ROBERTO
As soluções em que
[H+
] > [OH –
]
terão características
ÁCIDAS
[ H+
] > 10 – 7
mol/L
[OH – ] < 10 – 7
mol/L
nestas soluções teremos
PROF. VINICIUS SILVA
As soluções em que
[H+
] < [OH –
]
terão características
BÁSICAS
[ H+
] < 10 – 7
mol/L
[OH – ] > 10 – 7
mol/L
nestas soluções teremos
PROF. VINICIUS SILVA
01) Observando a tabela abaixo, podemos afirmar que entre os líquidos
citados tem(em) caráter ácido apenas:
Líquido [H+
] [OH – 1
]
Leite 10 – 7
10 – 7
Água do mar 10 – 8
10 – 6
Coca-cola 10 – 3
10 – 11
Café preparado 10 – 5
10 – 9
Lágrima 10 – 7
10 – 7
Água de lavadeira 10 – 12
10 – 2
a) o leite e a lágrima.
b) a água de lavadeira.
c) o café preparado e a coca-cola.
d) a água do mar e a água de lavadeira.
e) a coca-cola. PROF. VINICIUS SILVA
02) (Covest-90) O leite azeda pela transformação da lactose em ácido
lático, por ação bacteriana. Conseqüentemente apresenta ...
I) aumento da concentração dos íons hidrogênio.
II) aumento da concentração dos íons oxidrilas.
III) diminuição da concentração dos íons hidrogênios.
IV) diminuição da concentração dos íons oxidrilas.
Assinale o item a seguir que melhor representa o processo.
a) I e III.
b) II e IV.
c) I e II.
d) II.
e) I e IV.
PROF. VINICIUS SILVA
03) Misturando-se 100 mL de suco de laranja, cuja [H +
] = 0,6 mol/L, com
200 mL de suco de laranja, cuja [H +
] = 0,3 mol/L, não se obtém:
a) uma solução onde [H +
] = 0,4 mol/L.
b) uma solução completamente neutra.
c) uma solução de acidez intermediária.
d) uma solução menos ácida do que a de [H +
] = 0,6 mol/L.
e) uma solução mais ácida do que a de [H +
] = 0,3 mol/L.
V1 = 100 mL
[H ]1 = 0,6 mol/L+
V2 = 200 mL
[H ]2 = 0,3 mol/L+
Vf = 300 mL
[H ]f = ? mol/L+
Vf x [H ]f = V1 x [H ]1 + V2 x [H ]2+ + +
300 x [H ]f = 100 x 0,6 + 200 x 0,3+
300 x [H ]f = 60 + 60+
[H ]f = 120 : 300+ [H ]f = 0,4 mol/L+
04) Observando a tabela abaixo, podemos afirmar que entre os
líquidos citados tem(êm) caráter ácido apenas:
Líquido
Leite
Coca-cola
Água de lavadeira 10
[ H ] [ OH ]+ –
10
Café preparado
Lágrima 10 – 7
10
– 3
10
– 5
– 12
10 – 7
10 – 11
10 – 9
– 2
Água do mar 10
– 8
10 – 6
10
– 7
10 – 7
a) O leite e a lágrima.
b) A água de lavadeira.
c) O café preparado e a coca-cola.
d) A água do mar e a água de lavadeira.
e) A coca-cola. PROF. VINICIUS SILVA
Como os valores das concentrações
hidrogeniônica e oxidriliônica são pequenos,
é comum representá-las na forma de logaritmos e,
surgiram os conceitos de
pH e pOH
pH
pOH
=
=
– log [ H ]
– log [ OH ]
+
–
PROF. VINICIUS SILVA
Na temperatura de 25°C
Em soluções neutras
pH = pOH = 7
Em soluções ácidas
pH < 7 e pOH > 7
Em soluções básicas
pH > 7 e pOH < 7
PROF. VINICIUS SILVA
Podemos demonstrar
que, a 25°C,
e em uma mesma solução
pH + pOH = 14
PROF. VINICIUS SILVA
01) A concentração dos íons H+
de uma solução é igual a 0,0001. O pH
desta solução é:
a) 1.
b) 2.
c) 4.
d) 10.
e) 14.
pH = – log [H+
]
[ H +
] = 0,0001 mol/L = 10 – 4
mol/L
pH = 4
pH = – log 10 – 4
pH = – (– 4) . log 10
PROF. VINICIUS SILVA
02) A concentração hidrogeniônica de uma solução é de
3,45 x 10 – 11
íons – g/L. O pH desta solução vale:
Dado: log 3,45 = 0,54
a) 11.
b) 3.
c) 3,54.
d) 5,4.
e) 10,46.
pH = – [ 0,54 – 11 ]
pH = 11 – 0,54
pH = 10,46
[ H +
] = 3,45 x 10 – 11
íons – g/L
pH = – log ( 3,45 x 10 – 11
)
pH = – log [H+
]
pH = – [ log 3,45 + log 10 ]
PROF. VINICIUS SILVA
10 – 3
10 – 6
= 10 3
03) Considere os sistemas numerados (25°C)
pH = 6,0Saliva5
pH = 8,5Sal de frutas4
pH = 8,0Clara de ovos3
pH = 6,8Leite2
pH = 3,0Vinagre1
A respeito desses sistemas, NÃO podemos afirmar:
a) São de caráter básico os sistemas 3 e 4.
b) O de maior acidez é o número 1.
c) O de número 5 é mais ácido que o de número 2.
d) O de número 1 é duas vezes mais ácido que o de número 5.
e) O de menor acidez é o sal de frutas.
o 1 é 1000 vezes
mais ácido do que
5, então é FALSO
“ 1 “ tem pH = 3  [ H+
] = 10 – 3
“ 5 “ tem pH = 6  [ H+
] = 10 – 6
PROF. VINICIUS SILVA
04) (UPE-2004 - Q1) Na tabela, há alguns sistemas aquosos com os
respectivos valores aproximados de pH, a 25°C.
pH = 3,0vinagre
saliva
limpa - forno
pH = 8,0
pH = 13,0
pH = 9,0
pH = 1,0
água do mar
suco gástrico
Considerando os sistemas aquosos da tabela, é correto afirmar que:
a) O vinagre é três vezes mais ácido que o suco gástrico.
pH = 3,0vinagre
pH = 1,0suco gástrico
[ H ] = 10 M+ – 3
[ H ] = 10 M+ – 1
= 10
– 2
é 100 vezes menoré 100 vezes menor
b) No vinagre, a concentração de íons H3O é cem mil vezes maior que a da
saliva.
+
pH = 3,0vinagre
pH = 8,0saliva
[ H ] = 10 M+ – 3
[ H ] = 10 M+ – 8
= 105
é 100000 vezes
maior
é 100000 vezes
maior
c) A água do mar é menos alcalina que a saliva e mais ácida que o vinagre.
d) O sistema aquoso limpa - forno é o que contém o menor número de
mols de oxidrila por litro.
e) O suco gástrico constitui um sistema aquoso fracamente ácido.
PROF. VINICIUS SILVA
05) (Covest-2003) As características ácidas e básicas de soluções aquosas
são importantes para outras áreas além da “Química”, como, por
exemplo, a Saúde Pública, a Biologia, a Ecologia, e Materiais. Estas
características das soluções aquosas são quantificadas pelo pH, cuja
escala é definida em termos da constante de ionização da água (Kw
) a
uma dada temperatura. Por exemplo, a 25°C a constante de ionização
da água é 10–14
e a 63° C é 10–13
. Sobre o pH de soluções aquosas a
63°C julgue os itens abaixo:
pH + pOH = 13.0 0
Água pura (neutra) apresenta pH igual a 6,5.1 1
Água pura (neutra) apresenta pH igual a 7,0.2 2
Uma solução com pH igual a 6,7 é ácida.3 3
4 4 A concentração de íons hidroxila na água pura (neutra) é
igual 10–7
mol/L.
0 6,5 13
ácida
neutra
básica63ºC
Kw = 10
– 13
PROF. VINICIUS SILVA
06)(Covest – 2004) Sabendo-se que, a 25°C, o cafezinho tem pH = 5,0, o suco de
tomate apresenta pH = 4,2, a água sanitária pH = 11,5 e o leite, pH = 6,4,
pode-se afirmar que, nesta temperatura:
a) o cafezinho e a água sanitária apresentam propriedades básicas.
b) o cafezinho e o leite apresentam propriedades básicas.
c) a água sanitária apresenta propriedades básicas.
d) o suco de tomate e a água sanitária apresentam propriedades
ácidas.
e) apenas o suco de tomate apresenta propriedades ácidas.
0 7,0 14
ácida
neutra
básica25ºC
Kw = 10
– 14
Cafezinho: pH = 5,0 Propriedades ácidas
Suco de tomate: pH = 4,2 Propriedades ácidas
Água sanitária: pH = 11,5 Propriedades básicas
Leite: pH = 6,4 Propriedades ácidas
PROF. VINICIUS SILVA
07)(Covest – 2007) O pH de fluidos em partes distintas do corpo humano tem
valores diferentes, apropriados para cada tipo de função que o fluido exerce
no organismo. O pH da saliva é de 6,5; o do sangue é 7,5 e, no estômago, o
pH está na faixa de 1,6 a 1,8. O esmalte dos dentes é formado, principalmente
por um mineral de composição Ca10
(PO4
)6
(OH)2
. Após as refeições, ocorre
diminuição do pH bucal.
O pH do sangue é mantido aproximadamente constante pelo seguinte
equilíbrio químico, envolvendo o íon bicarbonato:
H CO HCO2 3
+ -
( aq ) 3( aq )H + ( aq )
Com base nestas informações avalie as seguintes proposições:
A concentração de íons H+
é maior na saliva que no sangue.0 0
1 1
2 2
3 3
4 4
A concentração de H+
no estômago é maior que 10 – 2
mol/L.
Um aumento na acidez da saliva pode resultar em ataque ao esmalte
dos dentes.
O bicarbonato pode ser usado para elevar o pH do estômago.
A adição de uma base em um meio contendo acido carbônico, íons
Hidrogênio e bicarbonato causará deslocamento do equilíbrio
mostrado no enunciado da questão no sentido da formação dos
reagentes.
PROF. VINICIUS SILVA
08) (Fuvest – SP) À temperatura ambiente, o pH de um certo
refrigerante,
saturado com gás carbônico, quando em garrafa fechada, vale 4.
Ao
abrir-se a garrafa, ocorre escape de gás carbônico. Qual deve ser o
valor do pH do refrigerante depois de a garrafa ser aberta?a) pH = 4.
b) 0 < pH < 4.
c) 4 < pH < 7.
d) pH = 7.
e) 7 < pH < 14.
PROF. VINICIUS SILVA
É o processo em que a água reage com
o cátion ou o ânion de um sal
Este processo é reversível,
devendo ser analisado seguindo os
princípios do equilíbrio químico
HIDRÓLISE SALINA
PROF. VINICIUS SILVA
Hidrólise de um sal de ácido e base ambos fracos.
Os casos fundamentais são:
Hidrólise de um sal de ácido forte e base fraca.
Hidrólise de um sal de ácido fraco e base forte.
Hidrólise de um sal de ácido e base ambos fortes.
PROF. VINICIUS SILVA
HIDRÓLISE DE UM SAL DE
ÁCIDO FORTE E BASE FRACA
água
NH4NO3
solução ácida
pH < 7
PROF. VINICIUS SILVA
NH4NO3 (aq) + HOH () NH4OH (aq) + HNO3 (aq)
O que ocorreu na preparação da solução?
 O HNO3
, é um ácido forte, e se encontra totalmente ionizado.
HNO3 (aq) H+
(aq) + NO3
–
(aq)
 O NH4
OH, por ser uma base fraca, encontra-se praticamente não dissociada.
NH4OH (aq) NH4OH (aq)
Assim, teremos:
NH4
+
+ NO3
–
+ H2O NH4OH + H+
+ NO3
–
Isto é:
NH4
+
+ H2O NH4OH + H+
PROF. VINICIUS SILVA
HIDRÓLISE DE UM SAL DE
ÁCIDO FRACO E BASE FORTE
água
KCN
solução básica
pH > 7
PROF. VINICIUS SILVA
KCN (aq) + HOH () KOH (aq) + HCN (aq)
O que ocorreu na preparação da solução?
 O HCN, é um ácido fraco, e se encontra praticamente não ionizado.
HCN (aq) HCN (aq)
 O KOH, é uma base forte, encontra-se totalmente dissociada.
KOH (aq) K+
(aq) + OH –
(aq)
Assim, teremos:
K+
+ CN –
+ H2O HCN + K+
+ OH –
Isto é:
CN –
+ H2O HCN + OH –
PROF. VINICIUS SILVA
HIDRÓLISE DE UM SAL DE
ÁCIDO FRACO E BASE FRACA
água
NH4CN
solução final
pH > 7 ou pH < 7
PROF. VINICIUS SILVA
NH4CN (aq) + HOH () NH4OH (aq) + HCN (aq)
O que ocorreu na preparação da solução?
 O HCN, é um ácido fraco, e se encontra praticamente não ionizado.
HCN (aq) HCN (aq)
 O NH4
OH, por ser uma base fraca, encontra-se praticamente não dissociada.
NH4OH (aq) NH4OH (aq)
A solução final pode ser ligeiramente ácida ou ligeiramente básica; isto
depende da constante (Ka
e Kb
) de ambos
Neste caso:
Ka
= 4,9 x 10 – 10
e Kb
= 1,8 x 10 – 5
, isto é, Kb
é maior que Ka
; então a
solução será ligeiramente básica
PROF. VINICIUS SILVA
HIDRÓLISE DE UM SAL DE
ÁCIDO FORTE E BASE FORTE
água
NaCl
solução final
é neutra
pH = 7
PROF. VINICIUS SILVA
NaCl (aq) + HOH () NaOH (aq) + HCl (aq)
O que ocorreu na preparação da solução?
 O HCl, é um ácido forte, e se encontra totalmente ionizado.
HCl (aq) H+
(aq) + Cl –
(aq)
 O NaOH, é uma base forte, encontra-se totalmente dissociada.
NaOH (aq) Na+
(aq) + OH –
(aq)
Assim, teremos:
Na+
+ Cl –
+ H2O H+
+ Cl –
+ Na+
+ OH –
Isto é:
H2O H+
+ OH – não ocorreu HIDRÓLISE
PROF. VINICIUS SILVA
01) Solução aquosa ácida é obtida quando se dissolve
em água o sal:
a) NaHCO3.
b) K2SO4.
c) KCN.
d) KF.
e) NH4Cl
pHmetro PROF. VINICIUS SILVA
02) O pH resultante da solução do nitrato de potássio (KNO3
) em
água será:
a) igual a 3,0.
b) igual a 12,0.
c) maior que 7,0.
d) igual ao pH da água.
e) menor que 7,0.
pHmetro PROF. VINICIUS SILVA
03) (UFPE) O azul de bromotimol é um indicador ácido – base, com faixa de
viragem [6,0 – 7,6], que apresenta cor amarela em meio ácido e cor azul
em meio básico. Considere os seguintes sistemas:
I. Água pura.
II. CH3
COOH 1,0 mol/L.
III. NH4
Cl 1,0 mol/L.
Indique, na tabela que segue, a coluna contendo as cores desses sistemas
depois da adição de azul de bromotimol, respectivamente:
a) verde, amarela, azul.
b) verde, azul, verde.
c) verde, amarelo, verde.
d) verde, amarela, amarelo.
e) azul, amarelo, azul.
pHmetro PROF. VINICIUS SILVA
04) Um sal formado por base forte e ácido fraco hidrolisa ao se
dissolver em água, produzindo uma solução básica.
Esta é uma característica do:
a) Na2
S.
b) NaCl.
c) (NH4
)2
SO4
.
d) KNO3
.
e) NH4
Br.
PROF. VINICIUS SILVA
É a expressão que exprime o equilíbrio das
reações de hidrólise.
Para a reação NH4 + H2O NH4OH + H
+ +
A expressão da constante de hidrólise é:
Kh =
[ NH4OH ] [ H ]+
[ NH4 ]+
PROF. VINICIUS SILVA
Podemos relacionar a constante de hidrólise (Kh
),
com a constante de ionização da água e as constantes de ionização e
dissociação dos ácidos e das bases pelas expressões:
Para a hidrólise do cátion, isto é, para sais formados
por ácido forte e base fraca, usamos a relação:
K
K
K
h =
w
b
Para a hidrólise do ânion, isto é, para sais formados
por ácido fraco e base forte, usamos a relação
K
K
K
h =
w
a
Ocorrendo a hidrólise do cátion e do ânion, para sais formados
por ácido fraco e base fraca, a relação será:
K
K
K K
h =
w
ba x
PROF. VINICIUS SILVA
01) (UFPI) Uma solução aquosa de cloreto de amônio 0,2 mol/L apresenta um
grau de hidrólise igual a 0,5%. Determine o [H+
], [OH –
], pH, pOH e Kh
para
essa solução e o Kb
para o NH4
OH.
Dado: Kw
= 10 – 14
, a 25°C.
O NH4
Cl é proveniente do HCl (ácido forte) e do NH4
OH (base fraca), então
ocorre a hidrólise do cátion NH4
+
, então:
início
reage
e produz
equilíbrio
0,2
0,2 mol/L
0,0constante
constante
0,0
NH4 + H2O NH4OH + H +
+
Reage e produz: 0,2 x 0,005 = 0,001 = 10 – 3
10 – 3 10 – 3
10 – 3
10 – 3
10 – 3
Kh =
+
pH = - log 10 – 3 pH = 3
[H ] = 10 mol/L+ – 3 [OH ] = 10 mol/L– 11–
e pOH = 11
[NH4 ]+
[NH4OH] [H ]
= 5 x 10 – 6
2 x 10
10 – 3
– 1
10 X
– 3
Kh =
Kw
Kb = 2 x 10 – 9
5 x 10 =– 6
10 – 14
Kb
PROF. VINICIUS SILVA
Vamos considerar um sistema contendo uma
solução saturada com corpo de fundo de sulfeto ferroso (FeS).
Teremos dois processos ocorrendo:
vd vp
FeS (s) Fe (aq) + S (aq)
2 –2+
No equilíbrio a velocidade de dissolução (vd
)
é igual à velocidade de precipitação (vp
).
Então teremos que: Kc =
[ Fe ] [S ]2–2+
[FeS]
= [ Fe ] [S ]2–2+Kc x [FeS]
KS
produto de
solubilidade
KS
Conhecendo-se a solubilidade do sal,
podemos determinar o Kps
.
PROF. VINICIUS SILVA
KS = [ Ag+
] 2
[SO4 – 2
]
01) (Fuvest – SP) Em determinada temperatura, a solubilidade do
sulfato de prata (Ag2
SO4
) em água é de 2,0 x 10 – 2
mol/L. Qual
o valor do produto de solubilidade (Kps
) desse sal, à mesma
temperatura?
2 x 10 – 2
mol/L
Ag2
SO4
2 Ag +
+ SO4
2 x 10 – 2
mol/L4 x 10 – 2
mol/L
– 2
KS = (4 x 10 – 2
)2
x 2 x 10 – 2
KS = 16 x 10 – 4
x 2 x 10 – 2
KS = 32 x 10 – 6
KS = 3,2 x 10 – 5
PROF. VINICIUS SILVA
02) A determinada temperatura, a solubilidade do composto XY em água
é 2,0 x 10 – 2
mol/L. O produto de solubilidade (Kps
) desse sal à mesma
temperatura é:
a) 4,0 x 10 – 4
.
b) 8,0 x 10 – 4
.
c) 6,4 x 10 – 5
.
d) 3,2 x 10 – 5
.
e) 8,0 x 10 – 6
.
XY X+ A
+ Y – B
2,0 . 10 – 2
2,0 . 10 – 2
2,0 . 10 – 2
Kps = [ X+A
] [Y – B
]
Kps = 2,0 . 10 – 2
. 2,0 . 10 – 2
Kps = 4,0 . 10 – 4
PROF. VINICIUS SILVA
03) (FESO-RJ) A solubilidade de um fosfato de metal alcalino terroso a
25°C é 10 – 4
mol/L. O produto de solubilidade deste sal a 25°C é,
aproximadamente, igual a:
a) 1,08 x 10 – 8
.
b) 1,08 x 10 – 12
.
c) 1,08 x 10 – 16
.
d) 1,08 x 10 – 18
.
e) 1,08 x 10 – 2
.
Me3(PO4)2 3 Me+ 2
+ 2 PO4
– 3
10 – 4
3 x 10 – 4
2 x 10 – 4
Kps = 27 x 10 – 12
x 4 x 10 – 8
Kps = 108 x 10 – 20
Kps = (3 x 10 – 4
)3
x (2 x 10 – 4
) 2
Kps = [ Me+
] 3
x [ PO4
– 3
] 2
Kps = 1,08 x 10 – 18
PROF. VINICIUS SILVA
04) O carbonato de bário, BaCO3
, tem Ks
= 1,6 x 10 – 9
, sob 25°C.
A solubilidade desse sal, em mol/L, será igual a:
a) 4 x 10 – 5
.
b) 16 x 10 – 5
.
c) 8 x 10 – 10
.
d) 4 x 10 – 10
.
e) 32 x 10 – 20
.
S
Ks
BaCO3
Ba +2
+ CO3
–2
S S
= [Ba ]+2 [CO3 ]
–2
1,6 x 10 – 9
x
S S
S = 1,6 x 10 – 92
S = 16 x 10 – 10
S = 4 x 10 – 5
PROF. VINICIUS SILVA
05) (PUC-SP) Uma solução saturada de base representada por X(OH)2
,
cuja reação de equilíbrio é
X XOH OH
H
22
2O
aq aqs
2+
+
-( ) ( ) ( )( )
tem pH = 10 a 25°C. O produto de solubilidade (KPS
) do X(OH)2
é:
a) 5 x 10 – 13
.
b) 2 x 10 – 13
.
c) 6 x 10 – 1
.
d) 1 x 10 – 12
.
e) 3 x 10 – 10
.
X(OH)2
X +2
+ 2 OH –
pH = 10  pOH = 4, então, [OH –
] = 10 – 4
mol/L
10 – 4
5 x 10 – 5
Kps = [ X+2
] x [ OH –
] 2
Kps = (5 x 10 – 5
) x ( 10 – 4
) 2
Kps = 5 x 10 – 5
x 10 – 8
Kps = 5 x 10 – 13
PROF. VINICIUS SILVA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
José Nunes da Silva Jr.
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenosAula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Gustavo Silveira
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Fernando Lucas
 
Aula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação químicaAula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação química
Léyah Matheus
 
Professor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética química
Professor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética químicaProfessor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética química
Professor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética química
José Roberto Mattos
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
Bio Sem Limites
 
Equilibrio Quimico I
Equilibrio Quimico IEquilibrio Quimico I
Equilibrio Quimico I
José Marcelo Cangemi
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
José Nunes da Silva Jr.
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
Marilena Meira
 
Substituição aromática eletrofilíca
Substituição aromática eletrofilícaSubstituição aromática eletrofilíca
Substituição aromática eletrofilíca
Adrianne Mendonça
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
José Nunes da Silva Jr.
 
Ana nery o equilibrio químico
Ana nery   o equilibrio químicoAna nery   o equilibrio químico
Ana nery o equilibrio químico
Joseval Estigaribia
 
Química Geral Aula 13
Química Geral Aula 13Química Geral Aula 13
Química Geral Aula 13
Ednilsom Orestes
 
Equilibrio quimicoRUDSON000
Equilibrio quimicoRUDSON000Equilibrio quimicoRUDSON000
Equilibrio quimicoRUDSON000
Rudson Anchieta
 
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Rosbergue Lúcio
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
japquimica
 
Cinética
CinéticaCinética
Cinética
Nai Mariano
 
Lista de exercícios equilíbrio químico
Lista de exercícios   equilíbrio químicoLista de exercícios   equilíbrio químico
Lista de exercícios equilíbrio químico
iqscquimica
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
José Nunes da Silva Jr.
 

Mais procurados (20)

Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenosAula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Aula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação químicaAula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação química
 
Professor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética química
Professor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética químicaProfessor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética química
Professor José Roberto - Aula atualizada 2ºano cinética química
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Equilibrio Quimico I
Equilibrio Quimico IEquilibrio Quimico I
Equilibrio Quimico I
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
 
Substituição aromática eletrofilíca
Substituição aromática eletrofilícaSubstituição aromática eletrofilíca
Substituição aromática eletrofilíca
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
 
Ana nery o equilibrio químico
Ana nery   o equilibrio químicoAna nery   o equilibrio químico
Ana nery o equilibrio químico
 
Química Geral Aula 13
Química Geral Aula 13Química Geral Aula 13
Química Geral Aula 13
 
Equilibrio quimicoRUDSON000
Equilibrio quimicoRUDSON000Equilibrio quimicoRUDSON000
Equilibrio quimicoRUDSON000
 
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Cinética
CinéticaCinética
Cinética
 
Lista de exercícios equilíbrio químico
Lista de exercícios   equilíbrio químicoLista de exercícios   equilíbrio químico
Lista de exercícios equilíbrio químico
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
 

Semelhante a Equilíbrio Químico

equilibrio quimico e soluções quimicas ppt
equilibrio quimico e soluções quimicas pptequilibrio quimico e soluções quimicas ppt
equilibrio quimico e soluções quimicas ppt
LuisAndreSilva2
 
Lista de exercícios equilibrio químico regiane
Lista de exercícios equilibrio químico regianeLista de exercícios equilibrio químico regiane
Lista de exercícios equilibrio químico regiane
Caroline Paglia
 
Apostila equilibrio quimico e ionico
Apostila equilibrio quimico e ionicoApostila equilibrio quimico e ionico
Apostila equilibrio quimico e ionico
Anderson Lino
 
Equilibrio1.daniela
Equilibrio1.danielaEquilibrio1.daniela
Equilibrio1.daniela
Luiz Fernando Prado
 
Equilibrio Químico
Equilibrio QuímicoEquilibrio Químico
Equilibrio Químico
ursomaiaalfa
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
Carlos Kramer
 
Equilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós graEquilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós gra
Carlos Kramer
 
eq quimico.pdf
eq quimico.pdfeq quimico.pdf
eq quimico.pdf
TayaneCarvalho6
 
151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt
AlexMoraisLins
 
151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt
PauloLopes420972
 
EQILÍBRIO QUÍMICO.ppt
EQILÍBRIO QUÍMICO.pptEQILÍBRIO QUÍMICO.ppt
EQILÍBRIO QUÍMICO.ppt
juelison
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
Fernando Lucas
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o ano
Karol Maia
 
Equilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e IônicoEquilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e Iônico
Carlos Priante
 
11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios
adelinoqueiroz
 
Equilibrio químico
Equilibrio químicoEquilibrio químico
Equilibrio químico
Julyanne Rodrigues
 
Equilibrio2.daniela
Equilibrio2.danielaEquilibrio2.daniela
Equilibrio2.daniela
Luiz Fernando Prado
 
Lista de exercícios 2C/D
Lista de exercícios 2C/DLista de exercícios 2C/D
Lista de exercícios 2C/D
Professora Analynne Almeida
 
5 equilíbrio químico
5   equilíbrio químico5   equilíbrio químico
5 equilíbrio químico
Everson Carabolante
 
_02-.ppt
_02-.ppt_02-.ppt

Semelhante a Equilíbrio Químico (20)

equilibrio quimico e soluções quimicas ppt
equilibrio quimico e soluções quimicas pptequilibrio quimico e soluções quimicas ppt
equilibrio quimico e soluções quimicas ppt
 
Lista de exercícios equilibrio químico regiane
Lista de exercícios equilibrio químico regianeLista de exercícios equilibrio químico regiane
Lista de exercícios equilibrio químico regiane
 
Apostila equilibrio quimico e ionico
Apostila equilibrio quimico e ionicoApostila equilibrio quimico e ionico
Apostila equilibrio quimico e ionico
 
Equilibrio1.daniela
Equilibrio1.danielaEquilibrio1.daniela
Equilibrio1.daniela
 
Equilibrio Químico
Equilibrio QuímicoEquilibrio Químico
Equilibrio Químico
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Equilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós graEquilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós gra
 
eq quimico.pdf
eq quimico.pdfeq quimico.pdf
eq quimico.pdf
 
151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quim_1 -1 (1).ppt
 
151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt
151417-AULA_IFRN-equil_quimicaa_1 -1.ppt
 
EQILÍBRIO QUÍMICO.ppt
EQILÍBRIO QUÍMICO.pptEQILÍBRIO QUÍMICO.ppt
EQILÍBRIO QUÍMICO.ppt
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o ano
 
Equilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e IônicoEquilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e Iônico
 
11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios11ºano - Quimica Exercícios
11ºano - Quimica Exercícios
 
Equilibrio químico
Equilibrio químicoEquilibrio químico
Equilibrio químico
 
Equilibrio2.daniela
Equilibrio2.danielaEquilibrio2.daniela
Equilibrio2.daniela
 
Lista de exercícios 2C/D
Lista de exercícios 2C/DLista de exercícios 2C/D
Lista de exercícios 2C/D
 
5 equilíbrio químico
5   equilíbrio químico5   equilíbrio químico
5 equilíbrio químico
 
_02-.ppt
_02-.ppt_02-.ppt
_02-.ppt
 

Mais de Vinny Silva

Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Vinny Silva
 
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMResumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Vinny Silva
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Vinny Silva
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
Vinny Silva
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
Vinny Silva
 
Oxiredução
OxireduçãoOxiredução
Oxiredução
Vinny Silva
 
FUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICASFUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICAS
Vinny Silva
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
Vinny Silva
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
Vinny Silva
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Vinny Silva
 
Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas
Vinny Silva
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Vinny Silva
 
Atomística
AtomísticaAtomística
Atomística
Vinny Silva
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Vinny Silva
 
HIDROCARBONETO
HIDROCARBONETOHIDROCARBONETO
HIDROCARBONETO
Vinny Silva
 
Materiais de laboratorio
Materiais de laboratorioMateriais de laboratorio
Materiais de laboratorio
Vinny Silva
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Vinny Silva
 
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICAINTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
Vinny Silva
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
Vinny Silva
 
ESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASESESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASES
Vinny Silva
 

Mais de Vinny Silva (20)

Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
 
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMResumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
 
Oxiredução
OxireduçãoOxiredução
Oxiredução
 
FUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICASFUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICAS
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Atomística
AtomísticaAtomística
Atomística
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
 
HIDROCARBONETO
HIDROCARBONETOHIDROCARBONETO
HIDROCARBONETO
 
Materiais de laboratorio
Materiais de laboratorioMateriais de laboratorio
Materiais de laboratorio
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICAINTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
 
ESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASESESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASES
 

Último

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Equilíbrio Químico

  • 2. Os reagentes e produtos das reações reversíveis são separados por uma dupla seta PROCESSOS REVERSÍVEIS São processos que reagentes e produtos são consumidos e produzidos ao mesmo tempo ÁGUA H2O ( l ) H2O (v) PROF. VINICIUS SILVA
  • 3. N2O4(g) 2 NO2(g) REAÇÃO DIRETA REAÇÃO INVERSA reação DIRETA e reação INVERSA vd vi No início da reação a velocidade direta é máxima No início da reação a velocidade inversa é nula velocidade tempo com o passar do tempo Vd = Vi te Neste instante a reação atingiu o equilíbrio químico PROF. VINICIUS SILVA
  • 4. No momento em que a reação química atinge o EQUILÍBRIO QUÍMICO as concentrações dos seus participantes permanecem constantes concentração tempo te N2O4(g) NO2(g) N2O4(g) 2 NO2(g) PROF. VINICIUS SILVA
  • 5. As concentrações dos participantes do equilíbrio permanecem constantes , podendo ter três situações [ ] tempo reagentes produtos [ ] tempo reagentes = produtos [ ] tempo reagentes produtos PROF. VINICIUS SILVA
  • 6. 01) Sobre equilíbrio químico: Ao atingir o estado de equilíbrio, a concentração de cada substância do sistema permanece constante. Uma reação é reversível quando se processa simultaneamente nos dois sentidos. Todas as reações reversíveis caminham espontaneamente para o estado de equilíbrio. Uma reação reversível atinge o equilíbrio quando as velocidades das reações direta e inversa se igualam. O equilíbrio das reações é dinâmico 0 0 1 1 2 2 3 3 4 4 PROF. VINICIUS SILVA
  • 7. = [ A ]a . [ B ]b [ C ]C . [ D ]d CONSTANTE DE EQUILÍBRIO EM TERMOS DE CONCENTRAÇÃO MOLAR Vamos considerar uma reação reversível genérica a A + b B c C + d D 2 1 No equilíbrio teremos: V1 = V2K1 . [ A ]a . [ B ]b K2 . [ C ]C . [ D ]d Isolando-se as constantes K1 K2 KC PROF. VINICIUS SILVA
  • 8. I. O valor de KC depende da reação considerada e da temperatura. III. A constante de equilíbrio é tratada como um número puro, isto é, sem unidades IV. Líquidos e sólidos puros, que não fazem parte da solução, não constam da expressão da constante de equilíbrio II. O valor de KC independe das concentrações iniciais dos reagentes PROF. VINICIUS SILVA
  • 9. N2(g) + 3 H2(g) 2 NH3 (g) [NH3]2 [N2] . [H2]3 Kc = 2 H2O( g ) 2 H2(g) + O2(g) Kc = [H2]2 . [O2] [H2O]2 PROF. VINICIUS SILVA
  • 10. 01) Na equação abaixo, após atingir o equilíbrio químico, podemos concluir a respeito da constante de equilíbrio que: a) Quanto maior for o valor de Kc, menor será o rendimento da reação direta. b) Kc independe da temperatura. c) Se as velocidades das reações direta e inversa forem iguais, então K2 = 0. d) Kc depende das molaridades iniciais dos reagentes. e) Quanto maior for o valor de Kc, maior será a concentração dos produtos. a A + b B c C + d D 1 2 PROF. VINICIUS SILVA
  • 11. 02) (Covest – 98) Medidas de concentração para o sistema abaixo, em equilíbrio, a uma certa temperatura forneceram os seguintes resultados: Determine a constante de equilíbrio da reação nestas condições. [ H2 ] = 0,10 mol/L [ I2 ] = 0,20 mol/L [ HI ] = 1,0 mol/L H2 ( g ) + I2 ( g ) 2 HI ( g ) = 1, 00,0 2 KC = 50 KC = 50 [HI]2 [H2] . [I2] Kc = (1,0)2 0,1 . 0,2 = PROF. VINICIUS SILVA
  • 12. 03) Temos representado no gráfico abaixo as concentrações dos reagentes e dos produtos de uma mesma reação do tipo: A + B C + D Ocorrendo no sentido à direita a partir do zero. Tem-se sempre [A] = [B] e [C] = [D], estando estes valores representados no gráfico. A constante de equilíbrio da reação será igual a: 2 4 6 8 10 [ ] caminho da reação a) 16. b) 1/4. c) 4. d) 5. e) 1/16.  KC = 4KC = [A] . [B] [C] . [D] 4 . 4 8 . 8 = = 16 64 PROF. VINICIUS SILVA
  • 13. 04) Foram colocados em um recipiente fechado, de capacidade 2,0 L, 6,5 mol de CO e 5 mol de NO2. À 200°C o equilíbrio foi atingido e verificou-se que haviam sido formados 3,5 mol de CO2. Podemos dizer que o valor de Kc para o equilíbrio dessa reação é: a) 4,23. b) 3,84. c) 2,72. d) 1,96. e) 3,72. =KC [ CO2 ] [ NO ] [ CO ] [ NO2 ] x x CO + NO2 CO2 + NO início reage / produz equilíbrio 3,5 3,5 3,5 3,5 3,0 1,5 6,5 5,0 3,5 3,5 0,0 0,0 [ NO ] = 3,5 2,0 = 1,75 M [ NO2 ] = 1,5 2,0 = 0,75 M [ CO2 ] 2,0 = 3,5 = 1,75 M [ CO ] = 3,0 2,0 = 1,50 M 1,75 1,50 0,75 1,75 =KC x x 3,0625 1,125 =KC KC = 2,72 PROF. VINICIUS SILVA
  • 14. 05) Em um recipiente de 400 mL são colocados 2 mols de PCl5 gasoso a uma determinada temperatura. Esse gás se decompõem segundo a reação química abaixo, e, o equilíbrio foi alcançado quando 20% do pentacloreto de fósforo reagiram (% em mols). A constante de equilíbrio, Kc, nessas condições, vale: a) 4,0. b) 1,0. c) 0,5. d) 0,25. e) 0,025. PCl5 PCl3 + Cl2 início 2,0 0,0 0,0 reage / produz 0,4 Reage : n = 0,2 x 2 = 0,4 mol 0,4 0,4 0,4 0,41,6equilíbrio [ PCl3 ] = 0,4 0,4 = 1,0 M [ Cl2 ] = 0,4 0,4 = 1,0 M [ PCl5 ] = 1,6 0,4 = 4,0 M =KC x [ PCl5 ] [ PCl3 ] [ Cl2 ] 1,0 x 1,0 4,0 = =KC 4,0 1,0 KC = 0,25 PROF. VINICIUS SILVA
  • 15. Considere um sistema em equilíbrio químico, com as substâncias A, B, C e D. A + B C + D Se, por algum motivo, houver modificação em uma das velocidades, teremos mudanças nas concentrações das substâncias Esta modificação em uma das velocidades ocasiona o que denominamos de DESLOCAMENTO DO EQUILÍBRIO que será no sentido da MAIOR VELOCIDADE PROF. VINICIUS SILVA
  • 16. A + B C + D v1 v2 Equilíbrio inicial Aumentando v1, o deslocamento é para a direita A + B C + D v1 v2 Aumentando v2, o deslocamento é para a esquerda A + B C + D v1 v2 Porém, após certo tempo, a reação volta a estabelecer um novo equilíbrio químico, mas com valores de concentrações e velocidades diferentes das iniciais PROF. VINICIUS SILVA
  • 17. O químico Henri Louis Le Chatelier propôs um princípio que afirma: “Quando um sistema em equilíbrio sofre algum tipo de perturbação externa, ele se deslocará no sentido de minimizar essa perturbação, a fim de atingir novamente uma situação de equilíbrio” PROF. VINICIUS SILVA
  • 18. É possível provocar alteração em um equilíbrio químico por:  variações de temperatura.  variações de concentração dos participantes da reação.  Pressão total sobre o sistema. TEMPERATURA Observando a reação incolor ΔH< 0N2O4(g)2 NO2(g) EXOTÉRMICA ENDOTÉRMICACastanho avermelhado Balão a 100°C Cor interna é CASTANHO-AVERMELHADO Balão a 0°C Cor interna é INCOLOR PROF. VINICIUS SILVA
  • 19. Podemos observar que o aumento da temperatura favorece a reação que é ENDOTÉRMICA, e a redução da temperatura favorece a reação que é EXOTÉRMICA Podemos generalizar dizendo que um(a) ... AUMENTO DE TEMPERATURA desloca o equilíbrio no SENTIDO ENDOTÉRMICO DIMINUIÇÃO DE TEMPERATURA desloca o equilíbrio no SENTIDO EXOTÉRMICO PROF. VINICIUS SILVA
  • 20. Vamos analisaro equilíbrio abaixo: Cr2O7 1 2 2 H 2 – + H2O 2 CrO4 2 – + + alaranjada amarela O acréscimo de uma base deixa a solução amarela, deslocando o equilíbrio para a direita O acréscimo de um ácido deixa a solução alaranjada, deslocando o equilíbrio para a esquerda PROF. VINICIUS SILVA
  • 21. Podemos generalizar afirmando que um(a) ... AUMENTO DE CONCENTRAÇÃO desloca o equilíbrio no SENTIDO OPOSTO da espécie química adicionada DIMINUIÇÃO DE CONCENTRAÇÃO desloca o equilíbrio no mesmo MESMO SENTIDO da espécie espécie retirada PROF. VINICIUS SILVA
  • 22. Alterações de pressão influenciam em equilíbrios que possuem espécies químicas no estado gasoso Considere a reação química em equilíbrio abaixo N2 ( g ) + 3 H2 ( g ) 2 NH3 ( g ) 4 volumes 2 volumes o AUMENTO DE PRESSÃO sobre o sistema desloca o equilíbrio químico no sentido do MENOR VOLUME na fase gasosa a DIMINUIÇÃO DE PRESSÃO sobre o sistema desloca o equilíbrio químico no sentido do MAIOR VOLUME na fase gasosa PROF. VINICIUS SILVA
  • 23. 01) Considere a reação em equilíbrio químico: N2 (g) + O2 (g) 2 NO (g) É possível deslocá-lo para a direita: a) Retirando o N2 existente. b) Removendo o NO formado. c) Introduzindo um catalisador. d) Diminuindo a pressão, à temperatura constante. e) Aumentando a pressão, à temperatura constante. PROF. VINICIUS SILVA
  • 24. 02) Temos o equilíbrio: Queremos aumentar a concentração de CO2(g) nesse equilíbrio. Para isso ocorrer, devemos: a) Aumentar a pressão sobre o sistema. b) Diminuir a pressão sobre o sistema. c) Adicionar H2(g) ao sistema. d) Retirar H2O(g) do sistema. e) Adicionar CO(g) ao sistema. CO( g ) + H2O( g ) CO2( g ) + H2( g ) PROF. VINICIUS SILVA
  • 25. 03) O equilíbrio gasoso representado pela equação : N2( g ) + O2( g ) 2 NO( g ) – 88 kj É deslocado no sentido de formação de NO(g), se : a) a pressão for abaixada. b) N2 for retirado. c) a temperatura for aumentada. d) for adicionado um catalisador sólido ao sistema. e) o volume do recipiente for diminuído. PROF. VINICIUS SILVA
  • 26. 04) Nitrogênio e hidrogênio reagem para formar amônia segundo a equação: Se a mistura dos três gases estiver em equilíbrio, qual o efeito, em cada situação, sobre a quantidade de amônia, se provocar N2( g ) + 3 H2( g ) 2 NH3( g ) + 22 kcal I. Compressão da mistura. aumentaaumenta II. Aumento de temperatura. diminuidiminui III. Introdução de hidrogênio. aumentaaumenta a) aumenta, aumenta, aumenta. b) diminui, aumenta, diminui. c) aumenta, aumenta, diminui. d) diminui, diminui, aumenta. e) aumenta, diminui, aumenta. PROF. VINICIUS SILVA
  • 27. É o caso especial de equilíbrio químico em que aparecem íons Cr2O7 2 H 2 – + H2O 2 CrO4 2 – + + Nos equilíbrios iônicos, também são definidos um grau de ionização ( α ) e uma constante de equilíbrio ( Ki ) PROF. VINICIUS SILVA
  • 28. Onde : ni é o número de mols dissociados n é o número de mols inicial α n i n = GRAU DE IONIZAÇÃO PROF. VINICIUS SILVA
  • 29. Para a reação: HCN(aq) H + + (aq)(aq) CN – =Ki [ H ] [ CN ] [ HCN ] + – PROF. VINICIUS SILVA
  • 30. 01) X, Y e Z representam genericamente três ácidos que, quando dissolvidos em um mesmo volume de água, à temperatura constante, comportam-se de acordo com a tabela: Analise as afirmações, considerando os três ácidos: I. X representa o mais forte II. Z representa o mais fraco III. Y apresenta o maior grau de ionização mols dissolvidos mols ionizados X Y Z 20 10 5 2 7 1 Está(ao) correta(s): a) Apenas I. b) Apenas II. c) Apenas III. d) Apenas I e II. e) I, II e III. α ni n = grau de ionização = 2 20 α = 0,10α = 10 %α X Y Z = 7 10 α = 0,70α = 70 %α = 1 5 α = 0,20α = 20 %α PROF. VINICIUS SILVA
  • 31. 02) (FUVEST-SP) A reação H3 C – COOH H+ + H3 C – COO tem Ka = 1,8 x 10 Dada amostra de vinagre foi diluída com água até se obter uma solução de [H+] = 1,0 x 10 – 3 mol/L – 5 Nesta solução as concentrações em mol/L de CH3COO – e de CH3COOH são, respectivamente, da ordem de: – a) 3 x 10 – 1 e 5 x 10 – 10 . [ H+ ] = 1,0 x 10 – 3 [ CH3COO ] = 1,0 x 10 – 3– =Ki [ H ]+ [ CH3COO ]– [ CH3COOH ] 1,8 x 10 – 5 = 1,0 x 10 – 3 1,0 x 10 – 3x [ CH3COOH ] [ CH3COOH ] = 1,0 x 10 – 3 1,0 x 10 – 3x 1,8 x 10 – 5 = 5,0 x 10 – 2 b) 3 x 10 – 1 e 5 x 10 – 2 . c) 1 x 10 – 3 e 5 x 10 – 5 . d) 1 x 10 – 3 e 5 x 10 – 12 . e) 1 x 10 – 3 e 5 x 10 – 2 . PROF. VINICIUS SILVA
  • 32. É uma lei que relaciona o grau de ionização com o volume (diluição) da solução Ki = m α 2 1 – α para solução de grau de ionização pequeno Ki = m α 2 PROF. VINICIUS SILVA
  • 33. DEMONSTRAÇÃO DA FÓRMULA Para a reação: HA (aq) H + + (aq)(aq) A – início 0,0 0,0n reage / produz ni = nα nα nα equilíbrio n – n α– nα nα [ ] V nα n α V V n ( 1 – α ) =Ki [ H ] [ A ] [ HCN ] + – = V V x V n ( 1 – α ) nα nα = n α n α V V x V n ( 1 – α ) x Ki = m α 2 1 – α para solução de grau de ionização pequeno Ki = m α 2 PROF. VINICIUS SILVA
  • 34. 01) Uma solução 0,01 mol / L de um monoácido está 4,0% ionizada. A constante de ionização desse ácido é: m = 0,01 mol/L α = 4% = 1,0 . 10 – 2 mol/L = 0,04 = 4,0 . 10 – 2 Ki = m α 2 Ki = 1,0 x 10 – 2 x ( 4 x 10 – 2 )2 Ki = 1,0 x 10 – 2 x 16 x 10 – 4 Ki = 16 x 10 – 6 Ki = 1,6 x 10 – 5 a) 1,6 x 10 – 3 . b) 1,6 x 10 – 5 . c) 3,32 x 10 – 5 . d) 4,0 x 10 – 5 . e) 3,0 x 10 – 6 . PROF. VINICIUS SILVA
  • 35. 02) A constante de ionização de um ácido HX, que se encontra 0,001% dissociado, vale 10 – 11 . A molaridade desse ácido, nessas condições é : a) 10 b) 0,001 c) 10 d) 0,10. e) 1,00. – 11 – 5 α = 0,001% Ki = 10 – 11 m = ? = 0,00001 = 1,0 x 10 – 5 Ki = m α 2 10 – 11 = m x ( 1,0 x 10 – 5 )2 10 – 11 = m x 10 – 10 10 – 11 m = 10 – 10 m = 10 – 1 m = 0,10 mol/L PROF. VINICIUS SILVA
  • 36. 03) O grau de dissociação iônica do hidróxido de amônio em solução 2 mol/L é 0,283% a 20°C. A constante de ionização da base, nesta temperatura, é igual a: a) 1,6 x 10 – 5 b) 1,0 x 10 – 3 c) 4,0 x 10 – 3 d) 4,0 x 10 – 2 e) 1,6 x 10 – 1 α = 0,283% Ki = ? m = 2 mol/L = 0,00283 = 2,83 . 10 – 3 Ki = m α 2 Ki = 2,0 x ( 2,83 x 10 – 3 )2 Ki = 2 x 8 x 10 – 6 Ki = 16 x 10 – 6 Ki = 1,6 x 10 – 5 PROF. VINICIUS SILVA
  • 37. 04) (FAMECA – SP) Qual o valor de “Ka ” para o HCN, sabendo-se que o ácido em solução 0,10 mol/L encontra-se 0,006% ionizado? α = 0,006% Ka = ? m = 0,10 mol/L = 0,00006 = 6 . 10 – 5 Ki = m α 2 Ki = 1 x 10 – 1 x 36 x 10 – 10 Ki = 36 x 10 – 11 Ki = 3,6 x 10 – 10 Ki = 1,0 x 10 – 1 ( 6 x 10 – 5 )2 a) 1,2 x 10 – 4 . b) 3,6 x 10 – 10 . c) 3,6 x 10 – 8 . d) 3,6 x 10 – 5 . e) 6,0 x 10 – 5 . PROF. VINICIUS SILVA
  • 38.
  • 39. EQUILÍBRIO IÔNICO DA ÁGUA H2O (l) H+ (aq) + OH – (aq) A constante de equilíbrio será: Ki = [ H ] [ OH ] [ H2O ] + – como a concentração da água é praticamente constante, teremos: Ki x [ H2O] = [ H ] [ OH ]+ – Kw PRODUTO IÔNICO DA ÁGUA ( Kw )A 25°C a constante “Kw” vale 10 – 14 mol/L  [ H+ ] . [ OH – ] = 10 – 14 PROF. VINICIUS SILVA
  • 40. 1) Um alvejante de roupas, do tipo “ água de lavadeira “, apresenta [OH – ] aproximadamente igual a 1,0 . 10 – 4 mol/L. Nessas condições, a concentração de H+ será da ordem de: a) 10 – 2 b) 10 – 3 c) 10 – 10 d) 10 – 14 e) zero. [H+ ] = ? Kw = 10 – 14 M [ OH – ] = 10 – 4 M [H+ ] . [OH – ] = 10 – 14 [H ]+ = – 14 10 – 4 10 [H ]+ = – 10 10 mol/L [H+ ] . 10 –4 = 10 – 14 PROF. VINICIUS SILVA
  • 41. 02) Qual das expressões abaixo é conhecida como “produto iônico da água, KW ”? a) Kw = [H2 ][O2 ]. b) Kw = [H+ ] / [OH – ]. c) Kw = [H+ ][OH – ]. d) Kw = [H2 O]. e) Kw = [2H][O2 ]. PROF. VINICIUS SILVA
  • 42. Em água pura a concentração hidrogeniônica [H ] é igual à concentração hidroxiliônica [OH ], isto é, a 25°C, observa-se que: + – =[H ] [OH ]+ – 10 – 7= Nestas condições dizemos que a solução é “ NEUTRA “ PROF. AGAMENON ROBERTO
  • 43. As soluções em que [H+ ] > [OH – ] terão características ÁCIDAS [ H+ ] > 10 – 7 mol/L [OH – ] < 10 – 7 mol/L nestas soluções teremos PROF. VINICIUS SILVA
  • 44. As soluções em que [H+ ] < [OH – ] terão características BÁSICAS [ H+ ] < 10 – 7 mol/L [OH – ] > 10 – 7 mol/L nestas soluções teremos PROF. VINICIUS SILVA
  • 45. 01) Observando a tabela abaixo, podemos afirmar que entre os líquidos citados tem(em) caráter ácido apenas: Líquido [H+ ] [OH – 1 ] Leite 10 – 7 10 – 7 Água do mar 10 – 8 10 – 6 Coca-cola 10 – 3 10 – 11 Café preparado 10 – 5 10 – 9 Lágrima 10 – 7 10 – 7 Água de lavadeira 10 – 12 10 – 2 a) o leite e a lágrima. b) a água de lavadeira. c) o café preparado e a coca-cola. d) a água do mar e a água de lavadeira. e) a coca-cola. PROF. VINICIUS SILVA
  • 46. 02) (Covest-90) O leite azeda pela transformação da lactose em ácido lático, por ação bacteriana. Conseqüentemente apresenta ... I) aumento da concentração dos íons hidrogênio. II) aumento da concentração dos íons oxidrilas. III) diminuição da concentração dos íons hidrogênios. IV) diminuição da concentração dos íons oxidrilas. Assinale o item a seguir que melhor representa o processo. a) I e III. b) II e IV. c) I e II. d) II. e) I e IV. PROF. VINICIUS SILVA
  • 47. 03) Misturando-se 100 mL de suco de laranja, cuja [H + ] = 0,6 mol/L, com 200 mL de suco de laranja, cuja [H + ] = 0,3 mol/L, não se obtém: a) uma solução onde [H + ] = 0,4 mol/L. b) uma solução completamente neutra. c) uma solução de acidez intermediária. d) uma solução menos ácida do que a de [H + ] = 0,6 mol/L. e) uma solução mais ácida do que a de [H + ] = 0,3 mol/L. V1 = 100 mL [H ]1 = 0,6 mol/L+ V2 = 200 mL [H ]2 = 0,3 mol/L+ Vf = 300 mL [H ]f = ? mol/L+ Vf x [H ]f = V1 x [H ]1 + V2 x [H ]2+ + + 300 x [H ]f = 100 x 0,6 + 200 x 0,3+ 300 x [H ]f = 60 + 60+ [H ]f = 120 : 300+ [H ]f = 0,4 mol/L+
  • 48. 04) Observando a tabela abaixo, podemos afirmar que entre os líquidos citados tem(êm) caráter ácido apenas: Líquido Leite Coca-cola Água de lavadeira 10 [ H ] [ OH ]+ – 10 Café preparado Lágrima 10 – 7 10 – 3 10 – 5 – 12 10 – 7 10 – 11 10 – 9 – 2 Água do mar 10 – 8 10 – 6 10 – 7 10 – 7 a) O leite e a lágrima. b) A água de lavadeira. c) O café preparado e a coca-cola. d) A água do mar e a água de lavadeira. e) A coca-cola. PROF. VINICIUS SILVA
  • 49. Como os valores das concentrações hidrogeniônica e oxidriliônica são pequenos, é comum representá-las na forma de logaritmos e, surgiram os conceitos de pH e pOH pH pOH = = – log [ H ] – log [ OH ] + – PROF. VINICIUS SILVA
  • 50. Na temperatura de 25°C Em soluções neutras pH = pOH = 7 Em soluções ácidas pH < 7 e pOH > 7 Em soluções básicas pH > 7 e pOH < 7 PROF. VINICIUS SILVA
  • 51. Podemos demonstrar que, a 25°C, e em uma mesma solução pH + pOH = 14 PROF. VINICIUS SILVA
  • 52. 01) A concentração dos íons H+ de uma solução é igual a 0,0001. O pH desta solução é: a) 1. b) 2. c) 4. d) 10. e) 14. pH = – log [H+ ] [ H + ] = 0,0001 mol/L = 10 – 4 mol/L pH = 4 pH = – log 10 – 4 pH = – (– 4) . log 10 PROF. VINICIUS SILVA
  • 53. 02) A concentração hidrogeniônica de uma solução é de 3,45 x 10 – 11 íons – g/L. O pH desta solução vale: Dado: log 3,45 = 0,54 a) 11. b) 3. c) 3,54. d) 5,4. e) 10,46. pH = – [ 0,54 – 11 ] pH = 11 – 0,54 pH = 10,46 [ H + ] = 3,45 x 10 – 11 íons – g/L pH = – log ( 3,45 x 10 – 11 ) pH = – log [H+ ] pH = – [ log 3,45 + log 10 ] PROF. VINICIUS SILVA
  • 54. 10 – 3 10 – 6 = 10 3 03) Considere os sistemas numerados (25°C) pH = 6,0Saliva5 pH = 8,5Sal de frutas4 pH = 8,0Clara de ovos3 pH = 6,8Leite2 pH = 3,0Vinagre1 A respeito desses sistemas, NÃO podemos afirmar: a) São de caráter básico os sistemas 3 e 4. b) O de maior acidez é o número 1. c) O de número 5 é mais ácido que o de número 2. d) O de número 1 é duas vezes mais ácido que o de número 5. e) O de menor acidez é o sal de frutas. o 1 é 1000 vezes mais ácido do que 5, então é FALSO “ 1 “ tem pH = 3  [ H+ ] = 10 – 3 “ 5 “ tem pH = 6  [ H+ ] = 10 – 6 PROF. VINICIUS SILVA
  • 55. 04) (UPE-2004 - Q1) Na tabela, há alguns sistemas aquosos com os respectivos valores aproximados de pH, a 25°C. pH = 3,0vinagre saliva limpa - forno pH = 8,0 pH = 13,0 pH = 9,0 pH = 1,0 água do mar suco gástrico Considerando os sistemas aquosos da tabela, é correto afirmar que: a) O vinagre é três vezes mais ácido que o suco gástrico. pH = 3,0vinagre pH = 1,0suco gástrico [ H ] = 10 M+ – 3 [ H ] = 10 M+ – 1 = 10 – 2 é 100 vezes menoré 100 vezes menor b) No vinagre, a concentração de íons H3O é cem mil vezes maior que a da saliva. + pH = 3,0vinagre pH = 8,0saliva [ H ] = 10 M+ – 3 [ H ] = 10 M+ – 8 = 105 é 100000 vezes maior é 100000 vezes maior c) A água do mar é menos alcalina que a saliva e mais ácida que o vinagre. d) O sistema aquoso limpa - forno é o que contém o menor número de mols de oxidrila por litro. e) O suco gástrico constitui um sistema aquoso fracamente ácido. PROF. VINICIUS SILVA
  • 56. 05) (Covest-2003) As características ácidas e básicas de soluções aquosas são importantes para outras áreas além da “Química”, como, por exemplo, a Saúde Pública, a Biologia, a Ecologia, e Materiais. Estas características das soluções aquosas são quantificadas pelo pH, cuja escala é definida em termos da constante de ionização da água (Kw ) a uma dada temperatura. Por exemplo, a 25°C a constante de ionização da água é 10–14 e a 63° C é 10–13 . Sobre o pH de soluções aquosas a 63°C julgue os itens abaixo: pH + pOH = 13.0 0 Água pura (neutra) apresenta pH igual a 6,5.1 1 Água pura (neutra) apresenta pH igual a 7,0.2 2 Uma solução com pH igual a 6,7 é ácida.3 3 4 4 A concentração de íons hidroxila na água pura (neutra) é igual 10–7 mol/L. 0 6,5 13 ácida neutra básica63ºC Kw = 10 – 13 PROF. VINICIUS SILVA
  • 57. 06)(Covest – 2004) Sabendo-se que, a 25°C, o cafezinho tem pH = 5,0, o suco de tomate apresenta pH = 4,2, a água sanitária pH = 11,5 e o leite, pH = 6,4, pode-se afirmar que, nesta temperatura: a) o cafezinho e a água sanitária apresentam propriedades básicas. b) o cafezinho e o leite apresentam propriedades básicas. c) a água sanitária apresenta propriedades básicas. d) o suco de tomate e a água sanitária apresentam propriedades ácidas. e) apenas o suco de tomate apresenta propriedades ácidas. 0 7,0 14 ácida neutra básica25ºC Kw = 10 – 14 Cafezinho: pH = 5,0 Propriedades ácidas Suco de tomate: pH = 4,2 Propriedades ácidas Água sanitária: pH = 11,5 Propriedades básicas Leite: pH = 6,4 Propriedades ácidas PROF. VINICIUS SILVA
  • 58. 07)(Covest – 2007) O pH de fluidos em partes distintas do corpo humano tem valores diferentes, apropriados para cada tipo de função que o fluido exerce no organismo. O pH da saliva é de 6,5; o do sangue é 7,5 e, no estômago, o pH está na faixa de 1,6 a 1,8. O esmalte dos dentes é formado, principalmente por um mineral de composição Ca10 (PO4 )6 (OH)2 . Após as refeições, ocorre diminuição do pH bucal. O pH do sangue é mantido aproximadamente constante pelo seguinte equilíbrio químico, envolvendo o íon bicarbonato: H CO HCO2 3 + - ( aq ) 3( aq )H + ( aq ) Com base nestas informações avalie as seguintes proposições: A concentração de íons H+ é maior na saliva que no sangue.0 0 1 1 2 2 3 3 4 4 A concentração de H+ no estômago é maior que 10 – 2 mol/L. Um aumento na acidez da saliva pode resultar em ataque ao esmalte dos dentes. O bicarbonato pode ser usado para elevar o pH do estômago. A adição de uma base em um meio contendo acido carbônico, íons Hidrogênio e bicarbonato causará deslocamento do equilíbrio mostrado no enunciado da questão no sentido da formação dos reagentes. PROF. VINICIUS SILVA
  • 59. 08) (Fuvest – SP) À temperatura ambiente, o pH de um certo refrigerante, saturado com gás carbônico, quando em garrafa fechada, vale 4. Ao abrir-se a garrafa, ocorre escape de gás carbônico. Qual deve ser o valor do pH do refrigerante depois de a garrafa ser aberta?a) pH = 4. b) 0 < pH < 4. c) 4 < pH < 7. d) pH = 7. e) 7 < pH < 14. PROF. VINICIUS SILVA
  • 60. É o processo em que a água reage com o cátion ou o ânion de um sal Este processo é reversível, devendo ser analisado seguindo os princípios do equilíbrio químico HIDRÓLISE SALINA PROF. VINICIUS SILVA
  • 61. Hidrólise de um sal de ácido e base ambos fracos. Os casos fundamentais são: Hidrólise de um sal de ácido forte e base fraca. Hidrólise de um sal de ácido fraco e base forte. Hidrólise de um sal de ácido e base ambos fortes. PROF. VINICIUS SILVA
  • 62. HIDRÓLISE DE UM SAL DE ÁCIDO FORTE E BASE FRACA água NH4NO3 solução ácida pH < 7 PROF. VINICIUS SILVA
  • 63. NH4NO3 (aq) + HOH () NH4OH (aq) + HNO3 (aq) O que ocorreu na preparação da solução?  O HNO3 , é um ácido forte, e se encontra totalmente ionizado. HNO3 (aq) H+ (aq) + NO3 – (aq)  O NH4 OH, por ser uma base fraca, encontra-se praticamente não dissociada. NH4OH (aq) NH4OH (aq) Assim, teremos: NH4 + + NO3 – + H2O NH4OH + H+ + NO3 – Isto é: NH4 + + H2O NH4OH + H+ PROF. VINICIUS SILVA
  • 64. HIDRÓLISE DE UM SAL DE ÁCIDO FRACO E BASE FORTE água KCN solução básica pH > 7 PROF. VINICIUS SILVA
  • 65. KCN (aq) + HOH () KOH (aq) + HCN (aq) O que ocorreu na preparação da solução?  O HCN, é um ácido fraco, e se encontra praticamente não ionizado. HCN (aq) HCN (aq)  O KOH, é uma base forte, encontra-se totalmente dissociada. KOH (aq) K+ (aq) + OH – (aq) Assim, teremos: K+ + CN – + H2O HCN + K+ + OH – Isto é: CN – + H2O HCN + OH – PROF. VINICIUS SILVA
  • 66. HIDRÓLISE DE UM SAL DE ÁCIDO FRACO E BASE FRACA água NH4CN solução final pH > 7 ou pH < 7 PROF. VINICIUS SILVA
  • 67. NH4CN (aq) + HOH () NH4OH (aq) + HCN (aq) O que ocorreu na preparação da solução?  O HCN, é um ácido fraco, e se encontra praticamente não ionizado. HCN (aq) HCN (aq)  O NH4 OH, por ser uma base fraca, encontra-se praticamente não dissociada. NH4OH (aq) NH4OH (aq) A solução final pode ser ligeiramente ácida ou ligeiramente básica; isto depende da constante (Ka e Kb ) de ambos Neste caso: Ka = 4,9 x 10 – 10 e Kb = 1,8 x 10 – 5 , isto é, Kb é maior que Ka ; então a solução será ligeiramente básica PROF. VINICIUS SILVA
  • 68. HIDRÓLISE DE UM SAL DE ÁCIDO FORTE E BASE FORTE água NaCl solução final é neutra pH = 7 PROF. VINICIUS SILVA
  • 69. NaCl (aq) + HOH () NaOH (aq) + HCl (aq) O que ocorreu na preparação da solução?  O HCl, é um ácido forte, e se encontra totalmente ionizado. HCl (aq) H+ (aq) + Cl – (aq)  O NaOH, é uma base forte, encontra-se totalmente dissociada. NaOH (aq) Na+ (aq) + OH – (aq) Assim, teremos: Na+ + Cl – + H2O H+ + Cl – + Na+ + OH – Isto é: H2O H+ + OH – não ocorreu HIDRÓLISE PROF. VINICIUS SILVA
  • 70. 01) Solução aquosa ácida é obtida quando se dissolve em água o sal: a) NaHCO3. b) K2SO4. c) KCN. d) KF. e) NH4Cl pHmetro PROF. VINICIUS SILVA
  • 71. 02) O pH resultante da solução do nitrato de potássio (KNO3 ) em água será: a) igual a 3,0. b) igual a 12,0. c) maior que 7,0. d) igual ao pH da água. e) menor que 7,0. pHmetro PROF. VINICIUS SILVA
  • 72. 03) (UFPE) O azul de bromotimol é um indicador ácido – base, com faixa de viragem [6,0 – 7,6], que apresenta cor amarela em meio ácido e cor azul em meio básico. Considere os seguintes sistemas: I. Água pura. II. CH3 COOH 1,0 mol/L. III. NH4 Cl 1,0 mol/L. Indique, na tabela que segue, a coluna contendo as cores desses sistemas depois da adição de azul de bromotimol, respectivamente: a) verde, amarela, azul. b) verde, azul, verde. c) verde, amarelo, verde. d) verde, amarela, amarelo. e) azul, amarelo, azul. pHmetro PROF. VINICIUS SILVA
  • 73. 04) Um sal formado por base forte e ácido fraco hidrolisa ao se dissolver em água, produzindo uma solução básica. Esta é uma característica do: a) Na2 S. b) NaCl. c) (NH4 )2 SO4 . d) KNO3 . e) NH4 Br. PROF. VINICIUS SILVA
  • 74. É a expressão que exprime o equilíbrio das reações de hidrólise. Para a reação NH4 + H2O NH4OH + H + + A expressão da constante de hidrólise é: Kh = [ NH4OH ] [ H ]+ [ NH4 ]+ PROF. VINICIUS SILVA
  • 75. Podemos relacionar a constante de hidrólise (Kh ), com a constante de ionização da água e as constantes de ionização e dissociação dos ácidos e das bases pelas expressões: Para a hidrólise do cátion, isto é, para sais formados por ácido forte e base fraca, usamos a relação: K K K h = w b Para a hidrólise do ânion, isto é, para sais formados por ácido fraco e base forte, usamos a relação K K K h = w a Ocorrendo a hidrólise do cátion e do ânion, para sais formados por ácido fraco e base fraca, a relação será: K K K K h = w ba x PROF. VINICIUS SILVA
  • 76. 01) (UFPI) Uma solução aquosa de cloreto de amônio 0,2 mol/L apresenta um grau de hidrólise igual a 0,5%. Determine o [H+ ], [OH – ], pH, pOH e Kh para essa solução e o Kb para o NH4 OH. Dado: Kw = 10 – 14 , a 25°C. O NH4 Cl é proveniente do HCl (ácido forte) e do NH4 OH (base fraca), então ocorre a hidrólise do cátion NH4 + , então: início reage e produz equilíbrio 0,2 0,2 mol/L 0,0constante constante 0,0 NH4 + H2O NH4OH + H + + Reage e produz: 0,2 x 0,005 = 0,001 = 10 – 3 10 – 3 10 – 3 10 – 3 10 – 3 10 – 3 Kh = + pH = - log 10 – 3 pH = 3 [H ] = 10 mol/L+ – 3 [OH ] = 10 mol/L– 11– e pOH = 11 [NH4 ]+ [NH4OH] [H ] = 5 x 10 – 6 2 x 10 10 – 3 – 1 10 X – 3 Kh = Kw Kb = 2 x 10 – 9 5 x 10 =– 6 10 – 14 Kb PROF. VINICIUS SILVA
  • 77. Vamos considerar um sistema contendo uma solução saturada com corpo de fundo de sulfeto ferroso (FeS). Teremos dois processos ocorrendo: vd vp FeS (s) Fe (aq) + S (aq) 2 –2+ No equilíbrio a velocidade de dissolução (vd ) é igual à velocidade de precipitação (vp ). Então teremos que: Kc = [ Fe ] [S ]2–2+ [FeS] = [ Fe ] [S ]2–2+Kc x [FeS] KS produto de solubilidade KS Conhecendo-se a solubilidade do sal, podemos determinar o Kps . PROF. VINICIUS SILVA
  • 78. KS = [ Ag+ ] 2 [SO4 – 2 ] 01) (Fuvest – SP) Em determinada temperatura, a solubilidade do sulfato de prata (Ag2 SO4 ) em água é de 2,0 x 10 – 2 mol/L. Qual o valor do produto de solubilidade (Kps ) desse sal, à mesma temperatura? 2 x 10 – 2 mol/L Ag2 SO4 2 Ag + + SO4 2 x 10 – 2 mol/L4 x 10 – 2 mol/L – 2 KS = (4 x 10 – 2 )2 x 2 x 10 – 2 KS = 16 x 10 – 4 x 2 x 10 – 2 KS = 32 x 10 – 6 KS = 3,2 x 10 – 5 PROF. VINICIUS SILVA
  • 79. 02) A determinada temperatura, a solubilidade do composto XY em água é 2,0 x 10 – 2 mol/L. O produto de solubilidade (Kps ) desse sal à mesma temperatura é: a) 4,0 x 10 – 4 . b) 8,0 x 10 – 4 . c) 6,4 x 10 – 5 . d) 3,2 x 10 – 5 . e) 8,0 x 10 – 6 . XY X+ A + Y – B 2,0 . 10 – 2 2,0 . 10 – 2 2,0 . 10 – 2 Kps = [ X+A ] [Y – B ] Kps = 2,0 . 10 – 2 . 2,0 . 10 – 2 Kps = 4,0 . 10 – 4 PROF. VINICIUS SILVA
  • 80. 03) (FESO-RJ) A solubilidade de um fosfato de metal alcalino terroso a 25°C é 10 – 4 mol/L. O produto de solubilidade deste sal a 25°C é, aproximadamente, igual a: a) 1,08 x 10 – 8 . b) 1,08 x 10 – 12 . c) 1,08 x 10 – 16 . d) 1,08 x 10 – 18 . e) 1,08 x 10 – 2 . Me3(PO4)2 3 Me+ 2 + 2 PO4 – 3 10 – 4 3 x 10 – 4 2 x 10 – 4 Kps = 27 x 10 – 12 x 4 x 10 – 8 Kps = 108 x 10 – 20 Kps = (3 x 10 – 4 )3 x (2 x 10 – 4 ) 2 Kps = [ Me+ ] 3 x [ PO4 – 3 ] 2 Kps = 1,08 x 10 – 18 PROF. VINICIUS SILVA
  • 81. 04) O carbonato de bário, BaCO3 , tem Ks = 1,6 x 10 – 9 , sob 25°C. A solubilidade desse sal, em mol/L, será igual a: a) 4 x 10 – 5 . b) 16 x 10 – 5 . c) 8 x 10 – 10 . d) 4 x 10 – 10 . e) 32 x 10 – 20 . S Ks BaCO3 Ba +2 + CO3 –2 S S = [Ba ]+2 [CO3 ] –2 1,6 x 10 – 9 x S S S = 1,6 x 10 – 92 S = 16 x 10 – 10 S = 4 x 10 – 5 PROF. VINICIUS SILVA
  • 82. 05) (PUC-SP) Uma solução saturada de base representada por X(OH)2 , cuja reação de equilíbrio é X XOH OH H 22 2O aq aqs 2+ + -( ) ( ) ( )( ) tem pH = 10 a 25°C. O produto de solubilidade (KPS ) do X(OH)2 é: a) 5 x 10 – 13 . b) 2 x 10 – 13 . c) 6 x 10 – 1 . d) 1 x 10 – 12 . e) 3 x 10 – 10 . X(OH)2 X +2 + 2 OH – pH = 10  pOH = 4, então, [OH – ] = 10 – 4 mol/L 10 – 4 5 x 10 – 5 Kps = [ X+2 ] x [ OH – ] 2 Kps = (5 x 10 – 5 ) x ( 10 – 4 ) 2 Kps = 5 x 10 – 5 x 10 – 8 Kps = 5 x 10 – 13 PROF. VINICIUS SILVA