SlideShare uma empresa Scribd logo
DECISÃO DA EMPRESA EM
MERCADOS COMPETITIVOS
 Identificar e entender os fatores que estão por trás da
curva de oferta dos mercados em concorrência perfeita.
OBJETIVO GERAL
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Caracterizar o mercado em concorrência perfeita.
 Identificar e explicar as medidas de receita de uma empresa
em mercado em concorrência perfeita.
 Identificar a situação de maximização de lucro das firmas em
mercado competitivo.
 Explicar a decisão de saída da firma no curto e longo prazos.
 Situação da estrutura de custo e oferta empresa competitiva
no curto e no longo prazos.
CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO EM CONCORRÊNCIA
PERFEITA
 Um mercado extremamente concorrencial ou em
concorrência perfeita seria caracterizado por:
 Muitos ou milhares de compradores;
 Muitos ou milhares de vendedores;
 Os bens ofertados são essencialmente iguais e não é
possível a diferenciação de produtos.
 Não existem barreiras significativas à entrada ou saída de
empresas. Ou seja, empresas podem entrar ou sair do
mercado com facilidade.
CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO EM CONCORRÊNCIA
PERFEITA
 Como consequência destas características estruturais
dos mercados em concorrência perfeita temos que:
 Nenhum vendedor consegue por meio de suas ações
influenciar os preços.
 Nenhum comprador consegue por meio de suas ações
influenciar os preços.
 Assim cada indivíduo deste mercado, seja vendedor ou
comprador, deve aceitar os preços definidos pelo mercado.
Por isso, são chamados de “tomadores de preços”.
MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA
PERFEITA
 Receita total da firma seria dada pelo total produzido e
vendido vezes o preço de venda, neste caso o preço de
mercado. Podemos expressar a receita total pela
formula:
MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA
PERFEITA
 A receita média da firma é dada pela divisão da receita
total da firma pela quantidade produzida e vendida.
Sendo identificado pela seguinte formula:
 Ela representa o montante de receita obtido por unidade de
produto padrão vendido.
 Resolvendo a equação para RT = PxQ, temos:
 Assim, em mercados de concorrência perfeita a receita
média é igual ao preço de mercado.
 Receita marginal é a variação na receita total decorrente
da venda de uma unidade adicional de produto. Sendo
dado pela formula abaixo:
 Em empresas em mercados de concorrência perfeita, a
receita marginal será igual ao preço de mercado do
bem.
MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA
PERFEITA
MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA
PERFEITA
 Exemplo:
Quantidade
(Q)
Preço
(P)
Receita Total
(RT=PxQ)
Receita Média
(RMe=RT/Q)
Receita Marginal
(RMg=ΔRT/ΔQ)
0 R$ 5,00 R$ 00,00 - -
1 R$ 5,00 R$ 05,00 R$ 5,00 R$ 5,00
2 R$ 5,00 R$ 10,00 R$ 5,00 R$ 5,00
3 R$ 5,00 R$ 15,00 R$ 5,00 R$ 5,00
4 R$ 5,00 R$ 20,00 R$ 5,00 R$ 5,00
5 R$ 5,00 R$ 25,00 R$ 5,00 R$ 5,00
6 R$ 5,00 R$ 30,00 R$ 5,00 R$ 5,00
7 R$ 5,00 R$ 35,00 R$ 5,00 R$ 5,00
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA
 A decisão da quantidade produzida que maximiza o
lucro da firma pode ser obtida comparando a receita
marginal e o custo marginal de cada unidade produzida.
 Isso é possível dado que a ΔLucro = RMg – CMg, assim:
 Se RMg > CMg, temos que a próxima unidade produzida
gerará aumento no lucro (variação positiva no lucro).
 Se RMg < CMg, temos que a próxima unidade produzida
gerará diminuição no lucro (variação negativa no lucro).
 Se RMg = CMg, temos que a próxima unidade produzida não
gerará variação no lucro.
 Com isso, temos que o ponto em que RMg=CMg, é o
ponto em que o lucro é maximizado.
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA
 Gráfico da decisão da firma – Ponto aquém do máximo
lucro
Receita
e
Custos
Quantidade
Preço Preço=RMe=RMg
CMg
CMe
CVMe
QMÁX
Para pontos a esquerda de
“QMÁX” temos que a receita
marginal é maior que o custo
marginal. Assim é interessante
aumentar “Q” até “QMÁX” para
aumentar o lucro.
Q
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA
 Gráfico da decisão da firma – Ponto além do máximo
lucro
Receita
e
Custos
Quantidade
Preço Preço=RMe=RMg
CMg
CMe
CVMe
QMÁX
Para pontos a direita de “QMÁX”
temos que a receita marginal é
menor que o custo marginal.
Assim é interessante diminuir
“Q” até “QMÁX” para aumentar o
lucro.
Q
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA
 Gráfico da decisão da firma – Ponto de Máximo Lucro
Receita
e
Custos
Quantidade
Preço Preço=RMe=RMg
CMg
CMe
CVMe
QMÁX
A firma maximiza o seu lucro
produzindo na quantidade onde
o custo marginal iguala a receita
marginal.
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA
 Gráfico da decisão da firma – Curva de Oferta
Receita
e
Custos
Quantidade
CMg
CMe
CVMe
Q1
A parte da curva de custo
marginal situada acima da curva
de custo médio é também a
curva de oferta da firma.
P1
P2
P3
Q2 Q3
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO OU MINIMIZAÇÃO DE
PREJUÍZO, E SUA MEDIÇÃO.
 Situação de Lucro Econômico Positivo e sua medição
Receita
e
Custos
Quantidade
Preço Preço=RMe=RMg
CMg
CMe
CVMe
QMÁX
Se o ponto ótimo de produção e venda (RMg=CMg) estiver acima
da curva de CMe teremos Lucro Econômico Positivo.
O Lucro Médio por unidade é a diferença entre o Preço e o CMe; e
o Lucro Total é Lucro por unidade vezes a quantidade vendida.
Lucro médio por unidadeLucro Econômico Total
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO OU MINIMIZAÇÃO DE
PREJUÍZO, E SUA MEDIÇÃO.
 Situação de Lucro Econômico Zero e sua medição
Receita
e
Custos
Quantidade
Preço Preço=RMe=RMg
CMg
CMe
CVMe
QMÁX
Se o ponto ótimo de produção e venda (RMg=CMg) estiver
sobre a curva de CMe teremos Lucro Econômico Zero.
Isto ocorre porque o Preço (Rme) é igual ao CMe.
Lucro Econômico Zero
MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO OU MINIMIZAÇÃO DE
PREJUÍZO, E SUA MEDIÇÃO.
 Situação de Lucro Econômico Negativo (Prejuízo) e sua
medição
Receita
e
Custos
Quantidade
Preço Preço=RMe=RMg
CMg
CMe
CVMe
QMÁX
Se o ponto ótimo de produção e venda (RMg=CMg) estiver abaixo da
curva de CMe teremos Lucro Econômico Negativo.
O Prejuízo Médio por unidade é a diferença entre o Preço e o CMe; e o
Prejuizo Total é Prejuízo por unidade vezes a quantidade vendida.
Prejuízo médio por unidadePrejuízo Econômico Total
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
CARACTERIZAÇÃO
 Quando a empresa em concorrência perfeita enfrenta
prejuízo (o preço de mercado é menor que o custo
médio) a empresa enfrenta as decisões de continuar a
operar em prejuízo, suspender as atividades
brevemente ou sair definitivamente do mercado.
 Sendo que:
 Suspender as atividades significa não produzir nada durante
um período específico de tempo devido a condições
adversas de mercado no curto prazo.
 Saída definitiva refere-se a uma decisão de longo prazo de
deixar o mercado.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES NO CURTO PRAZO
 A firma leva em consideração os custos irrecuperáveis
quando está para decidir se sai do mercado, mas os
ignora quando está decidindo se paralisa a produção
temporariamente.
 Custos irrecuperáveis são aqueles custos que já foram
despendidos e não podem ser recuperados.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES NO CURTO PRAZO
 Com isso, firma paralisará a produção no curto prazo se
a receita que obtém com a venda de seus produtos é
menor que o custo variável de produção; ou seja,
quando:
 Assim, a porção da curva de CMg que está acima da
curva de CVMe é a curva de oferta de curto prazo da
firma em um mercado de concorrência perfeita.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES NO CURTO PRAZO
 Gráfico da decisão da firma – Suspensão de Atividades
Receita
e
Custos
Quantidade
CMg
CMe
CVMe
A preços entre 0 e P1 as
atividades devem ser paralisadas.
A preços entre P1 e P2 as
atividades apresentam prejuízo,
mas devem ser mantidas.
P1
P2
0
Paralisação
Operar em Prejuízo
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
SAÍDA DO MERCADO NO LONGO PRAZO
 No longo prazo, a firma sairá do mercado se a receita
obtida com a venda de seus produtos é menor que os
seus custos totais.Ou seja, quando:
 No longo Prazo, a firma entrará no mercado se a receita
obtida com a venda de seus produtos é maior que os
seus custos totais.Ou seja, quando:
 A curva da oferta de longo prazo da firma em
concorrência perfeita é a porção da curva do custo
marginal acima do custo médio.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
SAÍDA DO MERCADO NO LONGO PRAZO
 Gráfico da decisão da firma – Sair ou não do mercado
Receita
e
Custos
Quantidade
CMg
CMe
CVMe
A preços entre 0 e P1 a empresa
deve sair do mercado no longo
prazo
Se o preço for maior que P1 a
empresa deve permanecer ou
entrar no mercado.
P1
0
Sair do Mercado
Entrar no Mercado
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
OFERTA DA EMPRESA NO CURTO PRAZO
 Como no curto prazo mudanças estruturais não são
fáceis ou até mesmo impossíveis podemos considerar
que não há entrada ou saída imediata de firmas.
 Assim, teríamos no curto prazo um número fixo de
empresas para formar a oferta de produtos.
 Para cada preço dado, cada firma suprirá uma
quantidade onde o seu custo marginal seja igual ao
preço.
 A curva da oferta do mercado refletirá a soma das
curvas de custo marginal de cada firma
individualmente.
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
OFERTA DA EMPRESA NO CURTO PRAZO
 Gráfico da decisão da firma – Curva de Oferta no Curto Prazo
Preço
Quant.
CMg
CMe
CVMe
Q1
P1
P2
P3
Q2 Q3
Preço
Quant.
Oferta
Q1’
P1
P2
P3
Q2 ’ Q3 ’
Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado
Observação: Q1’, Q2’ e Q3’ são a soma das quantidades produzidas por
cada uma das empresas integrantes do mercado.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO
 No longo prazo mudanças estruturais passam a ser
possíveis então firmas entrarão e/ou sairão do mercado
até que o lucro seja levado a zero.
 Como resultado no longo prazo, o preço de mercado
será sempre igual ao custo total médio mínimo.
 E com isso, a curva de oferta de mercado de longo
prazo é horizontal e igual ao nível de preços.
 Ou seja, ao preço de mercado qualquer quantidade
demandada será ofertada.
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO
 Gráfico da decisão da firma – Curva de Oferta no Curto Prazo
Preço
Quant.
CMg
CMe
CVMe
Q1
P1
Preço
Quant.
OfertaP1
Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO
 Ao final do processo de entrada e saída, as firmas
remanescentes no mercado estarão obtendo lucro
econômico igual a zero.
 O processo de entrada e saída só terminará quando o
preço e o custo total médio forem iguais.
 Equilíbrios de longo prazo necessitam que as empresas
estejam operando nas suas escalas eficientes.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO
 Motivações para as empresas permanecem no mercado
mesmo com lucro econômico zero:
 A empresa aceita obter lucro econômico zero por que o
custo total inclui todos os custos de oportunidade da firma.
 Incluindo custos que não representam desembolso.
 Na situação de lucro econômico zero a empresa esta
pagando todos os custos contábeis (desembolso) e esta
obtendo o lucro contábil mínimo para aceitar o negócio
como viável ou válido.
 Ou seja, as receitas das empresas compensam os donos das firmas
pelo tempo e dinheiro que gastam para manter as firmas operando.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: EFEITOS
DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO
LONGO PRAZO)
 Um mercado inicialmente em equilíbrio de longo prazo
terá empresas obtendo lucro econômico zero e
empresas externas não terão interesse de entrar neste
mercado.
 Com um aumento da demanda de mercado teríamos
um aumento do preço e quantidade de equilíbrio no
curto prazo.
 Com isso as firmas passariam a ter lucro econômico
positivo, pois o preço está acima do custo total médio;
e este mercado passaria a ser mais atraente.
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: EFEITOS
DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO
LONGO PRAZO)
 Como este mercado esta apresentando lucro econômico
positivo, varias empresas passarão a entrar neste
mercado gerando um aumento da oferta de mercado.
 Com o aumento de oferta, o preço passaria a se reduzir
diminuindo o nível de atratividade do mercado.
 No longo prazo, oferta de mercado aumentaria até o
ponto em que o lucro econômico se torne zero e não
exista mais empresas interessadas em entrar no
mercado.
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO
PRAZO AO LONGO PRAZO)
 Gráfico da decisão da firma – Situação Inicial
Preço
Quant.
CMg
CMe
CVMe
Q1
P1
Preço
Quant.
OfertaLPP1
Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado
OfertaCP1
DemandaCP1
E1
Q1’
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO
PRAZO AO LONGO PRAZO)
 Gráfico da decisão da firma – Equilíbrio no Curto Prazo
Preço
Quant.
CMg
CMe
CVMe
Q1
P1
Preço
Quant.
OfertaLPP1
Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado
OfertaCP1
DemandaCP1
E1
Q1’
DemandaCP2
E2
Q2’
P2 P2
Lucro Econômico Positivo
Q2
DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA:
EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO
PRAZO AO LONGO PRAZO)
 Gráfico da decisão da firma – Equilíbrio no Longo Prazo
Preço
Quant.
CMg
CMe
CVMe
Q1
P1
Preço
Quant.
OfertaLPP1
Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado
OfertaCP1
DemandaCP1
E1
Q1’
DemandaCP2
E2
Q2’
P2 P2
Q2
OfertaCP2
Q3’
DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO:
MERCADOS COM CURVA DE OFERTA ASCENDENTE NO LONGO
PRAZO
 Alguns mercados com estruturação específica podem ter
curva de oferta de longo prazo ascendente ao invés da curva
de oferta horizontal.
 Isto pode ocorrer basicamente por dois motivos:
 Alguns insumos utilizados na produção podem estar disponíveis
apenas em quantidades limitadas.
 Ex: Mercados agrícolas, Mercados com insumos exauríveis, etc..
 As firmas podem apresentar diferentes estruturas de custos.
 Estes mercados apresentariam tanto empresas com lucro econômico
positivo como empresas com lucro econômico zero simultaneamente.
 As empresas com lucro econômico zero sairiam do mercado se os preços
caíssem, e são chamadas de empresas marginais.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo:
Cengage Learning, 2009. 838 pg.
 VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e Macro, Atlas,
2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Economia industrial monopólio
Economia industrial monopólioEconomia industrial monopólio
Economia industrial monopólio
Juliane Borchers
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
UsuarioManeiro
 
Ec2ad_a05
Ec2ad_a05Ec2ad_a05
Ec2ad_a05
Angelo Yasui
 
Fundamentos da teoria do consumidor1
Fundamentos da teoria do consumidor1Fundamentos da teoria do consumidor1
Fundamentos da teoria do consumidor1
Hélen Scalabrin
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
José Cruz
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
amattos76
 
Efeito substituição e efeito renda
Efeito substituição e efeito rendaEfeito substituição e efeito renda
Efeito substituição e efeito renda
Universidade Pedagogica
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
anatasse
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Felipe Leo
 
Aula 10 concorrência monopolística
Aula 10   concorrência monopolísticaAula 10   concorrência monopolística
Aula 10 concorrência monopolística
petecoslides
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Estruturas de mercado
Estruturas de mercadoEstruturas de mercado
Estruturas de mercado
Universidade Pedagogica
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
amattos76
 
Teoria da firma
Teoria da firmaTeoria da firma
Teoria da firma
Sebastião Ribeiro
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
Lídia Aguiar
 
Mercados de concorrência perfeita 1
Mercados de concorrência perfeita 1Mercados de concorrência perfeita 1
Mercados de concorrência perfeita 1
turmainformaticadegestao
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
Jenny Fortes
 

Mais procurados (20)

Economia industrial monopólio
Economia industrial monopólioEconomia industrial monopólio
Economia industrial monopólio
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
 
Ec2ad_a05
Ec2ad_a05Ec2ad_a05
Ec2ad_a05
 
Fundamentos da teoria do consumidor1
Fundamentos da teoria do consumidor1Fundamentos da teoria do consumidor1
Fundamentos da teoria do consumidor1
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
 
Efeito substituição e efeito renda
Efeito substituição e efeito rendaEfeito substituição e efeito renda
Efeito substituição e efeito renda
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
 
Aula 10 concorrência monopolística
Aula 10   concorrência monopolísticaAula 10   concorrência monopolística
Aula 10 concorrência monopolística
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Estruturas de mercado
Estruturas de mercadoEstruturas de mercado
Estruturas de mercado
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
 
Teoria da firma
Teoria da firmaTeoria da firma
Teoria da firma
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
 
Mercados de concorrência perfeita 1
Mercados de concorrência perfeita 1Mercados de concorrência perfeita 1
Mercados de concorrência perfeita 1
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
 

Destaque

Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 

Destaque (14)

Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 

Semelhante a Decisão da empresa em mercados competitivos

Cap14.pdf
Cap14.pdfCap14.pdf
Cap14.pdf
Elsa Silva
 
Cap14 - empresas em mercados competititvos.pdf
Cap14 - empresas em mercados competititvos.pdfCap14 - empresas em mercados competititvos.pdf
Cap14 - empresas em mercados competititvos.pdf
MairaLuizaSpanholi
 
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Instrutores CGL
 
Ponto de equilíbrio
Ponto de equilíbrioPonto de equilíbrio
Ponto de equilíbrio
ritims
 
Economia 1 __aula_11___18_03_2014
Economia 1 __aula_11___18_03_2014Economia 1 __aula_11___18_03_2014
Economia 1 __aula_11___18_03_2014
Marcelo da Mata
 
Rendimentos à escala
Rendimentos à escalaRendimentos à escala
Rendimentos à escala
Micaela Jardim
 
Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]
CENORF
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
Roberty Pires Teixeira
 
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de VendaPalestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
ADVB
 
Aula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preço
Aula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preçoAula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preço
Aula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preço
KatiaVianadeSouza
 
28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia
28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia
28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia
Vitor Carvalho
 
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptxCAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
NeheSantos
 
Aula 07 empresas em mercados competitivos
Aula 07   empresas em mercados competitivosAula 07   empresas em mercados competitivos
Aula 07 empresas em mercados competitivos
petecoslides
 
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
UWU Solutions, Lda.
 
Resumo p1 economia mariusa
Resumo p1  economia   mariusaResumo p1  economia   mariusa
Resumo p1 economia mariusa
Naiara Costa
 
Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com
Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.comTeoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com
Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com
Claudio Parra
 
Entendendo custos
Entendendo custosEntendendo custos
Entendendo custos
Will Morimoto
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
MestredaContabilidade
 
Papo de produção #5: Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...
Papo de produção #5:  Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...Papo de produção #5:  Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...
Papo de produção #5: Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...
Nomus Software Industrial
 
Facturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptx
Facturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptxFacturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptx
Facturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptx
adao18
 

Semelhante a Decisão da empresa em mercados competitivos (20)

Cap14.pdf
Cap14.pdfCap14.pdf
Cap14.pdf
 
Cap14 - empresas em mercados competititvos.pdf
Cap14 - empresas em mercados competititvos.pdfCap14 - empresas em mercados competititvos.pdf
Cap14 - empresas em mercados competititvos.pdf
 
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
 
Ponto de equilíbrio
Ponto de equilíbrioPonto de equilíbrio
Ponto de equilíbrio
 
Economia 1 __aula_11___18_03_2014
Economia 1 __aula_11___18_03_2014Economia 1 __aula_11___18_03_2014
Economia 1 __aula_11___18_03_2014
 
Rendimentos à escala
Rendimentos à escalaRendimentos à escala
Rendimentos à escala
 
Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
 
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de VendaPalestra Pricing - Formação do Preço de Venda
Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda
 
Aula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preço
Aula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preçoAula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preço
Aula 7 [Salvo automaticamente].ppt formação de preço
 
28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia
28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia
28106966 aulas-de-fundamentos-de-economia
 
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptxCAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
 
Aula 07 empresas em mercados competitivos
Aula 07   empresas em mercados competitivosAula 07   empresas em mercados competitivos
Aula 07 empresas em mercados competitivos
 
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
 
Resumo p1 economia mariusa
Resumo p1  economia   mariusaResumo p1  economia   mariusa
Resumo p1 economia mariusa
 
Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com
Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.comTeoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com
Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com
 
Entendendo custos
Entendendo custosEntendendo custos
Entendendo custos
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
 
Papo de produção #5: Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...
Papo de produção #5:  Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...Papo de produção #5:  Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...
Papo de produção #5: Como formar o preço de venda de um produto e maximizar ...
 
Facturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptx
Facturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptxFacturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptx
Facturação Bruta, Lucro Bruto e Análise Swot - Maria.pptx
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
Luciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (11)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 

Decisão da empresa em mercados competitivos

  • 1. DECISÃO DA EMPRESA EM MERCADOS COMPETITIVOS
  • 2.  Identificar e entender os fatores que estão por trás da curva de oferta dos mercados em concorrência perfeita. OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Caracterizar o mercado em concorrência perfeita.  Identificar e explicar as medidas de receita de uma empresa em mercado em concorrência perfeita.  Identificar a situação de maximização de lucro das firmas em mercado competitivo.  Explicar a decisão de saída da firma no curto e longo prazos.  Situação da estrutura de custo e oferta empresa competitiva no curto e no longo prazos.
  • 3. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO EM CONCORRÊNCIA PERFEITA  Um mercado extremamente concorrencial ou em concorrência perfeita seria caracterizado por:  Muitos ou milhares de compradores;  Muitos ou milhares de vendedores;  Os bens ofertados são essencialmente iguais e não é possível a diferenciação de produtos.  Não existem barreiras significativas à entrada ou saída de empresas. Ou seja, empresas podem entrar ou sair do mercado com facilidade.
  • 4. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO EM CONCORRÊNCIA PERFEITA  Como consequência destas características estruturais dos mercados em concorrência perfeita temos que:  Nenhum vendedor consegue por meio de suas ações influenciar os preços.  Nenhum comprador consegue por meio de suas ações influenciar os preços.  Assim cada indivíduo deste mercado, seja vendedor ou comprador, deve aceitar os preços definidos pelo mercado. Por isso, são chamados de “tomadores de preços”.
  • 5. MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA  Receita total da firma seria dada pelo total produzido e vendido vezes o preço de venda, neste caso o preço de mercado. Podemos expressar a receita total pela formula:
  • 6. MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA  A receita média da firma é dada pela divisão da receita total da firma pela quantidade produzida e vendida. Sendo identificado pela seguinte formula:  Ela representa o montante de receita obtido por unidade de produto padrão vendido.  Resolvendo a equação para RT = PxQ, temos:  Assim, em mercados de concorrência perfeita a receita média é igual ao preço de mercado.
  • 7.  Receita marginal é a variação na receita total decorrente da venda de uma unidade adicional de produto. Sendo dado pela formula abaixo:  Em empresas em mercados de concorrência perfeita, a receita marginal será igual ao preço de mercado do bem. MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA
  • 8. MEDIDAS DE RECEITA DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA  Exemplo: Quantidade (Q) Preço (P) Receita Total (RT=PxQ) Receita Média (RMe=RT/Q) Receita Marginal (RMg=ΔRT/ΔQ) 0 R$ 5,00 R$ 00,00 - - 1 R$ 5,00 R$ 05,00 R$ 5,00 R$ 5,00 2 R$ 5,00 R$ 10,00 R$ 5,00 R$ 5,00 3 R$ 5,00 R$ 15,00 R$ 5,00 R$ 5,00 4 R$ 5,00 R$ 20,00 R$ 5,00 R$ 5,00 5 R$ 5,00 R$ 25,00 R$ 5,00 R$ 5,00 6 R$ 5,00 R$ 30,00 R$ 5,00 R$ 5,00 7 R$ 5,00 R$ 35,00 R$ 5,00 R$ 5,00
  • 9. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA  A decisão da quantidade produzida que maximiza o lucro da firma pode ser obtida comparando a receita marginal e o custo marginal de cada unidade produzida.  Isso é possível dado que a ΔLucro = RMg – CMg, assim:  Se RMg > CMg, temos que a próxima unidade produzida gerará aumento no lucro (variação positiva no lucro).  Se RMg < CMg, temos que a próxima unidade produzida gerará diminuição no lucro (variação negativa no lucro).  Se RMg = CMg, temos que a próxima unidade produzida não gerará variação no lucro.  Com isso, temos que o ponto em que RMg=CMg, é o ponto em que o lucro é maximizado.
  • 10. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA  Gráfico da decisão da firma – Ponto aquém do máximo lucro Receita e Custos Quantidade Preço Preço=RMe=RMg CMg CMe CVMe QMÁX Para pontos a esquerda de “QMÁX” temos que a receita marginal é maior que o custo marginal. Assim é interessante aumentar “Q” até “QMÁX” para aumentar o lucro. Q
  • 11. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA  Gráfico da decisão da firma – Ponto além do máximo lucro Receita e Custos Quantidade Preço Preço=RMe=RMg CMg CMe CVMe QMÁX Para pontos a direita de “QMÁX” temos que a receita marginal é menor que o custo marginal. Assim é interessante diminuir “Q” até “QMÁX” para aumentar o lucro. Q
  • 12. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA  Gráfico da decisão da firma – Ponto de Máximo Lucro Receita e Custos Quantidade Preço Preço=RMe=RMg CMg CMe CVMe QMÁX A firma maximiza o seu lucro produzindo na quantidade onde o custo marginal iguala a receita marginal.
  • 13. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO E CURVA DE OFERTA  Gráfico da decisão da firma – Curva de Oferta Receita e Custos Quantidade CMg CMe CVMe Q1 A parte da curva de custo marginal situada acima da curva de custo médio é também a curva de oferta da firma. P1 P2 P3 Q2 Q3
  • 14. MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO OU MINIMIZAÇÃO DE PREJUÍZO, E SUA MEDIÇÃO.  Situação de Lucro Econômico Positivo e sua medição Receita e Custos Quantidade Preço Preço=RMe=RMg CMg CMe CVMe QMÁX Se o ponto ótimo de produção e venda (RMg=CMg) estiver acima da curva de CMe teremos Lucro Econômico Positivo. O Lucro Médio por unidade é a diferença entre o Preço e o CMe; e o Lucro Total é Lucro por unidade vezes a quantidade vendida. Lucro médio por unidadeLucro Econômico Total
  • 15. MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO OU MINIMIZAÇÃO DE PREJUÍZO, E SUA MEDIÇÃO.  Situação de Lucro Econômico Zero e sua medição Receita e Custos Quantidade Preço Preço=RMe=RMg CMg CMe CVMe QMÁX Se o ponto ótimo de produção e venda (RMg=CMg) estiver sobre a curva de CMe teremos Lucro Econômico Zero. Isto ocorre porque o Preço (Rme) é igual ao CMe. Lucro Econômico Zero
  • 16. MAXIMIZAÇÃO DE LUCRO OU MINIMIZAÇÃO DE PREJUÍZO, E SUA MEDIÇÃO.  Situação de Lucro Econômico Negativo (Prejuízo) e sua medição Receita e Custos Quantidade Preço Preço=RMe=RMg CMg CMe CVMe QMÁX Se o ponto ótimo de produção e venda (RMg=CMg) estiver abaixo da curva de CMe teremos Lucro Econômico Negativo. O Prejuízo Médio por unidade é a diferença entre o Preço e o CMe; e o Prejuizo Total é Prejuízo por unidade vezes a quantidade vendida. Prejuízo médio por unidadePrejuízo Econômico Total
  • 17. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: CARACTERIZAÇÃO  Quando a empresa em concorrência perfeita enfrenta prejuízo (o preço de mercado é menor que o custo médio) a empresa enfrenta as decisões de continuar a operar em prejuízo, suspender as atividades brevemente ou sair definitivamente do mercado.  Sendo que:  Suspender as atividades significa não produzir nada durante um período específico de tempo devido a condições adversas de mercado no curto prazo.  Saída definitiva refere-se a uma decisão de longo prazo de deixar o mercado.
  • 18. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES NO CURTO PRAZO  A firma leva em consideração os custos irrecuperáveis quando está para decidir se sai do mercado, mas os ignora quando está decidindo se paralisa a produção temporariamente.  Custos irrecuperáveis são aqueles custos que já foram despendidos e não podem ser recuperados.
  • 19. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES NO CURTO PRAZO  Com isso, firma paralisará a produção no curto prazo se a receita que obtém com a venda de seus produtos é menor que o custo variável de produção; ou seja, quando:  Assim, a porção da curva de CMg que está acima da curva de CVMe é a curva de oferta de curto prazo da firma em um mercado de concorrência perfeita.
  • 20. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES NO CURTO PRAZO  Gráfico da decisão da firma – Suspensão de Atividades Receita e Custos Quantidade CMg CMe CVMe A preços entre 0 e P1 as atividades devem ser paralisadas. A preços entre P1 e P2 as atividades apresentam prejuízo, mas devem ser mantidas. P1 P2 0 Paralisação Operar em Prejuízo
  • 21. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: SAÍDA DO MERCADO NO LONGO PRAZO  No longo prazo, a firma sairá do mercado se a receita obtida com a venda de seus produtos é menor que os seus custos totais.Ou seja, quando:  No longo Prazo, a firma entrará no mercado se a receita obtida com a venda de seus produtos é maior que os seus custos totais.Ou seja, quando:  A curva da oferta de longo prazo da firma em concorrência perfeita é a porção da curva do custo marginal acima do custo médio.
  • 22. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: SAÍDA DO MERCADO NO LONGO PRAZO  Gráfico da decisão da firma – Sair ou não do mercado Receita e Custos Quantidade CMg CMe CVMe A preços entre 0 e P1 a empresa deve sair do mercado no longo prazo Se o preço for maior que P1 a empresa deve permanecer ou entrar no mercado. P1 0 Sair do Mercado Entrar no Mercado
  • 23. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: OFERTA DA EMPRESA NO CURTO PRAZO  Como no curto prazo mudanças estruturais não são fáceis ou até mesmo impossíveis podemos considerar que não há entrada ou saída imediata de firmas.  Assim, teríamos no curto prazo um número fixo de empresas para formar a oferta de produtos.  Para cada preço dado, cada firma suprirá uma quantidade onde o seu custo marginal seja igual ao preço.  A curva da oferta do mercado refletirá a soma das curvas de custo marginal de cada firma individualmente.
  • 24. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: OFERTA DA EMPRESA NO CURTO PRAZO  Gráfico da decisão da firma – Curva de Oferta no Curto Prazo Preço Quant. CMg CMe CVMe Q1 P1 P2 P3 Q2 Q3 Preço Quant. Oferta Q1’ P1 P2 P3 Q2 ’ Q3 ’ Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado Observação: Q1’, Q2’ e Q3’ são a soma das quantidades produzidas por cada uma das empresas integrantes do mercado.
  • 25. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO  No longo prazo mudanças estruturais passam a ser possíveis então firmas entrarão e/ou sairão do mercado até que o lucro seja levado a zero.  Como resultado no longo prazo, o preço de mercado será sempre igual ao custo total médio mínimo.  E com isso, a curva de oferta de mercado de longo prazo é horizontal e igual ao nível de preços.  Ou seja, ao preço de mercado qualquer quantidade demandada será ofertada.
  • 26. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO  Gráfico da decisão da firma – Curva de Oferta no Curto Prazo Preço Quant. CMg CMe CVMe Q1 P1 Preço Quant. OfertaP1 Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado
  • 27. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO  Ao final do processo de entrada e saída, as firmas remanescentes no mercado estarão obtendo lucro econômico igual a zero.  O processo de entrada e saída só terminará quando o preço e o custo total médio forem iguais.  Equilíbrios de longo prazo necessitam que as empresas estejam operando nas suas escalas eficientes.
  • 28. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: OFERTA DA EMPRESA NO LONGO PRAZO  Motivações para as empresas permanecem no mercado mesmo com lucro econômico zero:  A empresa aceita obter lucro econômico zero por que o custo total inclui todos os custos de oportunidade da firma.  Incluindo custos que não representam desembolso.  Na situação de lucro econômico zero a empresa esta pagando todos os custos contábeis (desembolso) e esta obtendo o lucro contábil mínimo para aceitar o negócio como viável ou válido.  Ou seja, as receitas das empresas compensam os donos das firmas pelo tempo e dinheiro que gastam para manter as firmas operando.
  • 29. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO LONGO PRAZO)  Um mercado inicialmente em equilíbrio de longo prazo terá empresas obtendo lucro econômico zero e empresas externas não terão interesse de entrar neste mercado.  Com um aumento da demanda de mercado teríamos um aumento do preço e quantidade de equilíbrio no curto prazo.  Com isso as firmas passariam a ter lucro econômico positivo, pois o preço está acima do custo total médio; e este mercado passaria a ser mais atraente.
  • 30. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO LONGO PRAZO)  Como este mercado esta apresentando lucro econômico positivo, varias empresas passarão a entrar neste mercado gerando um aumento da oferta de mercado.  Com o aumento de oferta, o preço passaria a se reduzir diminuindo o nível de atratividade do mercado.  No longo prazo, oferta de mercado aumentaria até o ponto em que o lucro econômico se torne zero e não exista mais empresas interessadas em entrar no mercado.
  • 31. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO LONGO PRAZO)  Gráfico da decisão da firma – Situação Inicial Preço Quant. CMg CMe CVMe Q1 P1 Preço Quant. OfertaLPP1 Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado OfertaCP1 DemandaCP1 E1 Q1’
  • 32. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO LONGO PRAZO)  Gráfico da decisão da firma – Equilíbrio no Curto Prazo Preço Quant. CMg CMe CVMe Q1 P1 Preço Quant. OfertaLPP1 Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado OfertaCP1 DemandaCP1 E1 Q1’ DemandaCP2 E2 Q2’ P2 P2 Lucro Econômico Positivo Q2
  • 33. DECISÃO DA FIRMA EM CONCORRÊNCIA PERFEITA: EFEITOS DE UMA ALTERAÇÃO NA DEMANDA (DO CURTO PRAZO AO LONGO PRAZO)  Gráfico da decisão da firma – Equilíbrio no Longo Prazo Preço Quant. CMg CMe CVMe Q1 P1 Preço Quant. OfertaLPP1 Situação de Oferta de Uma Firma Situação de Oferta do Mercado OfertaCP1 DemandaCP1 E1 Q1’ DemandaCP2 E2 Q2’ P2 P2 Q2 OfertaCP2 Q3’
  • 34. DECISÃO DE ATIVIDADE NO CURTO E LONGO PRAZO: MERCADOS COM CURVA DE OFERTA ASCENDENTE NO LONGO PRAZO  Alguns mercados com estruturação específica podem ter curva de oferta de longo prazo ascendente ao invés da curva de oferta horizontal.  Isto pode ocorrer basicamente por dois motivos:  Alguns insumos utilizados na produção podem estar disponíveis apenas em quantidades limitadas.  Ex: Mercados agrícolas, Mercados com insumos exauríveis, etc..  As firmas podem apresentar diferentes estruturas de custos.  Estes mercados apresentariam tanto empresas com lucro econômico positivo como empresas com lucro econômico zero simultaneamente.  As empresas com lucro econômico zero sairiam do mercado se os preços caíssem, e são chamadas de empresas marginais.
  • 35. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo: Cengage Learning, 2009. 838 pg.  VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e Macro, Atlas, 2002.