SlideShare uma empresa Scribd logo

Doenças de chagas marcio

1 de 39
Baixar para ler offline
Doença de Chagas
Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
Álbum de fotografias
por Windows
Acadêmicos
Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
Histórico
No dia 14 de abril de 1909, o cientista
Carlos Chagas encontrou o protozoário
Trypanossoma cruzi
Carlos Chagas
Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
Carlos Ribeiro Justiniano Chagas
Doença de Chagas
Sua transmissão exige a participação
de um vetor, o triatomíneo conhecido
pelo nome de barbeiro, fincão,
chupança bicudo, chupão, procotó ,
dependendo da região.
Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
Doença de Chagas
Agente Etiológico: Trypanossoma cruzi
Vetores
Triatoma infestans
Panstrongylus
Protozoário flagelado
Barbeiros hematófagos
Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
Rhodnius
Morfologia T. cruzi
• Amastigota – fase intracelular, sem organelas de locomoção, com
pouco citoplasma e núcleo grande. Está presente na fase crônica da
doença, nos músculos do vertebrado
Figura : formas amastigotas intracelulares do Trypanosoma cruzi
Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Esquistossomose
Esquistossomose Esquistossomose
Esquistossomose
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 

Destaque

Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de ChagasITPAC PORTO
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagasKROLZITA
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointGeovanna Borges
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagasfnanda
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozoosesemanuel
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceralmonica_lima
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasLilian Souza
 
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoApresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoWanderson Oliveira
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezRita Silva
 
Fisiologia da mestruação
Fisiologia da mestruaçãoFisiologia da mestruação
Fisiologia da mestruaçãoClaudia Ramos
 
Qualificação Mestrado
Qualificação MestradoQualificação Mestrado
Qualificação MestradoBruno Galli
 

Destaque (20)

Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Malaria powerpoint
Malaria powerpointMalaria powerpoint
Malaria powerpoint
 
Enfermedad de chagas
Enfermedad de chagasEnfermedad de chagas
Enfermedad de chagas
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
 
Métodos epidemiológicos aula
Métodos epidemiológicos aula Métodos epidemiológicos aula
Métodos epidemiológicos aula
 
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoApresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
 
Intervalo de confiança
Intervalo de confiançaIntervalo de confiança
Intervalo de confiança
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidez
 
Fisiologia da mestruação
Fisiologia da mestruaçãoFisiologia da mestruação
Fisiologia da mestruação
 
Estatuto oficial
Estatuto oficialEstatuto oficial
Estatuto oficial
 
Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1
 
Qualificação Mestrado
Qualificação MestradoQualificação Mestrado
Qualificação Mestrado
 

Semelhante a Doenças de chagas marcio

Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaRaphael Machado
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossomaGildo Crispim
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioAline Vargas
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaMaria Tereza Neves
 
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - BiólogoArbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - BiólogoClovis Gurski
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosRaquel Freiry
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e maláriaFilipe Bispo
 
Atuação do biotecnologo na saúde
Atuação do biotecnologo na saúdeAtuação do biotecnologo na saúde
Atuação do biotecnologo na saúdeAngélica Lima
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose3a2011
 
Protozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismoProtozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismojfquirino
 
Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaJARDSON ROCHA
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaSafia Naser
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseKarina Pereira
 

Semelhante a Doenças de chagas marcio (20)

Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Aula 2 t cruzi e chagas
Aula 2  t cruzi e chagasAula 2  t cruzi e chagas
Aula 2 t cruzi e chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - BiólogoArbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Atuação do biotecnologo na saúde
Atuação do biotecnologo na saúdeAtuação do biotecnologo na saúde
Atuação do biotecnologo na saúde
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Protozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismoProtozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismo
 
Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rocha
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 

Último

2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 

Último (20)

2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 

Doenças de chagas marcio

  • 1. Doença de Chagas Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 2. Álbum de fotografias por Windows Acadêmicos Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 3. Histórico No dia 14 de abril de 1909, o cientista Carlos Chagas encontrou o protozoário Trypanossoma cruzi Carlos Chagas Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Carlos Ribeiro Justiniano Chagas Doença de Chagas
  • 4. Sua transmissão exige a participação de um vetor, o triatomíneo conhecido pelo nome de barbeiro, fincão, chupança bicudo, chupão, procotó , dependendo da região. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 5. Doença de Chagas Agente Etiológico: Trypanossoma cruzi Vetores Triatoma infestans Panstrongylus Protozoário flagelado Barbeiros hematófagos Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Rhodnius
  • 6. Morfologia T. cruzi • Amastigota – fase intracelular, sem organelas de locomoção, com pouco citoplasma e núcleo grande. Está presente na fase crônica da doença, nos músculos do vertebrado Figura : formas amastigotas intracelulares do Trypanosoma cruzi Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 7. Morfologia T. cruzi • Epimastigota – é a forma encontrada no tubo digestivo do vetor, não é infectante para os vertebrados,presente no trato intestinal do barbeiro Figura : formas epimastigotas do Trypanosoma cruzi Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 8. Morfologia T. cruzi • Tripomastigota –fase extracelular, que circula no sangue Esse estágio evolutivo está presente na fase aguda da doença, presente no sangue do vertebrado Figura :Tripomastigota de Trypanosoma cruzi. Seta preta- cinetoplasto; vermelha - núcleo; azul - membrana ondulante; verde - flagelo. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 9. Os reservatórios são além do homem, mamíferos silvestres e domésticos,tem sido encontrados infectados pelo Trypanossoma cruzi. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 10. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Habitat Esse inseto de hábitos noturnos vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras, copas das palmeiras de açaí. Casa de barro Fonte: Fiocruz
  • 11. Ciclo Biológico da Doença Barbeiro transmissor Triatoma infestans Local da picada Fezes contaminadas Fibras cardíacas Ninhos de tripanossoma Hemácias Tripanossoma no sangue Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 12. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Transmissão Transmissão Vetorial Fonte: Fiocruz
  • 13. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Transmissão Transfusional Transmissão Fonte: hemopa
  • 14. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Transmissão Vertical Transmissão Fonte: ministério da saúde
  • 15. Formas de Transmissão Transmissão por leite materno Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 16. Formas de Transmissão Transmissão Por via oral Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Refrigeração a 4oC por 144 horas e congelamento a -20oC por 26 horas não eliminaram o parasito.
  • 17. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Transmissão Por transplante de órgãos Transmissão Fonte: Incor
  • 18. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Transmissão por acidentes laboratoriais Transmissão Fonte: hemopa
  • 19. até aproximadamente 20 dias. ◙ Vetorial ◙ Hemotransfusões ◙ Oral ◙ Vertical ◙ Acidental Ate aproximadamente 20 dias Incubação de 5 a 15 dias. Incubação de 30 a 40 dias. Incubação de 3 a 22 dias. Transplacentária, e no parto. Imagens: FIOCRUZ Período de Incubação Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 20. Epidemiologia Estima-se que existam 18 milhões de pessoas com esta doença, entre os 100 milhões que constituem a população de risco, distribuídas por 18 países americanos. Dos infectados, cerca de 20 000 morrem a cada ano. Distribuição no Brasil RS, SC, Pr, SP, MG, Go e o Nordeste. Segundo o Ministério da Saúde, 80% dos casos do Brasil estão concentrados , no Estado do Pará, Mapa da incidência da doença de Chagas Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 21. Doença de chagas A doença se apresenta em duas fases clinicas: Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Fase aguda: assintomática sintomática Fase crônica: Forma indeterminada Forma cardíaca Forma digestiva Formas mistas
  • 22. Fase aguda • Fase aguda acontece logo após a infecção e pode durar dias ou semanas, para o parasita ser encontrados na corrente sanguínea. • Caracteriza-se por febre, cefaléia, hepatomegalia, parasitemia e sinal de romana • Assintomática Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 23. Fase crônica • Fase crônica pode destruir a musculatura dos órgãos atingidos • Indeterminada: sem sinais e sintomas, corresponde a maioria dos casos de 50 a 60 %; • Cardíaca: 10% dos casos, há destruição dos cardiomiócitos, do sistema de condução ( feixe de rizer) e fibrose do coração (Cardiomegalia, taquicardia e arritmias, aneurisma de ponta); Digestiva :. alterações diante do trato digestivo,ocorridas por lesões dos plexos nervosos, sendo o megaesôfago as formas mais comuns Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 24. Fase crônica Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Cardiomegalia
  • 25. Fase crônica Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Cardiomegalia
  • 26. Fase crônica Aneurisma de ponta Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Miocardite
  • 27. Megaesôfago - Raio X Classificação radiológica do megaesôfago em quatro grupos, conforme a evolução da afecção. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 29. Megacólon Chagásico Imagem: Hospital Getúlio Vargas (Teresina, Piauí)
  • 30. Diagnóstico Laboratorial • Pesquisa a fresco do Trypanossoma • Lâmina Corada de gota espessa ou esfregaço • Xenodiagnóstico I. Exames Parasitológicos Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 31. ESFREGAÇO SANGUINEO Esfregaço de sangue Hemácia Tripanossoma entre as hemácias Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 32. Diagnóstico Laboratorial II. Exames sorológicos • Anticorpos IgG • Anticorpos IgM • Hemoaglutinação • Elisa ELISA Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 33. Diagnóstico Laboratorial III.Diagnóstico molecular • PCR ( reação em cadeia da polimerase) Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 34. Tratamento  Específico: • Deve ser realizado o mais precocemente possível nas formas agudas ou congênita, e na forma crônica recente. A droga disponível no Brasil é  Benzonidazol Caixas contendo comprimidos de 100 mg: Dose adulto: 5 mg/kg/dia Dose crianças: 5-10 mg/kg/dia 2 a 3 vezes ao dia por 60 dias  Sintomático: • Dependente das manifestações clínicas, tanto na fase aguda como na fase crônica. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 35. Prevenção: • Melhoria das habitações rurais Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014
  • 37. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Vigilância epidemiológica Objetivos • Detectar precocemente casos de doença de Chagas, com vistas à aplicação de medidas de prevenção . Notificação A DCA é um agravo de notificação compulsória e todos os casos devem ser imediatamente notificados ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan)
  • 38. Epidemiologia Professor: Msc. Márcio Silva Itaituba 2014 Referências www.fiocruz.com.br . Acesso em 10 de maio de 2014. www.datasus.gov.br . Acesso em 10 de maio de 2014 www.ufgs.com.br . Acesso em 10 de maio de 2014 www.wikipedia.com.br. Acesso em 10 de maio de 2014 www.drashirleydecampos.com.br. Acesso em 10 de maio de 2014 www.portal.saude.gov.br . Acesso em 10 de maio de 2014 Organização Pan-Americana da Saúde. Doença de Chagas. Guia para vigilância, prevenção, controle e manejo clínico da doença de Chagas aguda transmitida por alimentos. Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde; 2009. [Série Manuais Técnicos, 12],ACESSADO 17/05/2014
  • 39. Vídeo sobre transmissão da Doença de Chagas