SlideShare uma empresa Scribd logo
Farmacologia Clínica das
DoençasTropicais
Prof. Dra. Priscila de Faria Pinto
Prof.Adjunta Departamento de Bioquímica
Instituto de Ciências Biológicas UFJF
Laboratório de Estudo de Estrutura e Função de Proteínas
 Nos países em desenvolvimento, são
observadas freqüências elevadas de
parasitoses intestinais e teciduais associadas,
resultando em um grande impacto em
termos de morbidade e mortalidade.
 Ramos Jr et al.; 2004 - Estudo soroepidemiológico da cisticercose
humana em um município do Estado do Piauí, Região Nordeste do Brasil.
 A seleção de uma droga antiparasitária deve
obedecer a determinados critérios que ofereçam
maior número de vantagens, de acordo com
cada caso, como:
a) atividade terapêutica comprovada,
b) facilidade de administração,
c) amplo espectro de atividade,
d) uso em dose única ou em esquemas de curta
duração,
e) baixo custo
f) e possibilidade de emprego em tratamento em
massa e de uso profilático.
 Promover a paralisia do verme
 Provocar lesões na cutícula
do verme
Interferir no metabolismo
do verme
ALVO CLASE QUÍMICA MEDICAMENTO
Canais iônicos Tetrahidropirimidinas Pirantel
Imidazóis Levamisole
Lactonas macrocíclicas Ivemectina
Microtúbulos Benzimidazóis Albendazol,
tiabendazol
Bioenergética Benzenosulfonamidas Closantel e
clorsulon
???? Praziquantel
http://www.who.int/intestinal_worms/epidemiology/Soil_transmitted_helminthiases_2011.jpg
Revista Brasileira da Sociedade
Brasileira de Medicina Tropical
35(6) 597-600 / 2002
15.545 alunos de
7 a 14 anos;
82% negativos
15%
Monoinfectados
3%
Poliinfectados - Ascaris 10,3%
- T. trichiura 4,2%
- Ancilostomídeos
2,9%
- E. vermiculares
1,2%
- H. nana eTaenia sp
0,2%
ORDEM NOME CIENTÍFICO NOMEVULGAR
Ascaridida Enterobius vermicularis Oxiúro
Tricocephalida Trichuris trichiura Tricúris
Ascaridida Ascaris lumbricoides Lombriga
Strongylida Necator americanus Ancilóstomo
Strongylida Ancylostoma duodenale Ancilóstomo
Rhabditida Strongyloides stercoralis Estrongiloidíase
Tricocephalida Trichinella spiralis Triquina
 Os ancilostomídeos são helmintos que
foram herdados pela espécie humana
através da evolução simultânea do parasito e do
hospedeiro.
 Ou adaptaram–se aos homens ou aos nossos
ancestrais hominídios, quando esses
abandonaram as florestas para viverem em
savanas, margens de rios ou lagos e
começaram a freqüentar ambientes
favoráveis ao ciclo de transmissão dos
helmintos de outras espécies (Luis Rey).
 Ainda hoje, podemos nos infectar com os
parasitos de canídeos e felídeos, como
Ancylostoma ceylanicum e A. caninum.
Medicamento Concentração Posologia
Tiabendazol Pomada/Uso tópico
50mg
Passar nas feridas por 5 a 7
dias
Albendazol 400 mg – Comprimido Tomar 1 comprimido/dia –
por 3 dias consecutivos
Ivermectina Comprimidos de 6mg 200 microgramas/Kg/dia –
usar por dois dias
 Doença infecto parasitária causada por A.
duodenale ou Necator americanus
 Os ovos contidos nas fezes são depositados
no solo, onde se tornam embrionados. Em
condições favoráveis de umidade e
temperatura, as larvas se desenvolvem até
chegar ao 3º estágio, tornando-se
infectantes em um prazo de 7 a 10 dias;
 Período de transmissibilidade
Não se transmite de pessoa a pessoa, porém os indivíduos
infectados contaminam o solo durante vários anos, quando
não adequadamente tratados.
Em condições favoráveis, as larvas permanecem infectantes no
solo durante várias semanas.
 Complicações
Anemia, hipoproteinemia, podendo ocorrer insuficiência
cardíaca. A migração da larva através dos pulmões pode
causar hemorragia e pneumonite.
 Primeira escolha – MEBENDAZOL;
PIRANTEL
 Segunda escolha – ALBENDAZOL
 Alternativa – Hidroxinaftoato de befênio -
BEFENIUM
DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
Mebendazol 100mg 12/12h por 3 dias Repetir após 14 dias;
Albendazol
400mg
(10mg/kg)
Dose única Repetir após 14 dias
Medicamento Apresentação
Mebendazol Suspensão com
20mg/mL
Albendazol Comprimidos
400 mg
 Mebendazol, 100mg, 2 vezes ao dia, durante
3 dias consecutivos.
 Pode ser usado Albendazol, 2 comprimidos,
VO, em dose única (1 comprimido=200mg);
 O controle de cura é realizado por exame
parasitológico de fezes.
 Alternativa: Pamoato de Pirantel 20-
30mg/kg/dia, durante 3 dias.
 O Ascaris lumbricoides Lineu (1758) é
encontrado em quase todos os países do
globo.
 É conhecido popularmente por lombriga e
causa a doença conhecida como ascaridíase.
 A maioria das infecções ocorrem em países
ditos "em desenvolvimento" da Ásia, África e
América Latina.
 Ingestão dos ovos infectantes do parasita,
procedentes do solo, água ou alimentos
contaminados com fezes humanas.
 O período pré-patente da infecção (desde a
infecção com ovos embrionados até a
presença de ovos nas fezes do hospedeiro) é
de 60 a 75 dias.
 Complicações:
Obstrução intestinal, perfuração intestinal, colecistite,
colelitíase, pancreatite aguda e abcesso hepático.
 Diagnóstico
O quadro clínico apenas não a distingue de outras verminoses,
havendo, portanto, necessidade de confirmação do achado
de ovos nos exames parasitológicos de fezes.
 Diagnóstico diferencial
Estrongiloidíase, amebíase, apendicite, pneumonias
bacterianas, outras parasitoses.
 Primeira escolha – MEBENDAZOL;
PIRANTEL
 Segunda escolha - PIPERAZINA
DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
Levamisol
Adulto: 150mg
1-8 anos: 80mg
<1 ano: 40mg
Dose única
Repetir após 14
dias;
Mebendazol 100mg
12/12h por 3
dias
Repetir após 14
dias;
Albendazol
400mg
(10mg/kg)
Dose única
Repetir após 14
dias;
Piperazina
(citrato ou
hexaidrato)
6 g/dia (50-
100mg/kg)
Dose única
Utilizar em caso de
semioclusão
intestinal .
 Albendazol (ovocida, larvicida e vermicida),
400mg/dia, em dose única para adultos; em
crianças, 10mg/kg, dose única;
 Mebendazol, 100mg, 2 vezes ao dia, durante
3 dias consecutivos  não utilizado em
gestantes
 Levamisole  150mg (VO) em dose única
para adultos ; crianças abaixo de 8 anos
(40mg); acima de 8 anos (80mg).
 Tratamento da obstrução intestinal:
Piperazina, 100mg/kg/dia + óleo mineral, 40 a
60ml/dia + antiespasmódicos + hidratação.
Nasolacrimal obstruction in a child: Ascaris lumbricoides as an unusual cause , Por: Ernesto Helder Palma Araújo e
Sérgio Schneider Guimarães.
Publicado em Arq. Bras. Oftalmol. vol.63 no.5 São Paulo Oct. 2000
 É de distribuição universal e afeta pessoas de
toda as classes sociais.
 É uma das helmintíases mais freqüentes na
infância, até mesmo em países desenvolvidos
e tendo uma maior incidência na idade
escolar.
 Tem como agente etiológico o Enterobius
vermiculares, sendo o homem seu
reservatório e seu habitat intestino grosso,
região cecal preferencialmente.
 Pode cursar assintomática ou apresentar,
como característica principal, o prurido retal,
freqüentemente noturno, causando a
irritabilidade
 Podem causar infecções secundárias em
torno do ânus, com congestão na região anal,
ocasionando inflamação com pontos
hemorrágicos, onde encontra-se
freqüentemente fêmeas adultas e ovos.
 Predominantemente fecal-oral.
Auto-infecção externa ou direta; Auto-infecção;
Heteroinfecção; Retroinfecção; Auto-infecção interna;
 O ciclo de vida do parasito dura de 2 a 6
semanas.
 A sintomatologia aparece quando existe um
número de vermes resultante de infestações
sucessivas, que ocorre alguns meses após a
infestação inicial.
 Mebendazol, 100mg,VO, 2 vezes ao dia,
durante 3 dias consecutivos;
 Albendazol, 10mg/kg,VO, dose única, até o
máximo de 400mg;
 Pamoato de pirvínio, 10mg/kg/VO, dose
única;
 Pamoato de pirantel, 10mg/kg/VO, dose
única;
DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
Pamoato de
pirvínio
700mg (10mg/kg) Dose única
Repetir após 14
dias.
Mebendazol 100mg 12/12h por 3 dias
Repetir após 14
dias;
Albendazol 400mg (10mg/kg) Dose única
Repetir após 14
dias.
 O verme adulto é facilmente identificado pela
extremidade anterior afilada.
 Seu tamanho varia de três a cinco
centímetros.
 Eles ficam mergulhados na mucosa e podem
causar reação inflamatória.
 O período pré-patente é de cinco a sete
semanas.
 Há ação tóxica/irritativa dos tecidos, podendo
levar a necroses focais.
 Em geral a infecção é assintomática, mas
pode haver febre, náuseas, dor abdominal e
prolapso retal (grave em crianças com
grande número de parasitos).
 A estrongiloidíase é uma das parasitoses
intestinais de mais difícil diagnóstico.
 Além de ser crônica e assintomática, na
maioria das vezes, não há teste diagnóstico
específico ideal, com 25% de exames
parasitológicos falso-negativos.
 Em indivíduos imunocomprometidos o verme
pode causar síndrome de hiperinfecção ou
doença disseminada.
 As larvas infectantes (filarióides) penetram através
da pele, no homem pulmões traquéia e epiglote
trato digestivo  verme adulto.
 A fêmea parasita é ovovivípara e libera ovos larvados
que eclodem ainda no intestino, liberando larvas
rabditóides (não-infectantes)
 Pode ocorrer, também, auto-endoinfecção, quando
as larvas passam a ser filarióides, no interior do
próprio hospedeiro.
 Hiperinfecção por Strongyloides stercoralis:
relato de caso autopsiado
Por: Moema Gonçalves Pinheiro Veloso,Anita Sperandio Porto e Mário Moraes.
Revista da Sociedade Brasileira de MedicinaTropical 41(4):413-415, jul-ago, 2008
DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
Cambendazol
360mg
(5mg/kg)
Dose única Repetir após 14 dias
Tiabendazol
1g (50mg/kg)
ou 500mg (10-
20mg/kg/dia)
Dose única
12/12h por 3
dias
A dose única é utilizada no
tratamento em massa.
Repetir após 14 dias.
Casos de super-infecção devem
ser tratados por 30 dias.
Albendazol
400mg
(10mg/kg/dia)
1x/dia por 3
dias
Repetir após 14 dias
Ivermectina
12mg (0,2
mg/kg/dia)
1x/dia por 3
dias
Utilizar em pacientes com SIDA
ou quando associada a
ectoparasitoses
 Albendazol, 400mg/dia, durante 3 dias;
 Ivermectina, dose única,VO, obedecendo a
escala de peso corporal.
 Tiabendazol,VO, a) 25mg/kg/dia,durante 5 a 7
dias, esquema muito utilizado; b)
50mg/kg/dia, em dose única, à noite; c)
10mg/dia, durante 30 dias (autoendoinfecção
e deficiência da imunidade celular);
 Cambendazol, 5mg/kg, em dose única, via
oral;
 A Filariose causada pela Wuchereria bancrofti.
 Existem indivíduos com esta parasitose que
nunca desenvolvem sintomas, havendo ou
não detecção de microfilárias no sangue
periférico;
 Outros podem apresentar febre recorrente
aguda, astenia, mialgias, fotofobia, quadros
urticariformes, pericardite, cefaléia e
linfadenite.
Sinonímia - Filariose, filaríase de Bancrofti, elefantíase.
Agente etiológico - Wuchereria bancrofti, nematódeo que
vive nos vasos linfáticos dos indivíduos infectados.
Reservatório - O homem.
Modo de transmissão - Pela picada dos mosquitos
transmissores com larvas infectantes (L3).
 No Brasil, o Culex quinquefasciatus é o principal
transmissor.
Período de incubação - Manifestações alérgicas
podem aparecer 1 mês após a infecção.
 As microfilárias, em geral, aparecem no sangue
periférico de 6 a 12 meses após a infecção com as
larvas infectantes da W. bancrofti.
 Os casos crônicos mais graves são de indivíduos que
apresentam hidrocele, quilúria e elefantíase de
membros, mamas e órgãos genitais.
 A droga de escolha é a Dietilcarbamazina (DEC), com vários
esquemas preconizados: 6mg/kg/dia,VO, com periodicidade
semestral ou anual; 6mg/kg/dia,VO, por 12 dias; 6mg/kg/dia,
VO, por 2 a 4 semanas.
 Outra droga, também, utilizada é a Ivermectina (IVM), na
dose de 200μg /kg, 1 vez por ano,VO.
 Irvemectina é distribuída gratuitamente aos
municípios na forma de comprimidos de 6
mg;
PARASITO NOMEVULGAR MEDICAMENTOS
Enterobius
vermicularis
Oxiúro Mebendazol ou Pirantel
Trichuris trichiura Tricúris Mebendazol
Ascaris lumbricoides Lombriga Mebendazol, Pirantel,
Piperazina ou levamisole
Necator americanus Ancilóstomo Mebendazol ou pirantel –
pomada de tiabendazol para
larva migrans cutânea
Ancylostoma sp Ancilóstomo
Strongyloides
stercoralis
Estrongiloidíase Tiabendazol, albendazol e
ivermectina
Trichinella spiralis Triquina Tiabendazol????
 MEBENDAZOL,
TIABENDAZOL,ALBENDAZOL
 Atuam sobre a -tubulina – microtúbulos;
 Taxa de cura de 60- 100%;
 Baixa absorção plasmática (10%) e excreção
urinária;
 Esquemas terapêuticos distintos:
a) dose única para os nematóides filiformes
b) 3 dias (2x/dia) para ancilostoma
 Afetam a formação microtúbulos;
 Bloqueiam captação da glicose;
 Afetam formação de glicogênio;
 Reduzem os níveis de ATP do parasito;
 ALBEN,ZOLBEN, ZENTEL;VERMICLASE,
PARASIN ALBENDAZOL
 FOLDAN;THIABEN;TIABIOSE
TIABENDAZOL
 PANELMIM;PANFUGA;VERMORAL
MEBENDAZOL
 Albendazol – dose de 400mg em dose única;
 Mebendazol – doses de 100mg duas vezes ao
dia por 3 dias;
 Tiabendazol – 25mg/Kg com dose máxima de
2,5g, é utilizado duas vezes ao dia por 2 dias.

 Alta absorção noTGI;
 Apresenta biotransformação hepática, sendo
metabolizado a 5-hidroxitiabendazol, o qual é
conjugado a glicuronídio ou sulfato e eliminado
principalmente pela urina e, 5% pelas fezes.
 Excretado 24/48 horas;
 Atua sobre  Estrongilóides, larva migrans,
escabiose;
 Ação sobre a FUMARATO REDUTASE
 Tetrahidropirimidina
 Agonista nicotínico
 Despolariza a musculatura e provoca paralisia
por abertura contínua para a entrada de
cátions;
 Provoca contração súbita e paralisia;
 Não é larvicida e nem ovicida;
 Os nematóides exibem uma maior
diversidade de conjugações das subunidades
de receptores nicotínicos;
 É a melhor escolha para ascaris e
enterobiose;
 Muito baixa absorção, excreção na forma
inalterada.
 Atua como agonista de GABA;
 Se liga a estes receptores induzindo o
aumento da permeabilidade das células
musculares ao cloreto;
 Paralisia por relaxamento da musculatura;
 Eficaz contra Ascaris e Enterobius;
 Tem como efeito colateral distúrbiosTGI.
 Contra indicado para gestantes, hepatopatas
e nefropatas.
 Irvemectina;
 Potentes contra nematóides, ácaros e
insetos;
 Paralisia flácida da musculatura – atua como
agonista de receptores GABA, deixando-os
abertos por um longo período de tempo –
hiperpolarização – atua também em GluCl
receptores;
 Atua em dois pontos:musculatura do corpo e
musculatura da faringe.
 Primeira escolhafilárias e oncocercose
(outro nematóideo, Onchocerca volvulus);
 Atividade sobre Wuchereria bancrofti;
 Não tem ação sobre Ancilostomídeos;
 Meia vida relativamente longa;
 Poucos efeitos colaterais;
 Sofre biotransformação hepática e se liga aos
lipídeos e proteínas plasmáticas
 IVERMEC;
 LEVERMECTIN;
 PLURIMEC;
 REVECTINA;
 VERMECTIL
 Alternativa para tratar ancilostomos
(ancilostomose por ancilostomos e necator);
 Pode ser usado em infestação por Ascaris.
 Atua como bloqueador neuromuscular
despolarizante, desensibiliza os receptores;
 Baixa absorção no trato intestinal.
 Usualmente para pessoas acima de 22,5Kg 
5g, duas vezes por dia.
 Ação nicotínica símile - estimula e, em
seguida, bloqueia a junção neuromuscular;
 Os vermes (Ascaris) são expelidos após a
paralisia, mas os ovos continuam viáveis.
 Rapidamente absorvido por via oral,
atravessa barreia hemato-encefálica.
 Dose única com menos efeitos colaterais.
 Meia vida de 4 horas;
 A dietilcarbamazina, um derivado da
piperazina;
 Não há contra-indicações absolutas ao uso de
dietilcarbamazina, mas pacientes com
hipertensão arterial e doença renal devem
merecer cuidados especiais durante o
tratamento;
 RENAME: Comprimidos de 50 mg
 A dietilcarbamazina é rapidamente absorvida
pelo trato gastrointestinal;
 É também absorvida pela pele.
 É rapidamente distribuída em todos os
tecidos, exceto o tecido gorduroso.
 Parte da droga é metabolizada a N-oxido,
que possui atividade antifilarial.
 A droga é completamente eliminada do
organismo em 48 horas.
ORDEM NOME CIENTÍFICO NOMEVULGAR
Cyclophyllidea Hymenolepis nana Tenia anã
Cyclophyllidea Taenia saginata Tenia do boi
Cyclophyllidea Taenia solium Tenia do porco
Cyclophyllidea Echinococcus
granulosus
Cisto hidático
Pseudophyllidea Diphyllobothrium
latum
Tenia do peixe
 A teníase é encontrada em todas as partes do
mundo em que a população tem o hábito de
comer carne de porco ou boi, crua ou mal
cozida, com cisticercos viáveis.
 Os bovinos e os suínos são os únicos
hospedeiros intermediários das tênias do
homem com significação para sua
epidemiologia.
A ingestão dos
cisticercos impede o
desenvolvimento
destas em vermes
adultos – larvas no
tecido – cisticerco.
 Atenção que
não causa a
Cisticercose
Animal ingere ovos dentro de proglótides
grávidos
 Teníase
Indivíduo que elimina proglotes de tênia.
 Cisticercose
Paciente suspeito, com ou sem sintomatologia
clínica, que apresenta imagens radiológicas
suspeitas de cisticercos; paciente suspeito
com sorologia positiva para cisticercose e/ou
exames por imagem sugestivos da presença
dos cistos.
 Mebendazol: 200mg, 2 vezes ao dia, por 3
dias,VO;
 Niclosamida : adulto e criança com 8 anos ou
mais, 2g, e crianças de 2 a 8 anos, 1g,VO,
dividida em 2 tomadas;
 Praziquantel,VO, dose única, 5 a 10mg/kg de
peso corporal;
 Albendazol, 400mg/dia, durante 3 dias.
 Praziquantel é ofertado pela rede pública na
forma de comprimidos com 600mg.
 As manifestações clínicas da Cisticercose dependem
da localização, do tipo morfológico, do número de
larvas que infectaram o indivíduo, da fase de
desenvolvimento dos cisticercos e da resposta
imunológica do hospedeiro.
 As formas graves estão localizadas no sistema
nervoso central e apresentam sintomas
neuropsiquiátricos (convulsões, distúrbio de
comportamento, hipertensão intracraniana) e
oftálmicos.
Oliveira, M.F;Sousa, F.C.S.;Pereira, A.C.G.; Alencar, A. M; Bezerra, F.S.M.; Martins,
D.A. &Teles, R, M.A.
NOME MEDICAMENTOS
Tenia anã (H. nana) Praziquantel e Niclosamina
Teníase – com presença
de vermes adultos
Niclosamina
Cisticercose Praziquantel e albendazol
Cistos hidáticos Mebendazol, albendazol e
praziquantel
Tênia do peixe Praziquantel ou Niclosamida
 Danifica o escólex e os segmentos proximais;
 Impede fixação;
 Dose única;
 Atua apenas sobre as formas adultas;
 Deve ser administrado junto a purgativos.
 Para Taenia solium é usada em dose única,
após refeição associada a um purgativo leve;
 O uso de purgativo elimina possibilidade dos
ovos, que não são afetados, permanecerem
vivos e causarem cisticercose;
 Baixa absorção no trato intestinal;
 Pode causar desconforto intestinal, náuseas e
vômitos.
ORDEM NOME CIENTÍFICO NOMEVULGAR
Echinostomata Fasciola hepatica Trematódeo
hepático de
carneiro
Strigeata Schistosoma
mansoni
Esquistosoma
intestinal ou
mansônico
Strigeata Schistosoma
japonicum
Esquistosoma
intestinal ou
japônico
Strigeata Schistosoma
haematobium
Esquistosoma
vesical, urinário ou
hematóbico
1
2
A
B
C
D
4
1
3
250
µm
 A fasciolose é uma zoonose parasitária de
importância econômica para ruminantes;
 O homem também é suscetível e, em algumas
áreas do mundo, a fasciolose humana tem
caráter epidêmico e é considerada zoonose
emergente.
 No Brasil, os últimos relatos de prevalência
mostraram taxas com grande amplitude nas
diferentes regiões, desde 6% até acima de
80%.
 Quando a infecção ocorre em humanos, os
ovos só aparecem nas fezes após um longo
período já apresentando sintomas;
 Tratamento: dose oral de Triclabendazol (10
mg/kg) – ativo contra formas maduras e
imaturas.
 Praziquantel e albendazol tem eficácia para
animais e não em humanos.
 No Brasil a transmissão ocorre
principalmente numa faixa contínua, ao
longo do litoral.
 A maior endemicidade da esquistossomose
ocorre em Pernambuco, Alagoas, Sergipe,
Bahia e Minas Gerais.
 A esquistossomose depende da existência de
hospedeiros intermediários que, no Brasil,
são caramujos do gênero Biomphalaria (B.
glabrata, B. tenagophila, B. straminea).
 Minas Gerais é o estado com a maior área
endêmica de esquistossomose, com
ocorrência em 523 dos 853 municípios.
 A prevalência média em 2003 foi de 7,2% em
402.710 pessoas examinadas.
 Os municípios das zonas norte, leste e os
fronteiriços com o Espírito Santo são os mais
atingidos.
 http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf
/relatorio_snvs_mg_2ed.pdf
 A média anual de internação, de 2001 a 2005,
foi de 206 (redução da taxa de internação por
100 mil hab. de 1,38 em 2001 para 0,91 em
2005).
 O número médio de óbitos, no período de
1999 a 2003, foi de 48 (redução na taxa de
mortalidade por 100 mil hab. de 0,20 em 1999
para 0,25 em 2003).
As setas marcam a presença dos ovos aprisionados no fígado.
Observem a grande concentração de células ao redor destes.....
Hepatócitos
normais
A B
C D
E F
Extrato
de PFr
em
ensaios
“in vitro”
 o tratamento tem como base não apenas
promover a cura da doença ou diminuir a carga
parasitária dos pacientes, mas impedir sua
evolução para formas graves.
 Estudos mostram que a quimioterapia reduz
também a hepatoesplenomegalia.
 Todo caso confirmado deve ser tratado, a não
ser que haja contra-indicação médica.
 Praziquantel: derivado da
isoquinolinapirazino, é ativo nos três tipos de
esquistossomoses humanas e nas teníases.
Crianças Adultos
50mg/Kg 60mg/Kg
Idade até 15
anos
Acima de 15
anos
Dose única Dose única
 Tem amplo espectro, atua na cisticercose;
 Atua sobre formas maduras e imaturas de
esquistossomos – tem ação sobre cercárias;
 Compromete a homeostase do cálcio –
aumenta seu influxo por ligação aos canais
e promove paralisia;
 Pequenos efeitos colaterais, de metabolismo
hepático e excreção dos subprodutos pela
urina.
 Oxamniquine: derivado da tetraidroquinolina, é
um medicamento com propriedades
esquistossomicidas. Apresentação:cápsulas de
250 mg e suspensão oral contendo 50 mg/ml.
Crianças Adultos
15mg/Kg 20mg/Kg
Idade até 15
anos
Acima de 15
anos
Dose única Dose única
 Ataca as formas maduras e imaturas de S.
mansoni;
 Os machos são mais atacados, mas afeta a
oviposição nas fêmeas;
 É metabolizado pelo pelo fígado produzindo
um metabólito inativo denominado 6-
carboxi-oxamniquina que é excretado pela
urina.
Indicações
 Amebíases (complexo Entamoeba histolytica);
 Giardíases (Giardia lamblia ou Giardia intestinalis);
 Nematódeos, cestódeos e trematódeos (Enterobius
vermiculares, Ascaris lumbricoides, Strongyloides
stercolaris, Ancilostomíase,Trichuris trichiura,Taenia
sp, Hymenolepis nana);
 Ação sobre a enzima piruvato-ferridoxina-
oxidoredutase
 Ação sobre a inibição da polimerização da tubulina
FÁRMACOS MECANISMOS
Benzimidazóis Alteração do alvo – isotipos de
tubulinas
Agonistas nicotínicos Alteração do alvo – estrutura e
arranjo dos receptores
Lactonas Macrocíclicas Alteração do alvo – estrutura e
arranjo dos receptores – canais GluCl
Oxaminiquine Deficiência na ativação da
sulfotransferase
Praziquantel ??????
Outros ?????
 Parasitose da pele causada por um ácaro cuja
penetração deixa lesões em forma de
vesículas, pápulas ou pequenos sulcos, nos
quais ele deposita seus ovos.
 Agente causador (Etiológico): Sarcoptes
scabiei
 Sinônimo: Sarna
 As áreas preferenciais onde ocorrem as
lesões são: regiões interdigitais, punhos
(face anterior), axilas (pregas anteriores),
região periumbilical, sulco interglúteo e
órgãos genitais externos (nos homens);
 Em crianças e idosos, podem também
ocorrer no couro cabeludo, nas palmas das
mãos e plantas dos pés.
 Ivermectina, dose única,VO, obedecendo a
escala de peso corporal;
 A dose pode ser repetida após 1 semana;
 Permetrima a 5% em creme, uma aplicação à
noite, por 6 noites, ou Deltametrina, em
loções e xampus, uso diário por 7 a 10 dias;
 Tembém existe a Bioaletrina
 Benzoato de benzila
 Tiabendazol
http://www.piolho.org.br/artigos.html
 É uma infestação causada por um inseto cujo
nome científico é Pediculus humanus.
 Deltametrina
 Permetrina
 Boldo
 Água salgada
 Vinagre
http://www.piolho.fiocruz.br/inde3.html
 Dermatobia hominis (Linnaeus Jr., 1781) (Diptera:
Cuterebridae) é um díptero cujas larvas são parasitos
obrigatórios, tendo os bovinos como principais
hospedeiros, podendo também parasitar o homem e
outros animais domésticos como caninos, suínos,
caprinos, ovinos, felinos e raramente eqüinos.
 Suas larvas desenvolvem-se no tecido cutâneo do
hospedeiro, determinando uma miíase primária do
tipo nodular, conhecida no Brasil como "berne“.
 DA SILVA JUNIOR, VIRGINIO PEREIRA; DE SOUZA LEANDRO, ANDRÉ y MOYA BORJA, GONZALO EFRAIN. OCORRÊNCIA DO BERNE,
Dermatobia hominis (DIPTERA: CUTEREBRIDAE) EM VARIOS HOSPEDEIROS, NO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Parasitol. día [online].
1998, vol.22, n.3-4 [citado 2012-04-26], pp. 97-101 . Disponible en: <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0716-
07201998000300007&lng=es&nrm=iso>. ISSN 0716-0720. doi: 10.4067/S0716-07201998000300007.
 O bicho-do-pé é uma pulga cujo nome
cientifico é Tunga penetrans. É a menor pulga
que se conhece, pois o inseto adulto mede
1mm de comprimento e coloração marrom
avermelhada
http://www.pmva.com.br/img/download/pmva_070620-145238.pdf
 Os adultos e as larvas são de vida livre e vivem em locais que
possuem solos arenosos, secos, quentes e área peridomiciliar.
 As fêmeas depois de fecundadas procuram o hospedeiro (homem
e outros mamíferos) perfurando lhe a pele.
 A fêmea grávida alimenta-se de sangue do hospedeiro e começa
a expandir seu abdome podendo chegar ao tamanho de uma
ervilha.
 A partir disso inicia-se a postura dos ovos que são expelidos e
chegam ao ambiente (solo), sendo que uma fêmea pode produzir
até 200 ovos de 7 a 10 dias.
 Após este processo ela morre e cai ao solo porém os ovos
eliminados eclodem e as larvas tornam-se adultas reiniciando o
ciclo.
 Uso de calçado sempre protege do bicho-do-
pé.
 Promover ventilação, iluminação, limpeza e
desinfecção da área onde vive os animais;
 Sempre que você constatar a presença do
bicho–do-pé na sua pele ou na de um familiar
remova com uma agulha desinfetada para
prevenir as infecções secundárias
Helmintos-2014.pdf

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Helmintos-2014.pdf

Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
Filipe Bispo
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 
Seminário malária
Seminário maláriaSeminário malária
Seminário malária
Katlin Camila Fernandes
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
guestfced19
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
aulasdotubao
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
ITPAC PORTO
 
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - ResumoAscaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
ElderENF
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
Luciano Sousa
 
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Centro de Estudos e Tecnologias Educacionais
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Luann Andrade
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
ITPAC PORTO
 
Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascarisAscaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
Mara Farias
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
salgadokk
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
crishmuler
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
Marcel Vieira
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Trabalho esquistossomose
Trabalho esquistossomoseTrabalho esquistossomose
Trabalho esquistossomose
Jeferson Almeida
 
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativoCaxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
ClaryMonteiro2
 

Semelhante a Helmintos-2014.pdf (20)

Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Seminário malária
Seminário maláriaSeminário malária
Seminário malária
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - ResumoAscaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascarisAscaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Trabalho esquistossomose
Trabalho esquistossomoseTrabalho esquistossomose
Trabalho esquistossomose
 
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativoCaxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 

Último (9)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 

Helmintos-2014.pdf

  • 2. Prof. Dra. Priscila de Faria Pinto Prof.Adjunta Departamento de Bioquímica Instituto de Ciências Biológicas UFJF Laboratório de Estudo de Estrutura e Função de Proteínas
  • 3.  Nos países em desenvolvimento, são observadas freqüências elevadas de parasitoses intestinais e teciduais associadas, resultando em um grande impacto em termos de morbidade e mortalidade.  Ramos Jr et al.; 2004 - Estudo soroepidemiológico da cisticercose humana em um município do Estado do Piauí, Região Nordeste do Brasil.
  • 4.  A seleção de uma droga antiparasitária deve obedecer a determinados critérios que ofereçam maior número de vantagens, de acordo com cada caso, como: a) atividade terapêutica comprovada, b) facilidade de administração, c) amplo espectro de atividade, d) uso em dose única ou em esquemas de curta duração, e) baixo custo f) e possibilidade de emprego em tratamento em massa e de uso profilático.
  • 5.  Promover a paralisia do verme  Provocar lesões na cutícula do verme Interferir no metabolismo do verme
  • 6. ALVO CLASE QUÍMICA MEDICAMENTO Canais iônicos Tetrahidropirimidinas Pirantel Imidazóis Levamisole Lactonas macrocíclicas Ivemectina Microtúbulos Benzimidazóis Albendazol, tiabendazol Bioenergética Benzenosulfonamidas Closantel e clorsulon ???? Praziquantel
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Revista Brasileira da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 35(6) 597-600 / 2002 15.545 alunos de 7 a 14 anos; 82% negativos 15% Monoinfectados 3% Poliinfectados - Ascaris 10,3% - T. trichiura 4,2% - Ancilostomídeos 2,9% - E. vermiculares 1,2% - H. nana eTaenia sp 0,2%
  • 12.
  • 13. ORDEM NOME CIENTÍFICO NOMEVULGAR Ascaridida Enterobius vermicularis Oxiúro Tricocephalida Trichuris trichiura Tricúris Ascaridida Ascaris lumbricoides Lombriga Strongylida Necator americanus Ancilóstomo Strongylida Ancylostoma duodenale Ancilóstomo Rhabditida Strongyloides stercoralis Estrongiloidíase Tricocephalida Trichinella spiralis Triquina
  • 14.
  • 15.  Os ancilostomídeos são helmintos que foram herdados pela espécie humana através da evolução simultânea do parasito e do hospedeiro.  Ou adaptaram–se aos homens ou aos nossos ancestrais hominídios, quando esses abandonaram as florestas para viverem em savanas, margens de rios ou lagos e começaram a freqüentar ambientes favoráveis ao ciclo de transmissão dos helmintos de outras espécies (Luis Rey).
  • 16.  Ainda hoje, podemos nos infectar com os parasitos de canídeos e felídeos, como Ancylostoma ceylanicum e A. caninum.
  • 17.
  • 18. Medicamento Concentração Posologia Tiabendazol Pomada/Uso tópico 50mg Passar nas feridas por 5 a 7 dias Albendazol 400 mg – Comprimido Tomar 1 comprimido/dia – por 3 dias consecutivos Ivermectina Comprimidos de 6mg 200 microgramas/Kg/dia – usar por dois dias
  • 19.  Doença infecto parasitária causada por A. duodenale ou Necator americanus  Os ovos contidos nas fezes são depositados no solo, onde se tornam embrionados. Em condições favoráveis de umidade e temperatura, as larvas se desenvolvem até chegar ao 3º estágio, tornando-se infectantes em um prazo de 7 a 10 dias;
  • 20.  Período de transmissibilidade Não se transmite de pessoa a pessoa, porém os indivíduos infectados contaminam o solo durante vários anos, quando não adequadamente tratados. Em condições favoráveis, as larvas permanecem infectantes no solo durante várias semanas.  Complicações Anemia, hipoproteinemia, podendo ocorrer insuficiência cardíaca. A migração da larva através dos pulmões pode causar hemorragia e pneumonite.
  • 21.  Primeira escolha – MEBENDAZOL; PIRANTEL  Segunda escolha – ALBENDAZOL  Alternativa – Hidroxinaftoato de befênio - BEFENIUM DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO Mebendazol 100mg 12/12h por 3 dias Repetir após 14 dias; Albendazol 400mg (10mg/kg) Dose única Repetir após 14 dias
  • 22. Medicamento Apresentação Mebendazol Suspensão com 20mg/mL Albendazol Comprimidos 400 mg
  • 23.  Mebendazol, 100mg, 2 vezes ao dia, durante 3 dias consecutivos.  Pode ser usado Albendazol, 2 comprimidos, VO, em dose única (1 comprimido=200mg);  O controle de cura é realizado por exame parasitológico de fezes.  Alternativa: Pamoato de Pirantel 20- 30mg/kg/dia, durante 3 dias.
  • 24.  O Ascaris lumbricoides Lineu (1758) é encontrado em quase todos os países do globo.  É conhecido popularmente por lombriga e causa a doença conhecida como ascaridíase.  A maioria das infecções ocorrem em países ditos "em desenvolvimento" da Ásia, África e América Latina.
  • 25.  Ingestão dos ovos infectantes do parasita, procedentes do solo, água ou alimentos contaminados com fezes humanas.  O período pré-patente da infecção (desde a infecção com ovos embrionados até a presença de ovos nas fezes do hospedeiro) é de 60 a 75 dias.
  • 26.  Complicações: Obstrução intestinal, perfuração intestinal, colecistite, colelitíase, pancreatite aguda e abcesso hepático.  Diagnóstico O quadro clínico apenas não a distingue de outras verminoses, havendo, portanto, necessidade de confirmação do achado de ovos nos exames parasitológicos de fezes.  Diagnóstico diferencial Estrongiloidíase, amebíase, apendicite, pneumonias bacterianas, outras parasitoses.
  • 27.  Primeira escolha – MEBENDAZOL; PIRANTEL  Segunda escolha - PIPERAZINA
  • 28. DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO Levamisol Adulto: 150mg 1-8 anos: 80mg <1 ano: 40mg Dose única Repetir após 14 dias; Mebendazol 100mg 12/12h por 3 dias Repetir após 14 dias; Albendazol 400mg (10mg/kg) Dose única Repetir após 14 dias; Piperazina (citrato ou hexaidrato) 6 g/dia (50- 100mg/kg) Dose única Utilizar em caso de semioclusão intestinal .
  • 29.  Albendazol (ovocida, larvicida e vermicida), 400mg/dia, em dose única para adultos; em crianças, 10mg/kg, dose única;  Mebendazol, 100mg, 2 vezes ao dia, durante 3 dias consecutivos  não utilizado em gestantes  Levamisole  150mg (VO) em dose única para adultos ; crianças abaixo de 8 anos (40mg); acima de 8 anos (80mg).
  • 30.  Tratamento da obstrução intestinal: Piperazina, 100mg/kg/dia + óleo mineral, 40 a 60ml/dia + antiespasmódicos + hidratação.
  • 31. Nasolacrimal obstruction in a child: Ascaris lumbricoides as an unusual cause , Por: Ernesto Helder Palma Araújo e Sérgio Schneider Guimarães. Publicado em Arq. Bras. Oftalmol. vol.63 no.5 São Paulo Oct. 2000
  • 32.  É de distribuição universal e afeta pessoas de toda as classes sociais.  É uma das helmintíases mais freqüentes na infância, até mesmo em países desenvolvidos e tendo uma maior incidência na idade escolar.
  • 33.  Tem como agente etiológico o Enterobius vermiculares, sendo o homem seu reservatório e seu habitat intestino grosso, região cecal preferencialmente.  Pode cursar assintomática ou apresentar, como característica principal, o prurido retal, freqüentemente noturno, causando a irritabilidade
  • 34.  Podem causar infecções secundárias em torno do ânus, com congestão na região anal, ocasionando inflamação com pontos hemorrágicos, onde encontra-se freqüentemente fêmeas adultas e ovos.
  • 35.  Predominantemente fecal-oral. Auto-infecção externa ou direta; Auto-infecção; Heteroinfecção; Retroinfecção; Auto-infecção interna;  O ciclo de vida do parasito dura de 2 a 6 semanas.  A sintomatologia aparece quando existe um número de vermes resultante de infestações sucessivas, que ocorre alguns meses após a infestação inicial.
  • 36.  Mebendazol, 100mg,VO, 2 vezes ao dia, durante 3 dias consecutivos;  Albendazol, 10mg/kg,VO, dose única, até o máximo de 400mg;  Pamoato de pirvínio, 10mg/kg/VO, dose única;  Pamoato de pirantel, 10mg/kg/VO, dose única;
  • 37. DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO Pamoato de pirvínio 700mg (10mg/kg) Dose única Repetir após 14 dias. Mebendazol 100mg 12/12h por 3 dias Repetir após 14 dias; Albendazol 400mg (10mg/kg) Dose única Repetir após 14 dias.
  • 38.  O verme adulto é facilmente identificado pela extremidade anterior afilada.  Seu tamanho varia de três a cinco centímetros.  Eles ficam mergulhados na mucosa e podem causar reação inflamatória.
  • 39.  O período pré-patente é de cinco a sete semanas.  Há ação tóxica/irritativa dos tecidos, podendo levar a necroses focais.  Em geral a infecção é assintomática, mas pode haver febre, náuseas, dor abdominal e prolapso retal (grave em crianças com grande número de parasitos).
  • 40.
  • 41.  A estrongiloidíase é uma das parasitoses intestinais de mais difícil diagnóstico.  Além de ser crônica e assintomática, na maioria das vezes, não há teste diagnóstico específico ideal, com 25% de exames parasitológicos falso-negativos.  Em indivíduos imunocomprometidos o verme pode causar síndrome de hiperinfecção ou doença disseminada.
  • 42.  As larvas infectantes (filarióides) penetram através da pele, no homem pulmões traquéia e epiglote trato digestivo  verme adulto.  A fêmea parasita é ovovivípara e libera ovos larvados que eclodem ainda no intestino, liberando larvas rabditóides (não-infectantes)  Pode ocorrer, também, auto-endoinfecção, quando as larvas passam a ser filarióides, no interior do próprio hospedeiro.
  • 43.
  • 44.  Hiperinfecção por Strongyloides stercoralis: relato de caso autopsiado Por: Moema Gonçalves Pinheiro Veloso,Anita Sperandio Porto e Mário Moraes. Revista da Sociedade Brasileira de MedicinaTropical 41(4):413-415, jul-ago, 2008
  • 45. DROGA DOSE DURAÇÃO OBSERVAÇÃO Cambendazol 360mg (5mg/kg) Dose única Repetir após 14 dias Tiabendazol 1g (50mg/kg) ou 500mg (10- 20mg/kg/dia) Dose única 12/12h por 3 dias A dose única é utilizada no tratamento em massa. Repetir após 14 dias. Casos de super-infecção devem ser tratados por 30 dias. Albendazol 400mg (10mg/kg/dia) 1x/dia por 3 dias Repetir após 14 dias Ivermectina 12mg (0,2 mg/kg/dia) 1x/dia por 3 dias Utilizar em pacientes com SIDA ou quando associada a ectoparasitoses
  • 46.  Albendazol, 400mg/dia, durante 3 dias;  Ivermectina, dose única,VO, obedecendo a escala de peso corporal.  Tiabendazol,VO, a) 25mg/kg/dia,durante 5 a 7 dias, esquema muito utilizado; b) 50mg/kg/dia, em dose única, à noite; c) 10mg/dia, durante 30 dias (autoendoinfecção e deficiência da imunidade celular);  Cambendazol, 5mg/kg, em dose única, via oral;
  • 47.  A Filariose causada pela Wuchereria bancrofti.  Existem indivíduos com esta parasitose que nunca desenvolvem sintomas, havendo ou não detecção de microfilárias no sangue periférico;  Outros podem apresentar febre recorrente aguda, astenia, mialgias, fotofobia, quadros urticariformes, pericardite, cefaléia e linfadenite.
  • 48. Sinonímia - Filariose, filaríase de Bancrofti, elefantíase. Agente etiológico - Wuchereria bancrofti, nematódeo que vive nos vasos linfáticos dos indivíduos infectados. Reservatório - O homem. Modo de transmissão - Pela picada dos mosquitos transmissores com larvas infectantes (L3).  No Brasil, o Culex quinquefasciatus é o principal transmissor.
  • 49. Período de incubação - Manifestações alérgicas podem aparecer 1 mês após a infecção.  As microfilárias, em geral, aparecem no sangue periférico de 6 a 12 meses após a infecção com as larvas infectantes da W. bancrofti.  Os casos crônicos mais graves são de indivíduos que apresentam hidrocele, quilúria e elefantíase de membros, mamas e órgãos genitais.
  • 50.  A droga de escolha é a Dietilcarbamazina (DEC), com vários esquemas preconizados: 6mg/kg/dia,VO, com periodicidade semestral ou anual; 6mg/kg/dia,VO, por 12 dias; 6mg/kg/dia, VO, por 2 a 4 semanas.  Outra droga, também, utilizada é a Ivermectina (IVM), na dose de 200μg /kg, 1 vez por ano,VO.
  • 51.  Irvemectina é distribuída gratuitamente aos municípios na forma de comprimidos de 6 mg;
  • 52. PARASITO NOMEVULGAR MEDICAMENTOS Enterobius vermicularis Oxiúro Mebendazol ou Pirantel Trichuris trichiura Tricúris Mebendazol Ascaris lumbricoides Lombriga Mebendazol, Pirantel, Piperazina ou levamisole Necator americanus Ancilóstomo Mebendazol ou pirantel – pomada de tiabendazol para larva migrans cutânea Ancylostoma sp Ancilóstomo Strongyloides stercoralis Estrongiloidíase Tiabendazol, albendazol e ivermectina Trichinella spiralis Triquina Tiabendazol????
  • 53.  MEBENDAZOL, TIABENDAZOL,ALBENDAZOL  Atuam sobre a -tubulina – microtúbulos;  Taxa de cura de 60- 100%;
  • 54.  Baixa absorção plasmática (10%) e excreção urinária;  Esquemas terapêuticos distintos: a) dose única para os nematóides filiformes b) 3 dias (2x/dia) para ancilostoma
  • 55.  Afetam a formação microtúbulos;  Bloqueiam captação da glicose;  Afetam formação de glicogênio;  Reduzem os níveis de ATP do parasito;
  • 56.  ALBEN,ZOLBEN, ZENTEL;VERMICLASE, PARASIN ALBENDAZOL  FOLDAN;THIABEN;TIABIOSE TIABENDAZOL  PANELMIM;PANFUGA;VERMORAL MEBENDAZOL
  • 57.  Albendazol – dose de 400mg em dose única;  Mebendazol – doses de 100mg duas vezes ao dia por 3 dias;  Tiabendazol – 25mg/Kg com dose máxima de 2,5g, é utilizado duas vezes ao dia por 2 dias.
  • 58.
  • 59.  Alta absorção noTGI;  Apresenta biotransformação hepática, sendo metabolizado a 5-hidroxitiabendazol, o qual é conjugado a glicuronídio ou sulfato e eliminado principalmente pela urina e, 5% pelas fezes.  Excretado 24/48 horas;  Atua sobre  Estrongilóides, larva migrans, escabiose;  Ação sobre a FUMARATO REDUTASE
  • 60.
  • 61.  Tetrahidropirimidina  Agonista nicotínico  Despolariza a musculatura e provoca paralisia por abertura contínua para a entrada de cátions;  Provoca contração súbita e paralisia;
  • 62.  Não é larvicida e nem ovicida;  Os nematóides exibem uma maior diversidade de conjugações das subunidades de receptores nicotínicos;  É a melhor escolha para ascaris e enterobiose;  Muito baixa absorção, excreção na forma inalterada.
  • 63.  Atua como agonista de GABA;  Se liga a estes receptores induzindo o aumento da permeabilidade das células musculares ao cloreto;  Paralisia por relaxamento da musculatura;  Eficaz contra Ascaris e Enterobius;  Tem como efeito colateral distúrbiosTGI.  Contra indicado para gestantes, hepatopatas e nefropatas.
  • 64.  Irvemectina;  Potentes contra nematóides, ácaros e insetos;  Paralisia flácida da musculatura – atua como agonista de receptores GABA, deixando-os abertos por um longo período de tempo – hiperpolarização – atua também em GluCl receptores;  Atua em dois pontos:musculatura do corpo e musculatura da faringe.
  • 65.  Primeira escolhafilárias e oncocercose (outro nematóideo, Onchocerca volvulus);  Atividade sobre Wuchereria bancrofti;  Não tem ação sobre Ancilostomídeos;  Meia vida relativamente longa;  Poucos efeitos colaterais;  Sofre biotransformação hepática e se liga aos lipídeos e proteínas plasmáticas
  • 66.  IVERMEC;  LEVERMECTIN;  PLURIMEC;  REVECTINA;  VERMECTIL
  • 67.  Alternativa para tratar ancilostomos (ancilostomose por ancilostomos e necator);  Pode ser usado em infestação por Ascaris.  Atua como bloqueador neuromuscular despolarizante, desensibiliza os receptores;  Baixa absorção no trato intestinal.  Usualmente para pessoas acima de 22,5Kg  5g, duas vezes por dia.
  • 68.  Ação nicotínica símile - estimula e, em seguida, bloqueia a junção neuromuscular;  Os vermes (Ascaris) são expelidos após a paralisia, mas os ovos continuam viáveis.  Rapidamente absorvido por via oral, atravessa barreia hemato-encefálica.  Dose única com menos efeitos colaterais.  Meia vida de 4 horas;
  • 69.  A dietilcarbamazina, um derivado da piperazina;  Não há contra-indicações absolutas ao uso de dietilcarbamazina, mas pacientes com hipertensão arterial e doença renal devem merecer cuidados especiais durante o tratamento;  RENAME: Comprimidos de 50 mg
  • 70.  A dietilcarbamazina é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal;  É também absorvida pela pele.  É rapidamente distribuída em todos os tecidos, exceto o tecido gorduroso.  Parte da droga é metabolizada a N-oxido, que possui atividade antifilarial.  A droga é completamente eliminada do organismo em 48 horas.
  • 71. ORDEM NOME CIENTÍFICO NOMEVULGAR Cyclophyllidea Hymenolepis nana Tenia anã Cyclophyllidea Taenia saginata Tenia do boi Cyclophyllidea Taenia solium Tenia do porco Cyclophyllidea Echinococcus granulosus Cisto hidático Pseudophyllidea Diphyllobothrium latum Tenia do peixe
  • 72.
  • 73.  A teníase é encontrada em todas as partes do mundo em que a população tem o hábito de comer carne de porco ou boi, crua ou mal cozida, com cisticercos viáveis.  Os bovinos e os suínos são os únicos hospedeiros intermediários das tênias do homem com significação para sua epidemiologia.
  • 74. A ingestão dos cisticercos impede o desenvolvimento destas em vermes adultos – larvas no tecido – cisticerco.
  • 75.  Atenção que não causa a Cisticercose Animal ingere ovos dentro de proglótides grávidos
  • 76.  Teníase Indivíduo que elimina proglotes de tênia.  Cisticercose Paciente suspeito, com ou sem sintomatologia clínica, que apresenta imagens radiológicas suspeitas de cisticercos; paciente suspeito com sorologia positiva para cisticercose e/ou exames por imagem sugestivos da presença dos cistos.
  • 77.  Mebendazol: 200mg, 2 vezes ao dia, por 3 dias,VO;  Niclosamida : adulto e criança com 8 anos ou mais, 2g, e crianças de 2 a 8 anos, 1g,VO, dividida em 2 tomadas;  Praziquantel,VO, dose única, 5 a 10mg/kg de peso corporal;  Albendazol, 400mg/dia, durante 3 dias.
  • 78.  Praziquantel é ofertado pela rede pública na forma de comprimidos com 600mg.
  • 79.  As manifestações clínicas da Cisticercose dependem da localização, do tipo morfológico, do número de larvas que infectaram o indivíduo, da fase de desenvolvimento dos cisticercos e da resposta imunológica do hospedeiro.  As formas graves estão localizadas no sistema nervoso central e apresentam sintomas neuropsiquiátricos (convulsões, distúrbio de comportamento, hipertensão intracraniana) e oftálmicos.
  • 80. Oliveira, M.F;Sousa, F.C.S.;Pereira, A.C.G.; Alencar, A. M; Bezerra, F.S.M.; Martins, D.A. &Teles, R, M.A.
  • 81.
  • 82. NOME MEDICAMENTOS Tenia anã (H. nana) Praziquantel e Niclosamina Teníase – com presença de vermes adultos Niclosamina Cisticercose Praziquantel e albendazol Cistos hidáticos Mebendazol, albendazol e praziquantel Tênia do peixe Praziquantel ou Niclosamida
  • 83.  Danifica o escólex e os segmentos proximais;  Impede fixação;  Dose única;  Atua apenas sobre as formas adultas;  Deve ser administrado junto a purgativos.
  • 84.  Para Taenia solium é usada em dose única, após refeição associada a um purgativo leve;  O uso de purgativo elimina possibilidade dos ovos, que não são afetados, permanecerem vivos e causarem cisticercose;  Baixa absorção no trato intestinal;  Pode causar desconforto intestinal, náuseas e vômitos.
  • 85. ORDEM NOME CIENTÍFICO NOMEVULGAR Echinostomata Fasciola hepatica Trematódeo hepático de carneiro Strigeata Schistosoma mansoni Esquistosoma intestinal ou mansônico Strigeata Schistosoma japonicum Esquistosoma intestinal ou japônico Strigeata Schistosoma haematobium Esquistosoma vesical, urinário ou hematóbico
  • 87.  A fasciolose é uma zoonose parasitária de importância econômica para ruminantes;  O homem também é suscetível e, em algumas áreas do mundo, a fasciolose humana tem caráter epidêmico e é considerada zoonose emergente.  No Brasil, os últimos relatos de prevalência mostraram taxas com grande amplitude nas diferentes regiões, desde 6% até acima de 80%.
  • 88.  Quando a infecção ocorre em humanos, os ovos só aparecem nas fezes após um longo período já apresentando sintomas;  Tratamento: dose oral de Triclabendazol (10 mg/kg) – ativo contra formas maduras e imaturas.  Praziquantel e albendazol tem eficácia para animais e não em humanos.
  • 89.  No Brasil a transmissão ocorre principalmente numa faixa contínua, ao longo do litoral.  A maior endemicidade da esquistossomose ocorre em Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais.  A esquistossomose depende da existência de hospedeiros intermediários que, no Brasil, são caramujos do gênero Biomphalaria (B. glabrata, B. tenagophila, B. straminea).
  • 90.  Minas Gerais é o estado com a maior área endêmica de esquistossomose, com ocorrência em 523 dos 853 municípios.  A prevalência média em 2003 foi de 7,2% em 402.710 pessoas examinadas.  Os municípios das zonas norte, leste e os fronteiriços com o Espírito Santo são os mais atingidos.  http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf /relatorio_snvs_mg_2ed.pdf
  • 91.  A média anual de internação, de 2001 a 2005, foi de 206 (redução da taxa de internação por 100 mil hab. de 1,38 em 2001 para 0,91 em 2005).  O número médio de óbitos, no período de 1999 a 2003, foi de 48 (redução na taxa de mortalidade por 100 mil hab. de 0,20 em 1999 para 0,25 em 2003).
  • 92. As setas marcam a presença dos ovos aprisionados no fígado. Observem a grande concentração de células ao redor destes..... Hepatócitos normais
  • 93. A B C D E F Extrato de PFr em ensaios “in vitro”
  • 94.  o tratamento tem como base não apenas promover a cura da doença ou diminuir a carga parasitária dos pacientes, mas impedir sua evolução para formas graves.  Estudos mostram que a quimioterapia reduz também a hepatoesplenomegalia.  Todo caso confirmado deve ser tratado, a não ser que haja contra-indicação médica.
  • 95.  Praziquantel: derivado da isoquinolinapirazino, é ativo nos três tipos de esquistossomoses humanas e nas teníases. Crianças Adultos 50mg/Kg 60mg/Kg Idade até 15 anos Acima de 15 anos Dose única Dose única
  • 96.  Tem amplo espectro, atua na cisticercose;  Atua sobre formas maduras e imaturas de esquistossomos – tem ação sobre cercárias;  Compromete a homeostase do cálcio – aumenta seu influxo por ligação aos canais e promove paralisia;  Pequenos efeitos colaterais, de metabolismo hepático e excreção dos subprodutos pela urina.
  • 97.  Oxamniquine: derivado da tetraidroquinolina, é um medicamento com propriedades esquistossomicidas. Apresentação:cápsulas de 250 mg e suspensão oral contendo 50 mg/ml. Crianças Adultos 15mg/Kg 20mg/Kg Idade até 15 anos Acima de 15 anos Dose única Dose única
  • 98.  Ataca as formas maduras e imaturas de S. mansoni;  Os machos são mais atacados, mas afeta a oviposição nas fêmeas;  É metabolizado pelo pelo fígado produzindo um metabólito inativo denominado 6- carboxi-oxamniquina que é excretado pela urina.
  • 99. Indicações  Amebíases (complexo Entamoeba histolytica);  Giardíases (Giardia lamblia ou Giardia intestinalis);  Nematódeos, cestódeos e trematódeos (Enterobius vermiculares, Ascaris lumbricoides, Strongyloides stercolaris, Ancilostomíase,Trichuris trichiura,Taenia sp, Hymenolepis nana);  Ação sobre a enzima piruvato-ferridoxina- oxidoredutase  Ação sobre a inibição da polimerização da tubulina
  • 100. FÁRMACOS MECANISMOS Benzimidazóis Alteração do alvo – isotipos de tubulinas Agonistas nicotínicos Alteração do alvo – estrutura e arranjo dos receptores Lactonas Macrocíclicas Alteração do alvo – estrutura e arranjo dos receptores – canais GluCl Oxaminiquine Deficiência na ativação da sulfotransferase Praziquantel ?????? Outros ?????
  • 101.
  • 102.  Parasitose da pele causada por um ácaro cuja penetração deixa lesões em forma de vesículas, pápulas ou pequenos sulcos, nos quais ele deposita seus ovos.  Agente causador (Etiológico): Sarcoptes scabiei  Sinônimo: Sarna
  • 103.  As áreas preferenciais onde ocorrem as lesões são: regiões interdigitais, punhos (face anterior), axilas (pregas anteriores), região periumbilical, sulco interglúteo e órgãos genitais externos (nos homens);  Em crianças e idosos, podem também ocorrer no couro cabeludo, nas palmas das mãos e plantas dos pés.
  • 104.
  • 105.  Ivermectina, dose única,VO, obedecendo a escala de peso corporal;  A dose pode ser repetida após 1 semana;  Permetrima a 5% em creme, uma aplicação à noite, por 6 noites, ou Deltametrina, em loções e xampus, uso diário por 7 a 10 dias;  Tembém existe a Bioaletrina  Benzoato de benzila  Tiabendazol
  • 107.  É uma infestação causada por um inseto cujo nome científico é Pediculus humanus.
  • 108.
  • 109.  Deltametrina  Permetrina  Boldo  Água salgada  Vinagre http://www.piolho.fiocruz.br/inde3.html
  • 110.  Dermatobia hominis (Linnaeus Jr., 1781) (Diptera: Cuterebridae) é um díptero cujas larvas são parasitos obrigatórios, tendo os bovinos como principais hospedeiros, podendo também parasitar o homem e outros animais domésticos como caninos, suínos, caprinos, ovinos, felinos e raramente eqüinos.  Suas larvas desenvolvem-se no tecido cutâneo do hospedeiro, determinando uma miíase primária do tipo nodular, conhecida no Brasil como "berne“.  DA SILVA JUNIOR, VIRGINIO PEREIRA; DE SOUZA LEANDRO, ANDRÉ y MOYA BORJA, GONZALO EFRAIN. OCORRÊNCIA DO BERNE, Dermatobia hominis (DIPTERA: CUTEREBRIDAE) EM VARIOS HOSPEDEIROS, NO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Parasitol. día [online]. 1998, vol.22, n.3-4 [citado 2012-04-26], pp. 97-101 . Disponible en: <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0716- 07201998000300007&lng=es&nrm=iso>. ISSN 0716-0720. doi: 10.4067/S0716-07201998000300007.
  • 111.
  • 112.
  • 113.  O bicho-do-pé é uma pulga cujo nome cientifico é Tunga penetrans. É a menor pulga que se conhece, pois o inseto adulto mede 1mm de comprimento e coloração marrom avermelhada http://www.pmva.com.br/img/download/pmva_070620-145238.pdf
  • 114.  Os adultos e as larvas são de vida livre e vivem em locais que possuem solos arenosos, secos, quentes e área peridomiciliar.  As fêmeas depois de fecundadas procuram o hospedeiro (homem e outros mamíferos) perfurando lhe a pele.  A fêmea grávida alimenta-se de sangue do hospedeiro e começa a expandir seu abdome podendo chegar ao tamanho de uma ervilha.  A partir disso inicia-se a postura dos ovos que são expelidos e chegam ao ambiente (solo), sendo que uma fêmea pode produzir até 200 ovos de 7 a 10 dias.  Após este processo ela morre e cai ao solo porém os ovos eliminados eclodem e as larvas tornam-se adultas reiniciando o ciclo.
  • 115.  Uso de calçado sempre protege do bicho-do- pé.  Promover ventilação, iluminação, limpeza e desinfecção da área onde vive os animais;  Sempre que você constatar a presença do bicho–do-pé na sua pele ou na de um familiar remova com uma agulha desinfetada para prevenir as infecções secundárias