SlideShare uma empresa Scribd logo
1
2
“É o valor financeiro atribuído a um produto ou
serviço, com um determinado padrão de qualidade,
que o consumidor está disposto a pagar para obtê-lo”.
“É o processo de formar e gerenciar preços,
atuando estrategicamente para conseguir que
eles sejam competitivos, lucrativos e rentáveis”.
3
Por que Pricing...
É preciso exterminar a prática do MARK UP na formação de preços
1. Numa economia estável e competitiva os preços são transparentes.
2. A competição pela preferência do consumidor é saudável e faz
bem à economia.
Estimula a INOVAÇÃO
4
Muitas empresas quebram por praticarem o Mark Up na formação de
Preços, porque o Mark up não leva em conta:
1. Quanto do fator é Despesa de Venda
2. Quanto do fator paga o Custo Fixo
3. Quanto do fator é Lucro
4. Que Lucro a empresa precisa faturar
No Brasil, o Índice de sobrevivência de pequenas empresas é muito
baixo.
Apenas 10% permanecem após 2 gerações.
21.183.718 empresas ativas hoje no Brasil
fonte: Empresômetro
5
Pricing é muito mais do que formar preço
 Pricinng é cultivar uma boa semente para colher bons resultados.
7
Precificação se faz a partir dos cenários econômicos
predominantes
O Conceito de Margem de Contribuição é a espinha dorsal que
estrutura a empresa saudável.
1. Quando a precificação é feita por margem de contribuição, é
possível planejar a competividade, a lucratividade e a rentabilidade
dos preços praticados.
2. É possível praticar uma saudável política de preços a partir da
GERAÇÃO DE VALOR QUE PODE SER INSERIDA NOS PREÇOS, ELEMENTO
SUTIL QUE FAZ TODA DIFERENÇA NA HORA DE COMPETIR.
Processo correto de formação de preço:
1. Conheça qual é o montante de retorno sobre o investimento feito
no negócio que você pode esperar.
Leve esse número em conta na hora de formar preço.
2. Conheça qual o custo fixo que o negócio pode suportar.
Esse valor é vital na obtenção do lucro.
3. Tenha uma operação produtiva e eficaz.
4. Administre toda sua empresa com o Conceito de Margem de
Contribuição. Ela será a espinha dorsal de uma nova gestão preços e
de resultados.
10
OBJETIVOS DOS PREÇOS
• Obter retorno do capital investido, com os lucros
auferidos ao longo do tempo.*
*Somente por meio da correta fixação e
mensuração dos Preços de Venda é possível assegurar o
adequado retorno do investimento efetuado (ROI).
• O consumidor deve ser atendido em sua expectativa, a
de que está pagando um preço justo pelo produto ou
serviço que consumirá.
Para formar o Preço de Venda precisamos
responder a três perguntas fundamentais:
• Quanto custa para produzir o produto?
• Quais as despesas para vender o produto?
• Qual o ganho que o preço deve
proporcionar?
11
12
Como o Preço de Venda é formado?
13
Quais são os grupos de gastos que formam
o Preço de Venda?
1 2 3
1. Grupo dos Custos Diretos
A Soma dos Custos Diretos é um valor absoluto, um
montante, ou seja, é o valor próprio do algarismo.
CDI CPV CSV
14
Indústria Comércio Serviços
2. Grupo das Despesas Proporcionais ao Preço de Venda
15
DPV
Valor Relativo - Expresso em Percentuais %
3. Margem de contribuição
16
17
FORMANDO A EQUAÇÃO
PARA CALCULAR O PREÇO
DE VENDA
PV = CDI + DPV + MC
Custos Diretos Industriais
Demonstração gráfica de Preço de Venda
CDI
MC
DPV
Margem de Contribuição
Despesas Proporcionais ao PV
18
PV = CDI + DPV + MC
Expressão Final PV =
1-( + IMC)α
CDI
Fórmula conceitual
19
α o alfa é igual às Despesas Proporcionais ao Preço de Venda – DPV
E essa é a equação final que vai nos permitir calcular qualquer Preço de Venda,
seja de um produto industrializado, de um produto que será comercializado ou de
um serviço que será prestado.
Agora, você já pode utilizá-la! Observe que todos os termos da
equação tornaram-se homogêneos.
O custo direto (CDI), para produzir uma pizza de 8 pedaços é de R$ 7,80;
As despesas com vendas (entrega, impostos, cartão) é de 25,00%;
O Pizzaiolo quer ganhar 50,00% sobre o preço
de venda.
Qual deverá ser o Preço de Venda, considerando todas
as informações fornecidas?
Calcular o preço dessa pizza de 8 pedaços
PV = CDI + DPV + MC
20
1. CDI R$ 7,80 2. DPV 25% 3. MC 50%
PV = CDI + DPV + MC
PV = 7,80 + 25pv + 50pv
100 100
PV = 7,80 + 0,25pv + 0,50pv
PV = 7,80 + 0,75pv
1PV – 0,75%pv = 7,80
0,25pv = 7,80 PV = 7,80/0,25
PV = 31,20
21
1 – (0,25 + 0,50)
PV =
Calculando, temos
1 – 0,75
PV =
0,25
PV =
PV = 31,20
O Preço de Venda calculado é de R$ 31,20
7,80
7,80
7,80
22
CDI são os custos primários de um produto qualquer.
Eles são obtidos a partir de uma receita técnica que define quantas
unidades de matérias-primas e materiais auxiliares de produção
são necessários para se obter uma unidade do produto, bem como
as máquinas que serão utilizadas, quantidade de horas que será
utilizada dessas máquinas, quantas horas mão de obra direta (com
os encargos) serão gastas na fabricação e etc.
Isso quando se tratar de atividade industrial.
23
CDI
Receita técnica
Define quantidade
Produto
Indústria
24
Custos Primários
Esses custos primários contêm também os gastos gerais de
fabricação:
• energia elétrica
• combustíveis
• materiais que são consumidos durante o processo de produção,
como as lixas, etc
O CDI é calculado pela Contabilidade Industrial de Custos, que em
geral produz valores muito bem estudados com critérios técnicos
bastante acurados e que devem refletir, da forma mais exata
possível, qual é o montante de gasto necessário para se obter uma
unidade de um produto qualquer em condições de ser
comercializado, isto é, acabado e colocado no estoque.
25
s
Custos Primários Gastos de fabricação
Em geral, tais custos são muito sensíveis à
qualidade que se deseja dar ao produto
final, aos processos de produção
aplicados e aos volumes a serem
produzidos.
26
Este é o custo que o comerciante tem para colocar um produto na
prateleira em condições de ser comercializado. Este custo, o CPV,
deve refletir o preço de custo do produto mais frete, menos os
impostos compensáveis embutidos no custo de aquisição do
produto a ser comercializado, mais os impostos não compensáveis.
CPV
IPI
27
CPV é o equivalente ao CDI no comércio, é o custo do produto vendido
Por exemplo, valor do montante dos tempos dispendidos pelo contador
e todos seus auxiliares, para elaborar um balanço, ao qual devem ser
acrescidos os valores dos encargos sociais e fiscais dessa mão de obra,
das despesas de locomoção até o estabelecimento do cliente, de
alimentação, dos materiais que eventualmente serão gastos, etc.
A soma desses gastos constituirá o CSV (custo do serviço vendido).
Eles são semelhantes à mão de obra direta e aos gastos gerais de
fabricação, no caso do CDI (Custo Direto Industrial).
28
CSV é o equivalente ao CDI e ao CPV, na área de serviço, é o custo do
serviço prestado
Digamos que seja uma unidade hora de trabalho de
um escritório de contabilidade.
O custo da hora de serviço, que deve ser considerado
para formar o preço do serviço a ser vendido, é o custo
das horas dos profissionais que irão trabalhar naquela
tarefa específica.
Todos os demais custos do deverão ser considerados
custos fixos, exceto despesas, como impostos que
recaiam sobre o valor do serviço prestado, despesas
financeiras sobre eventuais prazos concedidos para a
fatura ser paga, etc.
Com isso obtém-se o montante do CSV, Custo do
serviço vendido. 29
30
A partir desse CSV, o Preço de Venda da hora pode ser
calculado com o uso da fórmula anteriormente
demonstrada, atribuindo às variáveis Alfa e IMC os
percentuais pertinentes.
1 – (α+ IMC )
CDI
PV =
31
O que é o “” ?
Despesas Proporcionais ao Preço de Venda
α
Convencionamos aqui, para simplificar, chamar as Despesas
Proporcionais ao Preço de Venda de variável α (alfa). Alfa é a primeira
letra do alfabeto grego, conhecida pelo símbolo “α” e representa na
fórmula as Despesas Proporcionais ao Preço de Venda.
Mas o que são as Despesas Proporcionais ao Preço de Venda?
32
O α é composto de itens como:
• Comissões de Vendas
• Impostos Embutidos no Preço de Venda (ICMS, PIS,
COFINS, etc)
• Fretes que incidam sobre o preço de venda
• Despesas com propaganda
• Custos financeiros para financiar prazos de vendas
- 30, 60, 90 dias, por exemplo
33
Vale lembrar que você só conhece, de antemão, o percentual das
despesas que vão incidir sobre o Preço de Vendas.
• Exemplos:
• ICMS dentro do estado: 18%, PIS 0,65%, COFINS 3%
• Frete ad valorem: 5%
• Comissões de vendas: 3%
• Verba de propaganda: 3%
• Verba de despesas financeiras para financiar a venda do
produto por um prazo médio de - 30 dias: 3%
Atenção! Nesses casos calcula-se o custo financeiro pelo prazo
médio ponderado concedido.
34
O Índice de Margem de Contribuição ou IMC é o percentual que você
elege para aplicar sobre o Preço de Venda e que tem como objetivo
pagar os Custos Fixos do seu negócio, mais o Lucro que você quer auferir
na venda de um produto qualquer.
Também é um índice, ou seja, é um percentual. Ele deriva do
conceito de Margem de Contribuição.
35
O que é IMC
36
MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO – A ESPINHA DORSAL
QUE SUSTENTA DO CORPO GERENCIAL DE UMA
EMPRESA
Fixe bem. Este é o principal conceito deste curso
que irá transformar não só a gestão de preços, mas
a sua formação e a gestão da
lucratividade/rentabilidade.
Irá transformar de forma expressiva a cultura geral
da empresa, que ficará muito mais comprometida
com o conceito de PRODUTIVIDADE, essencial para
que pessoas e organizações sejam eficazes no que
fazem.
Fique atento porque esse conceito é de extraordinária utilidade na gestão
de uma empresa e será desenvolvido mais profundamente, como
ferramenta de trabalho, no Curso da Fase 2 – Módulo Intermediário, quando
vamos associá-lo ao tema:
Análise de Custo x Volume x Lucro
37
Os empresários e administradores necessitam controlar o desempenho
de seus negócios. Para tanto, precisam de informações gerenciais e
relatórios confiáveis para realizarem decisões eficazes. Nesse contexto,
uma ferramenta bastante utilizada e eficiente é Margem de
Contribuição MC.
O IMC é a única forma objetiva de mensurar o efeito da percepção de
valor sobre o produto ou serviço, notada pelo consumidor.
É portanto, uma ferramenta poderosa para gerir preços pela ótica de
Valor Percebido.
RELATÓRIOS GERENCIAIS PARA EMPRESAS
38
• Se a Margem de Contribuição for suficiente só para pagar o Custo
fixo, significa que não está havendo lucro nenhum, ou seja, a
operação está pagando somente os Custos Variáveis e os Custos
Fixos.
Nesse caso, a empresa está trabalhando no PONTO DE EQUILÍBRIO ou
.....Break even.
39
• Se a Margem de Contribuição for superior ao Custo Fixo, significa
que está havendo lucro para pagar o Custo Fixo e algo mais.
• Esse algo mais deve ser um percentual superior à taxa de juros
SELIC para que se possa dizer que o risco empresarial teve êxito,
pois seus ganhos excedem o ganho de oportunidade de um porto
seguro, sem risco, que seria aplicar o dinheiro financiando, por
exemplo, o governo.
40
É um percentual de retorno que o lucro proporciona sobre o
capital aplicado no negócio.
É portanto um Índice de RENTABILIDADE.
Ele transforma a visão do lucro sobre vendas em percepção da
suficiência do lucro sob a ótica da RENTABILIDADE.
41
O que é o ROI?
Basta dividir o lucro líquido obtido pelo Capital Aplicado.
Um bom indicador de rentabilidade para as pequenas e médias
empresas é um índice de 3,00% ao mês. Ou ROI de 33 meses, que
permite ao investidor obter de volta o capital aplicado neste período.
42
Como se calcula o ROI?
Lucro líquido: R$ 90.000,00
Capital investido: R$ 3.000.000,00
ROI = 90.000,000 = 3%
3.000.000,00
43
Quais são as razões de se eleger esse índice de 3,00% ao mês para o ROI?
1. As PME’s têm, como já visto, um ciclo de vida relativamente curto,
portanto, quanto mais rápido o capital inicial for recuperado, menos
risco o investidor corre.
2. Por trabalharem com custos fixos mais baixos e possuírem uma
administração mais dinâmica, as PME’s conseguem ser competitivas
mesmo praticando preços que contêm esse índice de remuneração
de ROI.
3. As PME’s não são intensivas de Capital e sim de mão de obra, com
uma forte participação de seus sócios e administradores.
Priceformer
44
Bit.ly/SuiteEagle
Usuário: exemplo Senha: exemeg1
Qual é a melhor Política de Preços?
Aquela que proporcione a melhor Rentabilidade para o
Capital próprio empregado no negócio, sem prejuízo de
sua sustentabilidade no tempo.
O uso dessa metodologia não é só para calcular preços de venda. Permite
simular diversas hipóteses de:
• Preços de Venda específicos em função de mercados ou perfil de clientes
• Preços de vendas em função de Índices diversos de Margem de
Contribuição
• Preços de vendas em função de variações das despesas proporcionais ao
Preço de Venda, o alfa
• Preços de vendas em função de custos primários dos produtos vendidos
(CDI’s, CPV’s e CSV’s)
46
47
PV
MC
CPV
VARIAÇÕES DPV
IMC
CSV
CDI
CÁLCULOS E SIMULAÇÕES
CUSTOS PRIMÁRIOS
COMISSIONAMENTO VENDAS
PAGAMENTO DE FRETE
FINANCIAMENTO DE VENDAS
REGIME FISCAL
ANALISAR
ESTRATÉGIA LUCRO PRODUTO
49
• rever processos
• planejar reduções de custos de produção
• Perceber a hora de INOVAR
• rever política de compras
• rever política de custeio dos serviços vendidos
50
Linkedin: grupos
• Pricing – especialistas em formação do Preço de Venda
https://www.linkedin.com/groups/4161608
• Contabilidade Gerencial Estratégica – CGE
https://www.linkedin.com/groups/4172268
Facebook
• Comunidade Eagle de Pricing – Best Price
• Comunidade Eagle de Controladoria
Site – www.eaglelucratividade.com
• Eagle Member´s Club (dirigida à Pessoa Jurídica)
Cadastre-se nos nossos grupos e seja um membro
da
Comunidade Eagle de Pricing
51
www.eaglelucratividade.com
tanianak@eaglelucratividade.com
(11) 9.9985-8743
tania.nakamura
flaviosr@eaglelucratividade.com
(11) 94492-7923
flcarelli
Contato:
Agradecemos a atenção!!!
52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Custos
CustosCustos
Custos
albumina
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
Filipe Mello
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
MestredaContabilidade
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Adriano Bruni
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
Daniel Moura
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
Daniel Moura
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
Rafhael Sena
 
Planejamento Empresarial
Planejamento EmpresarialPlanejamento Empresarial
Planejamento Empresarial
Eliseu Fortolan
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Dre
DreDre
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
Leandro Trelesse Vieira
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
PROFESSORA_LIVIA
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
SALVADOR SERRATO
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
Mitsubishi Motors Brasil
 
11.09 Prazos Medios
11.09 Prazos Medios11.09 Prazos Medios
11.09 Prazos Medios
guest0976dc
 
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptxAula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Professor Cristiano Barreto
 
Operacoes mercantis
Operacoes mercantisOperacoes mercantis
Operacoes mercantis
sandra167
 
DRE
DREDRE

Mais procurados (20)

Custos
CustosCustos
Custos
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
 
Planejamento Empresarial
Planejamento EmpresarialPlanejamento Empresarial
Planejamento Empresarial
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Dre
DreDre
Dre
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
11.09 Prazos Medios
11.09 Prazos Medios11.09 Prazos Medios
11.09 Prazos Medios
 
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptxAula 8 - Fluxo de caixa.pptx
Aula 8 - Fluxo de caixa.pptx
 
Operacoes mercantis
Operacoes mercantisOperacoes mercantis
Operacoes mercantis
 
DRE
DREDRE
DRE
 

Mais de ADVB

Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
ADVB
 
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
ADVB
 
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
ADVB
 
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
ADVB
 
Palestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB Mulher
Palestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB MulherPalestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB Mulher
Palestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB Mulher
ADVB
 
Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...
Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...
Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...
ADVB
 
ADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo Freire
ADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo FreireADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo Freire
ADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo Freire
ADVB
 
E - book vendas digitais
E - book vendas digitaisE - book vendas digitais
E - book vendas digitais
ADVB
 
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo AlckminPalestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
ADVB
 
Palestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDI
Palestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDIPalestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDI
Palestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDI
ADVB
 
ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...
ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...
ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...
ADVB
 
ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...
ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...
ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...
ADVB
 
Advb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta Bigucci
Advb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta BigucciAdvb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta Bigucci
Advb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta Bigucci
ADVB
 
Apresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides Cury
Apresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides CuryApresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides Cury
Apresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides Cury
ADVB
 
ADVB Apresentação Institucional 2018
ADVB Apresentação Institucional 2018ADVB Apresentação Institucional 2018
ADVB Apresentação Institucional 2018
ADVB
 
Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018
Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018
Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018
ADVB
 
Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!
Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!
Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!
ADVB
 
A Revolução do marketing esportivo
A Revolução do marketing esportivoA Revolução do marketing esportivo
A Revolução do marketing esportivo
ADVB
 
São Paulo e o setor energético
São Paulo e o setor energéticoSão Paulo e o setor energético
São Paulo e o setor energético
ADVB
 
Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...
Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...
Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...
ADVB
 

Mais de ADVB (20)

Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
 
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
 
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
 
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
Pesquisa FIPE - ADVB - Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de ...
 
Palestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB Mulher
Palestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB MulherPalestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB Mulher
Palestra "As Oportunidades nos Desafios" - Elizangela Kioko | ADVB Mulher
 
Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...
Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...
Sondagem de Confiança e Expectativa dos Dirigentes de Vendas e Marketing do B...
 
ADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo Freire
ADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo FreireADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo Freire
ADVB Mulher - Palestra Comunicação Eficaz: Como é Que Se Faz por Adelmo Freire
 
E - book vendas digitais
E - book vendas digitaisE - book vendas digitais
E - book vendas digitais
 
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo AlckminPalestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
 
Palestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDI
Palestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDIPalestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDI
Palestra Neurociência - ADVB Mulher + EBDI
 
ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...
ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...
ADVB Mulher - Palestra "Neurociência: Coisa da Minha Cabeça" com Cristina Cal...
 
ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...
ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...
ADVB Mulher - Palestra "A voz de uma mulher pode transformar a sociedade" com...
 
Advb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta Bigucci
Advb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta BigucciAdvb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta Bigucci
Advb Mulher - Palestra "O Cliente Vende por Você" por Roberta Bigucci
 
Apresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides Cury
Apresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides CuryApresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides Cury
Apresentação TOP Destinos Turísticos - Aristides Cury
 
ADVB Apresentação Institucional 2018
ADVB Apresentação Institucional 2018ADVB Apresentação Institucional 2018
ADVB Apresentação Institucional 2018
 
Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018
Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018
Apresentação núcleo ADVB Mulher 2018
 
Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!
Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!
Uma nação com mais de 30 milhões de Loucos!
 
A Revolução do marketing esportivo
A Revolução do marketing esportivoA Revolução do marketing esportivo
A Revolução do marketing esportivo
 
São Paulo e o setor energético
São Paulo e o setor energéticoSão Paulo e o setor energético
São Paulo e o setor energético
 
Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...
Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...
Desenvolvimento científico e tecnológico proporcionado pelo programa nuclear ...
 

Palestra Pricing - Formação do Preço de Venda

  • 1. 1
  • 2. 2 “É o valor financeiro atribuído a um produto ou serviço, com um determinado padrão de qualidade, que o consumidor está disposto a pagar para obtê-lo”. “É o processo de formar e gerenciar preços, atuando estrategicamente para conseguir que eles sejam competitivos, lucrativos e rentáveis”.
  • 3. 3 Por que Pricing... É preciso exterminar a prática do MARK UP na formação de preços 1. Numa economia estável e competitiva os preços são transparentes. 2. A competição pela preferência do consumidor é saudável e faz bem à economia. Estimula a INOVAÇÃO
  • 4. 4 Muitas empresas quebram por praticarem o Mark Up na formação de Preços, porque o Mark up não leva em conta: 1. Quanto do fator é Despesa de Venda 2. Quanto do fator paga o Custo Fixo 3. Quanto do fator é Lucro 4. Que Lucro a empresa precisa faturar No Brasil, o Índice de sobrevivência de pequenas empresas é muito baixo. Apenas 10% permanecem após 2 gerações.
  • 5. 21.183.718 empresas ativas hoje no Brasil fonte: Empresômetro 5
  • 6. Pricing é muito mais do que formar preço  Pricinng é cultivar uma boa semente para colher bons resultados.
  • 7. 7 Precificação se faz a partir dos cenários econômicos predominantes
  • 8. O Conceito de Margem de Contribuição é a espinha dorsal que estrutura a empresa saudável. 1. Quando a precificação é feita por margem de contribuição, é possível planejar a competividade, a lucratividade e a rentabilidade dos preços praticados. 2. É possível praticar uma saudável política de preços a partir da GERAÇÃO DE VALOR QUE PODE SER INSERIDA NOS PREÇOS, ELEMENTO SUTIL QUE FAZ TODA DIFERENÇA NA HORA DE COMPETIR.
  • 9. Processo correto de formação de preço: 1. Conheça qual é o montante de retorno sobre o investimento feito no negócio que você pode esperar. Leve esse número em conta na hora de formar preço. 2. Conheça qual o custo fixo que o negócio pode suportar. Esse valor é vital na obtenção do lucro. 3. Tenha uma operação produtiva e eficaz. 4. Administre toda sua empresa com o Conceito de Margem de Contribuição. Ela será a espinha dorsal de uma nova gestão preços e de resultados.
  • 10. 10 OBJETIVOS DOS PREÇOS • Obter retorno do capital investido, com os lucros auferidos ao longo do tempo.* *Somente por meio da correta fixação e mensuração dos Preços de Venda é possível assegurar o adequado retorno do investimento efetuado (ROI). • O consumidor deve ser atendido em sua expectativa, a de que está pagando um preço justo pelo produto ou serviço que consumirá.
  • 11. Para formar o Preço de Venda precisamos responder a três perguntas fundamentais: • Quanto custa para produzir o produto? • Quais as despesas para vender o produto? • Qual o ganho que o preço deve proporcionar? 11
  • 12. 12 Como o Preço de Venda é formado?
  • 13. 13 Quais são os grupos de gastos que formam o Preço de Venda? 1 2 3
  • 14. 1. Grupo dos Custos Diretos A Soma dos Custos Diretos é um valor absoluto, um montante, ou seja, é o valor próprio do algarismo. CDI CPV CSV 14 Indústria Comércio Serviços
  • 15. 2. Grupo das Despesas Proporcionais ao Preço de Venda 15 DPV Valor Relativo - Expresso em Percentuais %
  • 16. 3. Margem de contribuição 16
  • 17. 17 FORMANDO A EQUAÇÃO PARA CALCULAR O PREÇO DE VENDA
  • 18. PV = CDI + DPV + MC Custos Diretos Industriais Demonstração gráfica de Preço de Venda CDI MC DPV Margem de Contribuição Despesas Proporcionais ao PV 18
  • 19. PV = CDI + DPV + MC Expressão Final PV = 1-( + IMC)α CDI Fórmula conceitual 19 α o alfa é igual às Despesas Proporcionais ao Preço de Venda – DPV E essa é a equação final que vai nos permitir calcular qualquer Preço de Venda, seja de um produto industrializado, de um produto que será comercializado ou de um serviço que será prestado. Agora, você já pode utilizá-la! Observe que todos os termos da equação tornaram-se homogêneos.
  • 20. O custo direto (CDI), para produzir uma pizza de 8 pedaços é de R$ 7,80; As despesas com vendas (entrega, impostos, cartão) é de 25,00%; O Pizzaiolo quer ganhar 50,00% sobre o preço de venda. Qual deverá ser o Preço de Venda, considerando todas as informações fornecidas? Calcular o preço dessa pizza de 8 pedaços PV = CDI + DPV + MC 20
  • 21. 1. CDI R$ 7,80 2. DPV 25% 3. MC 50% PV = CDI + DPV + MC PV = 7,80 + 25pv + 50pv 100 100 PV = 7,80 + 0,25pv + 0,50pv PV = 7,80 + 0,75pv 1PV – 0,75%pv = 7,80 0,25pv = 7,80 PV = 7,80/0,25 PV = 31,20 21
  • 22. 1 – (0,25 + 0,50) PV = Calculando, temos 1 – 0,75 PV = 0,25 PV = PV = 31,20 O Preço de Venda calculado é de R$ 31,20 7,80 7,80 7,80 22
  • 23. CDI são os custos primários de um produto qualquer. Eles são obtidos a partir de uma receita técnica que define quantas unidades de matérias-primas e materiais auxiliares de produção são necessários para se obter uma unidade do produto, bem como as máquinas que serão utilizadas, quantidade de horas que será utilizada dessas máquinas, quantas horas mão de obra direta (com os encargos) serão gastas na fabricação e etc. Isso quando se tratar de atividade industrial. 23
  • 25. Esses custos primários contêm também os gastos gerais de fabricação: • energia elétrica • combustíveis • materiais que são consumidos durante o processo de produção, como as lixas, etc O CDI é calculado pela Contabilidade Industrial de Custos, que em geral produz valores muito bem estudados com critérios técnicos bastante acurados e que devem refletir, da forma mais exata possível, qual é o montante de gasto necessário para se obter uma unidade de um produto qualquer em condições de ser comercializado, isto é, acabado e colocado no estoque. 25
  • 26. s Custos Primários Gastos de fabricação Em geral, tais custos são muito sensíveis à qualidade que se deseja dar ao produto final, aos processos de produção aplicados e aos volumes a serem produzidos. 26
  • 27. Este é o custo que o comerciante tem para colocar um produto na prateleira em condições de ser comercializado. Este custo, o CPV, deve refletir o preço de custo do produto mais frete, menos os impostos compensáveis embutidos no custo de aquisição do produto a ser comercializado, mais os impostos não compensáveis. CPV IPI 27 CPV é o equivalente ao CDI no comércio, é o custo do produto vendido
  • 28. Por exemplo, valor do montante dos tempos dispendidos pelo contador e todos seus auxiliares, para elaborar um balanço, ao qual devem ser acrescidos os valores dos encargos sociais e fiscais dessa mão de obra, das despesas de locomoção até o estabelecimento do cliente, de alimentação, dos materiais que eventualmente serão gastos, etc. A soma desses gastos constituirá o CSV (custo do serviço vendido). Eles são semelhantes à mão de obra direta e aos gastos gerais de fabricação, no caso do CDI (Custo Direto Industrial). 28 CSV é o equivalente ao CDI e ao CPV, na área de serviço, é o custo do serviço prestado
  • 29. Digamos que seja uma unidade hora de trabalho de um escritório de contabilidade. O custo da hora de serviço, que deve ser considerado para formar o preço do serviço a ser vendido, é o custo das horas dos profissionais que irão trabalhar naquela tarefa específica. Todos os demais custos do deverão ser considerados custos fixos, exceto despesas, como impostos que recaiam sobre o valor do serviço prestado, despesas financeiras sobre eventuais prazos concedidos para a fatura ser paga, etc. Com isso obtém-se o montante do CSV, Custo do serviço vendido. 29
  • 30. 30 A partir desse CSV, o Preço de Venda da hora pode ser calculado com o uso da fórmula anteriormente demonstrada, atribuindo às variáveis Alfa e IMC os percentuais pertinentes.
  • 31. 1 – (α+ IMC ) CDI PV = 31 O que é o “” ? Despesas Proporcionais ao Preço de Venda α
  • 32. Convencionamos aqui, para simplificar, chamar as Despesas Proporcionais ao Preço de Venda de variável α (alfa). Alfa é a primeira letra do alfabeto grego, conhecida pelo símbolo “α” e representa na fórmula as Despesas Proporcionais ao Preço de Venda. Mas o que são as Despesas Proporcionais ao Preço de Venda? 32
  • 33. O α é composto de itens como: • Comissões de Vendas • Impostos Embutidos no Preço de Venda (ICMS, PIS, COFINS, etc) • Fretes que incidam sobre o preço de venda • Despesas com propaganda • Custos financeiros para financiar prazos de vendas - 30, 60, 90 dias, por exemplo 33
  • 34. Vale lembrar que você só conhece, de antemão, o percentual das despesas que vão incidir sobre o Preço de Vendas. • Exemplos: • ICMS dentro do estado: 18%, PIS 0,65%, COFINS 3% • Frete ad valorem: 5% • Comissões de vendas: 3% • Verba de propaganda: 3% • Verba de despesas financeiras para financiar a venda do produto por um prazo médio de - 30 dias: 3% Atenção! Nesses casos calcula-se o custo financeiro pelo prazo médio ponderado concedido. 34
  • 35. O Índice de Margem de Contribuição ou IMC é o percentual que você elege para aplicar sobre o Preço de Venda e que tem como objetivo pagar os Custos Fixos do seu negócio, mais o Lucro que você quer auferir na venda de um produto qualquer. Também é um índice, ou seja, é um percentual. Ele deriva do conceito de Margem de Contribuição. 35 O que é IMC
  • 36. 36 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO – A ESPINHA DORSAL QUE SUSTENTA DO CORPO GERENCIAL DE UMA EMPRESA Fixe bem. Este é o principal conceito deste curso que irá transformar não só a gestão de preços, mas a sua formação e a gestão da lucratividade/rentabilidade. Irá transformar de forma expressiva a cultura geral da empresa, que ficará muito mais comprometida com o conceito de PRODUTIVIDADE, essencial para que pessoas e organizações sejam eficazes no que fazem.
  • 37. Fique atento porque esse conceito é de extraordinária utilidade na gestão de uma empresa e será desenvolvido mais profundamente, como ferramenta de trabalho, no Curso da Fase 2 – Módulo Intermediário, quando vamos associá-lo ao tema: Análise de Custo x Volume x Lucro 37
  • 38. Os empresários e administradores necessitam controlar o desempenho de seus negócios. Para tanto, precisam de informações gerenciais e relatórios confiáveis para realizarem decisões eficazes. Nesse contexto, uma ferramenta bastante utilizada e eficiente é Margem de Contribuição MC. O IMC é a única forma objetiva de mensurar o efeito da percepção de valor sobre o produto ou serviço, notada pelo consumidor. É portanto, uma ferramenta poderosa para gerir preços pela ótica de Valor Percebido. RELATÓRIOS GERENCIAIS PARA EMPRESAS 38
  • 39. • Se a Margem de Contribuição for suficiente só para pagar o Custo fixo, significa que não está havendo lucro nenhum, ou seja, a operação está pagando somente os Custos Variáveis e os Custos Fixos. Nesse caso, a empresa está trabalhando no PONTO DE EQUILÍBRIO ou .....Break even. 39
  • 40. • Se a Margem de Contribuição for superior ao Custo Fixo, significa que está havendo lucro para pagar o Custo Fixo e algo mais. • Esse algo mais deve ser um percentual superior à taxa de juros SELIC para que se possa dizer que o risco empresarial teve êxito, pois seus ganhos excedem o ganho de oportunidade de um porto seguro, sem risco, que seria aplicar o dinheiro financiando, por exemplo, o governo. 40
  • 41. É um percentual de retorno que o lucro proporciona sobre o capital aplicado no negócio. É portanto um Índice de RENTABILIDADE. Ele transforma a visão do lucro sobre vendas em percepção da suficiência do lucro sob a ótica da RENTABILIDADE. 41 O que é o ROI?
  • 42. Basta dividir o lucro líquido obtido pelo Capital Aplicado. Um bom indicador de rentabilidade para as pequenas e médias empresas é um índice de 3,00% ao mês. Ou ROI de 33 meses, que permite ao investidor obter de volta o capital aplicado neste período. 42 Como se calcula o ROI? Lucro líquido: R$ 90.000,00 Capital investido: R$ 3.000.000,00 ROI = 90.000,000 = 3% 3.000.000,00
  • 43. 43 Quais são as razões de se eleger esse índice de 3,00% ao mês para o ROI? 1. As PME’s têm, como já visto, um ciclo de vida relativamente curto, portanto, quanto mais rápido o capital inicial for recuperado, menos risco o investidor corre. 2. Por trabalharem com custos fixos mais baixos e possuírem uma administração mais dinâmica, as PME’s conseguem ser competitivas mesmo praticando preços que contêm esse índice de remuneração de ROI. 3. As PME’s não são intensivas de Capital e sim de mão de obra, com uma forte participação de seus sócios e administradores.
  • 45. Qual é a melhor Política de Preços? Aquela que proporcione a melhor Rentabilidade para o Capital próprio empregado no negócio, sem prejuízo de sua sustentabilidade no tempo.
  • 46. O uso dessa metodologia não é só para calcular preços de venda. Permite simular diversas hipóteses de: • Preços de Venda específicos em função de mercados ou perfil de clientes • Preços de vendas em função de Índices diversos de Margem de Contribuição • Preços de vendas em função de variações das despesas proporcionais ao Preço de Venda, o alfa • Preços de vendas em função de custos primários dos produtos vendidos (CDI’s, CPV’s e CSV’s) 46
  • 48. COMISSIONAMENTO VENDAS PAGAMENTO DE FRETE FINANCIAMENTO DE VENDAS REGIME FISCAL ANALISAR ESTRATÉGIA LUCRO PRODUTO
  • 49. 49 • rever processos • planejar reduções de custos de produção • Perceber a hora de INOVAR • rever política de compras • rever política de custeio dos serviços vendidos
  • 50. 50 Linkedin: grupos • Pricing – especialistas em formação do Preço de Venda https://www.linkedin.com/groups/4161608 • Contabilidade Gerencial Estratégica – CGE https://www.linkedin.com/groups/4172268 Facebook • Comunidade Eagle de Pricing – Best Price • Comunidade Eagle de Controladoria Site – www.eaglelucratividade.com • Eagle Member´s Club (dirigida à Pessoa Jurídica) Cadastre-se nos nossos grupos e seja um membro da Comunidade Eagle de Pricing
  • 52. 52