SlideShare uma empresa Scribd logo
1 
CONTABILIDADE E GESTÃO 
ESTRATÉGICA DE CUSTOS 
Ponto de Equilíbrio e Grau de 
Alavancagem 
1 
Análise Custo/Volume/Lucro 
 Margem de contribuição, ponto de equilíbrio 
e grau de alavancagem. 
 Entender a importância e utilizar a margem 
de contribuição. 
 Compreender a importância e utilizar o 
ponto de equilíbrio no processo decisório 
da sociedade. 
 Identificar o ponto de equilíbrio contábil e o 
ponto de equilíbrio econômico. 
 Conhecer o grau de alavancagem 
operacional e financeiro de uma empresa. 
2
2 
Análise Custo/Volume/Lucro 
 Os conceitos de custos fixos e variáveis 
permitem uma expansão das possibilidades 
de analise dos gastos da empresa em 
relação aos volumes produzidos e vendidos. 
 Essa análise permite determinar pontos 
importantes para fundamentar futuras 
decisões do volume de produção e mix de 
produtos. 
 A análise custo/volume/lucro conduz a três 
importantes conceitos: Margem de 
contribuição, ponto de equilíbrio e 
alavancagem operacional e financeira. 
3 
Análise Custo/Volume/Lucro 
 As empresas incorrem em custos fixos e 
custos e variáveis na execução das suas 
atividades operacionais. 
 A margem de contribuição, segundo Crepaldi 
(2002, p. 224), representa o valor que cobrirá 
os custos e as despesas fixas da empresa e 
proporcionará o lucro. 
 Segundo Padovezi PLT (2011 p. 377), margem 
de Contribuição é margem bruta obtida pela 
venda de um produto. É o mesmo que lucro 
variável unitário do produto deduzido dos 
custos as despesas variáveis necessários 
para produzir e vender o produto” 
4
3 
Margem de contribuição, ponto de equilíbrio 
Determinada industria de pneus produz quatro tipos de 
pneus: PN165, PN175, PN190 e PN190X e apresenta as 
seguintes informações relativas aos seus preços de 
vendas, seus custos e despesas variáveis: 
Modelo de Pneu PN165 PN175 PN190 PN190X 
Preço de venda unitário 120.00 140,00 195.00 210,00 
(-) Custos e despesas variáveis 
65.00 80.00 135.00 160,00 
por unidade 
5 
(=) Margem de contribuição 
unitária em R$ 
55,00 60,00 60,00 50,00 
Margem de contribuição em % 45,83% 42.85% 30,76% 23,80% 
Margem de contribuição, ponto de equilíbrio 
ESSA ANÁLISE PODE TAMBÉM DAR INFORMAÇÕES DO TIPO: 
Qual é o produto mais lucrativo? 
Qual é o produto com menor lucratividade? 
Qual é o produto que deve ter sua venda incrementada? 
Qual é o produto que pode ser tirado de linha? 
6
4 
Margem de contribuição, ponto de equilíbrio 
Fórmula da margem de contribuição 
MC (u) = Pv(u) - cv(u) 
Onde: 
MC(u) = margem de contribuição 
unitária; 
Pv(u) = preço de venda unitário; 
Cv(u) = custo variável unitário. 
MC (u) = R$ 50,00 – R$ 35,00 = R$ 15,00 
7 
Margem de contribuição, ponto de equilíbrio 
 Os custos variáveis (CV) possuem 
característica de variabilidade (varia 
conforme a produção). 
 Os custos fixos (CF) são gastos constantes 
que não variam em relação às quantidades 
produzidas. 
 O custo total (CT) representa a soma dos 
custos fixos (CF) mais os custo, variáveis 
(CV). 
 A receita total (RT) representa o número 
de unidades vendidas multiplicado pelo 
preço de venda unitário de cada produto. 
8
5 
Margem de contribuição, ponto de equilíbrio 
 O ponto de equilíbrio contábil indica o 
momento em que a empresa não tem nem 
lucro e nem prejuízo, ou seja, o resultado 
das suas receitas menos os seus custos 
variáveis e custos fixos é igual a zero. 
 Quando e para que o ponto de equilíbrio é 
usado na empresa? 
 O ponto de equilíbrio pode e deve ser 
utilizado em diversas atividades 
empresariais. Serve para identificar em que 
momento a empresa equilibra as suas 
receitas com os seus custos e suas 
despesas. 
9 
PREÇO DE VENDA UNITÁRIO = 100 
30 
10 
70 
Preço de venda unitário 
Margem de 
Contribuição para o 
lucro 
Custo Variavel Unitario 
Matéria Prima 
Embalagem 
Salário variável 
Energia das maquinas 
MCLU (1) 
30 + 
MCLU (2) 
30 + 
MCLU (3) 
30 
MCL (u) = Pv(u) - Cv(u) 
MCL (u) = 100 – 70 = 30 
MCLU (4) 
30 + 
MCLU (N) 
30 
..........
6 
Representação gráfica do ponto de equilíbrio 
PE 
11 
RT 
CT 
CV 
CF 
R$ 100 
Onde: 
PE = Ponto de Equilibrio 
RT = Receita Total 
CT = Custo Total 
CV= Custo Variável 
CF = Custo Fixo 
1000 
Custos Fixos = R$ 3.000 
MCL (u) = Pv(u) - Cv(u) 
MCL (u) = 100 – 70 = 30 
PE = 3.000 ÷ 30 = 1000 un. 
PREÇO 
QT 
Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) 
 Como identificar o ponto de equilíbrio 
contábil (PEC)? 
 Nesse ponto de equilíbrio, a empresa não 
tem nem lucro nem prejuízo. 
 Onde:(CD)F = custos e despesas fixas; 
 Pv (u) = preço de venda unitário; 
 Cv (u) = custo variável unitário; 
 MC (u) = margem de contribuição unitária. 
PEC = (CD) F = (CD) F 
Pv (u) – Cv (u) MC (u) 
12
7 
Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) 
Determinada empresa possui um custo fixo total de 
R$ 90.000,00 e seu custo variável é de 
R$ 60.000,00 para uma produção máxima de 20.000 
unidades a um preço de venda unitária de R$ 8,00, 
qual o Ponto de Equilíbrio Operacional (PEC)? 
PEO = (CD)F = 90.000,00 90.000,00 
Pv(u u) - cv(u) 8,00 - (60.000,00 ÷ 20.000) 8,00 - 3,00 
13 
18.000 unidades 
Receita de vendas (R$ 8,00 x 18.000 unidades) 
(-) Custos variáveis (R$ 3,00 x 18.000 unidades) 
(-) Custos fixos 
(=) Lucro 
144.000,00 
54.000,00 
90.000,00 
0,00 
DRE 
PEC = 
Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC %) 
Determinada empresa possui um custo fixo total de 
R$ 90.000,00 e seu custo variável é de 
R$ 60.000,00 para uma produção máxima de 20.000 
unidades a um preço de venda unitária de R$ 8,00, 
qual o Ponto de Equilíbrio Operacional (PEO)? 
PEO = (CD)F = 90.000,00 90.000,00 
Pv(u u) - cv(u) 8,00 - (60.000,00 ÷ 20.000) 8,00 - 3,00 
14 
18.000 unidades 
PEC = 
Supondo-se que a capacidade total da empresa produzir 
seja de 20.000 unidades qual é o percentual no Ponto de 
Equilíbrio Contábil (PEC) ? 
PEC % = 18.000 / 20.000 X 100 
PEC % = 90% (dia 27) 
Significa que o Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) 
consome 90% da Capacidade Produtiva da Empresa
8 
Ponto de Equilíbrio Ecônomico (PEE) 
 O conceito de Custo de Oportunidade está 
intrinsecamente ligado ao conceito de escolhas. 
Analisa precisamente o valor da melhor 
alternativa sacrificada. É um custo implícito no 
qual incorre-se SEMPRE que toma-se uma 
decisão financeira. 
 Ao fazer -se uma escolha opta-se por uma opção 
em detrimento de outra e o custo de 
oportunidade é precisamente o valor do produto 
não escolhido. 
 Exemplo: se um empresário investe no mercado 
financeiro, o custo de oportunidade perdido, 
pode ser um investimento na aquisição de um 
negócio + rentável (risco associado). 
15 
Ponto de Equilíbrio Ecônomico (PEE) 
CUSTO DO CAPITAL PRÓPRIO 
 O CCP é implícito e costumeiramente não 
documentado. Todavia ele existe. É a 
expectativa de retorno desejada pelos 
proprietários em cima do seu capital 
investido no negócio (Patrimônio Líquido). 
 É representado pelo desejo dos 
proprietários de (ganho de capital 
associado a lucros obtidos), que ficam 
retidos para financiar projetos que 
contribuirão para elevar dividendos 
futuros). 
16
9 
Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) 
 Como identificar o ponto de equilíbrio econômico 
(PEE)? 
 Nesse ponto a empresa não teria nem lucro nem 
prejuízo e remuneraria o capital investido com uma 
taxa desejada (lucro). 
 Onde: i = Taxa de juros sobre capital investido 
 (CD)F = custos e despesas fixas; 
 Pv (u) = preço de venda unitário; 
 Cv (u) = custo variável unitário; 
 MC (u) = margem de contribuição unitária. 
PEE = (CD)F + i = (CD)F + i 
Pv (u) – Cv (u) MC (u) 
17 
Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) 
Exemplo: Capital investido R$ 100.000,00; Custo de 
oportunidade do Capital = i de 3% sobre o capital investido 
= (100.000,00 X 3% = R$ 3.000,00) 
Venda total: 22.000 unidades; 
Custo fixo total: R$ 42.000,00; 
Custo variável total: R$ 33.000,00; 
Preço de venda unitário: R$ 2,00. 
PEE = (CD)F + i = 42.000,00 + 3.000,00 45.000,00 = 
Pv(u u) - cv(u) 2,00 - (33.000,00 ÷ 22.000) 2,00 - 1,50 
18 
DRE 
90.000 unidades 
Receita de vendas (R$ 2,00 x 90.000 unidades) 
(-) Custos variáveis (R$ 1,50 x 90.000 unidades) 
(-) Custos fixos 
(=) Lucro 
180.000,00 
135.000,00 
42.000,00 
3.000,00
10 
Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) 
Exemplo: Capital investido R$ 100.000,00; Custo de oportunidade 
do Capital = i de 3% sobre o capital investido = (100.000,00 X 3% 
= R$ 3.000,00) 
Venda total: 22.000 unidades; 
Custo fixo total: R$ 42.000,00; 
Custo variável total: R$ 33.000,00; 
Preço de venda unitário: R$ 2,00. 
PEE = (CD)F + i = 42.000,00 + 3.000,00 45.000,00 = 
Pv(u u) - cv(u) 2,00 - (33.000,00 ÷ 22.000) 2,00 - 1,50 
19 
90.000 unidades 
Supondo-se que a capacidade total da empresa produzir seja de 
128.500 unidades qual é o percentual no Ponto de Equilíbrio 
Econômico? 
PEE % = 90.000 / 128.500 X 100 
PEE % = 70% (21 dias) 
Significa que o Ponto de Equilíbrio Econômico consome 70% da 
Capacidade Produtiva da Empresa, nesse ponto a empresa pagaria 
os custos fixos e remuneraria o capital investido na taxa de lucro 
desejada (custo de oportunidade = 3%) 
ALAVANCAGEM E ESTRUTURA DE CAPITAL 
 ALAVANCAGEM é o uso de ativos ou recursos com 
um custo fixo, a fim de aumentar os retornos dos 
proprietários da empresa. 
 Elevações na alavancagem resultam em aumento 
de risco e retorno: enquanto que reduções na 
alavancagem, resultam em menor risco e retorno. 
 A alavancagem operacional atua nas duas 
direções: quando uma empresa tem custos 
operacionais fixos, existe alavancagem 
operacional e; 
 um aumento de vendas resulta em um 
crescimento mais do que proporcional do Lucro 
ou; 
 uma redução de vendas resulta em uma queda 
mais do que proporcional do Lucro. 
20
11 
Grau de alavancagem operacional 
 Grau de alavancagem operacional é, segundo 
Crepaldi (2002), o índice que relaciona o 
aumento percentual nos lucros com o 
aumento percentual nas quantidades vendidas 
em determinado nível de atividades. 
 Com o grau de alavancagem operacional, a 
empresa poderá calcular o que acontecerá 
com o seu lucro caso haja um aumento ou 
redução nas quantidades vendidas. 
 Na condição de ser mantido constante (a 
margem de contribuição, o total das despesas 
e os custos fixos), o grau de alavancagem 
operacional pode ser utilizado para calcular o 
possível lucro da empresa. 
21 
Grau de alavancagem operacional aumento das qtdes vendidas 
Tabela 8.8 – Cálculo do lucro janeiro 
Receita de vendas (R$ 10,00 x 20.000 unidades) 200.000,00 
(-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 20.000 unidades) 120.000,00 
(=) Margem de contribuição total 80.000,00 
(-) Custos e despesas fixas 40.000,00 
(=) Lucro 40.000,00 
Tabela 8.9 – Cálculo do lucro fevereiro 
Receita de vendas (R$ 10,00 x 22.000 unidades) 220.000,00 
(-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 22.000 unidades) 132.000,00 
(=) Margem de contribuição total 88.000,00 
(-) Custos e despesas fixas 40.000,00 
(=) Lucro 48.000,00 
O Lucro do Mês de Janeiro era de R$ 40.000,00 passando para R$ 48.000.00 Aumentando em 20% 
A quantidade Vendida era de 20.000 unidades e passou para 22.000 unidades, aumentando em 10% 
GAO = Variação % no Lucro = 20% = 2 vezes 
Variação % nas qtdes vendidas 10% 
Esse resultado significa que no volume de 20.000 unidades qualquer que seja 
o aumento nas unidades vendidas implicará num lucro proporcional de duas 
vezes. Isso implica que a cada aumento das vendas, diminui a alavancagem, 
em função da diluição dos custos fixos nas qtdes vendidas. 
22
12 
Grau de alavancagem operacional redução das qtdes vendidas 
Tabela 8.8 – Cálculo do lucro janeiro 
Receita de vendas (R$ 10,00 x 20.000 unidades) 200.000,00 
(-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 20.000 unidades) 120.000,00 
(=) Margem de contribuição total 80.000,00 
(-) Custos e despesas fixas 40.000,00 
(=) Lucro 40.000,00 
Tabela 8.9 – Cálculo do lucro fevereiro 
Receita de vendas (R$ 10,00 x 18.000 unidades) 180.000,00 
(-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 18.000 unidades) 108.000,00 
(=) Margem de contribuição total 72.000,00 
(-) Custos e despesas fixas 40.000,00 
(=) Lucro 32.000,00 
O Lucro do Mês de Janeiro era de R$ 40.000,00 passando para R$ 32.000.00 , Reduzindo em 20% 
A quantidade Vendida era de 20.000 unidades e passou para 18.000 unidades, reduzndo em 10% 
GAO = Variação % no Lucro = 20% = 2 vezes 
Variação % nas qtdes vendidas 10% 
Esse resultado significa que no volume de 20.000 unidades qualquer que seja a redução 
nas unidades vendidas implicará num lucro proporcional de duas vezes menor. Efeitos 
da Alvancagem Operacional = aumento de vendas resulta em um crescimento mais do 
que proporcional do Lucro ou; uma redução de vendas resulta em uma queda mais do 
que proporcional do Lucro. 
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
Eliseu Fortolan
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Sonia Maria Malheiros Soares
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Custo, Volume e Lucro
Custo, Volume e LucroCusto, Volume e Lucro
Custo, Volume e Lucro
Margareth Marcon
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Daniel Moura
 
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagemApostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
zeramento contabil
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Wandick Rocha de Aquino
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
MestredaContabilidade
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
custos contabil
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
Luiz Carlos Oliveira
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Danilo Pereira
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
Mauro Enrique
 
Recursos humanos
Recursos humanosRecursos humanos
Recursos humanos
Alessandra Pinheiro
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
Ana Paula Bevilacqua
 
DRE
DREDRE
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Eliseu Fortolan
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
alunocontabil
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
Celso Frederico Lago
 
Recrutamento e Seleção
Recrutamento e SeleçãoRecrutamento e Seleção
Recrutamento e Seleção
Caroline Ricci
 

Mais procurados (20)

Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Custo, Volume e Lucro
Custo, Volume e LucroCusto, Volume e Lucro
Custo, Volume e Lucro
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagemApostila 07   ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
Apostila 07 ponto de equilíbrio e grau de alavancagem
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
 
Recursos humanos
Recursos humanosRecursos humanos
Recursos humanos
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
DRE
DREDRE
DRE
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Recrutamento e Seleção
Recrutamento e SeleçãoRecrutamento e Seleção
Recrutamento e Seleção
 

Semelhante a Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional

Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
Filipe Mello
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriais
Felipe Willians
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
zeramento contabil
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
zeramento contabil
 
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptxCAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
NeheSantos
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
PROFESSORA_LIVIA
 
Custo volume lucro
Custo volume lucroCusto volume lucro
Custo volume lucro
simuladocontabil
 
silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...
silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...
silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...
GalbertoGomesOliveir1
 
Metodologia padrão jcm
Metodologia padrão jcmMetodologia padrão jcm
Metodologia padrão jcm
JCMacedo Consultoria Empresarial
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
Adriano Bruni
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
Adriano Bruni
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
Adriano Bruni
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
Adriano Bruni
 
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptxAula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Universidade Estadual da Paraíba
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
Erode Souza Leite
 
Apostila v ponto de equilibrio
Apostila v   ponto de equilibrioApostila v   ponto de equilibrio
Apostila v ponto de equilibrio
zeramento contabil
 
Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]
CENORF
 
Ponto de equilíbrio
Ponto de equilíbrioPonto de equilíbrio
Ponto de equilíbrio
ritims
 
20080810175743
2008081017574320080810175743
20080810175743
Adriana Alves
 
9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx
9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx
9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx
henriquefgcgamer
 

Semelhante a Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional (20)

Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriais
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
 
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptxCAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
 
Custo volume lucro
Custo volume lucroCusto volume lucro
Custo volume lucro
 
silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...
silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...
silo.tips_as-tecnicas-de-analise-do-ponto-de-equilibrio-e-sua-aplicaao-amanda...
 
Metodologia padrão jcm
Metodologia padrão jcmMetodologia padrão jcm
Metodologia padrão jcm
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
 
Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)Aulas de Custos (Decisao)
Aulas de Custos (Decisao)
 
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptxAula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
 
Apostila v ponto de equilibrio
Apostila v   ponto de equilibrioApostila v   ponto de equilibrio
Apostila v ponto de equilibrio
 
Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]Analise custo volume lucro[1]
Analise custo volume lucro[1]
 
Ponto de equilíbrio
Ponto de equilíbrioPonto de equilíbrio
Ponto de equilíbrio
 
20080810175743
2008081017574320080810175743
20080810175743
 
9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx
9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx
9-administrac3a7c3a3o-de-custos42442.pptx
 

Mais de MestredaContabilidade

Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - MarkupAula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
MestredaContabilidade
 
Aula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x Lucro
Aula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x LucroAula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x Lucro
Aula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x Lucro
MestredaContabilidade
 
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de CustosAula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
MestredaContabilidade
 
Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento
Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento
Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento
MestredaContabilidade
 
Aula 4 - Financeira - Formas de Tributação
Aula 4 - Financeira - Formas de  TributaçãoAula 4 - Financeira - Formas de  Tributação
Aula 4 - Financeira - Formas de Tributação
MestredaContabilidade
 
Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2
Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2
Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2
MestredaContabilidade
 
Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização empresarial - Parte 1
Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização  empresarial - Parte 1Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização  empresarial - Parte 1
Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização empresarial - Parte 1
MestredaContabilidade
 
Aula 1 - Definição de Contabilidade
Aula 1 - Definição de Contabilidade Aula 1 - Definição de Contabilidade
Aula 1 - Definição de Contabilidade
MestredaContabilidade
 

Mais de MestredaContabilidade (8)

Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - MarkupAula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
 
Aula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x Lucro
Aula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x LucroAula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x Lucro
Aula 9 - Contabilidade e Gestão de Custos - Volume x Lucro
 
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de CustosAula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
 
Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento
Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento
Aula 5 - Tributação e Folha de pagamento
 
Aula 4 - Financeira - Formas de Tributação
Aula 4 - Financeira - Formas de  TributaçãoAula 4 - Financeira - Formas de  Tributação
Aula 4 - Financeira - Formas de Tributação
 
Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2
Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2
Aula 3 - Financeira - Formas de Organização Empresarial - Parte 2
 
Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização empresarial - Parte 1
Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização  empresarial - Parte 1Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização  empresarial - Parte 1
Aula 2 - Financeira Patrimônio - Formas de organização empresarial - Parte 1
 
Aula 1 - Definição de Contabilidade
Aula 1 - Definição de Contabilidade Aula 1 - Definição de Contabilidade
Aula 1 - Definição de Contabilidade
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional

  • 1. 1 CONTABILIDADE E GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Ponto de Equilíbrio e Grau de Alavancagem 1 Análise Custo/Volume/Lucro Margem de contribuição, ponto de equilíbrio e grau de alavancagem. Entender a importância e utilizar a margem de contribuição. Compreender a importância e utilizar o ponto de equilíbrio no processo decisório da sociedade. Identificar o ponto de equilíbrio contábil e o ponto de equilíbrio econômico. Conhecer o grau de alavancagem operacional e financeiro de uma empresa. 2
  • 2. 2 Análise Custo/Volume/Lucro Os conceitos de custos fixos e variáveis permitem uma expansão das possibilidades de analise dos gastos da empresa em relação aos volumes produzidos e vendidos. Essa análise permite determinar pontos importantes para fundamentar futuras decisões do volume de produção e mix de produtos. A análise custo/volume/lucro conduz a três importantes conceitos: Margem de contribuição, ponto de equilíbrio e alavancagem operacional e financeira. 3 Análise Custo/Volume/Lucro As empresas incorrem em custos fixos e custos e variáveis na execução das suas atividades operacionais. A margem de contribuição, segundo Crepaldi (2002, p. 224), representa o valor que cobrirá os custos e as despesas fixas da empresa e proporcionará o lucro. Segundo Padovezi PLT (2011 p. 377), margem de Contribuição é margem bruta obtida pela venda de um produto. É o mesmo que lucro variável unitário do produto deduzido dos custos as despesas variáveis necessários para produzir e vender o produto” 4
  • 3. 3 Margem de contribuição, ponto de equilíbrio Determinada industria de pneus produz quatro tipos de pneus: PN165, PN175, PN190 e PN190X e apresenta as seguintes informações relativas aos seus preços de vendas, seus custos e despesas variáveis: Modelo de Pneu PN165 PN175 PN190 PN190X Preço de venda unitário 120.00 140,00 195.00 210,00 (-) Custos e despesas variáveis 65.00 80.00 135.00 160,00 por unidade 5 (=) Margem de contribuição unitária em R$ 55,00 60,00 60,00 50,00 Margem de contribuição em % 45,83% 42.85% 30,76% 23,80% Margem de contribuição, ponto de equilíbrio ESSA ANÁLISE PODE TAMBÉM DAR INFORMAÇÕES DO TIPO: Qual é o produto mais lucrativo? Qual é o produto com menor lucratividade? Qual é o produto que deve ter sua venda incrementada? Qual é o produto que pode ser tirado de linha? 6
  • 4. 4 Margem de contribuição, ponto de equilíbrio Fórmula da margem de contribuição MC (u) = Pv(u) - cv(u) Onde: MC(u) = margem de contribuição unitária; Pv(u) = preço de venda unitário; Cv(u) = custo variável unitário. MC (u) = R$ 50,00 – R$ 35,00 = R$ 15,00 7 Margem de contribuição, ponto de equilíbrio Os custos variáveis (CV) possuem característica de variabilidade (varia conforme a produção). Os custos fixos (CF) são gastos constantes que não variam em relação às quantidades produzidas. O custo total (CT) representa a soma dos custos fixos (CF) mais os custo, variáveis (CV). A receita total (RT) representa o número de unidades vendidas multiplicado pelo preço de venda unitário de cada produto. 8
  • 5. 5 Margem de contribuição, ponto de equilíbrio O ponto de equilíbrio contábil indica o momento em que a empresa não tem nem lucro e nem prejuízo, ou seja, o resultado das suas receitas menos os seus custos variáveis e custos fixos é igual a zero. Quando e para que o ponto de equilíbrio é usado na empresa? O ponto de equilíbrio pode e deve ser utilizado em diversas atividades empresariais. Serve para identificar em que momento a empresa equilibra as suas receitas com os seus custos e suas despesas. 9 PREÇO DE VENDA UNITÁRIO = 100 30 10 70 Preço de venda unitário Margem de Contribuição para o lucro Custo Variavel Unitario Matéria Prima Embalagem Salário variável Energia das maquinas MCLU (1) 30 + MCLU (2) 30 + MCLU (3) 30 MCL (u) = Pv(u) - Cv(u) MCL (u) = 100 – 70 = 30 MCLU (4) 30 + MCLU (N) 30 ..........
  • 6. 6 Representação gráfica do ponto de equilíbrio PE 11 RT CT CV CF R$ 100 Onde: PE = Ponto de Equilibrio RT = Receita Total CT = Custo Total CV= Custo Variável CF = Custo Fixo 1000 Custos Fixos = R$ 3.000 MCL (u) = Pv(u) - Cv(u) MCL (u) = 100 – 70 = 30 PE = 3.000 ÷ 30 = 1000 un. PREÇO QT Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) Como identificar o ponto de equilíbrio contábil (PEC)? Nesse ponto de equilíbrio, a empresa não tem nem lucro nem prejuízo. Onde:(CD)F = custos e despesas fixas; Pv (u) = preço de venda unitário; Cv (u) = custo variável unitário; MC (u) = margem de contribuição unitária. PEC = (CD) F = (CD) F Pv (u) – Cv (u) MC (u) 12
  • 7. 7 Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) Determinada empresa possui um custo fixo total de R$ 90.000,00 e seu custo variável é de R$ 60.000,00 para uma produção máxima de 20.000 unidades a um preço de venda unitária de R$ 8,00, qual o Ponto de Equilíbrio Operacional (PEC)? PEO = (CD)F = 90.000,00 90.000,00 Pv(u u) - cv(u) 8,00 - (60.000,00 ÷ 20.000) 8,00 - 3,00 13 18.000 unidades Receita de vendas (R$ 8,00 x 18.000 unidades) (-) Custos variáveis (R$ 3,00 x 18.000 unidades) (-) Custos fixos (=) Lucro 144.000,00 54.000,00 90.000,00 0,00 DRE PEC = Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC %) Determinada empresa possui um custo fixo total de R$ 90.000,00 e seu custo variável é de R$ 60.000,00 para uma produção máxima de 20.000 unidades a um preço de venda unitária de R$ 8,00, qual o Ponto de Equilíbrio Operacional (PEO)? PEO = (CD)F = 90.000,00 90.000,00 Pv(u u) - cv(u) 8,00 - (60.000,00 ÷ 20.000) 8,00 - 3,00 14 18.000 unidades PEC = Supondo-se que a capacidade total da empresa produzir seja de 20.000 unidades qual é o percentual no Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) ? PEC % = 18.000 / 20.000 X 100 PEC % = 90% (dia 27) Significa que o Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) consome 90% da Capacidade Produtiva da Empresa
  • 8. 8 Ponto de Equilíbrio Ecônomico (PEE) O conceito de Custo de Oportunidade está intrinsecamente ligado ao conceito de escolhas. Analisa precisamente o valor da melhor alternativa sacrificada. É um custo implícito no qual incorre-se SEMPRE que toma-se uma decisão financeira. Ao fazer -se uma escolha opta-se por uma opção em detrimento de outra e o custo de oportunidade é precisamente o valor do produto não escolhido. Exemplo: se um empresário investe no mercado financeiro, o custo de oportunidade perdido, pode ser um investimento na aquisição de um negócio + rentável (risco associado). 15 Ponto de Equilíbrio Ecônomico (PEE) CUSTO DO CAPITAL PRÓPRIO O CCP é implícito e costumeiramente não documentado. Todavia ele existe. É a expectativa de retorno desejada pelos proprietários em cima do seu capital investido no negócio (Patrimônio Líquido). É representado pelo desejo dos proprietários de (ganho de capital associado a lucros obtidos), que ficam retidos para financiar projetos que contribuirão para elevar dividendos futuros). 16
  • 9. 9 Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) Como identificar o ponto de equilíbrio econômico (PEE)? Nesse ponto a empresa não teria nem lucro nem prejuízo e remuneraria o capital investido com uma taxa desejada (lucro). Onde: i = Taxa de juros sobre capital investido (CD)F = custos e despesas fixas; Pv (u) = preço de venda unitário; Cv (u) = custo variável unitário; MC (u) = margem de contribuição unitária. PEE = (CD)F + i = (CD)F + i Pv (u) – Cv (u) MC (u) 17 Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) Exemplo: Capital investido R$ 100.000,00; Custo de oportunidade do Capital = i de 3% sobre o capital investido = (100.000,00 X 3% = R$ 3.000,00) Venda total: 22.000 unidades; Custo fixo total: R$ 42.000,00; Custo variável total: R$ 33.000,00; Preço de venda unitário: R$ 2,00. PEE = (CD)F + i = 42.000,00 + 3.000,00 45.000,00 = Pv(u u) - cv(u) 2,00 - (33.000,00 ÷ 22.000) 2,00 - 1,50 18 DRE 90.000 unidades Receita de vendas (R$ 2,00 x 90.000 unidades) (-) Custos variáveis (R$ 1,50 x 90.000 unidades) (-) Custos fixos (=) Lucro 180.000,00 135.000,00 42.000,00 3.000,00
  • 10. 10 Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) Exemplo: Capital investido R$ 100.000,00; Custo de oportunidade do Capital = i de 3% sobre o capital investido = (100.000,00 X 3% = R$ 3.000,00) Venda total: 22.000 unidades; Custo fixo total: R$ 42.000,00; Custo variável total: R$ 33.000,00; Preço de venda unitário: R$ 2,00. PEE = (CD)F + i = 42.000,00 + 3.000,00 45.000,00 = Pv(u u) - cv(u) 2,00 - (33.000,00 ÷ 22.000) 2,00 - 1,50 19 90.000 unidades Supondo-se que a capacidade total da empresa produzir seja de 128.500 unidades qual é o percentual no Ponto de Equilíbrio Econômico? PEE % = 90.000 / 128.500 X 100 PEE % = 70% (21 dias) Significa que o Ponto de Equilíbrio Econômico consome 70% da Capacidade Produtiva da Empresa, nesse ponto a empresa pagaria os custos fixos e remuneraria o capital investido na taxa de lucro desejada (custo de oportunidade = 3%) ALAVANCAGEM E ESTRUTURA DE CAPITAL ALAVANCAGEM é o uso de ativos ou recursos com um custo fixo, a fim de aumentar os retornos dos proprietários da empresa. Elevações na alavancagem resultam em aumento de risco e retorno: enquanto que reduções na alavancagem, resultam em menor risco e retorno. A alavancagem operacional atua nas duas direções: quando uma empresa tem custos operacionais fixos, existe alavancagem operacional e; um aumento de vendas resulta em um crescimento mais do que proporcional do Lucro ou; uma redução de vendas resulta em uma queda mais do que proporcional do Lucro. 20
  • 11. 11 Grau de alavancagem operacional Grau de alavancagem operacional é, segundo Crepaldi (2002), o índice que relaciona o aumento percentual nos lucros com o aumento percentual nas quantidades vendidas em determinado nível de atividades. Com o grau de alavancagem operacional, a empresa poderá calcular o que acontecerá com o seu lucro caso haja um aumento ou redução nas quantidades vendidas. Na condição de ser mantido constante (a margem de contribuição, o total das despesas e os custos fixos), o grau de alavancagem operacional pode ser utilizado para calcular o possível lucro da empresa. 21 Grau de alavancagem operacional aumento das qtdes vendidas Tabela 8.8 – Cálculo do lucro janeiro Receita de vendas (R$ 10,00 x 20.000 unidades) 200.000,00 (-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 20.000 unidades) 120.000,00 (=) Margem de contribuição total 80.000,00 (-) Custos e despesas fixas 40.000,00 (=) Lucro 40.000,00 Tabela 8.9 – Cálculo do lucro fevereiro Receita de vendas (R$ 10,00 x 22.000 unidades) 220.000,00 (-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 22.000 unidades) 132.000,00 (=) Margem de contribuição total 88.000,00 (-) Custos e despesas fixas 40.000,00 (=) Lucro 48.000,00 O Lucro do Mês de Janeiro era de R$ 40.000,00 passando para R$ 48.000.00 Aumentando em 20% A quantidade Vendida era de 20.000 unidades e passou para 22.000 unidades, aumentando em 10% GAO = Variação % no Lucro = 20% = 2 vezes Variação % nas qtdes vendidas 10% Esse resultado significa que no volume de 20.000 unidades qualquer que seja o aumento nas unidades vendidas implicará num lucro proporcional de duas vezes. Isso implica que a cada aumento das vendas, diminui a alavancagem, em função da diluição dos custos fixos nas qtdes vendidas. 22
  • 12. 12 Grau de alavancagem operacional redução das qtdes vendidas Tabela 8.8 – Cálculo do lucro janeiro Receita de vendas (R$ 10,00 x 20.000 unidades) 200.000,00 (-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 20.000 unidades) 120.000,00 (=) Margem de contribuição total 80.000,00 (-) Custos e despesas fixas 40.000,00 (=) Lucro 40.000,00 Tabela 8.9 – Cálculo do lucro fevereiro Receita de vendas (R$ 10,00 x 18.000 unidades) 180.000,00 (-) Custos variáveis (R$ 6,00 x 18.000 unidades) 108.000,00 (=) Margem de contribuição total 72.000,00 (-) Custos e despesas fixas 40.000,00 (=) Lucro 32.000,00 O Lucro do Mês de Janeiro era de R$ 40.000,00 passando para R$ 32.000.00 , Reduzindo em 20% A quantidade Vendida era de 20.000 unidades e passou para 18.000 unidades, reduzndo em 10% GAO = Variação % no Lucro = 20% = 2 vezes Variação % nas qtdes vendidas 10% Esse resultado significa que no volume de 20.000 unidades qualquer que seja a redução nas unidades vendidas implicará num lucro proporcional de duas vezes menor. Efeitos da Alvancagem Operacional = aumento de vendas resulta em um crescimento mais do que proporcional do Lucro ou; uma redução de vendas resulta em uma queda mais do que proporcional do Lucro. 23