SlideShare uma empresa Scribd logo
LEISHMANIOSE
FILO SARCOMASTIGOPHORA 
(PRESENÇA DE FLAGELO OU PSEUDÓPODOS)
Leishmaniose
SUBFILO MASTIGOPHORA (COM FLAGELO) 
ORDEM KINETOPLASTIDA 
FAMÍLIA TRYPANOSOMATIDAE 
GÊNERO → Trypanosoma ESPÉCIE → T. cruzi 
GÊNERO → Leishmania ESPÉCIE → L. braziliensis 
ESPÉCIE → L. donovani 
ESPÉCIE → L. tropica
GÊNERO Leishmania 
CARACTERÍSTICAS: 
 Unicelulares 
 heteroxenos 
 Flagelados 
 Promastigotas e Paramastigotas no trato digestivo 
dos hospedeiros invertebrados 
 Amastigotas sem flagelo livre nos vertebrados
HOSPEDEIROS 
 Invertebrado (intermediário):insetos hematófago conhecidos como 
flebotomíneos (mosquito-palha,birigui,tatuquira,cangalha, cangalinha)
 Vertebrados: mamíferos, como roedores, canídeos(os mais 
comuns), marsupiais, primatas.
TRANSMISSÃO: através da picada do mosquito infectado, durante o 
repasto sangüineo
LEISHMANIOSE TEGUMENTAR 
AMERICANA 
DEFINIÇÃO: infecção polimórfica da pele e das mucosas com lesões 
ulcerosas, indolores, únicas ou múltiplas (forma cutânea simples), 
lesões nodulares (forma difusa) ou lesões cutaneomucosa (forma 
cutaneomucosa) que afetam regiões nasofaríngea 
concomitantemente ou após uma infecção inicial. 
# Desfigurante, podendo levar ao óbito quando há 
comprometimento do sistema respiratório 
SINONÍMIA : ferida de Blakh (Afeganistão) 
ferida de Bagdá (Iraque) 
ferida de Aleppo (Síria) 
botão do Oriente
HISTÓRICO : 
- Primeiro século d.C 
- Cerâmicas peruanas entre os anos de 400 a 900 d.C 
- Brasil, Cerqueira tem registros de 1855 
- 1908, surgiu na construção da estrada de ferro noroeste 
do Brasil, em Bauru, SP 
IMPORTÂNCIA : 
- O. M. S: mais de 12 milhões de casos. A sexta mais importantes 
das epidemias no mundo 
- Prevalência de 400 mil novos casos/ano 
- Periferia de Manaus possui números altíssimos de portadores 
- Desfigurante 
- Incapacitante 
- Fatal
AGENTE ETIOLÓGICO 
Gênero Leishmania 
Espécie L. brazilienses 
L. guyanenses 
L. lainsoni 
L. shawi 
L. niffi 
L. amazonensis 
L. donovani 
L. tropica 
L. chagasi
CICLO 
É um protozoário digenético, com ciclo biológico realizado em dois 
hospedeiros: um invertebrado e um vertebrado
Ciclo
MORFOLOGIA 
Formas Amastigotas, nos vertebrados
Formas Promastigotas e Paramastigotas nos insetos vetores
REPRODUÇÃO 
Por divisão binária 
BIOLOGÍA 
As formas Amastigotas habitam os macrófagos (sistema mononuclear 
fagocitário) dos vertebrados 
As formas Promastigotas e Paramastigotas habitam livremente o tubo 
digestivo dos flebotomíneos, ou aderidas ao epitélio intestinal.
TRANSMISÃO : 
Pela picada do mosquito hematófago do gênero Lutzomyia
PATOGENIA 
- As formas Promastigotas são inoculadas na derme 
↓ 
- As células destruidas pela prosbócida do mosquito e a sua saliva 
inoculada atraem as células fagocitárias mononucleares 
(macrófagos) entre outras da série branca 
↓ 
- Macrófagos fagocitam as Promastigotas e estas dentro dele se 
transformam em amastigotas que sofrem divisão binária. Enchem o 
macrófago que ropem. 
↓ 
- Mais macrófagos são atraídos e infectados 
↓ 
- A lesão inicial é manifestada por um infiltrado inflamatório composto 
principalmente de linfócitos e de macrófagos, sendo este último 
abarrotado de parasitas.
Observação 
* Os promastigotas que não são fagocitados, 
não conseguem sobreviver no meio extracelular, 
pois são atacados pelo sistema imunológico do 
hospedeiro. 
* As moléculas de lipofosfoglicano (LPG) e 
de glicoproteínas gp63 (que possui ação 
enzimática como proteases) estão relacionadas 
com os mecanismos utilizados pelos parasitas 
para resistir à ação microbicida dos macrófagos, 
no interior dos mesmos.
PERÍODO DE INCUBAÇÃO 
Varia de duas semanas a três meses 
EVOLUÇÃO 
- Pode regredir espontaneamente 
- Pode estacionar 
- Evolui para um “Histiocitoma” (nódulo na pele), no sítio da picada 
do vetor 
- O ritmo da evolução vai depender da espécie envolvida 
- Formação de infiltrado celular circulando a lesão 
- Necrose devido à desintegração da epiderme e da membrana basal 
que leva a uma lesão úlcero-crostosa 
- Após a perda da crosta, surgem úlceras com crostas salientes e 
fundo com exsudado seroso ou seropurulento
- A lesão progride e forma a típica úlcera leishmaniótica, que, por 
seu aspecto morfológico, pode ser reconhecida imediatamente: 
configuração circular, bordos altos, cujo fundo é granuloso, de cor 
vermelha intensa recoberto por exsudado seroso ou seroso-purulento, 
dependendo de infecções secundárias. 
- # pode haver outras formas de apresentação
CARACTERÍSTICAS DAS PRINCIPAIS FORMAS CLÍNICAS DE LTA NO BRASIL 
FORMAS CLÍNICAS LOCALIZAÇÃO TESTE DE MONTENEGRO * ESPÉCIE DE LEISHMANIA 
LEISHMANIOSE INFECÇÃO CONFINADA NA DERME POSITIVO L . Amazonensis 
CUTÂNEA L . Braziliensis 
L . Guyanensis 
L . Lainsoni 
LEISMANIOSE INFECÇÃO NA DERME, COM ÚLCERAS. POSITIVO L . Braziliensis 
CUTÂNEOMUCOSA LESÕES METASTÁTICAS PODE OCORRER, RESPOSTA EXAGERADA L . Guyanensis 
COM INVASÃO DE MUCOSAS E DESTRUIÇÃO 
DE CARTILAGENS 
LEISHMANIOSE INFECÇÃO CONFINADA NA DERME NEGATIVO L . Amazonensis 
CUTÂNEA DIFUSA FORMANDO NÓDULOS NÃO ULCERADOS. 
DISSEMINAÇÃO POR TODO O CORPO 
* Injeção intradérmica de antígenos 
(proteínas) de leishmania
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceral 
Agente etiológico 
o Leishmania donovani 
o Leishmania infantum 
o Leishmania chagasi
Patogenia 
A L. chagasi é um parasito de células SMF, 
principalmente do: 
baço, 
fígado, 
linfonodo e 
medula óssea. 
No entanto, podem atingir outros órgãos: 
Intestino, 
Pulmões e 
Rins
Algumas alterações da L.chagasi: 
Alterações Esplênicas 
Alterações Hepática 
Alterações Renais 
Alterações dos Linfonodos 
Alterações Pulmonares 
Alterações do Aparelho Digestivo 
Alterações Cutâneas
Quadro Clínico 
A doença pode deve ter desenvolvimento 
abrupto ou gradual. 
Os sinais sistêmicos típicos são : 
 Febre intermitente 
 Palidez de mucosa 
 Esplenomegalia associada ou não a 
hepatomegalia 
 Emagrecimento e enfraquecimento 
geral
Formas Clínicas 
• Forma assintomática: Os indivíduos 
podem desenvolver sintomatologias 
pouco especificas. 
• Forma aguda: Corresponde ao período 
inicial da doença
Freqüência de Sinais e Sintomas 
em Pacientes Infantis com 
Leishmaniose Visceral Crônica 
Sinais e Sintomas % 
Esplenomegalia 99 
Febre 95 
Hepatomegalia 90 
Palidez 85 
Anemia 98 
Perda de peso 90 
Dor abdominal 50 
Tosse 40 
Edema 40 
Aumento de linfonodos 35 
Anorexia 30 
Epistaxe 30 
Diarréia 15
EPIDEMIOLOGIA 
- Enzootia dos animais silvestres 
- A infecção do homem ocorre quando este penetra nas área de 
risco, passando a doença a ter um caráter zoonótico 
- Muitos mamíferos são reservatórios 
- Homem desmatando 
- Clima tropical 
- Variedades grande de vetores (topos das árvores e chão) 
- PROFILAXIA 
- Evitar a destruição de pequenos mamíferos 
- Evitar o desmatamento 
- Proteção individual contra o mosquito : repelentes e cobertores 
- Casas à no mínimo 500 m das matas 
- Vacinas (?)
DIAGNÒSTICO 
- Clínico ( características da lesão) 
- Anamnese 
- Pesquisa de mosquitos esfregaços, cultura, inoculação em cobaia, 
histopatológico 
- Métodos imunológicos : Teste de Montenegro (intradermorreação) , 
imunofluorescência indireta (RIFI) 
TRATAMENTO 
- Glucantime 
- Anfotericina B (cara) 
- Miltefosina (?) 
- Imunoterapia (Leishvacin ) 
- Imunoquimioterapia ( Leishvacin + Glucantime )
Observação 
Glucantime: 
O seu principal efeito colateral é a indução de 
arritmias cardíacas e está contra-indicado em 
mulheres grávidas nos 2 primeiros trimestres, 
doentes com insuficiência hepática e renal e 
naqueles em uso de drogas anti-arrítmicas.
CONTROLE: 
 NOTIFICAÇÃO DE CASOS SUSPEITOS 
 DELIMITAR AS ÁREAS DE RISCOS 
 BUSCA ATIVA 
 EDUCAÇÃO/DIVULGAÇÃO 
 CONTROLE QUÍMICO (FUMACÊ)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teníase
TeníaseTeníase
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
Raphael Machado
 
Leishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralLeishmaniose Visceral
Leishmaniose Visceral
Mari Sousa
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Laís Hildebrand
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
WAGNER OLIVEIRA
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
Gildo Crispim
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Monara Bittencourt
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
Elismmelo55
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
Isabella Silva
 
4 leishmanioses
4 leishmanioses4 leishmanioses
4 leishmanioses
dayrla
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Jaqueline Almeida
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
Leninha Dos Anjos
 
Aula 8 esquistossomose
Aula 8 esquistossomoseAula 8 esquistossomose
Aula 8 esquistossomose
Adila Trubat
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
naiellyrodrigues
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
Flávia Salame
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Fêe Oliveira
 

Mais procurados (20)

Teníase
TeníaseTeníase
Teníase
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
 
Leishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralLeishmaniose Visceral
Leishmaniose Visceral
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
4 leishmanioses
4 leishmanioses4 leishmanioses
4 leishmanioses
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
 
Aula 8 esquistossomose
Aula 8 esquistossomoseAula 8 esquistossomose
Aula 8 esquistossomose
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 

Semelhante a Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral

Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
Iuri Fretta Wiggers
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Turma Olímpica
 
Apostila 1o ano leishmaniose
Apostila 1o ano   leishmanioseApostila 1o ano   leishmaniose
Apostila 1o ano leishmaniose
SESI 422 - Americana
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Protozoários i
Protozoários iProtozoários i
Protozoários i
zeramento contabil
 
Protozoários i
Protozoários iProtozoários i
Protozoários i
zeramento contabil
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
Proto
ProtoProto
Proto
Jandii
 
Aula protista
Aula protistaAula protista
Aula protista
Raquel Padilha
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Joao Paulo Peixoto
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
espacoaberto
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
CristinaBrandao
 
Protozoologia 2
Protozoologia 2Protozoologia 2
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 

Semelhante a Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral (20)

Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Apostila 1o ano leishmaniose
Apostila 1o ano   leishmanioseApostila 1o ano   leishmaniose
Apostila 1o ano leishmaniose
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Protozoários i
Protozoários iProtozoários i
Protozoários i
 
Protozoários i
Protozoários iProtozoários i
Protozoários i
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
Proto
ProtoProto
Proto
 
Aula protista
Aula protistaAula protista
Aula protista
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
 
Protozoologia 2
Protozoologia 2Protozoologia 2
Protozoologia 2
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral

  • 2. FILO SARCOMASTIGOPHORA (PRESENÇA DE FLAGELO OU PSEUDÓPODOS)
  • 4. SUBFILO MASTIGOPHORA (COM FLAGELO) ORDEM KINETOPLASTIDA FAMÍLIA TRYPANOSOMATIDAE GÊNERO → Trypanosoma ESPÉCIE → T. cruzi GÊNERO → Leishmania ESPÉCIE → L. braziliensis ESPÉCIE → L. donovani ESPÉCIE → L. tropica
  • 5. GÊNERO Leishmania CARACTERÍSTICAS:  Unicelulares  heteroxenos  Flagelados  Promastigotas e Paramastigotas no trato digestivo dos hospedeiros invertebrados  Amastigotas sem flagelo livre nos vertebrados
  • 6.
  • 7.
  • 8. HOSPEDEIROS  Invertebrado (intermediário):insetos hematófago conhecidos como flebotomíneos (mosquito-palha,birigui,tatuquira,cangalha, cangalinha)
  • 9.  Vertebrados: mamíferos, como roedores, canídeos(os mais comuns), marsupiais, primatas.
  • 10. TRANSMISSÃO: através da picada do mosquito infectado, durante o repasto sangüineo
  • 11. LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA DEFINIÇÃO: infecção polimórfica da pele e das mucosas com lesões ulcerosas, indolores, únicas ou múltiplas (forma cutânea simples), lesões nodulares (forma difusa) ou lesões cutaneomucosa (forma cutaneomucosa) que afetam regiões nasofaríngea concomitantemente ou após uma infecção inicial. # Desfigurante, podendo levar ao óbito quando há comprometimento do sistema respiratório SINONÍMIA : ferida de Blakh (Afeganistão) ferida de Bagdá (Iraque) ferida de Aleppo (Síria) botão do Oriente
  • 12. HISTÓRICO : - Primeiro século d.C - Cerâmicas peruanas entre os anos de 400 a 900 d.C - Brasil, Cerqueira tem registros de 1855 - 1908, surgiu na construção da estrada de ferro noroeste do Brasil, em Bauru, SP IMPORTÂNCIA : - O. M. S: mais de 12 milhões de casos. A sexta mais importantes das epidemias no mundo - Prevalência de 400 mil novos casos/ano - Periferia de Manaus possui números altíssimos de portadores - Desfigurante - Incapacitante - Fatal
  • 13. AGENTE ETIOLÓGICO Gênero Leishmania Espécie L. brazilienses L. guyanenses L. lainsoni L. shawi L. niffi L. amazonensis L. donovani L. tropica L. chagasi
  • 14. CICLO É um protozoário digenético, com ciclo biológico realizado em dois hospedeiros: um invertebrado e um vertebrado
  • 15. Ciclo
  • 17. Formas Promastigotas e Paramastigotas nos insetos vetores
  • 18. REPRODUÇÃO Por divisão binária BIOLOGÍA As formas Amastigotas habitam os macrófagos (sistema mononuclear fagocitário) dos vertebrados As formas Promastigotas e Paramastigotas habitam livremente o tubo digestivo dos flebotomíneos, ou aderidas ao epitélio intestinal.
  • 19. TRANSMISÃO : Pela picada do mosquito hematófago do gênero Lutzomyia
  • 20. PATOGENIA - As formas Promastigotas são inoculadas na derme ↓ - As células destruidas pela prosbócida do mosquito e a sua saliva inoculada atraem as células fagocitárias mononucleares (macrófagos) entre outras da série branca ↓ - Macrófagos fagocitam as Promastigotas e estas dentro dele se transformam em amastigotas que sofrem divisão binária. Enchem o macrófago que ropem. ↓ - Mais macrófagos são atraídos e infectados ↓ - A lesão inicial é manifestada por um infiltrado inflamatório composto principalmente de linfócitos e de macrófagos, sendo este último abarrotado de parasitas.
  • 21. Observação * Os promastigotas que não são fagocitados, não conseguem sobreviver no meio extracelular, pois são atacados pelo sistema imunológico do hospedeiro. * As moléculas de lipofosfoglicano (LPG) e de glicoproteínas gp63 (que possui ação enzimática como proteases) estão relacionadas com os mecanismos utilizados pelos parasitas para resistir à ação microbicida dos macrófagos, no interior dos mesmos.
  • 22. PERÍODO DE INCUBAÇÃO Varia de duas semanas a três meses EVOLUÇÃO - Pode regredir espontaneamente - Pode estacionar - Evolui para um “Histiocitoma” (nódulo na pele), no sítio da picada do vetor - O ritmo da evolução vai depender da espécie envolvida - Formação de infiltrado celular circulando a lesão - Necrose devido à desintegração da epiderme e da membrana basal que leva a uma lesão úlcero-crostosa - Após a perda da crosta, surgem úlceras com crostas salientes e fundo com exsudado seroso ou seropurulento
  • 23.
  • 24. - A lesão progride e forma a típica úlcera leishmaniótica, que, por seu aspecto morfológico, pode ser reconhecida imediatamente: configuração circular, bordos altos, cujo fundo é granuloso, de cor vermelha intensa recoberto por exsudado seroso ou seroso-purulento, dependendo de infecções secundárias. - # pode haver outras formas de apresentação
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. CARACTERÍSTICAS DAS PRINCIPAIS FORMAS CLÍNICAS DE LTA NO BRASIL FORMAS CLÍNICAS LOCALIZAÇÃO TESTE DE MONTENEGRO * ESPÉCIE DE LEISHMANIA LEISHMANIOSE INFECÇÃO CONFINADA NA DERME POSITIVO L . Amazonensis CUTÂNEA L . Braziliensis L . Guyanensis L . Lainsoni LEISMANIOSE INFECÇÃO NA DERME, COM ÚLCERAS. POSITIVO L . Braziliensis CUTÂNEOMUCOSA LESÕES METASTÁTICAS PODE OCORRER, RESPOSTA EXAGERADA L . Guyanensis COM INVASÃO DE MUCOSAS E DESTRUIÇÃO DE CARTILAGENS LEISHMANIOSE INFECÇÃO CONFINADA NA DERME NEGATIVO L . Amazonensis CUTÂNEA DIFUSA FORMANDO NÓDULOS NÃO ULCERADOS. DISSEMINAÇÃO POR TODO O CORPO * Injeção intradérmica de antígenos (proteínas) de leishmania
  • 33. Leishmaniose visceral Agente etiológico o Leishmania donovani o Leishmania infantum o Leishmania chagasi
  • 34. Patogenia A L. chagasi é um parasito de células SMF, principalmente do: baço, fígado, linfonodo e medula óssea. No entanto, podem atingir outros órgãos: Intestino, Pulmões e Rins
  • 35. Algumas alterações da L.chagasi: Alterações Esplênicas Alterações Hepática Alterações Renais Alterações dos Linfonodos Alterações Pulmonares Alterações do Aparelho Digestivo Alterações Cutâneas
  • 36.
  • 37. Quadro Clínico A doença pode deve ter desenvolvimento abrupto ou gradual. Os sinais sistêmicos típicos são :  Febre intermitente  Palidez de mucosa  Esplenomegalia associada ou não a hepatomegalia  Emagrecimento e enfraquecimento geral
  • 38.
  • 39. Formas Clínicas • Forma assintomática: Os indivíduos podem desenvolver sintomatologias pouco especificas. • Forma aguda: Corresponde ao período inicial da doença
  • 40. Freqüência de Sinais e Sintomas em Pacientes Infantis com Leishmaniose Visceral Crônica Sinais e Sintomas % Esplenomegalia 99 Febre 95 Hepatomegalia 90 Palidez 85 Anemia 98 Perda de peso 90 Dor abdominal 50 Tosse 40 Edema 40 Aumento de linfonodos 35 Anorexia 30 Epistaxe 30 Diarréia 15
  • 41.
  • 42.
  • 43. EPIDEMIOLOGIA - Enzootia dos animais silvestres - A infecção do homem ocorre quando este penetra nas área de risco, passando a doença a ter um caráter zoonótico - Muitos mamíferos são reservatórios - Homem desmatando - Clima tropical - Variedades grande de vetores (topos das árvores e chão) - PROFILAXIA - Evitar a destruição de pequenos mamíferos - Evitar o desmatamento - Proteção individual contra o mosquito : repelentes e cobertores - Casas à no mínimo 500 m das matas - Vacinas (?)
  • 44.
  • 45. DIAGNÒSTICO - Clínico ( características da lesão) - Anamnese - Pesquisa de mosquitos esfregaços, cultura, inoculação em cobaia, histopatológico - Métodos imunológicos : Teste de Montenegro (intradermorreação) , imunofluorescência indireta (RIFI) TRATAMENTO - Glucantime - Anfotericina B (cara) - Miltefosina (?) - Imunoterapia (Leishvacin ) - Imunoquimioterapia ( Leishvacin + Glucantime )
  • 46. Observação Glucantime: O seu principal efeito colateral é a indução de arritmias cardíacas e está contra-indicado em mulheres grávidas nos 2 primeiros trimestres, doentes com insuficiência hepática e renal e naqueles em uso de drogas anti-arrítmicas.
  • 47. CONTROLE:  NOTIFICAÇÃO DE CASOS SUSPEITOS  DELIMITAR AS ÁREAS DE RISCOS  BUSCA ATIVA  EDUCAÇÃO/DIVULGAÇÃO  CONTROLE QUÍMICO (FUMACÊ)