SlideShare uma empresa Scribd logo
Quitéria Paravidino – 2016
Aula 2
 O Reino Protoctista foi proposto em
substituição ao Reino Protista .
 Uma alternativa didática para receber uma
grande quantidade de táxons eucariontes
unicelulares e multicelulares, que não se
encaixavam na definição de animais, plantas
ou fungos.
 É um reino artificial ou merofilético: seus
integrantes possuem vários ancestrais
comuns.
 São organismos eucariontes, unicelulares e
heterótrofos.
 São classificados sistematicamente,
utilizando como critério a presença ou não de
estruturas utilizadas para a locomoção - bem
como seu tipo.
 São 4 grupos: rizópodes ou sarcodíneos,
mastigóforos ou flagelados, cilióforos ou
ciliados e esporozoários.
Classificação Estrutura de locomoção Exemplos
Rizópodes (ou
Sarcodíneos)
Pseudópodes
Flagelados (ou
Mastigóforos)
Flagelo(um ou mais)
Ciliados (ou
Cilióforos)
Cílios
Esporozoários (ou
Apicomplexos)
Ausente
Reprodução
 REPRODUÇÃO
ASSEXUADA:
 Cissiparidade
(divisão binária ou
bipartição)
 Esporulação (divisão
múltipla)
 REPRODUÇÃO SEXUADA
 Conjugação: 2 indivíduos estabelecem uma
ponte citoplasmática, através da qual trocam
materiais genéticos.
 Fecundação: alguns protozoários formam
gametas. Ex: Plasmodium sp
 No final do processo, os conjugantes se
separam e sofrem reprodução assexuada.
Meiose dos
micronúcleos
Degeneração de
3 micronúcleos
Conjugação
Fusão dos
micronúcleos e
recombinação
Mitoses e
degeneração de 4
micronúcleos
Reprodução
assexuada
União de 2
Paramécios
PARASITAS MONOXENOS:
 Passam por um único tipo de hospedeiro.
PARASITAS HETEROXENOS:
 Passam por dois tipos de hospedeiro:
•Hospedeiro intermediário: no qual o parasita se reproduz de
maneira assexuada;
•Hospedeiro definitivo: no qual o parasita se reproduz de
maneira sexuada.
 Agente etiológico:
Entamoeba histolytica (sarcodíneo).
 Hospedeiro definitivo: ser humano.
 Duas formas: trofozoíto (forma
ativa) e cisto (forma de resistência).
 Colonizam o intestino grosso,
ficando aderidos à mucosa do
intestino alimentando-se de
detritos e de bactérias.
 Sob certas circunstâncias,
podem desprender-se da
parede e, na luz do intestino
grosso, transformam-se em
cistos que são eliminados nas
fezes normais.
 Alguns trofozoítos podem
invadir a submucosa
intestinal, multiplicar-se
ativamente no interior de
úlceras e podem, através da
circulação, atingir outros
órgãos como fígado, pulmão,
rins, cérebro ou pele,
causando a amebíase extra-
intestinal.
 Nessa situação não formam
cistos, são hematófagos e
muito ativos.
 Agente etiológico: Giardia sp.
 1- Ingestão de cistos presentes em água contaminada ou
alimentos crus.
 2- Início do desencistamento no meio ácido do estômago..
 3- Complementação do desencistamento no intestino
delgado (duodeno e jejuno) que será colonizado por
formas trofozoíticas que realizam a reprodução assexuada
e na região do ceco voltam à forma cística.
 4- Cistos e trofozoítos podem ser encontrados nas fezes.
 5- Eliminação de fezes com cistos. Os cicstos são
resistentes e, em condições favoráveis de temperatura e
umidade, podem sobreviver, pelo menos, 2 meses no
ambiente.
 Profilaxia: Idem à amebíase.
 Agente etiológico : Trypanosoma cruzi
 Protozoário flagelado com membrana
ondulante.
 Não apresenta reprodução sexuada.
 HOSPEDEIROS
VERTEBRADOS
 Homem, gambás,
morcegos, roedores,
tatus, tamanduás,
macacos, aves
domésticas, cães,...
 HOSPEDEIROS
INVERTEBRADOS
(VETORES)
 Triatoma infestans,
 Triatoma brasiliensis,
 Panstrogylus megistus,
 Rhodnius prolixus,...
(popularmente chamados de
barbeiros ou chupanças)
Triatoma brasiliensis
Triatoma infestans
Rhodnius prolixus
 Coração (miocárdio) e as paredes do esôfago
e intestino grosso.
 Fibras musculares do coração são destruídas
e substituídas por tecido fibroso.
 O coração fica flácido e aumenta de volume.
 Insuficiência cardíaca, que pode levar ao
óbito.
 Pelo vetor (barbeiro): a infecção ocorre
pela penetração de T.cruzi eliminados
nas fezes ou urina, durante o repasto
sanguíneo.
 Transfusão sanguínea.
 Congênita: de mãe para filho através
da placenta.
 Oral: amamentação (fase aguda),
alimentos contaminados com fezes ou
urina de barbeiros
 Transplante
Transmissão
 Melhoria das habitações rurais;
 Combate ao barbeiro no interior dos
domicílios e no peridomicílio;
 Controle do doador de sangue e de
órgãos;
 Controle de transmissão congênita.
 Tratamento pode ser eficaz no início da
doença.
 Em 11/02/2015 foi anunciado que
uma vacina brasileira capaz de
estimular o sistema imunológico a
combater o Trypanosoma cruzi foi
testada com sucesso de forma
terapêutica em experimentos com
camundongos.
 Agentes etiológicos (apicomplexos):
 Plasmodium vivax: acessos febris de 48 em 48
horas (febre terçã benigna – ocorre de 3 em 3
dias).
 Plasmodium malariae: acessos febris de 72 em 72
horas (febre quartã benigna – ocorre de 4 em 4
dias).
 Plasmodium falciparum: acessos febris irregulares,
de 36 a 48 horas (febre terçã maligna, pois as
hemácias parasitadas aglutinam-se e provocam a
obstrução de vasos sanguíneos, podendo levar o
indivíduo à morte).
Tempo (horas)
Temperatura (ºC)
37
38
39
Plasmodium vivax: Febre terça benigna
0 48 96
Tempo (horas)
Temperatura (ºC)
37
38
39
Plasmodium falciparum: Febre terçã maligna
0 48 96
41
Tempo (horas)
Temperatura (ºC)
37
38
39
Plasmodium malarie: Febre quartã benigna
0 72
144
 Vetor: mosquitos fêmeas do gênero Anopheles
(mosquito prego)
Anopheles albitarsis
Anopheles darlingi
 natural - é aquela em que o plasmódio chega ao
ser humano por meio da picada de uma fêmea de
anofelinos infectada, ou seja, portadora de
formas infectantes (esporozoítos) na sua
glândula salivar
 induzida - é como se denomina qualquer outro
modo de transmissão que não a natural. São
exemplos: transfusão de sangue; uso
compartilhado de agulhas e/ou seringas
contaminados; malária adquirida no momento do
parto(congênita) e acidentes de trabalho em
pessoal de laboratório ou hospital.
 Tratamento dos doentes.
 Medidas de controle populacional dos
mosquitos Anopheles.
 Medidas para evitar a picada de mosquitos.
 Em 25/07/2015 a primeira vacina contra a
malária (ou paludismo) foi aprovada pela
Agência Europeia do Medicamento (EMA).
 FORMAS E AGENTES
ETIOLÓGICOS MAIS COMUNS
NO BRASIL
 Leishmaniose cutâneo
tegumentar (úlcera de Bauru ou
ferida brava) Leishmania
brasiliensis
 Leishmaniose visceral
Leishmania chagasi
 Vetor: fêmeas do mosquito-
palha, birigui, cangalha,...
Lutzomyia sp
 Ambiente rural e matas:roedores e raposas.
 Ambiente urbano: cães e ser humano.
RESERVATÓRIOS
SINTOMAS NOS CÃES
Emagrecimento
Perda de pelos
Lesões na pele
SINTOMAS NOS
HUMANOS
Lesões na pele (picada)
Ulcerações na face
Lesões nasobucofaringeanas
 Ambiente rural e matas:roedores e raposas.
 Ambiente urbano: cães e ser humano.
RESERVATÓRIOS
SINTOMAS NOS CÃES
Emagrecimento
Perda de pelos
Lesões na pele
SINTOMAS NOS
HUMANOS
Febre de longa duração
Fraqueza
Emagrecimento e palidez
Hepatomegalia e esplenomegalia
Problemas na medula óssea (óbito)
 Agente etiológico;
Toxoplasma gondii
(apicomplexo).
 Hospedeiro definitivo:
gato.
 Hospedeiros
intermediários:
mamíferos e aves.
 Pode ser assintomático.
 Quadros graves no miocárdio, fígado e
músculos.
 Lesões na retina que podem evoluir para
cegueira.
 Após fase aguda pode ficar em estado
latente, podendo reapresentar-se
espontaneamente ou por queda do nível de
imunidade.
 Transmissão de mãe para feto durante a
gestação (via placenta).
 Pode ocorrer: abortamento, crescimento intra-
uterino retardado, morte fetal (morte após 20
semanas de gestação), prematuridade (nascimento
antes de 37 semanas);
 malformações diversas: microftalmia (olhos
pequenos), microencefalia (cabeça pequena),
hidrocefalia, retardo mental, hepatoesplenomegalia
(aumento com alteração da função do fígado e do
baço), lesões de pele e calcificações dentro do
cérebro.
 Agente etiológico:
Trichomonas vaginalis
(flagelado com
membrana ondulante)
 Transmissão: relações
sexuais, roupas
íntimas,...
 Desenvolvimento de
outras DST.
 Sintomas
 Mulheres: prurido;
corrimento
esverdeado, ralo e
espumoso; odor fétido.
 Homens: queimação na
uretra, prurido,
corrimento leve ou são
assintomáticos.
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Cristiane Assis
 
Escorpiões
EscorpiõesEscorpiões
Escorpiões
Renata Medeiros
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
Fabio Dias
 
Balantidiose
BalantidioseBalantidiose
Balantidiose
Luciano Sousa
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
Erik Macedo
 
Calendario vacinacao crianca (1)
Calendario  vacinacao crianca (1)Calendario  vacinacao crianca (1)
Calendario vacinacao crianca (1)
Alinebrauna Brauna
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Brunno Lemes de Melo
 
Raiva
RaivaRaiva
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
GleyceMoreiraXWeslle
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
SMS - Petrópolis
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Erivaldo Rosendo
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
bioemanuel
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Maria Aparecida Bonfim
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 

Mais procurados (20)

Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
 
Escorpiões
EscorpiõesEscorpiões
Escorpiões
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Balantidiose
BalantidioseBalantidiose
Balantidiose
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
 
Calendario vacinacao crianca (1)
Calendario  vacinacao crianca (1)Calendario  vacinacao crianca (1)
Calendario vacinacao crianca (1)
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Raiva
RaivaRaiva
Raiva
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 

Destaque

Aula 20 o mol e a constante de avogadro
Aula 20   o mol e a constante de avogadroAula 20   o mol e a constante de avogadro
Aula 20 o mol e a constante de avogadro
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 20 aminas e sua basicidade
Aula 20   aminas e sua basicidadeAula 20   aminas e sua basicidade
Aula 20 aminas e sua basicidade
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Citoplasma aulas 27 e 28
Citoplasma   aulas 27 e 28Citoplasma   aulas 27 e 28
Citoplasma aulas 27 e 28
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois
Aulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcooisAulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcoois
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 18 massa atômica de um elemento químico (m.a.)
Aula 18   massa atômica de um elemento químico (m.a.)Aula 18   massa atômica de um elemento químico (m.a.)
Aula 18 massa atômica de um elemento químico (m.a.)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 17 a 19 ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slides
Aulas 17 a 19   ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slidesAulas 17 a 19   ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slides
Aulas 17 a 19 ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slides
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 21 e 22 massas molares
Aulas 21 e 22   massas molaresAulas 21 e 22   massas molares
Aulas 21 e 22 massas molares
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 17 a 19 reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...
Aulas 17 a 19   reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...Aulas 17 a 19   reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...
Aulas 17 a 19 reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula de resolução de exercícios do enem 1º ano
Aula de resolução de exercícios do enem   1º anoAula de resolução de exercícios do enem   1º ano
Aula de resolução de exercícios do enem 1º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 20 acidez e basicidade - 3º ano - slides
Aula 20   acidez e basicidade - 3º ano - slidesAula 20   acidez e basicidade - 3º ano - slides
Aula 20 acidez e basicidade - 3º ano - slides
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 13 e 14 separação de misturas heterogêneas
Aulas 13 e 14   separação de misturas heterogêneasAulas 13 e 14   separação de misturas heterogêneas
Aulas 13 e 14 separação de misturas heterogêneas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 15 e 16 separação de misturas homogêneas
Aulas 15 e 16   separação de misturas homogêneasAulas 15 e 16   separação de misturas homogêneas
Aulas 15 e 16 separação de misturas homogêneas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 17 massa atômica de isótopo (m.a.)
Aula 17   massa atômica de isótopo (m.a.)Aula 17   massa atômica de isótopo (m.a.)
Aula 17 massa atômica de isótopo (m.a.)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 21 a 24 polímeros - 3º ano - slides
Aulas 21 a 24   polímeros - 3º ano - slidesAulas 21 a 24   polímeros - 3º ano - slides
Aulas 21 a 24 polímeros - 3º ano - slides
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slides
Aulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slidesAulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slides
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slides
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglês
Gabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglêsGabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglês
Gabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglês
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Destaque (20)

Aula 20 o mol e a constante de avogadro
Aula 20   o mol e a constante de avogadroAula 20   o mol e a constante de avogadro
Aula 20 o mol e a constante de avogadro
 
Aula 20 aminas e sua basicidade
Aula 20   aminas e sua basicidadeAula 20   aminas e sua basicidade
Aula 20 aminas e sua basicidade
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Citoplasma aulas 27 e 28
Citoplasma   aulas 27 e 28Citoplasma   aulas 27 e 28
Citoplasma aulas 27 e 28
 
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois
Aulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcooisAulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcoois
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois
 
Aula 18 massa atômica de um elemento químico (m.a.)
Aula 18   massa atômica de um elemento químico (m.a.)Aula 18   massa atômica de um elemento químico (m.a.)
Aula 18 massa atômica de um elemento químico (m.a.)
 
Aulas 17 a 19 ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slides
Aulas 17 a 19   ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slidesAulas 17 a 19   ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slides
Aulas 17 a 19 ácidos carboxílicos e ésteres - 3º ano - slides
 
Aulas 21 e 22 massas molares
Aulas 21 e 22   massas molaresAulas 21 e 22   massas molares
Aulas 21 e 22 massas molares
 
Aulas 17 a 19 reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...
Aulas 17 a 19   reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...Aulas 17 a 19   reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...
Aulas 17 a 19 reações envolvendo ácidos carboxílicos e ésteres - acidez na ...
 
Aula de resolução de exercícios do enem 1º ano
Aula de resolução de exercícios do enem   1º anoAula de resolução de exercícios do enem   1º ano
Aula de resolução de exercícios do enem 1º ano
 
Aula 20 acidez e basicidade - 3º ano - slides
Aula 20   acidez e basicidade - 3º ano - slidesAula 20   acidez e basicidade - 3º ano - slides
Aula 20 acidez e basicidade - 3º ano - slides
 
Aulas 13 e 14 separação de misturas heterogêneas
Aulas 13 e 14   separação de misturas heterogêneasAulas 13 e 14   separação de misturas heterogêneas
Aulas 13 e 14 separação de misturas heterogêneas
 
Aulas 15 e 16 separação de misturas homogêneas
Aulas 15 e 16   separação de misturas homogêneasAulas 15 e 16   separação de misturas homogêneas
Aulas 15 e 16 separação de misturas homogêneas
 
Aula 17 massa atômica de isótopo (m.a.)
Aula 17   massa atômica de isótopo (m.a.)Aula 17   massa atômica de isótopo (m.a.)
Aula 17 massa atômica de isótopo (m.a.)
 
Aulas 21 a 24 polímeros - 3º ano - slides
Aulas 21 a 24   polímeros - 3º ano - slidesAulas 21 a 24   polímeros - 3º ano - slides
Aulas 21 a 24 polímeros - 3º ano - slides
 
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slides
Aulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slidesAulas 13 a 16   principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slides
Aulas 13 a 16 principais reações envolvendo álcoois - 3º ano - slides
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
 
Gabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglês
Gabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglêsGabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglês
Gabarito do caderno de exercícios do 1 ano inglês
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Semelhante a Doenças causadas por protozoários (protozooses)

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Turma Olímpica
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
aulasdotubao
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
Ernesto Silva
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
3a2011
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
Luciano Sousa
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Jorge Figueirêdo
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 
Aula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.pptAula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.ppt
AlexAnjos11
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Jaqueline Almeida
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
infoeducp2
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
pHrOzEn HeLL
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 

Semelhante a Doenças causadas por protozoários (protozooses) (20)

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Aula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.pptAula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.ppt
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Alpha Colégio e Vestibulares
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
 
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 

Doenças causadas por protozoários (protozooses)

  • 2.  O Reino Protoctista foi proposto em substituição ao Reino Protista .  Uma alternativa didática para receber uma grande quantidade de táxons eucariontes unicelulares e multicelulares, que não se encaixavam na definição de animais, plantas ou fungos.  É um reino artificial ou merofilético: seus integrantes possuem vários ancestrais comuns.
  • 3.
  • 4.  São organismos eucariontes, unicelulares e heterótrofos.  São classificados sistematicamente, utilizando como critério a presença ou não de estruturas utilizadas para a locomoção - bem como seu tipo.  São 4 grupos: rizópodes ou sarcodíneos, mastigóforos ou flagelados, cilióforos ou ciliados e esporozoários.
  • 5. Classificação Estrutura de locomoção Exemplos Rizópodes (ou Sarcodíneos) Pseudópodes Flagelados (ou Mastigóforos) Flagelo(um ou mais) Ciliados (ou Cilióforos) Cílios Esporozoários (ou Apicomplexos) Ausente
  • 6.
  • 7.
  • 10.  REPRODUÇÃO SEXUADA  Conjugação: 2 indivíduos estabelecem uma ponte citoplasmática, através da qual trocam materiais genéticos.  Fecundação: alguns protozoários formam gametas. Ex: Plasmodium sp  No final do processo, os conjugantes se separam e sofrem reprodução assexuada.
  • 11. Meiose dos micronúcleos Degeneração de 3 micronúcleos Conjugação Fusão dos micronúcleos e recombinação Mitoses e degeneração de 4 micronúcleos Reprodução assexuada União de 2 Paramécios
  • 12.
  • 13. PARASITAS MONOXENOS:  Passam por um único tipo de hospedeiro. PARASITAS HETEROXENOS:  Passam por dois tipos de hospedeiro: •Hospedeiro intermediário: no qual o parasita se reproduz de maneira assexuada; •Hospedeiro definitivo: no qual o parasita se reproduz de maneira sexuada.
  • 14.  Agente etiológico: Entamoeba histolytica (sarcodíneo).  Hospedeiro definitivo: ser humano.  Duas formas: trofozoíto (forma ativa) e cisto (forma de resistência).  Colonizam o intestino grosso, ficando aderidos à mucosa do intestino alimentando-se de detritos e de bactérias.
  • 15.
  • 16.  Sob certas circunstâncias, podem desprender-se da parede e, na luz do intestino grosso, transformam-se em cistos que são eliminados nas fezes normais.  Alguns trofozoítos podem invadir a submucosa intestinal, multiplicar-se ativamente no interior de úlceras e podem, através da circulação, atingir outros órgãos como fígado, pulmão, rins, cérebro ou pele, causando a amebíase extra- intestinal.  Nessa situação não formam cistos, são hematófagos e muito ativos.
  • 17.  Agente etiológico: Giardia sp.  1- Ingestão de cistos presentes em água contaminada ou alimentos crus.  2- Início do desencistamento no meio ácido do estômago..  3- Complementação do desencistamento no intestino delgado (duodeno e jejuno) que será colonizado por formas trofozoíticas que realizam a reprodução assexuada e na região do ceco voltam à forma cística.  4- Cistos e trofozoítos podem ser encontrados nas fezes.  5- Eliminação de fezes com cistos. Os cicstos são resistentes e, em condições favoráveis de temperatura e umidade, podem sobreviver, pelo menos, 2 meses no ambiente.  Profilaxia: Idem à amebíase.
  • 18.
  • 19.
  • 20.  Agente etiológico : Trypanosoma cruzi  Protozoário flagelado com membrana ondulante.  Não apresenta reprodução sexuada.
  • 21.  HOSPEDEIROS VERTEBRADOS  Homem, gambás, morcegos, roedores, tatus, tamanduás, macacos, aves domésticas, cães,...  HOSPEDEIROS INVERTEBRADOS (VETORES)  Triatoma infestans,  Triatoma brasiliensis,  Panstrogylus megistus,  Rhodnius prolixus,... (popularmente chamados de barbeiros ou chupanças)
  • 23.
  • 24.
  • 25.  Coração (miocárdio) e as paredes do esôfago e intestino grosso.  Fibras musculares do coração são destruídas e substituídas por tecido fibroso.  O coração fica flácido e aumenta de volume.  Insuficiência cardíaca, que pode levar ao óbito.
  • 26.  Pelo vetor (barbeiro): a infecção ocorre pela penetração de T.cruzi eliminados nas fezes ou urina, durante o repasto sanguíneo.  Transfusão sanguínea.  Congênita: de mãe para filho através da placenta.  Oral: amamentação (fase aguda), alimentos contaminados com fezes ou urina de barbeiros  Transplante Transmissão
  • 27.  Melhoria das habitações rurais;  Combate ao barbeiro no interior dos domicílios e no peridomicílio;  Controle do doador de sangue e de órgãos;  Controle de transmissão congênita.  Tratamento pode ser eficaz no início da doença.
  • 28.  Em 11/02/2015 foi anunciado que uma vacina brasileira capaz de estimular o sistema imunológico a combater o Trypanosoma cruzi foi testada com sucesso de forma terapêutica em experimentos com camundongos.
  • 29.  Agentes etiológicos (apicomplexos):  Plasmodium vivax: acessos febris de 48 em 48 horas (febre terçã benigna – ocorre de 3 em 3 dias).  Plasmodium malariae: acessos febris de 72 em 72 horas (febre quartã benigna – ocorre de 4 em 4 dias).  Plasmodium falciparum: acessos febris irregulares, de 36 a 48 horas (febre terçã maligna, pois as hemácias parasitadas aglutinam-se e provocam a obstrução de vasos sanguíneos, podendo levar o indivíduo à morte).
  • 30. Tempo (horas) Temperatura (ºC) 37 38 39 Plasmodium vivax: Febre terça benigna 0 48 96
  • 31. Tempo (horas) Temperatura (ºC) 37 38 39 Plasmodium falciparum: Febre terçã maligna 0 48 96 41
  • 32. Tempo (horas) Temperatura (ºC) 37 38 39 Plasmodium malarie: Febre quartã benigna 0 72 144
  • 33.  Vetor: mosquitos fêmeas do gênero Anopheles (mosquito prego) Anopheles albitarsis Anopheles darlingi
  • 34.
  • 35.  natural - é aquela em que o plasmódio chega ao ser humano por meio da picada de uma fêmea de anofelinos infectada, ou seja, portadora de formas infectantes (esporozoítos) na sua glândula salivar  induzida - é como se denomina qualquer outro modo de transmissão que não a natural. São exemplos: transfusão de sangue; uso compartilhado de agulhas e/ou seringas contaminados; malária adquirida no momento do parto(congênita) e acidentes de trabalho em pessoal de laboratório ou hospital.
  • 36.  Tratamento dos doentes.  Medidas de controle populacional dos mosquitos Anopheles.  Medidas para evitar a picada de mosquitos.  Em 25/07/2015 a primeira vacina contra a malária (ou paludismo) foi aprovada pela Agência Europeia do Medicamento (EMA).
  • 37.  FORMAS E AGENTES ETIOLÓGICOS MAIS COMUNS NO BRASIL  Leishmaniose cutâneo tegumentar (úlcera de Bauru ou ferida brava) Leishmania brasiliensis  Leishmaniose visceral Leishmania chagasi  Vetor: fêmeas do mosquito- palha, birigui, cangalha,... Lutzomyia sp
  • 38.
  • 39.  Ambiente rural e matas:roedores e raposas.  Ambiente urbano: cães e ser humano. RESERVATÓRIOS SINTOMAS NOS CÃES Emagrecimento Perda de pelos Lesões na pele SINTOMAS NOS HUMANOS Lesões na pele (picada) Ulcerações na face Lesões nasobucofaringeanas
  • 40.
  • 41.  Ambiente rural e matas:roedores e raposas.  Ambiente urbano: cães e ser humano. RESERVATÓRIOS SINTOMAS NOS CÃES Emagrecimento Perda de pelos Lesões na pele SINTOMAS NOS HUMANOS Febre de longa duração Fraqueza Emagrecimento e palidez Hepatomegalia e esplenomegalia Problemas na medula óssea (óbito)
  • 42.
  • 43.  Agente etiológico; Toxoplasma gondii (apicomplexo).  Hospedeiro definitivo: gato.  Hospedeiros intermediários: mamíferos e aves.
  • 44.
  • 45.
  • 46.  Pode ser assintomático.  Quadros graves no miocárdio, fígado e músculos.  Lesões na retina que podem evoluir para cegueira.  Após fase aguda pode ficar em estado latente, podendo reapresentar-se espontaneamente ou por queda do nível de imunidade.
  • 47.
  • 48.  Transmissão de mãe para feto durante a gestação (via placenta).  Pode ocorrer: abortamento, crescimento intra- uterino retardado, morte fetal (morte após 20 semanas de gestação), prematuridade (nascimento antes de 37 semanas);  malformações diversas: microftalmia (olhos pequenos), microencefalia (cabeça pequena), hidrocefalia, retardo mental, hepatoesplenomegalia (aumento com alteração da função do fígado e do baço), lesões de pele e calcificações dentro do cérebro.
  • 49.  Agente etiológico: Trichomonas vaginalis (flagelado com membrana ondulante)  Transmissão: relações sexuais, roupas íntimas,...  Desenvolvimento de outras DST.  Sintomas  Mulheres: prurido; corrimento esverdeado, ralo e espumoso; odor fétido.  Homens: queimação na uretra, prurido, corrimento leve ou são assintomáticos.