SlideShare uma empresa Scribd logo
Doença de
Chagas
Ou
Mal de Chagas
Conceito:
 É uma doença infecciosa causada por
um protozoário parasita
chamado Trypanosoma cruzi, nome
dado por seu descobridor, o cientista
brasileiro Carlos Chagas, em
homenagem a outro cientista,
também, brasileiro, Oswaldo Cruz.
É transmitido pelas fezes de um inseto
(triatoma) conhecido como barbeiro
Se esconde principalmente nas frestas
de casas rudimentares construídas de
pau-a-pique e sem reboco
Sintomas
 Fase Aguda: Febre, mal-estar, falta
de apetite, dor ganglionar, inchaço
ocular e aumento do fígado e baço
são alguns sintomas que podem
aparecer inicialmente, embora
existam casos em que a doença se
apresenta de forma assintomática.
Esplenomegalia
Hepatomegalia
Sintomas:
 Crônica: O mal de Chagas pode
destruir a musculatura dos órgãos
atingidos (principalmente a do
coração e do cérebro), provocando o
aumento destes, de forma irreversível.
Em muitos casos, somente essa fase
é percebida pelo paciente, sendo que
ela pode se manifestar décadas
depois do indivíduo ter sido infectado
pelo parasita.
Diagnostico e periodo de
incubação:
 O período de incubação vai de 5 a 14
dias após a picada e o diagnóstico é
feito através de um exame de sangue,
que deve ser prescrito,
principalmente, quando um indivíduo
vem de zonas endêmicas e apresenta
os sintomas antes mencionados.
Diagnostico e periodo de
incubação:
 O diagnóstico pode ser feito via
exame de sangue do paciente na
busca do parasita no próprio material
coletado (microscopia) ou pela
presença de anticorpos no soro
(através de testes sorológicos)
Tratamento:
 A medicação é dada sob
acompanhamento médico nos
hospitais devido aos efeitos colaterais
que provoca, e deve ser mantida, no
mínimo, por um mês. O efeito do
medicamento costuma ser satisfatório
na fase aguda da doença, enquanto o
parasita está circulando no sangue.
Na fase inicial aguda, a administração
de fármacos como Nifurtimox, Alopurinol
e Benzonidazol curam completamente
ou diminuem a probabilidade de
cronicidade em mais de 80% dos casos.
Tratamento:
 Na fase crônica, não compensa
utilizá-lo mais e o tratamento é
direcionado às manifestações da
doença a fim de controlar os sintomas
e evitar as complicações.
Ainda não há vacina para a prevenção
da doença
Cuidados de Enfermagem
Cuidados de Enfermagem:
 Os cuidados iniciais são de caráter
educativo, passando para o paciente
cuidados com a higiene
principalmente oral, reeducação
alimentar, incentivo ao tratamento,
apoio psicológico.
Cuidados de Enfermagem:
 Na fase crônica o enfermeiro deve
observar a aceitação de alimentos,
queixas de dores abdominais,
nauseais e vômitos, verificar sinais
vitais, sempre fazendo anotações
sobre cada sintoma do paciente.
Dados Epidemiologicos:
 No Brasil, o risco da transmissão
correspondia a 36% do território do
país, atingindo mais de 2.450
municípios, que se estendiam do
Maranhão ao Rio Grande do Sul,
incluindo grande parte das regiões
Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-
Oeste.
Dados Epidemiologicos:
 O inquérito sorológico nacional,
realizado no final da década de 70,
estimou a existência de 5 milhões de
brasileiros infectados pelo
Trypanosoma cruzi
Dados Epidemiológicos:
Municípios com casos registrados da doença de Chagas
aguda por município no período de 2000 a 2010 (Fonte:
SVS/MS).
Bibliografia:
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe5rwAH/doenca-chagas-
ebah
 http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame.
asp?cod_noticia=658
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Chagas
 http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Pesquisa_Saude/tela13_
2.html
Perguntas:
 Quais são os sintomas de Chagas na
fase aguda e na fase crônica?
 Qual é o Agente Etiologico e o Vetor
da doença?
 Quais devem ser os cuidados de
enfermagem na fase crônica?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
Sandra Tomaz
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
Aline Vargas
 
Doença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - ParasitologiaDoença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - Parasitologia
Enfº Ícaro Araújo
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Monara Bittencourt
 
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
DOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagasDOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagas
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo de São Paulo
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
fnanda
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Enfº Ícaro Araújo
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
Jakelyne Bezerra
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
Nathy Oliveira
 
Dengue
Dengue Dengue
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
Thiago André
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
Ana Figueiredo
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
Danielle Climaco
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 

Mais procurados (20)

DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Doença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - ParasitologiaDoença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - Parasitologia
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
DOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagasDOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagas
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Dengue
Dengue Dengue
Dengue
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 

Destaque

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
KROLZITA
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
ITPAC PORTO
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
Sheyla Amorim
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
Fhellipe Nobre
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
Cristiano Quintão
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
Juliana Lima
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Maurício Coelho
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Eridan de Sousa
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
crishmuler
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Malária
MaláriaMalária
Taina
TainaTaina
Taina
FABIANA
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
marciadcouto
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
guestb30c39
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Nome Sobrenome
 
AIDS - The Skeletons
AIDS - The SkeletonsAIDS - The Skeletons
AIDS - The Skeletons
Leandro Mota
 

Destaque (17)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Taina
TainaTaina
Taina
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
AIDS - The Skeletons
AIDS - The SkeletonsAIDS - The Skeletons
AIDS - The Skeletons
 

Semelhante a Trabalho de chagas. power point

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
wellington_souzza
 
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxDOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
GabrielCamacho44
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
professorajulianafigueirdocamara
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Chagas
ChagasChagas
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
nicoleblanco100
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
DiegoOliveira520215
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
Grupo UNIASSELVI
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
Laíz Coutinho
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
Osmarino Gomes Pereira
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Mario Gandra
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Mario Gandra
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Mario Gandra
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
Osmarino Gomes Pereira
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Lilian Souza
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Bianca Borges
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Mapa Mental Brainstorm (1).pdf
Mapa Mental Brainstorm (1).pdfMapa Mental Brainstorm (1).pdf
Mapa Mental Brainstorm (1).pdf
MariaFernandaMacedo3
 

Semelhante a Trabalho de chagas. power point (20)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxDOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Chagas
ChagasChagas
Chagas
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Feira da cultura
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Mapa Mental Brainstorm (1).pdf
Mapa Mental Brainstorm (1).pdfMapa Mental Brainstorm (1).pdf
Mapa Mental Brainstorm (1).pdf
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Trabalho de chagas. power point

  • 2. Conceito:  É uma doença infecciosa causada por um protozoário parasita chamado Trypanosoma cruzi, nome dado por seu descobridor, o cientista brasileiro Carlos Chagas, em homenagem a outro cientista, também, brasileiro, Oswaldo Cruz.
  • 3. É transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro
  • 4. Se esconde principalmente nas frestas de casas rudimentares construídas de pau-a-pique e sem reboco
  • 5.
  • 6. Sintomas  Fase Aguda: Febre, mal-estar, falta de apetite, dor ganglionar, inchaço ocular e aumento do fígado e baço são alguns sintomas que podem aparecer inicialmente, embora existam casos em que a doença se apresenta de forma assintomática.
  • 7.
  • 9. Sintomas:  Crônica: O mal de Chagas pode destruir a musculatura dos órgãos atingidos (principalmente a do coração e do cérebro), provocando o aumento destes, de forma irreversível. Em muitos casos, somente essa fase é percebida pelo paciente, sendo que ela pode se manifestar décadas depois do indivíduo ter sido infectado pelo parasita.
  • 10.
  • 11. Diagnostico e periodo de incubação:  O período de incubação vai de 5 a 14 dias após a picada e o diagnóstico é feito através de um exame de sangue, que deve ser prescrito, principalmente, quando um indivíduo vem de zonas endêmicas e apresenta os sintomas antes mencionados.
  • 12. Diagnostico e periodo de incubação:  O diagnóstico pode ser feito via exame de sangue do paciente na busca do parasita no próprio material coletado (microscopia) ou pela presença de anticorpos no soro (através de testes sorológicos)
  • 13. Tratamento:  A medicação é dada sob acompanhamento médico nos hospitais devido aos efeitos colaterais que provoca, e deve ser mantida, no mínimo, por um mês. O efeito do medicamento costuma ser satisfatório na fase aguda da doença, enquanto o parasita está circulando no sangue.
  • 14. Na fase inicial aguda, a administração de fármacos como Nifurtimox, Alopurinol e Benzonidazol curam completamente ou diminuem a probabilidade de cronicidade em mais de 80% dos casos.
  • 15. Tratamento:  Na fase crônica, não compensa utilizá-lo mais e o tratamento é direcionado às manifestações da doença a fim de controlar os sintomas e evitar as complicações.
  • 16. Ainda não há vacina para a prevenção da doença
  • 18. Cuidados de Enfermagem:  Os cuidados iniciais são de caráter educativo, passando para o paciente cuidados com a higiene principalmente oral, reeducação alimentar, incentivo ao tratamento, apoio psicológico.
  • 19. Cuidados de Enfermagem:  Na fase crônica o enfermeiro deve observar a aceitação de alimentos, queixas de dores abdominais, nauseais e vômitos, verificar sinais vitais, sempre fazendo anotações sobre cada sintoma do paciente.
  • 20. Dados Epidemiologicos:  No Brasil, o risco da transmissão correspondia a 36% do território do país, atingindo mais de 2.450 municípios, que se estendiam do Maranhão ao Rio Grande do Sul, incluindo grande parte das regiões Nordeste, Sudeste, Sul e Centro- Oeste.
  • 21. Dados Epidemiologicos:  O inquérito sorológico nacional, realizado no final da década de 70, estimou a existência de 5 milhões de brasileiros infectados pelo Trypanosoma cruzi
  • 22. Dados Epidemiológicos: Municípios com casos registrados da doença de Chagas aguda por município no período de 2000 a 2010 (Fonte: SVS/MS).
  • 23. Bibliografia:  http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe5rwAH/doenca-chagas- ebah  http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame. asp?cod_noticia=658  http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Chagas  http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Pesquisa_Saude/tela13_ 2.html
  • 24. Perguntas:  Quais são os sintomas de Chagas na fase aguda e na fase crônica?  Qual é o Agente Etiologico e o Vetor da doença?  Quais devem ser os cuidados de enfermagem na fase crônica?