SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
1549 a 1930 Primórdios da Didática:
Compreendendo o papel da disciplina antes da sua inclusão nos cursos de formação de professores a nível superior
Vamos falar de uma didática histórica brasileira.  Entre 1549 e 1759, a sociedade era de economia agrário-exportadora e dependente, explorada pela Metrópole e a educação não tinha valor social importante. Contudo, nesse período colonial os jesuítas eram os principais educadores e sua função educativa era voltada para a catequese e instrução dos índios.
“ A ação sobre os índios se resume na cristianização e na pacificação, tornando-os dóceis para o trabalho”.  (Maria Lúcia Aranha, 1996).
Segundo Aranha, existiam duas formas de educação: a dos catequizados e a dos instruídos. Na primeira, a didática se resumia a compreensão do português; para os filhos dos colonos, os jesuítas criaram três cursos: letras humanas, filosofia e teologia. Os jesuítas utilizavam o “Ratio Studiorum” que enfocava instrumentos e regras metodológicas em que o mestre prescrevia o método de estudo, a matéria e o horário. As aulas eram ministradas, de forma expositiva e repetitiva, visando à assimilação e estimulando a competição. O “Ratio Studiorum” foi a primeira compilação de regras de estudo para normatizar o trabalho desenvolvido nos colégios jesuítas, em 1599, descrevendo procedimentos para a elaboração de planos, programas e métodos de estudo, delimitando tempos e espaços de trabalho e de convivência.
A ação pedagógica jesuítica abalizada pelas formas dogmáticas de pensamento contra o pensamento crítico, privilegiava o exercício da memória e o desenvolvimento do raciocínio. Essa didática vai imprimir profundas marcas na cultura brasileira, pois dessa forma não se poderia pensar em uma prática pedagógica e muito menos em uma Didática que buscasse uma perspectiva transformadora na educação. Vale salientar que, após o movimento pedagógico dos jesuítas, não existiu nenhum outro movimento de força modificativa na educação.
Com a criação de uma nova organização instituída por Pombal, provocou-se um retrocesso no processo pedagógico. Nessa ação pombalina, professores leigos começaram a ser admitidos para as  “ aulas régias”.  Em 1870 com a expansão cafeeira e a modificação de um modelo econômico agrário-exportador para urbano-comercial-exportador, o Brasil inicia seu período de “iluminismo”. No ano de 1890, é aprovada a reforma de Benjamin Constant sob a influência do positivismo. No âmbito educacional, o ensino religioso nas escolas públicas é extinto e o Estado assume a laicidade e a escola passa a difundir uma visão burguesa com a intenção de garantir a consolidação da burguesia industrial como classe dominante. Nesse período, a Didática visa garantir aos futuros educadores orientações necessárias ao trabalho docente. A atividade docente é compreendida de forma autônoma face à política, dissociada das questões entre escola e sociedade fragmentando teoria da prática.
A partir de 1930 Surgimento da Didática nos cursos de formação de professores
Durante a revolução de 30, em meio às transformações sociais - políticas e econômicas sofridas pela sociedade brasileira, o âmbito educacional passa por profundas mudanças. A primeira delas é a constituída por Vargas na criação do Ministério de Educação e Saúde Pública organizando o ensino comercial, adotando o regime universitário e implantando a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, que surge como o primeiro instituto de ensino superior que funcionava de acordo com o modelo Francisco Campos.  Essa modificação sofrida pela sociedade brasileira, em decorrência da crise mundial da economia capitalista, dá origem à Didática como disciplina dos cursos de formação de professores a nível superior. Segundo o art. 20 do Decreto-Lei nº 1190/39, a Didática passa a ser reconhecida como curso e disciplina, com duração de um ano, acentuando seu caráter prático-teórico do processo ensino-aprendizagem.
1945 a 1960 Predomínio das novas idéias e a Didática
Momento de aceleração e diversificação do processo de substituição de importações e à penetração do capital estrangeiro na economia brasileira. Nesse contexto, o Decreto-Lei nº 9053 desobrigava o curso de Didática sob a vigilância da Lei Diretrizes e Bases, Lei 4024/61, o esquema de três mais um foi extinto pelo Parecer nº 242/62, do Conselho Federal de Educação. A Didática perdeu seus qualificativos geral e especial e introduziu-se a Prática de Ensino sob a forma de estágio supervisionado.  Nesse mesmo período, é celebrado um convênio entre o MEC/Governo de Minas Gerais – Missão de Operações dos Estados Unidos criou-se o PABAEE (Programa Americano Brasileiro de Auxílio ao Ensino Elementar), voltado para o aprimoramento dos professores do Curso Normal. Tal fato marca início de uma tecnologia educacional importada dos Estados Unidos de caráter multiplicador. Em decorrência disso, a Didática passa a desconsiderar o contexto político-social no processo de ensino, acentuando um enfoque renovador tecnicista.
Período Pós 1964  Os descaminhos da Didática
Instalou-se no país um movimento que alteraria a ideologia política, modificando através de um projeto desenvolvimentista que objetivava acelerar o crescimento socioeconômico do país, mudando a forma de governo e conseqüentemente a educação, que passa a contribuir com tal projeto na preparação adequada de recursos humanos (mão de -obra) necessários para o crescimento econômico e tecnológico da sociedade.
Esse movimento é tratado como marco histórico, pois a Pedagogia Nova entra em crise e suas articulações passam a ser assumidas pelo grupo militar e tecnocrata. A partir daí, essa pedagogia embasa-se na neutralidade científica inspirando-se nos princípios da racionalidade, eficiência e Didática produtividade. Então, instalou-se na escola a divisão de trabalho sob a justificativa de produtividade.  O acordo feito entre o MEC/USAID marcou o sistema educacional, sustentando as reformas do ensino superior e do ensino médio. Além disso, pelas influências dos professores americanos, foi implantada a disciplina “Currículos e Programas”, pelo Parecer 252/69 e Resolução nº 2/69, do Conselho Federal de Educação, nos cursos de Pedagogia, provocando a superposição de conteúdos da nova disciplina com a Didática.
A Pedagogia Tecnicista enfoca o papel da Didática no desenvolvimento de uma alternativa não psicológica, trazendo uma perspectiva ingênua de neutralidade científica, tendo como preocupação básica a eficácia e a eficiência do processo de ensino. Logo, os conteúdos dos cursos de Didática passam a centrar-se na organização racional do processo de ensino, no planejamento didático formal e na elaboração de materiais instrucionais, nos livros didáticos descartáveis, o professor torna-se mero executor de objetivos instrucionais, de estratégias de ensino e de avaliação, desvinculando a teoria da prática. Vê-se então, neste período, a Didática assumindo um discurso reprodutivista. Diante disso, a Didática é questionada e surgem movimentos reivindicando sua revisão apontando-a a novos rumos.
A década de 80  Momento atual da Didática
A situação socioeconômica do Brasil nesta época passava por problemas como: a alta elevação da inflação e desemprego, agravando a situação com o crescimento da dívida externa e pela política recessionária. Instala-se uma Nova República e o governo civil da Aliança Democrática finda a ditadura militar conservando, ainda, alguns aspectos desse regime.  Os professores se empenham para reconquistar os direitos e deveres de participarem na definição da política educacional. Ao mesmo tempo, fora realizado a I Conferência Brasileira de Educação, marco importante na história da educação brasileira, pois constituiu um espaço para se discutir e disseminar a concepção crítica da educação.
A Didática assume a função de clarificar o papel sociopolítico da educação, da escola e do ensino. Seus pressupostos enfocam uma Pedagogia Crítica que trabalha no sentido de ir além dos métodos e técnicas, procurando associar escola-sociedade, teoria-prática, conteúdo-forma, técnico-político, ensino-pesquisa e professor-aluno. Em seu âmbito pedagógico, passa a auxiliar no processo de politização do futuro professor despertando-o quanto à ideologia que inspira a natureza do conhecimento. Assim, a Didática crítica supera o intelectualismo formal do enfoque tradicional e recupera seus prestígios no âmbito educacional.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Didática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson RodriguesDidática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson RodriguesPoliana Tavares
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxGlacemi Loch
 
Didatica e formação do professor parte1
Didatica e formação do professor parte1Didatica e formação do professor parte1
Didatica e formação do professor parte1Naysa Taboada
 
"Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas""Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas"Cléo Lima
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democráticaguestba32bfa
 
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxCap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxDouglasRicardodeAssi
 
Tendências pedagogicas parte i
Tendências pedagogicas   parte iTendências pedagogicas   parte i
Tendências pedagogicas parte iappfoz
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteKelly da Silva
 
Biografia - Paulo Freire
Biografia - Paulo FreireBiografia - Paulo Freire
Biografia - Paulo FreireCamila Silva
 
Vida, obra e contribuição de paulo freire para a educação
Vida, obra e contribuição de paulo freire para a educaçãoVida, obra e contribuição de paulo freire para a educação
Vida, obra e contribuição de paulo freire para a educaçãoCosmeDamioPeixoto
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraEdneide Lima
 
Escola nova
Escola novaEscola nova
Escola novaBete2011
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativasShirley Lauria
 

Mais procurados (20)

A Escola Nova
A Escola Nova A Escola Nova
A Escola Nova
 
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson RodriguesDidática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptx
 
Didatica e formação do professor parte1
Didatica e formação do professor parte1Didatica e formação do professor parte1
Didatica e formação do professor parte1
 
"Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas""Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas"
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxCap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
 
Didática geral aula 1
Didática geral aula 1Didática geral aula 1
Didática geral aula 1
 
Metodo Paulo Freire slides
Metodo Paulo Freire slidesMetodo Paulo Freire slides
Metodo Paulo Freire slides
 
Tendências pedagogicas parte i
Tendências pedagogicas   parte iTendências pedagogicas   parte i
Tendências pedagogicas parte i
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
 
Biografia - Paulo Freire
Biografia - Paulo FreireBiografia - Paulo Freire
Biografia - Paulo Freire
 
Pcns.
Pcns.Pcns.
Pcns.
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
Vida, obra e contribuição de paulo freire para a educação
Vida, obra e contribuição de paulo freire para a educaçãoVida, obra e contribuição de paulo freire para a educação
Vida, obra e contribuição de paulo freire para a educação
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
Trajetória histórica da didática
Trajetória histórica da didáticaTrajetória histórica da didática
Trajetória histórica da didática
 
Escola nova
Escola novaEscola nova
Escola nova
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
 

Destaque

Como surgiu a didática
Como surgiu a didáticaComo surgiu a didática
Como surgiu a didáticaKarina Mareci
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresAna Paula Azevedo
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorna educação
 
Didática
DidáticaDidática
Didáticagadea
 
Didática evolução histórica
Didática   evolução históricaDidática   evolução histórica
Didática evolução históricaGerdian Teixeira
 
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕESDIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕESValdeci Correia
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Thaís Boch
 
Didática: Diversas Concepções
Didática: Diversas ConcepçõesDidática: Diversas Concepções
Didática: Diversas Concepçõesmonnavasconcelos
 
Apostila de Didática II
Apostila de Didática IIApostila de Didática II
Apostila de Didática IIDiego Ventura
 
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no BrasilHistória das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no BrasilUlisses Vakirtzis
 
Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III
 Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III
Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao IIIDanilo Ladeia
 

Destaque (20)

Como surgiu a didática
Como surgiu a didáticaComo surgiu a didática
Como surgiu a didática
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Didática evolução histórica
Didática   evolução históricaDidática   evolução histórica
Didática evolução histórica
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
 
Didatica
DidaticaDidatica
Didatica
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide de didática
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
 
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕESDIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
DIDÁTICA - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.
 
Didática: Diversas Concepções
Didática: Diversas ConcepçõesDidática: Diversas Concepções
Didática: Diversas Concepções
 
Apostila de Didática II
Apostila de Didática IIApostila de Didática II
Apostila de Didática II
 
Apostila aula didatica
Apostila aula didaticaApostila aula didatica
Apostila aula didatica
 
apostila de didática
apostila de didáticaapostila de didática
apostila de didática
 
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no BrasilHistória das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
 
DidáTica Volume 1 2 e 3
DidáTica   Volume 1 2 e 3DidáTica   Volume 1 2 e 3
DidáTica Volume 1 2 e 3
 
Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III
 Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III
Linha do Tempo Educação no Brasil / LDB do Título I ao III
 

Semelhante a Didática De 1549 Ate Atualidade

Didaticode1549ateatualidade
Didaticode1549ateatualidadeDidaticode1549ateatualidade
Didaticode1549ateatualidadeFBRodrigues
 
Didática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva históricaDidática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva históricaJosé Barros
 
Didática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva históricaDidática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva históricaJosé Barros
 
Apase suplem pedag_outubro
Apase suplem pedag_outubroApase suplem pedag_outubro
Apase suplem pedag_outubroMarina R Cesana
 
Trajetória do pedagogo
Trajetória do pedagogo Trajetória do pedagogo
Trajetória do pedagogo Igor13Reis
 
Digiorgi e yoshie qualidade da escola
Digiorgi  e yoshie   qualidade da escolaDigiorgi  e yoshie   qualidade da escola
Digiorgi e yoshie qualidade da escolaThaís Gomes
 
Formação de professores e profissão docente p
Formação de professores e profissão docente  pFormação de professores e profissão docente  p
Formação de professores e profissão docente pQueite Lima
 
Currículo referência história 6º ao 9º ano
Currículo referência história 6º ao 9º anoCurrículo referência história 6º ao 9º ano
Currículo referência história 6º ao 9º anotecnicossme
 
Gestão do currículo por competência artigo março de 2012
Gestão do currículo por competência   artigo março de 2012Gestão do currículo por competência   artigo março de 2012
Gestão do currículo por competência artigo março de 2012George Júnior Soares Dantas
 
Formação de Professores - Nóvoa
Formação de Professores -  NóvoaFormação de Professores -  Nóvoa
Formação de Professores - NóvoaMariana Correia
 
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)LEONARDO RODRIGUES DA SILVA
 
A educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditadura
A educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditaduraA educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditadura
A educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditaduraTaciani Karina
 
Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)
Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)
Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)slucarz
 
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António NóvoaRESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António NóvoaThaynã Guedes
 
Caderno pacto 1 - Sua vinculação com o pacto
Caderno pacto 1 - Sua vinculação com o pactoCaderno pacto 1 - Sua vinculação com o pacto
Caderno pacto 1 - Sua vinculação com o pactopactoensinomedioufu
 
Direcionamentos 05.04 1 resumo prova
Direcionamentos 05.04 1 resumo provaDirecionamentos 05.04 1 resumo prova
Direcionamentos 05.04 1 resumo provaFernando da Silva
 
A evolução das ciências na escola
A evolução das ciências na escolaA evolução das ciências na escola
A evolução das ciências na escolaAlessandro Werneck
 

Semelhante a Didática De 1549 Ate Atualidade (20)

Didaticode1549ateatualidade
Didaticode1549ateatualidadeDidaticode1549ateatualidade
Didaticode1549ateatualidade
 
Didática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva históricaDidática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva histórica
 
Didática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva históricaDidática uma retrospectiva histórica
Didática uma retrospectiva histórica
 
Didatica
DidaticaDidatica
Didatica
 
Apase suplem pedag_outubro
Apase suplem pedag_outubroApase suplem pedag_outubro
Apase suplem pedag_outubro
 
Trajetória do pedagogo
Trajetória do pedagogo Trajetória do pedagogo
Trajetória do pedagogo
 
Digiorgi e yoshie qualidade da escola
Digiorgi  e yoshie   qualidade da escolaDigiorgi  e yoshie   qualidade da escola
Digiorgi e yoshie qualidade da escola
 
Formação de professores e profissão docente p
Formação de professores e profissão docente  pFormação de professores e profissão docente  p
Formação de professores e profissão docente p
 
Currículo referência história 6º ao 9º ano
Currículo referência história 6º ao 9º anoCurrículo referência história 6º ao 9º ano
Currículo referência história 6º ao 9º ano
 
Gestão do currículo por competência artigo março de 2012
Gestão do currículo por competência   artigo março de 2012Gestão do currículo por competência   artigo março de 2012
Gestão do currículo por competência artigo março de 2012
 
Formação de Professores - Nóvoa
Formação de Professores -  NóvoaFormação de Professores -  Nóvoa
Formação de Professores - Nóvoa
 
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
 
5 didatica
5 didatica5 didatica
5 didatica
 
A educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditadura
A educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditaduraA educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditadura
A educação brasielira comtemporanea como reflexo dos anos de ditadura
 
Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)
Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)
Conhecer para ensinar ensinando para conhecer (1)
 
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António NóvoaRESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
 
Revista historia
Revista historiaRevista historia
Revista historia
 
Caderno pacto 1 - Sua vinculação com o pacto
Caderno pacto 1 - Sua vinculação com o pactoCaderno pacto 1 - Sua vinculação com o pacto
Caderno pacto 1 - Sua vinculação com o pacto
 
Direcionamentos 05.04 1 resumo prova
Direcionamentos 05.04 1 resumo provaDirecionamentos 05.04 1 resumo prova
Direcionamentos 05.04 1 resumo prova
 
A evolução das ciências na escola
A evolução das ciências na escolaA evolução das ciências na escola
A evolução das ciências na escola
 

Mais de Julio Siqueira

Mais de Julio Siqueira (20)

Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Apartheid
ApartheidApartheid
Apartheid
 
Ocupação ALEP
Ocupação ALEPOcupação ALEP
Ocupação ALEP
 
Respostas diferentes
Respostas diferentesRespostas diferentes
Respostas diferentes
 
Exército feminino chinês
Exército feminino chinêsExército feminino chinês
Exército feminino chinês
 
Pagode na Ásia
Pagode na ÁsiaPagode na Ásia
Pagode na Ásia
 
Biscoito tectônico
Biscoito tectônicoBiscoito tectônico
Biscoito tectônico
 
Tatuagens geográficas
Tatuagens geográficasTatuagens geográficas
Tatuagens geográficas
 
Tatuagens de mapa
Tatuagens de mapaTatuagens de mapa
Tatuagens de mapa
 
Carandiru
CarandiruCarandiru
Carandiru
 
Margaret Thatcher
Margaret ThatcherMargaret Thatcher
Margaret Thatcher
 
Estado nação - país - território - etnia - raça
Estado   nação - país - território - etnia - raçaEstado   nação - país - território - etnia - raça
Estado nação - país - território - etnia - raça
 
Beto richa
Beto richaBeto richa
Beto richa
 
Casa Venda
Casa VendaCasa Venda
Casa Venda
 
Tipos de Projeções
Tipos de ProjeçõesTipos de Projeções
Tipos de Projeções
 
Movimentos da Terra - Translação
Movimentos da Terra - TranslaçãoMovimentos da Terra - Translação
Movimentos da Terra - Translação
 
Como fazer uma rosa dos ventos
Como fazer  uma rosa dos ventosComo fazer  uma rosa dos ventos
Como fazer uma rosa dos ventos
 
Os nove pecados satânicos
Os nove pecados satânicosOs nove pecados satânicos
Os nove pecados satânicos
 
Forno Fogao Solar
Forno Fogao SolarForno Fogao Solar
Forno Fogao Solar
 
Israel X Palestina.
Israel X Palestina.Israel X Palestina.
Israel X Palestina.
 

Didática De 1549 Ate Atualidade

  • 1. 1549 a 1930 Primórdios da Didática:
  • 2. Compreendendo o papel da disciplina antes da sua inclusão nos cursos de formação de professores a nível superior
  • 3. Vamos falar de uma didática histórica brasileira. Entre 1549 e 1759, a sociedade era de economia agrário-exportadora e dependente, explorada pela Metrópole e a educação não tinha valor social importante. Contudo, nesse período colonial os jesuítas eram os principais educadores e sua função educativa era voltada para a catequese e instrução dos índios.
  • 4. “ A ação sobre os índios se resume na cristianização e na pacificação, tornando-os dóceis para o trabalho”. (Maria Lúcia Aranha, 1996).
  • 5. Segundo Aranha, existiam duas formas de educação: a dos catequizados e a dos instruídos. Na primeira, a didática se resumia a compreensão do português; para os filhos dos colonos, os jesuítas criaram três cursos: letras humanas, filosofia e teologia. Os jesuítas utilizavam o “Ratio Studiorum” que enfocava instrumentos e regras metodológicas em que o mestre prescrevia o método de estudo, a matéria e o horário. As aulas eram ministradas, de forma expositiva e repetitiva, visando à assimilação e estimulando a competição. O “Ratio Studiorum” foi a primeira compilação de regras de estudo para normatizar o trabalho desenvolvido nos colégios jesuítas, em 1599, descrevendo procedimentos para a elaboração de planos, programas e métodos de estudo, delimitando tempos e espaços de trabalho e de convivência.
  • 6. A ação pedagógica jesuítica abalizada pelas formas dogmáticas de pensamento contra o pensamento crítico, privilegiava o exercício da memória e o desenvolvimento do raciocínio. Essa didática vai imprimir profundas marcas na cultura brasileira, pois dessa forma não se poderia pensar em uma prática pedagógica e muito menos em uma Didática que buscasse uma perspectiva transformadora na educação. Vale salientar que, após o movimento pedagógico dos jesuítas, não existiu nenhum outro movimento de força modificativa na educação.
  • 7. Com a criação de uma nova organização instituída por Pombal, provocou-se um retrocesso no processo pedagógico. Nessa ação pombalina, professores leigos começaram a ser admitidos para as “ aulas régias”. Em 1870 com a expansão cafeeira e a modificação de um modelo econômico agrário-exportador para urbano-comercial-exportador, o Brasil inicia seu período de “iluminismo”. No ano de 1890, é aprovada a reforma de Benjamin Constant sob a influência do positivismo. No âmbito educacional, o ensino religioso nas escolas públicas é extinto e o Estado assume a laicidade e a escola passa a difundir uma visão burguesa com a intenção de garantir a consolidação da burguesia industrial como classe dominante. Nesse período, a Didática visa garantir aos futuros educadores orientações necessárias ao trabalho docente. A atividade docente é compreendida de forma autônoma face à política, dissociada das questões entre escola e sociedade fragmentando teoria da prática.
  • 8. A partir de 1930 Surgimento da Didática nos cursos de formação de professores
  • 9. Durante a revolução de 30, em meio às transformações sociais - políticas e econômicas sofridas pela sociedade brasileira, o âmbito educacional passa por profundas mudanças. A primeira delas é a constituída por Vargas na criação do Ministério de Educação e Saúde Pública organizando o ensino comercial, adotando o regime universitário e implantando a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, que surge como o primeiro instituto de ensino superior que funcionava de acordo com o modelo Francisco Campos. Essa modificação sofrida pela sociedade brasileira, em decorrência da crise mundial da economia capitalista, dá origem à Didática como disciplina dos cursos de formação de professores a nível superior. Segundo o art. 20 do Decreto-Lei nº 1190/39, a Didática passa a ser reconhecida como curso e disciplina, com duração de um ano, acentuando seu caráter prático-teórico do processo ensino-aprendizagem.
  • 10. 1945 a 1960 Predomínio das novas idéias e a Didática
  • 11. Momento de aceleração e diversificação do processo de substituição de importações e à penetração do capital estrangeiro na economia brasileira. Nesse contexto, o Decreto-Lei nº 9053 desobrigava o curso de Didática sob a vigilância da Lei Diretrizes e Bases, Lei 4024/61, o esquema de três mais um foi extinto pelo Parecer nº 242/62, do Conselho Federal de Educação. A Didática perdeu seus qualificativos geral e especial e introduziu-se a Prática de Ensino sob a forma de estágio supervisionado. Nesse mesmo período, é celebrado um convênio entre o MEC/Governo de Minas Gerais – Missão de Operações dos Estados Unidos criou-se o PABAEE (Programa Americano Brasileiro de Auxílio ao Ensino Elementar), voltado para o aprimoramento dos professores do Curso Normal. Tal fato marca início de uma tecnologia educacional importada dos Estados Unidos de caráter multiplicador. Em decorrência disso, a Didática passa a desconsiderar o contexto político-social no processo de ensino, acentuando um enfoque renovador tecnicista.
  • 12. Período Pós 1964 Os descaminhos da Didática
  • 13. Instalou-se no país um movimento que alteraria a ideologia política, modificando através de um projeto desenvolvimentista que objetivava acelerar o crescimento socioeconômico do país, mudando a forma de governo e conseqüentemente a educação, que passa a contribuir com tal projeto na preparação adequada de recursos humanos (mão de -obra) necessários para o crescimento econômico e tecnológico da sociedade.
  • 14. Esse movimento é tratado como marco histórico, pois a Pedagogia Nova entra em crise e suas articulações passam a ser assumidas pelo grupo militar e tecnocrata. A partir daí, essa pedagogia embasa-se na neutralidade científica inspirando-se nos princípios da racionalidade, eficiência e Didática produtividade. Então, instalou-se na escola a divisão de trabalho sob a justificativa de produtividade. O acordo feito entre o MEC/USAID marcou o sistema educacional, sustentando as reformas do ensino superior e do ensino médio. Além disso, pelas influências dos professores americanos, foi implantada a disciplina “Currículos e Programas”, pelo Parecer 252/69 e Resolução nº 2/69, do Conselho Federal de Educação, nos cursos de Pedagogia, provocando a superposição de conteúdos da nova disciplina com a Didática.
  • 15. A Pedagogia Tecnicista enfoca o papel da Didática no desenvolvimento de uma alternativa não psicológica, trazendo uma perspectiva ingênua de neutralidade científica, tendo como preocupação básica a eficácia e a eficiência do processo de ensino. Logo, os conteúdos dos cursos de Didática passam a centrar-se na organização racional do processo de ensino, no planejamento didático formal e na elaboração de materiais instrucionais, nos livros didáticos descartáveis, o professor torna-se mero executor de objetivos instrucionais, de estratégias de ensino e de avaliação, desvinculando a teoria da prática. Vê-se então, neste período, a Didática assumindo um discurso reprodutivista. Diante disso, a Didática é questionada e surgem movimentos reivindicando sua revisão apontando-a a novos rumos.
  • 16. A década de 80 Momento atual da Didática
  • 17. A situação socioeconômica do Brasil nesta época passava por problemas como: a alta elevação da inflação e desemprego, agravando a situação com o crescimento da dívida externa e pela política recessionária. Instala-se uma Nova República e o governo civil da Aliança Democrática finda a ditadura militar conservando, ainda, alguns aspectos desse regime. Os professores se empenham para reconquistar os direitos e deveres de participarem na definição da política educacional. Ao mesmo tempo, fora realizado a I Conferência Brasileira de Educação, marco importante na história da educação brasileira, pois constituiu um espaço para se discutir e disseminar a concepção crítica da educação.
  • 18. A Didática assume a função de clarificar o papel sociopolítico da educação, da escola e do ensino. Seus pressupostos enfocam uma Pedagogia Crítica que trabalha no sentido de ir além dos métodos e técnicas, procurando associar escola-sociedade, teoria-prática, conteúdo-forma, técnico-político, ensino-pesquisa e professor-aluno. Em seu âmbito pedagógico, passa a auxiliar no processo de politização do futuro professor despertando-o quanto à ideologia que inspira a natureza do conhecimento. Assim, a Didática crítica supera o intelectualismo formal do enfoque tradicional e recupera seus prestígios no âmbito educacional.