SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
GIARDIA LAMBLIA/GIARDÍASE 
Família: Hexamitidae 
Gênero:Giardia 
Espécie: G. intestinalis ou lamblia
Conceito - doença diarréica causada por um protozoário Giardia 
intestinalis (mais conhecido como Giardia lamblia); 
Morfologia - duas formas evolutivas no seu ciclo: cisto 
e trofozoito 
- mede de 10 a 20 micrômetros de 
comprimentro por 15 micrometro de largura 
- Quatro pares de flagelos, para 
deslocamento (rápido) 
Nutrição – pinocitose 
Reprodução – fissão binária (cada núcleo dois 
trofozoitos)
Agente etiológico - Giardia intestinalis, protozoário flagelado
Giardia lamblia 
TROFOZOÍTA 
flagelos Núcleo com cariossoma central 
Disco ventral 
Corpos medianos 
20μm 
10μm núcleo 
• Protozoário flagelado parasita cavitário 
• adaptado ao parasitismo monoxênico 
CISTO 
• Giardia lamblia = Giardia duodenalis = Giardia intestinalis 
axonema
Disco adesivo 
(suctorial) 
Núcleos 
Flagelos 
Corpo parabasal
Ciclo 
No intestino delgado, os trofozoítos sofrem divisão binária e chegam à luz 
do intestino, onde ficam livres ou aderidos à mucosa intestinal, por 
mecanismo de sucção. 
Alguns trofozoítos transformam-se em cistos, que são formas resistentes 
mas inativas, que são arrastadas e excretadas com as fezes. 
A formação do cisto ocorre quando o parasita transita o cólon, e neste 
estágio os cistos são encontrados nas fezes (forma infectante). 
No ambiente podem sobreviver meses na água fria, através de sua 
espessa camada.
Giardia lamblia 
EPIDEMIOLOGIA 
1. Mecanismo de transmissão 
-ingestão de águas não tratadas, alimentos contaminados com água de esgoto 
- alimentos contaminados por vetores mecânicos 
- mãos contaminadas com fezes 
- transmissão sexual
- cosmopolita 
- afeta principalmente crianças de 8 meses aos 12 
anos com predomínio na faixa etária de 6 anos 
- - prevalece com taxas de até 30% nas regiões do 
Brasil com baixas condições sócio-econômicas 
- pode ocorrer em surtos epidêmicos em ambientes 
fechados (creches e abrigos) 
- o cisto resiste até 2 meses em boas condições de 
umidade 
2. Distribuição
Giardia lamblia 
CICLO VITAL 
Int.grosso 
Int.delgado 
6 a 15 dias
Giardia lamblia 
PATOGENIA 
•A Giardia provoca diarréia e má-absorção intestinal 
•Adere-se às microvilosidades do intestino delgado 
através de seu disco ventral suctorial e impede a absorção 
de nutrientes - tapete 
•Possui enzimas (proteases) que poderiam agir sobre 
glicoproteínas de superfície e lesar as microvilosidades 
•Desencadeia resposta inflamatória e imune com 
produção de IgA e IgE que ativa mastócitos e libera 
histamina – edema – aumento de motilidade→ diarréia
Giardia lamblia 
Sintomas clássicos: 
• Diarréia aquosa 
• Cólicas 
• Inchaço (distensão abdominal) 
• Náuseas, com ou sem vômitos 
• Gases
Giardíase – Outros sintomas 
 Fezes que flutuam ou que são extraordinariamente com mau cheiro 
(gordurosas) - esteatorréia 
 Perda de peso 
 Intolerância ao leite e aos laticínios na dieta, que não existia antes 
 Febre baixa 
 Perda de apetite 
 Alguns dos sintomas podem levar vários meses ou mais para 
começar porque são causados por mudanças graduais no 
revestimento do intestino. A Giárdia lamblia interfere com a 
capacidade do corpo de absorver as gorduras, assim as fezes podem 
ser mais gordurosas durante o período da infecção de Giárdia. Isto 
explica por que as fezes podem flutuar e têm mal cheiro
Giardia lamblia 
DIAGNÓSTICO 
1- Imunológico 
•No soro – pesquisa de anticorpos por ELISA ou IFI – pouco 
sensível e específico 
2- Parasitológicos – cistos e trofozoitos nas fezes
Giardia lamblia 
TRATAMENTO 
Derivados imidazólicos 
Metronidazol – 15 a 20mg/kg/dia durante 7 a 10 dias 
consecutivos 
para crianças; para adultos 250mg 2x/dia 
Tinidazol – 1g/dia dose única para crianças; 2g /dia VO 
Outras drogas – nitazoxanida 
para adultos 
PROFILAXIA 
Medidas de saneamento básico e 
educação para saúde 
A água filtrada 
Alimentos limpos e protegidos
Susceptibilidade e resistência 
•A taxa de portadores assintomáticos é alta e a infecção 
costuma ser de curso limitado. 
• Não existem fatores específicos do hospedeiro que 
influenciam na resistência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Parasitologia - Ameba
Parasitologia - AmebaParasitologia - Ameba
Parasitologia - Ameba
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Trichuris trichiura
Trichuris trichiuraTrichuris trichiura
Trichuris trichiura
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
 

Semelhante a Parasitologia - Giardia lamblia

Giardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geralerGiardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geralerthiago barbosa da silva
 
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparSobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparArmando Gaspar
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfUnicesumar
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Lucia Tavares
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptdirleyvalderez1
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintosbioblocmb
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosÁgatha Mayara
 
Parte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitasParte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitasVanessa Queiroz
 
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Tamires Batista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protistaISJ
 
Aula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.ppt
Aula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.pptAula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.ppt
Aula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.pptLilianSFBlumer
 

Semelhante a Parasitologia - Giardia lamblia (20)

Giardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geralerGiardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geraler
 
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparSobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
 
Gíardia lamblia
Gíardia lambliaGíardia lamblia
Gíardia lamblia
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
 
1º apresentação psicobiologia
1º apresentação psicobiologia1º apresentação psicobiologia
1º apresentação psicobiologia
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Giardia cryptosporidium ferro e manganês
Giardia  cryptosporidium ferro e manganêsGiardia  cryptosporidium ferro e manganês
Giardia cryptosporidium ferro e manganês
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Geardíase
GeardíaseGeardíase
Geardíase
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Parte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitasParte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitas
 
ASCARIS.pdf
ASCARIS.pdfASCARIS.pdf
ASCARIS.pdf
 
Platelmintos e nematelmintos
Platelmintos e nematelmintos Platelmintos e nematelmintos
Platelmintos e nematelmintos
 
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Toxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyoToxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyo
 
Aula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.ppt
Aula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.pptAula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.ppt
Aula 1. NEMATÓDEOS e CESTÓDEOS DE PEQUENOS ANIMAIS.ppt
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 

Parasitologia - Giardia lamblia

  • 1. GIARDIA LAMBLIA/GIARDÍASE Família: Hexamitidae Gênero:Giardia Espécie: G. intestinalis ou lamblia
  • 2.
  • 3. Conceito - doença diarréica causada por um protozoário Giardia intestinalis (mais conhecido como Giardia lamblia); Morfologia - duas formas evolutivas no seu ciclo: cisto e trofozoito - mede de 10 a 20 micrômetros de comprimentro por 15 micrometro de largura - Quatro pares de flagelos, para deslocamento (rápido) Nutrição – pinocitose Reprodução – fissão binária (cada núcleo dois trofozoitos)
  • 4. Agente etiológico - Giardia intestinalis, protozoário flagelado
  • 5. Giardia lamblia TROFOZOÍTA flagelos Núcleo com cariossoma central Disco ventral Corpos medianos 20μm 10μm núcleo • Protozoário flagelado parasita cavitário • adaptado ao parasitismo monoxênico CISTO • Giardia lamblia = Giardia duodenalis = Giardia intestinalis axonema
  • 6. Disco adesivo (suctorial) Núcleos Flagelos Corpo parabasal
  • 7.
  • 8.
  • 9. Ciclo No intestino delgado, os trofozoítos sofrem divisão binária e chegam à luz do intestino, onde ficam livres ou aderidos à mucosa intestinal, por mecanismo de sucção. Alguns trofozoítos transformam-se em cistos, que são formas resistentes mas inativas, que são arrastadas e excretadas com as fezes. A formação do cisto ocorre quando o parasita transita o cólon, e neste estágio os cistos são encontrados nas fezes (forma infectante). No ambiente podem sobreviver meses na água fria, através de sua espessa camada.
  • 10.
  • 11. Giardia lamblia EPIDEMIOLOGIA 1. Mecanismo de transmissão -ingestão de águas não tratadas, alimentos contaminados com água de esgoto - alimentos contaminados por vetores mecânicos - mãos contaminadas com fezes - transmissão sexual
  • 12. - cosmopolita - afeta principalmente crianças de 8 meses aos 12 anos com predomínio na faixa etária de 6 anos - - prevalece com taxas de até 30% nas regiões do Brasil com baixas condições sócio-econômicas - pode ocorrer em surtos epidêmicos em ambientes fechados (creches e abrigos) - o cisto resiste até 2 meses em boas condições de umidade 2. Distribuição
  • 13. Giardia lamblia CICLO VITAL Int.grosso Int.delgado 6 a 15 dias
  • 14. Giardia lamblia PATOGENIA •A Giardia provoca diarréia e má-absorção intestinal •Adere-se às microvilosidades do intestino delgado através de seu disco ventral suctorial e impede a absorção de nutrientes - tapete •Possui enzimas (proteases) que poderiam agir sobre glicoproteínas de superfície e lesar as microvilosidades •Desencadeia resposta inflamatória e imune com produção de IgA e IgE que ativa mastócitos e libera histamina – edema – aumento de motilidade→ diarréia
  • 15. Giardia lamblia Sintomas clássicos: • Diarréia aquosa • Cólicas • Inchaço (distensão abdominal) • Náuseas, com ou sem vômitos • Gases
  • 16. Giardíase – Outros sintomas  Fezes que flutuam ou que são extraordinariamente com mau cheiro (gordurosas) - esteatorréia  Perda de peso  Intolerância ao leite e aos laticínios na dieta, que não existia antes  Febre baixa  Perda de apetite  Alguns dos sintomas podem levar vários meses ou mais para começar porque são causados por mudanças graduais no revestimento do intestino. A Giárdia lamblia interfere com a capacidade do corpo de absorver as gorduras, assim as fezes podem ser mais gordurosas durante o período da infecção de Giárdia. Isto explica por que as fezes podem flutuar e têm mal cheiro
  • 17. Giardia lamblia DIAGNÓSTICO 1- Imunológico •No soro – pesquisa de anticorpos por ELISA ou IFI – pouco sensível e específico 2- Parasitológicos – cistos e trofozoitos nas fezes
  • 18. Giardia lamblia TRATAMENTO Derivados imidazólicos Metronidazol – 15 a 20mg/kg/dia durante 7 a 10 dias consecutivos para crianças; para adultos 250mg 2x/dia Tinidazol – 1g/dia dose única para crianças; 2g /dia VO Outras drogas – nitazoxanida para adultos PROFILAXIA Medidas de saneamento básico e educação para saúde A água filtrada Alimentos limpos e protegidos
  • 19. Susceptibilidade e resistência •A taxa de portadores assintomáticos é alta e a infecção costuma ser de curso limitado. • Não existem fatores específicos do hospedeiro que influenciam na resistência.