SlideShare uma empresa Scribd logo
PARASITOLOGIA
Prof. Jeffferson Lima
BIOMÉDICO
Pós-graduado em Análises Clínicas e Toxicologia
 Parasitismo
Unilateralidade de benefícios;
Hospedeiro passa a constituir
o meio ecológico onde vive o
parasita;
Ocorre dependência
metabólica de grau variável;
INTRODUÇÃO
1 - IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DOS PARASITOS
- Econômica
- Sanitária
Saúde animal
Zoonoses
- Reprodutiva
- Social
- Médica
GENERALIDADE SOBRE OS PARASITOS
- Parasitos X Parasitologia
- Tipos de parasitos
internos = infecção
externos = infestação
Mecanismos de Transmissão de
Parasitoses
• Fecal – Oral (ingestão)
• Congênito
• Sexual
• Penetração ativa de larvas
• Vetorial (inoculativa e contaminativa)
6
Os Parasitas
Ciclo evolutivo
• sucessão de fases do desenvolvimento parasitário
• ciclo monoxeno (ex. Ascaris)
parasitam apenas uma ou poucas espécies muito próximas
• ciclo heteroxeno (ex. Toxoplasma)
parasitam uma ampla variedade de hospedeiros
- hospedeiro intermediário no qual o parasita se reproduz de
maneira assexuada
 fases imaturas
 ou invertebrado
- hospedeiro definitivo no qual o parasita se reproduz de
maneira sexuada.
 fases sexualmente maduras
 ou o vertebrado
PROTOZOÁRIOS E DOENÇAS
Amebíase
Aamebíaseou disenteria amebiana éuma doença de difusão mundial causada pela
Entamoeba histolytica, que seinstala principalmente no intestino grossohumano.
I) Agente Etiológico: Entamoebahistolytica
II) Transmissão
o Através da ingestão de águae alimentos contaminados com o cisto.
o Portadores assintomáticos que manipulam alimentos são os principais
disseminadores dessa doença.
III) Morfologia doparasita
Trofozoíto Cisto
Amebíase
V) Sintomas
No intestino o protozoário pode sealimentar de células epiteliais intestinais provocando
ulcerações.
Principais sintomas:
 Disenteria aguda
 Diarréia diária, asvezes sanguinolenta
 Cólicas
VI) Profilaxia
o Educação sanitária
o Saneamento básico
o Higiene pessoal
A disenteria amebiana aguda manifesta-se
com quadro disentérico agudo, melena,
cólicas abdominais, tenesmo, náuseas,
vômitos, emagrecimento e fadiga muscular.
manter sanitários limpos;
lavar as mãos antes das
refeições e após a defecação;
tratar os doentes e portadores
assintomáticos;
não usar excrementos, como
fertilizantes;
combater as moscas e baratas.
Toxoplasmose
I) Agente Etiológico: Toxoplasma gondii (Esporozoa)
Parasitaheteroxeno: Possuidois hospedeiros
 Homem: Hospedeiro intermediário
 Gatos, roedores, bovinos, suínos: sãohospedeiros; porém somente osfelinos
são oshospedeiros definitivos (reprodução sexuada).
II) Transmissão
o Através da ingestão de cistos presentes na águaou alimentos contaminados.
o Através da alimentação de carnes cruas ou mal passadaso parasita (bovinos e
suínos).
o Via congênia (da mãe para o feto)
o Transfusões sanguíneas
o Durante o aleitamento
III) Sintomas
o Empessoassadias,geralmente o próprio sistema imunológico elimina oparasita.
o Ogrande problema ocorre quando o parasita infecta o feto, pois pode ocasionar
mal formações, alterações neurológicas, problemas cardíacosou cegueira.
Toxoplasmose
III) Sintomas
o Emaidéticos ossintomas podem ser graves,como encefalite e retinite.
IV) Profilaxia
estiver ao alcancede
o Evitar aingestão de carnes cruas ou mal passadas
o Saneamento básico
o Cuidadosespeciais com caixas de areia, especialmente se
crianças
o Realização de examespré-natais para identificação de T.gondii em grávidas
Toxoplasmose Congênita
o Transmissão de mãe para feto durante a gestação (via
placenta).
o Pode ocorrer: abortamento, crescimento intra-
uterino retardado, morte fetal (morte após 20
semanas de gestação), prematuridade
(nascimento antes de 37 semanas);
o malformações diversas:
microftalmia (olhos pequenos)
microencefalia (cabeça pequena)
hidrocefalia,
retardo mental,
hepatoesplenomegalia (aumento com alteração
da função do fígado e do baço),
lesões de pele e calcificações dentro do
cérebro.
Doença de Chagas
a) Sinônimo: TripanossomíaseAmericana
b) Agente Etiológico: Trypanosoma cruzi (protozoárioflagelado)
Parasita heteroxeno ou digenético (infecta dois hospedeiros em seuciclo de vida)
c)Agente vetor(transmissor)
• Triatomainfestans
• Panstrongylus megistus
• Rhodnius prolixus
d)Hospedeiros vertebrados: Ohomem e diversos outros mamíferos (tatú, gambá,
cão, gato, morcego, etc, que constituem osreservatóriosnaturais do parasita).
e) Hospedeiros invertebrados:Barbeiros
Barbeiro
Triatoma brasiliensis
Triatoma infestans
Rhodnius prolixus
Doença de Chagas
f) Morfologia doParasita
I. FormaAmastigota
Esféricae sem flagelo.
Étípica do hospedeirovertebrado.
Habita o interior de células (macrófagos, neurônios, células musculares ecardíacas).
Éaforma que determina o aparecimento dossintomas.
II. FormaEpimastigota
Ovale alongada.
Possuiflagelo anterior ao núcleoe pequena membrana ondulante.
Étípica do hospedeiro invertebrado(barbeiro).
Habita porção intermediária do intestino nobarbeiro.
Éaforma reprodutiva e sereproduz por bipartição.
Doença de Chagas
f) Morfologia doParasita
III. FormaTripomastigota
Possui flagelo comorigemposterioraonúcleo
Éaforma infectante doTrypanosoma.
Ocorre em ambos oshospedeiros (barbeiros e vertebrados).
o Vertebrado: ocorre no plasma sanguíneo.
o Barbeiro: ocorre na região inicial e terminal do intestino (nasfezes).
g) Transmissão
Ocorre através da penetração dos tripomastigotas liberados nas fezes do triatomíneo
portador. O parasita penetra pelo ferimento cutâneo, devido a picada ou pela
mucosa ocular.
membrana ondulante
Doença de Chagas
g) Transmissão
Outras formas:
• Transfusãosanguínea: doadores de sangue infectados.
• Porvia oral (sucoscontaminados).
• Congênita: passagemdo parasita através da placenta.
• Amamentação: presença de tripomastigotas no leite (raro).
• Acidentes de laboratório.
Doença de Chagas
h) Sintomas
Faseaguda (Primeira fase)
Manifestações no local da picada
Edemabipalpebral unilateral
Maioria dos pacientes assintomáticos
Fasecrônicaassintomática
Apósafaseaguda amaioria daspessoaspermanecem assintomáticas por 10 a30
anos. Esteperíodo é denominado fase crônica latente.
o Não há manifestações dos sintomas
o Porém o parasita pode ser detectado por examessorológicos.
Sinal deromaña
Doença de Chagas
h) Sintomas
FaseCrônicasintomática.
Desenvolvimento dossintomas
o Cardiomegalia
o Megaesôfago
o Megacólon
Megaesôfago
Megacólon Cardiomegalia
Doença de Chagas
i) Profilaxia
o Educara população.
o Erradicação dascasasde pau-a-pique.
o Construir casasde alvenaria, semesconderijos para o barbeiros.
o Ocupaçãoracional do espaço geográfico.
o Combate ao triatomíneo vetor.
o Fiscalizar e analisar produtos que possamconter fezesdo barbeiro como sucos
naturais, creme de açaí,doces, etc.
Malária
a) Sinônimo: Febrepalustre, febre intermitente, maleita eimpaludismo.
b) Agentes Etiológicos
• Plasmodium vivax (Febre terçã benigna)
• Plasmodium falciparum (Febre terçã-maligna)
• Plasmodium malarieae (Febre quartã-benigna)
Parasita heteroxeno ou digenético (infecta dois hospedeiros em seuciclo de vida)
c)Agente vetor(transmissor)
• Fêmea do mosquito: Anopheles (MosquitoPrego)
d) Hospedeiros vertebrados: Ohomem e diversos outros mamíferos (principalmente
macacos) que sãoosreservatóriosnaturais do parasita).
e) Hospedeiros invertebrados: Fêmeado mosquito Anopheles.
Ospicos de febre alta, entre 39o
e 40o
coincidem com aruptura das
hemáciasinfestadas.
Malária
f) CicloEvolutivo
.
Malária
g) Sintomas
o Hepatoesplenomegalia (aumento exagerado do fígado e do baço).
o Anemia hemolítica
o Icterícia
o Febres periódicas
h) Profilaxia
Leishmaniose
I) Agente Etiológico
a) Leishmaniabrasiliensis:causadora da leishmaniose cutânea e mucocutânea
(úlcera-de-Baurú)
b) Leishmaniachagasi:causadora da leishmaniose visceral (calazar)
I) Agente Vetor
a) Fêmeado Phlebotomussp.(Europa, Ásiae África).
b) Fêmado Lutzomyiasp. (Américas)
o Obs:Asfêmas sãohematófagas e osmachos fitófagos.
o Apelido: “Mosquito Palha” ou“birigui”
o Asfêmeas depositam seusovos na terra e em meio àmatéria orgânica.
De modo geral, essas enfermidades se
dividem em leishmanioses tegumentares, que
atacam a pele e as mucosas, e viscerais (ou
calazar), que atacam os órgãos internos.
A Leishmania é transmitida ao
homem e às demais espécies de
hospedeiros vertebrados por
pequenos insetos, de cor
amarelada: os flebotomíneos.
Leishmaniose
III) Hospedeiros vertebrados
Homem
Cão- reservatório urbano
Mamíferos Silvestres (ratos, gambás,pacas,cutias, etc.) – Reservatórios naturais
IV) Morfologia doParasita
a) FormaAmastigota
Esféricae sem flagelo
Forma típica do hospedeiro vertebrado (Homem e mamíferos silvestres)
Éaforma patogênica (responsável pelo surgimento dadoença)
b) FormaPromastigota
Alongada e flagelada
Forma típica do hospedeiro invertebrado
Éaforma infectante
Leishmaniose
V) Transmissão: Ocorre durante a picada das fêmeas insetos vetores
quais injetam no hospedeiro as
dos
formas Promastigotas(flebotomíneos), as
presentes na saliva.
Leishmaniose
VI) Sintomas:
a) Leishmaniose cutânea(tegumentar)
Leishmania brasiliensis
o Lesõesna pele (tecido cutâneo e subcutâneo)
o Ferimentos na face e membros
o Destruição do septo nasal, lábio superior, palato efaringe.
• O tratamento da “ferida brava” é feito nos serviços de saúde.
• A leishmania tem cura, é só seguir o tratamento corretamente.
• Quando não tratada, ou tratada de forma incorreta, ela pode incubar,
e aparecer depois nas cartilagens (nariz, lábios, garganta, etc.), podendo
ficar como o menino ao lado.
3) Leishmaniose
VI) Sintomas:
b) Leishmaniose visceral
Leishmania chagasi
o Esplenomegalia (aumento do baço)
o Hepatomegalia (aumento do fígado)
o Anemia (devido àdestruição da medula óssea vermelha).
3) Leishmaniose
VI) Sintomas:
c)Leishmaniose canina
o Amaioria dos cãescontaminados não apresentam ossintomas da doença,
embora atuem como reservatórios.
Sintomas maiscomuns:
o Lesõesna pele (orelhas e focinho)
o Hepatoesplenomegalia
o Pêlosouriçados
o Crescimento demasiado das unhas
3) Leishmaniose
VII) Profilaxia:
a) Leishmaniose canina
o Não existe cura para o cão.Avacina existente hoje (Leishmune) sóreduz os
sintomas da doença e não promove a cura.
b) LeishmanioseHumana
pelo
o Leishmaniose cutânea (tegumentar)
o Vacina terapêutica para leishmaniose tegumentar, desenvolvida
laboratório de parasitologia da UFMGjá está em fase final de testes.
o Leishmaniose visceral: Não há vacina.
c)Prevenção:
o Tratamento dos doentes
o Combate ao inseto vetor
o Erradicação de todos oscães contaminados
o Usode coleira nos cãescontendo repelentes contra o inseto vetor
o Vigilância epidemiológica
II) Transmissão
o Através do contato sexual
o Compartilhamento de roupas íntimas
III) Ciclo Biológico
o Humano contaminado  Humanosadio
o Sópossui aformatrofozoíto
4) Tricomoníase
É uma doença sexualmente transmissível (DST)causada por um protozoário flagelado
denominado Trichomonas vaginalis.
Flagelos
I)Agente Etiológico: Trichomonas vaginalis Parasita
monoxêno: Ohomem é o único hospedeiro.
Membrana
ondulante
4) Tricomoníase
IV) Sintomas
o Homem
 Maioria assintomático
 Uretrite (inflamação da uretra)
 Ligeiro ardor ao urinar
 Corrimento claro discreto
o Mulher
 Assintomáticas (50%)
 Uretrite
 Ardor ao urinar
 Prurido e queimação (pioradas anoite com o ato sexual)
 Corrimento abundante leitoso esverdeado (muitas bactérias – mal cheiro).
4) Tricomoníase
V) Tratamento
o Hámedicamentos que eliminam o protozoário.
o Oparceiro sexual deverá sesubmeter também aotratamento.
VI) Prevenção
o Educação Sexual
o Usode preservativos
o Higiene genital
o Evitar o compartilhamento de roupas íntimas
5) Giardíase
Agiardíase é uma parasitose intestinal, também denominada giardose ou lamblíase,
causadapelo protozoário flagelado Giardia lamblia.
I) Agente Etiológico: Giardialamblia
II) Transmissão
o Ingestão de cistos maduros presentes em águae alimentos contaminados.
o Oscistos podem ser veiculados por moscasebaratas.
III) Morfologia do Parasita
Trofozoíto
Cisto
Trofozoíto
Éaforma patogênica do
parasita, responsável
pelos sintomas.
Cisto
Éaforma que permanece
latente no ambiente. Éa
forma infectante.
5) Giardíase
IV) CicloBiológico
1) Ingestão de cisto presente emágua
e alimentos contaminados.
2) Oscistos passampelo estômago onde
sãoativados.
2) Eatingem o intestino delgado,
onde sediferenciam em
trofozoítos. As formas trofozoítas
sedividem por bipartição.
4) Juntamente com asfezessaemasfor-
mascisto e trofozoíto. Oscistos perma-
necem no ambiente até retornarem ao
ciclo.
Água e alimentos
contaminados
5) Giardíase
V) Sintomas
o Ostrofozoítos habitam amucosa intestinal onde sealimentam do bolo alimentar
ingerido pelo hospedeiro.
o Astoxinas produzidas pelos parasitas, além da suamultiplicação constante destes,
promovem ainflamação do intestino e deficiência na absorção.
o Sintomas comuns:
 Diarréia aquosa
 Dores abdominais
 Má abosorção
 Vômitos
 Perdade peso
VI) Profilaxia
o Educação sanitária
o Saneamento básico
Oxiurose ou Enterobiose
• Agente: Enterobius vermicularis
• Oxiúro
• São dióicos
• Vivem no intestino grosso
• Infestação passiva – ingestão dos ovos
Formas do Parasita
ENTEROBIOSE OU OXIUROSE
 Contaminação:
 Hetero-infestação:
hospedeiro ingere ovos com
água alimentos ou mesmo
aspira-os.
 Auto-infestação externa:
transmissão direta na região
anal até a boca.
 Retro-infestação: Os ovos
eclodem na borda do anus e
as larvas migram para o
intestino.
CICLO BIOLÓGICO
ENTEROBIOSE OU OXIUROSE
 Patogenia e sintomas:
 Os vermes que se fixam no
intestino causam inflamação,
catarro intestinal, náuseas,
vômitos e cólicas abdominais,
podendo ocorrer, vertigens,
convulsões, irritabilidade, etc O
sintoma típico é prurido anal. Os
vermes também podem se
localizar no aparelho genital
feminino, causando vaginites,
ovarite.
 PRURIDO ANAL
ENTEROBIOSE OU OXIUROSE
 Profilaxia:
 Saneamento básico
 Educação sanitária
 Tratar doentes
 Lavar roupas de cama ( do hospedeiro) diariamente, ao recolher a mesma não
sacudir pois os ovos podem ser aspirados
 Cortar unhas
ESQUISTOSSOMOSE, Bilhariose Ascite ou Barriga D’
Agua
Causador: Schistosoma mansoni
HI: Caramujo Biomphalaria glabrata
HD: Homem
Ciclo: Heteroxêno
Contaminação: Penetração ativa das larvas
cercárias pela pela pele
Esquistossomose (Schistossoma mansoni)
Aloja-se nas veias do
intestino e elimina
seus ovos pelo
intestino
ESQUISTOSSOMOSE
PROFILAXIA:
 Tratamento dos afetados
 Saneamento básico
 Combate aos caramujos transmissores
 Educação sanitária
 Uso de cercaricidas tópicos
Teníase ou Solitária
Verme Platyhelminte.
Classe Cestoda.
Ausência de sistema digestório.
Hermafrodita – auto-fecundação.
Corpo constituído por segmentos (proglotes)
Cada proglote é hermafrodita
Habitat dos vermes adultos : luz do tubo digestivo de
vertebrados
Habitat das formas larvares : tecidos de vertebrados
Tênias e seus hospedeiros intermediários
 Taenia solium suínos
 Taenia saginata bovinos
Escólex de Taenia solium
Proglotes
Anéis responsáveis pela reprodução
Pode chegar até 25 metros de comprimento
Cada proglote pode conter até 80 mil ovos
Ciclo da teníase
Ovos
Cisticerco
Cisticercose
 Ingestão ou refluxo intestinal de ovos de Taenia solium
 O homem passa a ser o hospedeiro intermediário
 Cisticercos entram na corrente sangüínea e se instalam no cérebro
(Neurocisticercose)
 Pode causar lesões cerebrais e morte do hospedeiro
Ascaridíase
Características
É causada pelo verme nematóideo Ascaris
lumbricoides, popularmente chamado de
lombriga.
Verme com ciclo monogenético.
Pode parasitar quase todas as classes dos
vertebrados (peixes, anfíbios, répteis, aves e
mamíferos)
A contaminação é feita através de alimentos
com ovos de A. lumbricoides
Vermes dióicos
Macho e fêmea Macho e fêmea
Ovo
Ascaris lumbricoides
A ascaridíase é popularmente chamada
lombriga.
ANCILOSTOMÍASE OU
NECATURÍASE
DOENÇA JECA TATU
Ancylostoma duodenale
 Doença conhecida por Ancilostomose ou amarelão.
Ancilostomose ou amarelão
 verme causador :Ancylostoma duodenale ou Necator americanus
 Sintoma e infestação :
Anemia devido às hemorragias intestinais provocadas pelos vermes
produz fraqueza, desanimo e palidez
 Forma de contágio:
Penetração das larvas através da pele contaminação ativa
 Medidas de prevenção:
Construção de instalação sanitária adequada; usar calçados
CICLO BIOLÓGICO
HD: Homem (vermes adultos vivem no intestino delgado)
PROFILAXIA
 Tratamento dos doentes
 Saneamento básico
 Higiene pessoal
 Não andar descalço
Filariose ou elefantíase
 verme causador :Wuchereria bancrofti (transmitida por inseto)
 Sintoma e infestação : Inchaços, edemas causados pela obstrução de vasos
linfáticos pelo verme, com extravasamento de linfa para os tecidos
 Forma de contágio : Picadas de mosquitos do gênero Culex, que
transmitem larvas vasos linfáticos
Filária
Causam filariose, também conhecida como
elefantíase;
Transmitida por mosquitos do gênero Culex,
vivem no sistema linfático, que é um conjunto
de vasos finos que ajudam a levar os líquidos
dos tecidos de volta à circulação.
Elefantíase. Filarias (vermes) obstruem os vasos linfáticos
causando processos inflamatórios.
Ancylostoma brasiliensis bicho geográfico ou larva
migrans.
Parasita o intestino de cães e gatos e podem
penetrar nos seres humanos pela pele;
Conhecido como bicho geográfico ou larva
migrans.
Dermatite do bicho-geográfico
 verme causador :Ancylostoma brasiliensis ou Dermatite
serpiginosa
 Sintoma e infestação :Irritação e coceira na pele, com
manchas típicas , que lembram mapas, causadas por
larvas que migram pela pele
 Forma de contágio: Penetração de larvas através da pele;
que são transmitidas por fezes de cães portadores de
vermes
 Medidas de prevenção:Impedir que cães defequem em
áreas de uso humano (praias, quintais) usar calçados
“ Bicho geográfico” também
conhecido como Larva migrans,
é um verme de cães ou gatos
que infestam ocasionalmente o
ser humano.
Não adotam a forma adulta
migrando na pele.
São importantes parasitas capazes de parasitar a a maioria dos filos de animais e
plantas.
Doença Verme Hospedeiros Contágio
Ascaridíase Ascaris
lumbricoides
Homem Ingestão de água ou
alimento
contaminado por
ovos.
Amarelão ou
ancilostomíase
Ancylostoma
duodenale ou
Necator
americanus
Homem Larvas penetram
a pele
Elefantíase
(filariose)
Wuchereria
bancrofti
Homem e
mosquito Culex
Picada do
mosquito
transmite larvas
Bicho-geográfico Ancylostoma
brasiliesnis
Homem, cão Larvas penetram
a pele
Parasitologia
Parasitologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
Marcus Magarinho
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Microbiologia aula
Microbiologia  aulaMicrobiologia  aula
Microbiologia aula
renato89enfermeiro
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
Microbiologia slide
Microbiologia slideMicrobiologia slide
AULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.pptAULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.ppt
Mari Sousa
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
Rafael Serafim
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
Jean Carlos Wittaczik
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1
Elisângela Bispo
 
Virus-aula.ppt
Virus-aula.pptVirus-aula.ppt
Virus-aula.ppt
LinoReisLino
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
lucas106085
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
pablocristianodemora
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
Simone Alvarenga
 

Mais procurados (20)

Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Microbiologia aula
Microbiologia  aulaMicrobiologia  aula
Microbiologia aula
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Microbiologia slide
Microbiologia slideMicrobiologia slide
Microbiologia slide
 
AULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.pptAULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.ppt
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1Microbiologia parte 1
Microbiologia parte 1
 
Virus-aula.ppt
Virus-aula.pptVirus-aula.ppt
Virus-aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA.pptx
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
 

Semelhante a Parasitologia

Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
BethniaOliveira
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Proto
ProtoProto
Proto
Jandii
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Isabella Silva
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Isabella Silva
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
aulasdotubao
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
CristinaBrandao
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Jorge Figueirêdo
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Aula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.pptAula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.ppt
AlexAnjos11
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
JordniaMatias2
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
Iuri Fretta Wiggers
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Semelhante a Parasitologia (20)

Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Proto
ProtoProto
Proto
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Aula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.pptAula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.ppt
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 

Parasitologia

  • 2.
  • 3.  Parasitismo Unilateralidade de benefícios; Hospedeiro passa a constituir o meio ecológico onde vive o parasita; Ocorre dependência metabólica de grau variável;
  • 4. INTRODUÇÃO 1 - IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DOS PARASITOS - Econômica - Sanitária Saúde animal Zoonoses - Reprodutiva - Social - Médica GENERALIDADE SOBRE OS PARASITOS - Parasitos X Parasitologia - Tipos de parasitos internos = infecção externos = infestação
  • 5.
  • 6. Mecanismos de Transmissão de Parasitoses • Fecal – Oral (ingestão) • Congênito • Sexual • Penetração ativa de larvas • Vetorial (inoculativa e contaminativa) 6
  • 7.
  • 8. Os Parasitas Ciclo evolutivo • sucessão de fases do desenvolvimento parasitário • ciclo monoxeno (ex. Ascaris) parasitam apenas uma ou poucas espécies muito próximas • ciclo heteroxeno (ex. Toxoplasma) parasitam uma ampla variedade de hospedeiros - hospedeiro intermediário no qual o parasita se reproduz de maneira assexuada  fases imaturas  ou invertebrado - hospedeiro definitivo no qual o parasita se reproduz de maneira sexuada.  fases sexualmente maduras  ou o vertebrado
  • 10. Amebíase Aamebíaseou disenteria amebiana éuma doença de difusão mundial causada pela Entamoeba histolytica, que seinstala principalmente no intestino grossohumano. I) Agente Etiológico: Entamoebahistolytica II) Transmissão o Através da ingestão de águae alimentos contaminados com o cisto. o Portadores assintomáticos que manipulam alimentos são os principais disseminadores dessa doença. III) Morfologia doparasita Trofozoíto Cisto
  • 11.
  • 12. Amebíase V) Sintomas No intestino o protozoário pode sealimentar de células epiteliais intestinais provocando ulcerações. Principais sintomas:  Disenteria aguda  Diarréia diária, asvezes sanguinolenta  Cólicas VI) Profilaxia o Educação sanitária o Saneamento básico o Higiene pessoal
  • 13. A disenteria amebiana aguda manifesta-se com quadro disentérico agudo, melena, cólicas abdominais, tenesmo, náuseas, vômitos, emagrecimento e fadiga muscular. manter sanitários limpos; lavar as mãos antes das refeições e após a defecação; tratar os doentes e portadores assintomáticos; não usar excrementos, como fertilizantes; combater as moscas e baratas.
  • 14. Toxoplasmose I) Agente Etiológico: Toxoplasma gondii (Esporozoa) Parasitaheteroxeno: Possuidois hospedeiros  Homem: Hospedeiro intermediário  Gatos, roedores, bovinos, suínos: sãohospedeiros; porém somente osfelinos são oshospedeiros definitivos (reprodução sexuada). II) Transmissão o Através da ingestão de cistos presentes na águaou alimentos contaminados. o Através da alimentação de carnes cruas ou mal passadaso parasita (bovinos e suínos). o Via congênia (da mãe para o feto) o Transfusões sanguíneas o Durante o aleitamento III) Sintomas o Empessoassadias,geralmente o próprio sistema imunológico elimina oparasita. o Ogrande problema ocorre quando o parasita infecta o feto, pois pode ocasionar mal formações, alterações neurológicas, problemas cardíacosou cegueira.
  • 15. Toxoplasmose III) Sintomas o Emaidéticos ossintomas podem ser graves,como encefalite e retinite. IV) Profilaxia estiver ao alcancede o Evitar aingestão de carnes cruas ou mal passadas o Saneamento básico o Cuidadosespeciais com caixas de areia, especialmente se crianças o Realização de examespré-natais para identificação de T.gondii em grávidas
  • 16. Toxoplasmose Congênita o Transmissão de mãe para feto durante a gestação (via placenta). o Pode ocorrer: abortamento, crescimento intra- uterino retardado, morte fetal (morte após 20 semanas de gestação), prematuridade (nascimento antes de 37 semanas); o malformações diversas: microftalmia (olhos pequenos) microencefalia (cabeça pequena) hidrocefalia, retardo mental, hepatoesplenomegalia (aumento com alteração da função do fígado e do baço), lesões de pele e calcificações dentro do cérebro.
  • 17.
  • 18. Doença de Chagas a) Sinônimo: TripanossomíaseAmericana b) Agente Etiológico: Trypanosoma cruzi (protozoárioflagelado) Parasita heteroxeno ou digenético (infecta dois hospedeiros em seuciclo de vida) c)Agente vetor(transmissor) • Triatomainfestans • Panstrongylus megistus • Rhodnius prolixus d)Hospedeiros vertebrados: Ohomem e diversos outros mamíferos (tatú, gambá, cão, gato, morcego, etc, que constituem osreservatóriosnaturais do parasita). e) Hospedeiros invertebrados:Barbeiros Barbeiro
  • 20.
  • 21.
  • 22. Doença de Chagas f) Morfologia doParasita I. FormaAmastigota Esféricae sem flagelo. Étípica do hospedeirovertebrado. Habita o interior de células (macrófagos, neurônios, células musculares ecardíacas). Éaforma que determina o aparecimento dossintomas. II. FormaEpimastigota Ovale alongada. Possuiflagelo anterior ao núcleoe pequena membrana ondulante. Étípica do hospedeiro invertebrado(barbeiro). Habita porção intermediária do intestino nobarbeiro. Éaforma reprodutiva e sereproduz por bipartição.
  • 23. Doença de Chagas f) Morfologia doParasita III. FormaTripomastigota Possui flagelo comorigemposterioraonúcleo Éaforma infectante doTrypanosoma. Ocorre em ambos oshospedeiros (barbeiros e vertebrados). o Vertebrado: ocorre no plasma sanguíneo. o Barbeiro: ocorre na região inicial e terminal do intestino (nasfezes). g) Transmissão Ocorre através da penetração dos tripomastigotas liberados nas fezes do triatomíneo portador. O parasita penetra pelo ferimento cutâneo, devido a picada ou pela mucosa ocular. membrana ondulante
  • 24. Doença de Chagas g) Transmissão Outras formas: • Transfusãosanguínea: doadores de sangue infectados. • Porvia oral (sucoscontaminados). • Congênita: passagemdo parasita através da placenta. • Amamentação: presença de tripomastigotas no leite (raro). • Acidentes de laboratório.
  • 25. Doença de Chagas h) Sintomas Faseaguda (Primeira fase) Manifestações no local da picada Edemabipalpebral unilateral Maioria dos pacientes assintomáticos Fasecrônicaassintomática Apósafaseaguda amaioria daspessoaspermanecem assintomáticas por 10 a30 anos. Esteperíodo é denominado fase crônica latente. o Não há manifestações dos sintomas o Porém o parasita pode ser detectado por examessorológicos. Sinal deromaña
  • 26. Doença de Chagas h) Sintomas FaseCrônicasintomática. Desenvolvimento dossintomas o Cardiomegalia o Megaesôfago o Megacólon Megaesôfago Megacólon Cardiomegalia
  • 27. Doença de Chagas i) Profilaxia o Educara população. o Erradicação dascasasde pau-a-pique. o Construir casasde alvenaria, semesconderijos para o barbeiros. o Ocupaçãoracional do espaço geográfico. o Combate ao triatomíneo vetor. o Fiscalizar e analisar produtos que possamconter fezesdo barbeiro como sucos naturais, creme de açaí,doces, etc.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Malária a) Sinônimo: Febrepalustre, febre intermitente, maleita eimpaludismo. b) Agentes Etiológicos • Plasmodium vivax (Febre terçã benigna) • Plasmodium falciparum (Febre terçã-maligna) • Plasmodium malarieae (Febre quartã-benigna) Parasita heteroxeno ou digenético (infecta dois hospedeiros em seuciclo de vida) c)Agente vetor(transmissor) • Fêmea do mosquito: Anopheles (MosquitoPrego) d) Hospedeiros vertebrados: Ohomem e diversos outros mamíferos (principalmente macacos) que sãoosreservatóriosnaturais do parasita). e) Hospedeiros invertebrados: Fêmeado mosquito Anopheles.
  • 31.
  • 32. Ospicos de febre alta, entre 39o e 40o coincidem com aruptura das hemáciasinfestadas. Malária f) CicloEvolutivo .
  • 33. Malária g) Sintomas o Hepatoesplenomegalia (aumento exagerado do fígado e do baço). o Anemia hemolítica o Icterícia o Febres periódicas h) Profilaxia
  • 34. Leishmaniose I) Agente Etiológico a) Leishmaniabrasiliensis:causadora da leishmaniose cutânea e mucocutânea (úlcera-de-Baurú) b) Leishmaniachagasi:causadora da leishmaniose visceral (calazar) I) Agente Vetor a) Fêmeado Phlebotomussp.(Europa, Ásiae África). b) Fêmado Lutzomyiasp. (Américas) o Obs:Asfêmas sãohematófagas e osmachos fitófagos. o Apelido: “Mosquito Palha” ou“birigui” o Asfêmeas depositam seusovos na terra e em meio àmatéria orgânica.
  • 35. De modo geral, essas enfermidades se dividem em leishmanioses tegumentares, que atacam a pele e as mucosas, e viscerais (ou calazar), que atacam os órgãos internos. A Leishmania é transmitida ao homem e às demais espécies de hospedeiros vertebrados por pequenos insetos, de cor amarelada: os flebotomíneos.
  • 36. Leishmaniose III) Hospedeiros vertebrados Homem Cão- reservatório urbano Mamíferos Silvestres (ratos, gambás,pacas,cutias, etc.) – Reservatórios naturais IV) Morfologia doParasita a) FormaAmastigota Esféricae sem flagelo Forma típica do hospedeiro vertebrado (Homem e mamíferos silvestres) Éaforma patogênica (responsável pelo surgimento dadoença) b) FormaPromastigota Alongada e flagelada Forma típica do hospedeiro invertebrado Éaforma infectante
  • 37. Leishmaniose V) Transmissão: Ocorre durante a picada das fêmeas insetos vetores quais injetam no hospedeiro as dos formas Promastigotas(flebotomíneos), as presentes na saliva.
  • 38.
  • 39. Leishmaniose VI) Sintomas: a) Leishmaniose cutânea(tegumentar) Leishmania brasiliensis o Lesõesna pele (tecido cutâneo e subcutâneo) o Ferimentos na face e membros o Destruição do septo nasal, lábio superior, palato efaringe.
  • 40. • O tratamento da “ferida brava” é feito nos serviços de saúde. • A leishmania tem cura, é só seguir o tratamento corretamente. • Quando não tratada, ou tratada de forma incorreta, ela pode incubar, e aparecer depois nas cartilagens (nariz, lábios, garganta, etc.), podendo ficar como o menino ao lado.
  • 41. 3) Leishmaniose VI) Sintomas: b) Leishmaniose visceral Leishmania chagasi o Esplenomegalia (aumento do baço) o Hepatomegalia (aumento do fígado) o Anemia (devido àdestruição da medula óssea vermelha).
  • 42. 3) Leishmaniose VI) Sintomas: c)Leishmaniose canina o Amaioria dos cãescontaminados não apresentam ossintomas da doença, embora atuem como reservatórios. Sintomas maiscomuns: o Lesõesna pele (orelhas e focinho) o Hepatoesplenomegalia o Pêlosouriçados o Crescimento demasiado das unhas
  • 43. 3) Leishmaniose VII) Profilaxia: a) Leishmaniose canina o Não existe cura para o cão.Avacina existente hoje (Leishmune) sóreduz os sintomas da doença e não promove a cura. b) LeishmanioseHumana pelo o Leishmaniose cutânea (tegumentar) o Vacina terapêutica para leishmaniose tegumentar, desenvolvida laboratório de parasitologia da UFMGjá está em fase final de testes. o Leishmaniose visceral: Não há vacina. c)Prevenção: o Tratamento dos doentes o Combate ao inseto vetor o Erradicação de todos oscães contaminados o Usode coleira nos cãescontendo repelentes contra o inseto vetor o Vigilância epidemiológica
  • 44. II) Transmissão o Através do contato sexual o Compartilhamento de roupas íntimas III) Ciclo Biológico o Humano contaminado  Humanosadio o Sópossui aformatrofozoíto 4) Tricomoníase É uma doença sexualmente transmissível (DST)causada por um protozoário flagelado denominado Trichomonas vaginalis. Flagelos I)Agente Etiológico: Trichomonas vaginalis Parasita monoxêno: Ohomem é o único hospedeiro. Membrana ondulante
  • 45. 4) Tricomoníase IV) Sintomas o Homem  Maioria assintomático  Uretrite (inflamação da uretra)  Ligeiro ardor ao urinar  Corrimento claro discreto o Mulher  Assintomáticas (50%)  Uretrite  Ardor ao urinar  Prurido e queimação (pioradas anoite com o ato sexual)  Corrimento abundante leitoso esverdeado (muitas bactérias – mal cheiro).
  • 46. 4) Tricomoníase V) Tratamento o Hámedicamentos que eliminam o protozoário. o Oparceiro sexual deverá sesubmeter também aotratamento. VI) Prevenção o Educação Sexual o Usode preservativos o Higiene genital o Evitar o compartilhamento de roupas íntimas
  • 47. 5) Giardíase Agiardíase é uma parasitose intestinal, também denominada giardose ou lamblíase, causadapelo protozoário flagelado Giardia lamblia. I) Agente Etiológico: Giardialamblia II) Transmissão o Ingestão de cistos maduros presentes em águae alimentos contaminados. o Oscistos podem ser veiculados por moscasebaratas. III) Morfologia do Parasita Trofozoíto Cisto Trofozoíto Éaforma patogênica do parasita, responsável pelos sintomas. Cisto Éaforma que permanece latente no ambiente. Éa forma infectante.
  • 48. 5) Giardíase IV) CicloBiológico 1) Ingestão de cisto presente emágua e alimentos contaminados. 2) Oscistos passampelo estômago onde sãoativados. 2) Eatingem o intestino delgado, onde sediferenciam em trofozoítos. As formas trofozoítas sedividem por bipartição. 4) Juntamente com asfezessaemasfor- mascisto e trofozoíto. Oscistos perma- necem no ambiente até retornarem ao ciclo. Água e alimentos contaminados
  • 49. 5) Giardíase V) Sintomas o Ostrofozoítos habitam amucosa intestinal onde sealimentam do bolo alimentar ingerido pelo hospedeiro. o Astoxinas produzidas pelos parasitas, além da suamultiplicação constante destes, promovem ainflamação do intestino e deficiência na absorção. o Sintomas comuns:  Diarréia aquosa  Dores abdominais  Má abosorção  Vômitos  Perdade peso VI) Profilaxia o Educação sanitária o Saneamento básico
  • 50. Oxiurose ou Enterobiose • Agente: Enterobius vermicularis • Oxiúro • São dióicos • Vivem no intestino grosso • Infestação passiva – ingestão dos ovos
  • 52.
  • 53. ENTEROBIOSE OU OXIUROSE  Contaminação:  Hetero-infestação: hospedeiro ingere ovos com água alimentos ou mesmo aspira-os.  Auto-infestação externa: transmissão direta na região anal até a boca.  Retro-infestação: Os ovos eclodem na borda do anus e as larvas migram para o intestino.
  • 55. ENTEROBIOSE OU OXIUROSE  Patogenia e sintomas:  Os vermes que se fixam no intestino causam inflamação, catarro intestinal, náuseas, vômitos e cólicas abdominais, podendo ocorrer, vertigens, convulsões, irritabilidade, etc O sintoma típico é prurido anal. Os vermes também podem se localizar no aparelho genital feminino, causando vaginites, ovarite.  PRURIDO ANAL
  • 56. ENTEROBIOSE OU OXIUROSE  Profilaxia:  Saneamento básico  Educação sanitária  Tratar doentes  Lavar roupas de cama ( do hospedeiro) diariamente, ao recolher a mesma não sacudir pois os ovos podem ser aspirados  Cortar unhas
  • 57. ESQUISTOSSOMOSE, Bilhariose Ascite ou Barriga D’ Agua Causador: Schistosoma mansoni HI: Caramujo Biomphalaria glabrata HD: Homem Ciclo: Heteroxêno Contaminação: Penetração ativa das larvas cercárias pela pela pele
  • 58. Esquistossomose (Schistossoma mansoni) Aloja-se nas veias do intestino e elimina seus ovos pelo intestino
  • 59.
  • 60. ESQUISTOSSOMOSE PROFILAXIA:  Tratamento dos afetados  Saneamento básico  Combate aos caramujos transmissores  Educação sanitária  Uso de cercaricidas tópicos
  • 61. Teníase ou Solitária Verme Platyhelminte. Classe Cestoda. Ausência de sistema digestório. Hermafrodita – auto-fecundação. Corpo constituído por segmentos (proglotes) Cada proglote é hermafrodita Habitat dos vermes adultos : luz do tubo digestivo de vertebrados Habitat das formas larvares : tecidos de vertebrados
  • 62. Tênias e seus hospedeiros intermediários  Taenia solium suínos  Taenia saginata bovinos
  • 64. Proglotes Anéis responsáveis pela reprodução Pode chegar até 25 metros de comprimento Cada proglote pode conter até 80 mil ovos
  • 67. Cisticercose  Ingestão ou refluxo intestinal de ovos de Taenia solium  O homem passa a ser o hospedeiro intermediário  Cisticercos entram na corrente sangüínea e se instalam no cérebro (Neurocisticercose)  Pode causar lesões cerebrais e morte do hospedeiro
  • 68.
  • 69.
  • 70. Ascaridíase Características É causada pelo verme nematóideo Ascaris lumbricoides, popularmente chamado de lombriga. Verme com ciclo monogenético. Pode parasitar quase todas as classes dos vertebrados (peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos) A contaminação é feita através de alimentos com ovos de A. lumbricoides Vermes dióicos
  • 71. Macho e fêmea Macho e fêmea Ovo
  • 72. Ascaris lumbricoides A ascaridíase é popularmente chamada lombriga.
  • 73.
  • 75. Ancylostoma duodenale  Doença conhecida por Ancilostomose ou amarelão.
  • 76. Ancilostomose ou amarelão  verme causador :Ancylostoma duodenale ou Necator americanus  Sintoma e infestação : Anemia devido às hemorragias intestinais provocadas pelos vermes produz fraqueza, desanimo e palidez  Forma de contágio: Penetração das larvas através da pele contaminação ativa  Medidas de prevenção: Construção de instalação sanitária adequada; usar calçados
  • 77. CICLO BIOLÓGICO HD: Homem (vermes adultos vivem no intestino delgado)
  • 78. PROFILAXIA  Tratamento dos doentes  Saneamento básico  Higiene pessoal  Não andar descalço
  • 79. Filariose ou elefantíase  verme causador :Wuchereria bancrofti (transmitida por inseto)  Sintoma e infestação : Inchaços, edemas causados pela obstrução de vasos linfáticos pelo verme, com extravasamento de linfa para os tecidos  Forma de contágio : Picadas de mosquitos do gênero Culex, que transmitem larvas vasos linfáticos
  • 80. Filária Causam filariose, também conhecida como elefantíase; Transmitida por mosquitos do gênero Culex, vivem no sistema linfático, que é um conjunto de vasos finos que ajudam a levar os líquidos dos tecidos de volta à circulação.
  • 81.
  • 82.
  • 83.
  • 84. Elefantíase. Filarias (vermes) obstruem os vasos linfáticos causando processos inflamatórios.
  • 85. Ancylostoma brasiliensis bicho geográfico ou larva migrans. Parasita o intestino de cães e gatos e podem penetrar nos seres humanos pela pele; Conhecido como bicho geográfico ou larva migrans.
  • 86. Dermatite do bicho-geográfico  verme causador :Ancylostoma brasiliensis ou Dermatite serpiginosa  Sintoma e infestação :Irritação e coceira na pele, com manchas típicas , que lembram mapas, causadas por larvas que migram pela pele  Forma de contágio: Penetração de larvas através da pele; que são transmitidas por fezes de cães portadores de vermes  Medidas de prevenção:Impedir que cães defequem em áreas de uso humano (praias, quintais) usar calçados
  • 87. “ Bicho geográfico” também conhecido como Larva migrans, é um verme de cães ou gatos que infestam ocasionalmente o ser humano. Não adotam a forma adulta migrando na pele.
  • 88. São importantes parasitas capazes de parasitar a a maioria dos filos de animais e plantas. Doença Verme Hospedeiros Contágio Ascaridíase Ascaris lumbricoides Homem Ingestão de água ou alimento contaminado por ovos. Amarelão ou ancilostomíase Ancylostoma duodenale ou Necator americanus Homem Larvas penetram a pele Elefantíase (filariose) Wuchereria bancrofti Homem e mosquito Culex Picada do mosquito transmite larvas Bicho-geográfico Ancylostoma brasiliesnis Homem, cão Larvas penetram a pele