SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Respostas – Capítulo 24: Medindo o Custo de Vida
Questões para revisão
1) Na sua opinião, qual destas duas coisas tem maior efeito sobre o índice
de preços ao consumidor: uma aumento de 10% no preço do frango ou
um aumento de 10% no preço do caviar? Por quê?
O aumento do preço do frango terá um impacto maior no índice de preços ao
consumidor. Isso ocorre porque a participação do frango (quantidade consumi-
da de frango) na cesta de produtos usada para calcular o IPC é maior que a do
caviar.
2) Descreva os três problemas que fazem o índice de preços ao consumi-
dor uma medida imperfeita do custo de vida.
Os problemas presentes são a tendência à substituição no curto prazo, introdu-
ção ou desenvolvimento de novos bens e a mudança da qualidade.
A tendência à substituição indica que no curto prazo a mudança relativa dos
preços de mercado podem fazer com que os consumidores mudem seu con-
sumo substituindo produtos com preços relativamente mais caros por produtos
similares relativamente mais baratos. Esta mudança não é captada pelo IPC,
pois este se baseia em uma cesta fixa de produtos.
A introdução de novos produtos nos mercados é problemática, pois pode alte-
rar os hábitos de consumo dos consumidores fazendo com que a cesta de pro-
dutos relevantes para o IPC possa mudar. Esta mudança não é captada pelo
IPC, pois este se baseia em uma cesta fixa de produtos.
A mudança de qualidade também pode gerar distorções, pois pode causar mu-
danças nos hábitos de consumo ou pode gerar aumento de preços ligados aos
custos mais altos que geram benefícios maiores.
3) Se o preço de um submarino da Marinha aumentar, o que será mais afe-
tado, o índice de preços ao consumidor ou o deflator do PIB? Por quê?
O indicador mais afetado será o deflator do PIB.
Isso o corre porque o deflator do PIB considera a variação de preços de todos
o produtos finais produzidos em um país a um dado período de tempo, já o IPC
considera apenas a variação de preço dos produtos de uma cesta identificada
como significativa para o consumidor comum (geralmente entre 1 e 40 salários
mínimos) por meio de uma pesquisa de campo.
Assim como a chance do preço do submarino participar da cesta de produtos
considerada pelo IPC é nula, esta alteração de preço do submarino não afeta o
IPC.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
4) No decorrer de um longo período de tempo, o preço da barra de choco-
late aumentou de R$ 0,10 para R$ 0,60. Ao longo do mesmo período, o
índice de preços ao consumidor aumentou de 150 para 300. Corrigindo
pela inflação total, quanto aumentou o preço da barra de chocolate?
Ou seja, se a barra de chocolate tivesse aumentado o mesmo que o indicdor
de inflação aponta o preço deveria ser agora de R$ 0,20
Como o preço agora é de R$ 0,60 podemos concluir que o aumento do preço
do chocolate acima da inflação foi de:
5) Explique o significado de taxa de juros nominal e taxa de juros real.
Como as duas estão relacionadas?
A taxa de juros nominal é a taxa de juros como ela é cotada ou anunciada ou
paga pelo banco. Ou seja, indica o rendimento a ser ganho, mas não considera
ou desconta os efeitos ou perdas com a inflação.
A taxa de juros real é a taxa de juros nominal menos o efetio ou perda de valor
da moeda causada pela inflação, como segue:
Problemas e Aplicações
1) Suponha que os habitantes de Vegópia gastem toda a renda em couve-
flor, brócolis e cenouras. Em 2008, eles compram 100 cabeças de couve-
flor por R$ 200, 50 maços de brócolis por R$ 75 e 500 cenouras por R$ R$
50. Em 2009, compram 75 cabeças de couve-flor por R$ 225, 80 maços de
brócolis por R$ 120 e 500 cenouras por R$ 100.
a. Calcule o preço de cada tipo de legume em cada ano.
Ano Preço Couve-flor Preço Brócolis Preço Cenouras
2008 R$200/100 = R$ 2,00 R$ 75,00/50 = R$ 1,50 R$ 50/500 = R$ 0,10
2009 R$ 225/75 = R$ 3,00 R$ 120/80 = R$ 1,50 R$ 100/500 = R$ 0,20
b. Considerando 2008 como ano-base, calcule o IPC de cada ano.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Cálculo do custo de vida com base na cesta de produtos de 2008:
Ano Preço
Couve-flor
Quant.
Couve- flor
Preço
Brócolis
Quant.
Brócolis
Preço
Cenouras
Quant.
Cenouras
Custo
de Vida
2008 R$ 2,00 100 R$ 1,50 50 R$ 0,1 500 R$ 325,00
2009 R$ 3,00 100 R$ 1,50 50 R$ 0,2 500 R$ 475,00
Cálculo do Índice de Preços ao Consumidor com ano base em 2008:
Ano Custo de Vida Forma de cálculo IPC
2008 R$ 325,00 = (R$ 325/R$ 325)x100 100
2009 R$ 475,00 = (R$ 475/R$ 325)x100 146,1538
c. Qual é a taxa de inflação em 2009?
Cálculo da taxa de inflação com base no índice de preços ao consumidor:
Ano Forma de cálculo Taxa de inflação
2008 para 2009 = [(146,1538-100)/100]x100 + 46,1538%
2) Visite o site do Bureau of Labor Statistics (ou IPCA do IBGE) e encontre
dados sobre o índice de preços ao consumidor. Quanto o índice que in-
clui todos os itens aumentou no último ano? Em quais categorias de des-
pesas os preços subiram mais? Em quais categorias subiram menos?
Houve categorias que apresentaram queda de preços? Você consegue
explicar algum desses fatos?
Segundo os dados disponibilizados pelo IBGE o IPCA teve um aumento de a-
proximadamente 5,84% no ano (ou últimos 12 meses). Como pode ser obser-
vado na tabela abaixo:
Tabela 1: Índice de Preços ao Consumidor Amplo segundo sua evolução
no ano de 2012
ANO MÊS
NÚMERO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
(DEZ 93 = 100)
NO 3 6 NO 12
MÊS MESES MESES ANO MESES
2012
JAN 3422,79 0,56 1,59 2,95 0,56 6,22
FEV 3438,19 0,45 1,52 3,03 1,01 5,85
MAR 3445,41 0,21 1,22 2,70 1,22 5,24
ABR 3467,46 0,64 1,31 2,91 1,87 5,10
MAI 3479,94 0,36 1,21 2,75 2,24 4,99
JUN 3482,72 0,08 1,08 2,32 2,32 4,92
JUL 3497,70 0,43 0,87 2,19 2,76 5,20
AGO 3512,04 0,41 0,92 2,15 3,18 5,24
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
ANO MÊS
NÚMERO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
(DEZ 93 = 100)
NO 3 6 NO 12
MÊS MESES MESES ANO MESES
SET 3532,06 0,57 1,42 2,51 3,77 5,28
OUT 3552,90 0,59 1,58 2,46 4,38 5,45
NOV 3574,22 0,60 1,77 2,71 5,01 5,53
DEZ 3602,46 0,79 1,99 3,44 5,84 5,84
Fonte: IBGE-SNIPC, 2013.
Como podemos observar no valor acumulado ao ano na tabela 2 para o ano de
2012, temos que os grupos de consumo que apresentaram maior aumento no
nível de preços foram as despesas pessoais (10,17%), os alimentos e bebidas
(9,86%), e os gastos com educação (7,78%).
Os grupos de consumo que apresentaram o menor aumento acumulado no
nível de preços no ano de 2012 foram os gastos com artigos de residência
(0,84%), comunicação (0,77%), e transportes (0,48%).
Na inflação acumulada para o ano nenhuma das categorias de consumo apre-
sentaram redução do nível de preços. Entretanto, em nível mensal tivemos al-
gumas categorias que chegaram a apresentar redução momentânea do nível
de preços ao longo do ano, como foi o caso dos artigos de residência, do ves-
tuário, dos transportes e da comunicação.
Tabela 2: IPCA geral e por grupos de gasto segundo variação percentual
acumulada ao longo do ano de 2012
Índice Geral e
Grupos de Consumo
Mês
jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12
Índice geral 0,56 1,02 1,22 1,87 2,24 2,32 2,76 3,18 3,77 4,38 5,01 5,84
1.Alimentação
e bebidas 0,86 1,05 1,3 1,82 2,56 3,26 4,19 5,1 6,43 7,88 8,74 9,86
2.Habitação 0,53 1,13 1,62 2,43 3,24 3,53 4,09 4,32 5,06 5,45 6,12 6,79
3.Artigos de
residência 0,16 0,21 -0,19 -0,98 -0,81 -0,84 -0,85 -0,46 -0,28 0,09 0,56 0,84
4.Vestuário 0,07 -0,17 -0,78 0,2 1,09 1,48 1,52 1,71 2,61 3,73 4,63 5,79
5.Transportes 0,69 0,36 0,52 0,62 0,04 -1,14 -1,17 -1,11 -1,18 -0,94 -0,27 0,48
6.Saúde e
cuidados pessoais 0,3 1,00 1,39 2,36 3,04 3,43 3,8 4,35 4,69 5,19 5,53 5,95
7.Despesas
pessoais 0,71 1,59 2,15 4,43 5,05 5,55 6,51 6,96 7,75 7,86 8,43 10,17
8.Educação 0,39 6,03 6,6 6,64 6,63 6,7 6,82 7,37 7,48 7,53 7,58 7,78
9.Comunicação 0,21 0,04 -0,32 0,14 -0,05 -0,06 0,1 0,09 0,13 0,43 0,74 0,77
Fonte: IBGE-SNIPC/SIDRA,2013.
Verifique pessoalmente nos endereços eletrônicos:
<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/defaultin
pc.shtm> e <http://www.sidra.ibge.gov.br>.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
3) Suponha que as pessoas consumam apenas três bens, como mostra a
tabela:
Bolas de Tênis Bolas de Golfe Garrafa de Gatorade
Preço 2009 R$ 2 R$ 4 R$ 1
Quantidade 2009 100 100 200
Preço 2010 R$ 2 R$ 6 R$ 2
Quantidade 2010 100 100 200
a. Qual é a variação percentual do preço de cada um dos três bens?
Variação percentual dos preços dos bens entre 2009 e 2010:
Período Variação preço
da bola de tênis
Variação preço
da bola de golfe
Variação preço
da garrafa de Gatorade
2009 para 2010 [(R$ 2-R$ 2)/R$2]x100
= + 0%
[(R$ 6-R$ 4)/R$4]x100
= + 50%
[(R$ 2-R$ 1)/R$1]x100
= + 100%
b. Empregando um método semelhante ao do IPC, calcule a variação per-
centual no nível total de preços.
Cálculo do custo de vida com base na cesta de produtos de 2009:
Ano Preço Bola
Tênis
Quant.
Bola tênis
Preço
Bola Golfe
Quant.
Bola Golfe
Preço
Gatorade
Quant.
Gatorade
Custo
de Vida
2009 R$ 2,00 100 R$ 4,00 100 R$ 1,00 200 R$ 800,00
2010 R$ 2,00 100 R$ 6,00 100 R$ 2,00 200 R$ 1200,00
Cálculo do Índice de Preços ao Consumidor com ano base em 2009:
Ano Custo de Vida Forma de cálculo IPC
2009 R$ 800,00 = (R$ 800/R$ 800)x100 100
2010 R$ 1200,00 = (R$ 1200/R$ 800)x100 150
Cálculo da taxa de inflação (variação percentual no nível total de preços) com
base no índice de preços ao consumidor:
Ano Forma de cálculo Taxa de inflação
2009 para 2010 = [(150-100)/100]x100 + 50%
c. Se você soubesse que o tamanho da garrafa de Gatorade aumentaria
de 2009 para 2010, essa informação afetaria o calculo da taxa de inflação?
Explique.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Esta informação não afetaria o cálculo do índice de preços, pois este é realiza-
do com base na cesta de produtos de 2009, que é um período que antecede a
mudança em questão.
Entretanto, é importante notar que tal evento (mudança no tamanho/volume da
garrafa) mudaria as decisões dos individuos concernentes as quantidades con-
sumidas e possivelmente nos preços praticados, e que este impacto não seria
efetivamente (ou corretamente) medido pelo IPC calculado.
d. Se você soubesse que o Gatorade introduziria novos sabores em 2010,
essa informação afetaria o cálculo da taxa de inflação? Explique.
Esta informação não afetaria o cálculo do índice de preços, pois este é realiza-
do com base na cesta de produtos de 2009, que é um período que antecede a
mudança em questão.
Entretanto, é importante notar que tal evento (mudança no mix de produtos
disponíveis para compra), como na situação da questão anterior, mudaria as
decisões dos individuos concernentes as quantidades consumidas de cada tipo
de produto e possivelmente nos preços praticados, e que este impacto não se-
ria efetivamente (ou corretamente) medido pelo IPC calculado.
4) Um pequeno país com 10 pessoas adora o programa de TV American
Idol. Tudo o que produzem e consomem são equipamentos de Karaokê e
CD’s, nas seguintes quantidades:
Equipamentos de Karaokê CD’s
Quantidade Preço Quantidade Preço
2009 10 R$ 40 30 R$ 10
2010 12 R$ 60 50 R$ 12
a. Usando um método semelhante ao do índice de preços ao consumidor,
calcule a alteração percentual do nível geral de preços. Considere 2009
como ano-base e estabeleça a cesta em 1 equipamento de Karaokê e 3
CD’s.
Com base na cesta de bens proposta como sendo 1 equipamento de karaokâ e
3 cd’s podemos calcular o custo de vida:
Equipamentos de
Karaokê
CD’s Custo de Vi-
da
Quantidade Preço Quantidade Preço
2009 1 R$ 40 3 R$ 10 R$ 70
2010 1 R$ 60 3 R$ 12 R$ 96
Cálculo do Índice de Preços ao Consumidor com ano base em 2009:
Ano Custo de Vida Forma de cálculo IPC
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
2009 R$ 70,00 = (R$ 70/R$ 70)x100 100
2010 R$ 96,00 = (R$ 96/R$ 70)x100 137,1429
Cálculo da taxa de inflação (variação percentual no nível total de preços) com
base no índice de preços ao consumidor:
Ano Forma de cálculo Taxa de inflação
2009 para 2010 = [(137,1429-100)/100]x100 + 37,1429%
b. Usando um método semelhante ao do deflator do PIB, calcule a altera-
ção percentual do nível geral de preços. Considere também 2009 como
ano-base.
Cálculo do PIB nominal e real (com base em 2009) com base nos dados do
país:
Equip. de
Karaokê
CD’s PIB
Nominal
PIB
Real
Quant. Preço Quant. Preço
2009 10 R$ 40 30 R$ 10 R$ 700 R$ 700
2010 12 R$ 60 50 R$ 12 R$ 1320 R$ 980
Cálculo do Deflator do PIB com ano base em 2009:
Ano PIB Nominal PIB Real
(base 2009)
Forma de cálculo Deflator do PIB
2009 R$700 R$ 700 = (R$ 700/R$ 700)x100 100
2010 R$ 1320 R$ 980 = (R$ 1320/R$ 980)x100 134,6939
Cálculo da taxa de inflação (variação percentual no nível total de preços) com
base no deflator do PIB:
Ano Forma de cálculo Taxa de inflação
2009 para 2010 = [(134,6939-100)/100]x100 + 34,6939%
c. A taxa de inflação em 2010 é a mesma apurando-a com os dois méto-
dos? Explique.
Embora neste caso as taxas sejam aproximadamente similares elas resultaram
em medidas de variações diferentes da inflação.
Isso ocorre porque apesar de termos os mesmos produtos presentes tanto na
cesta do IPC como na produção do PIB sua quantidades em termos relativos
não são as mesmas no caso do calculo do deflator (mudanças na proporção
das quantidades) e já no caso do IPC elas são fixas, gerando diferenças nos
indicadores de inflação.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
5) A partir de 1994, a regulamentação ambiental passou a exigir que a ga-
solina contenha um novo aditivo para reduzir a poluição do ar. Essa exi-
gência aumentou o custo e o preço da gasolina. O bureau of Labor Statis-
tics decidiu que esse aumento de custo representou uma melhoria na
qualidade.
a. Dada essa decisão, o maior preço da gasolina elevou o IPC?
Sim, o maior preço provocará uma elevação no IPC calculado, pois a gasolina
participa da cesta de produtos do IPC.
b. Qual é o argumento a favor da decisão do BLS? Qual seria o argumento
para uma decisão diferente?
O argumento a favor é o de que este aumento da qualidade seria benéfico para
o meio ambiente e reduziria a emissão de poluentes, que são na realidade uma
externalidade que pode gerar custos à saúde da população.
Por outro lado, esta mudança na composição do combustível inevitavelmente
aumentará o nível de preços da economia, o que pode não ser interressante.
6) Qual dos problemas ligados à construção do IPC pode ser exemplifica-
do por cada uma das situações a seguir? Explique.
a. A invenção do iPod.
O problema é a inclusão de um novo produto no mercado.
Como o IPC é calculado com base em um cesta de produtos fixa definida antes
da introdução deste produto no mercado as mudanças de preço deste produto
não serão captadas pelo IPC até que seja realizada outra pesquisa de orça-
mento familiar.
b. A introdução de air bags nos carros.
O problema é a melhoria de qualidade que impactará nos preços e possivel-
mente na quantidade consumida do produto.
A introdução de air bags aumenta o preço dos carros, mas isso ocorre pela me-
lhoria de qualidade e não por causa do aumento do nível geral de preços (infla-
ção).
c. Aumento das compras de computadores pessoais em resposta a uma
queda de seus preços.
O problema é o efeito de substituição de produtos do curto prazo dado as vari-
ações de preço relativos entre os produtos existentes. Ou seja, é a mudança na
quantidade consumida de bens gerada pela substituição de um bem por outro
de preço mais aprazível.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Essa substituição não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma pesqui-
sa de orçamento familiar que define a cesta fixa de bens consumidos em média
pelas pessoas e assim não considera variações de consumo no curto prazo.
d. Maior quantidade de passas em cada pacote de Riaisin Bran.
O problema é a alteração da quantidade de produto presente em cada unidade
do bem. Ou seja, mudança do volume presente na unidade de bem vendido
que pode mudar os hábitos ou quantidade de pacotes comprados.
Por exemplo, se antes as pessoas em média consumiam 5 pacotes de 200
gramas (total de 1000 gramas de consumo) é provável que após o pacote pas-
sar a conter 250 gramas elas passem a comprar apenas 4 pacotes (também
um total de 1000 gramas de consumo).
Essa mudança não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma pesquisa
de orçamento familiar que define a cesta fixa de bens consumidos em média
pelas pessoas com base no volume presente no pacote antes da mudança.
e. Maior uso de carros que utilizam combustível aditivado depois do au-
mento dos preços da gasolina.
O problema é o efeito de substituição de produtos do curto prazo dado as vari-
ações de preço relativos entre os produtos existentes. Ou seja, é a mudança na
quantidade consumida de bens gerada pela substituição de um bem por outro
de preço mais aprazível.
Essa substituição não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma pesqui-
sa de orçamento familiar que define a cesta fixa de bens consumidos em média
pelas pessoas e assim não considera variações de consumo no curto prazo.
7) O the new York times custava R$ 0,15 em 1970 e R$ 0,75 em 2000. O
salário médio na industria era de R$ 3,23 por hora em 1970 e de R$ 14,32
em 2000.
a. Qual é a porcentagem de aumento do preço do jornal?
b. Qual é a porcentagem de aumento do salário?
c. Em cada ano, quantos minutos um trabalhador precisa trabalhar para
ganhar o suficiente para comprar um jornal (Lembrar que cada hora tem
60 minutos)?
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Em 1970, com o jornal custando R$ 0,15 e a hora do trabalho custando R$
3,23:
Em 2000, com o jornal custando R$ 0,75 e a hora do trabalho custando R$
14,32:
d. O poder aquisitivo dos trabalhadores em relação ao jornal aumentou ou
diminuiu?
Podemos observar que em 1970 precisávamos trabalhar apenas 2,78 minutos
para comprar o jornal, e agora precisamos trabalhar 31,42 minutos para com-
prar o mesmo jornal.
Assim podemos concluir que o poder aquisitivo destes trabalhadores, em mé-
dia, caiu em relação à sua capacidade de adquirir o jornal, pois agora precisa-
mos de mais esforço e tempo para comprar o mesmo jornal do que precisáva-
mos em 1970.
8) O capítulo explica que os benefícios da seguridade social aumentam a
cada ano de acordo com o aumento do IPC, embora a maioria dos eco-
nomistas acredite que o IPC superestima a inflação ocorrida.
a. Se os idosos consumirem a mesma cesta de mercado que as demais
pessoas, a seguridade social lhes proporcionará uma melhoria da quali-
dade de vida a cada ano? Explique.
Sim, isso ocorrerá, pois atualmente o IPC apresenta indicadores maiores do
que a inflação realmente ocorrida, e como os benefícios da seguridade social
são reajustados anualmente com base no IPC é de se esperar que o reajuste
seja em média maior do que a inflação real ocorrida. Com isso, teremos que o
poder aquisitivo do beneficiário não será apenas reajustado, mas será efetiva-
mente aumentado (temporariamente).
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
b. Na verdade, os idosos consomem mais assistência médica do que os
mais jovens, e os custos de assistência médica subiram mais do que a
inflação geral. O que você faria pra determinar se os idosos estão, real-
mente, em melhor situação a cada ano?
Devemos verificar qual a participação relativa do consumo de remédios (quan-
tidades consumidas) e qual foi o aumento de preços destes bens em relação
ao outros bens utilizados para o cálculo do índice de preços usado para o rea-
juste dos benefícios.
Assim, se o aumento dos preços dos remédios vezes a quantidade consumida
destes dentro da cesta dos idosos mais que compensar o ganho do índice so-
bre a inflação real ocorrida, então os idosos estarão em situação pior a cada
ano.
Agora, se o aumento dos preços dos remédios vezes a quantidade consumida
destes dentro da cesta dos idosos for proporcionalmente menor que o ganho
do índice sobre a inflação real ocorrida, então os idosos estarão em situação
melhor a cada ano.
9) Ao decidir quanto de sua renda poupar para aposentadoria, os traba-
lhadores devem levar em consideração a taxa de juros nominal ou real
que suas poupanças rendem? Explique.
Eles devem levar em conta apenas a taxa de juros real para ter um noção real
da renda que devem guardar hoje para ter uma renda futura com um poder a-
quisitivo pré-definido, já que a taxa real considera apenas os ganho ou aumen-
tos de renda reais, diferente da taxa nominal; ou seja, os rendimento da taxa de
juros real não são fruto do aumento do nível de preços e sim do aumento do
poder aquisitivo desta poupança.
Por fim, podemos concluir que como a taxa nominal inclui tanto a taxa de juros
real mais a inflação, e a taxa de juros real representa os ganhos reais descon-
tadas a perdas de poder de compra devido à inflação, esta ultima medida de
taxa de juros será mais indicada a avaliação do montante a ser poupado hoje
para garantir as condições de vida nos tempos de aposentadoria.
10) Suponha que um tomador de empréstimos e um emprestador concor-
dem com uma taxa de juros nominal a ser paga em um empréstimo. En-
tão, a inflação se revela mais alta do que ambos esperavam.
a. A taxa de juros real do empréstimo é maior ou menor do que a espera-
da?
Como a taxa de juros real é igual a taxa de juros nominal menos a taxa de in-
flação, e observamos uma inflação maior do que havia sido esperada. Pode-
mos concluir que a taxa de juros real observada foi menor do que a que havia
sido esperada inicialmente quando se realizou o empréstimo.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
b. O emprestador sai ganhando ou perdendo com esta inflação inespera-
damente elevada? E o tomador, sai ganhando ou perdendo?
Como a taxa real foi menor do que havia sido esperado, temos que o rendi-
mento real pago ao emprestador foi menor do que se havia planejado.
Assim temos que o retorno real do empréstimo foi menor, fazendo com que o
emprestador tenha saído perdendo.
E como a taxa de juros real foi mais baixa, temos que o “custo” real pago pelo
empréstimo por parte do tomador também tenha sido menor, fazendo com que
o tomador do empréstimo tenha saído ganhando.
c. A inflação durante os anos 1970 foi muito mais elevada do que a maio-
ria das pessoas esperava quando a década teve início. Como isso afetou
os proprietários de imóveis que obtiveram hipotecas a taxas fixas durante
os anos 1960? Como afetou os bancos que concederam os empréstimos?
Como a hipoteca é uma forma de viabilizar o empréstimo de recursos de pou-
padores à vendedores por meio do sistema bancário, temos que neste período
da história americana tínhamos um nível de inflação muito alto e taxas de juros
nominais fixas cobradas pelos empréstimos via hipoteca que não conseguiam
nem compensar as perdas com a inflação.
Assim, tivemos que os juros reais cobrados por estes empréstimos eram na
verdade negativos, por boa parte dos anos 70. Isso significava em termos bru-
tos que os bancos emprestavam recurso para o mercado imobiliário e recebiam
juros reais negativos como compensação; ou seja, literamente perdiam dinheiro
em termos reais.
Com isso, tivemos que os proprietários emprestaram recurso e ao invés de pa-
garem juros reais aos bancos, eles tiveram ganhos por terem realizado os em-
préstimos. E do outro lado, os bancos ao invés de terem rendimentos com os
empréstimos tiveram custos financeiros (taxas de juros reais ganhas foram ne-
gativas).
.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
28 desemprego
28 desemprego28 desemprego
28 desemprego
JosueFernandesdaSilv
 
Slides cap. 29 sistema monetário
Slides cap. 29   sistema monetárioSlides cap. 29   sistema monetário
Slides cap. 29 sistema monetário
Crislainny Barbosa
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
Lídia Aguiar
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
Mitsubishi Motors Brasil
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
Mitsubishi Motors Brasil
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Felipe Leo
 
Custos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomiaCustos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomia
Camila Carvalho
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Economia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentaçãoEconomia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentação
Felipe Leo
 
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
I  lista de exercícios microeconomica -2011-1 I  lista de exercícios microeconomica -2011-1
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
jucielima
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
isaacsales253
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
Roberty Pires Teixeira
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 

Mais procurados (20)

Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
28 desemprego
28 desemprego28 desemprego
28 desemprego
 
Slides cap. 29 sistema monetário
Slides cap. 29   sistema monetárioSlides cap. 29   sistema monetário
Slides cap. 29 sistema monetário
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
 
Custos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomiaCustos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomia
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Economia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentaçãoEconomia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentação
 
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
I  lista de exercícios microeconomica -2011-1 I  lista de exercícios microeconomica -2011-1
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 

Destaque

Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 

Destaque (9)

Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 

Semelhante a Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)

MATEMÁTICA FINANCEIRA
MATEMÁTICA FINANCEIRAMATEMÁTICA FINANCEIRA
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Keilacmelo
 
Seminário a nova classe média brasileira 02-06-2010 - apresentação de fabio...
Seminário a nova classe média brasileira   02-06-2010 - apresentação de fabio...Seminário a nova classe média brasileira   02-06-2010 - apresentação de fabio...
Seminário a nova classe média brasileira 02-06-2010 - apresentação de fabio...
FecomercioSP
 
Apresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADOR
Apresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADORApresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADOR
Apresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADOR
DeiseNascimento23
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
VivianeZukurov
 
Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...
Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...
Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...
E-Commerce Brasil
 
Texto Imposto Estabilizador Da Taxa De Cambio
Texto Imposto Estabilizador Da Taxa De CambioTexto Imposto Estabilizador Da Taxa De Cambio
Texto Imposto Estabilizador Da Taxa De Cambio
Luis Nassif
 
Econ3
Econ3Econ3
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020
PauloSantos1104
 
Política fiscal e ciclos econômicos
Política fiscal e ciclos econômicosPolítica fiscal e ciclos econômicos
Política fiscal e ciclos econômicos
Ministério da Economia
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020
VivianeZukurov
 
Apresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da Fiesp
Apresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da FiespApresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da Fiesp
Apresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da Fiesp
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Atps de direito empresarial e tributario pronta
Atps de direito empresarial e tributario prontaAtps de direito empresarial e tributario pronta
Atps de direito empresarial e tributario pronta
André Braga Barros
 
Cap01
Cap01Cap01
Economia para executivos (aula 2)
Economia para executivos (aula 2)Economia para executivos (aula 2)
Economia para executivos (aula 2)
Hugo Eduardo Meza Pinto
 
Apresentação Institucional - Março 2009
Apresentação Institucional - Março 2009Apresentação Institucional - Março 2009
Apresentação Institucional - Março 2009
generalshoppingriweb
 
Livro prep economia a
Livro prep economia aLivro prep economia a
Livro prep economia a
AidaCunha73
 
Livro prep economia a
Livro prep economia aLivro prep economia a
Livro prep economia a
AidaCunha73
 
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do BrasilPainel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Diágoras M. Alencar Junior
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
PauloSantos1104
 
Porcentagem 3
Porcentagem 3Porcentagem 3
Porcentagem 3
KalculosOnline
 

Semelhante a Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior) (20)

MATEMÁTICA FINANCEIRA
MATEMÁTICA FINANCEIRAMATEMÁTICA FINANCEIRA
MATEMÁTICA FINANCEIRA
 
Seminário a nova classe média brasileira 02-06-2010 - apresentação de fabio...
Seminário a nova classe média brasileira   02-06-2010 - apresentação de fabio...Seminário a nova classe média brasileira   02-06-2010 - apresentação de fabio...
Seminário a nova classe média brasileira 02-06-2010 - apresentação de fabio...
 
Apresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADOR
Apresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADORApresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADOR
Apresentação IPC CESTA BÁSICA, INDICADOR
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
 
Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...
Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...
Palestra status do e commerce no brasil e em minas gerais andré ricardo dias ...
 
Texto Imposto Estabilizador Da Taxa De Cambio
Texto Imposto Estabilizador Da Taxa De CambioTexto Imposto Estabilizador Da Taxa De Cambio
Texto Imposto Estabilizador Da Taxa De Cambio
 
Econ3
Econ3Econ3
Econ3
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 23 10-2020
 
Política fiscal e ciclos econômicos
Política fiscal e ciclos econômicosPolítica fiscal e ciclos econômicos
Política fiscal e ciclos econômicos
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 15 09-2020
 
Apresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da Fiesp
Apresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da FiespApresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da Fiesp
Apresentação Roberto Moussallem – Gerente do Depto de Infraestrutura da Fiesp
 
Atps de direito empresarial e tributario pronta
Atps de direito empresarial e tributario prontaAtps de direito empresarial e tributario pronta
Atps de direito empresarial e tributario pronta
 
Cap01
Cap01Cap01
Cap01
 
Economia para executivos (aula 2)
Economia para executivos (aula 2)Economia para executivos (aula 2)
Economia para executivos (aula 2)
 
Apresentação Institucional - Março 2009
Apresentação Institucional - Março 2009Apresentação Institucional - Março 2009
Apresentação Institucional - Março 2009
 
Livro prep economia a
Livro prep economia aLivro prep economia a
Livro prep economia a
 
Livro prep economia a
Livro prep economia aLivro prep economia a
Livro prep economia a
 
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do BrasilPainel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
 
Porcentagem 3
Porcentagem 3Porcentagem 3
Porcentagem 3
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Luciano Pires
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
Luciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
Luciano Pires
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
Luciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (9)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)

  • 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Respostas – Capítulo 24: Medindo o Custo de Vida Questões para revisão 1) Na sua opinião, qual destas duas coisas tem maior efeito sobre o índice de preços ao consumidor: uma aumento de 10% no preço do frango ou um aumento de 10% no preço do caviar? Por quê? O aumento do preço do frango terá um impacto maior no índice de preços ao consumidor. Isso ocorre porque a participação do frango (quantidade consumi- da de frango) na cesta de produtos usada para calcular o IPC é maior que a do caviar. 2) Descreva os três problemas que fazem o índice de preços ao consumi- dor uma medida imperfeita do custo de vida. Os problemas presentes são a tendência à substituição no curto prazo, introdu- ção ou desenvolvimento de novos bens e a mudança da qualidade. A tendência à substituição indica que no curto prazo a mudança relativa dos preços de mercado podem fazer com que os consumidores mudem seu con- sumo substituindo produtos com preços relativamente mais caros por produtos similares relativamente mais baratos. Esta mudança não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma cesta fixa de produtos. A introdução de novos produtos nos mercados é problemática, pois pode alte- rar os hábitos de consumo dos consumidores fazendo com que a cesta de pro- dutos relevantes para o IPC possa mudar. Esta mudança não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma cesta fixa de produtos. A mudança de qualidade também pode gerar distorções, pois pode causar mu- danças nos hábitos de consumo ou pode gerar aumento de preços ligados aos custos mais altos que geram benefícios maiores. 3) Se o preço de um submarino da Marinha aumentar, o que será mais afe- tado, o índice de preços ao consumidor ou o deflator do PIB? Por quê? O indicador mais afetado será o deflator do PIB. Isso o corre porque o deflator do PIB considera a variação de preços de todos o produtos finais produzidos em um país a um dado período de tempo, já o IPC considera apenas a variação de preço dos produtos de uma cesta identificada como significativa para o consumidor comum (geralmente entre 1 e 40 salários mínimos) por meio de uma pesquisa de campo. Assim como a chance do preço do submarino participar da cesta de produtos considerada pelo IPC é nula, esta alteração de preço do submarino não afeta o IPC.
  • 2. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 4) No decorrer de um longo período de tempo, o preço da barra de choco- late aumentou de R$ 0,10 para R$ 0,60. Ao longo do mesmo período, o índice de preços ao consumidor aumentou de 150 para 300. Corrigindo pela inflação total, quanto aumentou o preço da barra de chocolate? Ou seja, se a barra de chocolate tivesse aumentado o mesmo que o indicdor de inflação aponta o preço deveria ser agora de R$ 0,20 Como o preço agora é de R$ 0,60 podemos concluir que o aumento do preço do chocolate acima da inflação foi de: 5) Explique o significado de taxa de juros nominal e taxa de juros real. Como as duas estão relacionadas? A taxa de juros nominal é a taxa de juros como ela é cotada ou anunciada ou paga pelo banco. Ou seja, indica o rendimento a ser ganho, mas não considera ou desconta os efeitos ou perdas com a inflação. A taxa de juros real é a taxa de juros nominal menos o efetio ou perda de valor da moeda causada pela inflação, como segue: Problemas e Aplicações 1) Suponha que os habitantes de Vegópia gastem toda a renda em couve- flor, brócolis e cenouras. Em 2008, eles compram 100 cabeças de couve- flor por R$ 200, 50 maços de brócolis por R$ 75 e 500 cenouras por R$ R$ 50. Em 2009, compram 75 cabeças de couve-flor por R$ 225, 80 maços de brócolis por R$ 120 e 500 cenouras por R$ 100. a. Calcule o preço de cada tipo de legume em cada ano. Ano Preço Couve-flor Preço Brócolis Preço Cenouras 2008 R$200/100 = R$ 2,00 R$ 75,00/50 = R$ 1,50 R$ 50/500 = R$ 0,10 2009 R$ 225/75 = R$ 3,00 R$ 120/80 = R$ 1,50 R$ 100/500 = R$ 0,20 b. Considerando 2008 como ano-base, calcule o IPC de cada ano.
  • 3. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Cálculo do custo de vida com base na cesta de produtos de 2008: Ano Preço Couve-flor Quant. Couve- flor Preço Brócolis Quant. Brócolis Preço Cenouras Quant. Cenouras Custo de Vida 2008 R$ 2,00 100 R$ 1,50 50 R$ 0,1 500 R$ 325,00 2009 R$ 3,00 100 R$ 1,50 50 R$ 0,2 500 R$ 475,00 Cálculo do Índice de Preços ao Consumidor com ano base em 2008: Ano Custo de Vida Forma de cálculo IPC 2008 R$ 325,00 = (R$ 325/R$ 325)x100 100 2009 R$ 475,00 = (R$ 475/R$ 325)x100 146,1538 c. Qual é a taxa de inflação em 2009? Cálculo da taxa de inflação com base no índice de preços ao consumidor: Ano Forma de cálculo Taxa de inflação 2008 para 2009 = [(146,1538-100)/100]x100 + 46,1538% 2) Visite o site do Bureau of Labor Statistics (ou IPCA do IBGE) e encontre dados sobre o índice de preços ao consumidor. Quanto o índice que in- clui todos os itens aumentou no último ano? Em quais categorias de des- pesas os preços subiram mais? Em quais categorias subiram menos? Houve categorias que apresentaram queda de preços? Você consegue explicar algum desses fatos? Segundo os dados disponibilizados pelo IBGE o IPCA teve um aumento de a- proximadamente 5,84% no ano (ou últimos 12 meses). Como pode ser obser- vado na tabela abaixo: Tabela 1: Índice de Preços ao Consumidor Amplo segundo sua evolução no ano de 2012 ANO MÊS NÚMERO ÍNDICE VARIAÇÃO (%) (DEZ 93 = 100) NO 3 6 NO 12 MÊS MESES MESES ANO MESES 2012 JAN 3422,79 0,56 1,59 2,95 0,56 6,22 FEV 3438,19 0,45 1,52 3,03 1,01 5,85 MAR 3445,41 0,21 1,22 2,70 1,22 5,24 ABR 3467,46 0,64 1,31 2,91 1,87 5,10 MAI 3479,94 0,36 1,21 2,75 2,24 4,99 JUN 3482,72 0,08 1,08 2,32 2,32 4,92 JUL 3497,70 0,43 0,87 2,19 2,76 5,20 AGO 3512,04 0,41 0,92 2,15 3,18 5,24
  • 4. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia ANO MÊS NÚMERO ÍNDICE VARIAÇÃO (%) (DEZ 93 = 100) NO 3 6 NO 12 MÊS MESES MESES ANO MESES SET 3532,06 0,57 1,42 2,51 3,77 5,28 OUT 3552,90 0,59 1,58 2,46 4,38 5,45 NOV 3574,22 0,60 1,77 2,71 5,01 5,53 DEZ 3602,46 0,79 1,99 3,44 5,84 5,84 Fonte: IBGE-SNIPC, 2013. Como podemos observar no valor acumulado ao ano na tabela 2 para o ano de 2012, temos que os grupos de consumo que apresentaram maior aumento no nível de preços foram as despesas pessoais (10,17%), os alimentos e bebidas (9,86%), e os gastos com educação (7,78%). Os grupos de consumo que apresentaram o menor aumento acumulado no nível de preços no ano de 2012 foram os gastos com artigos de residência (0,84%), comunicação (0,77%), e transportes (0,48%). Na inflação acumulada para o ano nenhuma das categorias de consumo apre- sentaram redução do nível de preços. Entretanto, em nível mensal tivemos al- gumas categorias que chegaram a apresentar redução momentânea do nível de preços ao longo do ano, como foi o caso dos artigos de residência, do ves- tuário, dos transportes e da comunicação. Tabela 2: IPCA geral e por grupos de gasto segundo variação percentual acumulada ao longo do ano de 2012 Índice Geral e Grupos de Consumo Mês jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 Índice geral 0,56 1,02 1,22 1,87 2,24 2,32 2,76 3,18 3,77 4,38 5,01 5,84 1.Alimentação e bebidas 0,86 1,05 1,3 1,82 2,56 3,26 4,19 5,1 6,43 7,88 8,74 9,86 2.Habitação 0,53 1,13 1,62 2,43 3,24 3,53 4,09 4,32 5,06 5,45 6,12 6,79 3.Artigos de residência 0,16 0,21 -0,19 -0,98 -0,81 -0,84 -0,85 -0,46 -0,28 0,09 0,56 0,84 4.Vestuário 0,07 -0,17 -0,78 0,2 1,09 1,48 1,52 1,71 2,61 3,73 4,63 5,79 5.Transportes 0,69 0,36 0,52 0,62 0,04 -1,14 -1,17 -1,11 -1,18 -0,94 -0,27 0,48 6.Saúde e cuidados pessoais 0,3 1,00 1,39 2,36 3,04 3,43 3,8 4,35 4,69 5,19 5,53 5,95 7.Despesas pessoais 0,71 1,59 2,15 4,43 5,05 5,55 6,51 6,96 7,75 7,86 8,43 10,17 8.Educação 0,39 6,03 6,6 6,64 6,63 6,7 6,82 7,37 7,48 7,53 7,58 7,78 9.Comunicação 0,21 0,04 -0,32 0,14 -0,05 -0,06 0,1 0,09 0,13 0,43 0,74 0,77 Fonte: IBGE-SNIPC/SIDRA,2013. Verifique pessoalmente nos endereços eletrônicos: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/defaultin pc.shtm> e <http://www.sidra.ibge.gov.br>.
  • 5. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 3) Suponha que as pessoas consumam apenas três bens, como mostra a tabela: Bolas de Tênis Bolas de Golfe Garrafa de Gatorade Preço 2009 R$ 2 R$ 4 R$ 1 Quantidade 2009 100 100 200 Preço 2010 R$ 2 R$ 6 R$ 2 Quantidade 2010 100 100 200 a. Qual é a variação percentual do preço de cada um dos três bens? Variação percentual dos preços dos bens entre 2009 e 2010: Período Variação preço da bola de tênis Variação preço da bola de golfe Variação preço da garrafa de Gatorade 2009 para 2010 [(R$ 2-R$ 2)/R$2]x100 = + 0% [(R$ 6-R$ 4)/R$4]x100 = + 50% [(R$ 2-R$ 1)/R$1]x100 = + 100% b. Empregando um método semelhante ao do IPC, calcule a variação per- centual no nível total de preços. Cálculo do custo de vida com base na cesta de produtos de 2009: Ano Preço Bola Tênis Quant. Bola tênis Preço Bola Golfe Quant. Bola Golfe Preço Gatorade Quant. Gatorade Custo de Vida 2009 R$ 2,00 100 R$ 4,00 100 R$ 1,00 200 R$ 800,00 2010 R$ 2,00 100 R$ 6,00 100 R$ 2,00 200 R$ 1200,00 Cálculo do Índice de Preços ao Consumidor com ano base em 2009: Ano Custo de Vida Forma de cálculo IPC 2009 R$ 800,00 = (R$ 800/R$ 800)x100 100 2010 R$ 1200,00 = (R$ 1200/R$ 800)x100 150 Cálculo da taxa de inflação (variação percentual no nível total de preços) com base no índice de preços ao consumidor: Ano Forma de cálculo Taxa de inflação 2009 para 2010 = [(150-100)/100]x100 + 50% c. Se você soubesse que o tamanho da garrafa de Gatorade aumentaria de 2009 para 2010, essa informação afetaria o calculo da taxa de inflação? Explique.
  • 6. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Esta informação não afetaria o cálculo do índice de preços, pois este é realiza- do com base na cesta de produtos de 2009, que é um período que antecede a mudança em questão. Entretanto, é importante notar que tal evento (mudança no tamanho/volume da garrafa) mudaria as decisões dos individuos concernentes as quantidades con- sumidas e possivelmente nos preços praticados, e que este impacto não seria efetivamente (ou corretamente) medido pelo IPC calculado. d. Se você soubesse que o Gatorade introduziria novos sabores em 2010, essa informação afetaria o cálculo da taxa de inflação? Explique. Esta informação não afetaria o cálculo do índice de preços, pois este é realiza- do com base na cesta de produtos de 2009, que é um período que antecede a mudança em questão. Entretanto, é importante notar que tal evento (mudança no mix de produtos disponíveis para compra), como na situação da questão anterior, mudaria as decisões dos individuos concernentes as quantidades consumidas de cada tipo de produto e possivelmente nos preços praticados, e que este impacto não se- ria efetivamente (ou corretamente) medido pelo IPC calculado. 4) Um pequeno país com 10 pessoas adora o programa de TV American Idol. Tudo o que produzem e consomem são equipamentos de Karaokê e CD’s, nas seguintes quantidades: Equipamentos de Karaokê CD’s Quantidade Preço Quantidade Preço 2009 10 R$ 40 30 R$ 10 2010 12 R$ 60 50 R$ 12 a. Usando um método semelhante ao do índice de preços ao consumidor, calcule a alteração percentual do nível geral de preços. Considere 2009 como ano-base e estabeleça a cesta em 1 equipamento de Karaokê e 3 CD’s. Com base na cesta de bens proposta como sendo 1 equipamento de karaokâ e 3 cd’s podemos calcular o custo de vida: Equipamentos de Karaokê CD’s Custo de Vi- da Quantidade Preço Quantidade Preço 2009 1 R$ 40 3 R$ 10 R$ 70 2010 1 R$ 60 3 R$ 12 R$ 96 Cálculo do Índice de Preços ao Consumidor com ano base em 2009: Ano Custo de Vida Forma de cálculo IPC
  • 7. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 2009 R$ 70,00 = (R$ 70/R$ 70)x100 100 2010 R$ 96,00 = (R$ 96/R$ 70)x100 137,1429 Cálculo da taxa de inflação (variação percentual no nível total de preços) com base no índice de preços ao consumidor: Ano Forma de cálculo Taxa de inflação 2009 para 2010 = [(137,1429-100)/100]x100 + 37,1429% b. Usando um método semelhante ao do deflator do PIB, calcule a altera- ção percentual do nível geral de preços. Considere também 2009 como ano-base. Cálculo do PIB nominal e real (com base em 2009) com base nos dados do país: Equip. de Karaokê CD’s PIB Nominal PIB Real Quant. Preço Quant. Preço 2009 10 R$ 40 30 R$ 10 R$ 700 R$ 700 2010 12 R$ 60 50 R$ 12 R$ 1320 R$ 980 Cálculo do Deflator do PIB com ano base em 2009: Ano PIB Nominal PIB Real (base 2009) Forma de cálculo Deflator do PIB 2009 R$700 R$ 700 = (R$ 700/R$ 700)x100 100 2010 R$ 1320 R$ 980 = (R$ 1320/R$ 980)x100 134,6939 Cálculo da taxa de inflação (variação percentual no nível total de preços) com base no deflator do PIB: Ano Forma de cálculo Taxa de inflação 2009 para 2010 = [(134,6939-100)/100]x100 + 34,6939% c. A taxa de inflação em 2010 é a mesma apurando-a com os dois méto- dos? Explique. Embora neste caso as taxas sejam aproximadamente similares elas resultaram em medidas de variações diferentes da inflação. Isso ocorre porque apesar de termos os mesmos produtos presentes tanto na cesta do IPC como na produção do PIB sua quantidades em termos relativos não são as mesmas no caso do calculo do deflator (mudanças na proporção das quantidades) e já no caso do IPC elas são fixas, gerando diferenças nos indicadores de inflação.
  • 8. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 5) A partir de 1994, a regulamentação ambiental passou a exigir que a ga- solina contenha um novo aditivo para reduzir a poluição do ar. Essa exi- gência aumentou o custo e o preço da gasolina. O bureau of Labor Statis- tics decidiu que esse aumento de custo representou uma melhoria na qualidade. a. Dada essa decisão, o maior preço da gasolina elevou o IPC? Sim, o maior preço provocará uma elevação no IPC calculado, pois a gasolina participa da cesta de produtos do IPC. b. Qual é o argumento a favor da decisão do BLS? Qual seria o argumento para uma decisão diferente? O argumento a favor é o de que este aumento da qualidade seria benéfico para o meio ambiente e reduziria a emissão de poluentes, que são na realidade uma externalidade que pode gerar custos à saúde da população. Por outro lado, esta mudança na composição do combustível inevitavelmente aumentará o nível de preços da economia, o que pode não ser interressante. 6) Qual dos problemas ligados à construção do IPC pode ser exemplifica- do por cada uma das situações a seguir? Explique. a. A invenção do iPod. O problema é a inclusão de um novo produto no mercado. Como o IPC é calculado com base em um cesta de produtos fixa definida antes da introdução deste produto no mercado as mudanças de preço deste produto não serão captadas pelo IPC até que seja realizada outra pesquisa de orça- mento familiar. b. A introdução de air bags nos carros. O problema é a melhoria de qualidade que impactará nos preços e possivel- mente na quantidade consumida do produto. A introdução de air bags aumenta o preço dos carros, mas isso ocorre pela me- lhoria de qualidade e não por causa do aumento do nível geral de preços (infla- ção). c. Aumento das compras de computadores pessoais em resposta a uma queda de seus preços. O problema é o efeito de substituição de produtos do curto prazo dado as vari- ações de preço relativos entre os produtos existentes. Ou seja, é a mudança na quantidade consumida de bens gerada pela substituição de um bem por outro de preço mais aprazível.
  • 9. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Essa substituição não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma pesqui- sa de orçamento familiar que define a cesta fixa de bens consumidos em média pelas pessoas e assim não considera variações de consumo no curto prazo. d. Maior quantidade de passas em cada pacote de Riaisin Bran. O problema é a alteração da quantidade de produto presente em cada unidade do bem. Ou seja, mudança do volume presente na unidade de bem vendido que pode mudar os hábitos ou quantidade de pacotes comprados. Por exemplo, se antes as pessoas em média consumiam 5 pacotes de 200 gramas (total de 1000 gramas de consumo) é provável que após o pacote pas- sar a conter 250 gramas elas passem a comprar apenas 4 pacotes (também um total de 1000 gramas de consumo). Essa mudança não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma pesquisa de orçamento familiar que define a cesta fixa de bens consumidos em média pelas pessoas com base no volume presente no pacote antes da mudança. e. Maior uso de carros que utilizam combustível aditivado depois do au- mento dos preços da gasolina. O problema é o efeito de substituição de produtos do curto prazo dado as vari- ações de preço relativos entre os produtos existentes. Ou seja, é a mudança na quantidade consumida de bens gerada pela substituição de um bem por outro de preço mais aprazível. Essa substituição não é captada pelo IPC, pois este se baseia em uma pesqui- sa de orçamento familiar que define a cesta fixa de bens consumidos em média pelas pessoas e assim não considera variações de consumo no curto prazo. 7) O the new York times custava R$ 0,15 em 1970 e R$ 0,75 em 2000. O salário médio na industria era de R$ 3,23 por hora em 1970 e de R$ 14,32 em 2000. a. Qual é a porcentagem de aumento do preço do jornal? b. Qual é a porcentagem de aumento do salário? c. Em cada ano, quantos minutos um trabalhador precisa trabalhar para ganhar o suficiente para comprar um jornal (Lembrar que cada hora tem 60 minutos)?
  • 10. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Em 1970, com o jornal custando R$ 0,15 e a hora do trabalho custando R$ 3,23: Em 2000, com o jornal custando R$ 0,75 e a hora do trabalho custando R$ 14,32: d. O poder aquisitivo dos trabalhadores em relação ao jornal aumentou ou diminuiu? Podemos observar que em 1970 precisávamos trabalhar apenas 2,78 minutos para comprar o jornal, e agora precisamos trabalhar 31,42 minutos para com- prar o mesmo jornal. Assim podemos concluir que o poder aquisitivo destes trabalhadores, em mé- dia, caiu em relação à sua capacidade de adquirir o jornal, pois agora precisa- mos de mais esforço e tempo para comprar o mesmo jornal do que precisáva- mos em 1970. 8) O capítulo explica que os benefícios da seguridade social aumentam a cada ano de acordo com o aumento do IPC, embora a maioria dos eco- nomistas acredite que o IPC superestima a inflação ocorrida. a. Se os idosos consumirem a mesma cesta de mercado que as demais pessoas, a seguridade social lhes proporcionará uma melhoria da quali- dade de vida a cada ano? Explique. Sim, isso ocorrerá, pois atualmente o IPC apresenta indicadores maiores do que a inflação realmente ocorrida, e como os benefícios da seguridade social são reajustados anualmente com base no IPC é de se esperar que o reajuste seja em média maior do que a inflação real ocorrida. Com isso, teremos que o poder aquisitivo do beneficiário não será apenas reajustado, mas será efetiva- mente aumentado (temporariamente).
  • 11. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia b. Na verdade, os idosos consomem mais assistência médica do que os mais jovens, e os custos de assistência médica subiram mais do que a inflação geral. O que você faria pra determinar se os idosos estão, real- mente, em melhor situação a cada ano? Devemos verificar qual a participação relativa do consumo de remédios (quan- tidades consumidas) e qual foi o aumento de preços destes bens em relação ao outros bens utilizados para o cálculo do índice de preços usado para o rea- juste dos benefícios. Assim, se o aumento dos preços dos remédios vezes a quantidade consumida destes dentro da cesta dos idosos mais que compensar o ganho do índice so- bre a inflação real ocorrida, então os idosos estarão em situação pior a cada ano. Agora, se o aumento dos preços dos remédios vezes a quantidade consumida destes dentro da cesta dos idosos for proporcionalmente menor que o ganho do índice sobre a inflação real ocorrida, então os idosos estarão em situação melhor a cada ano. 9) Ao decidir quanto de sua renda poupar para aposentadoria, os traba- lhadores devem levar em consideração a taxa de juros nominal ou real que suas poupanças rendem? Explique. Eles devem levar em conta apenas a taxa de juros real para ter um noção real da renda que devem guardar hoje para ter uma renda futura com um poder a- quisitivo pré-definido, já que a taxa real considera apenas os ganho ou aumen- tos de renda reais, diferente da taxa nominal; ou seja, os rendimento da taxa de juros real não são fruto do aumento do nível de preços e sim do aumento do poder aquisitivo desta poupança. Por fim, podemos concluir que como a taxa nominal inclui tanto a taxa de juros real mais a inflação, e a taxa de juros real representa os ganhos reais descon- tadas a perdas de poder de compra devido à inflação, esta ultima medida de taxa de juros será mais indicada a avaliação do montante a ser poupado hoje para garantir as condições de vida nos tempos de aposentadoria. 10) Suponha que um tomador de empréstimos e um emprestador concor- dem com uma taxa de juros nominal a ser paga em um empréstimo. En- tão, a inflação se revela mais alta do que ambos esperavam. a. A taxa de juros real do empréstimo é maior ou menor do que a espera- da? Como a taxa de juros real é igual a taxa de juros nominal menos a taxa de in- flação, e observamos uma inflação maior do que havia sido esperada. Pode- mos concluir que a taxa de juros real observada foi menor do que a que havia sido esperada inicialmente quando se realizou o empréstimo.
  • 12. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia b. O emprestador sai ganhando ou perdendo com esta inflação inespera- damente elevada? E o tomador, sai ganhando ou perdendo? Como a taxa real foi menor do que havia sido esperado, temos que o rendi- mento real pago ao emprestador foi menor do que se havia planejado. Assim temos que o retorno real do empréstimo foi menor, fazendo com que o emprestador tenha saído perdendo. E como a taxa de juros real foi mais baixa, temos que o “custo” real pago pelo empréstimo por parte do tomador também tenha sido menor, fazendo com que o tomador do empréstimo tenha saído ganhando. c. A inflação durante os anos 1970 foi muito mais elevada do que a maio- ria das pessoas esperava quando a década teve início. Como isso afetou os proprietários de imóveis que obtiveram hipotecas a taxas fixas durante os anos 1960? Como afetou os bancos que concederam os empréstimos? Como a hipoteca é uma forma de viabilizar o empréstimo de recursos de pou- padores à vendedores por meio do sistema bancário, temos que neste período da história americana tínhamos um nível de inflação muito alto e taxas de juros nominais fixas cobradas pelos empréstimos via hipoteca que não conseguiam nem compensar as perdas com a inflação. Assim, tivemos que os juros reais cobrados por estes empréstimos eram na verdade negativos, por boa parte dos anos 70. Isso significava em termos bru- tos que os bancos emprestavam recurso para o mercado imobiliário e recebiam juros reais negativos como compensação; ou seja, literamente perdiam dinheiro em termos reais. Com isso, tivemos que os proprietários emprestaram recurso e ao invés de pa- garem juros reais aos bancos, eles tiveram ganhos por terem realizado os em- préstimos. E do outro lado, os bancos ao invés de terem rendimentos com os empréstimos tiveram custos financeiros (taxas de juros reais ganhas foram ne- gativas). .