SlideShare uma empresa Scribd logo
DOENÇA DE CHAGAS
Tripanossomíase americana
Trypanosoma cruzi
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Doença de Chagas ou Mal de Chagas
 É também chamada Tripanossomíase americana,
 É uma infecção causada pelo protozoário flagelado chamado de
Trypanosoma cruzi.
 Sendo transmitida por insetos, conhecidos
no Brasil como barbeiros, ou ainda, chupança, fincão, bicudo,
chupão, procotó,e são pertencentes aos
gêneros: Triatoma, Rhodnius e Panstrongylus
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
 O Trypanosoma cruzi é um membro do mesmo gênero do
agente infeccioso africano da ”doença do sono” e da
mesma ordem que o agente infeccioso da leishmaniose,
mas as suas manifestações clínicas, distribuição
geográfica, ciclo de vida e de insetos vetores são bastante
diferentes.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
A doença de Chagas acomete entre 12 e 14 milhões
de pessoas em larga extensão na América Latina e
cerca de 8 milhões de pessoas no Brasil.
Principalmente população pobre que reside em
condições precárias.
É Considerada a 4º doença de maior impacto na
saúde pública do nosso país.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Carlos Chaga descobriu em 1908, o parasita no
intestino triatomíneos.
Em 1909, descreveu o primeiro caso humano,
estabelecendo a etiologia, ciclo parasitário,
identificação dos vetores, reservatórios domésticos e
silvestres, descrevendo a doença e o diagnóstico.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
 Os sintomas da doença de Chagas podem variar durante o curso
da infecção.
 A fase aguda, que dura em torno de 4 a 16 semanas,geralmente é
assintomática.
 Porém, quando surgem sintomas, estes podem variar de leves
(febre baixa, adinamia,anorexia),
 Moderados (linfoadenopatia, esplenomegalia, hepatomegalia) até
graves ( meningite e miocardite).
 Após a total reversão do quadro clínico agudo, inicia-se uma fase
totalmente assintomática
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
AGENTE ETIOLÓGICO
•A Tripanossomíase é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi,
•É caracterizado pela presença de um flagelo.
•No sangue dos vertebrados, o T.cruzi se apresenta sob a forma de tripomastigote,
que é extremamente móvel, e nos tecidos, como amastigotas.
•No tubo digestivo dos insetos vetores, ocorre um ciclo com a transformação do
parasita, dando origem as formas infectantes presentes nas fezes.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Formas infectantes:
•AMASTIGOTAS
•EPIMASTIGOTA
•TRIPOMASTIGOTA
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
M
O
R
F
O
L
O
G
I
AProfª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Forma infectante encontrada
no sangue dos vertebrados
Forma infectante encontrada
nos tecidos dos vertebrados
Forma infectante encontrada
no intestino do barbeiro
AMASTIGOTAS
•A forma amastigota é arredondada.
•Apresenta um flagelo bem reduzido.
•Núcleo relativamente grande, redondo e
excêntrico.
•Cinetoplasto em forma de bastão, situado entre
o núcleo e o flagelo.
•Forma infectante é encontrada no interior das
células de hospedeiros mamíferos infectados,
incluindo o homem, onde se multiplicam.
Cinetoplasto: é uma mitocôndria especializada, sendo muito rico em DNA Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
EPIMASTIGOTA
•A forma epimastigota é fusiforme.
•Possui o cinetoplasto em forma de bastão,
localizado próximo à bolsa flagelar, de onde
emerge o flagelo que adere ao longo da
extensão do corpo celular do parasito,
tornando-se livre na região anterior.
•Esta forma não infectante é mais
comumente encontrada no intestino do
barbeiro.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRIPOMASTIGOTA
•A forma tripomastigota é alongada e
levemente achatada.
•Apresenta cinetoplasto arredondado,
localizado na extremidade posterior do
corpo do parasito.
•As formas tripomastigotas são altamente
infectantes, podendo ser encontradas no
mamífero, no sangue e espaço intercelular)
e no inseto, na região posterior do tubo
digestório. Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
VETOR
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
VETOR
• A maioria das espécies conhecidas vive no meio silvestre,
associadas a uma diversidade de fauna e flora.
• É importante ter em mente que essas associações a habitats é
dinâmica, ou seja, uma espécie hoje considerada exclusivamente
silvestre, pode torna-se domiciliada se as condições em que vive
forem alteradas.
• Das 140 espécies de triatomíneos conhecidos, 69 foram
identificadas no Brasil e são encontradas em vários estratos
florestais, de todos os biomas.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
RESERVATÓRIO
 O reservatório é um sistema ecológico complexo formado por uma ou mais espécie,
responsável pela manutenção de um parasita na natureza.
Considera-se reservatório não mais uma espécie de animal, mas um sistema ecológico, no qual
o parasita precisa para sobreviver.
Esse sistema deve ser duradouro, abundante e incluir uma grande proporção de biomas de
mamíferos locais.
 Alguns animais silvestres, como quatis, mucuras e tatus, aproximam-se das casa,
frequentando galinheiros, currais e depósitos da zona rural e periferias de cidades.
Desse modo, essas espécies podem estar servindo como fonte de infecção aos insetos vetores
que ocupam o mesmo habitat dos humanos.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
HABITAT
Os barbeiros têm hábitos noturnos.
•Vivem em nas frestas de casas de pau-a-pique
•Ninho de pássaros.
•Cascas de troncos de arvores.
•Tocas de animais.
•Embaixo de pedras.
•Em copas das palmeiras do açaí.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
CICLO EVOLUTIVO
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO
•As formas habituais de transmissão da Doença de Chagas
para o homem são:
•A transmissão vetorial, a transmissão transfusional, a
transmissão transplacentária e, mais recentemente, a
transmissão via oral, pela ingesta de alimentos
contaminados pelo T. cruzi.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Mecanismos menos comuns de transmissão, envolvem acidentes de
laboratório, manejo de animais infectados, transplantes de órgãos sólidos e
leite materno.
O parasita só é transmitido pelo sangue, órgãos e placenta.
A maioria dos indivíduos infectados, albergam o parasita no tecido e no
sangue, durante toda a vida, o que significa que devem ser excluídos das
doações de sangue.
TRANSMISSÃO
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO VETORIAL
•Esse tipo de transmissão acontece pelo contato
do homem suscetível com as excretas
contaminadas dos triatimíneos, os barbeiros.
•Quando eles picam o vertebrado, em geral,
defecam após o raspato, eliminando formas
infectantes de tripomastigotas metacíclicos, que
penetram no orifício da picada ou por solução
deixada pelo ato de coçar.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO TRANSFUSIONAL
•A segunda via mais importante de
transmissão da Doença de Chagas nos centros
urbanos, sendo considerada a principal forma
de infecção nos países não endêmicos,
Canadá, EUA, Espanha e outros, e em países
latino-americanos que estejam em processo
de erradicação do vetor da doença.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO VERTICAL-
TRANSPLACENTÁRIA
•Pode ocorrer em qualquer fase da doença materna: aguda,
indeterminada e crônica.
•A transmissão pode ocorrer em qualquer fase da gestação, sendo
mais provável no último trimestre, ou ocorrer no canal do parto,
pelo contato das mucosas de feto com o sangue da mãe infectada.
•A transmissão congênita deve ser considerada em crianças
nascidas de mãe com sorologia positiva para T. cruzi.
•E para a confirmação do caso,é necessário identificar os parasitas
no sangue do RN ou sorologia positiva após os 06 meses de idade.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO VIA ORAL
•Esse tipo de transmissão é comum em mamíferos, no ciclo
primitivo da doença, por meio da ingesta de vetores, e de
reservatórios infectados.
•É esporádicas e circunstancial em seres humanos e ocorre
quando alimentos são contaminados como o parasita,
principalmente a partir de triatomíneos e suas dejeções.
•Sabe-se que essa contaminação pode ocorrer a partir de
formas de tripomastigotas, epimastigotas e,
provavelmente, amastigotas.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO POR LEITE MATERNO
•Em gestantes e lactantes, com
diagnóstico por infecção de T. cruzi,
recomenda-se não oferecer amamentação
no peito em virtude da possibilidade de
transmissão por meio do leite ou fissura
mamilar.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO POR ACIDENTES
LABORATORIAIS
•Acidentes de laboratórios também
podem ocorrer devido ao contato
com cultura de T. cruzi
•Exposição às fezes infectadas de
triatomíneos ou sangue contendo
formas Tripomastigotas
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
TRANSMISSÃO POR TRANSPLANTE DE
ÓRGÃOS
•A Doença de Chagas aguda pode ocorrer
após esse mecanismo de transmissão.
•Uma vez que os receptores estão
imunocomprometidos e os pacientes
infectados apresentam manifestações
clinicas da doença aguda.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
SINTOMAS-FASE AGUDA:
• Maior parte é assintomática ou
inaparente.
• Chagoma de inoculação
• Edema peri-orbital
• Sinal de Romaña
• Hiperemia
• Minigoencefalite
• Miocardite
• Cefaleia
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Sinal de Romaña:
É um edema inflamatório bipalpebral ou unilateral, associado a
conjuntivite, dacriadenite e aumento ganglionar pré-auricular, ocorre em 10
a 20% dos casos agudos de doença de Chagas
Dacriadenite : Inflamação da glândula lacrimal
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
SINTOMAS-FASE CRÔNICA
• Infecções crônicas com baixas parasitemias.
• Aumento do coração, dilatação do ventrículo,
e/ou miosite do esôfago, cólon ou intestino
delgado.
• Destruição dos gânglios é compensada com o
aumento da massa muscular, levando a
megaesôfago e megacólon.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
DIAGNÓSTICO
EXAMES PARASITOLÓGICOS
• Pesquisa a fresco do tripanossoma
• Lâmina corada de gota espessa ou esfregaço
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
DIAGNÓSTICO
EXAMES SOROLÓGICOS
• Anticorpos IgG
• Anticorpos IgM
• Hemoaglutinação
DIAGNÓSTICO MOLECULARES
• PCR- Reação em cadeia da polimerase.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
• Hemograma
• Urinálise
• Provas de função hepática
• RX
• Eletrocardiograma
EXAMES COMPLEMENTARES
TRATAMENTO
• NIFURTIMOX
• BENZONIDAZOL
• ALOPURINOL
No tratamento sintomático, pode-se
usar cardiotônicos, diuréticos,
antiarrítmicos, assim como também a
implantação de marcapasso. A doença
de Chagas não tem cura. Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
PROFILAXIA
 TRATAMENTOS DE DOENTES
 COMBATE AO TRANSMISSOR
 MELHORIA DAS HABITAÇÕES RURAIS
 PROTEÇÃO DO HOMEM SADIO
 ELIMINAÇÃO DE ANIMAIS INFECTADOS
 CONTROLE DO DOADOR DE SANGUE
 CONTROLE DA TRANSMISSÃO
 HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
CONCLUSÃO
A Doença de Chagas é uma questão de saúde pública no Brasil, que
implica na adoção e implantação de medidas adequadas para o controle da
mesma.
Os fatores de risco se associam ao fatores socioeconômicos da
população, e em nosso país, esse fato é evidenciado com os elementos
comuns, condições habitacionais, tendo no âmbito da ocorrência a zona
rural, envolvendo a população pobre, com moradias de baixa qualidade.
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153
OBRIGADA!!!
Profª Monara Bittencourt de Amorim
Bioquímica-Citologista
bittencourt.monara7@gmail.com
84 9985 8153

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Jaqueline Almeida
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
Gildo Crispim
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
fnanda
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Ediones Costa
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
Elismmelo55
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Eridan de Sousa
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
Marcos Santos
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
nynynha
 

Mais procurados (20)

Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 

Destaque

Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
certificado1
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
KROLZITA
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
ITPAC PORTO
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
3a2011
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
Sandra Tomaz
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
Sheyla Amorim
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
Cristiano Quintão
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
Aline Vargas
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
Fhellipe Nobre
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Maurício Coelho
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Lilian Souza
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
emanuel
 
Chagas3
Chagas3Chagas3
Chagas3
ramonjunor
 
Taina
TainaTaina
Taina
FABIANA
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
luzienne moraes
 
Transmissão- Trypanosoma Cruzi
Transmissão- Trypanosoma CruziTransmissão- Trypanosoma Cruzi
Transmissão- Trypanosoma Cruzi
Akira Rosso
 
Doença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasilDoença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasil
Lucas Almeida Sá
 
Aula 4 protista
Aula 4  protistaAula 4  protista
Aula 4 protista
Grupo UNIASSELVI
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
K Pavlichenko
 

Destaque (20)

Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Chagas3
Chagas3Chagas3
Chagas3
 
Taina
TainaTaina
Taina
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Transmissão- Trypanosoma Cruzi
Transmissão- Trypanosoma CruziTransmissão- Trypanosoma Cruzi
Transmissão- Trypanosoma Cruzi
 
Doença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasilDoença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasil
 
Aula 4 protista
Aula 4  protistaAula 4  protista
Aula 4 protista
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 

Semelhante a Doença de chagas

Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
Antiparasitarios
AntiparasitariosAntiparasitarios
Antiparasitarios
Monara Bittencourt
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf
7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf
7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf
marciadearaujorebelo
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
Gildo Crispim
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
Joana Darc Calado
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
Seminário malária
Seminário maláriaSeminário malária
Seminário malária
Katlin Camila Fernandes
 
Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
BethniaOliveira
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
URCA
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
Adila Trubat
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
marciadcouto
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
marciadcouto
 
Protozoologia 2
Protozoologia 2Protozoologia 2
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Guellity Marcel
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
pHrOzEn HeLL
 

Semelhante a Doença de chagas (20)

Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Antiparasitarios
AntiparasitariosAntiparasitarios
Antiparasitarios
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf
7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf
7 - Doença de Chagas - Ministério da saúde.pdf
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Seminário malária
Seminário maláriaSeminário malária
Seminário malária
 
Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...Protozooses.Reino Protista: ProtozoosesCurso Técnico: Agente Comunitário de ...
Protozooses.Reino Protista: Protozooses Curso Técnico: Agente Comunitário de ...
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Protozoologia 2
Protozoologia 2Protozoologia 2
Protozoologia 2
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
 

Mais de Monara Bittencourt

Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara BittencourtOrganelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Monara Bittencourt
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Monara Bittencourt
 
Membranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monaraMembranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monara
Monara Bittencourt
 
Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013
Monara Bittencourt
 
Histopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinarioHistopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinario
Monara Bittencourt
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
Monara Bittencourt
 

Mais de Monara Bittencourt (7)

Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara BittencourtOrganelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
Organelas citoplasmáticas Profª Monara Bittencourt
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 
Membranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monaraMembranas citoplasmáticas profª monara
Membranas citoplasmáticas profª monara
 
Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013Ciclo menstrual 2013
Ciclo menstrual 2013
 
Histopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinarioHistopatologia do tecido geniturinario
Histopatologia do tecido geniturinario
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Parasitologia l
Parasitologia lParasitologia l
Parasitologia l
 

Último

10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 

Doença de chagas

  • 1. DOENÇA DE CHAGAS Tripanossomíase americana Trypanosoma cruzi Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 2. Doença de Chagas ou Mal de Chagas  É também chamada Tripanossomíase americana,  É uma infecção causada pelo protozoário flagelado chamado de Trypanosoma cruzi.  Sendo transmitida por insetos, conhecidos no Brasil como barbeiros, ou ainda, chupança, fincão, bicudo, chupão, procotó,e são pertencentes aos gêneros: Triatoma, Rhodnius e Panstrongylus Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 3.  O Trypanosoma cruzi é um membro do mesmo gênero do agente infeccioso africano da ”doença do sono” e da mesma ordem que o agente infeccioso da leishmaniose, mas as suas manifestações clínicas, distribuição geográfica, ciclo de vida e de insetos vetores são bastante diferentes. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 4. A doença de Chagas acomete entre 12 e 14 milhões de pessoas em larga extensão na América Latina e cerca de 8 milhões de pessoas no Brasil. Principalmente população pobre que reside em condições precárias. É Considerada a 4º doença de maior impacto na saúde pública do nosso país. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 5. Carlos Chaga descobriu em 1908, o parasita no intestino triatomíneos. Em 1909, descreveu o primeiro caso humano, estabelecendo a etiologia, ciclo parasitário, identificação dos vetores, reservatórios domésticos e silvestres, descrevendo a doença e o diagnóstico. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 6.  Os sintomas da doença de Chagas podem variar durante o curso da infecção.  A fase aguda, que dura em torno de 4 a 16 semanas,geralmente é assintomática.  Porém, quando surgem sintomas, estes podem variar de leves (febre baixa, adinamia,anorexia),  Moderados (linfoadenopatia, esplenomegalia, hepatomegalia) até graves ( meningite e miocardite).  Após a total reversão do quadro clínico agudo, inicia-se uma fase totalmente assintomática Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 7. AGENTE ETIOLÓGICO •A Tripanossomíase é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, •É caracterizado pela presença de um flagelo. •No sangue dos vertebrados, o T.cruzi se apresenta sob a forma de tripomastigote, que é extremamente móvel, e nos tecidos, como amastigotas. •No tubo digestivo dos insetos vetores, ocorre um ciclo com a transformação do parasita, dando origem as formas infectantes presentes nas fezes. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 8. Formas infectantes: •AMASTIGOTAS •EPIMASTIGOTA •TRIPOMASTIGOTA Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 9. M O R F O L O G I AProfª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153 Forma infectante encontrada no sangue dos vertebrados Forma infectante encontrada nos tecidos dos vertebrados Forma infectante encontrada no intestino do barbeiro
  • 10. AMASTIGOTAS •A forma amastigota é arredondada. •Apresenta um flagelo bem reduzido. •Núcleo relativamente grande, redondo e excêntrico. •Cinetoplasto em forma de bastão, situado entre o núcleo e o flagelo. •Forma infectante é encontrada no interior das células de hospedeiros mamíferos infectados, incluindo o homem, onde se multiplicam. Cinetoplasto: é uma mitocôndria especializada, sendo muito rico em DNA Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 11. EPIMASTIGOTA •A forma epimastigota é fusiforme. •Possui o cinetoplasto em forma de bastão, localizado próximo à bolsa flagelar, de onde emerge o flagelo que adere ao longo da extensão do corpo celular do parasito, tornando-se livre na região anterior. •Esta forma não infectante é mais comumente encontrada no intestino do barbeiro. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 12. TRIPOMASTIGOTA •A forma tripomastigota é alongada e levemente achatada. •Apresenta cinetoplasto arredondado, localizado na extremidade posterior do corpo do parasito. •As formas tripomastigotas são altamente infectantes, podendo ser encontradas no mamífero, no sangue e espaço intercelular) e no inseto, na região posterior do tubo digestório. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 13. VETOR Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 14. VETOR • A maioria das espécies conhecidas vive no meio silvestre, associadas a uma diversidade de fauna e flora. • É importante ter em mente que essas associações a habitats é dinâmica, ou seja, uma espécie hoje considerada exclusivamente silvestre, pode torna-se domiciliada se as condições em que vive forem alteradas. • Das 140 espécies de triatomíneos conhecidos, 69 foram identificadas no Brasil e são encontradas em vários estratos florestais, de todos os biomas. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 15. RESERVATÓRIO  O reservatório é um sistema ecológico complexo formado por uma ou mais espécie, responsável pela manutenção de um parasita na natureza. Considera-se reservatório não mais uma espécie de animal, mas um sistema ecológico, no qual o parasita precisa para sobreviver. Esse sistema deve ser duradouro, abundante e incluir uma grande proporção de biomas de mamíferos locais.  Alguns animais silvestres, como quatis, mucuras e tatus, aproximam-se das casa, frequentando galinheiros, currais e depósitos da zona rural e periferias de cidades. Desse modo, essas espécies podem estar servindo como fonte de infecção aos insetos vetores que ocupam o mesmo habitat dos humanos. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 16. HABITAT Os barbeiros têm hábitos noturnos. •Vivem em nas frestas de casas de pau-a-pique •Ninho de pássaros. •Cascas de troncos de arvores. •Tocas de animais. •Embaixo de pedras. •Em copas das palmeiras do açaí. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 17. CICLO EVOLUTIVO Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 18. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 19. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 20. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153 Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 21. TRANSMISSÃO •As formas habituais de transmissão da Doença de Chagas para o homem são: •A transmissão vetorial, a transmissão transfusional, a transmissão transplacentária e, mais recentemente, a transmissão via oral, pela ingesta de alimentos contaminados pelo T. cruzi. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 22. Mecanismos menos comuns de transmissão, envolvem acidentes de laboratório, manejo de animais infectados, transplantes de órgãos sólidos e leite materno. O parasita só é transmitido pelo sangue, órgãos e placenta. A maioria dos indivíduos infectados, albergam o parasita no tecido e no sangue, durante toda a vida, o que significa que devem ser excluídos das doações de sangue. TRANSMISSÃO Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 23. TRANSMISSÃO VETORIAL •Esse tipo de transmissão acontece pelo contato do homem suscetível com as excretas contaminadas dos triatimíneos, os barbeiros. •Quando eles picam o vertebrado, em geral, defecam após o raspato, eliminando formas infectantes de tripomastigotas metacíclicos, que penetram no orifício da picada ou por solução deixada pelo ato de coçar. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 24. TRANSMISSÃO TRANSFUSIONAL •A segunda via mais importante de transmissão da Doença de Chagas nos centros urbanos, sendo considerada a principal forma de infecção nos países não endêmicos, Canadá, EUA, Espanha e outros, e em países latino-americanos que estejam em processo de erradicação do vetor da doença. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 25. TRANSMISSÃO VERTICAL- TRANSPLACENTÁRIA •Pode ocorrer em qualquer fase da doença materna: aguda, indeterminada e crônica. •A transmissão pode ocorrer em qualquer fase da gestação, sendo mais provável no último trimestre, ou ocorrer no canal do parto, pelo contato das mucosas de feto com o sangue da mãe infectada. •A transmissão congênita deve ser considerada em crianças nascidas de mãe com sorologia positiva para T. cruzi. •E para a confirmação do caso,é necessário identificar os parasitas no sangue do RN ou sorologia positiva após os 06 meses de idade. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 26. TRANSMISSÃO VIA ORAL •Esse tipo de transmissão é comum em mamíferos, no ciclo primitivo da doença, por meio da ingesta de vetores, e de reservatórios infectados. •É esporádicas e circunstancial em seres humanos e ocorre quando alimentos são contaminados como o parasita, principalmente a partir de triatomíneos e suas dejeções. •Sabe-se que essa contaminação pode ocorrer a partir de formas de tripomastigotas, epimastigotas e, provavelmente, amastigotas. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 27.
  • 28. TRANSMISSÃO POR LEITE MATERNO •Em gestantes e lactantes, com diagnóstico por infecção de T. cruzi, recomenda-se não oferecer amamentação no peito em virtude da possibilidade de transmissão por meio do leite ou fissura mamilar. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 29. TRANSMISSÃO POR ACIDENTES LABORATORIAIS •Acidentes de laboratórios também podem ocorrer devido ao contato com cultura de T. cruzi •Exposição às fezes infectadas de triatomíneos ou sangue contendo formas Tripomastigotas Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 30. TRANSMISSÃO POR TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS •A Doença de Chagas aguda pode ocorrer após esse mecanismo de transmissão. •Uma vez que os receptores estão imunocomprometidos e os pacientes infectados apresentam manifestações clinicas da doença aguda. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 31. SINTOMAS-FASE AGUDA: • Maior parte é assintomática ou inaparente. • Chagoma de inoculação • Edema peri-orbital • Sinal de Romaña • Hiperemia • Minigoencefalite • Miocardite • Cefaleia Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 32. Sinal de Romaña: É um edema inflamatório bipalpebral ou unilateral, associado a conjuntivite, dacriadenite e aumento ganglionar pré-auricular, ocorre em 10 a 20% dos casos agudos de doença de Chagas Dacriadenite : Inflamação da glândula lacrimal Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 33. SINTOMAS-FASE CRÔNICA • Infecções crônicas com baixas parasitemias. • Aumento do coração, dilatação do ventrículo, e/ou miosite do esôfago, cólon ou intestino delgado. • Destruição dos gânglios é compensada com o aumento da massa muscular, levando a megaesôfago e megacólon. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 34. DIAGNÓSTICO EXAMES PARASITOLÓGICOS • Pesquisa a fresco do tripanossoma • Lâmina corada de gota espessa ou esfregaço Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 35. DIAGNÓSTICO EXAMES SOROLÓGICOS • Anticorpos IgG • Anticorpos IgM • Hemoaglutinação DIAGNÓSTICO MOLECULARES • PCR- Reação em cadeia da polimerase. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153 • Hemograma • Urinálise • Provas de função hepática • RX • Eletrocardiograma EXAMES COMPLEMENTARES
  • 36. TRATAMENTO • NIFURTIMOX • BENZONIDAZOL • ALOPURINOL No tratamento sintomático, pode-se usar cardiotônicos, diuréticos, antiarrítmicos, assim como também a implantação de marcapasso. A doença de Chagas não tem cura. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 37. PROFILAXIA  TRATAMENTOS DE DOENTES  COMBATE AO TRANSMISSOR  MELHORIA DAS HABITAÇÕES RURAIS  PROTEÇÃO DO HOMEM SADIO  ELIMINAÇÃO DE ANIMAIS INFECTADOS  CONTROLE DO DOADOR DE SANGUE  CONTROLE DA TRANSMISSÃO  HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 38. CONCLUSÃO A Doença de Chagas é uma questão de saúde pública no Brasil, que implica na adoção e implantação de medidas adequadas para o controle da mesma. Os fatores de risco se associam ao fatores socioeconômicos da população, e em nosso país, esse fato é evidenciado com os elementos comuns, condições habitacionais, tendo no âmbito da ocorrência a zona rural, envolvendo a população pobre, com moradias de baixa qualidade. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 39. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 40. Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153
  • 41. OBRIGADA!!! Profª Monara Bittencourt de Amorim Bioquímica-Citologista bittencourt.monara7@gmail.com 84 9985 8153