SlideShare uma empresa Scribd logo
ASCARIS LUMBRICOIDES
ALUNAS: FLÁVIA GOMES
NATHÁLIA VASCONCELOS
SUZANA SOARES
INTRODUÇÃO
É uma verminose causada por um parasita chamado Ascaris
lumbricoides. É a verminose intestinal humana mais disseminada no
mundo.
Ascaris lumbricoides está entre os helmintos intestinais mais
prevalentes em seres humanos. Estima-se que cerca de 22% da
população mundial (mais de 1 bilhão de pessoas) estejam infectados
e 10% do total de indivíduos parasitados encontrem-se na América
Latina . Alta prevalência de ascaridíase é considerada indicativa de
saneamento básico inadequado, comumente observado em
comunidades rurais. É a décima sétima causa mundial de morte.
INTRODUÇÃO
O panorama atual da infecção pelo A. lumbricoide na população no
Brasil vem apresentando algumas mudanças.
O decréscimo do parasitismo, notadamente entre crianças com idade
inferior a 12 anos, vem sendo observado em comunidades da região
sul e sudeste que são beneficiadas por melhores condições de
saneamento ambiental, especialmente a água tratada.
Outros aspectos que parece ter impacto positivo é a instalação em
locais de riscos de novos postos de saúde de equipe de programa de
Saúde da família.
MORFOLOGIA
O estudo da morfologia deste parasito deve ser feito observando-se
as fases evolutivas do seu ciclo biológico, ou seja, macho, fêmea e o
ovo.
As formas adultas são longas, robustas, cilíndricas e apresentam as
extremidades afiladas.
MORFOLOGIA
Machos
Os vermes adultos apresentam cor leitosa e medem cerca de 20 a 30
centímetros de comprimento por 2 a 4 mm de largura. A boca ou
vestíbulo bucal localizada na extremidade anterior é contornado por
três fortes lábios com serrilhas de dentículos e sem interlábios. A
boca segue-se o esôfago musculoso e, logo após, o intestino
retilíneo.
O reto é encontrado próximo á extremidade posterior.
Apresenta um testículo filiforme e enovelado, que se diferencia em
canal deferente, continua pelo canal ejaculador, abrindo-se na
coacla, localizada próximo a extremidade posterior.
MORFOLOGIA
Apresenta ainda dois espículos
iguais que funcionam como
órgãos acessórios da cópula. A
extremidade posterior
fortemente encurvada para a
face ventral é o caráter sexual
externo que o diferencia da
fêmea, notam-se ainda na cauda,
papilas pré cloacais.
MORFOLOGIA
Fêmeas
Medem cerca de 30 a 40 centímetros de comprimentos por 3 a 6
mm de largura quando adultas, sendo mais robustas que os machos.
A cor, a boca e o aparelho digestivo são semelhantes aos do
macho.
Apresentam dois ovários filiformes e enovelados que continuam
como ovidutos, diferenciando em úteros que vão se unir em uma
única vagina, que se exterioriza pela vulva, localizada no terço
anterior do parasito. A extremidade posterior da fêmea é retilínea.
MORFOLOGIA
MORFOLOGIA
Os ovos:
MORFOLOGIA
Originalmente são brancos e adquirem cor castanha devido ao contato com as
fezes.
São grandes, medindo aproximadamente 50 x 60 micrômetros, ovais e com
cápsulas espessas, em razão da membrana externa mamilonada, secretada pela
parede uterina e formada por mucopolissacarídeos.
Essas membranas facilitam a aderência dos ovos a superfícies propiciando sua
disseminação.
A esse envoltório seguem-se uma membrana média de constituição proteica, e
outra mais interna, delgada e impermeável á água, constituída de 25% de
proteínas e 75 % de lipídios.
Esta última camada confere ao ovo grande resistência ás condições adversas do
ambiente.
HABITAT
Em infecções moderadas, os vermes adultos, são encontrados no
intestino delgado, principalmente no jejuno e íleo, mas, em infecções
intensas ocupam toda a extensão do intestino delgado. Podem ficar
presos á mucosa, com auxilio dos lábios ou migrarem pela luz
intestinal.
CICLO BIOLÓGICO
TRANSMISSÃO
Ocorre pela ingestão de água ou alimentos contaminados com os ovos
contendo a larva L3. Um indivíduo contaminado pelo verme elimina
diariamente milhares de ovos de Ascaris pelas fezes. Em locais sem saneamento
básico adequado, estas fezes contaminam solos e água. A transmissão do
áscaris ocorre quando uma pessoa sadia ingere acidentalmente estes ovos
presentes no ambiente.
Crianças costumam se infectar ao brincar em solos contaminados. As mãos sujas
podem levar os ovos diretamente para a boca ou contaminar brinquedos ou
objetos, que entrarão, posteriormente, em contato com a boca de outras
crianças.
TRANSMISSÃO
Já os adultos, geralmente, se infectam ao ingerir água ou alimentos
contaminados.
Uma vez no ambiente, os ovos de Ascaris são muito resistentes, podendo
permanecer viáveis por vários anos, caso encontrem condições adequadas de
umidade e temperatura. Filtragem da água, cozimento de alimentos e lavagem
adequada de frutas e verduras cruas são suficientes para eliminar os ovos e
impedir contaminações de novos indivíduos.
Uma infecção prévia pelo Ascaris não garante imunidade, sendo perfeitamente
possível uma mesma pessoa desenvolver a parasitose várias vezes ao longo da
vida.
PATOGENIA
O parasitismo pode ser assintomático. A ação patogênica
desenvolve-se habitualmente em duas etapas: durante a migração
das larvas e quando os vermes adultos já se encontram em seu
habitat definitivo (intestino delgado), podendo os mecanismos
gerais serem de origem mecânica, tóxica ou alérgica.
PATOGENIA
Durante a migração das larvas:
– Fígado:
• Focos hemorrágicos
• Necrose
• Reação inflamatória
• Aumento do volume hepático
– Pulmão
• Quadro pneumônico
• Edemaciação alveolar
• Manifestações alérgicas
• Febre
• Tosse e catarro sanguinolento
PATOGENIA
Verme adulto
• 3 a 4 vermes: sem manifestação clínica
• Mais de 30 vermes :
– Desconforto abdominal
– Náusea
– Perda de apetite e emagrecimento
– Baixo desenvolvimento físico e mental
– Irritabilidade
– Enovelamento de vermes
PATOGENIA
• De 100 ou mais vermes (infecção massiva), podemos ter alterações graves que
são as seguintes:
Ação exploradora: Os vermes consomem grande quantidade de proteínas,
carboidratos, lipídios e vitaminas A e C levando o paciente, principalmente
crianças, à subnutrição e depauperamento físico e mental;
Ação tóxica: reação entre antígenos parasitários e anticorpos alergizantes do
hospedeiro, causando edema, urticária, convulsões e epileptiformes, etc.;
Ação mecânica: causam irritação na parede intestinal e podem enovelar-se
na luz intestinal, levando à sua obstrução.
PATOGENIA
Áscaris Errático: nos casos de pacientes com carga parasitária
grande ou nos casos em que o verme sofra alguma ação irritativa
(medicamento impróprio ou em dosagem pequena), pode levar o
helminto a deslocar-se de seu habitat normal para atingir outro local.
As situações ectópicas que podemos encontrar são:
• Apêndice cecal, causando apendicite aguda;
• Canal colédoco, causando obstrução do mesmo;
• Canal de Wirsung, causando pancreatite aguda;
• Eliminação do verme pela boca e narinas.
PATOGENIA
PATOGENIA
DIAGNÓSTICO
• Métodos parasitológicos: encontro de ovos nas fezes:
– Qualitativos: Exame direto e sedimentação espontânea
– Quantitativos: Stoll e Kato-Katz.
• Pesquisa de larva no escarro.
• Exame de imagem.
• Métodos imunológicos:
– Intradermorreação
– Úteis na fase larvária ou quando a infecção se dá por machos de Ascaris
lumbricoides
TRATAMENTO
O tratamento é feito através de medicamentos:
• Mebendazol
• Albendazol
• Levamisol
PREVENÇÃO
• Educação sanitária
• Programas de assistência sanitária
• Construção de fossas sépticas
• Hábitos de higiene
• Proteção dos alimentos
REFERÊNCIAS
• DE CARLI, Geraldo Attílio. Parasitologia Clínica. 2.Ed. São Paulo: Ed.
Atheneu, 2207. 906p
• NEVES, David Pereira. Parasitologia humana. 11. Ed. São Paulo:
Editora Atheneu, 2005. 494p.
• REY, Luis. Bases da Parasitologia Médica. 3. Ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan. 2010. 391p.
• www.dpd.cdc.gov

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
Rossana Martins
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
Danillo Rodrigues
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
Gildo Crispim
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Ediones Costa
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
crishmuler
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
Janaina Alves
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
Beatriz Henkels
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
Dessa Reis
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
ITPAC PORTO
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
pHrOzEn HeLL
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria
Karen Cristina Schneberger
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Guellity Marcel
 
Teníase
TeníaseTeníase
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Brunno Lemes de Melo
 

Mais procurados (20)

Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Teníase
TeníaseTeníase
Teníase
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 

Semelhante a Ascaris lumbricoides

Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
Marcel Vieira
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
ITPAC PORTO
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
3a2011
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
João Pedro Rodrigues
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
Francisca Maria
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
O que é Ascaridíase
O que é AscaridíaseO que é Ascaridíase
O que é Ascaridíase
Willian Ximenes
 
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Luciana Duarte
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - ResumoAscaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
ElderENF
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
Jonatas Barros
 
ASCARIS.pdf
ASCARIS.pdfASCARIS.pdf
ASCARIS.pdf
Raquel Souza
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Flávio Booz
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
Adriano Antonholi
 
Resumão - Helmintos Redondos.pdf
Resumão - Helmintos  Redondos.pdfResumão - Helmintos  Redondos.pdf
Resumão - Helmintos Redondos.pdf
MichaelCarmo4
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Ewerton Leonardo
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
Marcos Santos
 

Semelhante a Ascaris lumbricoides (20)

Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
O que é Ascaridíase
O que é AscaridíaseO que é Ascaridíase
O que é Ascaridíase
 
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Enterobíase
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - ResumoAscaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
 
ASCARIS.pdf
ASCARIS.pdfASCARIS.pdf
ASCARIS.pdf
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Resumão - Helmintos Redondos.pdf
Resumão - Helmintos  Redondos.pdfResumão - Helmintos  Redondos.pdf
Resumão - Helmintos Redondos.pdf
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 

Mais de Nathália Vasconcelos

Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
Nathália Vasconcelos
 
Radiação na água
Radiação na águaRadiação na água
Radiação na água
Nathália Vasconcelos
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Nathália Vasconcelos
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)
Nathália Vasconcelos
 
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo ProdutivoLevantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Nathália Vasconcelos
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
Nathália Vasconcelos
 
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo DomiciliarPalestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Nathália Vasconcelos
 
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e SociaisEsgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Nathália Vasconcelos
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Nathália Vasconcelos
 
Interdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na EscolaInterdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na Escola
Nathália Vasconcelos
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
AlumínioAlumínio

Mais de Nathália Vasconcelos (15)

Mutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturaisMutações cromossômicas estruturais
Mutações cromossômicas estruturais
 
Radiação na água
Radiação na águaRadiação na água
Radiação na água
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)Eutanásia (contra)
Eutanásia (contra)
 
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo ProdutivoLevantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
Levantamento das Empresas de Panifificação da Região e seu Processo Produtivo
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
 
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo DomiciliarPalestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
Palestra Socioeducativa Sobre Lixo Domiciliar
 
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e SociaisEsgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
Esgoto Doméstico: Impactos Ambientais e Sociais
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Interdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na EscolaInterdisciplinaridade na Escola
Interdisciplinaridade na Escola
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
 
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
 

Último

Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 

Último (8)

Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 

Ascaris lumbricoides

  • 1. ASCARIS LUMBRICOIDES ALUNAS: FLÁVIA GOMES NATHÁLIA VASCONCELOS SUZANA SOARES
  • 2. INTRODUÇÃO É uma verminose causada por um parasita chamado Ascaris lumbricoides. É a verminose intestinal humana mais disseminada no mundo. Ascaris lumbricoides está entre os helmintos intestinais mais prevalentes em seres humanos. Estima-se que cerca de 22% da população mundial (mais de 1 bilhão de pessoas) estejam infectados e 10% do total de indivíduos parasitados encontrem-se na América Latina . Alta prevalência de ascaridíase é considerada indicativa de saneamento básico inadequado, comumente observado em comunidades rurais. É a décima sétima causa mundial de morte.
  • 3. INTRODUÇÃO O panorama atual da infecção pelo A. lumbricoide na população no Brasil vem apresentando algumas mudanças. O decréscimo do parasitismo, notadamente entre crianças com idade inferior a 12 anos, vem sendo observado em comunidades da região sul e sudeste que são beneficiadas por melhores condições de saneamento ambiental, especialmente a água tratada. Outros aspectos que parece ter impacto positivo é a instalação em locais de riscos de novos postos de saúde de equipe de programa de Saúde da família.
  • 4. MORFOLOGIA O estudo da morfologia deste parasito deve ser feito observando-se as fases evolutivas do seu ciclo biológico, ou seja, macho, fêmea e o ovo. As formas adultas são longas, robustas, cilíndricas e apresentam as extremidades afiladas.
  • 5. MORFOLOGIA Machos Os vermes adultos apresentam cor leitosa e medem cerca de 20 a 30 centímetros de comprimento por 2 a 4 mm de largura. A boca ou vestíbulo bucal localizada na extremidade anterior é contornado por três fortes lábios com serrilhas de dentículos e sem interlábios. A boca segue-se o esôfago musculoso e, logo após, o intestino retilíneo. O reto é encontrado próximo á extremidade posterior. Apresenta um testículo filiforme e enovelado, que se diferencia em canal deferente, continua pelo canal ejaculador, abrindo-se na coacla, localizada próximo a extremidade posterior.
  • 6. MORFOLOGIA Apresenta ainda dois espículos iguais que funcionam como órgãos acessórios da cópula. A extremidade posterior fortemente encurvada para a face ventral é o caráter sexual externo que o diferencia da fêmea, notam-se ainda na cauda, papilas pré cloacais.
  • 7. MORFOLOGIA Fêmeas Medem cerca de 30 a 40 centímetros de comprimentos por 3 a 6 mm de largura quando adultas, sendo mais robustas que os machos. A cor, a boca e o aparelho digestivo são semelhantes aos do macho. Apresentam dois ovários filiformes e enovelados que continuam como ovidutos, diferenciando em úteros que vão se unir em uma única vagina, que se exterioriza pela vulva, localizada no terço anterior do parasito. A extremidade posterior da fêmea é retilínea.
  • 10. MORFOLOGIA Originalmente são brancos e adquirem cor castanha devido ao contato com as fezes. São grandes, medindo aproximadamente 50 x 60 micrômetros, ovais e com cápsulas espessas, em razão da membrana externa mamilonada, secretada pela parede uterina e formada por mucopolissacarídeos. Essas membranas facilitam a aderência dos ovos a superfícies propiciando sua disseminação. A esse envoltório seguem-se uma membrana média de constituição proteica, e outra mais interna, delgada e impermeável á água, constituída de 25% de proteínas e 75 % de lipídios. Esta última camada confere ao ovo grande resistência ás condições adversas do ambiente.
  • 11. HABITAT Em infecções moderadas, os vermes adultos, são encontrados no intestino delgado, principalmente no jejuno e íleo, mas, em infecções intensas ocupam toda a extensão do intestino delgado. Podem ficar presos á mucosa, com auxilio dos lábios ou migrarem pela luz intestinal.
  • 13. TRANSMISSÃO Ocorre pela ingestão de água ou alimentos contaminados com os ovos contendo a larva L3. Um indivíduo contaminado pelo verme elimina diariamente milhares de ovos de Ascaris pelas fezes. Em locais sem saneamento básico adequado, estas fezes contaminam solos e água. A transmissão do áscaris ocorre quando uma pessoa sadia ingere acidentalmente estes ovos presentes no ambiente. Crianças costumam se infectar ao brincar em solos contaminados. As mãos sujas podem levar os ovos diretamente para a boca ou contaminar brinquedos ou objetos, que entrarão, posteriormente, em contato com a boca de outras crianças.
  • 14. TRANSMISSÃO Já os adultos, geralmente, se infectam ao ingerir água ou alimentos contaminados. Uma vez no ambiente, os ovos de Ascaris são muito resistentes, podendo permanecer viáveis por vários anos, caso encontrem condições adequadas de umidade e temperatura. Filtragem da água, cozimento de alimentos e lavagem adequada de frutas e verduras cruas são suficientes para eliminar os ovos e impedir contaminações de novos indivíduos. Uma infecção prévia pelo Ascaris não garante imunidade, sendo perfeitamente possível uma mesma pessoa desenvolver a parasitose várias vezes ao longo da vida.
  • 15. PATOGENIA O parasitismo pode ser assintomático. A ação patogênica desenvolve-se habitualmente em duas etapas: durante a migração das larvas e quando os vermes adultos já se encontram em seu habitat definitivo (intestino delgado), podendo os mecanismos gerais serem de origem mecânica, tóxica ou alérgica.
  • 16. PATOGENIA Durante a migração das larvas: – Fígado: • Focos hemorrágicos • Necrose • Reação inflamatória • Aumento do volume hepático – Pulmão • Quadro pneumônico • Edemaciação alveolar • Manifestações alérgicas • Febre • Tosse e catarro sanguinolento
  • 17. PATOGENIA Verme adulto • 3 a 4 vermes: sem manifestação clínica • Mais de 30 vermes : – Desconforto abdominal – Náusea – Perda de apetite e emagrecimento – Baixo desenvolvimento físico e mental – Irritabilidade – Enovelamento de vermes
  • 18. PATOGENIA • De 100 ou mais vermes (infecção massiva), podemos ter alterações graves que são as seguintes: Ação exploradora: Os vermes consomem grande quantidade de proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas A e C levando o paciente, principalmente crianças, à subnutrição e depauperamento físico e mental; Ação tóxica: reação entre antígenos parasitários e anticorpos alergizantes do hospedeiro, causando edema, urticária, convulsões e epileptiformes, etc.; Ação mecânica: causam irritação na parede intestinal e podem enovelar-se na luz intestinal, levando à sua obstrução.
  • 19. PATOGENIA Áscaris Errático: nos casos de pacientes com carga parasitária grande ou nos casos em que o verme sofra alguma ação irritativa (medicamento impróprio ou em dosagem pequena), pode levar o helminto a deslocar-se de seu habitat normal para atingir outro local. As situações ectópicas que podemos encontrar são: • Apêndice cecal, causando apendicite aguda; • Canal colédoco, causando obstrução do mesmo; • Canal de Wirsung, causando pancreatite aguda; • Eliminação do verme pela boca e narinas.
  • 22. DIAGNÓSTICO • Métodos parasitológicos: encontro de ovos nas fezes: – Qualitativos: Exame direto e sedimentação espontânea – Quantitativos: Stoll e Kato-Katz. • Pesquisa de larva no escarro. • Exame de imagem. • Métodos imunológicos: – Intradermorreação – Úteis na fase larvária ou quando a infecção se dá por machos de Ascaris lumbricoides
  • 23. TRATAMENTO O tratamento é feito através de medicamentos: • Mebendazol • Albendazol • Levamisol
  • 24. PREVENÇÃO • Educação sanitária • Programas de assistência sanitária • Construção de fossas sépticas • Hábitos de higiene • Proteção dos alimentos
  • 25. REFERÊNCIAS • DE CARLI, Geraldo Attílio. Parasitologia Clínica. 2.Ed. São Paulo: Ed. Atheneu, 2207. 906p • NEVES, David Pereira. Parasitologia humana. 11. Ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2005. 494p. • REY, Luis. Bases da Parasitologia Médica. 3. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2010. 391p. • www.dpd.cdc.gov