SlideShare uma empresa Scribd logo
UNICE – ENSINO SUPERIOR
IESF – INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE FORTALEZA
Graduação em Farmácia
Disciplina: Parasitologia Clínica
Profª. Dra. Juliana Pereira
Discentes:
Eridan de Sousa
Marden Abreu
Fortaleza, 2015.2
• Tripanosomíase americana (doença
de chagas infecciosa);
• Abril 1909, interior de Minas gerais
(Lassance);
• Carlos Chagas (IOC);
• Agente etiológico: Protozoário
Trypanosoma cruzi (flagelado);
• Berenice (2 anos);
• Vetor: inseto triatomídeo (barbeiro);
• Ordem: kinetoplastida
09/07/1878
08/11/1934
História
Figura – Carlos
Ribeiro Justiniano
Chagas.
• Mais de 120 espécies conhecidas;
• No Brasil, as espécies mais importantes são: Triatoma infestans,
T. brasiliensis, T. pseudomaculada, T. sordida, Panstrongylus
megistus...
• Hábitos noturnos;
• Vivem em domicílios e região peridomiciliar;
• São hematófagos.
Vetor
Gêneros:
A – Panstrongylus
B – Triatoma
C - Rhodnius
Morfologia
• Amastigota
Fase intracelular, sem
organelas de locomoção,
com pouco citoplasma e
núcleo grande.
O cinetoplasto fica ao
lado do núcleo e é um
pouco menor que ele.
Está presente na fase
crônica da doença.
Figura : formas amastigotas
intracelulares do Trypanosoma cruzi.
Morfologia
• Epimastigota
É a forma encontrada no
tubo digestivo do vetor, não
é infectante para os
vertebrados. Tem forma
fusiforme e apresenta o
cinetoplasto junto ao
núcleo. Possui flagelo e
membrana ondulante.
Figura : formas epimastigotas do
Trypanosoma cruzi.
Morfologia
• Tripomastigota sanguíneo
Fase extracelular, que circula
no sangue. Apresenta
flagelo e membrana
ondulante em toda a
extensão lateral do parasito.
O cinetoplasto se localiza na
extremidade posterior do
parasito.
Figura :Tripomastigota de Trypanosoma
cruzi. Seta preta-cinetoplasto; vermelha-
núcleo; azul-membrana ondulante;
verde-flagelo.
Morfologia
• Tripomastigota metacíclico
É a forma infectiva encontrada no
intestino posterior do inseto
vetor; Mede cerca de 17 μm de
comprimento; É fina e com
cinetoplasto grande; Membrana
ondulante estreita; Curto flagelo
livre; Tem capacidade invasiva
para atravessar mucosas e a
conjuntiva, ou penetrar pelas
soluções de continuidade da pele. Figura : formas tripomastigotas .
Morfologia
Forma Hospedeiro Multiplicação Localização
Epimastigota Inseto Divisão binária Trato digestivo
anterior e médio
Tripomastigota
Metacíclico
Inseto Não se multiplica Trato digestivo
posterior
Amastigota Mamífero Divisão binária Interior de células
nucleadas
Tripomastigota
Sanguíneo
Mamífero Não se multiplica Sangue
Morfologia
Ciclo Biológico
• Vetorial (incubação: 5-15 dias);
• Oral (3 a 22 dias);
• Transfusão sanguínea (30 até mais de 60 dias);
• Transmissão congênita (pode ocorrer em qualquer
período da gestação ou durante o parto).
Transmissão
Fase Aguda (duração 3-4 meses)
• Pode ou não ser identificada
(sintomática ou assintomática);
• Manifestações locais: sinal de romaña e
chagoma de inoculação;
• Manifestações gerais: parasitemia
patente;
• Outros sintomas: febre, mal estar,
cefaleia,anorexia, linfoadenomegalia,
hepatoesplenomegalia, miocardite
aguda e meningoencefalite.
Patogenia
Fases Crônicas
• Interdeterminada: Baixa parasitemia e alto teor de
anticorpos.
• Crônico Digestiva: Destruição de plexos mesentéricos;
“Megas”.
• Crônico Cardíaca: Inflamação crônica, miocitólise,
fibrose;
Tromboembolismo periféricos;
Aneurisma de ponta.
Patogenia
Patogenia
Cardiomegalia Aneurisma de
Ponta
Megacólon
• Casos e surtos na Amazônia Legal (AC, AM, AP,
RO, RR, PA, parte do TO, MA e do MT);
• De 2000 a 2011 (+1200 casos);
• 70% transmissão oral;
• 7% transmissão vetorial;
• 22% sem identificação.
Epidemiologia
Dados: Agência Fiocruz de Notícias- 10/09/2013.
Disponível em: http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7a-de-chagas.
Epidemiologia
Profilaxia
• Destruição das casas de pau-a-
pique;
• Construção de casas apropriadas;
• Proteger portas e janelas com telas;
• Proteger camas com cortinado;
• Educação sanitária da população;
• Exposição dos colchões ao sol;
• Manter o quintal limpo;
• Combate ao vetor;
• Não manter dentro de casa
animais de sangue quente.
Diagnóstico
 Nifurtimox (Lampit):
Nitroderivado que age
através da produção de
radicais livres. (Deficiência
de enzimas antioxidantes
no parasita).
• Toxicidade frequente:
anorexia, náuseas,
vômitos e reações
alérgicas.
Tratamento
 Benzonidazol (Rochagan):
Modo de ação ainda não
completamente claro.
Parece inibir a síntese de
RNA e proteínas.
 Toxicidade frequente:
Anorexia, cefaleia,
dermatopatia, gastralgia,
insônia, náuseas, perda de
peso, polineuropatia,
vômitos.
Tratamento
1) Diferencie as três formas do T. cruzi de acordo
com a posição do cinetoplasto.
2) Quais os meios de transmissão da doença de
Chagas?
3) Quais os dois fármacos atualmente utilizados
no tratamento da doença de Chagas?
Questões
• ARRUDA, I. C. Doença de Chagas. Curso de Ciências biológicas
na UniCEUB. Disponível em
http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/2463/2/9
861526.pdf Acesso em: 21 /out/2015.
• BRENER, Z. Tripanosoma cruzi. Clínica e terapêutica da doença
de chagas. Rio de janeiro,Editora FIOCRUZ,1997. 486p.
Disponível em http://books.sciclo.org Acesso em:
21/out/2015.
• Agência Fiocruz de Notícias – 10/set/2013. Disponível em
http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7a-de-chagas
Acesso em: 05/nov/2015.
Fontes de pesquisa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
naiellyrodrigues
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
ITPAC PORTO
 
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsStrongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Denise Selegato
 
Doenças de chagas marcio
Doenças de  chagas marcioDoenças de  chagas marcio
Doenças de chagas marcio
Claudia Ramos
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Jaqueline Almeida
 
Giardia
GiardiaGiardia
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
Gildo Crispim
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Fêe Oliveira
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Guellity Marcel
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Laís Hildebrand
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
Raphael Machado
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Helmintos (1)
Helmintos (1)Helmintos (1)
Helmintos (1)
Manoel Carlos
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
Viviane Vasconcelos
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
Geovanna Borges
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
Hemilly Rayanne
 

Mais procurados (20)

Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsStrongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
 
Doenças de chagas marcio
Doenças de  chagas marcioDoenças de  chagas marcio
Doenças de chagas marcio
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Helmintos (1)
Helmintos (1)Helmintos (1)
Helmintos (1)
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
 

Destaque

DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
KROLZITA
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
certificado1
 
D. chagas aula teórica 02
D. chagas   aula teórica 02D. chagas   aula teórica 02
D. chagas aula teórica 02
Kaio Talis
 
Taina
TainaTaina
Taina
FABIANA
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Maurício Coelho
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
Cristiano Quintão
 
Doença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - ParasitologiaDoença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - Parasitologia
Enfº Ícaro Araújo
 
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Jaqueline Almeida
 
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
laiscarlini
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
Kelton Silva Sena
 
Higiene
HigieneHigiene
Higiene
cederj
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
crishmuler
 
E. chagas y gestación
E. chagas y gestaciónE. chagas y gestación
E. chagas y gestación
UDmatronas Virgen del Rocio
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
3a2011
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
fnanda
 
Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)
Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)
Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)
lantiz
 
Higiene e Saúde
Higiene e SaúdeHigiene e Saúde
Higiene e Saúde
Paulo Coelho
 

Destaque (18)

DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
D. chagas aula teórica 02
D. chagas   aula teórica 02D. chagas   aula teórica 02
D. chagas aula teórica 02
 
Taina
TainaTaina
Taina
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Doença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - ParasitologiaDoença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - Parasitologia
 
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 01.09.2016
 
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Higiene
HigieneHigiene
Higiene
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
E. chagas y gestación
E. chagas y gestaciónE. chagas y gestación
E. chagas y gestación
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)
Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)
Atlas de hematologia 5a ed. (g. mc donald, panamericana 1998)
 
Higiene e Saúde
Higiene e SaúdeHigiene e Saúde
Higiene e Saúde
 

Semelhante a Doença de chagas

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula de Parasitologia - Os Mircoorganismos
Aula de Parasitologia - Os MircoorganismosAula de Parasitologia - Os Mircoorganismos
Aula de Parasitologia - Os Mircoorganismos
enfaalinelpinheiro
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
Elismmelo55
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Doenças mais comuns em Moluscos
Doenças mais comuns em MoluscosDoenças mais comuns em Moluscos
Doenças mais comuns em Moluscos
Ana Catarina Reis
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
Luciano Sousa
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
Universidade Federal de Viçosa
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
Abian Maquera
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Gabriel Lopes (Guma)
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
Gildo Crispim
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
ITPAC PORTO
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Bianca Borges
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
Gildo Crispim
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 

Semelhante a Doença de chagas (20)

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Aula de Parasitologia - Os Mircoorganismos
Aula de Parasitologia - Os MircoorganismosAula de Parasitologia - Os Mircoorganismos
Aula de Parasitologia - Os Mircoorganismos
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Doenças mais comuns em Moluscos
Doenças mais comuns em MoluscosDoenças mais comuns em Moluscos
Doenças mais comuns em Moluscos
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Doença de chagas

  • 1. UNICE – ENSINO SUPERIOR IESF – INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE FORTALEZA Graduação em Farmácia Disciplina: Parasitologia Clínica Profª. Dra. Juliana Pereira Discentes: Eridan de Sousa Marden Abreu Fortaleza, 2015.2
  • 2. • Tripanosomíase americana (doença de chagas infecciosa); • Abril 1909, interior de Minas gerais (Lassance); • Carlos Chagas (IOC); • Agente etiológico: Protozoário Trypanosoma cruzi (flagelado); • Berenice (2 anos); • Vetor: inseto triatomídeo (barbeiro); • Ordem: kinetoplastida 09/07/1878 08/11/1934 História Figura – Carlos Ribeiro Justiniano Chagas.
  • 3. • Mais de 120 espécies conhecidas; • No Brasil, as espécies mais importantes são: Triatoma infestans, T. brasiliensis, T. pseudomaculada, T. sordida, Panstrongylus megistus... • Hábitos noturnos; • Vivem em domicílios e região peridomiciliar; • São hematófagos. Vetor Gêneros: A – Panstrongylus B – Triatoma C - Rhodnius
  • 4. Morfologia • Amastigota Fase intracelular, sem organelas de locomoção, com pouco citoplasma e núcleo grande. O cinetoplasto fica ao lado do núcleo e é um pouco menor que ele. Está presente na fase crônica da doença. Figura : formas amastigotas intracelulares do Trypanosoma cruzi.
  • 5. Morfologia • Epimastigota É a forma encontrada no tubo digestivo do vetor, não é infectante para os vertebrados. Tem forma fusiforme e apresenta o cinetoplasto junto ao núcleo. Possui flagelo e membrana ondulante. Figura : formas epimastigotas do Trypanosoma cruzi.
  • 6. Morfologia • Tripomastigota sanguíneo Fase extracelular, que circula no sangue. Apresenta flagelo e membrana ondulante em toda a extensão lateral do parasito. O cinetoplasto se localiza na extremidade posterior do parasito. Figura :Tripomastigota de Trypanosoma cruzi. Seta preta-cinetoplasto; vermelha- núcleo; azul-membrana ondulante; verde-flagelo.
  • 7. Morfologia • Tripomastigota metacíclico É a forma infectiva encontrada no intestino posterior do inseto vetor; Mede cerca de 17 μm de comprimento; É fina e com cinetoplasto grande; Membrana ondulante estreita; Curto flagelo livre; Tem capacidade invasiva para atravessar mucosas e a conjuntiva, ou penetrar pelas soluções de continuidade da pele. Figura : formas tripomastigotas .
  • 9. Forma Hospedeiro Multiplicação Localização Epimastigota Inseto Divisão binária Trato digestivo anterior e médio Tripomastigota Metacíclico Inseto Não se multiplica Trato digestivo posterior Amastigota Mamífero Divisão binária Interior de células nucleadas Tripomastigota Sanguíneo Mamífero Não se multiplica Sangue Morfologia
  • 11. • Vetorial (incubação: 5-15 dias); • Oral (3 a 22 dias); • Transfusão sanguínea (30 até mais de 60 dias); • Transmissão congênita (pode ocorrer em qualquer período da gestação ou durante o parto). Transmissão
  • 12. Fase Aguda (duração 3-4 meses) • Pode ou não ser identificada (sintomática ou assintomática); • Manifestações locais: sinal de romaña e chagoma de inoculação; • Manifestações gerais: parasitemia patente; • Outros sintomas: febre, mal estar, cefaleia,anorexia, linfoadenomegalia, hepatoesplenomegalia, miocardite aguda e meningoencefalite. Patogenia
  • 13. Fases Crônicas • Interdeterminada: Baixa parasitemia e alto teor de anticorpos. • Crônico Digestiva: Destruição de plexos mesentéricos; “Megas”. • Crônico Cardíaca: Inflamação crônica, miocitólise, fibrose; Tromboembolismo periféricos; Aneurisma de ponta. Patogenia
  • 15. • Casos e surtos na Amazônia Legal (AC, AM, AP, RO, RR, PA, parte do TO, MA e do MT); • De 2000 a 2011 (+1200 casos); • 70% transmissão oral; • 7% transmissão vetorial; • 22% sem identificação. Epidemiologia Dados: Agência Fiocruz de Notícias- 10/09/2013. Disponível em: http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7a-de-chagas.
  • 17. Profilaxia • Destruição das casas de pau-a- pique; • Construção de casas apropriadas; • Proteger portas e janelas com telas; • Proteger camas com cortinado; • Educação sanitária da população; • Exposição dos colchões ao sol; • Manter o quintal limpo; • Combate ao vetor; • Não manter dentro de casa animais de sangue quente.
  • 19.  Nifurtimox (Lampit): Nitroderivado que age através da produção de radicais livres. (Deficiência de enzimas antioxidantes no parasita). • Toxicidade frequente: anorexia, náuseas, vômitos e reações alérgicas. Tratamento
  • 20.  Benzonidazol (Rochagan): Modo de ação ainda não completamente claro. Parece inibir a síntese de RNA e proteínas.  Toxicidade frequente: Anorexia, cefaleia, dermatopatia, gastralgia, insônia, náuseas, perda de peso, polineuropatia, vômitos. Tratamento
  • 21. 1) Diferencie as três formas do T. cruzi de acordo com a posição do cinetoplasto. 2) Quais os meios de transmissão da doença de Chagas? 3) Quais os dois fármacos atualmente utilizados no tratamento da doença de Chagas? Questões
  • 22. • ARRUDA, I. C. Doença de Chagas. Curso de Ciências biológicas na UniCEUB. Disponível em http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/2463/2/9 861526.pdf Acesso em: 21 /out/2015. • BRENER, Z. Tripanosoma cruzi. Clínica e terapêutica da doença de chagas. Rio de janeiro,Editora FIOCRUZ,1997. 486p. Disponível em http://books.sciclo.org Acesso em: 21/out/2015. • Agência Fiocruz de Notícias – 10/set/2013. Disponível em http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7a-de-chagas Acesso em: 05/nov/2015. Fontes de pesquisa