SlideShare uma empresa Scribd logo
RENDA NACIONAL E BEM-ESTAR
       ECONÔMICO
OBJETIVO GERAL
   Apresentar o objetivo e as dimensões universo de
    estudo macroeconômico com foco nas identidades e
    agregados econômicos.

 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Apresentar a origem, o objetivo, possibilidades e
  limitações do estudo da macroeconomia.
 Apresentar os conceitos de renda e despesas nacionais.
 Mensuração do Produto Interno Bruto (PIB) e
  componentes do PIB
 PIB nominal, PIB real e bem-estar econômico.
 Outras medidas de renda e bem-estar econômico.
ÁREA DE ESTUDO DA ECONOMIA
   Macroeconomia: Estudo da economia como um todo.
    Tem como objetivo explicar as mudanças econômicas
    que afetam indivíduos, firmas e os mercados.

   Microeconomia: É o estudo de como o consumidor e a
    firma tomam decisões e interagem entre si.
ÁREA DE ESTUDO DA MACROECONOMIA
 Produção e renda nacionais;
 Efeito de alterações no nível de preços;

 Políticas de estabilização de preços;

 Efeitos de políticas fiscais;
       Investimentos do governo, subsídios, impostos, etc..
   Efeitos de políticas monetárias;
       Quantidade de moeda, taxas de juros, etc..
 Nível desemprego;
 Crescimento e desenvolvimento econômico;
ENTENDENDO O UNIVERSO MACROECONOMICO –
FUNDAMENTOS
 Como a àrea de estudo é ampla e complexa é necessário
  trabalhar com simplificações e modelos mensuráveis.
 Identificando assuntos fundamentais (simplificações):
     Produção e renda totais
     Média dos preços
     Uso dos recursos



   Indicadores e mensurações:
     Produto Interno Bruto Real
     Índice de Preços ao Consumido
     Taxa mensal de desemprego
ENTENDENDO O UNIVERSO MACROECONÔMICO –
MODELO DE FLUXO CIRCULAR COM GOVERNO
                                         Mercado de
        Receita
                                           Bens e                           Gastos
                                                                           Consumo
                                          Serviços
                    Venda bens                            Compra bens
                     e serviços                            e serviços

                           Taxas                          Taxas
                        e Impostos                     e Impostos
    Empresas                               Governo                          Famílias
                       Bens e serviços                Bens e serviços
                          públicos                       públicos

                  Compra de fatores                     Venda de fatores
                    de produção                           de produção
                                         Mercado de
    Remuneração                                                         Renda
                                         Fatores de
                                          Produção
FORMAS DE MENSURAR O “ TAMANHO” DE UMA
ECONOMIA

   Neste modelo simplificado podemos constatar que tudo
    que é produzido é consumido de alguma forma seja por
    consumo individual das pessoas, do governo ou
    investimento das empresas em estoque ou produção.

   Todo o dinheiro disponível é utilizado para viabilizar a
    compra de todos os bens desta economia simplificada.

   Medir o “tamanho” desta economia é medir quanto de
    bens estão sendo produzidos e comercializados.

   Podemos identificar isso no local onde estes bens são
    comercializados. Os mercados.
FORMAS DE MENSURAR O “ TAMANHO” DE UMA
ECONOMIA

   Abordagem dos gastos:
       Soma dos gastos de todos os indivíduos (parte superior do
        diagrama de fluxo circular).


   Abordagem da renda (ou dos custos dos insumos):
       soma do total de salários e lucros pagos pelas firmas (parte
        inferior do diagrama de fluxo circular).


   “Para a economia como um todo, toda a renda gerada
    deve ser igual à todas as despesas realizadas” (Mankiw,
    2009). Como pode ser visto no diagrama.
RENDA E DESPESAS DE UMA ECONOMIA
   Quando se avalia se uma economia vai bem ou mal é
    natural verificar o total de rendimentos das pessoas
    participantes da economia.

   Para a economia como um todo, renda é igual a gastos.

   As forças de oferta e demanda determinam o preço e a
    quantidade de equilíbrio que está sendo produzida e
    consumida.

   Uma medida da renda e dos gastos de uma economia é
    o Produto Interno bruto (PIB).
PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE
PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL
 O PIB é o valor de mercado de todos os bens e serviços
  finais produzidos em um país em um dado período de
  tempo.
 Destrinchando os pontos relevantes:
       É o valor de mercado ... -> Preço de mercado.
       ... de todos ... -> Todos os itens vendidos legalmente.
       ... os bens e serviços ...
       ... Finais ... -> Inclui bens finais e exclui os bens intermediários.
       ... produzidos ... -> Bens e serviços novos produzidos no
        presente.
       ... em um país ... -> Dentro de um limite geográfico.
       ... em um dado período de tempo.
PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE
PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL
   Outras características relevantes do PIB:
     A renda é determinada pelo preço de mercado.
     É medida em Reais ou outra moeda corrente.
     Contabiliza apenas produtos finais (evitar dupla contagem).
     Representa a quantia em dinheiro necessária para comprar
      toda a produção de bens e serviços de uma economia em um
      dado período de tempo.


   O que o PIB não inclui:
     Venda de produtos usados.
     produtos produzidos e consumidos em casa.
     produtos produzidos e consumidos à margem da legalidade.
PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE
PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL
   Limitações do PIB como medida de bem-estar:
       Não mede a “produção” de bens e serviços geradas
        diretamente pelo governo.
       Exclui a produção e consumo realizado em mercado informal.
       Existem dificuldades administrativas na contabilização das
        informações que possibilitam calcular do PIB, fazendo com
        que possam existir discrepâncias e imprecisões.
       Não considera como a produção é distribuída.
       Não considera o efeito ou presença de externalidades.
       Não considera diferenças de qualidade que não sejam
        refletidas nos preços.
PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL ENTRE 1960 E
2011
                  PIB Nominal do Brasil em Dólares entre 1960 a 2011
 3000000



 2500000



 2000000



 1500000
                                                                                Brasil


 1000000



  500000



       0
        1960            1970             1980              1990   2000   2010


 Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE
PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL
   O Produto Nacional Bruto é o valor de mercado de todos os
    bens e serviços finais produzidos por pessoas e empresas de
    uma determinada nacionalidade em um dado período de
    tempo.
   Destrinchando os pontos relevantes:
       É o valor de mercado ... -> Preço de mercado.
       ... de todos ... -> Todos os itens vendidos legalmente.
       ... os bens e serviços ...
       ... Finais ... -> Inclui bens finais e exclui os bens intermediários.
       ... produzidos ... -> Bens e serviços novos produzidos no presente.
       ... por pessoas e empresas de uma determinada nacionalidade ... ->
        De mesma origem independente de sua localização atual.
       ... em um dado período de tempo.
PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE
PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL
   PIB relação entre PNB
     Difere do PIB pois inclui-se no PNB o que brasileiros ganham
      no exterior e retira-se o que estrangeiros ganham no Brasil.
     PNB = PIB + Renda Recebida do Exterior – Renda Enviada ao
      exterior
     Em países com residentes que tem intensa atividade
      econômica no exterior o PNB pode ser maior que o PIB.
     Ambas as medidas são validas e apresentam basicamente as
      mesmas limitações de mensuração e uso.
PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE
PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL
 Produto Nacional Líquido (PNL): total de renda dos
  moradores de um país após subtrair a depreciação (valor
  monetário do desgaste enfrentado por equipamentos e
  infra-estrutura).
 Renda Nacional (RN): Difere do PNL por excluir impostos
  indiretos e incluir subsídios.
 Renda Pessoal (RP): A renda total que indivíduos e
  empresas não-corporativas (pequenas empresas)
  recebem em uma economia.
 Renda Pessoal Disponível (RPD): A renda que indivíduos
  e firmas não corporativas têm após a dedução dos
  impostos.
COMPONENTES DO PIB
   PIB (Y) é a soma do(a):
       Consumo (C): Gastos dos individuos com bens e serviços de
        consumo em geral.
       Investimento (I): Gastos das empresas com bens de capital e
        investimento produtivos em geral.
       Gastos do Governo (G): Gastos realizados pelo governo para
        compra e uso de bens e serviços em esfere federal, estadual
        e municipal.
       Exportações Líquidas (EL): Valor total exportado menos valor
        total importado em bens e serviços.
       Oferta Agregada = Demanda Agregada
       Y = C + I + G + EL
COMPONENTES DO PIB
   Investimentos e variação nos estoques
     Os investimentos (gastos) das empresas são basicamente
      formadas por formação bruta de capital fixo (FBCF) e
      inversão em estoques.
     Crescimento do volume de estoques contribui positivamente
      para o nível de investimento e para o PIB.
     Diminuição do volume de estoques contribui negativamente
      para o nível de investimento e para o PIB.
COMPONENTES DO PIB
   Componentes da demanda agregada no PIB entre 2001
    e 2011

Componentes do PIB                   2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Consumo das Famílias                 63,5 61,7 61,9 59,8 60,3 60,3 59,9 58,9 61,1 59,6 60,3
Consumo do Governo                   19,8 20,6 19,4 19,2 19,9 20 20,3 20,2 21,2 21,2 20,7
Investimento
                                      18,0 16,2 15,8 17,1 16,2 16,8 18,3 20,7 17,8 20,2 19,7
(FBCF+ Variação do Estoque)
Exportações de Bens e Serviços        12,2 14,1 15,0 16,4 15,1 14,4 13,4 13,7 11 10,9 11,9
Importação de Bens e Serviços        -13,5 -12,6 -12,1 -12,5 -11,5 -11,5 -11,8 -13,5 -11,1 -11,9 -12,6
PIB Total                            100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0
Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Coordenadoria de Contas nacionais.
Obs.: Os anos de 2010 e 2011 são resultados preliminares calculados com base em contas nacionais trimestrais.
PIB NOMINAL E PIB REAL
   PIB divulgado é o valor total de produção de uma economia
    em moeda nacional em valores correntes, sendo este
    chamado de PIB nominal.
   O “problema” presente no PIB nominal é que ele é
    influenciado pela variação na produção e pela variação nos
    preços.
   Assim:
     Aumento (variação) na produção causa aumento (variação) no PIB e
      no bem-estar.
     Aumento (variação) nos preços causa aumento (variação) no
      PIB, mas não causa aumento (variação) de bem-estar.
   Como para medir o tamanho ou bem-estar de uma economia
    só importa as variações na produção e não importam as
    variações de preço, devemos reavaliar o indicador.
PIB NOMINAL E PIB REAL
   PIB nominal e PIB real em reais entre 1990 e 2010
    R$ 4,000,000.00


    R$ 3,500,000.00


    R$ 3,000,000.00


    R$ 2,500,000.00


    R$ 2,000,000.00                                                            PIB Nomial
                                                                               PIB Real
    R$ 1,500,000.00


    R$ 1,000,000.00


     R$ 500,000.00


            R$ 0.00
                  1985          1990            1995      2000   2005   2010


Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
PIB NOMINAL E PIB REAL
 Considerando as características do PIB nominal
  desenvolve-se o PIB real.
 PIB Real é o PIB de um ano qualquer medido em “preços
  constantes”; ou seja, sem a influência das variações de
  preços.
 Com isso temos uma medida de PIB real que só
  considera as variações do nível de produção.
 Assim, para termos uma visão verdadeira do tamanho
  ou bem-estar de uma economia temos que ajustar o PIB
  Nominal para termos o PIB Real utilizando-se um
  deflator.
PIB NOMINAL E PIB REAL
   Calculando o PIB Nominal:

                       Quantidade               Quantidade
           Preço da                  Preço da
    Ano               Produzida de              Produzida de   PIB Nominal
            Laranja                   Maça
                         Laranja                   Maça
    2010      R$ 1           1000        R$ 2           500       R$ 2000
    2011      R$ 2           1500        R$ 3          1000       R$ 6000
    2012      R$ 3           2000        R$ 4          1500      R$ 12000

       Para calcular o PIB nominal basta multiplicar o preço de cada
        bem pela sua quantidade produzida e depois somar o valor
        produzido de todos os bens.
PIB NOMINAL E PIB REAL
   Variação percentual do PIB nominal
       Para calcular a variação percentual: [(PIB2-PIB1)/PIB1]*100

     Variação de 2010 para 2011 foi de +200%.
     Cálculo: [(6000-2000)/2000]*100=200%


     Variação de 2011 para 2012 foi de +100%.
     Cálculo: [(12000-6000)/6000]*100=100%
PIB NOMINAL E PIB REAL
   Calculando o PIB real com ano base em 2010:

            Preço da     Quantidade     Preço da    Quantidade
    Ano      Laranja    Produzida de     Maça       Produzida de   PIB Real
           (Ano Base)      Laranja     (Ano Base)      Maça
    2010        R$ 1           1000         R$ 2            500     R$ 2000
    2011        R$ 1           1500         R$ 2           1000     R$ 3500
    2012        R$ 1           2000         R$ 2           1500     R$ 5000

       Para calcular o PIB real basta multiplicar o preço de cada bem
        em um ano base escolhido pela sua quantidade produzida
        em cada ano e depois somar o valor produzido de todos os
        bens.
PIB NOMINAL E PIB REAL
   Variação percentual do PIB real
       Para calcular a variação percentual: [(PIB2-PIB1)/PIB1]*100

     Variação de 2010 para 2011 foi de +75%.
     Cálculo: [(3500-2000)/2000]*100=75%


     Variação de 2011 para 2012 foi de +42,85%.
     Cálculo: [(5000-3500)/3500]*100=42,85%
DEFLATOR DO PIB
 O deflator do PIB é um índice (indicador) do nível de
  preços que é calculado sobre um agregado de todos os
  bens e serviços de uma economia.
 Este nos indica o fator pelo qual o PIB variou devido às
  variações nos preços, e que não constituem variação no
  nível de produção.
 Deflator do PIB = (PIB Nominal ÷ PIB Real) x 100
DEFLATOR DO PIB
                          Deflator do PIB Brasileiro entre 1985 e 2010
3000



2500



2000



1500
                                                                                      Deflator


1000



 500



   0
   1980          1985           1990          1995        2000   2005   2010   2015



Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
DEFLATOR DO PIB
                            Deflator do PIB Brasileiro entre 1995 e 2010
100

 90

 80

 70

 60

 50
                                                                                             Deflator
 40

 30

 20

 10

  0
   1994        1996       1998        2000       2002     2004   2006   2008   2010   2012



Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
DEFLATOR DO PIB
   Calculando o deflator com ano base em 2010:

        Ano   PIB Nominal   PIB Real             Deflator do PIB
    2010         R$ 2000    R$ 2000    Deflator = (R$2000/R$2000)x100 = 100
    2011         R$ 6000    R$ 3500    Deflator = (R$6000/R$3500)x100 = 171
    2012        R$ 12000    R$ 5000 Deflator = (R$12000/R$5000)x100 = 240



       Para calcular o Deflator do PIB com base em um determinado
        ano basta dividir o PIB Nominal pelo PIB Real e multiplicar
        por 100.
VARIAÇÃO DA INFLAÇÃO COM BASE NO DEFLATOR DO
PIB
   Variação de 2010 para 2011: Observa-se um aumento de
    71% no nível de preços. Cálculo: deflator de 2011 menos
    o deflator de 2010.

   Variação de 2011 para 2012: Observa-se um aumento de
    69% no nível de preços. Cálculo: deflator de 2012 menos
    o deflator de 2011.
PIB COMO MEDIDA DE BEM-ESTAR ECONÔMICO
   Embora as medidas absolutas de renda e produção
    (como o PIB) consigam medir a dimensão (tamanho) do
    bem-estar econômico “disponível” elas não medem
    como ele é distribuído e se este é “muito ou pouco”
    para este país.

   O PIB per capita ou por habitante surge para medir estas
    dimensões.
PIB COMO MEDIDA DE BEM-ESTAR ECONÔMICO
   PIB per capita indica a renda e os gastos de um indivíduo
    médio da economia ou dos indivíduos em média.

   PIB per capita = PIB/N

   Características:
     É uma boa medida de bem-estar de uma economia que
      considera a avaliação relativa entre o volume de produção e
      o tamanho da população que fará uso desta produção.
     Não tem a intenção de medir felicidade ou qualidade de vida.
PIB COMO MEDIDA DE BEM-ESTAR ECONÔMICO
   As medidas de renda e produto nacionais (como o PIB)
    são bons indicadores de bem-estar de uma economia
    entretanto não considera todos os fatores que podem
    indicar variação de bem estar.

   Alguns fatores não presentes no PIB e que aumentam o
    bem-estar do indivíduo ou da economia:
     Atividades de lazer não comercializáveis.
     Meio ambiente
     Atividades fora do mercado ou não comercializáveis:
      voluntariado, cuidar dos filhos, etc..
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo:
  Cengage Learning, 2009. 838 pg.
 VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e
  Macro, Atlas, 2002.
 BLANCHARD, Olivier. Macroeconomia. 5. ed. Rio de
  Janeiro: Campus. 2010.
 Insituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013.
  <www.ibge.gov.br>.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
Cátia Pascoal
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Inflacao
InflacaoInflacao
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 
Bens – noção e classificação
Bens – noção e classificaçãoBens – noção e classificação
Bens – noção e classificação
EconomicSintese
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacionalAula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
Luiz Paulo Fontes Rezende
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Felipe Leo
 
Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
Slide inflaçao 1
Slide inflaçao 1Slide inflaçao 1
Slide inflaçao 1
Evinha Almeida
 
Bens e Serviços
Bens e ServiçosBens e Serviços
Bens e Serviços
isaacsales253
 
Teoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custosTeoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custos
Credencio Maunze
 
Aula 2 demanda oferta pricipal copy
Aula 2 demanda oferta pricipal   copyAula 2 demanda oferta pricipal   copy
Aula 2 demanda oferta pricipal copy
Ivaristo Americo
 
Aula 1 economia original
Aula 1 economia originalAula 1 economia original
Aula 1 economia original
Ivaristo Americo
 
Aulas poupanca e_investimento
Aulas poupanca e_investimentoAulas poupanca e_investimento
Aulas poupanca e_investimento
duartealbuquerque
 
Cap02
Cap02Cap02

Mais procurados (20)

Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Inflacao
InflacaoInflacao
Inflacao
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Bens – noção e classificação
Bens – noção e classificaçãoBens – noção e classificação
Bens – noção e classificação
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacionalAula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
 
Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
Slide inflaçao 1
Slide inflaçao 1Slide inflaçao 1
Slide inflaçao 1
 
Bens e Serviços
Bens e ServiçosBens e Serviços
Bens e Serviços
 
Teoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custosTeoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custos
 
Aula 2 demanda oferta pricipal copy
Aula 2 demanda oferta pricipal   copyAula 2 demanda oferta pricipal   copy
Aula 2 demanda oferta pricipal copy
 
Aula 1 economia original
Aula 1 economia originalAula 1 economia original
Aula 1 economia original
 
Aulas poupanca e_investimento
Aulas poupanca e_investimentoAulas poupanca e_investimento
Aulas poupanca e_investimento
 
Cap02
Cap02Cap02
Cap02
 

Destaque

Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 
Saude factores infl
Saude factores inflSaude factores infl
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Luciano Pires
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
Luciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 

Destaque (20)

Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 
Saude factores infl
Saude factores inflSaude factores infl
Saude factores infl
 
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 

Semelhante a Renda nacional e Bem-estar Econômico

Fluxo circular da renda
Fluxo circular da rendaFluxo circular da renda
Fluxo circular da renda
Bianca Xavier Vasconcellos
 
E 2a07
E 2a07E 2a07
E 2a07
Angelo Yasui
 
Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23
Aline Schons
 
Macroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RIMacroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RI
José Vinci
 
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Vanessa Alves
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
Roberto Arruda
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
Ewerton Uchôa
 
Aula 12 quantificando a renda nacional
Aula 12   quantificando a renda nacionalAula 12   quantificando a renda nacional
Aula 12 quantificando a renda nacional
petecoslides
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
bergerbird
 
Resumo macroeconomia espm
Resumo macroeconomia espmResumo macroeconomia espm
Resumo macroeconomia espm
Victoria de Oliveira
 
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.pptAula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
diodatojose
 
Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024
Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024
Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024
OzaiasCarvalho
 
aula 11-12.ppt
aula 11-12.pptaula 11-12.ppt
aula 11-12.ppt
DaianaBritez2
 
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisPib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
artelajeans
 
Medindo a renda nacional - capitulo 23.pptx
Medindo a renda nacional - capitulo 23.pptxMedindo a renda nacional - capitulo 23.pptx
Medindo a renda nacional - capitulo 23.pptx
MairaLuizaSpanholi
 
Ecomat
EcomatEcomat
Ecomat
Angelo Yasui
 
Economia mercados
Economia mercadosEconomia mercados
Economia mercados
Pedro De Almeida
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
DaianaBritez2
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
Diego Palmiere
 
Introdução à economia para gestão 4a parte macroeconomia
Introdução à economia para gestão 4a parte macroeconomiaIntrodução à economia para gestão 4a parte macroeconomia
Introdução à economia para gestão 4a parte macroeconomia
João Cláudio Arroyo
 

Semelhante a Renda nacional e Bem-estar Econômico (20)

Fluxo circular da renda
Fluxo circular da rendaFluxo circular da renda
Fluxo circular da renda
 
E 2a07
E 2a07E 2a07
E 2a07
 
Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23
 
Macroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RIMacroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RI
 
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
 
Aula 12 quantificando a renda nacional
Aula 12   quantificando a renda nacionalAula 12   quantificando a renda nacional
Aula 12 quantificando a renda nacional
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
Resumo macroeconomia espm
Resumo macroeconomia espmResumo macroeconomia espm
Resumo macroeconomia espm
 
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.pptAula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
Aula Teorica sobre Contas Nacionais-1.ppt
 
Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024
Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024
Microeconomia e Macroeconomia aula 01 2024
 
aula 11-12.ppt
aula 11-12.pptaula 11-12.ppt
aula 11-12.ppt
 
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisPib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
 
Medindo a renda nacional - capitulo 23.pptx
Medindo a renda nacional - capitulo 23.pptxMedindo a renda nacional - capitulo 23.pptx
Medindo a renda nacional - capitulo 23.pptx
 
Ecomat
EcomatEcomat
Ecomat
 
Economia mercados
Economia mercadosEconomia mercados
Economia mercados
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
 
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.pptCN S7 CAP 7 AS APU.ppt
CN S7 CAP 7 AS APU.ppt
 
Introdução à economia para gestão 4a parte macroeconomia
Introdução à economia para gestão 4a parte macroeconomiaIntrodução à economia para gestão 4a parte macroeconomia
Introdução à economia para gestão 4a parte macroeconomia
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Renda nacional e Bem-estar Econômico

  • 1. RENDA NACIONAL E BEM-ESTAR ECONÔMICO
  • 2. OBJETIVO GERAL  Apresentar o objetivo e as dimensões universo de estudo macroeconômico com foco nas identidades e agregados econômicos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Apresentar a origem, o objetivo, possibilidades e limitações do estudo da macroeconomia.  Apresentar os conceitos de renda e despesas nacionais.  Mensuração do Produto Interno Bruto (PIB) e componentes do PIB  PIB nominal, PIB real e bem-estar econômico.  Outras medidas de renda e bem-estar econômico.
  • 3. ÁREA DE ESTUDO DA ECONOMIA  Macroeconomia: Estudo da economia como um todo. Tem como objetivo explicar as mudanças econômicas que afetam indivíduos, firmas e os mercados.  Microeconomia: É o estudo de como o consumidor e a firma tomam decisões e interagem entre si.
  • 4. ÁREA DE ESTUDO DA MACROECONOMIA  Produção e renda nacionais;  Efeito de alterações no nível de preços;  Políticas de estabilização de preços;  Efeitos de políticas fiscais;  Investimentos do governo, subsídios, impostos, etc..  Efeitos de políticas monetárias;  Quantidade de moeda, taxas de juros, etc..  Nível desemprego;  Crescimento e desenvolvimento econômico;
  • 5. ENTENDENDO O UNIVERSO MACROECONOMICO – FUNDAMENTOS  Como a àrea de estudo é ampla e complexa é necessário trabalhar com simplificações e modelos mensuráveis.  Identificando assuntos fundamentais (simplificações):  Produção e renda totais  Média dos preços  Uso dos recursos  Indicadores e mensurações:  Produto Interno Bruto Real  Índice de Preços ao Consumido  Taxa mensal de desemprego
  • 6. ENTENDENDO O UNIVERSO MACROECONÔMICO – MODELO DE FLUXO CIRCULAR COM GOVERNO Mercado de Receita Bens e Gastos Consumo Serviços Venda bens Compra bens e serviços e serviços Taxas Taxas e Impostos e Impostos Empresas Governo Famílias Bens e serviços Bens e serviços públicos públicos Compra de fatores Venda de fatores de produção de produção Mercado de Remuneração Renda Fatores de Produção
  • 7. FORMAS DE MENSURAR O “ TAMANHO” DE UMA ECONOMIA  Neste modelo simplificado podemos constatar que tudo que é produzido é consumido de alguma forma seja por consumo individual das pessoas, do governo ou investimento das empresas em estoque ou produção.  Todo o dinheiro disponível é utilizado para viabilizar a compra de todos os bens desta economia simplificada.  Medir o “tamanho” desta economia é medir quanto de bens estão sendo produzidos e comercializados.  Podemos identificar isso no local onde estes bens são comercializados. Os mercados.
  • 8. FORMAS DE MENSURAR O “ TAMANHO” DE UMA ECONOMIA  Abordagem dos gastos:  Soma dos gastos de todos os indivíduos (parte superior do diagrama de fluxo circular).  Abordagem da renda (ou dos custos dos insumos):  soma do total de salários e lucros pagos pelas firmas (parte inferior do diagrama de fluxo circular).  “Para a economia como um todo, toda a renda gerada deve ser igual à todas as despesas realizadas” (Mankiw, 2009). Como pode ser visto no diagrama.
  • 9. RENDA E DESPESAS DE UMA ECONOMIA  Quando se avalia se uma economia vai bem ou mal é natural verificar o total de rendimentos das pessoas participantes da economia.  Para a economia como um todo, renda é igual a gastos.  As forças de oferta e demanda determinam o preço e a quantidade de equilíbrio que está sendo produzida e consumida.  Uma medida da renda e dos gastos de uma economia é o Produto Interno bruto (PIB).
  • 10. PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL  O PIB é o valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos em um país em um dado período de tempo.  Destrinchando os pontos relevantes:  É o valor de mercado ... -> Preço de mercado.  ... de todos ... -> Todos os itens vendidos legalmente.  ... os bens e serviços ...  ... Finais ... -> Inclui bens finais e exclui os bens intermediários.  ... produzidos ... -> Bens e serviços novos produzidos no presente.  ... em um país ... -> Dentro de um limite geográfico.  ... em um dado período de tempo.
  • 11. PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL  Outras características relevantes do PIB:  A renda é determinada pelo preço de mercado.  É medida em Reais ou outra moeda corrente.  Contabiliza apenas produtos finais (evitar dupla contagem).  Representa a quantia em dinheiro necessária para comprar toda a produção de bens e serviços de uma economia em um dado período de tempo.  O que o PIB não inclui:  Venda de produtos usados.  produtos produzidos e consumidos em casa.  produtos produzidos e consumidos à margem da legalidade.
  • 12. PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL  Limitações do PIB como medida de bem-estar:  Não mede a “produção” de bens e serviços geradas diretamente pelo governo.  Exclui a produção e consumo realizado em mercado informal.  Existem dificuldades administrativas na contabilização das informações que possibilitam calcular do PIB, fazendo com que possam existir discrepâncias e imprecisões.  Não considera como a produção é distribuída.  Não considera o efeito ou presença de externalidades.  Não considera diferenças de qualidade que não sejam refletidas nos preços.
  • 13. PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL ENTRE 1960 E 2011 PIB Nominal do Brasil em Dólares entre 1960 a 2011 3000000 2500000 2000000 1500000 Brasil 1000000 500000 0 1960 1970 1980 1990 2000 2010 Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
  • 14. PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL  O Produto Nacional Bruto é o valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos por pessoas e empresas de uma determinada nacionalidade em um dado período de tempo.  Destrinchando os pontos relevantes:  É o valor de mercado ... -> Preço de mercado.  ... de todos ... -> Todos os itens vendidos legalmente.  ... os bens e serviços ...  ... Finais ... -> Inclui bens finais e exclui os bens intermediários.  ... produzidos ... -> Bens e serviços novos produzidos no presente.  ... por pessoas e empresas de uma determinada nacionalidade ... -> De mesma origem independente de sua localização atual.  ... em um dado período de tempo.
  • 15. PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL  PIB relação entre PNB  Difere do PIB pois inclui-se no PNB o que brasileiros ganham no exterior e retira-se o que estrangeiros ganham no Brasil.  PNB = PIB + Renda Recebida do Exterior – Renda Enviada ao exterior  Em países com residentes que tem intensa atividade econômica no exterior o PNB pode ser maior que o PIB.  Ambas as medidas são validas e apresentam basicamente as mesmas limitações de mensuração e uso.
  • 16. PRODUTO INTERNO BRUTO E OUTRAS MEDIDAS DE PRODUÇÃO E RENDA NACIONAL  Produto Nacional Líquido (PNL): total de renda dos moradores de um país após subtrair a depreciação (valor monetário do desgaste enfrentado por equipamentos e infra-estrutura).  Renda Nacional (RN): Difere do PNL por excluir impostos indiretos e incluir subsídios.  Renda Pessoal (RP): A renda total que indivíduos e empresas não-corporativas (pequenas empresas) recebem em uma economia.  Renda Pessoal Disponível (RPD): A renda que indivíduos e firmas não corporativas têm após a dedução dos impostos.
  • 17. COMPONENTES DO PIB  PIB (Y) é a soma do(a):  Consumo (C): Gastos dos individuos com bens e serviços de consumo em geral.  Investimento (I): Gastos das empresas com bens de capital e investimento produtivos em geral.  Gastos do Governo (G): Gastos realizados pelo governo para compra e uso de bens e serviços em esfere federal, estadual e municipal.  Exportações Líquidas (EL): Valor total exportado menos valor total importado em bens e serviços.  Oferta Agregada = Demanda Agregada  Y = C + I + G + EL
  • 18. COMPONENTES DO PIB  Investimentos e variação nos estoques  Os investimentos (gastos) das empresas são basicamente formadas por formação bruta de capital fixo (FBCF) e inversão em estoques.  Crescimento do volume de estoques contribui positivamente para o nível de investimento e para o PIB.  Diminuição do volume de estoques contribui negativamente para o nível de investimento e para o PIB.
  • 19. COMPONENTES DO PIB  Componentes da demanda agregada no PIB entre 2001 e 2011 Componentes do PIB 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Consumo das Famílias 63,5 61,7 61,9 59,8 60,3 60,3 59,9 58,9 61,1 59,6 60,3 Consumo do Governo 19,8 20,6 19,4 19,2 19,9 20 20,3 20,2 21,2 21,2 20,7 Investimento 18,0 16,2 15,8 17,1 16,2 16,8 18,3 20,7 17,8 20,2 19,7 (FBCF+ Variação do Estoque) Exportações de Bens e Serviços 12,2 14,1 15,0 16,4 15,1 14,4 13,4 13,7 11 10,9 11,9 Importação de Bens e Serviços -13,5 -12,6 -12,1 -12,5 -11,5 -11,5 -11,8 -13,5 -11,1 -11,9 -12,6 PIB Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Coordenadoria de Contas nacionais. Obs.: Os anos de 2010 e 2011 são resultados preliminares calculados com base em contas nacionais trimestrais.
  • 20. PIB NOMINAL E PIB REAL  PIB divulgado é o valor total de produção de uma economia em moeda nacional em valores correntes, sendo este chamado de PIB nominal.  O “problema” presente no PIB nominal é que ele é influenciado pela variação na produção e pela variação nos preços.  Assim:  Aumento (variação) na produção causa aumento (variação) no PIB e no bem-estar.  Aumento (variação) nos preços causa aumento (variação) no PIB, mas não causa aumento (variação) de bem-estar.  Como para medir o tamanho ou bem-estar de uma economia só importa as variações na produção e não importam as variações de preço, devemos reavaliar o indicador.
  • 21. PIB NOMINAL E PIB REAL  PIB nominal e PIB real em reais entre 1990 e 2010 R$ 4,000,000.00 R$ 3,500,000.00 R$ 3,000,000.00 R$ 2,500,000.00 R$ 2,000,000.00 PIB Nomial PIB Real R$ 1,500,000.00 R$ 1,000,000.00 R$ 500,000.00 R$ 0.00 1985 1990 1995 2000 2005 2010 Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
  • 22. PIB NOMINAL E PIB REAL  Considerando as características do PIB nominal desenvolve-se o PIB real.  PIB Real é o PIB de um ano qualquer medido em “preços constantes”; ou seja, sem a influência das variações de preços.  Com isso temos uma medida de PIB real que só considera as variações do nível de produção.  Assim, para termos uma visão verdadeira do tamanho ou bem-estar de uma economia temos que ajustar o PIB Nominal para termos o PIB Real utilizando-se um deflator.
  • 23. PIB NOMINAL E PIB REAL  Calculando o PIB Nominal: Quantidade Quantidade Preço da Preço da Ano Produzida de Produzida de PIB Nominal Laranja Maça Laranja Maça 2010 R$ 1 1000 R$ 2 500 R$ 2000 2011 R$ 2 1500 R$ 3 1000 R$ 6000 2012 R$ 3 2000 R$ 4 1500 R$ 12000  Para calcular o PIB nominal basta multiplicar o preço de cada bem pela sua quantidade produzida e depois somar o valor produzido de todos os bens.
  • 24. PIB NOMINAL E PIB REAL  Variação percentual do PIB nominal  Para calcular a variação percentual: [(PIB2-PIB1)/PIB1]*100  Variação de 2010 para 2011 foi de +200%.  Cálculo: [(6000-2000)/2000]*100=200%  Variação de 2011 para 2012 foi de +100%.  Cálculo: [(12000-6000)/6000]*100=100%
  • 25. PIB NOMINAL E PIB REAL  Calculando o PIB real com ano base em 2010: Preço da Quantidade Preço da Quantidade Ano Laranja Produzida de Maça Produzida de PIB Real (Ano Base) Laranja (Ano Base) Maça 2010 R$ 1 1000 R$ 2 500 R$ 2000 2011 R$ 1 1500 R$ 2 1000 R$ 3500 2012 R$ 1 2000 R$ 2 1500 R$ 5000  Para calcular o PIB real basta multiplicar o preço de cada bem em um ano base escolhido pela sua quantidade produzida em cada ano e depois somar o valor produzido de todos os bens.
  • 26. PIB NOMINAL E PIB REAL  Variação percentual do PIB real  Para calcular a variação percentual: [(PIB2-PIB1)/PIB1]*100  Variação de 2010 para 2011 foi de +75%.  Cálculo: [(3500-2000)/2000]*100=75%  Variação de 2011 para 2012 foi de +42,85%.  Cálculo: [(5000-3500)/3500]*100=42,85%
  • 27. DEFLATOR DO PIB  O deflator do PIB é um índice (indicador) do nível de preços que é calculado sobre um agregado de todos os bens e serviços de uma economia.  Este nos indica o fator pelo qual o PIB variou devido às variações nos preços, e que não constituem variação no nível de produção.  Deflator do PIB = (PIB Nominal ÷ PIB Real) x 100
  • 28. DEFLATOR DO PIB Deflator do PIB Brasileiro entre 1985 e 2010 3000 2500 2000 1500 Deflator 1000 500 0 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2010 2015 Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
  • 29. DEFLATOR DO PIB Deflator do PIB Brasileiro entre 1995 e 2010 100 90 80 70 60 50 Deflator 40 30 20 10 0 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 Fonte: IBGE, Diretoria de pesquisas, Séries históricas.
  • 30. DEFLATOR DO PIB  Calculando o deflator com ano base em 2010: Ano PIB Nominal PIB Real Deflator do PIB 2010 R$ 2000 R$ 2000 Deflator = (R$2000/R$2000)x100 = 100 2011 R$ 6000 R$ 3500 Deflator = (R$6000/R$3500)x100 = 171 2012 R$ 12000 R$ 5000 Deflator = (R$12000/R$5000)x100 = 240  Para calcular o Deflator do PIB com base em um determinado ano basta dividir o PIB Nominal pelo PIB Real e multiplicar por 100.
  • 31. VARIAÇÃO DA INFLAÇÃO COM BASE NO DEFLATOR DO PIB  Variação de 2010 para 2011: Observa-se um aumento de 71% no nível de preços. Cálculo: deflator de 2011 menos o deflator de 2010.  Variação de 2011 para 2012: Observa-se um aumento de 69% no nível de preços. Cálculo: deflator de 2012 menos o deflator de 2011.
  • 32. PIB COMO MEDIDA DE BEM-ESTAR ECONÔMICO  Embora as medidas absolutas de renda e produção (como o PIB) consigam medir a dimensão (tamanho) do bem-estar econômico “disponível” elas não medem como ele é distribuído e se este é “muito ou pouco” para este país.  O PIB per capita ou por habitante surge para medir estas dimensões.
  • 33. PIB COMO MEDIDA DE BEM-ESTAR ECONÔMICO  PIB per capita indica a renda e os gastos de um indivíduo médio da economia ou dos indivíduos em média.  PIB per capita = PIB/N  Características:  É uma boa medida de bem-estar de uma economia que considera a avaliação relativa entre o volume de produção e o tamanho da população que fará uso desta produção.  Não tem a intenção de medir felicidade ou qualidade de vida.
  • 34. PIB COMO MEDIDA DE BEM-ESTAR ECONÔMICO  As medidas de renda e produto nacionais (como o PIB) são bons indicadores de bem-estar de uma economia entretanto não considera todos os fatores que podem indicar variação de bem estar.  Alguns fatores não presentes no PIB e que aumentam o bem-estar do indivíduo ou da economia:  Atividades de lazer não comercializáveis.  Meio ambiente  Atividades fora do mercado ou não comercializáveis: voluntariado, cuidar dos filhos, etc..
  • 35. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo: Cengage Learning, 2009. 838 pg.  VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e Macro, Atlas, 2002.  BLANCHARD, Olivier. Macroeconomia. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus. 2010.  Insituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. <www.ibge.gov.br>.